• Agenda

    dezembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Eleições 2014: Aécio promete corrigir tabela do SUS

“Vamos enfrentar essa situação com o aumento do financiamento com base em propostas que já tramitam no Senado”, comentou Aécio.

SUS na UTI

Fonte: O Estado de S.Paulo

Aécio Neves promete corrigir tabela do SUS

Candidato tucano não comentou como reajustará os valores: ‘Só vou tratar dos mínimos detalhes quando estiver no governo’

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, prometeu nessa quarta-feira, 20, caso eleito, corrigir a defasagem da tabela do Sistema Único de Saúde (SUS), uma das maiores reivindicações da classe médica brasileira. Após visita ao comércio no Brás, no centro da capital paulista, ao lado do governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB)Aécio disse: “É necessário que a tabela do SUS seja corrigida, mas você não vai acabar com a defasagem da noite para o dia”, admitiu, evitando entrar em detalhes sobre a maneira de fazer essa correção.

Segundo Aécio, é possível corrigir tais defasagens à medida que se dê prioridade à área da saúde, ao contrário, de acordo com ele, do que vem fazendo o governo da presidente Dilma Rousseff. “Vamos enfrentar essa situação com o aumento do financiamento com base em propostas que já tramitam no Senado, mas só vou tratar dos mínimos detalhes quando estiver no governo e com todas as informações de que hoje não dispomos”, afirmou, depois de visitar um projeto de prevenção do câncer de mama do governo paulista.

Na avaliação do tucano é possível resolver os gargalos da área da saúde com previsibilidade e metas, condições que, no seu entender, não estão presentes na gestão petista. Após a agenda no BrásAécio tem um encontro nesta tarde com sindicalistas de todo o País, na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade. Trabalhadores e representantes sindicais ligados à Força Sindical, à UGT e à Nova Central já estão no local aguardando o presidenciável e o governador. A agenda foi organizada pelo presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

Aécio: programa do PSDB defende gestão técnica eficiente

Aécio: Composto por 12 itens, o documento está dividido em três eixos básicos: confiança, cidadania e prosperidade.

PSDB vai combater o fim do aparelhamento político

Fonte: Folha de S.Paulo

Esboço do programa de Aécio acena para agronegócio

senador Aécio Neves (PSDB-MG) usará o primeiro esboço de sua plataforma de governo, que será apresentado hoje em Brasília, para fazer um aceno ao segmento do agronegócio.

Composto por 12 itens, o documento está dividido em três eixos básicos: confiançacidadania e prosperidade.

Tradicionalmente aliado dos tucanos, o agronegócio é tema no eixo “prosperidade“, em que o senador tucano defende “gestão técnica” e “livre do aparelhamento político” para o setor.

Provável candidato do PSDB à Presidência em 2014, Aécio diz que a atividade deve ser tratada com mais atenção pelo Estado, com políticas e pesquisas públicas coordenadas pelo Ministério da Agricultura.

Segundo interlocutores, o aceno mais enfático ao agronegócio deve-se ao assédio frente ao setor do governador de PernambucoEduardo Campos (PSB), que deve ser um dos principais adversários de Aécio nas eleições do próximo ano.

Outro aceno é aos participantes dos protestos de junho. O direito a serviços de qualidade na educação, na saúde, no transporte e na segurança é tema do eixo “cidadania“, com reivindicações pela melhoria do SUS (Sistema Único de Saúde).

Fala também na criação de uma Lei de Responsabilidade Educacional, com metas de gastos e pagamento de bônus a professores e diretores de escola de acordo com desempenho.

Para a segurança, a proposta é criar uma política nacional de segurança pública que, segundo o mineiro, não existe hoje no Brasil.

FEDERALISMO
pacto federativo para fortalecer Estados e municípios, uma das principais bandeiras de Aécio, é um dos destaques do texto.

Para o tucano, a União concentra a maior parte das riquezas do país enquanto sobra para Estados e municípios a responsabilidade de resolver problemas.

A inclusão desse ponto foi acertada em conversas entre Aécio e Eduardo Campos (PSB). Em documento lançado em novembro pelo socialista e sua colega de chapa, a ex-senadora Marina Silva, o rearranjo federativo foi citado genericamente.

O documento do PSDB estará disponível na internet, no site “Conversa com brasileiros“, para consulta pública antes de ser submetido à Executiva Nacional do partido, o que deve ocorrer no início do ano que vem.

Aécio Neves: avanços no tratamento da aids

Aécio Neves: artigo do senador fala sobre avanços no tratamento da aids e lembra ações do governo Fernando Henrique na quebra de patentes.

Aécio Neves: artigo do senador

 Aécio Neves: avanços no tratamento da aids

Aécio Neves: artigo do senador comenta os avanços no tratamento da Aidsno governo Fernando Henrique

Fonte: artigo senador Aécio Neves – Folha de S.Paulo

Guerra contra a Aids

Aécio Neves: artigo do senador – Passadas três décadas da eclosão da Aids, com sua marcha trágica de milhões de vítimas fatais pelo planeta afora e uma mudança de comportamento sem precedentes, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou um balanço que permite enxergar o cenário com mais otimismo. O lema atual lançado é “Juntos vamos eliminar a Aids“, um apelo impensável nos anos 80, quando o tempo de vida dos soropositivos era de apenas cinco meses, em média.

De acordo com o relatório do Unaids, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/Aids, houve uma queda de 24% no número de mortes causadas pela doença entre 2005 e 2011, quando se registraram, respectivamente, 2,2 milhões e 1,7 milhão de óbitos. No horizonte até 2015, a meta agora consiste em atingir 15 milhões de pessoas com o tratamento antirretroviral no mundo, o que representaria a sua universalização em apenas três anos. Pretende-se também zerar a transmissão do vírus entre mães e bebês.

A história internacional de bons resultados obtidos no combate à Aids deve muito à experiência brasileira. Não se trata de uma afirmação meramente ufanista. Os fatos estão reconhecidos internacionalmente na comunidade científica e nos governos.

Nos anos 90, no governo do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso, firmou-se uma política de distribuição gratuita de antirretrovirais pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Registre-se também, nesse período em que José Serra era ministro da Saúde, a atuação firme do Brasil no confronto com os grandes laboratórios farmacêuticos privados internacionais, no episódio da ameaça de quebra das patentes e em defesa do direito de obtenção dos remédios do coquetel anti-Aids a um preço mais barato.

De uma maneira geral, o país soube manter-se no bom caminho, aliando inovação com determinação na dura batalha contra a doença e o preconceito gerado em torno dela. A saúde é a área da administração pública que talvez mais se preste à união de esforços acima de diferenças políticas, ideológicas ou partidárias. O engajamento brasileiro na luta contra a Aids deveria ser elevado a motivo de orgulho nacional.

Vejam o que disse Michel Sidibé, diretor executivo do Unaids, ao divulgar o relatório do órgão e abordar os desafios atuais: “Esta é uma era de solidariedade global e responsabilidade mútua”. Infelizmente, trata-se de uma afirmação aplicável a poucos temas nas sempre conturbadas relações entre os países.

Entretanto, se há luz no fim do túnel, o tamanho do inimigo continua a assustar. Em 2011, nada menos que 34,2 milhões de pessoas viviam com Aids no mundo todo, entre elas 4,9 milhões de jovens. O alerta continua bem aceso.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna

Aécio Neves: artigo do senador – Link do artigo: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/56025-guerra-contra-a-aids.shtml

Gestão da Saúde: ampliação de Pronto Atendimento fortalece serviço de urgência e emergência no Norte de Minas

Cerca de 450 mil habitantes das microrregiões de Brasília de Minas/São Francisco, Januária e Manga serão beneficiadas

Henrique Chendes/SES-MG
O subsecretário de Políticas e Ações de Saúde, Maurício Botelho, visitou as novas instalações
O subsecretário de Políticas e Ações de Saúde, Maurício Botelho, visitou as novas instalações

Cerca de 450 mil habitantes das microrregiões de Brasília de Minas/São Francisco, Januária e Manga serão beneficiadas com as novas instalações do Pronto Atendimento do Hospital Municipal Senhora Santanna. Para a obra, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) repassou, por meio de convênio, R$ 500 mil para ampliação da unidade.

O hospital possui 90 leitos credenciados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sendo 10 de UTI adulto. Atende cerca de três mil pessoas por mês e oferece especialidades como ortopedia/traumatologia; cirurgia geral; ginecologia-obstetrícia; clínica médica; otorrino; pediatria; angiologia, além de ser equipado com tomógrafo e aparelho de raio X.

Segundo o subsecretário de Políticas e Ações de Saúde, Maurício Botelho, a nova estrutura torna a instituição preparada para atender à urgência e emergência. “O hospital está se tornando referência para alguns procedimentos de saúde, principalmente, em relação à demanda por leitos de UTI. Por isso, diversas transformações foram viabilizadas, como melhoraria do acolhimento na porta de entrada do Pronto Atendimento”, pontuou o subsecretário.

O secretário municipal de Saúde de Brasília de Minas, Ednardo Rodrigues Lopes, acrescentou que a reforma priorizou o acolhimento e o acesso ao usuário. “Os espaços arquitetônicos levaram em consideração a urgência e emergência, com atenção ao nível de complexidade. Por isso, a recepção foi ampliada possibilitando mais conforto na área de espera e mais agilidade na triagem de pacientes”, avalia.

Qualidade e humanização

Edson dos Santos Silva, 60, morador de Brasília de Minas, acredita que a ampliação irá melhorar ainda mais os serviços de saúde oferecidos na unidade. Edson disse ter uma boa saúde e que nunca foi atendido no hospital, porém já esteve duas vezes acompanhando familiares.

“Hoje ninguém precisa ir a Montes Claros para ser atendido. Minha família já precisou do hospital duas vezes. Não faltou nada, tudo foi oferecido: exames, procedimentos médicos, tudo”, conta.

Segundo o prefeito de Brasília de Minas, Jair Oliveira Júnior, com as obras de ampliação do PA, o município avançou na construção da saúde pública. “A partir de agora, Brasília de Minas poderá oferecer um atendimento mais eficiente, capaz de solucionar a demanda por pronto atendimento”, disse.

Banco de leite

O hospital também possui os serviços de um Banco de Leite Humano (BLH). Destinado a dar suporte às mães da região, o banco possui estrutura e equipamentos modernos. Ele atenderá diariamente mães e crianças com alguma intercorrência na amamentação, tais como desmames precoces, os traumas mamilares, as mastites, a relactação e o ingurgitamento. Outro serviço de destaque que será oferecido pelo BLH é a busca domiciliar por leite. Por isso, o banco foi contemplado com uma moto.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ampliacao-de-pronto-atendimento-fortalece-servico-de-urgencia-e-emergencia-no-norte-de-minas/u

Gestão em Minas: Santa Casa da Misericórdia de São Sebastião do Paraíso será 100% SUS

Estado passará a cofinanciar a instituição, além de reestruturar a rede assistencial da microrregião

Henrique Chendes
Secretário de Transportes, Carlos Melles; provedor da Santa Casa, Flávio Westin; e Antônio Jorge de Souza Marques
Secretário de Transportes, Carlos Melles; provedor da Santa Casa, Flávio Westin; e Antônio Jorge de Souza Marques

Dentro de pouco tempo, a Santa Casa de São Sebastião do Paraíso, no Sul de Minas, terá o atendimento voltado 100% para o usuário do Sistema Único de Saúde (SUS). O compromisso foi assumido esta semana, em reunião presidida pelo secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, lideranças da instituição, prefeitos, secretários municipais de Saúde e ainda o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles.

Com essa garantia, o Estado, segundo o secretário Antônio Jorge, passará a cofinanciar a instituição, além de reestruturar a rede assistencial da microrregião. “Aos municípios caberá a pactuação, fazendo da Santa Casa de São Sebastião do Paraíso hospital referência microrregional”, afirmou. Essa decisão, segundo ele, traz escala, o que garante a autosustentação da instituição. “Queremos que aqui tenha um pronto-socorro no qual o usuário do SUS seja cliente preferencial, o que, estou certo, será possível com uma boa pactuação política regional”, pontuou Antônio Jorge.

O secretário Carlos Melles, ao se dirigir aos prefeitos, gestores de saúde, lideranças de consórcios intermunicipais de Saúde e direção da Santa Casa, confirmou a vocação microrregional dessa instituição, que tem mais de 80 anos e disse estar confiante que todos se envolverão na pactuação, para que tudo esteja funcionando plenamente em pouco tempo.

Reivindicações

Ainda na reunião, o secretário Antônio Jorge garantiu que o Governo de Minas está sensível às dificuldades enfrentadas pelos gestores municipais. Segundo o secretário, a instalação de uma maternidade de alto risco na microrregião está condicionada à construção de uma Casa de Apoio à Gestante. Antônio Jorge garantiu apoio à expansão do serviço de hemodiálise e anunciou a implantação da Rede de Urgência Macro Sul até o fim deste ano. “Antes disso, as ambulâncias do Samu estarão circulando”, assegurou.

Fonte: Agência Minas

Artigo: Marcus Pestana, O papel central da estratégia de saúde da família

Gestão da Saúde em Minas, Gestão Eficiente

Fonte: Artigo do deputado federal Marcus Pestana – O Tempo

O papel central da estratégia de saúde da família

O caminho é longo e não há atalhos

Nunca é demais lembrar que as pesquisas de opinião pública identificam a saúde como principal preocupação dos brasileiros. Há, em geral, uma frustração de expectativas e uma avaliação negativa em relação ao SUS. É inegável que os avanços foram muitos e que a saúde hoje no Brasil é muito melhor que há 23 anos, quando a pedra fundamental do SUS foi lançada. Mas estamos longe de entregar aos cidadãos os direitos e princípios constitucionais.

É evidente que, para atender às cobranças da população, os gestores de saúde têm que se desdobrar em ações de curto prazo que gerem impactos imediatos no atendimento à população.

Mas, em longo prazo, numa perspectiva estratégica, o imediatismo e a pressa não construirão o sucesso. Só uma ação transformadora consistente, estruturante e sistêmica poderá produzir resultados satisfatórios. Isso implica em construir um consenso e uma convicção de que o avanço passa pela consolidação de redes de atenção integral à saúde das pessoas coordenadas fortemente por uma atenção primária qualificada e eficaz. Sem isso, o sistema parecerá permanentemente aos olhos dos cidadãos um caleidoscópio fragmentado, desconexo, quase indecifrável.

É fundamental dispor de bons hospitais, assegurar acesso a medicamentos, ter bons centros de diagnóstico e atenção especializada. Mas para defender a qualidade de vida das pessoas e melhorar a gestão e os resultados do sistema não há outro caminho. Sugiro a leitura de “As Redes de Atenção à Saúde”, de Eugênio Vilaça.

A estratégia da Saúde da Família foi o caminho escolhido para enfrentar o desafio. São mais de 30 mil equipes em todo o Brasil, sendo mais de 4.000 em Minas Gerais. Uma equipe multidisciplinar responsável por uma população e um território geográfico definidos, motivada e bem-treinada, produz um fantástico efeito organizador no sistema e uma forte melhoria nos níveis de saúde da população. A combinação de ações de promoção da saúde, prevenção, diagnóstico precoce, atendimento primário, acompanhamento das doenças crônicas pode deslocar, em grande parte, o centro de gravidade do sistema das portas de hospital e dos balcões de farmácia para os pontos de atenção da saúde da família.

Os problemas não são poucos. Vão desde traços culturais de desconfiança da população e de muitos profissionais do setor, o fascínio pela tecnologia até a difícil formação e fixação de médicos da família nas pequenas cidades, na periferia das grandes cidades e nas cidades mais pobres e distantes.

Daí a importância de iniciativas tomadas pelo governo de Minas, nos últimos anos, de desencadear uma série de ações no âmbito do Programa Saúde em Casa: a contratualização de metas, a qualificação da gestão da clínica através de protocolos e linhas guias, a construção de mais de 2.000 unidades de saúde, o Canal Minas Saúde, a Educação Permanente, o Tele Saúde, o Plano Diretor.

O caminho é longo, mas não há atalhos que valham a pena.

Em busca da Gestão Eficiente DILMA COPIA CHOQUE DE GESTÃO DE AÉCIO E ANASTASIA EM MINAS

Em busca da Gestão Eficiente

DILMA COPIA CHOQUE DE GESTÃO DE AÉCIO E ANASTASIA EM MINAS

Presidente pretende construir uma bandeira depois da ‘faxina’ que marcou seu primeiro ano de governo e pediu à sua equipe foco na gestão do Estado

BRASÍLIA – O governo de Dilma Rousseff terá como bandeira a reforma do Estado. Foi o que ela explicou em detalhes à sua equipe ministerial, reunida na última segunda-feira. Não se trata, porém, de discutir o tamanho da máquina pública, como se fez no passado recente, quando ganharam força teses sobre o enxugamento estatal. O que Dilma quer é foco na gestão.

“Não tem essa história de Estado mínimo. Isso é uma tese falida, usada pelos tupiniquins. O Estado tem de ser eficiente”, costuma dizer a presidente.

A reforma que Dilma tem em mente é gerencial. É fazer com que a máquina administrativa funcione e devolva ao cidadão os serviços pelos quais ele paga. “Isso é revolucionário”, definiu. É com essa estratégia que a presidente quer construir uma “marca” de governo depois da “faxina” que derrubou sete ministros no ano passado, seis deles alvejados por denúncias de corrupção.

Dilma está convencida de que o surgimento da nova classe média vai demandar cada vez mais serviços públicos de qualidade.

No diagnóstico da presidente, esse grupo de pessoas saídas da pobreza não fará como a classe média tradicional, que praticamente prescindiu do Estado, recorrendo a escolas particulares, planos de saúde e previdência privada. “Não se iludam! Essas pessoas não vão deixar de procurar escolas públicas nem o SUS e o INSS”, argumentou ela.

Na primeira reunião ministerial do ano, Dilma expôs o que espera da equipe para não tropeçar na gestão, como ocorreu no primeiro ano de governo, marcado por crises políticas e pela queda no volume de investimentos do setor público, em grande parte por causa de problemas gerenciais. Obcecada por metas, ela cobrou desempenho dos auxiliares e avisou que, de agora em diante, todos serão avaliados pelos resultados apresentados a cada seis meses.