• Agenda

    setembro 2020
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Aécio passa Marina em Santa Catarina e agora tem 25%, segundo Ibope

Pesquisa Ibope aponta que Dilma (PT) tem 36% das intenções de voto, Aécio Neves (PSDB) tem 25%, e Marina Silva (PSB) tem 19%.

Eleições 2014

Fonte: G1

Em Santa Catarina, Ibope aponta: Dilma, 36%, Aécio, 25%, e Marina, 19%

Instituto entrevistou eleitores entre os dias 21 e 23 de setembro.

Margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta que Dilma (PT) tem 36% das intenções de votoAécio Neves (PSDB) tem 25%, e Marina Silva (PSB) tem 19% entre os eleitores de Santa Catarina na disputa pela Presidência da República.

Pastor Everaldo (PSC) aparece com 2%, Eduardo Jorge (PV) e  Luciana Genro (PSOL) aparecem com 1% cada. Brancos e nulos somam 4% e não sabem ou não responderam, 12%. Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iazi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não alcançaram 1%.

Veja os números do Ibope para pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada aos entrevistados) apenas no estado de Santa Catarina:

Dilma (PT): 36%

Aécio Neves (PSDB): 25%

Marina Silva (PSB):  19%

Pastor Everaldo (PSC): 2%

Eduardo Jorge (PV): 1%

Luciana Genro (PSOL): 1%

Outros com menos de 1%: 1%

Brancos e nulos: 4%

Não sabe ou não respondeu: 12%

No levantamento anterior, entre 14 e 16 de setembro, Dilma tinha 37%, Marina 24% e Aécio 20%. A pesquisa foi encomendada pelo Grupo RBS.

A pesquisa foi realizada entre os dias 21  e 23 de setembro. Foram entrevistados 1008 eleitores em 54 municípios do estado. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) sob o número SC-00027/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00765/2014.

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta que Dilma (PT) tem 36% das intenções de votoAécio Neves (PSDB) tem 25%, e Marina Silva (PSB) tem 19% entre os eleitores de Santa Catarina na disputa pela Presidência da República.

Pastor Everaldo (PSC) aparece com 2%, Eduardo Jorge (PV) e  Luciana Genro (PSOL) aparecem com 1% cada. Brancos e nulos somam 4% e não sabem ou não responderam, 12%. Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iazi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não alcançaram 1%.

Veja os números do Ibope para pesquisa estimulada (em que a relação dos candidatos é apresentada aos entrevistados) apenas no estado de Santa Catarina:  

Dilma (PT): 36%

Aécio Neves (PSDB): 25%

Marina Silva (PSB):  19%

Pastor Everaldo (PSC): 2%

Eduardo Jorge (PV): 1%

Luciana Genro (PSOL): 1%

Outros com menos de 1%: 1%

Brancos e nulos: 4%

Não sabe ou não respondeu: 12%

No levantamento anterior, entre 14 e 16 de setembro, Dilma tinha 37%, Marina 24% e Aécio 20%. A pesquisa foi encomendada pelo Grupo RBS.

A pesquisa foi realizada entre os dias 21  e 23 de setembro. Foram entrevistados 1008 eleitores em 54 municípios do estado. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) sob o número SC-00027/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00765/2014.

174 candidatos são barrados pelo TRE-MG

Condenados por colegiados, candidatos tentavam concorrer, mas foram vetados pela Justiça Eleitoral. TRE-MG barrou 174 inscritos.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas

TRE barra 16 por ficha suja

Condenados por colegiados, eles tentavam concorrer, mas foram vetados pela Justiça Eleitoral, que acatou as impugnações feitas pelo MP. No total, 174 candidatos em MG foram reprovados

Alessandra Mello

Tribunal Regional Eleitoral (TRE) barrou 174 candidatos ao pleito deste ano em Minas. Entre os impedidos de disputar as eleições de outubro, 16 foram enquadrados na Lei da Ficha Limpa por terem condenação em segunda instância. Dois deles desistiram da candidatura. Seis são ex-prefeitos, caso de Carlinhos Rodrigues (PT), que governou Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; Anderson Adauto (PRB), ex-deputado federal, ex-ministro e ex-prefeito de Uberaba, no Triângulo Mineiro; Geraldo Hilário (PTdoB), ex-prefeito de Timóteo, no Vale do Aço; Ronaldo Resende Ribeiro (PRB), ex-prefeito de Oliveira, na Região Centro-oeste; Ivo Mendes (PCdoB), ex-prefeito de Ibiá, no Alto Paranaíba; e Neyval José de Andrade (PTC), ex-prefeito de Conselheiro Pena, no Vale do Rio Doce. Os motivos da condenação foram improbidade, abuso de poder econômico ou rejeição das prestações de conta do executivos.

Ficha Limpa também barrou condenados por roubo ou homicídio, caso, por exemplo, do delegado Paulo Maloca (PTdoB), que tentava uma vaga de deputado federal. Também foram impedidas de concorrer duas pessoas condenadas pela Justiça Eleitoral por terem doado para campanhas passadas recursos acima do limite legal previsto pela legislação. “Na prática, pudemos constatar que a Lei da Ficha Limpa começa a surtir efeitos ao impedir candidaturas de políticos condenados por mau uso do dinheiro público ou por outros fatos desabonadores da conduta”, afirma o procurador regional eleitoral, Patrick Salgado.

Mas a maioria dos impugnados foi por falta de documentos e por não atender aos requisitos de elegibilidade. Os candidatos deixaram de anexar aos seus pedidos documentos essenciais, como provas de filiação partidária e de desincompatibilização, que é o afastamento do servidor público de suas funções dentro do prazo exigido. Outros não tinham filiação partidária, idade mínima exigida pela legislação para disputar ou tinham débitos com a Justiça Eleitoral. Os candidatos impugnados ainda podem tentar reverter o impedimento no Tribunal Superior Eleitoral.

No total, a Procuradoria Regional Eleitoral em Minas impugnou 1.308 pedidos de registro, a maioria absoluta por falta de documentos. Foram 982 impugnações apresentadas por esse fundamento. “A impugnação por falta de documentos subsiste a cada ano em um volume que causa espanto, porque revela desídia dos interessados e de seus partidos em cumprir exigências simples e notórias da legislação eleitoral. Essa conduta chama a atenção porque, na maioria das impugnações por esse fundamento, basta que o interessado apresente a documentação que falta para que o TRE libere o registro”, explica Patrick Salgado.

Eleições 2014: Cartilhas vão orientar eleitores e candidatos

MPE e TRE-MG lançaram cartilhas para orientar candidatos e eleitores sobre as regras de disputa do pleito deste ano.  

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas

Na briga por votos nem sempre vale tudo

Legislação eleitoral estabelece regras para evitar abusos na campanha. Cartilha orienta candidatos sobre o que é permitido e o que não é e cidadãos sobre os canais de denúncia

Alessandra Mello

Em outubro, 15,2 milhões de eleitores vão às urnas em Minas Gerais. Somente no estado, são cerca de 1.800 candidatos para 132 vagas, incluindo nessa conta as cadeiras na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados e os cargos de governador e senador. É uma batalha ferrenha e que tem como principal arma a propaganda eleitoral. Mas nesse embate não vale tudo. A legislação eleitoral em vigor estabelece regras para evitar abusos por parte dos candidatos. Também existem canais por meio dos quais os eleitores podem denunciar ou consultar o que é permitido ou não nas eleições. Este ano, o Ministério Público Eleitoral (MPE) elaborou uma cartilha para o cidadão se informar melhor sobre a disputa. O conteúdo pode ser consultado na internet, no endereço http://www.eleitoral.mpf.mp.br . A página também orienta o eleitor que queira fazer algum tipo de denúncia pessoalmente ou por e-mail.

O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) também lançou uma campanha, batizada de Sujeira não é legal, para orientar candidatos, eleitores e a população em geral sobre a necessidade de uma campanha eleitoral segura e transparente. O tribunal publicou na sua página na internet (www.tre-mg.jus.br) uma cartilha sobre o que se pode ou não fazer nas eleições e também um manual de orientação para candidatos e partidos, além de peças gráficas e audiovisuais da campanha, cujo uso é livre. Já no Tribunal Superior Eleitoral(TSE), podem ser consultados os registro dos candidatos em todo o Brasil, com informações importantes como nome completo, profissão, gastos de campanha, declarações de bens e certidões criminais.

O eleitor também pode acompanhar a prestação parcial de contas das campanhas. O prazo para a apresentação dos primeiros gastos venceu sábado. Já a segunda parcial deverá ser apresentada de 28 de agosto a 2 de setembro. Ambas devem conter a discriminação dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos que realizaram, detalhando doadores e fornecedores. O acerto final deve ser feito até 30 dias depois da realização das eleições. Todas essas informações são públicas e podem ser consultadas no site do TSE.

PODER DE POLÍCIA A Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais (OAB-MG) também tem uma comissão e uma ouvidoria para acompanhar e receber denúncias sobre irregularidades na campanha. O presidente da Comissão Eleitoral da OAB-MG, Mateus Moura, afirma que denúncias também podem ser encaminhadas diretamente aos juízes eleitorais no interior do estado, que têm poder de polícia, ou aos canais criados pelo Ministério Público Eleitoral , pelo TRE-MG ou pela Ordem. “Mas o denunciante tem que se identificar. Seu nome é preservado, o sigilo é absoluto, mas sua identificação é exigida para evitar que os canais de denúncias sejam usados para disputa política”, destaca. Segundo ele, a Justiça Eleitoral é muito ágil e dá total atenção e prioridade às denúncias dos cidadãos.

Em relação a propagandas, as regras são muitas, mas ele lembra que uma determinação importante é a vedação de campanha em locais abertos ao público. “Tudo que for aberto ao público não pode ter campanha. Não pode ter campanha em restaurante, cinema, igrejas e clubes, por exemplo”, destaca. Ele também lembra que a compra de votos é crime e que pode ser alvo de ações tanto quem compra quanto quem vende. “Receber ou oferecer qualquer favor, benesse, benefício em troca de voto é crime. Tanto o candidato quanto o eleitor podem ser denunciados e condenados por essa prática”, alerta.

SEM SUJEIRA

A terceira edição da campanha Sujeira não é legal, do TRE-MG, lançada em 21 de julho, pretende orientar candidatos para que seja realizada uma campanha eleitoral mais limpa em todos os sentidos: nas ruas e na prestação de contas. E, principalmente, divulgar aos eleitores a importância de se votar em candidatos que respeitem os cidadãos e não sujem as cidades. Entre as sugestões da Justiça Eleitoral estão o uso de material reciclável para produzir o material de propaganda, imprimir nos santinhos a frase “Não jogue este folheto em vias públicas” e registrar com clareza os dados de arrecadação e gastos. A campanha Sujeira não é legal também está no Facebook e no Twitter do TRE-MG (@treminas)

TSE traça o perfil do eleitorado no Brasil

Mais da metade são mulheres (52,13%). A minoria tem ensino superior e a maioria dos aptos a votar tem entre 45 e 59 anos.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas

Contrastes nos dois lados das urnas

Perfil dos eleitores divulgado ontem pelo TSE mostra diferenças em alguns aspectos, como gênero, grau de instrução e idade dos postulantes aos cargos eletivos no pleito de outubro

Brasil tem 142,8 milhões de eleitores. Mais da metade são mulheres (52,13%). A minoria tem ensino superior e a maioria dos aptos a votar tem entre 45 e 59 anos. As estatísticas sobre o eleitorado brasileiro foram divulgadas ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e contrastam com dados dos candidatos que disputam vagas nas eleições deste ano. São praticamente o reverso do perfil dos postulantes aos cargos eletivos, majoritariamente homens (70,3% do total em todos os cargos) e com curso superior completo (45,8%) e se concentram na faixa de 45 a 49 anos. Em Minas Gerais, o que mais chama a atenção nos dados divulgados pelo TSE é a diferença entre o total de mulheres eleitoras e o de homens. Elas são quase 500 mil a mais.

De acordo com o TSE, o eleitorado brasileiro aumentou 5,17% em relação ao pleito de 2010, quando também foram eleitos presidente, governadores, senadores e deputados federal e estadual.

A Região Sudeste concentra quase metade dos eleitores (43,44%) e São Paulo continua sendo o maior colégio eleitoral, com 31,9 milhões de eleitores. O estado também registra o maior número de candidatos a um cargo eletivo neste pleito. Minas Gerais se mantém como o segundo maior estado em número de eleitores, com 15,2 milhões. Na sequência, estão Rio de Janeiro (12.141.145), Bahia (10.185.417) e Rio Grande do Sul (8.392.033). O menor colégio eleitoral é Roraima, com 299.558 eleitores. Já o município com o menor número de eleitores é Araguainha, em Mato Grosso, com 898 cidadãos aptos a votar. Em Minas, o menor município em quantidade de eleitores é Serra da Saudade, com 1.105.

As mulheres somam 74.459.424 eleitoras, ou 6,2 milhões a mais que os homens, que representam 47,79% ou 68.247.598 eleitores. Entre as candidatas, uma minoria são mulheres. Na corrida por um cargo eletivo, elas são apenas 7.410, ou 29,7% do universo total de cerca de 25 mil candidatos inscritos para este pleito. O número dos candidatos não é exato, pois o registro na Justiça Eleitoral ainda não é definitivo, mas os dados são próximos desse total.

A parcela feminina é inferior à exigida pela legislação brasileira, que assegura 30% das vagas de candidatos para as mulheres. O número contrasta também com os dados oficiais do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que revelou que as mulheres compõem 51,5% da população brasileira. Em relação à escolaridade também há um contraste entre o eleitorado e os candidatos. Quase metade deles, 45,8%, tem curso superior, enquanto entre os eleitores esse percentual é de apenas 5,3%.

MAIS VELHOS Os dados indicam ainda um envelhecimento do eleitorado em relação a 2010. Nesta disputa, eles se concentram na faixa de 45 a 59 anos. Em 2010, eles eram maioria entre as pessoas com 25 a 34. Em comparação com eleições anteriores, houve uma queda no número de eleitores jovens com voto facultativo (16 e 17 anos). Em 2010, eles eram 2.391.352 e, em 2014, são 1.638.751.

De acordo com o presidente do TSE, ministro Dias Tofolli, essa queda ocorreu por causa da mudança da metodologia na coleta de dados sobre o perfil do eleitorado. Em anos anteriores, o cadastro era fechado em 30 de junho e não considerava aqueles eleitores que completariam 18 anos até a data da eleição. Neste ano, um novo programa permitiu a contagem incluindo o dia da eleição. Portanto, aquele eleitor que vai fazer 18 anos nesse meio tempo até o dia daeleição já não está contabilizado nesse dado estatístico de 16 e 17 anos. Toffoli destacou que o próprio IBGE analisa essa diminuição no eleitorado jovem com a tendência do envelhecimento da população brasileira.

TSE traça o perfil do eleitorado no Brasil

Mais da metade são mulheres (52,13%). A minoria tem ensino superior e a maioria dos aptos a votar tem entre 45 e 59 anos.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas

Contrastes nos dois lados das urnas

Perfil dos eleitores divulgado ontem pelo TSE mostra diferenças em alguns aspectos, como gênero, grau de instrução e idade dos postulantes aos cargos eletivos no pleito de outubro

Brasil tem 142,8 milhões de eleitores. Mais da metade são mulheres (52,13%). A minoria tem ensino superior e a maioria dos aptos a votar tem entre 45 e 59 anos. As estatísticas sobre o eleitorado brasileiro foram divulgadas ontem pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e contrastam com dados dos candidatos que disputam vagas nas eleições deste ano. São praticamente o reverso do perfil dos postulantes aos cargos eletivos, majoritariamente homens (70,3% do total em todos os cargos) e com curso superior completo (45,8%) e se concentram na faixa de 45 a 49 anos. Em Minas Gerais, o que mais chama a atenção nos dados divulgados pelo TSE é a diferença entre o total de mulheres eleitoras e o de homens. Elas são quase 500 mil a mais.

De acordo com o TSE, o eleitorado brasileiro aumentou 5,17% em relação ao pleito de 2010, quando também foram eleitos presidente, governadores, senadores e deputados federal e estadual.

A Região Sudeste concentra quase metade dos eleitores (43,44%) e São Paulo continua sendo o maior colégio eleitoral, com 31,9 milhões de eleitores. O estado também registra o maior número de candidatos a um cargo eletivo neste pleito. Minas Gerais se mantém como o segundo maior estado em número de eleitores, com 15,2 milhões. Na sequência, estão Rio de Janeiro (12.141.145), Bahia (10.185.417) e Rio Grande do Sul (8.392.033). O menor colégio eleitoral é Roraima, com 299.558 eleitores. Já o município com o menor número de eleitores é Araguainha, em Mato Grosso, com 898 cidadãos aptos a votar. Em Minas, o menor município em quantidade de eleitores é Serra da Saudade, com 1.105.

As mulheres somam 74.459.424 eleitoras, ou 6,2 milhões a mais que os homens, que representam 47,79% ou 68.247.598 eleitores. Entre as candidatas, uma minoria são mulheres. Na corrida por um cargo eletivo, elas são apenas 7.410, ou 29,7% do universo total de cerca de 25 mil candidatos inscritos para este pleito. O número dos candidatos não é exato, pois o registro na Justiça Eleitoral ainda não é definitivo, mas os dados são próximos desse total.

A parcela feminina é inferior à exigida pela legislação brasileira, que assegura 30% das vagas de candidatos para as mulheres. O número contrasta também com os dados oficiais do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que revelou que as mulheres compõem 51,5% da população brasileira. Em relação à escolaridade também há um contraste entre o eleitorado e os candidatos. Quase metade deles, 45,8%, tem curso superior, enquanto entre os eleitores esse percentual é de apenas 5,3%.

MAIS VELHOS Os dados indicam ainda um envelhecimento do eleitorado em relação a 2010. Nesta disputa, eles se concentram na faixa de 45 a 59 anos. Em 2010, eles eram maioria entre as pessoas com 25 a 34. Em comparação com eleições anteriores, houve uma queda no número de eleitores jovens com voto facultativo (16 e 17 anos). Em 2010, eles eram 2.391.352 e, em 2014, são 1.638.751.

De acordo com o presidente do TSE, ministro Dias Tofolli, essa queda ocorreu por causa da mudança da metodologia na coleta de dados sobre o perfil do eleitorado. Em anos anteriores, o cadastro era fechado em 30 de junho e não considerava aqueles eleitores que completariam 18 anos até a data da eleição. Neste ano, um novo programa permitiu a contagem incluindo o dia da eleição. Portanto, aquele eleitor que vai fazer 18 anos nesse meio tempo até o dia daeleição já não está contabilizado nesse dado estatístico de 16 e 17 anos. Toffoli destacou que o próprio IBGE analisa essa diminuição no eleitorado jovem com a tendência do envelhecimento da população brasileira.

O PSDB de Minas Gerais informa que pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a intimação do Governo Federal e da Caixa Econômica Federal (CEF) para que forneçam cópias dos convênios firmados com as prefeituras mineiras

PSDB-MG quer informações sobre convênios entre governo federal e prefeituras durante campanha

Fonte: PSDB-MG

O PSDB de Minas Gerais informa que pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a intimação do Governo Federal e da Caixa Econômica Federal (CEF) para que forneçam cópias dos convênios firmados com as prefeituras mineiras entre os meses de julho e outubro do ano passado, durante a campanha eleitoral.

O PSDB–MG solicitou também cópias dos convênios assinados pela CEF com 42 prefeituras mineiras, em 29 de outubro, 48 horas antes da votação do segundo turno presidencial, em solenidade realizada no município de Varginha, com as presenças do deputado federal Odair Cunha (PT-MG), de cabos eleitorais identificados com bottons da então candidata do PT Dilma Rousseff e de representantes de 75 prefeituras. Os convênios somaram R$ 27 milhões destinados a compra de equipamentos, máquinas, cobertura de ginásios e escolas, construção de quadras esportivas, reformas em geral e pavimentação asfáltica.

Os pedidos de intimação do Governo Federal e da CEF foram formulados ao TSE na defesa apresentada na ação movida pelo candidato do PMDB e do PT, Hélio Calixto da Costa, derrotado nas eleições no Estado. Nela, Costa contesta os convênios assinados pelo Governo de Minas no primeiro semestre do ano passado. A defesa ao processo enviado ao TSE (No. 14935-30.2010.6.13.0000 – segue anexo) informa que os convênios firmados pelo governo estadual seguiram a rotina administrativa e foram interrompidos no dia 03 de julho, respeitando rigorosamente o prazo estipulado pela Justiça Eleitoral.

Já o Governo Federal manteve inalterada a rotina de assinaturas de convênios com prefeituras e órgãos estaduais no País durante todo o período da campanha eleitoral, conforme atestam as publicações no Diário da União e o Siafi federal. Entre janeiro e 31 de agosto de 2010, foram empenhados recursos do Orçamento para 16.436 convênios. No mesmo período do ano anterior, foram empenhados recursos para 1.905 convênios, representando, portanto, um aumento de 762% no número de convênios.  O Siafi aponta gastos da União de R$ 4,9 bilhões entre janeiro a agosto de 2010 contra R$ 1,1 bilhão do mesmo período de 2009, correspondendo a um aumento de 345,4% no volume de recursos.

Seguem trechos páginas 55 e 56 do  Processo nº 14935-30.2010.6.13.0000 enviado ao TSE
b) considerando ser “cabível a determinação à Procuradoria do Estado para apresentação de documentos” pois “tem o Procurador do Estado o poder de requisitar informações de qualquer autoridade ou órgão da administração pública para instrução do processo com o fim de operacionalizar o exercício de sua atividade” (TJ/RJ, Sétima Câmara Cível, AG nº 2007.002.11.882, Des. Maria Henriqueta Lobo, 31.05.2007), a requisição ao Advogado-Geral da União (Setor de Indústrias Gráficas – Quadra 6 – Lote 800 – Brasília/DF – CEP 70.610-460) de cópia de todos os convênios celebrados pelo Governo Federal com municípios mineiros nos anos de 2008, 2009 e 2010; bem como para que informe quantos convênios foram firmados, no mesmo período, pelas entidades integrantes da administração indireta federal;

c) a intimação do Presidente da Caixa Econômica Federal (CEF) para que informe quantos convênios foram firmados nos anos de 2008, 2009 e 2010 e, em especial, quantos e quais foram celebrados a partir de 3 de julho de 2010 com municípios mineiros;

Leia também: Caixa distribui R$ 27 milhões no Sul de Minas em véspera da eleição