• Agenda

    setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Gestão Anastasia: cooperação inédita pode facilitar o monitoramento de bacias hidrográficas de Minas Gerais

Por meio do Acordo de Cooperação, o Governo de Minas poderá monitorar via satélite as bacias hidrográficas do Estado

Divulgação/Sectes MG
Narcio Rodrigues durante visita às instalações do Sistema Automático de Informações Hidrológicas
Narcio Rodrigues durante visita às instalações do Sistema Automático de Informações Hidrológicas

Um acordo de cooperação em fase de negociação com o Governo da Espanha pode permitir que Minas Gerais consiga transferência de tecnologia para realizar monitoramento via satélite e melhorar a gestão integrada de suas bacias hidrográficas. Nesta terça-feira (3), o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, visitou as instalações do Sistema Automático de Informações Hidrológicas (Saih), em Sevilha, região da Andaluzia, na Espanha. Ele estava acompanhado do representante do Governo de Minas junto à Unesco, Igor Tameirão.

O Saih é um dos 12 centros que monitoram as bacias hidrográficas espanholas, controlando as chuvas e prevenindo acidentes naturais em todo o território espanhol. É um programa do Governo do Reino da Espanha, executado, em cada região, pelos governos estaduais. No caso de Sevilha, a Junta de Andaluzia coordena as ações que dizem respeito à Bacia Hidrográfica do Rio Guadalquivir, que possui área de, aproximadamente, 60.000 km².

Qualidade da água em Minas Gerais

O secretário Narcio Rodrigues conheceu todo o sistema de monitoramento existente na Espanha e saiu convencido de que a experiência pode ser muito útil ao objetivo do Governo do Estado de unificar as ações de controle da qualidade da água e promover o monitoramento via satélite das bacias hidrográficas por meio da criação do Observatório das Águas Minas-Inhotim.

“Ainda estamos procurando a melhor experiência, mas o que vimos na Espanha nos mostrou que estamos no caminho certo. O governador Antonio Anastasia quer, não apenas melhorar a gestão dos recursos hídricos, mas também aperfeiçoar os mecanismos de prevenção dos acidentes naturais. E aqui encontramos uma excelente solução”, explicou.

A proposta de cooperação técnica entre o Estado de Minas Gerais e a Espanha  deve ser estudada pela equipe do Governo de Minas  – composta por membros das secretarias de Desenvolvimento Econômico; Ciência, Tecnologia e Ensino Superior; Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Cemig e Copasa -, que está estudando a implantação do Observatório de Águas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cooperacao-inedita-pode-facilitar-o-monitoramento-de-bacias-hidrograficas-de-minas-gerais/

Anúncios

Gestão Antonio Anastasia: Minas Gerais será referência em tecnologias da saúde

Complexo tecnológico vai reunir grandes instituições da área de biotecnologia da saúde na RMBH

O Estado lidera a discussão para ser cluster também de inovação em tecnologias para a saúde dentro do projeto Polo de Excelência em Inovação Ambiental.  Um passo importante foi dado nesta semana, quando a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Inhotim, Cetec-Senai, Labtest e o Centro de Pesquisa René Rachou se reuniram, sob coordenação da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), para elaborar o planejamento estratégico do Complexo Tecnológico da Saúde, que será instalado no município de Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“O Governo de Minas tem se pautado na excelência pelo planejamento, e dentro do portfólio de ações consideradas prioritárias para alavancar o desenvolvimento do Estado, a inovação ambiental está incluída. Sabemos que é um desafio, não só por se falar em meio ambiente, mas no que toca a nossa inserção na economia verde, dentro de uma nova perspectiva de mundo. O mercado é único e global e estamos inseridos nesse contexto comprometidos com a questão ambiental”, disse o subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação Social, Vicente Gamarano.

O Complexo Tecnológico da Saúde (CTS) integrará o Polo de Excelência em Inovação Ambiental, projeto do Governo de Minas em parceria com o Inhotim que busca criar novas oportunidades de negócios em economia verde ou de baixo carbono, reunindo massa crítica e expertise. A iniciativa envolve a inovação em um conjunto de atividades produtivas de bens e serviços relacionados à biotecnologia, produção e distribuição de medicamentos, vacinas e reagentes para diagnóstico, que são de importância fundamental para o projeto nacional de desenvolvimento.

“A reunião desta semana tem como ponto central a apresentação da estruturação do Complexo a parceiros estratégicos, para que o seu posicionamento, no contexto brasileiro, seja feito de modo a criar movimentos novos e não duplicar estruturas. Nesse primeiro momento, faremos uma discussão mais ampla do que os parceiros enxergam como necessário ao mercado e a situação brasileira hoje na área de saúde”, explicou o diretor-presidente do grupo Horizontes Inhotim, Rodrigo Oliveira.

A implantação do Complexo Tecnológico da Saúde será iniciada a partir do que for considerado como prioritário pelos parceiros. Eles já entraram em acordo da necessidade de se criar um repositório internacional de células e agentes infecciosos oriundos das várias regiões do Brasil e do mundo. Este espaço será instalado no CTS e será desenvolvido em parceria com instituições internacionais.

“O repositório é de fundamental importância para o desenvolvimento da pesquisa brasileira e mundial, sendo também estratégico para a segurança nacional. Será um dos grandes atrativos para o desenvolvimento de projetos e programas em cooperação nas várias áreas da ciência”, esclareceu o coordenador do Polo de Excelência em Inovação Ambiental, Filipe Barros.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-sera-referencia-em-tecnologias-da-saude/

Governo de Minas: Centro Vocacional Tecnológico de Diamantina profissionaliza comunidades rurais

Ação busca capacitar moradores da zona rural da cidade a trabalharem com produtos alimentícios característicos da região

No mês de março, o laboratório de turismo e artesanato do Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de Diamantina realizou o curso de quitandas para a Comunidade do Vau, subdistrito da cidade. A capacitação faz parte do Programa Turismo em Comunidade Rural (PTCR), desenvolvido pelo CVT em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas (Emater) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

O evento foi o segundo realizado na região, que, no final de 2011, recebeu a oficina de doces cristalizados, compotas e geleias. Para o coordenador de laboratório do CVT de Diamantina, Luciano Amador, as capacitações visam a instruir os moradores de comunidades rurais em atividades que possibilitem o desenvolvimento do processo turístico na região, gerando trabalho e renda. Com esse pensamento, o CVT, junto com a Emater, tem trabalhado para a formação do grupo de produção na comunidade. “Já criamos até o protótipo da etiqueta de identificação dos produtos que serão produzidos pela comunidade rural, batizados de Delícias Reais”, destacou Amador.

Ainda este ano, projetam-se oficinas de artesanato e picles, com a ampliação dos cursos junto ao Senar/MG, para as outras comunidades participantes do PTCR.

O CVT de Diamantina é uma unidade da Rede CVT Mineira, projeto estruturador do Governo de Minas, coordenado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), por meio da Superintendência de Ciência, Tecnologia e Inovação. O objetivo é ampliar a capacitação local e regional, combater a exclusão digital e social, gerar emprego e renda, promover a inovação, e contribuir para a melhoria de vida da população. Para isso, três frentes de trabalho estão em atuação: alfabetização digital, inovação e formação e aperfeiçoamento profissional.

A rede conta com 571 unidades interligadas em banda larga, representadas por 84 CVTs e 487 telecentros, e 4,5 mil microcomputadores conectados, colocando Minas Gerais como um dos estados a possuir um dos maiores programas de inclusão digital e social do país. O projeto alcança mais de 360 municípios e soma mais de 500 mil cidadãos certificados em cursos presenciais e a distância, além de um milhão de pessoas beneficiadas com o acesso à internet. Já foram investidos, em sua estrutura, mais de R$ 130 milhões, recursos provenientes do Governo de Minas e do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), por meio de emendas parlamentares.

Centro Vocacional Tecnológico de Diamantina

Praça Doutor Prado, Nº 99 – Centro | Diamantina/MG

(38) 3531 6834

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/centro-vocacional-tecnologico-de-diamantina-profissionaliza-comunidades-rurais/

Gestão Anastasia: Minas dispõe de “Sala Limpa” de referência para análises químicas

Considerado o mais bem equipado do país, laboratório do Cetec pesquisa produtos utilizados em processos de hemodiálise

Divulgação/Cetec
Na Sala Limpa, ambiente tem controle rígido para evitar a contaminação das amostras
Na Sala Limpa, ambiente tem controle rígido para evitar a contaminação das amostras

Filtragem da entrada do ar atmosférico; proibição de calçados comuns, brincos e outros acessórios; treinamento e trajes especiais. Esses são apenas alguns dos cuidados necessários para se entrar no laboratório de traços metálicos, mais conhecido como Sala Limpa, da Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec), instituição de desenvolvimento tecnológico do Governo de Minas vinculada à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes). A sala foi o primeiro laboratório do país com estrutura capaz de realizar a análise da presença de alumínio em amostras de água de hemodiálise e do sangue de pacientes com insuficiência renal.

Criada em 1995 com aporte financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), sob coordenação da pesquisadora Olguita Ferreira Rocha, a Sala Limpa é considerada a mais bem equipada do Brasil e uma referência na análise dos produtos para hemodiálise. “Nós realizamos análises para centros de diálise em hospitais das redes pública e particular, do Amazonas ao Rio Grande do Sul”, conta a pesquisadora. Segundo ela, o alumínio, quando presente em nível elevado no sangue, pode causar fraturas ósseas, problemas de crescimento e até mesmo demência.

No laboratório, também é realizado o controle de contaminação de análises nas áreas de alimentos, meio ambiente, produção industrial e eletroeletrônica. A água das bacias hidrográficas que abastecem Minas Gerais também é analisada na Sala Limpa.

Controle rígido do ambiente

A Sala Limpa é dividida em quatro ambientes interligados que totalizam uma área de 90 metros quadrados. O conceito desse tipo de laboratório é que ele seja livre de partículas externas para que o resultado das análises seja o mais preciso possível. Para isso, é realizado um controle muito rígido dos materiais que são colocados no local. As amostras a serem observadas, por exemplo, são coletadas em um recipiente fornecido pelo Cetec e ainda passam por limpeza antes de chegarem à sala.

Os cuidados com o laboratório, contudo, são muito mais complexos do que apenas a limpeza do material usado. Para trabalhar na Sala Limpa, os pesquisadores devem cumprir uma série de exigências, como não usar cosméticos ou fumar. O tabagismo é proibido na equipe, já que o fumante emite partículas até três horas após o consumo do cigarro.

Pessoas mais inquietas também não são ideais para o trabalho dentro desse laboratório especial. “Uma pessoa muito agitada movimenta partículas. Para se ter ideia, sentando e levantando, uma pessoa libera 2,5 milhões de partículas por minuto. Sentado, sem movimento, 100 mil; caminhando a 3km/h, 5 milhões de partículas”, explica a coordenadora da Sala Limpa, Olguita Rocha.

Os pesquisadores também não podem usar acessórios pessoais, como brincos e sapatos, dentro da sala. O uniforme especial utilizado funciona como um filtro do corpo, que impede a dispersão de partículas. O traje é limpo em uma lavanderia instalada na ante-sala do laboratório. Os profissionais utilizam um uniforme específico para cada um dos quatro módulos da sala, que possuem diferentes níveis de retenção de partículas. No módulo de maior controle de contaminação, a equipe trabalha com apenas os olhos e nariz descobertos.

Cinquenta trocas de ar por hora

Se as exigências para a entrada dos profissionais são rígidas, o cuidado com o ar é tão importante quanto. A Sala Limpa tem controle de temperatura, umidade e pressão do ar, condicionado por meio de filtros. Na parte externa do prédio em que o laboratório está instalado, há uma casa de máquinas com duas baterias de filtros que impedem a entrada de partículas grossas e finas. Ainda antes de chegar à sala, o ar passa por uma terceira etapa de filtragem. A Sala Limpa conta com 14 dutos de entrada do ar em baixa velocidade, para evitar a suspensão de partículas que eventualmente sejam geradas. Esse ar varre a sala e é retirado por gretas posicionadas no nível do piso.

O ar retirado retorna ao primeiro filtro, onde há uma caixa de mistura em que é colocado 30% a mais de ar novo. Acontecem aproximadamente 50 trocas de ar por hora. As ilhas de trabalho contam com filtros que retiram o ar pelo mesmo sistema de dutos e com uma bancada perfurada para garantir a renovação de todo ar. Essas medidas garantem um nível de limpeza do ar que impede a contaminação das amostras e dos pesquisadores.

Uma pesquisa realizada pelo Cetec em 2005 acerca das soluções usadas na hemodiálise descobriu alto nível de estrôncio, metal considerado como um dos possíveis causadores de doenças ósseas nos portadores de insuficiência renal crônica. Segundo o Censo de 2010 da Sociedade Brasileira de Nefrologia, cerca de 92 mil pessoas realizam tratamento dialítico. Só em Minas Gerais, são 96 clínicas que realizam hemodiálise. Ainda assim, o monitoramento do estrôncio na água e sangue usados no processo não é uma prática comum.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-dispoe-de-sala-limpa-de-referencia-para-analises-quimicas/

Gestão da Saúde: municípios mineiros participam de videoconferência sobre Hanseníase em Passos

O Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de Passos, criado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sects), transmitiu nesta quarta-feira (28) uma videoconferência sobre a Hanseníase, ministrada pelo médico da Superintendência Regional de Passos, da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Carlos Alberto Faria Rodrigues, também conhecido por ser uma das maiores referências brasileiras no assunto e o grande responsável pelo portal da Hanseníase.

Foram capacitados profissionais de saúde por meio desses centros de ensino, beneficiando cerca de 90 municípios mineiros, sobre os principais aspectos enfrentados no combate à Hanseníase, uma vez que o Brasil é o segundo país em número de casos novos, perdendo somente para a Índia.  O principal objetivo da ação pioneira é sensibilizar os profissionais de saúde, médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos acerca da Hanseníase e o incentivo ao diagnóstico precoce.

A apresentação teve início com um vídeo explicativo sobre a patologia, seguida de debate entre os participantes, que puderam esclarecer todas as dúvidas de forma interativa com o especialista.

Segundo a referência técnica em Hanseníase da Regional de Saúde de Passos, Maria Ambrosina Cardoso Maia, a ação foi criada no sentido de colocar a sociedade a par da doença, estimulando cada vez mais o policiamento, e a divulgação de sinais e sintomas da hanseníase para que o diagnóstico possa ser pensado ao se examinar o paciente, mesmo numa consulta de rotina e não direcionada somente para aspectos dermatológicos. “Por apresentar sintomas aparentemente simples e indolores, a hanseníase pode ser totalmente ignorada ou atribuída. Dar pouca importância à aparição dessas lesões cutâneas e o comprometimento neural podem resultar em deformidades físicas”, explicou.

A doença

A hanseníase é uma das doenças mais antigas da história da medicina e é causada pelo bacilo de Hansen, um micróbio ou uma bactéria que ataca a pele e nervos periféricos, podendo afetar outros órgãos como olhos, rins e testículos. Atualmente 90% dos casos estão restritos a 11 países e os seis países com mais casos registrados são: Brasil, Índia, Madagascar, Moçambique, Miamar e Nepal. O contágio se dá principalmente por via respiratória. Nem todos os pacientes transmitem a doença, apenas parte deles que têm grande quantidade de bacilos e que não estão em tratamento.

Sintomas

A patologia manifesta-se pelo aparecimento de manchas dormentes, de cor avermelhada ou esbranquiçada em qualquer parte do corpo. Placas, caroços, inchaços, fraqueza muscular e dor nas articulações podem ser outros sintomas. Com o avanço da doença pode haver comprometimento dos nervos periféricos e desenvolvimento de incapacidades e deformidades físicas, grandes responsáveis pelo estigma e preconceito que cerca a doença.

Diagnóstico

O Diagnóstico da hanseníase é clínico, através do exame da pele e da realização de teste de sensibilidade nas áreas comprometidas. O tratamento dura de 6 a 12 meses, dependendo da classificação clínica de cada caso. Os medicamentos são distribuídos gratuitamente pelo SUS.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/municipios-mineiros-participam-de-videoconferencia-sobre-hanseniase-em-passos/

Governo de Minas: Cemig e Cetec avançam no combate a espécies de moluscos invasores

Centro de Bioengenharia foi inaugurado nesta sexta-feira

Mônica Campos/Cetec
Presença do mexilhão dourado está sendo monitorada para evitar danos ao processo de produção de energia
Presença do mexilhão dourado está sendo monitorada para evitar danos ao processo de produção de energia

Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) inauguraram nesta sexta-feira (23) o Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas (Cbeih). O objetivo da parceria, firmada durante a Semana da Água, é desenvolver pesquisas para reduzir os impactos ambientais e econômicos de espécies invasoras, principalmente o mexilhão dourado, nas usinas da Cemig.

Durante a inauguração, foi apresentada uma base colaborativa online com dados sobre o mexilhão dourado. No total, o Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas contará com 26 pesquisadores. Nos próximos três anos, por meio de recursos próprios e do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento – P&D da Aneel, a Cemig irá investir R$ 6,7 milhões no Cbeih.

O Cbeih é a primeira iniciativa resultante do TERAGUA, que é o Centro de Referência de Qualidade de Água e tem por finalidade realizar pesquisas para o desenvolvimento tecnológico na área de monitoramento de qualidade de água. Trata-se de parceria entre os órgãos estaduais ligados à qualidade da água e meio ambiente, como a Cemig, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Instituto de Gestão das Águas (Igam) e a Fundação Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Água – HidroEX.

“Com a criação do Centro de Bioengenharia, busca-se estabelecer estratégias de médio e longo prazo que aperfeiçoem nossa capacidade preditiva sobre a dispersão de espécies invasoras que interferem na produção de hidroeletricidade e causam danos aos nossos ecossistemas”, explica Enio Fonseca, superintendente de Gestão Ambiental da Geração e Transmissão da Cemig.

Em setembro do ano passado, a Cemig detectou pela primeira vez a presença do mexilhão dourado na Usina Volta Grande, localizada no Rio Grande, região do Triângulo Mineiro. A descoberta da espécie invasora na usina ocorreu durante a parada para manutenção programada de uma das máquinas. No mês de outubro, o mexilhão dourado foi detectado também nas hidrelétricas de Igarapava e Jaguara, ambas no Rio Grande. O molusco está sendo monitorado e medidas estão sendo estabelecidas para o seu controle nas plantas industriais.

Mexilhão

Há mais de dez anos, o mexilhão dourado é motivo de atenção nas usinas hidrelétricas localizadas na bacia Paraná-Paraguai. O molusco compromete os sistemas que utilizam água bruta no processo de produção de energia elétrica. O mexilhão invade, ainda em forma de larva, as tubulações por onde passa a água e lá se fixa. Na fase adulta, obstrui as tubulações podendo causar superaquecimento nas máquinas.

O mexilhão dourado se reproduz rapidamente, não possui predador natural e compete na alimentação com algumas espécies nativas de moluscos. Originária do Sudeste Asiático, a espécie Limnoperna fortunei chegou à América do Sul, em 1991, pelo porto de Buenos Aires, por meio das águas de lastro dos navios, e se disseminou a partir do Rio da Prata.

Investimento

Desde 2002, a Cemig realiza pesquisa e promove campanhas de educação socioambiental com o objetivo de impedir a expansão do mexilhão dourado. Ao longo dos anos, a Empresa investiu aproximadamente R$ 10 milhões em estudos sobre o molusco.

Para Enio Fonseca, a competência técnica que a Cemig possui hoje no tema, reconhecida internacionalmente, é resultado de medidas adotadas no passado. “Com o Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas, a Cemig toma outra decisão com o objetivo de mantê-la na posição de empresa de primeira linha nesse tipo pesquisa, atuando em parceria com o Cetec, que é um centro de referência nacional”, destaca.

Semana da Água

Outra ação, iniciada durante a Semana da Água, foi a distribuição de aproximadamente 20 mil exemplares das cartilhas “As cianobactérias e a qualidade da água” e “Destino correto das embalagens vazias de agrotóxicos”, editadas pela Cemig e Emater, respectivamente. Essas publicações estão sendo enviadas a comitês de bacias, órgãos ambientais, ONGs e para os proprietários de terras no entorno dos reservatórios da Cemig.

“A Empresa acredita que essas iniciativas, em parceria com os diversos públicos, são fundamentais para a conscientização sobre a importância de se ‘cultivar’ as águas do nosso Estado”, ressalta o superintendente de Gestão Ambiental da Geração e Transmissão da Cemig, Enio Fonseca.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cemig-e-cetec-avancam-no-combate-a-especies-de-moluscos-invasores/

Governo de Minas: prevenção de desastres naturais é tema em seminário em Ouro Preto

Implantar uma cultura de prevenção e alerta no país é um dos principais desafios debatidos no evento

Divulgação/Sectes
O secretário Narcio Rodrigues assintou termo de cooperação com o objetivo promover cursos de capacitação em defesa civil
O secretário Narcio Rodrigues assintou termo de cooperação com o objetivo promover cursos de capacitação em defesa civil

Buscar soluções para situações emergenciais e criar mecanismos de prevenção de desastres urbanos causados por eventos naturais. Este é um dos principais objetivos do Seminário Internacional “Chuvas e Desastres Urbanos”, que está acontecendo em Ouro Preto. O Estado de Minas Gerais, no mais recente período de chuvas, entre os meses de dezembro e janeiro, teve 234 municípios em estado de emergência prejudicados pelas chuvas, contabilizando cerca de 3,2 milhões de pessoas atingidas. Esta é uma situação que preocupa muito o Governo de Minas, que através da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), assinou, nesta terça-feira (20), durante a abertura do seminário, Termo de Cooperação Técnica com o Gabinete Militar do Governador (GMG), através da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG), que tem como objetivo promover cursos de capacitação em defesa civil à distância e presencial; também aconteceu a assinatura do Ato que prevê a instalação de uma estação sismógrafa na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

Os documentos assinados entram em consonância com os propósitos do Seminário, e das instituições parceiras, como o Unesco – HidroEX; o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam); Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop); Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que buscam soluções onde a disseminação de informações, somadas as tecnologias existentes e as ações bem sucedidas, se tornem um fator importante para a melhoria no planejamento urbano e para a tomada de ações emergenciais, sob a ótica da prevenção, minimização e mitigação de desastres naturais.

O termo assinado com a Cedec-MG vai promover cursos de capacitação em defesa civil, utilizando os aparatos tecnológicos das unidades dos Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) e Telecentros do Estado, que fazem parte da Rede de Formação Profissional Orientada pelo Mercado (RFPOM) da Sectes, para realização dos cursos. Assim como, a disponibilização e customização do software GPweb e a transferência de metodologia. Com previsão para ter início ainda no segundo semestre deste ano, a parceria irá oferecer cursos básicos voltados para a sociedade com o intuito de capacitar, mobilizar e criar ações preventivas de socorro assistenciais, assim restabelecendo a normalidade social.

Já em decorrência aos constantes tremores que vem acontecendo no Norte de Minas, assim também como para subsidiar estudos e pesquisas no solo da região, o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, anunciou a adoção de providências necessárias para instalar uma estação sismógrafa no campus da Unimontes em Montes Claros.

Principais desafios

A palestra magna do evento destacou os principais desafios do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden) para redução de risco de desastres e deslizamentos no Brasil, proferida pelo Coordenador da Área de Geologia/Geotécnica do Cemaden, Agostinho Tadashi Ogura.

Para Ogura, a questão dos desastres naturais no Brasil está diretamente ligada à grande incidência e intensificação dos eventos climatológicos extremos, e é necessário que os governos, em todas as suas estâncias, federal, estadual e municipal, se conscientizem das áreas de riscos do território brasileiro. “O país ainda caminha em passos lentos na questão de monitoramento e alerta de desastres, e hoje contamos, é muito importante, que a população observe os sinais dos terrenos das áreas de risco e notifique a defesa civil. Mas esperemos que nos próximos cinco anos tenhamos uma estrutura significativa para monitorar estas áreas e alertar prontamente a população”, comenta o palestrante.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/prevencao-de-desastres-naturais-e-tema-em-seminario-em-ouro-preto/