• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Mais de mil pessoas na Pampulha se mobilizam em favor de Pimenta da Veiga

Caminhada Coração Mineiro, organizada pela Coligação Todos por Minas, reuniu mais de mil pessoas na região da Pampulha.

Coligação Todos por Minas

Fonte: Pimenta 45

Mobilização de apoio a PimentaDinisAnastasia e Aécio reúne mais de mil pessoas na região da Pampulha

Caminhada Coração Mineiro contou com as presenças de Anna Paola e Adriana Pinheiro, além de representantes de segmentos da sociedade mineira

Coligação Todos por Minas promoveu neste domingo (28/09) uma grande mobilização em apoio às candidaturas de Pimenta da VeigaDinis PinheiroAntonio Anastasia e Aécio Neves. Mais de mil pessoas participaram da caminhada Coração Mineiro, na orla da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte. O evento contou com as presenças das esposas de Pimenta e DinisAnna Paola e Adriana Pinheiro, além de representantes de segmentos da sociedade mineira e lideranças políticas e comunitárias.

Para Anna Paola, a certeza da vitória de Pimenta está nas manifestações da população. “A importância está aqui, com essa quantidade de pessoas se unindo nessa jornada. A prova de que nós vamos ganhar está aqui”, afirmou. Já Adriana Pinheiro destacou o momento crescente da campanha 45. “Minas merece a continuidade de um governo que tem transparência, ética e muito trabalho. É isso que estamos evidenciando cada vez mais com as pessoas que estão se agregando à campanha do 45”, avaliou.

O trajeto, de aproximadamente uma hora, foi marcado por muita animação e palavras de apoio. A caminhada Coração Mineiro teve início na manhã deste domingo com concentração na Praça Nova de Eventos, próximo à Igrejinha de São Francisco, na orla da lagoa da Pampulha, seguindo pela Avenida Otacílio Negrão de Lima. Por onde passava, a mobilização recebia a adesão de populares. Das casas e prédios, centenas de pessoas manifestaram apoio às candidaturas de PimentaDinisAnastasia e Aécio.

Anúncios

Em entrevista ao Hoje em Dia, Pimenta revela as principais metas de seu Plano de Governo

Em entrevista, Pimenta destaca a modernização da infraestrutura e a dinamização da economia de Minas, como algumas das metas de governo.

Coligação Todos por Minas

Pimenta da Veiga quer dinamizar a economia de Minas

Fonte: Hoje em Dia

Em entrevista ao Hoje em Dia, o candidato da coligação “Todos por Minas”, Pimenta da Veiga (PSDB), revela as principais metas de sua proposta de governo, caso seja eleito. No plano social, ele garante que as prioridades serão a saúde, educação e segurança. Além da infraestrutura, a dinamização econômica de Minas também está no radar do tucano.

Em seu plano de governo, qual ponto o senhor considera o mais importante e por quê?

As principais bases do nosso plano de governo são a área social, com prioridade para saúde, educação e segurança pública; a modernização da infraestrutura urbana; e a dinamização da economia de Minas.

Além desses pontos, quais são as áreas prioritárias e como pretende desenvolvê-las?

Na educação, vamos levar o ensino integral a todas as escolas do Estado; aumentar as vagas e diversificar os cursos profissionalizantes; valorizar os professores por meio de promoção automática dos que concluírem mestrado ou doutorado e ainda oferecer condições para que optem pelo trabalho integral em uma só escola.

Na segurança, vamos aumentar o policiamento ostensivo e ampliar o efetivo das polícias Militar e Civil. Queremos avançar com os programas de prevenção à criminalidade e às drogas, como o Fica Vivo, pois o tráfico é a principal causa da violência.

Na saúde, vamos ampliar, reformar e construir 17 hospitais regionais, com objetivo de fortalecer o processo de regionalização da saúde. A intenção é fazer com que as pessoas tenham atendimento médico o mais próximo possível de suas casas. Para isso, vamos também implementar incentivos aos médicos que se fixarem nas pequenas cidades.

Na infraestrutura, vamos atacar o problema da mobilidade urbana. Primeiro, é preciso um transporte público de qualidade. O mais eficiente é o sistema sobre trilhos. Na Região Metropolitana, por exemplo, a solução é o metrô. Temos o compromisso de construir o Rodoanel Norte e também 22 contornos rodoviários ao redor de cidades de médio e grande porte, eliminando o tráfego pesado de caminhões e tornando o trânsito mais seguro na Região Metropolitana. E também vamos construir o Rodoanel Sul, ligando Betim à BR-040.

Como pretende trabalhar pelo desenvolvimento econômico e social das regiões de Minas?

Para fazer com que Minas dê um novo salto na economia, vamos aproveitar as potencialidades regionais e diversificar os empreendimentos. Além disso, vamos investir na infraestrutura e na logística, assim como reduzir a carga tributária, dentro da competência do governo estadual. Com isso, aumentamos as oportunidades, gerando mais empregos e atraindo mais recursos para a melhoria da qualidade de vida dos mineiros. Vamos manter todos os programas sociais, como o Travessia.

Entre 2002 e 2012, Minas reduziu a desigualdade social em 10,9%, um resultado melhor que a média do Brasil e do Sudeste. Mais de 3 milhões de mineiros foram beneficiados pelo Travessia em 309 municípios. O programa promove a inclusão social e produtiva da população em situação de pobreza e vulnerabilidade social, por meio de uma série de ações articuladas entre várias secretarias de Estado e órgãos da administração. Temos que ressaltar que o mineiro tem enorme capacidade empreendedora, sempre soube aproveitar as oportunidades de trabalho nas diferentes áreas e precisa ser cada vez mais incentivado a produzir.

Quais são os principais desafios que o novo governador enfrentará?

São vários porque administrar um estado com as dimensões de Minas, com suas diversidades e potencialidades, exige dedicação e trabalho. Reduzir, por exemplo, as diferenças sociais entre as nossas regiões vai exigir muito esforço e determinação porque o modelo econômico adotado pelo governo federal nos últimos anos aponta para momentos difíceis. Mas, da nossa parte, não faltará o empenho para que as regiões mais pobres, como o Norte, o Jequitinhonha e o Mucuri recebam mais investimentos que as regiões mais ricas. Queremos diminuir a distância social entre as regiões de Minas, sem deixar, no entanto, de criar alternativas para que as mais desenvolvidas não fiquem paradas no tempo.

A crise internacional persiste e compromete o crescimento econômico do Brasil. O que fazer para que Minas se expanda e sustente seus projetos de governo?

Não é só a crise internacional que preocupa, mas a política econômica do governo federal do PT que trouxe de volta a inflação com profunda recessão. O retorno da inflação significa prejuízo para todos, é vizinha da corrupção, impede o crescimento, o desenvolvimento de cidades e pessoas. Apesar disso, nos últimos anos, Minas cresceu mais do que a média nacional. A indústria mineira aumentou a sua parcela na economia do Estado, segundo o IBGE. Em 2002, o setor respondia por 27,5% da economia mineira e passou para 32,8% em 2011. Esse índice representa mais do que o crescimento da média nacional. Em 2002, a indústria no Brasil tinha participação de 27,1% e cresceu 0,4 ponto percentual em 2011, quando chegou a 27,5% na economia nacional.

O senhor se considera preparado para enfrentar um eventual cenário negativo, com perdas de arrecadação?

Me sinto extremamente preparado. Além da atração de investimentos, como já citei, vamos intensificar a parceria com a iniciativa privada. Minas é o estado com maior número deParcerias Público Privadas (PPP). Nos últimos seis anos, o Governo de Minas conseguiu atrair R$ 2,3 bilhões para projetos de PPP, e outros R$ 5 bilhões em projetos em licitação. Minas se tornou referência nacional e internacional quando se trata desse modelo, com reconhecimento pela revista britânica World Finance e pelo Banco Mundial.

Se eleito, que Estado o senhor deseja entregar?

Uma Minas onde todos tenham orgulho de dizer onde vivem. Meu maior compromisso é com os cidadãos. As ações do governo terão como objetivo principal promover o bem-estar das pessoas que devem ser contempladas com políticas públicas que tornem nosso Estado uma terra de oportunidades para todos.

Se eleito, qual será o perfil do seu secretariado?

Competência e espírito público. É o que buscaremos entre os homens e mulheres de bem para compor o nosso governo. Queremos fazer um governo moderno, com eficiência em gestão. Como somos apoiados por uma ampla coligação – que inclui 14 partidos, além de lideranças de outras legendas que ao longo da campanha, foram se juntando a nós – não precisaremos nos render a conchavos ou alianças espúrias para garantir governabilidade. O eleitor pode esperar de nós o compromisso com a ética e o interesse público em todas as nossas ações, o que começará já na montagem da equipe de governo.

Por que os mineiros devem votar no senhor?

A nossa candidatura é a mais preparada para governar Minas. Tenho percorrido diversas cidades para escutar as pessoas sobre seus principais sonhos e demandas. Ninguém pode governar bem um país, um estado, um município se não for ouvindo os destinatários das nossas ações. O que me credencia é a minha história pessoal e política, de quase 40 anos dedicados ao interesse público, que me ensinou que o foco de um governo deve ser a melhoria da vida das pessoas.

Pimenta: ‘Espero que o candidato Pimentel pare de fugir dos debates’

“Ele foge porque não quer responder aqui a notícias sobre seus procedimentos administrativos e pessoais. Tenho acusações a fazer”, explica Pimenta da Veiga.

Eleições em Minas

Fonte: Estado de Minas

Pimenta parte para o ataque

Tucano diz que Pimentel abandonou a ética. Petista contra-ataca na TV e nas redes sociais

As últimas 48 horas da campanha eleitoral pelo governo de Minas Gerais deram uma amostra de como o clima deve esquentar até 5 de outubro. Depois de fazer duras críticas a Fernando Pimentel (PT) no debate promovido pelos Diários Associados e transmitido pela TV Alterosa na noite de terça-feira, Pimenta da Veiga (PSDB) voltou a atacar seu principal adversário durante campanha realizada ontem em Uberaba, no Triângulo Mineiro. “Eu espero que o candidato Fernando Pimentel pare de fugir dos debates. Ele passou a campanha inteira abandonando a ética, deixou a ética de lado, deixou a verdade de lado, usou a mentira como arma. Agora, precisa ir aos debates para, frente a frente, nós conversarmos”, disse Pimenta, referindo-se à ausência de Pimentel no debate de terça-feira.

Já nos minutos iniciais do debate, destinados à apresentação dos candidatos, Pimentalamentou a falta do petista, que comunicou a 30 minutos do programa que não compareceria por motivo de saúde. “Ele foge porque não quer responder aqui a notícias sobre seus procedimentos administrativos e pessoais. Tenho acusações a fazer frente a frente. Ele está fugindo, mas uma hora terá que aparecer”, afirmou o tucano.

Em Uberaba, Pimenta afirmou que nesta reta final a campanha vai focar no número 45 para evitar que os eleitores confundam o seu nome com o do adversário. “O outro candidato, que tem nome parecido, é do PT e está envolvido nas coisas todas que a imprensa tem divulgado tanto, como por exemplo os R$ 10 bilhões que sumiram da Petrobras”, disse o candidato.

Programa

A resposta da campanha petista aos ataques do tucano veio por meio das redes sociais e do programa eleitoral de televisão. No início da tarde de ontem, Pimentel postou em sua página no Facebook e em seu site na internet que lamenta não ter participado de dois debates em razão de uma faringite – o que levou ao cancelamento de sua agenda e de gravações para a propaganda de televisão. E alfinetou o tucano: “Não tenho compromisso com adversários que mentem, tentam criar um clima de terror na campanha e a cada dia deixam mais claro que desconhecem totalmente a realidade de Minas. Isso, sim, não faz parte da tradição mineira”, escreveu, referindo-se a acusações de que o PT está sonegando fatos.

No mesmo horário, Pimentel fez outro ataque via televisão. Na transição entre o programa da coligação encabeçada pelo PT e do PCB, um vídeo de 30 segundos faz um apelo aos mineiros: “Conheça os fatos”. Com imagens de Pimenta e cópias de reportagens veiculadas em jornais e internet, o locutor acusa o tucano de estar afastado de Minas Gerais há 20 anos e ter trabalhado para “gente suspeita” como o empresário Marcos Valério – apontado como o operador do mensalão e condenado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a 37 anos e cinco meses de prisão e multa de R$ 4,4 milhões pelos crimes de corrupção ativa, peculato, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e evasão de divisas.

Em relação a acusação de que Pimentel está envolvido no escândalo da Petrobras, a campanha petista informou que vai ajuizar hoje uma ação de calúnia e difamação contraPimenta.

Apesar de Pimentel ter faltado a dois debates nos últimos dias, sob a justificativa de que estava doente, os dois principais candidatos ao governo terão a chance de ficar frente a frente em duas oportunidades até o fim da campanha: amanhã, no debate da Rede Record, e na próxima terça-feira, na Rede Globo.

Pimentel envergonha os mineiros ao fugir de debate pela segunda vez

Na falta do petista, o tempo destinado para perguntas e respostas foi dividido entre os demais candidatos, que não lhe pouparam críticas.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas

Críticas inclusive para candidato ausente

Debate na TV Alterosa foi marcado por troca de farpas e por ataques a Fernando Pimentel

Na reta final da disputa pelo Palácio Tiradentes, o debate promovido pelos Diários Associados e transmitido pela TV Alterosa na noite de ontem foi marcado pela ausência do ex-ministro Fernando Pimentel (PT) – por motivo de saúde – e a troca de acusações e ataques entre os adversários Pimenta da Veiga (PSDB), Tarcísio Delgado (PSB) e Fidélis Alcântara (PSOL). Na falta do petista, o tempo destinado a ele para perguntas e respostas foi dividido entre os demais candidatos, que não lhe pouparam críticas.

A primeira artilharia veio de Pimenta da Veiga, que já no minuto destinado à sua apresentação lamentou a decisão do adversário de não participar do debate. “Ele foge porque não quer responder aqui notícias sobre seus procedimentos administrativos e pessoais. Tenho acusações a fazer frente a frente. Ele está fugindo, mas uma hora terá que aparecer”, afirmou o tucano. As acusações vieram no bloco destinado a perguntas entre os candidatos. Autorizado pelos organizadores, Pimenta dirigiu seu questionamento ao petista: “Ele está ultrapassando todos os limites da desconsideração com o eleitor. Será candidato mesmo tendo cinco processos judiciais por improbidade administrativa e corrupção?” Ainda foi dado a Pimenta um minuto para comentar a suposta resposta. “O PT está sonegando os fatos. Isso não faz jus às tradições mineiras”,completou.

O candidato do PSB, Tarcísio Delgado, também fez críticas a Pimentel ao dirigir sua pergunta a Fidélis Alcântara. Disse que o petista e a presidente Dilma não fizeram nada para evitar a exploração depredatória do minério em Minas Gerais. O candidato do Psol defendeu que as cidades envolvidas têm que ter controle sobre a exploração e acusou o PT e o PSDB de receber dinheiro das mineradoras para custear a campanha eleitoral de seus candidatos a governador e deputados. “Quem paga a banda escolhe a música, e quem paga a banda são as mineradoras”, reclamou.

Nas considerações finais, nova rodada de críticas ao PT. Pimenta voltou as baterias para o governo federal, citando supostos desvios de verbas na Petrobras. “Minas terá que se decidir se quer o modelo PT de governar. Com inflação alta, baixo crescimento e desemprego, que já está batendo na porta. Fora os escândalos, como o da Petrobras. Você precisa decidir, ou votará no candidato PT, que abandonou a verdade, para entregar a Cemig e a Copasa a quem destruiu a Petrobras, ou votará no nosso jeito de governar, que está sendo copiado por vários estados brasileiros”, afirmou Pimenta.

Pobreza Em dois blocos os candidatos responderam perguntas de representantes da sociedade civil e de jornalistas dos Diários Associados sobre segurança pública, saúde, educação, reforma tributária e ações sociais. O Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira, questionou as propostas para a população mais pobre. Sorteado para responder, Pimenta da Veiga (PSDB) prometeu superar a pobreza por meio da qualificação na educação. “O que deve ser feito é qualificar a pessoa, para que ela própria possa se desenvolver. Não adianta o assistencialismo barato que alguns fazem”, disse o tucano. Fidélis Alcântara apontou os investimentos do estado na saúde e na educação como forma de garantir os serviços básicos da população.

O presidente da seção mineira da Ordem dos Advogados do Brasil, Luís Cláudio Chaves, perguntou sobre as propostas para a segurança. Tarcísio Delgado criticou a atual gestão de Minas e citou o aumento nos índices de violência. “Nunca houve tanto crime como agora. Esse aumento fez até cair o índice de produtividade”, criticou Delgado. O candidato do PSDB rebateu, citando programas implementados pela atual gestão, como o Fica Vivo e o Olho Vivo.

O presidente da Associação Comercial, Roberto Luciano Fagundes, questionou sobre a possibilidade da redução dos tributos e da burocracia em Minas, enquanto o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) quis saber qual será o peso da Secretaria da Fazenda no governo. Fidélis prometeu mudar as regras tributárias, enquanto Tarcísio Delgado defendeu segurança jurídica e tranquilidade para os empresários. Já Pimenta prometeu simplificar a vida do empresariado.

Após o debate, o candidato do PSDB atacou seu adversário petista. “Não pode vir ao debate, mas pode subir no palanque”, criticou Pimenta. Já Tarcísio Delgado preferiu não criticar o adversário ausente. “Não faço mau juízo de ninguém. Mandou dizer que está doente, eu quero acreditar que esteja. Se não estiver é uma coisa muito grave”, disse o socialista. Fidélis Alcântara lamentou a ausência de Pimentel, mas avaliou como positiva a possibilidade de apresentar suas propostas.

Pimenta vai melhorar qualidade de vida para portadores de deficiência

Em encontro com Anna Paola Frade, esposa de Pimenta, representantes levaram sugestões de políticas para melhoria da acessibilidade.

Eleições 2014

Fonte: Pimenta 45

Pessoas com deficiência se unem a Pimenta da Veiga na luta por mais inclusão e qualidade de vida

Em encontro com Anna Paola Frade, esposa do candidato a governador, representantes levaram sugestões de políticas para melhoria da acessibilidade

A busca por inclusão e melhor qualidade de vida marcou o encontro realizado nesta segunda-feira (22/09), em Belo Horizonte, que reuniu dezenas de pessoas com deficiência, seus familiares e representantes de diversos segmentos de entidades que prestam apoio às pessoas deficientes. Presidido por Anna Paola Frade, esposa do candidato a governador Pimenta da Veiga, o evento teve como objetivo incluir no Plano de Governo a participação efetiva das pessoas com deficiência, que também declararam total apoio às candidaturas da Coligação Todos por Minas.

“Hoje me sinto realizada. Foi um dia tão importante, porque reunimos aqui no Comitê do Pimenta da Veiga, candidato ao Governo de Minas, meu marido, um grupo significativo de entidades que representam pessoas com deficiência. Foi emocionante e eu me comprometo a lutar ao lado dessas pessoas maravilhosas, que merecem oportunidades na vida como todos nós”, afirmou Anna Paola.

Ao lado do vereador de Belo Horizonte Leonardo Mattos, Anna Paola Frade transmitiu o compromisso firme de Pimenta da Veiga de incluir as pessoas com deficiência em sua equipe de governo, se eleito, com objetivo de desenvolver políticas públicas de acessibilidade ainda mais inclusivas. Ela ainda garantiu sua participação direta para assegurar os benefícios.

Pimenta da Veiga terá um olhar atencioso a esse segmento e as políticas para pessoas com deficiência terão peso em seu governo, porque haverá uma mulher brigando por essa classe junto a ele no governo. Fiquei muito sensibilizada quando esses grupos todos declararam apoio ao melhor candidato que Minas tem”, disse emocionada.

A meta de Pimenta da Veiga é assegurar que as pessoas com deficiência recebam em sua gestão atenção especial, conforme determina a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência e a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Se eleito, o candidato quer garantir atendimento adequado às pessoas com deficiência, incluindo autismo, independentemente da idade.

Políticas garantidas

No encontro, foram discutidas a implantação da educação inclusiva e bilíngue para surdos (LIBRAS – português), a partir da educação infantil, de forma coerente, qualificando a escola comum com capacitação dos profissionais da educação, necessidade de acesso aos espaços físicos e aquisição de tecnologias assistivas adequadas. Outro ponto discutido foi quanto à oferta de transporte escolar adequado às necessidades das pessoas com deficiência, incluindo autismo.

Além disso, Pimenta da Veiga se compromete a divulgar e incentivar a Lei Federal Nº 8.213, de 1991, com os objetivos de fiscalizar seu cumprimento e de reverter os valores das multas para um fundo que promova a qualificação das pessoas com deficiência, incluindo autismo, para o mercado de trabalho.

Militante do movimento de defesa dos direitos das pessoas com deficiência, Leonardo Mattos defendeu o apoio a Pimenta da Veiga ao Governo de Minas e de Anastasia ao Senado, principalmente pelo engajamento dos dois na busca pelas melhorias ao segmento. Para o vereador, a inclusão das pessoas com deficiência no desenvolvimento das propostas é o grande diferencial desta campanha.

“Pimenta da Veiga nos acolhe, nos recebe, pronto para nos ouvir. Isso é um sinal de que nós, pessoas com deficiência, estaremos no centro das decisões do governo. As políticas são sempre tratadas distantes de nós. Agora, Pimenta diz: ‘as políticas serão com vocês’. Portanto, isso motivou todas as pessoas com deficiência, profissionais, familiares, a fazer uma grande corrente em defesa do ingresso das pessoas com deficiência, definitivamente, no Governo de Minas. Nós seremos um exemplo para o Brasil. Os deficientes, tratando das políticas para os deficientes”, comemorou.

Vale do Aço se mobiliza em apoio a Aécio e Pimentel

O Vale do Aço se mobilizou para receber os candidatos Pimenta da Veiga e Aécio Neves na reta final da campanha eleitoral.

Eleições 2014

Fonte: Pimenta 45

Vale do Aço se mobiliza em apoio às candidaturas de Pimenta da Veiga e Aécio

Em visita a Ipatinga, Coronel Fabriciano e Timóteo, candidatos defendem crescimento econômico e mais emprego e renda para Minas e o Brasil

Vale do Aço, um dos mais importantes polos econômicos de Minas Gerais, se mobilizou neste sábado (20/09) para receber os candidatos a governador Pimenta da Veiga e a presidente Aécio Neves na reta final da campanha eleitoral. O centro comercial dos principais municípios da região – Ipatinga, Coronel Fabriciano e Timóteo – foi tomado por milhares de pessoas que abraçaram, tiraram fotos e caminharam ao lado de Pimenta e Aécio, que chegaram acompanhados dos candidatos a vice-governador Diniz Pinheiro e a senador Antonio Anastasia. Nas três cidades, eles participaram de animada carreata que ganhou a adesão de centenas de carros e motos. Por onde passaram, foram saudados com foguetório e chuva de papel picado.

Pimenta da Veiga afirmou que a atração de investimentos, com a instalação de novas indústrias e geração de emprego e renda é um dos pontos altos do seu Plano de Governo para o Vale do Aço. Ele voltou a condenar a falta de eficiência do governo do PT na condução da economia do país. “Queremos dinamizar muito a economia do Estado. Estamos muito preocupados com a recessão em que o PT meteu o Brasil, o desemprego que já começa a assustar muito e a inflação que está voltando. Aqui, que é um polo econômico tão importante para Minas, é o cenário para discutirmos essas coisas, por isso também estamos aqui”, ressaltou.

Retomada

Aécio Neves afirmou que o Vale do Aço sente na pele as consequências da retração da atividade industrial em razão do governo federal ter voltado as costas para Minas Gerais. Ele defendeu a eleição dos candidatos da Coligação Todos por Minas para que Minas e o país tenham condições de implementar um governo comprometido com a retomada do crescimento econômico, com a ética e o desenvolvimento social.

“Temos em nossas mãos uma oportunidade extraordinária de iniciar um novo ciclo no Brasil, mas também de investimentos em Minas Gerais, com o governador Anastasia no Senado, com Pimenta da Veiga no governo e com nossa candidatura que, acredito, vai entrar na última semana de eleição, já claramente apontando para nossa presença no segundo turno”, disse ele.

Pimenta vai fortalecer Polo Moveleiro de Ubá

Pimenta: “Temos de apoiar fortemente a atividade empresarial, que é geradora de emprego e renda. Ubá é um exemplo”.

Fonte: Hoje em Dia

Pimenta acena com investimento no setor moveleiro de Ubá

Patrícia Scofield

O candidato ao governo estadual pela Coligação “Todos por Minas”, Pimenta da Veiga (PSDB), voltou a acusar, nessa quinta-feira (18), o concorrente Fernando Pimentel (PT), ex-ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, de “não ter trazido investimentos para a economia mineira enquanto chefe da Pasta”. Um dos exemplos dados pelo tucano foi o enfraquecimento do setor de confecções em Ubá, na Zona da Mata, nos últimos dez anos. Pimenta fez carreata ao lado do ex-governador Antonio Anastasia (PSDB), candidato ao Senado na região. Eles visitaram ainda lideranças nas vizinhas Caratinga e Manhuaçu.

“Nós não vamos deixar que aconteça com o polo moveleiro – Ubá é expoente em Minas nesse setor – o que aconteceu com o polo de confecções, porque o governo do PT, o ministro de Desenvolvimento do PT, que é aliás candidato ao governo de Minas, não soube apoiar”, comentou Pimenta. “Temos de apoiar fortemente a atividade empresarial, que é geradora de emprego e renda. Ubá é um exemplo”.

Na ocasião, o tucano se comprometeu a conceder incentivo para fortalecer a atividade empresarial, referindo-se especialmente ao crédito e às questões tributárias. Mas não detalhou a proposta.

As críticas mais fortes ao governo federal foram feitas pelo candidato ao Senado, Antonio Anastasia (PSDB), que reforçou sua postura em relação à política econômica e ao que classificou como “volta alarmante” da inflação.

“Lamentavelmente, o Brasil hoje vive uma crise decorrente de má política econômica do governo federal, e não adianta culpar a crise internacional, porque países vizinhos ao Brasil estão com índices maiores de crescimento. Estamos com um quadro difícil, inflação voltando, passando das metas, indo além do limite, do teto, e um crescimento baixo. Então, é um quadro grave, que o governo federal do PT não está sabendo combater”.

Mais promessas

Em Ubá, Pimentel afirmou que vai fazer obras viárias no “contorno da cidade” para dar vazão ao tráfego de caminhões e de veículos, e criar um núcleo de combate ao câncer na cidade. “É uma reivindicação antiga da cidade, e nós vamos cuidar para que isso seja feito. Que o núcleo seja equipado e entre em funcionamento para atender não apenas Ubá, mas toda a região”.

Na educação, o tucano defendeu a escola de tempo integral. “A criança por mais tempo na escola quer dizer pais mais tranquilos, porque sabem que os filhos estão na escola; e que as crianças aprendem mais, podem ter um currículo maior, e se dedicar à cultura”.

Perfil da economia local

Ubá concentra médias e grandes indústrias, principalmente de móveis e confecções, além de comércio variado e serviços. Segundo diagnóstico desenvolvido sob a coordenação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Ubá, Minas Gerais (Senai), as cerca de 300 empresas da microrregião geravam, em 2004, 2.795 empregos diretos e outros 1.054 indiretos.

Caratinga, por sua vez, apresenta o maior Produto Interno Bruto (PIB) de sua microrregião, destacando-se na área de prestação de serviços e como polo regional da cafeicultura. Segundo o Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), a cidade produziu, em 2010, 7.200 toneladas de café beneficiado.

Já Manhuaçu tem economia baseada na prestação de serviços e comércio.