• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Exemplos, valores e referências – coluna Aécio Neves

Coluna Aécio: “Muitas vezes, a sensação que parece prevalecer é que quase tudo  que nos trouxe até aqui já não faz tanto sentido. Será?”

Coluna Aécio: “E mais duro ainda é reconhecermos que certamente estamos muito aquém do que tantos brasileiros sonharam”

Exemplos, valores e referências - coluna Aécio Neves
Coluna Aécio: “Duro mesmo é reconhecer que o Brasil de hoje já é o Brasil do futuro que várias gerações imaginaram e pelo qual muitos trabalharam”.

Fonte: Folha de S.Paulo 

Exemplos

Coluna Aécio Neves 

Nas últimas semanas, grande parte da atenção da opinião pública voltou-se para as questões que envolvem a nossa juventude, que ganharam inédita importância com as manifestações que sacudiram o país.

À juventude costuma-se sempre agregar a noção de futuro, do que ainda está por ser realizado.

Mas a resignação em adiar projetos e soluções para um tempo que ainda virá não deixa de ser uma forma de transferirmos indefinidamente responsabilidades. E de perdoarmos a nós mesmos, enquanto sociedade, por tudo o que ainda não fomos capazes de fazer.

Duro mesmo é reconhecer que o Brasil de hoje já é o Brasil do futuro que várias gerações imaginaram e pelo qual muitos trabalharam. E mais duro ainda é reconhecermos que certamente estamos muito aquém do que tantos brasileiros sonharam. E mereciam.

Penso nisso estimulado pela disseminação da percepção de que vivemos uma autêntica revolução e que ela nos coloca no portal de um mundo que inaugura novas relações sociais e humanas, provocadas por enormes transformações tecnológicas. Ainda que seja constatação verdadeira, quando apresentado e endeusado como valor absoluto, o novo acaba por transformar em obsoleto o que veio antes.

Muitas vezes, a sensação que parece prevalecer é que quase tudo o que nos trouxe até aqui já não faz tanto sentido. Será?

Lembrei-me de Ruy Castro e de suas crônicas recheadas de ironia e inteligência, aqui mesmo nesta Folha, onde volta e meia nos alerta para o reconhecimento que devemos a nomes importantes da nossa cultura.

O puxão de orelhas é pertinente.

Um bom exercício de educação civilizatória é a percepção do papel insubstituível de brasileiros que fazem grande diferença. Antonio Candido é um exemplo. O professor e pensador, que recentemente completou 95 anos, continua a nos oferecer o seu valioso patrimônio de ideias.

Foi, aliás, com especial alegria que, em 2007, tive a oportunidade de manifestar-lhe a admiração dos mineiros entregando-lhe o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura, então na sua primeira edição.

O professor é referência de idoneidade intelectual, espírito cívico e dignidade pessoal. Sua obra atesta o compromisso radical com a compreensão da realidade à sua volta. Literatura é vida, ele generosamente nos ensina.

Há dois anos, numa entrevista em Paraty, ele se confessou “um homem do passado, encalhado no passado”.

O mestre estava errado. O seu legado, ético e intelectual, longe do ancoradouro das coisas envelhecidas, ilumina um caminho permanente de amor e respeito pelo Brasil.

Homens assim, independentemente da idade ou do tempo em que vivam, serão sempre referência do futuro que precisamos ser.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

Anúncios

Governo de Minas: Agência Nacional de Energia Elétrica define reajuste para tarifa residencial da Cemig

Aneel autorizou reajuste de 3,71% para consumidores residenciais e de 3,88% para os demais, valores menores que o registrado em 2011

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu, nesta terça-feira (3), as novas tarifas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Foi autorizado um reajuste de 3,71% para os consumidores residenciais e de 3,88% em média para os demais consumidores na rede de baixa tensão da empresa, valores menores que o registrado em 2011, de 6,61%. Já para os consumidores cativos de alta tensão, o reajuste será de 3,79%. Na média geral, o impacto do reajuste para todas as classes de consumidores cativos será de 3,85%.

As novas tarifas passam a valer a partir deste domingo (8), porém o consumidor só irá perceber plenamente essa variação na fatura de maio. Dependendo da data de fechamento da conta de energia, alguns consumidores irão pagar, já em abril, uma parte referente ao valor reajustado.

De 2007 a 2012, as tarifas dos consumidores residenciais tiveram uma redução acumulada de –6,98%, enquanto no mesmo período a inflação medida pelo IGP-M teve uma variação positiva de 35%. Após esse reajuste, as tarifas da Cemig encontram-se na 16ª posição no ranking da Aneel, dentre 63 distribuidoras do país.

Os fatores que mais impactaram no reajuste deste ano foram a redução de 51,5% na Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), subsídio para geração térmica em sistemas isolados localizados na região Norte do país, o aumento de 25% no Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa), o aumento de 11,7% em encargos de transmissão e a elevação de 8,3%, no valor da energia comprada.

Destaca-se que a cobertura para os custos operacionais da distribuidora sofreu uma variação de apenas 3,8%, em relação a 2011, diante de uma variação da inflação medida pelo IPCA de 5,5%.

Composição da fatura

Outros fatores que também interferem diretamente no cálculo da tarifa são a dimensão da distribuidora e o consumo médio de seus clientes. A Cemig possui uma grande área de concessão (578,4 mil km²) e a maior extensão de rede da América do Sul (quase 500 mil km), em função da amplitude territorial do Estado. Isso acarreta aumento no volume de investimentos e alto custo de operação e manutenção das linhas e redes de distribuição. Além disso, o consumo médio dos consumidores residenciais da Cemig é muito baixo: 122 kWh/mês.

Do valor cobrado na tarifa, apenas 30% ficam na Cemig e se destinam a remunerar o investimento, cobrir a depreciação e os custos operacionais da Concessionária. Os demais 70% são repassados para cobrir encargos setoriais (9%), tributos (25%), energia comprada (30%) e encargos de transmissão (6%).

 

Consumo kWh/mês

Tarifas 08/04/11 a 07/04/12

Tarifas 08/04/12 a 07/04/13

Fatura Residencial (R$)

Fatura Residencial (R$)

90

37,12

38,50

150

90,65

94,01

200

120,86

125,34

Obs.: a tabela apresenta exemplos de valores de conta de energia, incluídos os tributos.

Direto na Fatura

Conforme determina a Constituição Federal, a Cemig é obrigada a realizar a cobrança de tributos diretamente na conta do consumidor e repassá-los às autoridades competentes. Os tributos PIS/Pasep e Cofins são exemplos de contribuições cobradas diretamente na conta, destinadas a manter programas sociais do governo federal, além dos voltados para o trabalhador. O ICMS, um tributo estadual, é cobrado diretamente na fatura do consumidor e repassado integralmente ao governo estadual. No caso de Minas Gerais, os consumidores residenciais com consumo até 90 kWh/mês, isentos desse tributo estadual, representam cerca de 2,7 milhões do total de 5,8 milhões de famílias atendidas pela Cemig.

Também é cobrada a Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública (CIP), definida pela administração municipal. A Cemig apenas arrecada essa taxa de iluminação pública e a repassa para o município. O pagamento desse tributo pelo consumidor atribui às prefeituras municipais a responsabilidade pelos serviços de projeto, implantação, expansão, operação e manutenção das instalações de iluminação pública.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/agencia-nacional-de-energia-eletrica-define-reajuste-para-tarifa-residencial-da-cemig/

Gestão Anastasia: papel do Sistema Mineiro de Inovação é ratificado em seminário de inovação tecnológica na Fiemg

Um dos destaques do evento foi a palestra “Academia-Empresa Hélice Tríplice: A prática do Sistema Mineiro de Inovação – Simi”

Diulgação/Sectes MG
Superintendente de Inovação Tecnológica da Sectes, José Luciano de Assis Pereira, durante a palestra
Superintendente de Inovação Tecnológica da Sectes, José Luciano de Assis Pereira, durante a palestra

A Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Artesanato de Minas Gerais realizou, nesta quinta-feira (29), no auditório da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o seminário Incentivos à Inovação Tecnológica. Um dos destaques do evento foi a palestra “Academia-Empresa Hélice Tríplice: A prática do Sistema Mineiro de Inovação – Simi”, proferida pelo superintendente de Inovação da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), José Luciano de Assis Pereira.

Em sua palestra, José Luciano apresentou os objetivos do Governo de Minas com o Sistema Mineiro de Inovação (Simi), que visa estimular a transferência de tecnologias em prol da inovação e promover aumento de renda e benefícios para a sociedade. Como explicado pelo superintendente, o Simi utiliza uma rede de inovação aberta para colocar em contato os três agentes da inovação: governo, empresa e universidade. Por meio do site, é possível que pesquisadores cadastrem e ofertem suas tecnologias, e que empresas divulguem suas demandas tecnológicas a fim de serem atendidas.

Além de seu site, o Simi também aproxima os agentes da inovação com sua metodologia de Encontros de Inovação, que “potencializa interações entre pesquisadores e empresas por meio de encontros presenciais”, como afirmado por Luciano. A prova do sucesso dos encontros está nos resultados mostrados na apresentação: 91% dos participantes afirmam que voltariam a outro encontro e a porcentagem das interações que geraram parcerias aumentou de 15% em 2008/2009 para 21% em 2010.

José Luciano abordou ainda outras ações promovidas pelo Simi, como os editais induzidos e o programa Inove em Minas, que visa à atração de centros de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para o Estado, “a fim de aumentar investimentos que potencializem seu crescimento e oferecer oportunidades de atração e retenção de pessoal qualificado”. Por último, o superintendente falou do Programa Mineiro de Empreendedorismo na Pós-Graduação, que busca preparar o estudante universitário para o setor empresarial.

Incentivos do governo à inovação tecnológica

José Luciano também apresentou os ambientes e ferramentas de incentivo à inovação em Minas Gerais promovidos pela Superintendência de Inovação Tecnológica (Sint). Ele discursou acerca da importância não apenas dos parques tecnológicos mineiros – que são espaços essenciais para que exista uma maior interação e diálogo entre universidades e empresas (especialmente as médias e de base tecnológica) –, mas também das incubadoras de empresas. Ele lembrou que a incubadora de Viçosa foi eleita a melhor do Brasil em 2011. Em anos anteriores, outras incubadoras mineiras também já haviam sido campeãs pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), entidade que reúne incubadoras brasileiras.

O superintendente falou também do Programa de Incentivo à Inovação (PII), que por meio dos seus Estudos de Viabilidade Técnica, Comercial, Ambiental e Social (EVTECIAS) e do desenvolvimento de Planos Tecnológicos (PPtec) e Protótipos transforma projetos de pesquisa em inovações tecnológicas aplicadas. O programa já se tornou um sucesso entre os institutos de ciência e tecnologia mais renomados do Estado. “É importante que busquemos políticas públicas efetivas de incentivo à inovação. E é isso que a Sectes, em parceria com a Fapemig, está fazendo”, concluiu Luciano.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/papel-do-sistema-mineiro-de-inovacao-e-ratificado-em-seminario-de-inovacao-tecnologica-na-fiemg/