• Agenda

    julho 2020
    S T Q Q S S D
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Gestão da Saúde: Tumiritinga encerra ações da Força Tarefa de combate à dengue

Os moradores da cidade puderam trocar materiais recicláveis que podem servir de focos para o mosquito por materiais escolares

Fotos: Frederico Bussinger
953 pneus foram recolhidos pela Força Tarefa em Tumiritinga
953 pneus foram recolhidos pela Força Tarefa em Tumiritinga

A Força Tarefa de combate à dengue esteve entre os dias 16 e 20 de abril, em Tumiritinga, município que pertence à Regional de Saúde de Governador Valadares. A equipe da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) atuou em parceria com a prefeitura no controle vetorial para a  eliminação de criadouros do mosquito nas residências. Também desenvolveram ações de mobilização social, através do Dengue Móvel que promoveu a troca de material escolar como lápis, borracha e caderno por materiais recicláveis, garrafa pet, lata e pneu.

A estratégia faz parte do Programa Estadual de Controle Permanente da Dengue do Governo de Minas, cujo objetivo é a diminuição do risco de epidemias em municípios com maior índice de infestação e notificação, somando força aos agentes municipais e mobilizando a população sobre a necessidade de evitar a doença.

O prefeito de Tumiritinga, Luiz Denis Alves Temponi, destacou a atuação conjunta entre estado e município no combate à dengue. “Esta parceria da Força Tarefa com os agentes municipais foi muito importante na mobilização dos moradores. A ação executada em várias frentes proporciona um resultado melhor”, afirmou.

O secretário municipal de Saúde, Maicon José Francisco Gonçalves, endossou as palavras do prefeito, acrescentando que “a conscientização e ação foram fundamentais para dar uma sacudida nos moradores, contribuindo para diminuir os  possíveis focos do mosquito da Dengue”, analisou.

Antes de Tumiritinga, as equipes atuaram  no Vale do Rio Doce, nos  municípios de Governador Valadares, Aimorés, Sobrália, Fernandes Tourinho, Engenheiro Caldas e São José da Safira.

A moradora Ana Helena Ferreira dos Santos compareceu para a troca com centenas de garrafas pet. “Foi ótimo essa idéia da troca porque fiz uma limpeza  geral nos fundos da minha casa e pude levar material escolar para minha família”, frisou.

O farmacêutico e  dono de uma drogaria do centro do município, Jacinto José Sales prontamente autorizou a afixação em seu estabelecimento de um cartaz da campanha contra a Dengue “Apoio este trabalho porque conscientiza e envolve todas as pessoas na luta  contra o mosquito”, comentou.

Balanço

No município foram recolhidas 10.2540 garrafas pet, 8.627 latas e 953 pneus que foram trocados por 8.640 lápis, 6.000 borrachas e 1.521 cadernos.

Todo o lixo recolhido pelo Dengue Móvel em Tumiritinga foi encaminhado para ecopontos em Governador Valadares. No caso dos pneus, o destino foi o Galpão  da Companhia de Armazéns e Silos de Minas Gerais (CASEMG) e as garrafas pet, latas e vasilhas plásticas para a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis Natureza Viva (ASCANAVI).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/tumiritinga-encerra-acoes-da-forca-tarefa-de-combate-a-dengue/

Governo de Minas: Secretaria de Saúde repassa R$ 1,3 milhão para Patos de Minas

Investimento será para a aquisição de equipamentos e outros materiais para a UPA

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) repassou, por meio de convênio, à Prefeitura de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, R$ 1,3 milhão, para a aquisição de equipamentos e outros materiais permanentes e de consumo para implantação da Unidade de Pronto Atendimento – UPA Porte III, que vai atender toda a microrregião de Patos de Minas e João Pinheiro, beneficiando 400 mil pessoas de 21 municípios.

A UPA contará com um número mínimo de seis médicos distribuídos entre pediatra e clínico geral e terá capacidade para atender mais de 300 pacientes por dia. A UPA será equipada com leitos de observação, sala de classificação de risco, salas de exames, sala de urgência, entre outras.

“Considerando a importância para o atendimento aos usuários do SUS na região, a SES veio por meio desse convênio auxiliar a prefeitura com essa transferência. A intenção é contribuir de forma significativa para o fortalecimento da saúde da população”, afirmou o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-saude-repassa-r-13-milhao-para-patos-de-minas/

Gestão Anastasia: caravana Mães de Minas encerra atividades em Divinópolis

As oficinas levaram informações bem práticas ao dia a dia das mães e familiares

Willian Pacheco/SES-MG
As oficinas passaram informações essenciais que a mulher precisa saber durante a gravidez
As oficinas passaram informações essenciais que a mulher precisa saber durante a gravidez

A caravana Mães de Minas, da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), encerrou suas atividades nessa segunda-feira (16), em Divinópolis, com mais 105 gestantes cadastradas no programa. As oficinas levaram informações bem práticas ao dia a dia das mães e familiares, com a participação das moradoras de Medeiros, Campo Belo, Santo Antônio do Monte, Carmo do Cajurú e Lagoa da Prata.

Informações essenciais que a mulher precisa saber neste momento especial da vida, como a posição adequada para a amamentação, o que é o colostro, horário e duração das mamadas, arroto, elementos presentes no leite materno, cuidados com o umbigo, ter atenção para cor das fezes, assaduras, cólicas, troca de fraldas e banho do bebê foram alguns dos temas abordados nas oficinas em formato de roda de conversa.

Além de participar das oficinas, gestantes, mães e familiares tiveram a oportunidade de gravar seus depoimentos no Stand Roda de Conversa, onde puderam expor suas expectativas e sentimentos com relação à maternidade. Os interessados puderam, também, tirar fotos na cabine disponibilizada no local do evento.

A superintendente adjunta da Regional de Saúde de Divinópolis, Kênia Carvalho, explica que a caravana faz parte do programa Mães de Minas e tem como principal objetivo a redução da mortalidade infantil e materna. “O programa deriva do Viva Vida e busca atender as gestantes tanto da rede pública quanto da privada. E a caravana veio para isto. Para orientar mães e familiares  durante a gestação”, explica.

Para a moradora de Divinópolis, Renata Cristina, grávida de quase nove meses, e participante da Oficina de Brinquedos, a caravana foi muito proveitosa. “Gostei muito, principalmente de tirar fotos na cabine. É uma recordação”, conta. A moradora de Campo Belo, Jéssica Amanda, grávida de seis meses, compartilha da mesma opinião. “Eu adorei. Foi ótimo. Eu participei da Oficina de Brinquedos, contei minha história e tirei fotos”, comenta.

Para a secretária de Saúde de Divinópolis, Rosenilce Cherrie Mourão, a caravana é um exemplo nítido de promoção à saúde. “O que está acontecendo em Divinópolis é promoção e valorização da saúde da gestante. São esclarecimentos de tudo aquilo que as mães e gestantes precisam saber”.

Caravana      

A caravana já passou por Ribeirão das Neves e Divinópolis, e ainda passará por Juiz de Fora, Varginha, Diamantina, Governador Valadares, Montes Claros, Teófilo Otoni, Patos de Minas, Uberaba e Uberlândia. Ela é formada por uma equipe de 15 pessoas, entre técnicos da área de saúde, lideranças comunitárias e profissionais com experiência em trabalhos voltados para a mulher.

A capacitação foi acompanhada pela SES e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), instituição que também desenvolve ações em parceiras com o Governo de Minas no combate à mortalidade infantil e materna no Norte e Nordeste do Estado.

Serviço 155

Para ser acompanhada e garantir uma gravidez saudável, a gestante assistida pela rede pública e particular deve ligar para o call center 155 e se cadastrar no Sistema de Identificação da Gravidez. Já foram cadastradas, até o momento, 5.093 gestantes, de 377 municípios mineiros. Feito o cadastro, as mulheres passam a ter acompanhamento especializado.

A equipe de atendentes é formada por avós e mães treinadas para oferecer atendimento humanizado. Elas checam se a gestante foi à consulta agendada; ligam para saber sobre o parecer médico e resultado de exames, se foram diagnosticadas com gravidez de alto risco.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/caravana-maes-de-minas-encerra-atividades-em-divinopolis/

Governo Anastasia: encontro na Escola de Saúde discute atenção à saúde materna

Redes de saúde integrada são apresentadas como uma das formas da humanização da saúde

Marcos Pereira
Profissionais discutem melhoras para o programa Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas
Profissionais discutem melhoras para o programa Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas

O Grupo interinstitucional de políticas de humanização (GIPH) da secretaria de estado de saúde de Minas Gerais (SES-MG) promoveu uma reunião, na escola de saúde pública de Minas Gerais (ESP-MG), terça-feira (17), com o objetivo de discutir a articulação entre a Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas e a Política Nacional de Humanização. Trata-se de um fórum de discussão sobre as políticas de humanização no estado, com a presença de profissionais das secretarias municipais e das superintendências e gerências regionais de saúde.

O encontro contou com palestra do pediatra e assessor de normalização da atenção à saúde da SES-MG, Marco Antônio Bragança de Matos, que apresentou as redes de atenção integrada, como estratégia de humanização da saúde. “A humanização só será uma realidade quando a saúde gerar valor ao usuário e tiver como foco a sua satisfação. O cumprimento de metas e portarias deve levar em conta esses aspectos”, afirma.

Segundo o assessor, o aumento dos casos de doenças crônicas e seus fatores de risco, como tabagismo, sobrepeso, sedentarismo, uso excessivo de álcool e outras drogas e alimentação inadequada, traz novos desafios para os profissionais de saúde. “É preciso criar formas de enfrentamento mais incisivas, sempre levando em consideração as necessidades do paciente”, pontua.

Nesse contexto, a Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas apresenta um papel fundamental. “A atenção à saúde materna deve ser pensada de forma integrada, sendo organizada a partir das necessidades das pacientes e auxiliando na fixação e continuidade da assistência”, acredita Marco Antônio.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/encontro-na-escola-de-saude-discute-atencao-a-saude-materna/

Governo Anastasia: secretaria de saúde inaugura Unidade Básica em Novo Cruzeiro

Estado investiu R$ 345 mil por meio do Programa Saúde em Casa e outros R$ 275 mil de contrapartida da prefeitura

Allan Campos/SES-MG
Aproximadamente 2.500 atendimentos serão realizados por mês na nova Unidade Básica de Saúde
Aproximadamente 2.500 atendimentos serão realizados por mês na nova Unidade Básica de Saúde

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) inaugurou, no sábado (14), em Novo Cruzeiro, uma Unidade Básica de Saúde – Mansur Rachid Lauar, com investimentos de R$ 345 mil por meio do  Programa Saúde em Casa para a construção da unidade e aquisição de equipamentos. O município destinou outros R$ 275 mil de contrapartida.

A nova unidade terá duas equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) Cristo Rei e Anastácio Roque e será composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e 18 agentes comunitários de saúde. Serão atendidos cerca de duas mil famílias do Centro e dos bairros Cristo Rei, Anastácio Roque, Triângulo, São Bento e 14 comunidades rurais. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, aproximadamente 2.500 atendimentos serão realizados por mês.

O secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, disse que a principal missão do município na área da saúde deve ser promover o fortalecimento da atenção primária de boa qualidade. Segundo o secretário, o que se praticar na UBS, com a melhor prática e tecnologia, poderá resolver a imensa maioria dos problemas dos cidadãos. “Diferente do hospital, na UBS não se pratica a recuperação da saúde somente, mas, sim, a promoção da saúde. Precisamos trazer as pessoas saudáveis para as unidades básicas de saúde, porque aqui se discute as questões de prevenção, da recuperação, mas acima de tudo, a busca desse ideal que perseguimos que é uma população mais saudável”.

O prefeito de Novo Cruzeiro, Sebastião Oliveira, ressaltou a construção das UBS. “A inauguração dessa unidade de saúde é mais uma prova de que temos feito um esforço muito grande para oferecer um serviço de qualidade às crianças, adolescentes, adultos e idosos. Só no ano passado, investimos 20% do orçamento municipal na saúde para termos condições de dar conforto a essas pessoas que buscam atendimento”, informou.

Já o presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Dinis Pinheiro, disse que a ALMG está empenhada na campanha de coleta de um milhão e meio de assinaturas com o objetivo de enviar para o Governo Federal, um projeto de lei, de iniciativa popular, propondo o investimento de 10% da receita corrente bruta da União na saúde pública, estabelecendo assim, uma obrigação constitucional da União em relação aos recursos alocados na saúde. “Hoje, apenas os estados e municípios têm percentuais de seus orçamentos vinculados à área. Aqui em Minas, temos tido o apoio extraordinário do secretário Antônio Jorge, que tem sido um grande companheiro, que defende a saúde”.

Hospital São Bento

Em visita ao hospital São Bento de Novo Cruzeiro, onde a SES já investiu R$100 mil visando a aquisição de equipamentos e materiais permanentes, Antônio Jorge conheceu a estrutura física e equipamentos da unidade, além de conversar com os profissionais de saúde para tomar parte da realidade do município.

Segundo Antônio Jorge, a Superintendência Regional de Saúde de Teófilo Otoni está muito atuante na questão do hospital de Novo Cruzeiro que precisa evoluir, principalmente, no que se refere à infraestrutura. “Estamos aqui hoje para estudar a possibilidade da instalação um novo hospital em Novo Cruzeiro. Essa é uma questão ainda não acabada, do ponto de vista do seu planejamento. Vai exigir de todos nós muita serenidade e pé no chão e, principalmente, envolvimento político porque nós precisamos trazer os prefeitos da região para discutir uma assistência regional porque, de fato, um prefeito sozinho não pode arcar nem com os custos, e nem com o desafio de um hospital regional”, finalizou.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-saude-inaugura-unidade-basica-em-novo-cruzeiro/

Gestão da Saúde: município de Marilac recebe Força Tarefa de combate à dengue

A equipe formada por 31 agentes, dois motoristas e duas mobilizadoras atuou em parceria com a prefeitura

Frederico Bussinger/SES-MG
No município foram recolhidas 12.180 garrafas pet, 6.585 latas e 910 pneus
No município foram recolhidas 12.180 garrafas pet, 6.585 latas e 910 pneus

A cidade de Marilac, localizada a 56 km de Governador Valadares, recebeu entre os dias 9 e 12 de abril, a Força Tarefa de Combate à Dengue. A equipe formada por 31 agentes de endemias, dois motoristas e duas mobilizadoras sociais da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), atuaram em parceria com a prefeitura municipal, no controle vetorial para a eliminação de criadouros do mosquito nas residências. Também ocorreram ações de mobilização social, através do Dengue Móvel que promoveu a troca de material escolar (lápis, borracha e caderno) por materiais recicláveis (garrafa pet, lata e pneu).

Em Marilac as atividades de mobilização social tiveram início na terça-feira (10), em reunião promovida por mobilizadoras sociais com técnicos municipais e também de um encontro intersetorial com instituições representativas da cidade, que teve como objetivo discutir e promover  parcerias quanto as estratégias de combate ao mosquito.

No mesmo dia, as mobilizadoras realizaram visitas institucionais ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), Centro Regional de Educação e Investigação Associada à Sustentabilidade (CREIAS), as igrejas católicas e evangélicas, escolas municipais e estaduais, Conselho Tutelar, Creche Municipal e Pastoral da Criança. Nessas entidades foram disponibilizados materiais impressos para disseminação das informações sobre o enfrentamento.

O prefeito de Marilac, Edmilson Valadão de Oliveira, ressaltou a importância da parceria com o Governo de Minas na guerra contra a doença. “O Estado é um grande aliado dos municípios nas ações públicas, porque muitas vezes não temos recursos para atender a altura às demandas que se apresentam, principalmente no caso da dengue que é uma questão que envolve além da saúde, educação e cultura da população”, afirmou.

O secretário de Saúde do município, José Paulo Pereira, elogiou a atuação dos agentes do Estado. “Além do trabalho de limpeza e conscientização dos moradores sobre o perigo da Dengue, a Força Tarefa veio dar um ânimo e grande estímulo às equipes de saúde do município, que atuam diariamente neste combate”, disse.

Dengue Móvel

O caminhão Dengue Móvel esteve presente para troca dos materiais recicláveis por material escolar na quarta-feira (11), na Escola Estadual Joaquim Monteiro e na parte da tarde ao lado da Praça Presidente Tancredo Neves, na área central do município.

Orlando Júnior Gonçalves Felício, 11 anos, aluno da Escola foi um dos primeiros a participar da troca. “Todo mundo tem de estar junto nessa luta, porque uma cidade limpa evita os focos do mosquito”, declarou.

Já na Praça, a dona de casa Angelita Alves da Silva, compareceu com o filho de 7 anos, trazendo garrafas pet e pneu.” Estou achando essa ideia muito boa porque incentiva as pessoas a não deixar o lixo acumular nas casas, evitando a dengue além de eu poder levar material escolar para o meu filho”, frisou.

Balanço

No município foram recolhidas 12.180 garrafas pet, 6.585 latas e 910 pneus que foram trocados por 12.096 lápis, 6.000 borrachas e 880 cadernos, respectivamente. Foram distribuídos também 960 Manuais do Combatente, 800 Almanaques Edi&Gita, 150 cartazes e 500 adesivos para carro.

Todo o lixo recolhido pelo Dengue Móvel foi encaminhado para ecopontos em Governador Valadares. No caso dos pneus, foram para o Galpão da Companhia de Armazéns e Silos de Minas Gerais e as Garrafas Pet, latas e vasilhas plásticas para Associação de Catadores de Materiais Recicláveis Natureza Viva.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/municipio-de-marilac-recebe-forca-tarefa-de-combate-a-dengue/

Gestão da Saúde: Secretaria de Saúde lança Programa Estadual de Combate ao Câncer de Mama

A partir de agora, o controle do câncer de mama no Estado estará focado em três pontos chaves

Carlos Alberto/Imprensa MG
Antônio Jorge de Souza Marques destacou que 25% das mortes poderiam ser evitadas
Antônio Jorge de Souza Marques destacou que 25% das mortes poderiam ser evitadas

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) lançou, nesta quinta-feira (12), novas ações no controle do câncer de mama. A nova proposta está baseada em uma mudança no modelo de controle da doença.

A partir de agora, o controle do câncer de mama estará focado em três pontos chaves: ampliar a faixa etária prioritária para 45 a 69 anos, facilitar acesso à mamografia e agilizar a definição diagnóstica, com objetivo de iniciar rapidamente o tratamento do câncer de mama. Como consequência, espera-se melhorar o prognóstico da doença nas mulheres mineiras.

Uma vez diagnosticado precocemente e tratado a tempo, o câncer de mama apresenta 95% de chances de cura. Apesar disso, a taxa de mortalidade da doença cresceu nos últimos anos em Minas Gerais. Em 2009, ocorreram 1.071 óbitos por câncer de mama e a taxa bruta de mortalidade foi de 10,6 óbitos por 100.000 mulheres mineiras. Para 2011, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que serão 4.250 mulheres com a doença e a taxa bruta de incidência será de 41 casos novos por 100.000 mineiras.

“Cerca de 25% das mortes poderiam ser evitadas. As taxas elevadas são, muito provavelmente, a consequência de um diagnóstico tardio da doença, quando o câncer está em estágios avançados, dificultando o tratamento”, explicou o secretário de Saúde de Minas Gerais, Antônio Jorge de Souza Marques.

Segundo Antônio Jorge, o programa possui uma preocupação muito grande com a informação e a mobilização. “Os exames, o tratamento estão aí, mas é preciso que as mulheres saibam disso, conheçam os seus direitos. Por isso, a presença e a atuação dos meios de comunicação social são importantes. Precisamos mobilizar, convencer às mulheres a realizar o exame”, disse.

Roberta Zampete, apresentadora do programa Brasil das Gerais, da Rede Minas, convidada a falar em nome dos jornalistas presentes, disse acreditar no papel da imprensa como veículo de melhoria da vida dos outros. Isto porque, segundo ela, “o compromisso primordial da imprensa é em alertar às pessoas. Levar informações e divulgar direitos e comportamentos”.

Para a presidente da Instituição Flávio Gutierrez, Ângela Gutierrez, o mais importante é indicar os caminhos ao cidadão. “Precisamos sempre de iniciativas que alertem, que relembrem e que colaborem. O câncer de mama é uma doença que assusta, mas que pode ser vencida”, completou.

Experiências

Elza Figueiredo Coutinho conhece de perto a realidade de mulheres que tiveram a doença. Ela reconhece que o mais importante é acreditar que é possível viver após o câncer e tratar-se imediatamente.

“Minha bisavó, minha avó, minha mãe e eu tivemos câncer de mama. Todas nós lutamos contra o câncer, mas nenhuma morreu dessa doença. Todas morreram de velhice, e eu também só aceito morrer de velhice. Isso significa que podemos vencer a batalha”, contou.

Rosa Maria Abreu Duarte também vivenciou a luta contra o câncer. “É difícil acreditar que está acontecendo com a gente. Depois é difícil mais ainda crer que podemos nos curar. Mas eu sempre digo que nada na vida da gente acontece por acaso. Agora estou aqui para conscientizar às mulheres de que o que me salvou foi o diagnóstico precoce, foi fazer mamografia”, disse.

Segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Aline Chaves, o mais importante é conscientizar às mulheres sobre a prevenção. “O tratamento no estágio avançado é mais doloroso e tóxico para o paciente e é mais caro para o estado”, completou.

O presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia/Regional Minas Gerais, João Henrique Pena Reis, elogiou a estratégia inovadora do Governo de Minas, pois “a partir de agora, podemos falar em enfrentar a doença na linha de frente”, disse.

Desburocratização

Até agora, o acesso à mamografia de rastreamento é realizado por meio de uma requisição, que é entregue à mulher após uma consulta médica. A partir de agora, a mulher não necessitará mais ir previamente ao médico para receber uma requisição, e poderá solicitar um formulário em qualquer Estabelecimento de Saúde Pública, como as Unidade Básicas de Saúde (UBS) e Centros Viva Vida de Referência Secundária.

Segundo o secretário Antônio Jorge, a medida pretende desburocratizar o acesso às mamografias no Estado “A população de mulheres mineiras com idade 45 a 69 anos é de 2.397.315, destas 1.753.932 são SUS dependentes. Portanto, o impacto desta política será imenso. Todas elas terão direito a realizar o exame”, disse.

Diagnóstico facilitado

Após os laudos, os exames deverão ser enviados para a Unidade de Saúde de referência indicada na requisição. Para facilitar a definição diagnóstica do câncer de mama foi criado um sistema de classificação que estabelece o fluxo e a prioridade no atendimento das mulheres em função dos resultados encontrados.

Todos os resultados do exame de mamografia deverão, assim, ser disponibilizados com os adesivos informando a classificação do exame e o procedimento a ser realizado. Nos casos de diagnósticos que apresentam cerca 70% chance de confirmação de câncer de mama, as pacientes serão encaminhadas para as unidades Centro Viva Vida de Referência Secundária ou para outras unidades de referência.

Em casos de resultado benigno, a mulher deve ser orientada a realizar da mamografia semestralmente. Já aquelas que apresentarem resultado normal, serão orientadas a realizar a mamografia a cada dois anos.

“A estratégia de classificar os estágios da doença é importante para agilizarmos o início de tratamento da mulher com o câncer de mama. Hoje, 29% das mulheres que recebem um diagnóstico de câncer já o recebem em estágios avançado. O objetivo do programa é evitar isso”, explicou Antônio Jorge.

O presidente do Colegiado de Secretários Municipais de Saúde (Cosmes/MG), Mauro Junqueira, disse que o programa possibilitará que “as mulheres tenham acesso ao tratamento logo que descobrirem a doença, pois isso será determinante no processo de cura”.

O presidente da comissão de saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, Carlos Mosconi, também elogiou a iniciativa. “É uma política altamente favorável, inovadora e moderna”, finalizou.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-saude-lanca-programa-estadual-de-combate-ao-cancer-de-mama/

Gestão Anastasia: governo de Minas investe R$ 1 milhão e anuncia novos investimentos para Lavras

Recursos foram aplicados na construção de uma Unidade Básica de Saúde, que terá serviço de fisioterapia e laboratório

Henrique Chendes
Secretário Antônio Jorge, acompanhado da prefeita Jussara Menicucci, visitou UBS em Lavras
Secretário Antônio Jorge, acompanhado da prefeita Jussara Menicucci, visitou UBS em Lavras

Lavras, no Sul de Minas, cidade que polariza outros dez municípios, recebeu, nesta terça-feira (10), do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), mais R$ 1 milhão para a construção de mais uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Nessa UBS, que é diferenciada, os moradores do bairro Floresta, além de contar com assistência primária, também terão à disposição um centro de fisioterapia e um laboratório de análises clínicas. O convênio foi assinado pelo secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, pela prefeita Jussara Menicucci e pelo secretário municipal de Saúde, José Mourão Lasmar.

Ainda na solenidade, o secretário anunciou que o Governo de Minas vai investir na área de urgência e emergência do município, não somente no assessoramento técnico, mas também irá garantir recursos para a aquisição de aparelhos de raio X e ultrassonografia. “Vamos analisar também a possibilidade de disponibilizar um tomógrafo”.

Na solenidade realizada na sede da prefeitura, Antônio Jorge destacou que a assinatura desse convênio é resultado do esforço dos técnicos, que apresentaram um bom projeto de trabalho. O secretário lembrou que em todas as pesquisas de opinião pública a saúde é sempre citada como uma das principais preocupações do cidadão.

“Trata-se de um desafio mundial, que tem a ver com custos, novas tecnologias e um olhar mais crítico do cidadão acerca dos serviços ofertados pelos gestores públicos”, afirmou o secretário, lembrando que Lavras reflete o que acontece em Minas.  “Hoje, aqui, a saúde é melhor que ontem e, certamente, amanhã será melhor que hoje”, disse, destacando que no município, saúde se faz com técnica, com gestão. “Consideremos Lavras um modelo de saúde para Minas e para o Brasil. Aqui, há uma rede estruturada”, assegurou, citando como um bom exemplo de gestão o trabalho feito pelos gestores municipais no enfrentamento da dengue. “Se em 2009, o município registrou 700 casos, a realidade agora é bem diferente. Há dois anos não há qualquer notificação de dengue no município”, disse ele.

A prefeita Jussara Menicucci falou sobre a mudança do modelo de administração pública, que hoje trabalha com foco na gestão e nos resultados. “Pactuamos com as equipes de trabalho quais são as metas, para atendermos, de fato, as expectativas do cidadão de Lavras”, disse a prefeita, ao citar pesquisa, na qual foi identificado que 96% dos moradores se orgulham de morar na cidade.

O secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles, destacou que em Lavras os administradores têm um olhar especial para o setor da saúde, elencando vários avanços, tanto no fortalecimento das unidades de saúde quanto nas obras de saneamento. “Aqui, tudo o que se faz é voltado para a satisfação do cidadão”, ressaltou.

Foco na atenção primária

Antes da assinatura do convênio, o secretário Antônio Jorge, acompanhado da prefeita Jussara Menicucci, visitou a Unidade Básica de Saúde do bairro Jardim Dona Wanda. Essa unidade atende a cerca de 4 mil moradores dos bairros Alterosa, Jardim Dona Wanda, Pitangui, Jardim América e Bandeirantes. Inaugurada em 2011, ela conta com oito consultórios médicos e odontológicos; salas de vacinação e de curativos; dependência para equipe de Vigilância Epidemiológica e autoclave para esterilização.

Essa UBS também abriga uma das 17 equipes do PSF que atuam no município. Nos últimos oito anos, a Prefeitura de Lavras aumentou em 185% o número de equipes PSF, saltando de 6, em abril/2004 para 17 em abril de 2012, quase três vezes mais.

Atualmente, as equipes de PSF em Lavras são responsáveis pela cobertura de aproximadamente 60% da população do município. Este índice está acima da média de cobertura do Programa Saúde da Família (PSF) no Brasil.

Além do secretário Melles, também participaram da comitiva o secretário adjunto de Estado da Casa Civil, Flávio Unes, o secretário adjunto de Governo, Leonardo Couto, além dos secretários municipais de Saúde, José Lasmar Mourão, e de Planejamento, Silas Pereira, a coordenadora do PSF em Lavras, Sandra Ribeiro, além de médicos e profissionais da cidade.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-investe-r-1-milhao-e-anuncia-novos-investimentos-para-lavras/

Gestão da Saúde: Nova Unidade Básica de Saúde beneficia 4 mil pessoas em Caxambu

Governo de Minas investiu R$ 336 mil na obra e compra de equipamentos

Tânia Corrêa/SRS Varginha
Solenidade de inauguração da Unidade Básica de Saúde em Caxambu
Solenidade de inauguração da Unidade Básica de Saúde em Caxambu

Uma Unidade Básica de Saúde (UBS) foi inaugurada esta semana, em Caxambu, para atender a uma população de aproximadamente quatro mil pessoas. Localizado no bairro Trançador, a UBS recebeu do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), cerca de R$ 310 mil para a obra e outros R$ 26 mil para a compra de aparelhagem e equipamentos.

A referência técnica da Vigilância em Saúde da Superintendência Regional de Saúde de Varginha, Maria José Raimundo Drummond, comemorou a nova unidade, pois “a partir de agora, a população pode cuidar da saúde de forma rotineira e acessível”, afirmou.

Segundo a secretária de Saúde do município, Marta Maria Vieira Vilela, “a unidade trará mais saúde aos habitantes de Caxambu, pois vai disponibilizar a prevenção por meio de serviços de qualidade e atenção primária ao alcance de todos”, afirma.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/nova-unidade-basica-de-saude-beneficia-4-mil-pessoas-em-caxambu/

Gestão Anastasia: Rede Mais Vida assegura assistência integral a idosos em Minas

Programa proporciona acesso a atendimento médico multidisciplinar para população acima de 60 anos
Débora Ozório/Secom MG
Maria José recebeu atendimento com equipe multidisciplinar
Maria José recebeu atendimento com equipe multidisciplinar

Médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, fonoaudiólogos, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos e assistentes sociais. Esses foram os especialistas que atenderam a dona de casa Maria José Castro Sena, 79 anos, no Centro Mais Vida de Atenção ao Idoso, localizado no Hospital das Clínicas, em Belo Horizonte.  O centro é um dos pontos da Rede Mais Vida de Atenção ao Idoso, criada pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) para garantir qualidade de vida à população de 60 anos ou mais. Os trabalhos são realizados pelas equipes de Atenção Primária à Saúde (APS).

O programa foca na estruturação em rede macrorregional de atenção à saúde da população idosa, por meio de um sistema de interação capaz de proporcionar aumento nos anos de vida dos idosos mineiros e de manter a capacidade funcional e a autonomia deles.

Segundo a coordenadora Estadual de Atenção à Saúde do Idoso, Eliana Bandeira, o objetivo é implantar uma rede de atenção à saúde da população idosa, por meio de um sistema articulado e integrado, que assegure os princípios do SUS de equidade, universalidade e integralidade. “As ações do Programa Mais Vida incluem a descentralização da assistência, por meio da implantação dos Centros Mais Vida, a organização da rede e a capacitação dos profissionais da Atenção Primária à Saúde para a atenção à Saúde do Idoso”, afirma Eliana.

Atendimento humanizado

Dona Maria José Castro Sena se queixava de pressão alta, depressão e problemas ortopédicos. Orientada pela filha Ana Maria Castro Sena, ela procurou o Centro Mais Vida na capital mineira, onde são realizados diversos exames, voltados às partes física, psíquica, social, de humor e dos hábitos alimentares, entre outros.

“Como tenho dificuldades para andar, complica muito ter que me deslocar para ser atendida em outros hospitais. Aqui, recebo todo o atendimento necessário, tudo no mesmo lugar. É ótimo”, destaca Maria José. Ela lembra, ainda, o conforto oferecido pelo centro, com cadeiras confortáveis, lanches em todos os períodos e atendimento exclusivo.

Após ser atendida, Maria José recebeu um plano de cuidados com todos os diagnósticos e as intervenções indicadas: ações preventivas, curativas, paliativas e reabilitadoras. O plano é encaminhado, também, para a Unidade de Saúde de origem do idoso, onde ele é, posteriormente, acompanhado.

“Aqui, o acesso à saúde é fácil. Saímos daqui com os exames marcados, encaminhamentos feitos e os exames de rotina são realizados rapidamente”, elogia Ana Maria, filha de Maria José que acompanha a mãe em todas as visitas aos médicos.

Três cidades já têm Centros Mais Vida

Atualmente, três cidades contam com o Centro Mais Vida (CMV): Belo Horizonte, Montes Claros e Juiz de Fora. Todos eles oferecem assistência especializada por equipe multidisciplinar de saúde encaminhada pelos profissionais da Rede.

Na unidade do CMV do Hospital das Clínicas, cerca de 600 pacientes são atendidos mensalmente, de acordo com dados da Coordenadoria Administrativa. Os exames mais realizados são de osteoporose, eletrocardiograma, vitamina B12, Hemograma, urina rotina e tomografia computadorizada, sendo que todos eles obedecem à carteira de serviços disponibilizada pela SES, de acordo com a necessidade de cada idoso.

Para ter acesso ao serviço, os pacientes devem, antes, passar pelas unidades básicas ou pelas equipes do Programa de Saúde da Família (PSF), como explica coordenador médico do CMV, Edgar Nunes de Moraes, que também é professor adjunto do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em geriatria. “É importante ressaltar que o idoso precisa ser encaminhado ao Centro Mais Vida através de algum Centro de Saúde e que não são marcadas consultas diretamente. Ele deve ser encaminhado via Central de Marcação de Consultas Municipal”, esclarece.

No dia da consulta, o idoso deverá comparecer com acompanhante, levando todas as receitas médicas, medicamentos em uso, relatórios médicos e todos os exames complementares, inclusive radiografias. “O Centro Mais Vida é uma retaguarda da atenção secundária para a atenção primária. A integração com os municípios é importante para a vinda e a volta do paciente. Estimamos que 20% desses idosos sejam de alta complexidade. O centro amplia e valoriza o atendimento ao idoso na capital, com toda a parte de reabilitação necessária”, explica Edgar Nunes.

Em Belo Horizonte, o Centro Mais Vida faz parte da Rede Mais Vida, financiada com recursos do Tesouro estadual, em parceria

com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte e o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG).

Cerca de 11% da população mineira é idosa

Segundo dados do IBGE, existem atualmente, em Minas Gerais, 2,2 milhões de idosos, o que representa 11,06% da população total do Estado. Essa população gera diversas demandas para o SUS e exige a implantação de novos modelos e métodos.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Atenção ao Idoso da SES, o Centro Mais Vida de Belo Horizonte tem como meta atender 22 mil idosos por ano. Já para os Centros localizados em Juiz de Fora e em Montes Claros, a meta é de 12 mil pacientes/ano.

Na área da saúde, o Estado está dividido em 13 macrorregiões sanitárias e cada Centro Mais Vida funcionará como referência de atenção secundária para a rede macrorregional. Por enquanto são três redes, mas a meta é que até 2014 todas as macrorregiões de Minas possuam uma rede integrada de atenção à saúde do idoso, a Rede Mais Vida, atendendo a 100% da população idosa.

Eliana Bandeira, coordenadora Estadual de Atenção ao idoso, destaca que os Centros Mais Vida não são focados nas doenças, mas em ajudar os idosos a reconquistarem sua independência para as tarefas do cotidiano. “Ao garantir a independência funcional dos idosos, proporcionamos uma melhor qualidade de vida para eles”, ela explica.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rede-mais-vida-assegura-assistencia-integral-a-idosos-em-minas/