• Agenda

    dezembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Gestão em Minas: equipamentos modernos contribuem para cumprimento do cronograma das obras do Mineirão

BELO HORIZONTE (19/01/12) – Além dos 1,5 mil operários que hoje trabalham no Mineirão, há um time de equipamentos modernos que contribuem para o cumprimento do cronograma das obras de modernização do estádio. Um deles é o conjunto de máquinas de transporte de materiais, que chegará à obra em breve. Quatro novas gruas serão instaladas dentro do estádio para içar materiais depositados fora do campo, como estruturas metálicas da nova cobertura e pré-moldadas de concreto da futura arquibancada inferior. Duas delas apresentam alcance de “braço” de 75 metros, enquanto o das outras duas será de 52,6 e 48,4 metros. A primeira já está sendo montada e estará liberada para operação a partir de segunda-feira (23).

“As máquinas de última geração têm a vantagem de mobilizar um grupo específico de trabalhadores, formando profissionais capacitados com relação às novas tecnologias em maquinário da engenharia civil”, diz o engenheiro Severiano Braga, gerente de operações da Minas Arena, empresa responsável pelas obras e futura operadora.

A plataforma elevatória com autonomia de movimento manejável por um joy stick interno também contribui para essa celeridade. Ela alcança locais onde os andaimes não entram. O operador manobra giros de 360º com a máquina de dentro da cabine. “Substitui assim os andaimes tradicionais, que consomem tempos longos para montagem e desmontagem. Ela oferece a vantagem de ser facilmente deslocada de um local a outro com agilidade”, explica Severiano. É empregada hoje nos trabalhos de reparo da parte interior da cobertura da arquibancada. Existe, porém, um modelo de andaime na obra que se sobressai dos demais tipos modulares, também presentes. É o andaime tubular móvel com rodas e freio. Atualmente, é utilizado nos trabalhos de reparo do teto do estádio. Oferecem mais segurança, são rápidos e de fácil montagem.

Outro equipamento de destaque encontrado na obra é o manipulador telescópico para transporte vertical e horizontal de materiais. Sua vantagem é a de recolher e transportar materiais a partir de locais diversos, devido a uma espécie de garfo de grande alcance. “Esse só é encontrado em grandes empreendimentos. Não estão presentes, por exemplo, em obras prediais”, acrescenta Severiano.

A perfuratriz é mais um instrumento de rapidez e eficiência. Além de sua função básica de perfuração, a máquina injeta concreto nos poços perfurados. “Esta máquina executa duas funções importantíssimas, que normalmente são as que consomem mais tempo em uma obra”, diz o engenheiro. São instrumentos imprescindíveis nas fases de fundação de estruturas. Hoje, 90% das fundações da área interna e 80% da externa foram concluídas.

Como todo time tem seu mascote, o da obra “atende” pelo nome de Bob Cat. É uma mini-empilhadeira, bem ágil, que transporta até 500 quilos. A obra conta ainda com várias outras máquinas típicas de grandes empreendimentos em construção, como as escavadeiras, mini-escavadeiras, retroescavadeiras e o martelo rompedor hidráulico, por exemplo. Ao todo, trabalham nas obras cerca de 100 máquinas e caminhões.

Fonte: Agência Minas

Estádios, nova fronteira das PPPs

Fonte: Artigo de Ricardo Barra* – Brasil Econômico

Estádios, nova fronteira das PPPs

A preparação para a Copa do Mundo Fifa 2014 dá ao Brasil uma excelente oportunidade para se comprovar a viabilidade das Parcerias Público-Privadas (PPP). A modernização do Mineirão, que adotou esse caminho, ajuda a consolidar um modelo de negócios que une esforços da administração pública e da iniciativa privada para suprir a demanda por um equipamento urbano de alta qualidade.

De um lado atua o governo de Minas na determinação de padrões e na fiscalização da obra e da prestação de serviço, incluindo indicadores de desempenho. De outro está o consórcio, criado especificamente para esse fim e reunindo as expertises da Construcap, Egesa e Hap, do segmento de engenharia. À concessionária cabe o planejamento e a execução das obras, na atual fase, e por toda a manutenção e gestão, a partir da inauguração, obtendo sua receita da operação do estádio.

Todo o empreendimento é de responsabilidade do consórcio, que, em troca, será remunerado pela administração do espaço, com direitos de exploração por 25 anos. Entre as receitas estão a comercialização e exploração dos espaços para lojas, bares e restaurantes; naming rights e cotas de patrocínio; comercialização de camarotes e cadeiras vip; e aluguel para realização de eventos. A renda dos jogos de futebol permanece como direito do clube mandante, como sempre foi.

Em tempos de incerteza quanto ao futuro de outros estádios, o Mineirão é a melhor opção que o Brasil tem para o jogo de abertura da Copa 2014

Ainda que sob administração privada, o Mineirão permanecerá como espaço público: a verdadeira casa do futebol mineiro. Para o torcedor a relação com o estádio não muda. O que muda é o acesso a um estádio moderno, confortável, limpo e organizado, nos mais elevados padrões do futebol mundial.

A sustentabilidade do negócio virá de um modelo calcado na tradição- o Mineirão é o templo do futebol mineiro-e na ampliação da oferta de serviços e atrações, de maneira que o estádio se transforme em um equipamento urbano integrado à vida das pessoas, 24 horas por dia, não apenas em jogos.

Uma das preocupações com relação a um evento do porte da Copa é quanto ao legado para as cidades-sede, tanto do ponto de vista esportivo quanto no que diz respeito aos investimentos em mobilidade e qualidade de vida.

Relevante também é a sustentabilidade ambiental do empreendimento em sintonia com as exigências do mundo contemporâneo. No caso do Mineirão, destacam-se a usina solar, a reciclagem dos materiais inservíveis da construção e o aproveitamento por artesãos populares do material oriundo da supressão vegetal, o reuso da água coletada nas redes pluviais.

Juntam-se a essas iniciativas ações sociais como uma escola dentro do canteiro de obra, ressocialização de presidiários, que trabalham na obra, e a possibilidade de emprego para mulheres, num segmento fortemente marcado pela presença da mão-de-obra masculina.

Em tempos de incerteza quanto ao futuro de outros estádios e pelas garantias de suas características, o Mineirão é, sem dúvida, a melhor opção que o Brasil tem para o jogo de abertura da Copa 2014.

*Ricardo Barra – Empresário e presidente da Minas Arena, consórcio responsável pela modernização do Mineirão

Link da matéria:  http://www.brasileconomico.com.br/assinaturas/epapers.html

Governo Anastasia: Árvores derrubadas para reforma do Mineirão são doadas a ateliês de arte popular, gerando renda

Gol de placa para artesãos de Minas

Fonte: Marta Vieira – Estado de Minas

Árvores derrubadas para reforma do Mineirão são doadas a ateliês de arte popular, gerando renda e redução de custo

Artesãos de peças em madeira, entalhes, marchetaria e móveis de diversas regiões de Minas Gerais darão vida às árvores que estão sendo derrubadas para ceder lugar às novas instalações do Mineirão, em Belo Horizonte. A madeira será doada aos ateliês da arte popular típica do estado, vendida no Brasil e no exterior, como alternativa de aproveitamento nobre dos troncos e galhos de 900 árvores de uma centena de espécies, conforme acordo negociado entre o consórcio responsável pela reforma do Estádio Governador Magalhães Pinto, o Minas-Arena, e o Instituto Centro Cape, braço do Mãos de Minas, maior central de cooperativas mineiras de artesãos. A primeira leva de 400 árvores começou a ser entregue na semana passada.

A matéria-prima deverá gerar renda para os artesãos e reduzir os custos dos ateliês em pelo menos 40%, dependendo da quantidade de madeira aplicada ao trabalho artesanal. Picadas em cortes de 2 metros, as árvores vão chegar às oficinas de BH e do interior em no máximo 60 dias, informou a presidente do Instituto Centro Cape/Mãos de Minas, Tânia Machado. Além do uso nobre de uma madeira que seria queimada, emitindo gás carbônico na natureza, o material será legalizado pelos órgãos ambientais do governo estadual, com certificado de origem. Só com a declaração de procedência legal da madeira é que o artesanato alcança o mercado internacional.

“É algo importantíssimo do ponto de vista do uso de madeira legalizada pelo artesão e da preocupação que nós temos enfatizado nos ateliês com a consciência de preservação do meio ambiente”, afirma Tânia Machado. As árvores derrubadas no entorno do Mineirão serão transformadas em peças gigantescas de madeira esculpidas no município de Prados, na Região Central de Minas, famoso pela habilidade dos artesãos locais em esculpir animais retratados em movimento (leões, cavalos e patos); nas carrancas e nas peças dos mestres santeiros de Pirapora, no Norte do estado; nos móveis rústicos de Tiradentes, São Brás do Suaçuí e Lagoa Dourada, também na porção central de Minas, e de Maria da Fé, no Sul. Atenderão, também, oficinas de artesãos de pequenas peças variadas da Grande BH.

Entre as espécies de árvores derrubadas pela empresa especializada HS Jardinagem, a serviço do consórcio Minas Arena, estão exemplares de mangueira, sibipiruna, flamboyant, sete-copas, jacarandá- mimoso, quaresmeira, magnólia, goiabeira, cedro, oiti, cajá-mirim, ipê-rosa, embiruçú- branco e paineira. O material será armazenado até a distribuição num depósito cedido ao Mãos de Minas pelo Serviço Social da Indústria (Sesiminas) na capital mineira. Os artesãos cadastrados e selecionados terão de arcar com o transporte até as oficinas.

PLANOS O Instituto Centro Cape vai acompanhar o caminho e o uso da madeira até o produto nos ateliês beneficiados pelo projeto. Ansiosa por receber a madeira, a artesã e designer de produto Sophia Felipe Melo, de BH, planeja criar peças adicionais à produção a que se dedica de brinquedos pedagógicos e do teatro de sombras, um conjunto de peças abrigadas numa mala de madeira que quando aberta conta histórias. Dependendo da espécie, ela planeja fabricar bonecos e marionetes, se possível.

“O projeto permite que o artesão use uma madeira que tem história e vínculo com a cidade”, afirma Sophia Melo. A artesã renova a cada três meses o estoque de madeira, que consome até 40% dos gastos na confecção dos brinquedos. No ano passado, ela desembolsou R$ 1 mil com a compra da matéria-prima de fornecedores de BH.

A cooperativa Dedo de Gente, de Curvelo, na Região Central de Minas, que reúne 89 jovens artesãos do Vale do Jequitinhonha e do Norte do estado, já se ofereceu para transformar as árvores do Mineirão em móveis e peças de decoração. O grupo usa, além de madeira, bambu, ferro, cartonagem, cerâmica e tinta à base de terra.a