• Agenda

    setembro 2020
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Eleições 2012: PSDB fica forte em Minas e elege maior número de prefeitos

Eleições 2012: PSDB fica fortalecido em Minas. Com a apoio de Aécio, partido foi o que elegeu o maior número de prefeitos.

Eleições 2012: PSDB e Aecio

 Eleições 2012: PSDB fica fortalecido em Minas

Eleições 2012: PSDB fica fortalecido em Minas. Com a apoio de Aécio, partido foi o que elegeu o maior numero de prefeitos.

Fonte: artigo – O Tempo

A vitória da aliança

O que diz a aritmética das urnas

RODRIGO DE CASTRO
Deputado federal

Os resultados das recentes eleições em Minas Gerais consagraram a grande aceitação em nosso Estado de uma ampla aliança política, estabelecida em 2002, sob a liderança do senador Aecio Neves, aprofundada nos pleitos seguintes e cimentada pelas realizações de um modelo de gestão de reconhecida eficácia. Por mais inventivas que sejam as maneiras de se fazer as contas, a aritmética das urnas aponta para uma realidade inescapável: cerca de 80% dos prefeitos eleitos nos 853 municípiospertencem à base do governo Anastasia.

Estamos falando de uma aliança duradoura, movida pelo casamento de objetivos estratégicos e não pelos interesses fortuitos da conjuntura e pautados pelo toma-lá-dá-cá da política tradicional. Há um projeto em Minas, visível pela sua unidade e coerência cristalinas. Em torno dele, somam-se aliados de um lado, e perfilam-se os adversários de outro. É da democracia – e é simples assim.

Dentre todos os resultados municipais já conhecidos, chama a atenção o excelente resultado obtido pelo candidato Marcio Lacerda, com apoio do PSDB, reeleito para comandar a Prefeitura de Belo Horizonte.

Marcio Lacerda venceu no primeiro turno, como candidato de uma convergência política também muito ampla. Com o apoio decisivo de Aecio, derrotou adversários do PT sustentados por forças de envergadura nacional. E, mesmo sem esse propósito, a aliança com o PSDB acabou contribuindo para que os resultados de BH tivessem projeção em todo o país.

Além de parceiro determinado de Marcio Lacerda e de sua vitória acachapante, o PSDB tem mais a comemorar. No primeiro turno, os tucanos elegeram 143 prefeitos, 122 vice-prefeitos e 979 vereadores. Fomos o partido que elegeu o maior numero de prefeitos.

A coalizão do PSDB com os partidos aliados também saiu revigorada. Como já foi dito, nas 59 maiores cidades do Estado, quatro aguardam o segundo turno, as forças aliadas venceram em 37 delas e a oposição em apenas 18.

A densidade dos resultados obtidos pelo PSDB e seus aliados em Minas fez com que os espaços vinculados ao PT nas redes sociais iniciassem um engraçado, articulado e desesperado esforço para tentar demonstrar que o PSDB saiu isolado das eleições em Minas.

Para tentar botar de pé esse raciocínio, haja criatividade! Para eles, a vitória de Marcio Lacerda é uma vitória do PSB e não de Aecio, embora o próprio governador de Pernambuco, Eduardo Campos, tenha reconhecido as características especiais do pleito em BH.

O esforço do PT em ignorar a realidade faz lembrar uma anedota antiga do mais puro humor britânico. Quando o denso nevoeiro tomava conta do Canal da Mancha e impedia o tráfego de qualquer embarcação, os ingleses, de forma resignada diante da constatação de que a sua ilha ficaria afastada, se divertiam apontando o oposto da realidade: “É, o continente hoje está isolado”.

Aqueles que, entre nós, enxergam o isolamento do continente em vez do isolamento da ilha, simplesmente padecem de miopia política. Diante dos fatos e dos números, é bom lembrar aos perdedores dos mais diferentes matizes uma máxima universal do debate democrático: o choro é livre.

Eleições 2012: Aecio – Link da matéria: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=214195,OTE&IdCanal=2

Eleições 2012 em Belo Horizonte: PT não apresentou nada novo

Ainda sobre as eleições – artigo de Murilo Rocha

Por Redatores da Turma do Chapéu

Pela primeira vez em 20 anos, o PT estará fora da prefeitura de Belo Horizonte. A saída dos petistas que romperam com o prefeito Marcio Lacerda se deu principalmente por causa da bem avaliada gestão do atual prefeito, mas também de erros estratégicos de um partido que resolveu trair uma administração aprovada.

Eleições 2012 em Belo Horizonte

Ainda sobre as eleições

Murilo Rocha

O TEMPO, 11/10/2012

As análises sobre a derrota e, consequentemente, a saída do PT da Prefeitura de Belo Horizonte depois de 20 anos na administração municipal ainda vão ecoar dentro e fora do partido por muito tempo. As primeiras conclusões surgiram antes mesmo do resultado das urnas: a aliança de 2008 com o PSDB foi um erro, e a ruptura, às vésperas do início do processo eleitoral, talvez tenha sido uma decisão pior ainda. Os discursos pós-derrota destacando a recuperação da identidade da sigla na capital mineira, a retomada da militância e a volta do “velho PT” soam mais como um analgésico com prazo de validade para suportar a enorme ressaca eleitoral.

A eleição em Belo Horizonte, incluindo-se aí a da Câmara de Vereadores, merece uma reflexão para além da política de alianças. A Belo Horizonte de 1992, quando Patrus foi eleito prefeito da capital, dando início à era PT na cidade, não existe mais. A classe média intelectualizada e os trabalhadores politizados, capazes de mobilizar seus pares e decidir uma eleição, foram reduzidos, sendo parte empurrada para cima, e outra parte, para baixo da pirâmide social. Esse nicho tradicionalmente eleitor do PT foi pulverizado porque ascendeu economicamente, se desligando de um ideal partidário, ou porque foi achatado, com perda do poder de consumo.

Em julho deste ano, quando Patrus foi lançado candidato às pressas como o único nome capaz de derrotar o atual prefeito, Marcio Lacerda (PSB) – apoiado por Aécio Neves (PSDB) -, o partido contava justamente com esse antigo eleitor de 20 anos atrás. E decepcionou-se. O PT mudou; Belo Horizonte mudou; o eleitorado mudou; mas a campanha de Patrus não se deu conta disso e foi em vão em busca de um passado morto e enterrado.

De repente, o PT em Belo Horizonte parece ter tomado um susto com a mercantilização da relação entre candidato e eleitor, com o pragmatismo das alianças, com a falta de uma posição definida dos candidatos em campos políticos. Ironicamente, o partido não soube como agir diante de um cenário do qual ele mesmo aceitou participar e incentivar a partir de 2002, quando o Lulismo suplantou qualquer resistência dentro do PT à ideia de se perpetuar no poder a qualquer custo. Patrus criticou o pragmatismo eleitoral do rival, o qual foi praticado pelo seu próprio partido com grande competência em nível nacional.

Marcio Lacerda venceu em oito das nove regionais. Só perdeu na regional Nordeste. O prefeito teve votação expressiva nas classes mais ricas, mas também nas mais pobres. Somam-se a isso cerca de 15% de votos nulos e brancos e 18% de abstenções. Ou seja, entre quem esteve disposto a votar em um candidato, a maioria preferiu ficar acomodada, porque gosta da atual gestão ou porque não vê uma alternativa melhor. E é justamente esse o ponto de partida de reflexão para o PT na capital. O partido não se apresenta mais como algo diferente.

Aécio 2014: senador critica postura da presidente Dilma

Aécio critica postura da presidente Dilma. Senador comentou que eleições de Lacerda é a aprovação do modelo de gestão iniciado em 2003.

Aécio: presidente 2014

Fonte: Do Hoje em Dia

“Nunca deixei de ser o que sou”, diz Aécio Neves em entrevista

Com discurso de presidenciável, o senador Aécio Neves (PSDB) criticou a postura da presidente Dilma Roussef (PT) – sua provável adversária em 2014 –, durante a campanha eleitoral. “Nesses últimos três meses de campanha, a presidente desconstruiu em parte a imagem que havia construído no primeiro ano e meio de governo. Da faxina, quando não misturava interesses do estado com os do partido, ao momento atual, em que distribui ministérios, promete diretorias na Petrobras”, atacou.

 Aécio critica postura da presidente Dilma

Aécio prepara estratégia para disputar a Presidência da República.

Em flerte com o PSB, maior fortalecido nessas eleições, o senador Aécio Neves fez questão de destacar que a reeleição de Marcio Lacerda só foi possível, em parte, graças a seu campo político. “A eleição deBelo Horizonte é emblemática, transborda os limites de Minas”, considerou.

Aécio concedeu, na terça-feira (9), entrevista em seu apartamento. Além de Minas e São Paulo, ele falou dos mensalões petista, tucano e de ataques pessoais. Antes, recebeu o prefeito Marcio e o presidente da Cemig, Djalma Morais.

O resultado em Belo Horizonte fortalece seu campo político ou o do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB)?

Senador Aécio Neves: A eleição do Marcio é em boa parte a aprovação de um projeto que está dando certo. Por lado, a aprovação do nosso modelo gestão. Porque ele, hoje, se insere num grupo político que está governando Minas há três mandatos. Praticamente 80% dos prefeitos de Minas estão na nossa base de apoio.

O que muda com a saída do PT da prefeitura?

Senador Aécio Neves: Permitirá uma oxigenada, vai gerar uma leveza maior para administrar. Ele (Marcio) não estará tão preso na questão de ocupação de espaço, que é uma marca do PT. Novecentos cargos em comissão indicados algo longo de sucessivos governos do PT foram se enraizando na prefeitura. Vai ser um governo de cara nova, metas, com avanços sociais ainda mais claros.

O PSDB está com dificuldades para encontrar um nome para o governo de Minas?

Senador Aécio Neves: Há dois anos antes da eleição do Anastasia havia também esse questionamento. O que venceu em Minas foi o êxito do governo. Um candidato com perfil ético, com sensibilidade administrativa e social, mas que represente esse campo, terá muitas chances.

Como contrapor a um governo da presidente Dilma Rousseff, que conta com mais de 60% de aprovação?

Senador Aécio Neves: A presidente resolveu participar do processo eleitoral e não teve êxito. Essa questão da aprovação não é a nossa preocupação. A nossa preocupação maior são as grandes questões que a gente vai levantar. Perdemos a capacidade de gerir obras porque o governo com sete anos de atraso não tem convicção necessária para desenvolver aeroportos, metrô, rodovias. O tempo não volta. Não aconteceu nada nesses primeiros dois anos e ela (Dilma) terá dificuldades de implementar esses avanços.

Acredita que julgamento do mensalão do PT vai influenciar no segundo turno, em especial em São Paulo?

Senador Aécio Neves: Não sei se será decisivo, mas bem ao PT não fará. E, ao contrário, fará um grande bem para o país. Acho que o Brasil muda de patamar. A questão da impunidade como regra absoluta não vai existir mais. Acho que a gente dá um salto de qualidade na vida pública. Se será decisivo na campanha não acredito, mas coloca na defensiva alguns atores da política que ao longo de suas histórias se consideravam os arautos da moralidade, os exclusivistas dos valores éticos.

Recentemente, o senhor disse desconhecer o processo do mensalão do PSDB. Depois, afirmou ser importante julgá-lo. Qual seu posicionamento?

Senador Aécio Neves: Não tenho informações sobre essas denúncias. Nunca fui incitado para falar sobre elas porque estava anos luz delas. O processo vai ser julgado. Aqueles que tiverem responsabilidade terão de responder.

A presidente Dilma criticou sua vida particular. Disse que você estava ‘na praia’ enquanto ela era perseguida pela ditadura. Isso lhe preocupa?

Senador Aécio Neves: Naquela época, na realidade, estava no jardim de infância aqui em Belo Horizonte. Acho que cada um usa as armas que tem que usar. Sou do jeito que sou, as pessoas me conhecem assim. Nunca deixei de ser a pessoa que sou para me transformar em um estereótipo.

Aécio: presidente 2014 – Link da matéria: http://www.hojeemdia.com.br/noticias/politica/nunca-deixei-de-ser-o-que-sou-diz-aecio-neves-em-entrevista-1.43585

Aécio Neves lidera PSDB na derrota do PT em Minas

Liderado por Aécio Neves, PSDB bate o PT em Minas

Publicado por Queremos Aécio Neves Presidente

Passados os primeiros momentos de perda de consciência e das pernas bambas, condição muito comum aos boxeadores que levam um cruzado direto na ponta do queixo, os petistas voltaram à internet no início da semana para fazer mais do mesmo: tentar endeusar o ex-presidente Lula – como o grande vencedor das eleições – e diminuir a importância das vitórias políticas e eleitorais no campo da oposição.


Infelizmente, no caso de Belo Horizonte e Minas Gerais, não há como esconder o peso da vitória do PSDB, em especial do senador Aécio Neves.

Aécio enfrentou, ao lado do prefeito Márcio Lacerda, a força máxima do petismo mineiro e nacional e conquistou uma das mais importantes vitórias em uma eleição em Minas.

Foram derrotados no último domingo o ex-presidente Lula, a presidente Dilma, o ministro e ex-prefeito Fernando Pimentel, os ex-ministros Luiz Dulci e Nilmário Miranda, o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, o ex-governador Newton Cardoso, o vice-prefeito, Roberto Carvalho, e um grupo estimado de 900 lideranças petistas que continua, há 20 anos, encastelado na própria prefeitura.

Além de ter derrotado todo o aparato auxiliar do petismo em Minas, como a CUT e seus sindicatos filiados, as legendas partidárias agregadas, como o PCdoB, e os seus marqueteiros milionários.

Mas não foi apenas o resultado da eleição para a prefeitura de Belo Horizonte que pode ser comemorado por Aécio. Cerca de 80% dos prefeitos eleitos são da base
do governo estadual.

Proporcionalmente, o PSDB foi o partido que mais elegeu prefeitos e vereadores em Minas, com 142 prefeituras e com 229 cadeiras nos legislativos municipais. O segundo lugar ficou com o PMDB, com 117 prefeituras e 218 vereadores. Somente em terceiro lugar vem o PT, com 114 prefeitos eleitos e 191 vereadores, mesmo tendo nas mãos a máquina do governo federal para impulsionar as suas candidaturas.

O PSDB ganhou a disputa e tirou o PT das administrações de cidades importantes como Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, com candidatura própria, e Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri e Varginha, no Sul de Minas, integrando as chapas vencedoras em outras cidades que eram redutos petistas no estado há vários anos. O ultimo resultado dessas eleições confirma a escolha que os mineiros vem fazendo nos 10 últimos anos e que vem dando a vitória inequívoca ao projeto defendido pelo PSDB.

Aécio presidente: eleições 2012 deixam senador mais forte em 2014

Aécio fica forte em 2014. “Agora é Aécio Neves presidente do Brasil. E deixa o Márcio trabalhar!” – discursou Anastasia.

Aécio presidente: Eleições 2012

Fonte:O Globo

Vitória fortalece Aécio na disputa presidencial

 Eleições 2012: Aécio fica forte em 2014

Eleições 2012: Aécio fica forte em 2014.

Senador tem nome lançado ao Planalto na festa da reeleição de Lacerda

BELO HORIZONTE Padrinho “pé quente” da reeleição de Márcio Lacerda para a prefeitura de Belo Horizonte, o senador Aécio Neves (PSDB) teve seu nome lançado para disputar a Presidência da República na festa de comemoração que agitou ontem à noite a Avenida Rajagabaglia, no centro da capital mineira. Ele chegou na festa como a grande estrela, chamado por Lacerda como uma das duas maiores lideranças do Brasil, junto com o governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia.

– Agora é Aécio Neves presidente do Brasil. E deixa o Márcio trabalhar! – discursou Anastasia, lançando o grito de guerra acompanhado pela multidão.

– Passamos momentos difíceis esses dias. Agora é trabalhar para eleger Aécio Neves o próximo presidente do Brasil! – emendou o vice de Márcio, Délio Malheiros.

Quem conhece bem Aécio diz que ele segue à risca a cartilha do avô, o ex-presidente Tancredo Neves, que sabia como ninguém aproveitar o momento político e entrar na arena na hora certa. Apagado no cenário político até então, Aécio evitou entrar em bola dividida com o governo federal, mas pulou no colo do prefeito Márcio Lacerda e ocupou o espaço deixado pelo PT, que, no último minuto, rompeu a aliança de anos e lançou a candidatura de Patrus Ananias em Belo Horizonte. Agora, é apontado como o responsável pela segunda vitória do afilhado.

Aécio abraçou a campanha junto com Anastasia e usou o palco político da eleição da capital mineira para abrir uma outra frente com vistas a 2014: a polarização com a presidente Dilma Rousseff, com quem travou um duelo verbal nas últimas semanas.

Com a eleição de Lacerda no primeiro turno, Aécio demarca seu território e sai como uma liderança forte para 2014, não só em Minas, mas também dentro do PSDB, que terá de decidir entre ele e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin quem concorrerá ao Palácio do Planalto. Dependendo da eleição em São Paulo, José Serra entra nesta disputa interna.

Aécio: “só reagi a ataques”

Tanto Aécio quanto o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB) saem fortalecidos para 2014, ao eleger seus afilhados no primeiro turno. Dilma e Lula perdem neste primeiro momento. A presidente se desgastou e sai como derrotada em Minas Gerais. Não elegeu Patrus e ainda ajudou a fortalecer Aécio. Próxima batalha: Palácio do Planalto.

Minas Gerais jamais se curva. Pelo contrário, se engrandece no combate – discursou Aécio, comemorando a vitória sobre Dilma, Patrus e o PT.

Ao votar no colégio Milton Campos, onde a presidente estudou no ensino médio, ele não quis continuar o duelo engrossado durante a semana:

– Eu tenho muito apreço pela presidente Dilma. Eu só reagi a ataques. Agora vamos em frente, com paz e amor.

Negou que, por seu embate com Dilma, tenha se transformado em protagonista na eleição de Belo Horizonte.

– De forma alguma! Estou orgulhoso da campanha até agora ao lado de Lacerda. Política não é uma ação solitária, é solidária. É preciso estar sempre bem acompanhado – disse Aécio. – O mineiro não coloca o carro na frente dos bois. Estamos em 2012 e não vamos falar em 2014.

Eleições 2012: Aécio presidente – Link da matéria: http://oglobo.globo.com/pais/eleito-no-1o-turno-marcio-lacerda-prega-distensao-com-pt-6326925

Aécio diz que Dilma foi agressiva com os mineiros

Aécio diz que Dilma foi agressiva com os mineiros. “Nós temos um prefeito e um governador que são muito bem avaliados”, comentou o senador.

Fonte: O Globo

Aécio responde a Dilma: ‘a presidente está precisando de um descanso’

Senador compara agressividade da presidente à de Lula e diz que estado não tem dono

 Aécio diz que Dilma foi agressiva com os mineiros

Aécio diz que Dilma foi agressiva com os mineiros

BRASÍLIA – O senador Aécio Neves (PSDB-MG) aproveitou a carreata final da campanha de Márcio Lacerda em Belo Horizonte, nesta sexta-feira, para responder às críticas da presidente Dilma Rousseff, feitas em comício de Patrus Ananias (PT), nesta quarta-feira.

– Eu fiquei muito honrado da presidente da República ter deixado Brasília para vir aqui em Belo Horizonte responder às minhas citações. Eu só lamento que ela tenha precisado de cola para lembrar as reivindicações de Minas Gerais – disse o senador, sobre Dilma ter chamado seu assessor para trazer um lembrete que ela havia preparado para o comício.

Sobre uma das alfinetadas da presidente ao senador, a de que ela não teria deixado Minas Gerais “para ir à praia”, Aécio respondeu:

– A presidente Dilma está precisando de um descanso.

O senador afirmou que Dilma está mais parecida com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não por passar a participar de comícios pelos candidatos petistas, mas sim pela agressividade.

– De alguma forma, a presidente Dilma está parecida com o Lula, na agressividade, na desqualificação do adversário. Qualquer decisão que aconteça aqui no domingo será com liberdade. Quer dizer que não votar com o candidato da presidente significa que o eleitor é tutelado? Eu repito, Minas não tem dono – disse Aécio, novamente respondendo a crítica da presidente, que afirmou que o senador “não é dono de Minas Gerais”.

Aécio ainda criticou Dilma, dizendo que ela não trouxe propostas para as reivindicações da cidade.

– Dizer que Minas tem dono é um desrespeito com a população. Nós temos um prefeito e um governador que são muito bem avaliados. E a população tem direito de querer que eles continuem. Dizer que isso é voto tutelado, de cabresto? A presidente foi muito agressiva – disse.

Ele voltou a comentar a crítica feitas pelos tucanos, de que Dilma, apesar de ter nascido em Minas, vota no Rio Grande do Sul.

– Eu tenho muita curiosidade de saber onde que a mineira vai votar lá no Rio Grande do Sul.

VEJA TAMBÉM

Aécio: eleições 2012 – Link da matéria:http://oglobo.globo.com/pais/aecio-responde-dilma-presidente-esta-precisando-de-um-descanso-6297520#ixzz28SKCTfrW A

PSDB: Sérgio Guerra diz que Dilma invadiu BH

“Dilma invadiu BH” – entrevista com Sérgio Guerra, presidente do PSDB

Por Redatores da Turma do Chapéu

O deputado federal Sérgio Guerra, presidente do PSDB, comenta a entrada de Dilma Rousseff na campanha eleitoral de Belo Horizonte, impondo a candidatura de Patrus Ananias e forçando uma intervenção fracassada de Gilberto Kassab no PSD de BH.

Sérgio Guerra também comenta o naufrágio do PT, que vem colocando nomes fortes na disputa para evitar o encolhimento do partido nas eleições municipais.

\"Presidente

Sérgio Guerra, presidente do PSDB – Foto: Paula Sholl

‘Dilma invadiu BH e deu peso nacional à disputa’

O Estado de São Paulo, 06/08/2012

Tucano critica PT pelo lançamento de Patrus na cidade e diz que Aécio ‘lidera campanha contra invasores de Minas’

O presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), acusa o PT e a presidente Dilma Rousseff de terem feito “uma invasão ilegítima em Minas Gerais”, ao lançarem o ex-ministro Patrus Ananias para a prefeitura e terem obrigado o presidente do PSD, Gilberto Kassab, a intervir no partido para apoiar o petista. Para o tucano, a ação de Dilma deu importância nacional à eleição na capital mineira. O adversário de Patrus é o prefeito, Marcio Lacerda (PSB), apoiado pelo senador Aécio Neves, potencial candidato a presidente pelo PSDB em 2014. “Aécio lidera a campanha contra o mundo do PT e os invasores”, diz Guerra.

Com a entrada da presidente Dilma Rousseff na campanha de BH, o eixo do duelo nacional muda de São Paulo para Minas?

São Paulo é uma eleição importantíssima pelo peso do PSDB, pelo peso do PT, pelo tamanho de São Paulo, pela relevância de José Serra. Mas Belo Horizonte ganha importância similar. O PT e a presidente Dilma fizeram uma invasão ilegítima em Minas, com o grupo que os acompanha. Isto demonstra o caráter autoritário e antidemocrático desse grupo. O PSD está no meio disso e vai se dar mal.

O PSD está com Serra em São Paulo, mas interveio em BH para se afastar do senador Aécio Neves e se aliar ao PT. O PSD está com Serra ou com Dilma?

Nos últimos 40 dias, o PT descobriu o naufrágio do partido nas eleições municipais. Como só liderava em Goiânia, o senador e ex-governador do Piauí Wellington Dias foi empurrado para ser candidato em Teresina. Do mesmo modo, o Humberto Costa, que é um senador reconhecidamente importante, foi levado a ser candidato na marra em Recife. Em BH é mais grave. O conjunto das forças que estão em torno do PT e que incorpora o PSD invadiu Minas.

Mas afinal, o PSD não é nem Serra, nem Dilma?

Não sei, sobre o PSD sei muito pouca coisa. Não é nem esquerda, nem direita e nem do centro.

O governador Eduardo Campos, presidente do PSB, é hoje uma liderança em ascensão…

Mas a situação dele hoje não é boa. Está ameaçado de perder no Recife; não tem o Ceará; não fez papel bonito em São Paulo. E perdeu o candidato em Belo Horizonte, que hoje é do Aécio.

O sr. antevê um cenário de disputa entre Campos e Aécio na sucessão presidencial de 2014?

Se houver um naufrágio no PT, sim. Mas eu não acredito nisso.

O PSDB avalia que Dilma está fazendo um bom governo?

Não. Ela está bem com a opinião pública, com esse negócio de discurso moralista. Mas a economia está piorando a cada dia. Já não é mais impressão, é realidade. Está com um “PIBinho”, sem dinheiro para pagar contas. A arrecadação está caindo e as empresas estão sem querer ajudar nas campanhas.

Há críticas em relação ao comportamento de Aécio como presidenciável…

Ele acaba de dar uma grande resposta: lidera nossa campanha em Belo Horizonte contra o mundo do PT e os invasores de Minas Gerais.

O sr. prevê uma campanha de ânimos acirrados entre tucanos e petistas por causa do mensalão?

As eleições municipais terão sempre o viés local. Mas o mensalão é a marca de um partido que começa a definhar, por excesso de força e falta de argumentos. Toda vez que essa questão volta à tona, os débitos são óbvios para o PT e seus líderes. A forma como esse tipo de discussão vai se dar e refletir nas eleições, sinceramente, não sou capaz de prever.

Havia uma expectativa de que PSDB e DEM se aliassem pelo menos em cinco capitais. Por que o saldo foi de afastamento?

O DEM tinha dois candidatos que eram favoritos em Salvador e Aracaju. Eles têm nosso apoio. Em outras capitais, como Fortaleza e Recife, o PSDB tem candidato e o DEM também. Nada mais natural e mais equilibrado.

Link da matéria: http://turmadochapeu.com.br/dilma-invadiu-bh-sergio-guerra/

Senador Aécio convoca tucanos e aliados em favor de Lacerda e critica intervenção nacional em BH

“Não vamos cair na armadilha de trazer 2014 para 2012. O que está em jogo é o futuro das pessoas de BH. Todas as vezes que tentaram interferir na vida dos mineiros, esses foram claramente rechaçados”, diz Aécio Neves

 Aécio: Queremos municipalizar a disputa

Aécio:”Queremos municipalizar a disputa”. Para senador “não interessa a população de BH qualquer tentativa externa de trazer 2014 para 2012.”

senador Aécio Neves reuniu, nesta quinta-feira (05/07), as lideranças dos 18 partidos que apoiarão a reeleição do prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda e de seu vice na chapa, o deputado Délio Malheiros (PV). No encontro, o senador destacou a importância da ampla aliança formada em torno da reeleição de Lacerda e criticou a tentativa de federalização da campanha eleitoral da capital mineira. Aécio defendeu que o debate eleitoral ocorra entre os mineiros e em favor da população.

“Queremos municipalizar a disputa de forma muito clara porque não interessa a população de Belo Horizonte qualquer tentativa externa de trazer 2014 para 2012, principalmente pelas mãos de pessoas estranhas a BH, para nossa cidade. Desde a proclamação da República, os mineiros escolheram, eles mesmos, os seus caminhos. E todas as vezes que tentaram interferir na vida dos mineiros, esses foram claramente e, peremptoriamente, rechaçados”, afirmou Aécio.

Ao lado do presidente do PSDB de Minas Geraisdeputado federal Marcus Pestana, e do presidente do PSDB de Belo Horizontedeputado estadual João LeiteAécio Neves disse que os tucanos mantiveram uma postura coerente em contraponto à do PT, que rompeu a aliança com o PSB dias depois de anunciar o vice na chapa de Lacerda.

“O que pensávamos há quatro anos, pensamos hoje. Que Márcio é a melhor alternativa para Belo Horizonte. O PT, pelo menos até sábado passado, às 11 horas, parecia pensar da mesma forma.Agora, vai ter algo que vai ser muito curioso. Poucos dias atrás, a presidente da República (Dilma Rousseff) veio a BH e encheu o prefeito de elogios. Um dos maiores prefeitos do Brasil, competentíssimo! Será que ele deixou de ser competente de sábado para cá? Aqueles que levantaram sua mão na convenção de sábado, será que a partir de hoje acham que sua administração deva ser interrompida?, questionou Aécio.

Exigências

O senador acrescentou que o PSDB não exigiu cargos ou cobrou concessões por parte do PSB em troca do apoio firmado na aliança que reúne, agora, 18 partidos: PSB, PV, PSDB, PSD, PDT, DEM, PPS, PTB, PP, PR, PRB, PTdoB, PRT, PSL, PTN, PSDC, PTN, PMN.

“Não nos importamos que o PT tivesse a maioria dos cargos estratégicos sob seu comando na Prefeitura de BH.  Obviamente, nos surpreendemos com as notícias mais recentes de que são mais de 900 cargos comissionados, mas nem isso fez nos afastarmos do Marcio. Aceitamos que o PSB buscasse seu caminho. Em momento nenhum nós impusemos absolutamente nada. O que ocorreu aqui foi a manutenção da coerência do prefeito Marcio Lacerda, que não se submeteu à pressão do PT, de querer eleger uma bancada de vereadores às custas dos votos do PSB”, afirmou Aécio.

Aécio Neves disse que as eleições municipais vão mobilizar a capital. Ele reiterou a importância dos partidos coligados e saudou a construção da chapa com o deputado Délio Malheiros.

“São 18 partidos que se unem em torno de Marcio. Uma construção mineira, feita dentro das nossas montanhas. A construção no outro campo político foi toda ela, a começar pelo nome do próprio candidato, que foi ungido em São Paulo, e com todos os seus aliados, sem exceção, foi fruto de interferências externas, que colocam no segundo plano os interesses da cidade e da sua população. Tem a marca da intervenção, da violência, da subordinação dos interesses locais aos interesses nacionais que não são os de Belo Horizonte”, afirmou Aécio.

Aécio trabalha nos bastidores para montar uma grande aliança partidária que lhe respalde a candidatura à Presidência em 2014, jogando na divisão da base aliada em decorrência não apenas da deterioração da situação econômica, mas também dos desencontros de diversos partidos com o PT

Aécio: eleições 2012

 Aécio e o seu lance mais ousado

Aécio: Eleições em Belo Horizonte

Fonte: artigo Merval Pereira – O Globo

Lance ousado

O rompimento da aliança com o PT em Belo Horizonte foi o lance mais ousado dos muitos que o senador Aécio Neves vem fazendo nos bastidores partidários nos últimos tempos, trabalho a que tem se dedicado em vez de aparecer para a opinião pública como o grande líder oposicionista, sob o risco de dar a sensação errônea de que está desinteressado do embate político.

Da mesma maneira que, durante o governo Fernando Henrique, o então deputado Aécio Neves montou sua candidatura costurando alianças nos bastidores para romper o acordo firmado com o então PFL, o hoje senador trabalha com o objetivo de criar condições políticas que permitam montar uma proposta de campanha ampla, que lhe dê respaldo para o combate aogoverno que pretende desencadear no momento que considere mais adequado.

Como costuma fazer, Aécio trabalha nos bastidores para montar uma grande aliança partidária que lhe respalde a candidatura à Presidência em 2014, jogando na divisão da base aliada em decorrência não apenas da deterioração da situação econômica, mas também dos desencontros de diversos partidos com o PT.

A jogada de Belo Horizonte, porém, pode dar errado caso se confirme o desgaste com o PSB, que se ressente da separação do PT, sobretudo porque o PMDB, em jogada oportunista, mas correta pragmaticamente, está se oferecendo para abrir mão de candidatura própria para apoiar o ex-ministro e ex-prefeito de Belo Horizonte Patrus Ananias, que será o candidato petista. O PMDB viu no episódio oportunidade para demonstrar lealdade ao governo, alegando a condição de parceiro preferencial no plano nacional.

Da mesma maneira que o PSB alegou que, em São Paulo, está apoiando o candidato de Lula pela relevância do principal objetivo do PT, tomar conta de uma prefeitura que há anos está dominada pelos tucanos e seus aliados, como trampolim para vencer o governo do estado de São Paulo em 2014.

Os dois partidos, PMDB e PSB, disputam no interior da aliança governista a vice-presidência na provável chapa de reeleição da presidente Dilma Rousseff.

A eleição em Belo Horizonte acaba assim tendo uma relevância própria, transformando-se em uma simbolização da força política de Aécio Neves tendo em vista as eleições de 2014, assim como a de São Paulo significa a maior jogada do ex-presidente Lula para consolidar a hegemonia petista no país.

Derrota de Aécio em Belo Horizonte, assim como de Lula em São Paulo, terá reflexos na formação das alianças partidárias mais adiante.

As eleições municipais têm um peso local muito acentuado, mas, em determinadas cidades e capitais, elas dão pistas sobre como evoluirão as tratativas a nível nacional. Além do mais, os partidos tentam se cacifar na disputa municipal para que suas ramificações políticas municipais ganhem valor no mercado nacional de alianças.

Por isso mesmo, o racha do PSB com o PT em Belo Horizonte, mais do que os de Fortaleza e Recife, está sendo visto pelo comando nacional petista como sinalização de que o governador Eduardo Campos está se movendo para uma distância segura do PT.

Como nem tudo é coerente quando se trata de aliança partidária, e menos ainda quando Ciro Gomes está envolvido, a disputa em Minas difere da de Fortaleza, por exemplo. O líder do PSB no Ceará é, em tese, favorável a que o PSB marque sua posição se distanciando do PT e, especificamente em Fortaleza, defendeu essa posição junto ao irmão, o governador Cid Gomes.

Mas, em Belo Horizonte, onde o prefeito, Marcio Lacerda, candidato à reeleição, mais que seu correligionário, é um seu protegido político, Ciro está crítico em relação à atuação de Aécio Neves, a quem atribui a criação de um ambiente que levou ao rompimento com o PT.

Ciro criticou também a direção nacional do PT por ter apoiado a indicação de Patrus Ananias, em vez de intervir na regional mineira para garantir a permanência do partido na aliança em Belo Horizonte.

Como se vê, joga-se neste pleito municipal um xadrez político que tem tudo a ver com a eleição de 2014. Por parte da oposição, vencer em São Paulo e Belo Horizonte é fundamental para manter as poucas cidadelas ainda não dominadas pelo PT, que se dedica, por sua vez, a tentar fragilizar esses redutos tucanos.

O governo terá tarefa difícil pela frente, manter unida a ampla base partidária que o apoia, enquanto o PSDB joga com a expectativa de que os atritos com o PT e a situação econômica deteriorada farão com que parte dessa base se una ao projeto político de Aécio. Caso o PMDB seja alijado do posto de parceiro preferencial do PT, a aposta é que venha a apoiar a candidatura tucana, formando grande bloco com DEM, PPS, e, se não o apoio integral, pelo menos o de partes de PR, PP e PDT. Há inclusive quem imagine a união de todas essas siglas sob o guarda-chuva de novo partido, que também poderia abrigar políticos individualmente.

Com a decisão do STF de dar tempo de propaganda gratuita e participação no fundo partidário a partidos formados com base na nova legislação, proporcional à votação de seus fundadores, ficaria mais fácil atrair na base aliada adeptos do projeto tucano com Aécio para presidente em 2014. Difícil é imaginar que PMDB e PSDB abram mão de suas respectivas siglas para a formação de novo partido.

Com ou sem partido novo, porém, o fato é que o candidato natural do PSDB à Presidência da República em 2014 está costurando nos bastidores diversas alianças políticas para viabilizar sua candidatura, confiante em que a aliança da base aliada não resistirá às dificuldades de convivência interna nem à crise econômica que tende a se agravar.

PT indica Patrus Ananias para disputa em BH

PT: Eleições 2012

 PT confirma rompimento e lança Patrus em BH

Aécio e Eduardo Campos conversaram por telefone sobre o novo quadro da disputa na cidade. Campos, segundo apurou o Valor, assegurou ao senador que não haverá nenhum movimento do PSB para tentar convencer os petistas a voltarem atrás e apoiarem a reeleição de Lacerda.

Fonte:   Vandson Lima, Raphael Di Cunto e Marcos de Moura e Souza  – Valor Econômico

PT indica Patrus Ananias para disputa em BH

executiva nacional do PT aprovou ontem o rompimento da aliança com o atual prefeito de Belo Horizonte (MG), Marcio Lacerda (PSB), que concorrerá à reeleição, e indicou o ex-ministro do Desenvolvimento Social Patrus Ananias como candidato da sigla à sucessão na capital mineira.

A confirmação da candidatura depende apenas de uma conversa marcada para hoje, em São Paulo, entre o presidente petista, Rui Falcão, e o vice-prefeito da cidade, Roberto Carvalho. Rompido com Lacerda e defensor de longa data da candidatura própria, Carvalho chegou a registrar sua candidatura à prefeitura no Tribunal Regional Eleitoral local. O partido quer arrumar uma saída honrosa para Carvalho, já que, conforme reconheceu Rui Falcão, “ele sempre defendeu a candidatura própria e nos avisou que Lacerda poderia nos surpreender”.

O PT, que tinha inclusive indicado o vice da chapa que será encabeçada por Lacerda, resolveu romper a aliança após saber que o PSB decidiu não fazer coligação na chapa para vereadores, conforme havia prometido. “O rompimento partiu do Marcio Lacerda. Havia um acordo escrito, tenho a carta em mãos. Foi uma atitude, conforme ele [Lacerda] disse à imprensa local, tomada a pedido do senador Aécio Neves e do governador Antônio Anastasia [ambos do PSDB]“, afirmou Rui Falcão.

PSDB e PT, adversários no plano nacional, ajudaram a eleger Lacerda em 2008 e participam de seu governo. Os tucanos serão agora os principais aliados de Lacerda em sua tentativa de reeleição.

PT e PSB dominam a política local e se revezam no comando da cidade desde 1993. Estiveram na mesma chapa três vezes e concorrerão separados pela terceira vez este ano, mas sempre compuseram o governo um do outro.

O deputado federal Miguel Corrêa Júnior (PT-MG) avisou que o PT entregará todos os cargos que detém no governo de Belo Horizonte. O partido tem a vice-prefeitura, sete secretarias, além de cargos de primeiro escalão em empresas públicas e autarquias. O número de cargos comissionados seria em torno de 900.

Antes indicado a vice de Lacerda, o deputado disse que a vaga será usada para tentar convencer algum partido aliado do PT no plano federal a aderir à chapa. “O PMDB, se somado ao PT, faria um belo arco de alianças para enfrentar essa disputa eleitoral com quem rompeu seu compromisso com a cidade e com a gente”, avaliou.

A costura estaria sendo tratada pelas cúpulas dos dois partidos, já que o PMDB lançou o deputado federal Leonardo Quintão como candidato a prefeito. “Assim como se criou um quadro novo a partir do rompimento com o prefeito Marcio Lacerda, essa movimentação toda pode criar uma nova realidade em Belo Horizonte. É o que estamos buscando”, afirmou Rui Falcão. Questionado, Quintão disse ontem que estava “lutando em Brasília pela sua candidatura”.

O presidente do PT procurou desvencilhar a celeuma em Belo Horizonte dos recentes rompimentos entre PT e PSB em outras capitais, como Fortaleza (CE) e Recife (PE), onde os partidos concorrerão com candidaturas em separado. Também disse não ver qualquer articulação do presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, para se distanciar dos petistas com vistas a alçar voo próprio na eleição presidencial de 2014. “Não vejo nenhuma intenção do governador Eduardo Campos em precipitar a sucessão de 2014. Até porque ele tem dito que estará com a presidente Dilma [Rousseff]“, afirmou.

Pouco depois do anúncio do PT que indicou a candidatura de Patrus, Aécio e Eduardo Campos conversaram por telefone sobre o novo quadro da disputa na cidade. Campos, segundo apurou o Valor, assegurou ao senador que não haverá nenhum movimento do PSB para tentar convencer os petistas a voltarem atrás e apoiarem a reeleição de Lacerda. Desde o fim de semana, tanto no PT quanto no PSB havia especulações de que o próprio Campos ou a executiva nacional do PSB – que se reúne hoje – atenderia o pedido do PT para manter a aliança. O rompimento deixa Lacerda sozinho com os tucanos.

Aécio vai estar na linha de frente da campanha”, disse o deputado federal Marcus Pestanapresidente do PSDB de Minas Gerais. “Já estávamos comprometidos no apoio ao Marcio [Lacerda]. Agora, estamos mais revigorados”, disse. Pestana lembra que Aécio é, segundo pesquisa recente, a liderança política que mais influencia o voto dos eleitores de Belo Horizonte.

Patrus foi vereador de Belo Horizonte nos anos 80, elegeu-se prefeito em 1992 e, em 2002, conquistou o mandato de deputado federal. Dois anos depois assumiu o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome no governo Lula. É professor na Faculdade de Direito da PUC-Minas e preside o Conselho de Responsabilidade Social (Consocial) da Fiesp.

PT: Eleições 2012 – Link da matéria: http://www.valor.com.br/eleicoes2012/2737572/pt-indica-patrus-ananias-para-disputa-em-bh