• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Gestão Anastasia: Governo de Minas atrai R$ 138 milhões em investimentos

Novos contratos assinados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico devem gerar 2.800 novos postos de trabalho

Laura Lara/Sede
Representantes da Steel Mineração, Gustavo Emina e Márcia Soares Pereira, e Frederico Álvares (Indi)
Representantes da Steel Mineração, Gustavo Emina e Márcia Soares Pereira, e Frederico Álvares (Indi)

Inovação tecnológica e desenvolvimento sustentável são as principais características dos novos protocolos de intenções assinados pelo Governo de Minas, por meio do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede). Com a geração de mais de 2.800 empregos diretos e indiretos, os novos investimentos a serem implantados nas regiões Central, Sul e Zona da Mata, somam R$ 138,520 milhões.

A Steel Mineração e Exportação Ltda. implantará em Rio Piracicaba, região Central do Estado, uma usina para processar rejeitos de minério de ferro, gerados na região nas últimas décadas. O investimento de R$ 52,9 milhões irá gerar 1.600 empregos diretos e indiretos e tem como principal característica a inovação tecnológica na rota de processo.

O diretor da Steel, Gustavo Emina, explicou que o processo é pioneiro no ramo da mineração, porque permite concentrar o minério de ferro sem uso de água, evitando a contaminação do lençol freático. “Evita-se, ainda, a necessidade de construção de barragens de rejeitos, o que reduz drasticamente o impacto no meio ambiente. Várias grandes mineradoras do quadrilátero ferrífero já demonstraram grande interesse em recuperar seus rejeitos gerados nas últimas décadas, por meio do sistema desenvolvido pela Steel”, destacou.

A empresa foi constituída em outubro de 2007, inicialmente com o foco em pesquisas minerais e no estudo do mercado. Em 2010 implantou, no município de Rio Piracicaba, uma planta piloto (que utiliza um sistema inovador por via seca) para processar rejeitos de minério de ferro gerados na região nas últimas décadas. Como os testes deram resultados positivos, a Steel decidiu implantar uma planta para processamento de rejeitos de minério.

Sul de Minas

O segundo protocolo de intenções foi assinado pelo presidente da Alcoa para a América Latina, Franklin Feder. A empresa investirá, com apoio do Governo de Minas, R$ 52,6 milhões para a construção de uma área para armazenamento de resíduos de bauxita, oriundos do processo de produção de alumínio.

Durante a construção da área de armazenamento, serão gerados este ano 175 empregos temporários indiretos, 209 em 2013 e outros 50 em 2014. A previsão é de que a capacidade de produção de alumina atinja 360 mil toneladas por ano. A Alcoa está presente em cinco continentes, emprega mais de 61 mil funcionários distribuídos em 31 países. No Brasil, a Alcoa está em operação em Poços de Caldas, no Sul do Estado, desde 1970. A unidade da Alcoa neste município produz alumínio primário, alumina, químicos e pó de alumínio.

Grande BH

O terceiro protocolo de intenções assinado, esta semana, com o Governo de Minas, foi com a Mecan Indústria e Locação de Equipamentos para Construção Ltda. A empresa expandirá sua unidade em Vespasiano, visando à fabricação de um produto inovador no Brasil denominado Quikdeck.

O projeto, que consiste em uma plataforma modular elevatória, com múltiplas aplicações e tendo como mercado alvo o segmento de petróleo e gás, é em parceria com a empresa americana Safway Services LLC, e também produzirá elevadores e andaimes especiais.

Com investimento de R$ 20 milhões, e término previsto para dezembro de 2014, serão gerados 80 empregos diretos e 55 indiretos. Em 2015 deverá atingir a capacidade de produção de dez mil metros quadrados de plataformas suspensas, QuikDeck, bem como a produção de equipamentos e plataformas.

A Mecan Indústria e Locação de Equipamentos para Construção Ltda., fundada em 1978, é uma das empresas do Grupo Orguel. Dedica-se à fabricação, venda e locação de andaimes, elevadores, escoramentos para obra e produz tubos de aço, com costura, para consumo próprio e para o mercado. Oferece projetos, serviços de montagem, desmontagem e assistência técnica de seus produtos.

O Grupo Orguel é uma holding formada por 10 empresas: Orguel, Mecan, Locguel, Locbras, Bramex, Multiclean, Orguel Finanças, Construir, Orguel Plataformas e Mecanflex. Tem cerca de 2.000 colaboradores, possui 80 filiais e representantes distribuídos em todo o território nacional e países da América Latina. Fabrica, vende e loca máquinas e equipamentos para construção.

Zona da Mata

A modernização da unidade industrial e ampliação da linha de produção são os objetivos do protocolo de intenções que a Bela Ischia Alimentos Ltda. assinou com o Governo de Minas. Localizada no município de Astolfo Dutra, Zona da Mata, a empresa investirá R$ 13 milhões e criará 315 novos empregos diretos e outros 600 indiretos.

A Bela Ischia iniciou suas atividades em 1967, quando o italiano Giuseppe Di Iorio fundou uma empresa voltada para a comercialização de frutas frescas no mercado do Rio de Janeiro. Em 1996, apostando no crescimento do mercado de frutas e polpas congeladas e com desejo de produzir sucos com o verdadeiro sabor da fruta, a empresa inaugurou uma unidade de produção industrial em Astolfo Dutra. Surgiu assim a Bela Ischia Indústria e Comércio de Polpas e Frutas Congeladas Ltda.

Em 2005, com o aumento na demanda por sucos integrais, a Bela Ischia investiu em uma unidade de processamento de polpas de frutas, triplicando a produção. Nesta nova unidade foram instaladas máquinas de alta tecnologia italiana para envase de polpas assépticas, construídas câmaras frias, galpões para armazenagem de estoque, construção de box para carga e descarga de caminhões. Em 2010 foram iniciados novos projetos para instalação de geradores, nova câmara fria, nova linha de envase PET, sopradora de garrafas PET, estação de tratamento de águas e instalação de unidade de envase de sucos utilizando a tecnologia tetra-pak.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-atrai-r-138-milhoes-em-investimentos/

Anúncios

Governo de Minas: Anastasia participa de lançamento do livro “A Execução Penal à Luz do Método Apac”

Para governador, resultados da metodologia de recuperação são muito melhores do que os alcançados pelas instituições prisionais tradicionais

Omar Freire/Imprensa MG
Anastasia recebe livro das mãos do presidente do TJMG, desembargador Cláudio Costa
Anastasia recebe livro das mãos do presidente do TJMG, desembargador Cláudio Costa

O governador Antonio Anastasia participou, nesta sexta-feira (16), no auditório da Unidade Raja Gabaglia do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), do lançamento do livro A Execução Penal à Luz do Método APAC. Organizado pela desembargadora Jane Ribeiro Silva, a publicação tem prefácio do governador Anastasia, posfácio do desembargador Joaquim Alves de Andrade e artigos de 23 advogados, juízes, procuradores e desembargadores de Justiça.

O objetivo do livro é divulgar o método da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) para recuperar e ressocializar presos que cumprem pena nas penitenciárias do país e que se tornou referência para a Lei de Execução Penal brasileira. As Apacs se tornaram importantes instrumentos para desafogar o sistema prisional.

O presidente do TJMG, desembargador Cláudio Costa, entregou um exemplar do livro ao governador Anastasia. Também participaram da solenidade, o presidente do Conselho da Apac, juiz Paulo Antônio de Carvalho, o segundo vice-presidente do TJMG, Joaquim Herculano Rodrigues, entre outras autoridades.

Antonio Anastasia classificou como fato memorável a organização e publicação do livro. “Há alguns anos, muitos duvidavam das ações do método Apac. Hoje, pelo esforço da doutora Jane e dos autores deste livro, já temos uma doutrina do método Apac. Temos de apostar e investir em uma metodologia muito mais racional, com resultados muito melhores de recuperação do que os das instituições prisionais tradicionais. A publicação desta obra é o reconhecimento publico de que estamos no caminho certo com reconhecimento judicial e da sociedade”, afirmou.

Apac

As unidades Apac funcionam como albergues, em que os condenados são mantidos em regime semiaberto. As ações de recuperação e ressocialização são baseadas na participação da comunidade, no trabalho, religião, na assistência jurídica e de saúde, na valorização humana e no apoio da família.

Em Minas, existem 36 unidades Apac. A primeira experiência foi implantada em 1986, em Itaúna, e hoje é reconhecida nacionalmente como modelo na recuperação de condenados. Desde 2003, o Governo de Minas celebrou 36 convênios com as Apacs, sendo nove para construção e 27 para manutenção e despesas, totalizando 2.164 vagas mantidas com verbas do Estado. Cumprem pena em Apacs 1.556 recuperandos. Em 2011, o Governo de Minas investiu R$ 15,2 milhões na manutenção e construção de unidades. Este ano, a previsão de investimentos é de R$ 16 milhões.

As Apacs conveniadas estão localizadas nos municípios de Alfenas, Araxá, Arcos, Campo Belo, Caratinga, Frutal, Governador Valadares, Inhapim, Itajubá, Itaúna, Ituiutaba, Januária, Lagoa da Prata, Leopoldina, Machado, Manhuaçu, Nova Lima, Paracatu, Passos, Patrocínio, Perdões, Pirapora, Pouso Alegre, Rio Piracicaba, Sacramento, Santa Bárbara, Santa Luzia, Santa Maria do Suaçuí, São João del-Rei, Sete Lagoas, Uberlândia e Viçosa.

Fonte: Agência Minas