• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Gestão Anastasia: crescimento do valor da produção agrícola de Minas supera a média nacional

Valor Bruto da Produção Agrícola do Estado deve crescer 10,4% em 2012

O Valor Bruto da Produção (VBP) Agrícola de Minas Gerais, que é a soma dos valores das 20 principais culturas do Estado, dever alcançar neste ano R$ 24,5 bilhões, cifra 10,4% superior à registrada em 2011. Os dados, referentes a um estudo realizado em março pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), foram analisados pela Superintendência de Política e Economia Agrícola da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Já para o Brasil, a previsão de crescimento do VBP é de 2,5%.

Para o café, principal produto da agricultura estadual, o VBP calculado é de R$ 11,3 bilhões, cifra 0,5% superior à do ano passado. De acordo com o superintendente da Seapa, João Ricardo Albanez, “a pequena evolução do valor do produto se deve aos reflexos da crise no comércio internacional, mesmo havendo expectativa de produção recorde”.

O produto agrícola mineiro em segundo lugar quanto ao valor é a cana-de-açúcar, que registra R$ 4,3 bilhões, aumento de 16,9% na comparação com 2011. Além do aquecimento do mercado interno, os produtos da cana-de-açúcar têm alcançado bons resultados no mercado externo. No caso do etanol, Minas Gerais registrou em março exportações de  US$ 5,2 milhões, cifra 479% superior à obtida em fevereiro. Com o açúcar, o Estado teve, no terceiro mês deste ano, vendas de US$ 9,2 milhões, um valor 95,6% maior que o registrado no período anterior. Albanez observa que o café e a cana-de-açúcar contribuem com 63,5% do VBP agrícola mineiro.

Em terceiro lugar na relação dos produtos agrícolas mineiros mais valorizados está o milho, com o VBP estimado de R$ 3,2 bilhões, cifra 12,5% superior à do ano passado. Esse produto, segundo Albanez, beneficia-se sobretudo do expressivo aumento da produção do grão, para dar suporte principalmente ao crescimento da produção de aves, suínos e bovinos.

A batata também mostra bons resultados, com um VBP estimado de R$ 947,2 milhões, equivalentes a um crescimento de 30% em relação ao valor obtido no ano passado. Para o algodão em caroço, que tem uma previsão de R$ 224,6 milhões, o crescimento é de 22,8%.

De acordo com o estudo, a soja em grão é um dos produtos da agricultura mineira com previsão negativa (-1,5%), pois o valor calculado é de R$ 2,1 bilhões. Outro produto citado é o feijão, que tem VBP estimado em R$ 1 bilhão, cifra 0,6% inferior à apresentada em 2011.

Números do Brasil

O Ministério da Agricultura informa que o VBP da agricultura brasileira em 2012, com base nos estudos de março, é de R$ 218,6 bilhões. Os produtos que lideram o aumento do valor são algodão (27,2%), batata inglesa (156,7%), cana-de-açúcar (20%) e milho (14,5%). Os bons resultados são devidos aos preços favoráveis e aos melhores níveis de produção.

Valores da agricultura mineira

VBP: R$ 24,5 bi (+10,4%)

Café: R$ 11,3 bi (+0,5%)

Cana-de-açúcar: R$ 4,3 bi (+16,9%)

Milho: R$ 3,2 bi (+12,5%)

Batata: R$ 947,2 milhões (+ 30,0%)

Algodão: R$ 224,6 milhões (+ 22,8%)

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/crescimento-do-valor-da-producao-agricola-de-minas-supera-a-media-nacional/

Anúncios

Governo de Minas: IMA se tornará referência em certificação de produtos orgânicos

Credenciamento será concedido pelo Ministério da Agricultura

Divulgação/IMA
Principal característica dos produtos orgânicos é a ausência de aplicação de agrotóxicos
Principal característica dos produtos orgânicos é a ausência de aplicação de agrotóxicos

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) passa por um processo de credenciamento, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), para se tornar um Organismo de Avaliação de Conformidade (OAC). Esta nova atribuição fará com que o IMA possa exercer a certificação de produtos orgânicos de origem vegetal em todo o território nacional. A produção orgânica é uma atividade que cresce a cada dia em Minas e no Brasil.

Desde 2011, o credenciamento das certificadoras de produtos orgânicos junto ao Mapa, com aval do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), é obrigatório. O Mapa já aprovou a documentação enviada pelo IMA, sendo que, agora, o Instituto aguarda o aval do Inmetro, que ainda realizará uma avaliação do processo de certificação orgânica adotado pela Instituição, para iniciar os trabalhos.

O IMA é a instituição estadual responsável pela certificação de origem e qualidade dos produtos agropecuários e agroindustriais produzidos em Minas. O órgão já possui a chancela do Inmetro para certificar cachaças. No caso da certificação de produtos orgânicos, será solicitada junto ao Mapa uma extensão de escopo, ou seja, um aumento da abrangência de atuação, para que o Instituto se torne um Organismo de Avaliação de Conformidade Orgânica.

A principal característica dos produtos orgânicos é a ausência de aplicação de agrotóxicos, adubos químicos ou substâncias sintéticas que prejudiquem o meio ambiente e a saúde do consumidor. De acordo com o Mapa, para ser considerado orgânico, o processo produtivo contempla o uso responsável do solo, da água, do ar e dos demais recursos naturais.

Qualificação reconhecida

Para o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, o aval do ministério representa um reconhecimento dos trabalhos desenvolvidos pelos técnicos do Instituto. “Passamos por um processo rigoroso de qualificação e sabemos que os credenciamentos obtidos nessas instituições irão valorizar o trabalho dos pequenos produtores”, afirma.

Altino Rodrigues Neto acrescenta, ainda, que o consumo de produtos isentos de agrotóxicos e de resíduos químicos está aumentando. “Este é um mercado que cresce a cada dia. Por isso é fundamental que o IMA acompanhe esta tendência, para proporcionar ao consumidor a oferta de alimentos mais seguros e saudáveis”, comenta.

O Instituto alcançou a condição de Organismo Certificador de Produto com chancela do Inmetro em 2009, para certificar cachaças artesanais de alambique. Esta atribuição permite ao IMA certificar produtos com base em princípios internacionais, considerados de grande confiabilidade sendo membro de certificadores nacionais e internacionais.

A intenção do IMA é estender esta condição para outros produtos de relevância no mercado mineiro como produtos lácteos e cárneos, a fim de oferecer à população alimentos cada vez mais seguros e confiáveis.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ima-se-tornara-referencia-em-certificacao-de-produtos-organicos/