• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Gestão Eficiente: Anastasia inaugura central termoelétrica na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Arrudas

Sistema de cogeração de energia evita eliminação de gases poluentes no meio ambiente e fornecerá 90% da energia consumida pela ETE

Omar Freire/Imprensa MG
O novo sistema aproveita o gás que eflui do processo de limpeza da água para gerar energia
O novo sistema aproveita o gás que eflui do processo de limpeza da água para gerar energia

O governador Antonio Anastasia e o presidente da Copasa, Ricardo Simões, inauguraram, nesta terça-feira (3), a central termoelétrica da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Arrudas, em Sabará. O sistema de cogeração de energia elétrica evita que gases poluentes sejam eliminados no meio ambiente, além fornecer 90% da energia consumida pela ETE.

O Governo do Estado investiu, por meio da Copasa, R$ 50 milhões no novo sistema, que tem capacidade de produção de 2,4 megawatts, o suficiente para abastecer cerca de 3 mil residências. Com a nova fonte de energia a Copasa economizará de R$ 2,7 milhões por ano.

“Estamos inaugurando algo inovador e até instigante. Estamos aproveitando o gás que eflui do processo de limpeza da água para gerar energia e manter esta estação não só ecologicamente limpa, mas também energeticamente autossuficiente em 90% do seu consumo. É a única que tem esse tipo de instalação em toda a América Latina, o que demonstra, mais uma vez, o pioneirismo da Copasa. A palavra inovação deve ser sempre nossa meta e aqui estamos inovando, trazendo a tecnologia mais avançada a favor do meio ambiente”, afirmou o governador.

A estrutura da termoelétrica aproveita o gás eliminado em uma das fases do tratamento de esgoto, que é a reação anaeróbica realizada dentro de biodigestores. O esgoto produz metano, gás altamente poluente para a atmosfera. O gás é canalizado para a central termoelétrica, onde é queimado, gerando calor que gira as turbinas que produzem eletricidade.

O processo ainda ajuda a aumentar a eficiência dos biodigestores, acelerando o trabalho e aumentando a capacidade atual do tratamento na ETE. Num sistema chamado de cogeração de energia, o calor aquecerá o lodo no interior dos biodigestores aumentando a eficiência da reação anaeróbica.

“A ação é inovadora, mas simples. O processo de tratamento de esgoto gera efluentes líquidos, sólidos e gasosos. Os gases antes lançados na atmosfera na forma de gás carbônico, ampliavam o efeito estufa. Agora, se transformam em energia elétrica, utilizada no próprio processo de tratamento de esgoto. É um investimento inteligente, que contribui com o meio ambiente, para a qualidade de vida, permitindo que os recursos economizados sejam reaplicados continuamente em benefício da população”, explicou o presidente da Copasa, Ricardo Simões.

Meta 2014

O governador Antonio Anastasia ressaltou que a inauguração da central termoelétrica da ETE Arrudas colabora com as ações para alcançar a Meta 2014, que inclui a melhoria da qualidade das águas do Rio das Velhas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“Nosso objetivo é continuar investindo no tratamento dos resíduos para que tenhamos a melhoria da qualidade ambiental do Rio das Velhas, que é o maior afluente do São Francisco, o rio da integração nacional. Então, todo o investimento que se faz na Região Metropolitana acaba refletindo em toda a região central, pelo Norte de Minas e até pelo Nordeste do nosso Brasil. Esta unidade tem um papel fundamental na melhoria da qualidade das águas do rio das Velhas. É nossa responsabilidade cuidar das águas e, ao mesmo tempo, permitir que nossos concidadãos do Norte de Minas e também de outros Estados tenham também água de qualidade”, disse.

O Governo de Minas vem realizando um grande esforço na revitalização da Bacia do Rio das Velhas, com o maior investimento feito no Brasil nesse setor. A ETE Arrudas é um importante instrumento para garantir o sucesso da revitalização do rio e, assim, alcançar a Meta 2014, que é poder nadar, pescar e navegar no trecho do Rio das Velhas, na RMBH, até aquele ano.

Para isso, nos últimos anos, a Copasa vem intensificando as ações de coleta e tratamento de esgoto para impedir que dejetos sejam lançados no rio. De 2004 a 2011, aplicou cerca de R$ 1,3 bilhão em 172 obras. Em 1999, apenas 1,34% do esgoto coletado na região da bacia do rio das Velhas era tratado. Em 2011, atingiu o percentual de 76,03%.

Participaram também da solenidade de inauguração da Central Termoelétrica o vice-presidente da Copasa, Ziza Valadares; o prefeito de Sabará, William Borges; os secretários de Estado Bilac Pinto (Desenvolvimento Regional e Política Urbana); Gil Pereira (Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e Norte de Minas); Adriano Magalhães (Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) e Wander Borges (Regularização Fundiária).

ETE Arrudas

A Estação de Tratamento de Esgoto Arrudas já recebeu R$ 270 milhões em investimentos, incluindo os recursos para a central termoelétrica. Para a expansão da ETE, que deverá estar concluída até 2014, estão sendo destinados outros R$ 186 milhões. Atualmente cerca de 90% de matéria orgânica já são removidas no sistema, com a capacidade sendo ampliada de 2,3 para 3,3 metros cúbicos por segundo. As obras serão realizadas no tratamento preliminar e no tratamento primário e secundário.

Com capacidade de tratamento 2.259 litros por segundo, o equivalente a 194,4 milhões de litros de esgoto por dia, a ETE Arrudas trata 50% dos esgotos coletados em Belo Horizonte e 40% dos esgotos coletados em Contagem.

Segundo Ricardo Simões, a Copasa multiplicou sua capacidade de tratar de esgoto, que passou de 27%, em 2003, para mais de 60% no final do ano passado, devendo chegar a 80% em 2013. “Enquanto ampliamos o percentual de tratamento em quase três vezes praticamente dobramos o número de mineiros servidos pela Copasa por esse serviço. Hoje já temos 118 estações de tratamento de esgoto em plena operação, outras 78 em obras e quase 50 em licitação ou já projetadas”, disse.

Centro de Pesquisa

Há mais de cinco anos, a ETE Arrudas tem sido local de pesquisa do Departamento de Engenharia Sanitária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que, por meio de convênio de cooperação técnica, utiliza as dependências e o esgoto experiências no processo de tratamento, pesquisando inovações tecnológicas.

Com base nessas pesquisas e experiências a Copasa já está utilizando filtros biológicos e reatores anaeróbios de fluxo ascendentes (RAFA) nas ETEs de Pará de Minas, Montes Claros, Jardim Canadá, com ganhos tecnológicos e financeiros.

A ETE Arrudas também conta com um Centro de Educação Ambiental – CEAM ETE Arrudas, criado com o objetivo de realizar atividades ligadas ao meio ambiente e promover a conscientização da preservação ambiental, através de visitas e palestras.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-inaugura-central-termoeletrica-na-estacao-de-tratamento-de-esgoto-ete-arrudas/

Anúncios

Gestão Anastasia: Seminário de Iniciação Científica da Hemominas reúne jovens pesquisadores em Belo Horizonte

Evento teve como objetivo divulgar, reconhecer e valorizar os resultados de pesquisas desenvolvidas na instituição

Com apresentação de 22 trabalhos, sendo 12 do interior do Estado, o VI Seminário de Iniciação Científica da Fundação Hemominas, realizado, nesta sexta-feira (30), no Hemocentro de Belo Horizonte, teve como objetivo divulgar, reconhecer e valorizar os resultados de pesquisas desenvolvidas na instituição pelos pesquisadores e estagiários bolsistas.

Coordenado pelo Serviço de Pesquisa da Gerência de Desenvolvimento Técnico-Científico, o evento abordou temas relacionado às doenças transmissíveis pelo sangue, hemoglobinopatias, gestão em saúde, doação de sangue e derivados, transfusão de sangue e derivados, imunohematologia e coagulopatias.

A presidente da Fundação Hemominas, Júnia Cioffi, ressaltou a importância para a Hemominas em ter estudantes desenvolvendo pesquisas voltadas para a hemoterapia. “A Fundação Hemominas está sempre aberta para as pesquisas. Os projetos desenvolvidos são excelentes e inovadores”, completou Júnia.

De acordo com o diretor Técnico-Científico da Hemominas, Fernando Basques, “é importante divulgar o conhecimento com base cientifica em setores técnicos. Além disso, a pesquisa leva a inovação para os serviços assistenciais”. Segundo ele, os estudantes devem incentivar seus colegas a participarem de projetos como esse.

Para a hematologista da Fundação Hemominas e professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Célia Maria Silva, a valorização da prática com a pesquisa científica, associada ao atendimento a pacientes, faz com que os estudantes aprendam a conduzir eticamente um estudo. “São estimulados a realizar a pesquisa sem deixar a prática, além de aprenderem a trabalhar em equipe”, comentou a médica.

A hematologista é orientadora no trabalho “Prevenção Primária de Acidente Vascular Cerebral em Crianças com Doença Falciforme: A Experiência do Hemocentro de Belo Horizonte”, do estudante de Medicina da UFMG, Filipe Chaves Duarte. “É importante para o aluno encaixar o conhecimento prático da pesquisa com o teórico adquirido na universidade”, afirmou Célia Silva.

O coordenador do Hemocentro Regional de Uberaba, Paulo Roberto Juliano Martins, participou do seminário acompanhando cinco bolsistas do Triângulo Mineiro que apresentaram trabalhos de pesquisa. De acordo com o médico e pesquisador, a Fundação Hemominas é uma instituição sensibilizada para as pesquisas científicas. “A Hemominas incentiva a pesquisa. Quanto mais aumentarem as pesquisas na fundação, mais qualidade teremos nos nossos serviços de hematologia e hemoterapia. Houve um acréscimo muito grande na qualidade dos trabalhos no decorrer dos anos, demonstrado inclusive com  estudos de bolsistas publicados em revistas científicas nacionais e apresentados em congressos”, afirmou.

Todos os trabalhos inscritos no seminário fazem parte do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (BIC) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). As bolsas são concedidas para instituições de ensino sediadas em Minas Gerais, com o objetivo de contribuir para a iniciação de estudantes de graduação em atividades de pesquisa.

A gerente de Desenvolvimento Técnico-Científico da Hemominas e responsável pelo Programa BIC na fundação, Marina Lobato Martins, fez um breve balanço sobre o projeto de Iniciação Científica que teve início, em 2005, com cinco bolsistas inscritos. Neste ano, a Hemominas atingiu a cota máxima oferecida pela Fapemig, a de 25 bolsas para estudantes. Desde 2006, das 155 bolsas oferecidas, 71 alunos foram graduados. Marina ressalta o papel do orientador no desenvolvimento de um bom trabalho. “Assim, o estudante irá elaborar uma pesquisa que traga retorno positivo para a Fundação Hemominas. Deve-se apostar mais nas parcerias. Sem os bolsistas, o programa não funcionaria”, completou Marina.

Segundo o responsável pelo Serviço de Pesquisa da Hemominas, Daniel Chaves, o trabalho com os bolsistas é muito recompensador para os bolsistas e para a fundação. “Para os bolsistas, o trabalho conjunto é interessante, pois representa o aprimoramento de técnicas e teorias que aprendem na faculdade. Para nós, representa um braço dos pesquisadores dentro da instituição, que nos auxilia em projetos de pesquisas da própria Fundação”, explicou.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/seminario-de-iniciacao-cientifica-da-hemominas-reune-jovens-pesquisadores-em-belo-horizonte/