• Agenda

    outubro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Governo Anastasia vai gerar 905 empregos com expansão de indústrias

Governo Anastasia vai gerar 905 empregos. Investimento em siderurgia, informática e eletrônicos vai criar vagas na região metropolitana de BH.

Governo Anastasia: Investimentos em Minas

Fonte: Agência Minas

Protocolos de intenção prevêem aportes de R$ 211 milhões na indústria mineira

Setores de siderurgia, informática e eletrônicos na Região Metropolitana de Belo Horizonte devem receber novos investimentos

 Governo Anastasia vai gerar 905 empregos

Governo Anastasia vai gerar 905 empregos

Três novos protocolos de intenções para investimentos de R$ 211,52 milhões acabam de ser assinados pelo Governo Anastasia para expansão de unidades industriais nas áreas de siderurgia, informática e eletrônicos. Os três empreendimentos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, serão responsáveis pela geração de 905 novos empregos diretos e indiretos.

Durante a assinatura do protocolo com a Metalsider Ltda., a secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Dorothea Werneck, comemorou os novos investimentos e salientou que o Governo Anastasia está desenvolvendo um contato mais direto com o empresário. “Nossa prioridade é ter o empresário como parceiro e, através dele, atrair novos investimentos para o Estado. Quando um investidor é bem recebido e fica satisfeito, transforma-se em nosso principal contato com outros empresários na busca de novos empreendimentos”, acrescentou.

Já o presidente do Instituto de Desenvolvimento Integrado (INDI), José Frederico Álvares, lembrou que o Instituto está implantando a gestão de qualidade e quer ouvir o investidor e saber o seu grau de satisfação. “O trabalho mais importante do INDI começa após a assinatura dos protocolos. Trata-se de um apoio mais personalizado, com assistência em todas as etapas de implantação do projeto”, destacou.

Siderurgia

O diretor-presidente da Metalsider Ltda., Bruno Melo Lima, comemorou a assinatura do protocolo, lembrando que em 30 anos de história, é a primeira vez que a empresa busca a parceria do Governo. “Estamos participando de um processo em que o Estado está ajudando as empresas a crescerem e consequentemente a fortalecer a economia”, acrescentou.

A Metalsider Ltda. é uma empresa siderúrgica não-integrada, produtora de ferro-gusa, com sede e usina em Betim. Para construir uma fundição de peças automotivas e viabilizar o uso da matéria prima ferro-gusa no estado líquido proveniente dos altos-fornos, serão investidos R$ 148,3 milhões e gerados 128 empregos diretos e 87 indiretos.

Essa fundição inovará na composição da carga metálica, reduzindo custos, e, consequentemente, aumentando a competitividade. A fundição está dimensionada para a produção de 70 mil toneladas de peças ao ano, em uma primeira etapa que deverá entrar em operação em 2015 e de mais 70 mil toneladas de peças ao ano em uma segunda etapa. O mercado principal será, direta ou indiretamente, a indústria automobilística. A Metalsider atende indústrias de autopeças, fundições diversas e aciarias, além de consumidores do mercado externo, em especial, Estados Unidos e países asiáticos.

Durante a assinatura do protocolo, Bruno Melo Lima explicou que a companhia possui um parque industrial composto de sete altos-fornos com capacidade de produção de aproximadamente 420 mil toneladas de ferro-gusa por ano. A empresa conta ainda com recursos próprios de 40 mil hectares de florestas plantadas para atender ao seu suprimento de carvão vegetal. É também autosuficiente em energia elétrica. Gera 8.8 megawatts de energia em uma termoelétrica que utiliza os gases dos altos-fornos. O excedente de energia é ofertado ao mercado.

Computadores

A secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais também assinou protocolo de intenção para expansão da Megaware Industrial Ltda., destinada à montagem e comercialização de produtos eletroeletrônicos (Note/Net book, Desktop, servidor médio, gabinete com fonte, placas mãe, módulo e CI), com investimento de R$ 62,05 milhões. A empresa, fabricante de computadores, diferencia-se pelo pioneirismo na produção vertical Surface-Mount Technology (SMT) no Brasil e pretende investir em estrutura, pesquisa, desenvolvimento e capacitação pessoal.

A fábrica, localizada em Belo Horizonte, atua com um sofisticado sistema de produção e montagem de semicondutores por meio do SMT. Esse sistema consiste em máquinas robotizadas de última geração que inserem os componentes eletrônicos na fabricação de cada placa, são as responsáveis pela inspeção, solda, acabamento e promovem rigorosos testes de qualidade. O processo resulta em agilidade na produção, qualidade na montagem e significativa redução de custos, o que proporciona computadores com preços acessíveis e altamente resistentes.

Além de estar entre os maiores fabricantes brasileiros de computadores, a Megaware trabalha em parceria com líderes mundiais, como Intel e Microsoft, e possui uma rede de serviços técnicos em todo o país. Serão gerados 580 empregos diretos e indiretos ao final do projeto.

Eletrônicos

Já a JFA Eletrônicos Indústria e Comércio Ltda., também em Belo Horizonte, irá investir R$ 1,17 milhão e expansão da unidade industrial localizada em Belo Horizonte, destinada à fabricação e comercialização de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e vídeo. O projeto de expansão deverá ser concluído até 2015, quando a produção passará de 42 mil peças mensais para 70 mil peças por mês e serão gerados 75 novos empregos diretos e 35 indiretos.

A JFA Eletrônicos iniciou suas atividades no ano de 2004, com desenvolvimento de produtos eletrônicos. Em 2009, adquiriu sua primeira insersora automática de SMD (Semi Metalic Disc), com capacidade de inserção de 2.800 componentes/hora. Com a melhoria dos processos e com o crescimento contínuo das vendas, foi necessário ampliar a produção e adquirir máquinas de maior capacidade, atingindo hoje a capacidade de 42.000 componentes/hora.

Governo Anastasia: Investimentos em Minas – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/multimidia/galerias/protocolos-de-intencao-preveem-aportes-de-r-211-milhoes-na-industria-mineira/

Antonio Anastasia participa de missão de negócios que vai a India em busca de novas oportunidades de negócios

Fonte: Paola Carvalho

Namastê, Índia

Negócios com os indianos estão no foco da missão mineira rumo ao país do continente asiático. Além de vender mercadorias, como a cachaça, o objetivo é atrair investimentos

A coroa portuguesa trouxe artesãos indianos para forjar metal na província mais rica em minerais na sua colônia brasileira. Esse pode ter sido um dos primeiros passos para o estabelecimento de relações comerciais entre Minas Gerais e Índia. Hoje, uma das maiores siderúrgicas que atuam no estado, a ArcelorMittal, é anglo-indiana; e produtos tipicamente mineiros, a exemplo da cachaça, invadem o país asiático. Muitos outros negócios ainda estão por vir e vão ser recebidos com a tradicional saudaçãoindiana, namastê. Em 10 de outubro parte de Belo Horizonte uma missão oficial, formada por empresários e governo, para Mumbai, Bangalore e Nova Délhi.

No momento em que a economia dos Estados Unidos e de países europeus está em decadência, a Índia surge como oportunidade para fortalecimento dos negócios. A intenção dos integrantes da missão é tanto de atrair investimentos para Minas quanto de exportar produtos mineiros para a Índia. O país tem a segunda maior população do mundo, atrás da China, com 1,2 bilhão de habitantes. Tem semelhanças com o Brasil – não é à toa que ambos fazem parte do grupo de emergentes Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), entre elas o consumo do mercado interno em plena expansão.

“Os negócios ainda não são tão significativos quanto podem ser”, afirmou Leonardo Ananda Gomes, diretor vice-presidente da Câmara de Comércio Índia Brasil (CCIAIB). A delegação visitará empresas indianas, como Essar, Tata, Infosys e BEML. A expectativa é de que essa última, já com escritório na Grande BH, avalie a possibilidade de implantação de unidade fabril na região para montagem de máquinas e equipamentos para os setores de mineração e construção. Espera-se ainda estreitamento de relações com o bilionário Ratan Tata, dono do conglomerado que atua em nada menos que 96 segmentos na Índia. “Ele tem visitado o estado e o foco é siderurgia, mineração e setor automotivo”, diz Gomes.

O governador Antonio Anastasia participa da missão e fará apresentação sobre oportunidades de negócios e investimentos entre Minas Gerais e Índia para empresários e autoridades indianas. “Minas é o estado brasileiro que tem relação mais forte com a Índia. Existe uma identidade econômica, nos setores siderúrgico, automotivo, de ciência e tecnologia. Podemos atrair investimentos e exportar produtos de valor agregado”, afirmou.

Mas como o Brasil pode ter fôlego para competir com os produtos asiáticos na Índia, especialmente em relação à China. O cônsul honorário da Índia em Minas, Élson de Barros Gomes, tem a resposta na ponta da língua: “Minas tem produtos diferenciados que não concorrem com os chineses, como a cachaça. A caipirinha é um sucesso lá”. “O potencial maior está na classe média emergente”, completa o embaixador da Índia no Brasil, B.S. Prakash.

As exportações de Minas para a Índia saltaram de US$ 19,1 milhões em 2003 para US$ 139,4 milhões no ano passado. Os produtos mais vendidos são ferro e aço, açúcar, farmacêuticos e químicos, aparelhos médicos e autopeças. As importações subiram de US$ 23,1 milhões para US$ 149,3 milhões no mesmo período. Os mais comprados por Minas são fios sintéticos ou artificiais, produtos químicos, algodão, aparelhos de gravação ou reprodução de som e imagem, rolamentos e engrenagens, obras de ferro fundido e máquinas e equipamentos. Os dados são da Central Exportaminas, ligada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico.

Mercado gigante para explorar 

A cachaça Diva, de Divinópolis (Centro-Oeste de Minas), virou “rum brasileiro” na Índia. É vendida em mais de 30 hotéis de luxo e na maioria dos restaurantes de primeira linha de Délhi, Mumbai e Bangalore. Superando as diferenças culturais, em breve chegará a mais duas capitais indianas. “Conquistamos esse mercado em 2007 e ainda há muito para explorar”, disse a proprietária da Diva, Cíntia Cardoso de Souza. Assim como ela, empresários mineiros da área de tecnologia, engenharia e alimentos, por exemplo, cada um com suas peculiaridades, descobrem o mercado indiano.

Já a ideia de Alexandre Faria, da consultoria esportiva Alfa, é capacitar gestores e equipe médica indiana e trazer jogadores para o Brasil, uma vez que a Índia pretende disputar a Copa do Mundo de 2022. “Já fizemos isso na Austrália, nos Estados Unidos, na China, no Canadá e no Japão. Houve um zagueiro japonês, o Nakazawa, que veio para o América e acabou disputando a Copa 2006 pelo seu país”, exemplificou.

A Índia também está de olho no potencial do Brasil, e por isso Minas pode conseguir atrair novos negócios. Puneet Gill, principal executivo no Brasil da Infosys, segunda maior companhia de tecnologia da informação da Índia, disse que a empresa pretende ampliar suas atividades em Minas Gerais. “Temos clientes globais que podem ser atendidos a partir daqui e a perspectiva de prospecção de novos negócios é grande”, diz. Atualmente cinco funcionários mineiros estão em intercâmbio na Índia, movimento que, segundo ele, vai se intensificar.

A missão também tem intenções políticas. Luiz Custódio Cotta Martins, presidente do Sindicato da Indústria do Álcool e do Açúcar de Minas Gerais (Sindaçúcar-MG/Siamig), destacou a oportunidade de unir esforços para que o etanol seja usado em diferentes países até que possa se tornar uma commodity. “A Índia está começando a usar etanol a partir do melaço. Vamos lá conhecer e fazer um trabalho mais político”, afirmou. (PC)