• Agenda

    setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Governo de Minas cria o Museu da Cachaça

Gestão Anastasia: Governo de Minas e Prefeitura de Salinas inauguram o Museu da Cachaça

Museu está instalado em um terreno de 13.120m², entre área construída, área expositiva, espaço de convivência e espaços administrativos

Wellington Pedro/Imprensa MG
imagem.title
Museu mostra a cachaça artesanal em seu aspecto produtivo e sociocultural

Divulgação/Secretaria de Cultura
Museu da Cachaça mostra uma visão antropológica e sociocultural da bebida tipicamente mineira
Museu da Cachaça mostra uma visão antropológica e sociocultural da bebida tipicamente mineira

O Governo de Minas e a Prefeitura de Salinas inauguram nesta quinta-feira (20), às 10h, na cidade de Salinas, Norte de Minas, um novo espaço cultural. Trata-se do Museu da Cachaça, cuja implantação irá oferecer à população um equipamento cultural completo. Os ambientes foram criados com base em dois conceitos. O primeiro é o socioeconômico, no qual a cachaça artesanal está retratada em aspectos de produção, circulação e consumo, gerando uma visão antropológica do produto. O segundo é sociocultural, que mostra o significado da bebida como fruto do imaginário coletivo, unindo grupos sociais por meio de seu uso. O museu fica na avenida Antônio Carlos, nº 1.250 – Salinas / MG.

O Museu da Cachaça, inicialmente, será administrado pelaUnimontes, por meio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino Superior do Norte de Minas (Fadenor). Entre suas propostas de atuação estão a difusão do conhecimento sobre a produção da cachaça como bem patrimonial da comunidade local e do Estado, assim como a promoção e a preservação de todo o patrimônio da cadeia produtiva desse artigo genuinamente brasileiro.

Além disso, serão promovidas ações educativas para o público escolar e a comunidade em geral sobre o consumo responsável da bebida, os processos de produção e de circulação. Também o setor turístico será valorizado ao atrair público variado para a cidade: empresarial, pedagógico, cultural, local, regional, nacional e internacional.

Para a secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, o potencial de Minas Gerais para produzir cachaça já é fato conhecido no país e no mundo. Historicamente, a cachaça é produto símbolo do Brasil e carrega em si histórias, folclores e cultura. “O Norte de Minas é uma das regiões que melhor representa a riqueza e a diversidade cultural do Estado, com a produção de manifestações artístico-culturais únicas, que servem inclusive como referência cultural da região, como o artesanato, a música, as artes visuais e a gastronomia”, aponta a secretária.

“Nesse sentido, o Museu da Cachaça terá o importante papel de atuar como polo cultural convergente do Norte do Estado, promovendo ações de preservação, valorização e democratização de acesso ao patrimônio cultural da região e servindo como ponto de encontro e de disseminação da produção cultural local. Ele terá, ainda, o importante papel de referência da rica gastronomia do Norte de Minas, com ênfase na cachaça”, observa Eliane.

Orgulho regional

Tendo como base a concepção moderna dos museus estruturados como veículos de afirmação cultural, o Museu da Cachaça valoriza o símbolo e o orgulho da região. O setor gera cerca de 240 mil empregos no Estado, sendo que a maior parte da produção mineira se concentra nas regiões Norte e nos Vales do Jequitinhonha e do Rio Doce.

Para o prefeito de Salinas, José Antônio Prates, o Museu da Cachaça vem completar um ciclo, talvez o mais lúcido e significativo, de reconhecimento e expressão da identidade local, uma vez que valoriza a alma criativa de Salinas na vasta diversidade dos municípios brasileiros.

“Do ponto de vista da nossa economia, o Museu vem completar e compor, de forma singular, um conjunto de equipamentos turísticos, cujo combustível foi e será a engenhosa capacidade do povo de Salinas de criar um produto reconhecido e desejado em todo o Brasil e em diversos países. Além disso, o prédio onde o Museu está instalado é uma obra arquitetônica belíssima, audaciosa, que enobrece o conjunto de nossa cidade, verdadeiro paradigma que nos destaca em um patamar elevado no conceito das cidades brasileiras”, diz o prefeito.

Novidade do Museu da Cachaça

O projeto do Museu da Cachaça traz como novidade a implantação do ‘Núcleo de Imagem Projetada’ (NIP), que pretende ser um local de introdução formativa na tecnologia digital para jovens e adultos.

Segundo o Superintendente de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado de Cultura, Léo Bahia, a produção multimídia gerada em oficinas, que devem problematizar os conceitos em torno da cachaça, deverá ser transformada em conteúdo de exposição de forma que a população tenha o espaço do museu como um ponto de referência para a discussão da vida cotidiana em torno do produto que gera o reconhecimento internacional da cidade.

O museu também poderá ser usado para rodadas de negócios, festivais, exposições e ações formativas com as escolas e com as comunidades.

Os espaços do Museu da Cachaça

Situado no Norte de Minas Gerais, o Museu da Cachaça nasce como o mais importante aparelho cultural da região. Não se trata apenas de um museu, mas de um grande centro cultural e de convivência.

O espaço está instalado em um terreno de 13.120m², sendo 2.200 m² de área construída, 1.250m² de área expositiva, 2.500m² de espaço de convivência e 950m² de espaços administrativos. A proposta museológica está distribuída entre as nove salas – Hall de Entrada, Sala dos Canaviais, Sala das Garrafas, Sala do Engenho, Sala do Moinho, Sala do Aroma, Sala Multiuso, Sala de Terra Batida, Sala de Depoimentos.

A arquiteta Jô Vasconcellos, responsável pelo projeto do Museu da Cachaça, teve ajuda de museógrafos para pensar o espaço, elaborado com base nas características do acervo do museu e da cidade de Salinas.

“Pela primeira vez elaborei um projeto que reunisse a arquitetura e a museologia, pois contei com a colaboração de profissionais atuantes na área de museus. Juntos, tomamos o cuidado de projetar a tipologia e tecnologia do Museu da Cachaça levando em consideração as peculiaridades locais, como o clima quente, elaborei também um espaço dedicado à degustação de cachaças. A edificação aliada à museografia contempla em suas salas todo o ciclo histórico, produtivo e distributivo da bebida. Outro objetivo foi o de criar um espaço que fosse um referencial de urbanidade na cidade, com preocupação educativa e social, como por exemplo, a praça aberta utilizada para o ensino de trabalhos manuais a crianças”, explica a arquiteta.

A terra da cachaça

O município de Salinas é conhecido como centro na produção da melhor cachaça do mundo. A bebida começou a ser produzida no município com a chegada dos primeiros fazendeiros à região, vindos para exercer a atividade da pecuária. Elaborada sob alto padrão de qualidade, em pequena escala de produção desde 1946, por Anísio Santiago (1912-2002) a marca Havana consolidou Salinas como a “terra da cachaça”.

A cana utilizada para fabricação da Havana é a Java, plantada em pequenos talhões. Alguns deles têm a mesma idade do início da atividade na fazenda onde se produz a Havana, o que significa que há mais de 50 anos eles não sofrem modificação genética. Portanto, o manejo deve ser por metodologia rigorosa no que se refere à qualidade, cumprindo determinações do dono da marca, Anísio Santiago. Em 10 de julho de 2006, a Havana foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial de Salinas, por meio do decreto número 3.728.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-e-prefeitura-de-salinas-inauguram-o-museu-da-cachaca/

Anúncios

Governo de Minas: universidade Estadual de Montes Claros prepara o I Congresso de Ciências Humanas

O evento que está previsto para o mês de agosto irá proporcionar novos desafios para os alunos

Ascom/Unimontes
Professores discutem conteúdo do I Congresso de Ciências Humanas
Professores discutem conteúdo do I Congresso de Ciências Humanas

Avaliar o curso de graduação e pós-graduação e discutir novas perspectivas para as atividades de ensino, pesquisa e extensão são os principais objetivos do I Congresso de Ciências Humanas da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

O conteúdo programático do evento será elaborado pelo Conselho de ciências humanas (CCH). A primeira reunião para discutir esse tema foi na terça-feira (10). A ideia é realizar palestras, mesas redondas, conferências com professores, dirigentes da instituição e especialistas convidados, apresentar  trabalhos científico e publicação de resumos.

“Como proposta coletiva, o Congresso permitirá à comunidade acadêmica debater medidas concretas para a revitalização das licenciaturas em Ciências Humanas, além de apresentar resultados – e ao mesmo tempo demandas – dos projetos de pesquisa, de estágios e da formação inicial, para o acadêmico, e da formação continuada do docente”, observa Antônio Wagner Veloso Rocha, diretor do CCH.

O evento que tem o apoio da Fundação de amparo à pesquisa do estado de Minas Gerais (Fapemig), da Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior (Capes) e do Ministério da Educação será realizado entre os dias 8 e 10 de agosto no campus-sede.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/universidade-estadual-de-montes-claros-prepara-o-i-congresso-de-ciencias-humanas/

Governo Anastasia: Minas Gerais se tornará exportador de banana a partir do segundo semestre

 

Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento aponta crescimento na produção

Divulgação/Emater
Norte de Minas lidera o ranking de produção de banana, com um volume de 328 mil toneladas por ano
Norte de Minas lidera o ranking de produção de banana, com um volume de 328 mil toneladas por ano

A safra mineira de banana deve somar 657 mil toneladas neste ano, segundo previsão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), a previsão corresponde a um aumento próximo de 1% sobre a safra anterior, seguindo a série histórica de pequenos avanços anuais da produção. Além deste incremento, os produtores do Estado poderão ter um novo estímulo para investir na atividade, já que está previsto para o segundo semestre deste ano o início de exportações regulares da fruta.

As perspectivas de uma nova situação para o setor foram confirmadas pela Associação Central dos Fruticultores do Norte de Minas (Abanorte), sediada em Janaúba, na região Norte do Estado. De acordo com o presidente da entidade, Jorge Luiz Raymundo de Souza, apesar da crise econômica mundial, os agricultores apostam na organização da atividade para colocar grandes volumes de banana prata no mercado internacional, já que está sendo elaborado um protocolo para a exportação da fruta.

“O protocolo é um conjunto de normas ou boas práticas para todos os estágios da atividade, desde o plantio até o transporte para os destinos internacionais”, explica o dirigente. Os estudos são desenvolvidos em parceria pela Abanorte, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Universidade Federal de Lavras (Ufla), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MG) e a Central Exporta Minas, que é ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Sede).

Na definição dos padrões para a banana de exportação, acrescenta Jorge Luiz, será dada atenção especial às condições de preservação da qualidade do produto nos contêineres, como os cuidados com a embalagem da fruta, a temperatura e o nível de oxigênio, entre outros fatores. O empresário enfatiza que esses aspectos são de fundamental importância para a manutenção das condições da banana até seus destinos no mercado internacional.

As boas práticas a serem seguidas nas propriedades e em todos os estágios seguintes, até a entrega da banana nos portos estrangeiros, devem ser definidas até meados do segundo semestre. De acordo com a previsão da Abanorte, até novembro, o primeiro contêiner com banana prata de Minas segue para a Europa ou Oriente Médio. Souza considera que a prata tem condições de competir com as demais variedades conhecidas pelos europeus porque é a mais adequada para ser incluída em saladas de fruta. “Após ser cortada, a fruta mantém durante maior tempo o sabor original e não fica escurecida”, explica.

As exportações da fruta deverão ser feitas rotineiramente a partir de 2013, porque, de acordo com Souza, alguns mercados demonstram interesse especial pela fruta. “Principalmente a Alemanha, onde a degustação da banana prata foi incluída nas edições dos três últimos anos da Feira Frutilogística, realizada em Berlim”, acrescenta. O produto também foi apresentado, com apoio da Exportaminas, nas três últimas edições da Gulfood, feira de alimentos realizada em Dubai, no Oriente Médio.

Mercado em expansão

Para o secretário da Agricultura, Elmiro Nascimento, os produtores mineiros de banana, bem como os das demais frutas, devem investir na busca da qualidade para expandir sua atuação também ao mercado interno. “Embora apenas 6% das famílias consumam frutas atualmente na quantidade recomendada, conforme dados da Abanorte, esse quadro deve mudar com uma campanha nacional que está programada com base na recomendação do consumo dos produtos dos nossos pomares. As frutas, além de ser saborosas, contribuem para uma vida saudável”, destaca.

A região Norte de Minas lidera o ranking estadual de produção, com um volume da ordem de 328,6 mil toneladas em bananais espalhados por 41,4 mil hectares, sendo 90% ocupados pela variedade prata e o restante pela banana caturra. O Sul de Minas ocupa a segunda posição, com 115,5 mil toneladas de banana em cerca de 11 mil hectares. Em seguida estão as regiões do Rio Doce e da Zona da Mata, com safras estimadas de 45,3 mil toneladas e 41,1 mil toneladas, respectivamente. As áreas plantadas em cada uma dessas regiões são da ordem de 3,9 mil hectares.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-se-tornara-exportador-de-banana-a-partir-do-segundo-semestre/

Governo de Minas: Hospital universitário realiza processo seletivo para designar 59 médicos/professores

Profissionais atuarão na área de urgência e emergência, reforçando o atendimento do pronto-socorro

O Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF), da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), divulgou o edital do “Processo Seletivo Simplificado” para a designação de médico/professor. Serão admitidos 59 profissionais que vão atuar, principalmente, na área de urgência e emergência, reforçando o atendimento do pronto-socorro do Hospital da Unimontes.

As inscrições para o processo seletivo poderão ser feitas até sexta-feira (13), no HUCF. De acordo com o edital, serão designados 15 médicos clínicos de pronto-socorro, 12 pediatras, 10 ortopedistas e oito clínicos internistas. Serão contratados ainda os seguintes especialistas: anestesiologistas (4), ginecologistas/obstetras (3), hematologistas (2), infectologistas (2), otorrinolaringologistas (2) e mastologista (1).

No ato da inscrição, o candidato deverá apresentar a seguinte documentação: cópia do curriculum vitae ou currículo na “Plataforma ‘Lattes’”, cópias da carteira de identidade, CPF, diploma de graduação, certificado de pós-graduação ou documento correspondente à titulação de mestrado e doutorado, título de eleitor (ou certidão de quitação das obrigações eleitorais fornecida pelo Tribunal Superior do Trabalho), comprovante de endereço e duas fotos 3×4 recentes, além de comprovação de experiência profissional na área para a qual se inscreveu.

Para o preenchimento de todas as vagas é necessário que os candidatos apresentem comprovação da especialização, exceto para médico de pronto-socorro.

A seleção será feita através de análise curricular e entrevista. O edital completo está disponível no site http://www.unimontes.br, no qual também pode ser obtido o formulário de inscrição. Devidamente preenchido, o referido formulário, juntamente com a documentação solicitada, deverá ser entregue no Setor de Pessoal do Hospital Universitário Clemente de Faria, localizado na Avenida Cula Mangabeira, 562, Bairro Santo Expedito, em Montes Claros, no horário das 8 às 17 horas.

Serviço:

Inscrições para o Processo Seletivo Simplificado para a designação de médico/professor do Hospital Universitário Clemente de Faria

Período: de 9 a 13 de abril de 2012

Informações: (38) 3224-8240 – email: hucf@unimontes.br

Edital disponível no site: http://www.unimontes.br

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/hospital-universitario-realiza-processo-seletivo-para-designar-59-medicosprofessores/

Governo de Minas: prevenção de desastres naturais é tema em seminário em Ouro Preto

Implantar uma cultura de prevenção e alerta no país é um dos principais desafios debatidos no evento

Divulgação/Sectes
O secretário Narcio Rodrigues assintou termo de cooperação com o objetivo promover cursos de capacitação em defesa civil
O secretário Narcio Rodrigues assintou termo de cooperação com o objetivo promover cursos de capacitação em defesa civil

Buscar soluções para situações emergenciais e criar mecanismos de prevenção de desastres urbanos causados por eventos naturais. Este é um dos principais objetivos do Seminário Internacional “Chuvas e Desastres Urbanos”, que está acontecendo em Ouro Preto. O Estado de Minas Gerais, no mais recente período de chuvas, entre os meses de dezembro e janeiro, teve 234 municípios em estado de emergência prejudicados pelas chuvas, contabilizando cerca de 3,2 milhões de pessoas atingidas. Esta é uma situação que preocupa muito o Governo de Minas, que através da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), assinou, nesta terça-feira (20), durante a abertura do seminário, Termo de Cooperação Técnica com o Gabinete Militar do Governador (GMG), através da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG), que tem como objetivo promover cursos de capacitação em defesa civil à distância e presencial; também aconteceu a assinatura do Ato que prevê a instalação de uma estação sismógrafa na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

Os documentos assinados entram em consonância com os propósitos do Seminário, e das instituições parceiras, como o Unesco – HidroEX; o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam); Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop); Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que buscam soluções onde a disseminação de informações, somadas as tecnologias existentes e as ações bem sucedidas, se tornem um fator importante para a melhoria no planejamento urbano e para a tomada de ações emergenciais, sob a ótica da prevenção, minimização e mitigação de desastres naturais.

O termo assinado com a Cedec-MG vai promover cursos de capacitação em defesa civil, utilizando os aparatos tecnológicos das unidades dos Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) e Telecentros do Estado, que fazem parte da Rede de Formação Profissional Orientada pelo Mercado (RFPOM) da Sectes, para realização dos cursos. Assim como, a disponibilização e customização do software GPweb e a transferência de metodologia. Com previsão para ter início ainda no segundo semestre deste ano, a parceria irá oferecer cursos básicos voltados para a sociedade com o intuito de capacitar, mobilizar e criar ações preventivas de socorro assistenciais, assim restabelecendo a normalidade social.

Já em decorrência aos constantes tremores que vem acontecendo no Norte de Minas, assim também como para subsidiar estudos e pesquisas no solo da região, o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, anunciou a adoção de providências necessárias para instalar uma estação sismógrafa no campus da Unimontes em Montes Claros.

Principais desafios

A palestra magna do evento destacou os principais desafios do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden) para redução de risco de desastres e deslizamentos no Brasil, proferida pelo Coordenador da Área de Geologia/Geotécnica do Cemaden, Agostinho Tadashi Ogura.

Para Ogura, a questão dos desastres naturais no Brasil está diretamente ligada à grande incidência e intensificação dos eventos climatológicos extremos, e é necessário que os governos, em todas as suas estâncias, federal, estadual e municipal, se conscientizem das áreas de riscos do território brasileiro. “O país ainda caminha em passos lentos na questão de monitoramento e alerta de desastres, e hoje contamos, é muito importante, que a população observe os sinais dos terrenos das áreas de risco e notifique a defesa civil. Mas esperemos que nos próximos cinco anos tenhamos uma estrutura significativa para monitorar estas áreas e alertar prontamente a população”, comenta o palestrante.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/prevencao-de-desastres-naturais-e-tema-em-seminario-em-ouro-preto/

Gestão Anastasia: Sectes realiza Fórum para discutir a internacionalização do ensino superior em Minas

Objetivo é incentivar a internacionalização do ensino superior e pesquisa de Minas

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), juntamente com o Fórum dos dirigentes das Instituições Públicas de Ensino Superior (Ipes) realizam no dia 20 de março, o “I Fórum para Internacionalização do Ensino Superior de Minas Gerais, Missão Group of Eight Austrália”.

O objetivo do evento é incentivar a internacionalização do ensino superior e pesquisa de Minas Gerais através da apresentação dos trabalhos desenvolvidos no Estado às universidades da Austrália que compõem o Group of Eight, criando espaço aberto para a cooperação entre as instituições.

O Group of Eight (Go8) é um consórcio das principais e melhores universidades australianas. Juntas elas representam 70% das pesquisas em universidades australianas, recebendo grandes financiamentos governamentais e da indústria para pesquisa. São componentes do grupo: University of Queensland, The University of Melbourne, The University of Sydney, University of Western Australia, Monash University, Australian National University, The University of Adelaide e The University of New South Wales.

As áreas de excelência das oito universidades são bastante abrangentes. Entre as que convergem com Minas Gerais, pode-se destacar: exploração mineral, tecnologia da informação, biotecnologia (vacinas e estudos com células tronco), meio ambiente, águas, energias limpas.

O seminário destina-se, principalmente, a reitores, pró-reitores, professores acadêmicos e diretores de relações internacionais. A abertura do evento contará com a presença do encontro embaixador da Austrália no Brasil, Brett Hackett, do Diretor Executivo do Group of Eight, Austrália, Michael Gallagher, do Presidente das IPES, Paulo Márcio de Faria e Silva, e do presidente da Fapemig, Mário Neto Borges. O início do Fórum terá por intuito apresentar brevemente a Sectes, a Fapemig e as universidades mineiras, seguida de apresentação das Instituições australianas. Haverá também espaço para apresentação de parcerias de sucesso entre Austrália e Minas Gerais e discussão de possibilidades de novas parcerias.

Diversos reitores de universidades públicas  estarão no evento, como Renato de Aquino da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), Dijon Moraes da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), João dos Reis da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e Clélio Campolina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Serviço:

“I Fórum para Internacionalização do Ensino Superior de Minas Gerais, Missão Group of Eight Austrália”

Dia 20 de março, às 9h no 9° andar do prédio Gerais da Cidade Administrativa de Minas Gerais (CAMG).

Confira a programação: http://www.tecnologia.mg.gov.br/images/stories/forum.jpg

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/sectes-realiza-forum-para-discutir-a-internacionalizacao-do-ensino-superior-em-minas/

Governo de Minas: pesquisa da Unimontes resulta em pedido de registro de patente de produto junto ao Inpi

Além de auxiliar em estudos que visam analisar a assimetria palmar, novo produto poderá ser usado em investigações criminais

Felipe Gabrich
O estudo foi realizado por Bárbara Gusmão Lopes, ex-aluna do mestrado em Ciências da Saúde
O estudo foi realizado por Bárbara Gusmão Lopes, ex-aluna do mestrado em Ciências da Saúde

Um trabalho de pesquisa desenvolvido pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), no âmbito do Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em Ciências da Saúde, resultou no pedido de registro de patente de um novo produto junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). A partir do estudo, denominado “Assimetria Dermatoglífica em Pais de Crianças com Fissuras Lábiopalatinas (assimetria das impressões digitais e das palmas das mãos)”, foi desenvolvido um coletor de impressões das palmas das mãos.

Além de auxiliar em estudos que visam analisar a assimetria palmar (desenho das palmas das mãos) em diferentes doenças genéticas, o novo produto poderá ser usado em investigações criminais (perícias) e no aconselhamento genético de casais para terem filhos.

Com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), o estudo foi realizado por Bárbara Gusmão Lopes, ex-aluna do mestrado em Ciências da Saúde, tendo como coordenador o professor Hercílio Martelli Júnior, do Departamento de Odontologia. Também participaram do trabalho a professora Daniella Martelli (Departamento de Odontologia) e a acadêmica Izabella Nobre Queiroz (do curso de Medicina), que contaram com o apoio dos professores Mário Sérgio Oliveira Swerts e Sibele Aquino, da Universidade de Alfenas (Unifenas).

O processo de depósito da patente do coletor de impressões palmares junto ao Inpi foi encaminhado por intermédio do Núcleo de Propriedade Intelectual e Inovação Tecnológica da Unimontes – Ágora –, vinculado à Coordenadoria de Inovação Tecnológica, da Pró-Reitoria de Pesquisa. Também participam do processo de registro da patente a Fapemig e a Unifenas.

De acordo com as normas do registro e proteção da propriedade intelectual, o produto ficará sob sigilo no Inpi durante 18 meses. Somente depois desse prazo que poderão ser divulgados dados científicos sobre o novo produto, bem como o nome da patente registrada.

Avanço na pesquisa

O professor Hercílio Martelli Júnior destaca que o encaminhamento do registro da patente do coletor de impressões palmares representa um verdadeiro salto para a pesquisa na Unimontes. “O registro da patente de um produto significa a elevação da inovação tecnológica em qualquer instituição”, afirma, salientando que, com o fato, a Universidade Estadual de Montes Claros também passa a ser referência na investigação científica para outras instituições.

Egressa do curso de Educação Física da Unimontes, a autora da pesquisa, Bárbara Gusmão Lopes, explica que realizou o trabalho com o objetivo de avaliar a relação entre a dermatoglifia (impressões digitais e desenho das linhas das palmas das mãos) e as fissuras labiopalatinas. “Existem pesquisas que mostram que a assimetria dermatoglífica excessiva pode ser um indicador de alterações genéticas”, ressalta Bárbara, que concluiu o mestrado em Ciências da Saúde em dezembro de 2011. Ela destaca que o produto que desenvolveu poderá auxiliar trabalhos de pesquisa que visam analisar a assimetria palmar em diferentes doenças genéticas.

Bárbara Gusmão salienta que o estudo da Unimontes foi o primeiro experimento feito no Brasil que associou a assimetria dermatoglífica com a fissura labiopalatina (lábio leporino). “Os resultados mostraram que os pais de filhos com as fissuras labiais têm alterações na palma na mão”, frisa pesquisadora. Ela observa, ainda, que já existem trabalhos de investigação científica que apontam a associação entre a assimetria das impressões digitais e do desenho das linhas das mãos com a Síndrome de Down, as fissuras labiopalatinas, doenças psiquiátricas e com a leucemia.

Fonte: Agência Minas