• Agenda

    abril 2017
    S T Q Q S S D
    « out    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

Nanium: Governo de Minas atrai fabricantes de chips

Nanium: Governo de Minas investe em inovação e tecnologia, empresa investirá R$ 30 milhões em unidade industrial em Juiz de Fora.

Nanium: Governo de Minas Inovação e Tecnologia

Fonte: Agência Minas

 Nanium: Governo de Minas atrai fabricantes de chips

Governo de Minas aposta em tecnologia e inovação para atrair novas empresas para o Estado.

O vice-governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, assinou, nesta quarta-feira (29), protocolo de intenções com a empresa portuguesa Nanium Participações S.A, para a implantação de uma unidade industrial em Juiz de Fora, na região da Zona da Mata. O projeto prevê a produção de semicondutores direcionados para o mercado brasileiro e países do Mercosul.

Minas Gerais reúne uma série de predicados, como a localização geográfica privilegiada, próxima a 78% do mercado consumidor brasileiro. Temos ainda uma gestão premiada e reconhecida por organismos internacionais. O grande desafio do Estado é transformar o seu potencial em benefícios que se traduzam cada vez mais em inovação, tecnologia e na agregação de valor”, destacou o vice-governador.

A empresa irá investir R$ 30 milhões na implantação da nova unidade industrial, com a geração de 150 empregos diretos e outros 40 indiretos. “O empreendimento irá gerar empregos altamente qualificados, com a formação de gestores, engenheiros, técnicos e operadores de produção, em parceria com a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que serão treinados no Brasil e em Portugal”, explica José Miranda Chaves Netto, diretor-executivo da Nanium Participações.

Além do protocolo com o Governo de Minas, a Nanium irá assinar uma carta de Intenções com a UFJF, estabelecendo que, na primeira fase do projeto, a unidade será instalada temporariamente no campus da universidade. Já na segunda fase, será construída uma unidade industrial definitiva no futuro Parque Científico e Tecnológico da UFJF. Em contrapartida, a Nanium deverá disponibilizar acesso às informações relativas a semicondutores adotadas em seu processo produtivo, além de transferir o conhecimento de processo aos pesquisados e alunos da UFJF.

O projeto terá início em outubro de 2012 e tem término previsto para meados de 2017. Na primeira etapa, serão fabricados módulos de memória Dram e módulos de Flash (como Pen drives). Na segunda etapa, que deverá ocorrer 12 meses após a conclusão da primeira, serão iniciadas as atividades de produção de componentes em sala limpa (como cartões de memória) para o mercado de desktops, notebooks e tablets.

A empresa

A Nanium S.A. foi fundada em 1996 no município de Vila do Conde, em Portugal, para produzir e prestar serviços no segmento de eletrônica. A companhia atua ainda nas áreas de serviços, equipamentos, processo, produto e fabricação de semicondutores.

A empresa iniciou suas atividades como Siemens Semicondutores S.A. e, depois de algumas alterações, passou a ser designada por Nanium S.A., com composição acionária constituída por 17,88% do Estado Português, por intermédio do Ministério dos Negócios Estrangeiros, e 41,06% dos Bancos Espírito Santo e Comercial Português.

A Nanium possui também know-how na fase de packaging (ou encapsulamento) dos chips, os cérebros dos equipamentos eletrônicos.

Nanium: Governo de Minas – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/multimidia/galerias/vice-governador-assina-protocolo-de-intencoes-com-fabricante-de-semicondutores/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/