• Agenda

    março 2017
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

Dilma privou o Brasil de um debate sério em relação a aquilo que precisava ser feito, diz Aécio

Senador ressaltou que governo Dilma é o responsável por apontar saída para a crise.

“Não podemos fazer aquilo que a presidente não vem fazendo”, afirmou Aécio.

Brasil sem rumo

Fonte: PSDB

Dilma privou o Brasil de um debate sério em relação a aquilo que precisava ser feito, diz Aécio

Aécio disse disse que os partidos de oposição permanecerão cobrando do governo federal a responsabilidade pela crise econômica. Reprodução.


Aécio diz que oposição quer discutir propostas realistas para o país, mas que governo Dilma é o responsável por apontar saída para a crise

“Nós, da oposição, não somos e jamais seremos contra o Brasil. Propostas exequíveis, realistas serão analisadas por nós com todo o interesse e boa vontade, mas não podemos – até porque perdemos a eleição – subir a rampa do Palácio do Planalto e começar a governar. Não podemos fazer aquilo que a presidente não vem fazendo”, afirmou Aécio Neves, em entrevista nesta quarta-feira (10/09), ao falar sobre o agravamento da crise brasileira a partir do rebaixamento do país, ontem, pela Standard & Poor’s, uma das três principais agências do mundo de classificação de risco.

O presidente do PSDB disse que os partidos de oposição permanecerão cobrando do governo federal a responsabilidade pela crise econômica, que irá piorar a partir da perda pelo Brasil do selo de bom pagador. Com isso, o país perderá ainda mais investimentos e empregos.

“A responsabilidade pela situação por que passa o Brasil, e que irá se agravar, é exclusiva deste governo. É responsabilidade do governante, daquele que foi eleito, ter desgastes quando for necessário, principalmente desgastes em razão de erros cometidos por eles próprios. Não esperem que seja o Congresso a apontar o caminho dos cortes. Apresentem as propostas. Vamos debatê-las intensamente aqui no Congresso Nacional pensando no Brasil”, afirmou Aécio, que reunirá no Senado, na semana que vem, os principais economistas do PSDB para debater a economia brasileira.

O senador disse que o rebaixamento da nota do Brasil era esperado em razão da incapacidade do governo federal em recuperar as condições de governabilidade necessárias para retomada da confiança dos investidores e da sociedade.

Aécio Neves disse que as oposições não aceitarão que a presidente Dilma Rousseff cobre da sociedade a responsabilidade pelos erros cometidos pela equipe de governo, ao propor mais impostos.

“Não há como aceitar que o governo busque cobrar da sociedade brasileira, novamente, a partir de aumento de carga tributária, um esforço que ele não fez internamente. O ministro (da Fazenda) disse ontem que a presidente usou da sua popularidade para tomar medidas corretivas. Não é verdade. É o oposto. A presidente da República não quis perder popularidade para vencer as eleições e nos colocou nessa crise extremamente profunda”, afirmou.

Impeachment

O presidente tucano disse que o movimento lançado hoje na Câmara dos Deputados em favor do impeachment da presidente da República é uma iniciativa da sociedade e tem a participação de deputados dos partidos de oposição e não do PSDB em especial.

“Esse é um movimento da Câmara dos Deputados, do conjunto de partidos de oposição, não do PSDB em especial, e ele parte de um sentimento da sociedade de que este governo perdeu as condições de governabilidade. É um movimento legítimo, que se sustenta em previsões constitucionais, mas não deve ser um movimento de um partido político, muito menos um movimento do PSDB. É um movimento da sociedade, e, enquanto parte da sociedade, parlamentares do nosso partido, como de outros partidos de oposição, vão participar dele”, disse.

Caos anunciado

Aécio Neves voltou a cobrar da presidente Dilma ter escondido dos brasileiros a realidade do país durante a campanha eleitoral. Ele lembrou que as oposições apontaram os erros cometidos pelo governo do PT desde o primeiro semestre do ano passado.

“Vivemos hoje o caos anunciado há muito tempo. A presidente quer passar a impressão de que só soube do agravamento da crise após as eleições. Isso não é verdade. Falta com a verdade a presidente da República, porque já no primeiro semestre de 2014 já tínhamos uma queda de receita em relação ao primeiro semestre do ano anterior, de 2013, o que por si só já justificaria uma reorganização das despesas públicas. O que fez a presidente da República? Ampliou os gastos. É por isso que não há mais confiança em relação ao governo. A presidente Dilma privou o Brasil de um debate sério em relação a aquilo que precisava ser feito”, afirmou o senador.

Agência de classificação mantém grau de investimento de Minas

Na prática, a ação demonstra as boas condições das contas públicas de Minas, desmentindo as últimas informações do novo governador que veio a público tentar desqualificar o trabalho realizado até então por seus antecessores.

PT e Pimentel mentem

Fonte: Jogo do Poder

Agência de classificação mantém grau de investimento de Minas, ação evidencia mentiras de Pimentel

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) divulgou, no último dia 10, nova avaliação sobre Minas Gerais e manteve o grau de investimento do Estado. Reprodução

Standard & Poor’s desmente Pimentel, reconhece boas condições das contas em Minas e mantém grau de investimento do Estado

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) divulgou, no último dia 10, nova avaliação sobre Minas Gerais e manteve o grau de investimento do Estado. Na prática, a ação demonstra as boas condições das contas públicas de Minas, desmentindo as últimas informações do novo governador que veio a público tentar desqualificar o trabalho realizado até então por seus antecessores. A partir da análise dos dados de 2014, a agência decidiu manter os ratings do Estado em ‘BBB-‘ na escala global e em ‘brAAA’ na escala nacional. A S&P está entre as agências mais conceituadas no mundo e adota metodologia própria de avaliação que não é contestada. O próprio governador já comemorou o anúncio da manutenção do rating.

A agência avalia como “forte” o desempenho orçamentário do Estado nos últimos anos. Registra em seu relatório que “os superávits operacionais do Estado têm permanecido historicamente altos”. “Os ratings de Minas Gerais refletem sua gestão financeira satisfatória. Esperamos que o Estado mantenha seu desempenho orçamentário forte nos próximos dois anos”, destaca o relatório.

A Standard & Poor’s ainda coloca Minas Gerais como um dos centros econômicos mais importantes do Brasil, com PIB per capita estimado em US$10.145 em 2013. “A robusta economia do Estado contribui com 9,3% – a terceira maior porcentagem – do PIB nacional”, relata.

A agência indica, ainda, que a reestruturação da dívida mineira pela última administração estadual reduzirá a despesa com juros, o que vai favorecer a sustentação dos superávits orçamentários de 2015 e nos anos seguintes.

“Esperamos que Minas Gerais continue executando seus planos de redução de custo, o que deverá ajudar o Estado a manter o superávit operacional em 4%­5% das receitas operacionais nos próximos três anos. No entanto, suas despesas com juros caíram após a reestruturação de sua dívida em 2012­2013, o que ajudará a sustentar a estabilidade dos superávits operacionais”, destaca o documento.

A divulgação do rating de Minas Gerais pela agência foi feita juntamente com de outros estados. São Paulo, por exemplo, também teve seu rating confirmado como grau de investimento. Já o Rio de Janeiro teve sua nota rebaixada. Recentemente o Brasil também teve sua nota rebaixada, ainda que se mantendo o grau de investimento. Na ocasião, a agência considerou que no governo federal tinha feito “derrapagem fiscal” e, corretamente, previu que a execução fiscal seria “fraca”. Em seguida, e como decorrência da piora do ratingdo Brasil, foram rebaixadas as notas dos bancos federais, Banco do Brasil, Caixa e BNDES.

Assim, Minas Gerais manteve sua classificação de risco mesmo num contexto adverso que prejudicou outras avaliações no país e que, no caso da maioria dos estados, deu uma contribuição negativa para a arrecadação.