• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Gestão Antonio Anastasia: exportações de Minas Gerais crescem 14% e atingem US$ 2,6 bilhões em fevereiro

Estado continua sendo o principal responsável pelo superávit da balança comercial brasileira

Americas Food & Beverage/Divulgação
Feiras internacionais, como a Americas Food & Beverage, nos EUA, impulsionaram exportações mineiras
Feiras internacionais, como a Americas Food & Beverage, nos EUA, impulsionaram exportações mineiras

As exportações de Minas Gerais atingiram o valor de US$ 2,66 bilhões em fevereiro de 2012, com uma média diária de US$ 139,9 milhões. Os dados preliminares foram divulgados, nesta segunda-feira (5), pela Central Exportaminas/Coordenadoria Especial de Comércio Exterior, órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), que realiza mensalmente o Mapeamento das Exportações de Minas Gerais com base nos números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). De acordo com os dados, houve um aumento de 14,3% na comparação com o mês de janeiro deste ano.

Já as importações totalizaram US$ 828,7 milhões, valor 0,2% superior ao mesmo mês de 2011. A média diária das importações de fevereiro/12 foi de US$ 43,6 milhões. Houve um decréscimo de 20% no valor importado em relação a janeiro de 2012. O saldo comercial do mês passado alcançou US$ 1,82 bilhão, com uma redução de 1,7%, em relação a fevereiro de 2011. Em relação a janeiro de 2012 houve um aumento de 41,8%. O mês de fevereiro pode ser considerado atípico, devido ao menor número de dias úteis, de 19, enquanto a média dos demais meses do ano é de 22 dias úteis.

Acumulado

Apesar disso, no acumulado dos últimos 12 meses (março de 2011 a fevereiro de 2012), as exportações mineiras continuaram apresentando resultados expressivos e atingiram US$ 40,96 bilhões, com expansão de 22,1% em relação ao período de março/2010 a fevereiro/2011. O crescimento das exportações mineiras ficou bem acima da variação das exportações nacionais (+20,4%) e a participação sobre o total brasileiro ficou em 15,9%.

No mesmo intervalo, as importações aumentaram 25,8% na comparação com o mesmo período de 2010/2011, para US$ 13,2 bilhões. Enquanto isso, as importações nacionais cresceram 23,7%. As importações do Estado responderam por 5,7% do total brasileiro. “Apesar da crise nos países desenvolvidos e da taxa cambial desfavorável aos exportadores, observamos uma disseminação da cultura exportadora no empresariado mineiro. A busca por novos mercados com a ampliação da carteira de clientes, bem como a inovação vêm se apresentando como saída para muitas empresas do Estado”, afirma Ivan Barbosa Netto, diretor da Central Exportaminas.

De acordo com ele, nas últimas participações em eventos internacionais, Minas Gerais registrou números recordes de participações de empresários mineiros. Apenas a Fruit Logistica em Berlim (Alemanha), principal feira mundial do setor de frutas, verduras e legumes e porta de entrada para todo o mercado europeu contou com a presença de 48 empresários do Estado. “Esses fatos confirmam o ótimo desempenho das exportações de Minas e acenam para um crescimento ainda maior em valor exportável e diversificação da pauta exportadora com produtos e serviços de maior valor agregado. Estamos no rumo certo, a internacionalização”, conclui Barbosa Netto.

Minas Gerais continuou sendo o principal responsável pelo superávit da balança comercial brasileira. O saldo comercial do Estado foi de U$ 27,8 bilhões no acumulado dos últimos 12 meses, enquanto o saldo nacional foi de US$ 28,6 bilhões. Sendo assim, Minas Gerais possui 97% do saldo comercial brasileiro. Em relação ao período de março/2011 a fevereiro/2012, o crescimento foi de 4,7% no saldo comercial mineiro.

 

Anúncios

Minas Gerais fica em 3º no ranking do empreendedorismo individual, Governo de Minas mantém portal do empreendedor

Minas Gerais aparece em terceiro lugar no ranking do programa Empreendedor Individual (EI), com 57.902 pessoas inscritas, superado apenas por São Paulo, com 122.009 e Rio de Janeiro, com 75.450, conforme levantamento divulgado na tarde desta terça-feira (5), em Brasília, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

De acordo com dados do último dia 1º de outubro, 565.911 trabalhadores já se tornaram Empreendedores Individuais em todo o país. Além de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, estão bem posicionados no ranking os estados da Bahia (42.557) e Rio Grande do Sul (33.018).

Dentre as atividades econômicas que se destacam estão o comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (57.526); cabeleireiros (43.035); lanchonetes, casas de chá, de sucos e similares (17.920); minimercados, mercearias e armazéns (17.345); e bares (16.222).

O Empreendedor Individual (EI) já empregou mais de 14 mil pessoas, após 15 meses de funcionamento. Dos 565.911 inscritos no programa, até o dia 1º de outubro, 2,5% (14.148) possuem um empregado contratado, recebendo salário mínimo ou piso da categoria.

O número foi considerado bastante representativo pelo MDIC, pois o EI, além de legalizar trabalhadores autônomos, gera milhares de emprego diretos. Nem as empresas de grande porte conseguem gerar tantas vagas em apenas um ano e dois meses. O EI tem um enorme potencial na geração de emprego e renda.

Condições

Para ser um empreendedor individual, aquele que trabalha por conta própria deve faturar no máximo R$ 36 mil por ano e ter até um empregado. Ainda, não pode ter participação em outra empresa como sócio ou titular.

O custo para tornar-se legal é de apenas 11% do salário-mínimo (destinado à Previdência Social) mais R$ 1,00 de ICMS (atividades voltadas para a industrialização ou venda de mercadorias) ou R$ 5,00 de ISS (prestação de serviços), mensalmente. Uma vez formalizado, o trabalhador passa a usufruir de cobertura previdenciária (aposentadoria, auxílio maternidade, doença e reclusão); ter acesso ao crédito bancário; e preferência nas compras governamentais.

A formalização do empreendedor individual é feita somente pela internet, no sitewww.portaldoempreendedor.gov.br.

As informações sobre o procedimento necessário para o empreendedor individual contratar um empregado podem ser obtidas no endereço:www.portaldoempreendedor.gov.br/modulos/perguntas/empregado.htm.