• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Em entrevista ao Hoje em Dia, Pimenta revela as principais metas de seu Plano de Governo

Em entrevista, Pimenta destaca a modernização da infraestrutura e a dinamização da economia de Minas, como algumas das metas de governo.

Coligação Todos por Minas

Pimenta da Veiga quer dinamizar a economia de Minas

Fonte: Hoje em Dia

Em entrevista ao Hoje em Dia, o candidato da coligação “Todos por Minas”, Pimenta da Veiga (PSDB), revela as principais metas de sua proposta de governo, caso seja eleito. No plano social, ele garante que as prioridades serão a saúde, educação e segurança. Além da infraestrutura, a dinamização econômica de Minas também está no radar do tucano.

Em seu plano de governo, qual ponto o senhor considera o mais importante e por quê?

As principais bases do nosso plano de governo são a área social, com prioridade para saúde, educação e segurança pública; a modernização da infraestrutura urbana; e a dinamização da economia de Minas.

Além desses pontos, quais são as áreas prioritárias e como pretende desenvolvê-las?

Na educação, vamos levar o ensino integral a todas as escolas do Estado; aumentar as vagas e diversificar os cursos profissionalizantes; valorizar os professores por meio de promoção automática dos que concluírem mestrado ou doutorado e ainda oferecer condições para que optem pelo trabalho integral em uma só escola.

Na segurança, vamos aumentar o policiamento ostensivo e ampliar o efetivo das polícias Militar e Civil. Queremos avançar com os programas de prevenção à criminalidade e às drogas, como o Fica Vivo, pois o tráfico é a principal causa da violência.

Na saúde, vamos ampliar, reformar e construir 17 hospitais regionais, com objetivo de fortalecer o processo de regionalização da saúde. A intenção é fazer com que as pessoas tenham atendimento médico o mais próximo possível de suas casas. Para isso, vamos também implementar incentivos aos médicos que se fixarem nas pequenas cidades.

Na infraestrutura, vamos atacar o problema da mobilidade urbana. Primeiro, é preciso um transporte público de qualidade. O mais eficiente é o sistema sobre trilhos. Na Região Metropolitana, por exemplo, a solução é o metrô. Temos o compromisso de construir o Rodoanel Norte e também 22 contornos rodoviários ao redor de cidades de médio e grande porte, eliminando o tráfego pesado de caminhões e tornando o trânsito mais seguro na Região Metropolitana. E também vamos construir o Rodoanel Sul, ligando Betim à BR-040.

Como pretende trabalhar pelo desenvolvimento econômico e social das regiões de Minas?

Para fazer com que Minas dê um novo salto na economia, vamos aproveitar as potencialidades regionais e diversificar os empreendimentos. Além disso, vamos investir na infraestrutura e na logística, assim como reduzir a carga tributária, dentro da competência do governo estadual. Com isso, aumentamos as oportunidades, gerando mais empregos e atraindo mais recursos para a melhoria da qualidade de vida dos mineiros. Vamos manter todos os programas sociais, como o Travessia.

Entre 2002 e 2012, Minas reduziu a desigualdade social em 10,9%, um resultado melhor que a média do Brasil e do Sudeste. Mais de 3 milhões de mineiros foram beneficiados pelo Travessia em 309 municípios. O programa promove a inclusão social e produtiva da população em situação de pobreza e vulnerabilidade social, por meio de uma série de ações articuladas entre várias secretarias de Estado e órgãos da administração. Temos que ressaltar que o mineiro tem enorme capacidade empreendedora, sempre soube aproveitar as oportunidades de trabalho nas diferentes áreas e precisa ser cada vez mais incentivado a produzir.

Quais são os principais desafios que o novo governador enfrentará?

São vários porque administrar um estado com as dimensões de Minas, com suas diversidades e potencialidades, exige dedicação e trabalho. Reduzir, por exemplo, as diferenças sociais entre as nossas regiões vai exigir muito esforço e determinação porque o modelo econômico adotado pelo governo federal nos últimos anos aponta para momentos difíceis. Mas, da nossa parte, não faltará o empenho para que as regiões mais pobres, como o Norte, o Jequitinhonha e o Mucuri recebam mais investimentos que as regiões mais ricas. Queremos diminuir a distância social entre as regiões de Minas, sem deixar, no entanto, de criar alternativas para que as mais desenvolvidas não fiquem paradas no tempo.

A crise internacional persiste e compromete o crescimento econômico do Brasil. O que fazer para que Minas se expanda e sustente seus projetos de governo?

Não é só a crise internacional que preocupa, mas a política econômica do governo federal do PT que trouxe de volta a inflação com profunda recessão. O retorno da inflação significa prejuízo para todos, é vizinha da corrupção, impede o crescimento, o desenvolvimento de cidades e pessoas. Apesar disso, nos últimos anos, Minas cresceu mais do que a média nacional. A indústria mineira aumentou a sua parcela na economia do Estado, segundo o IBGE. Em 2002, o setor respondia por 27,5% da economia mineira e passou para 32,8% em 2011. Esse índice representa mais do que o crescimento da média nacional. Em 2002, a indústria no Brasil tinha participação de 27,1% e cresceu 0,4 ponto percentual em 2011, quando chegou a 27,5% na economia nacional.

O senhor se considera preparado para enfrentar um eventual cenário negativo, com perdas de arrecadação?

Me sinto extremamente preparado. Além da atração de investimentos, como já citei, vamos intensificar a parceria com a iniciativa privada. Minas é o estado com maior número deParcerias Público Privadas (PPP). Nos últimos seis anos, o Governo de Minas conseguiu atrair R$ 2,3 bilhões para projetos de PPP, e outros R$ 5 bilhões em projetos em licitação. Minas se tornou referência nacional e internacional quando se trata desse modelo, com reconhecimento pela revista britânica World Finance e pelo Banco Mundial.

Se eleito, que Estado o senhor deseja entregar?

Uma Minas onde todos tenham orgulho de dizer onde vivem. Meu maior compromisso é com os cidadãos. As ações do governo terão como objetivo principal promover o bem-estar das pessoas que devem ser contempladas com políticas públicas que tornem nosso Estado uma terra de oportunidades para todos.

Se eleito, qual será o perfil do seu secretariado?

Competência e espírito público. É o que buscaremos entre os homens e mulheres de bem para compor o nosso governo. Queremos fazer um governo moderno, com eficiência em gestão. Como somos apoiados por uma ampla coligação – que inclui 14 partidos, além de lideranças de outras legendas que ao longo da campanha, foram se juntando a nós – não precisaremos nos render a conchavos ou alianças espúrias para garantir governabilidade. O eleitor pode esperar de nós o compromisso com a ética e o interesse público em todas as nossas ações, o que começará já na montagem da equipe de governo.

Por que os mineiros devem votar no senhor?

A nossa candidatura é a mais preparada para governar Minas. Tenho percorrido diversas cidades para escutar as pessoas sobre seus principais sonhos e demandas. Ninguém pode governar bem um país, um estado, um município se não for ouvindo os destinatários das nossas ações. O que me credencia é a minha história pessoal e política, de quase 40 anos dedicados ao interesse público, que me ensinou que o foco de um governo deve ser a melhoria da vida das pessoas.

Anúncios

Integração de Jovens: Aécio visita sede do AfroReggae

Apoio a Jovens: Aécio conversou com integrantes e colaboradores do AfroReggae, discutiu propostas e conheceu novas ações sociais.

Integração de Jovens

Aécio Neves visita sede do AfroReggae

Ex-governador comemora dez anos da parceria firmada na sua gestão e conhece novos projetos de apoio a jovens

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), se reuniu nessa segunda-feira (10/02) com integrantes do Grupo Cultural AfroReggae, em visita à sede da ONG, no Rio de Janeiro, que marcou os dez anos da parceria da entidade com o governo de Minas em programas de apoio e integração de jovens.

Acompanhado do coordenador do grupo, José JúniorAécio Neves conversou com integrantes e colaboradores do AfroReggae, discutiu propostas e conheceu novas ações sociais desenvolvidas. Em 2004, durante a gestão Aécio Neves, o governo de Minas e o AfroReggae deram início ao programa “Juventude e Polícia“, implantado em batalhões da Polícia Militar e voltado para jovens em situação de vulnerabilidade social. Os resultados do programa foram reconhecidos internacionalmente.

“A nossa experiência com o AfroReggae é algo que existe muito antes de qualquer projeto presidencial, porque acredito nisso. E os resultados lá em Minas foram muito bons, como têm sido bons aqui também no Rio, e espero que possam ser bons no Brasil. Minha visita aqui hoje é para estreitar laços que já existiam na construção de um projeto para um Brasil que queremos melhor que o atual”, disse Aécio Neves.

Empregabilidade

Um dos projetos apresentado hoje ao senador Aécio Neves foi o “Empregabilidade”, que atua na (re) inserção de egressos do sistema prisional e de pessoas em situação de vulnerabilidade social no mercado de trabalho. O projeto já atendeu a mais de 4 mil pessoas no Rio, por meio de parceria com mais de 50 empresas. Recentemente, o Empregabilidade passou a ser desenvolvido também em São Paulo.

Em Minas, o governo Aécio Neves lançou o programa Regresso, que possibilita que egressos do sistema penitenciário tenham acesso à capacitação profissional e à inclusão formal no mercado de trabalho, contribuindo assim também para a reinserção social. No projeto, desenvolvido em parceria com o Instituto Minas pela Paz, o Estado subsidia a contratação de ex-detentos, mediante repasse de dois salários mínimos mensais para cada egresso durante 24 meses. Mais de 2.500 egressos já foram beneficiados.

Dos 48 mil detidos atualmente e Minas, 6.652 estudam e 13.253 trabalham – seja de forma autônoma, em parcerias ou na manutenção da unidade prisional. Já são 307 parcerias desenvolvidas pelo governo estadual na área.

Segurança Pública

Durante a visita, Aécio Neves afirmou que experiências do AfroReggae podem ser incorporadas às ações de segurança pública em todo país, com projetos que criem oportunidades e afastem o cidadão da criminalidade. O senador também garantiu que a segurança pública será tratada de forma prioritária pelo PSDB na agenda que o partido apresentar à sociedade brasileira este ano, durante a campanha eleitoral.

“A questão da segurança pública será absolutamente prioritária na nossa proposta, e por isso conversas como a que estou tendo hoje com o AfroReggae serão importantes. Queremos incorporar algumas experiências, não digo nem que sejam heterodoxas, mas elas fogem àquele receituário tradicional de segurança pública“. disse Aécio Neves.

Aecio Neves: senador em artigo lembra Ulysses Guimarães

Aecio Neves: senador fala do legado de Ulysses: fortalecimento das instituições, adensamento da democracia e compromisso com a Federação.

Aecio Neves: artigo

 Aecio Neves: em artigo lembra as lições de Ulysses

Aecio Neves: artigoTancredo Neves e Ulysses Guimarães na votação da Emenda Dante de Oliveira Luiz Antonio / Agência O Globo

Fonte: Folha de S.Paulo

Ulysses

Aecio NevesOs brasileiros lembram neste mês, com reverência, os 20 anos do desaparecimento de Ulysses Guimarães. Ele foi e será sempre símbolo da luta pela democracia e pela justiça social, que encontra sua melhor tradução na Constituição.

Guardamos para sempre sua imagem histórica erguendo o primeiro exemplar e anunciando a “Constituição Cidadã“, trazendo luz ao país após um longo período de sombras.

Ulysses conviveu com uma singular geração de homens públicos. De Tancredo, como dizia Tales Ramalho, era parceiro em uma dança da qual só eles conheciam os passos. Os dois lideraram alas distintas da oposição e agiam de forma complementar, ciosos da necessidade de manter a coesão em torno do fundamental desafio daquele tempo: vencer o regime de exceção. São dois grandes exemplos da dimensão ética e transformadora que a ação política pode ter.

Eram líderes leais ao Brasil, honravam a palavra dada e colocavam sempre o interesse do país cima de quaisquer outros.

Permitiu o destino que, anos depois, eu me sentasse na cadeira de Ulysses, na Presidência da Câmara dos Deputados, e não foram poucas as vezes em que, para tomar decisões complexas, me inspirei no velho timoneiro. Foi nesse período que, com o apoio de diferentes forças políticas, acabamos com a imunidade parlamentar para crimes comuns e criamos na Câmara o conjunto de medidas que ficou conhecido como Pacote Ético.

Dr. Ulysses e sua geração nos deixaram um denso legado. A defesa das razões de Estado, o fortalecimento das instituições, o adensamento da democracia e o compromisso com a Federação criaram uma realidade nova e permitiram que mais adiante pudéssemos continuar avançando com a estabilidade econômica e a inclusão social de milhões de brasileiros.

Lamentavelmente perdemos essa ideia-força – o sentido da construção nacional como tarefa coletiva e dever de todos. Acabamos reféns de um modelo que substituiu o projeto de país por um projeto de poder. As grandes reformas foram abandonadas. As pontes construídas no passado em torno das causas nacionais sucumbiram a um ciclo de governo que apequenou-se e tenta reescrever a história de forma quase messiânica, como se o Brasil do nosso tempo fosse obra de poucos e tivesse sido fundado ontem. Não foi.

Por tudo isso, é importante que as novas gerações conheçam as convicções, o espírito público e a grande generosidade com que o doutor Ulysses sempre trabalhou pelo Brasil. E reconheçamos aqueles que, com coragem, lucidez e coerência, nos ensinaram que é possível sempre semear um novo país. A memória pode ser um eficaz antídoto à descrença e ao desalento que vemos hoje nos brasileiros em relação à política.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras neste espaço.

Aecio Neves: artigo – Link da matéria: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/73352-ulysses.shtml

Governo Aécio Neves lança em Minas Gerais Programa Nacional de Inclusão de Jovens

lançamento do ProJovem em Minas GeraisO vice-governador Antonio Augusto Anastasia lançou oficialmente, nesta terça-feira (21), o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem Urbano, em reunião com cerca de 70 prefeitos mineiros, no auditório do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), em Belo Horizonte. Desenvolvido em uma parceira entre a União e Estado, e com apoio dos municípios, o objetivo do Programa é a inclusão social dos jovens brasileiros de 18 a 29 anos que, apesar de alfabetizados, não concluíram o ensino fundamental. O programa tem duração de 18 a 20 meses.

O ProJovem Urbano tem a finalidade de executar ações integradas que propiciem aos jovens brasileiros a elevação do grau de escolaridade, visando à conclusão do Ensino Fundamental, qualificação profissional e o desenvolvimento de ações comunitárias com práticas de solidariedade, exercício da cidadania e intervenção na realidade local.

“Esse é um projeto de cunho social muito importante, na medida em que permite uma oportunidade de retorno aos estudos daqueles jovens que, por diversos motivos, se ausentaram da sala de aula. Agora, há um estímulo para que eles voltem aos estudos”, disse o vice-governador.

Segundo ele, a participação dos municípios é fundamental na execução do ProJovem Urbano, já que cada cidade tem suas características e peculiaridades. “Caberá aos municípios, juntamente com o Instituto de Governança Social, que é vinculado ao Estado, a execução do Programa na esfera municipal, ou seja, a realização das aulas, os cursos de qualificação, o estímulo e a identificação dos professores. Esses projetos de caráter social têm vários desdobramentos a favor da inclusão social, diminuição da violência e participação cidadã; por isso são tão positivos”, explicou.

Entre 30 e 40 mil jovens serão atendidos em 70 municípios mineiros, com investimento superior a R$ 85 milhões. O governo federal fará a gestão direta nos municípios com mais de 200 mil habitantes, delegando aos estados a implantação e execução nos municípios com número de habitantes inferior a 200 mil. Neste caso, os recursos para execução são viabilizados por meio de transferência direta do governo federal para o Estado, cabendo a este executar o Programa de acordo com as diretrizes exigidas.

Com o programa, o Governo Aécio Neves pretende resgatar e manter na escola um público que tem mostrado potencial de evasão. A formação é dada de maneira intersetorial, com as atividades de qualificação profissional e participação comunitária presentes desde o início. Cabe acrescentar que a prática da informática será inerente às atividades de todas as disciplinas, promovendo, assim, a inclusão digital.

As horas presenciais (20 horas semanais) incluem as atividades em sala de aula, visitas, pesquisas de campo, participação em palestras, práticas relacionadas ao campo de qualificação profissional e à participação cidadã, sob a supervisão de um educador. O aluno que tiver 75% de freqüência, boas avaliações e se dedicar às atividades vai ganhar uma bolsa de R$ 100 por mês.

O ProJovem Urbano em Minas Gerais, na gestão executada diretamente pelo Estado, iniciará as aulas em 1º de outubro de 2009. As matrículas serão efetuadas nos meses de agosto e setembro. O programa só será implantado nos municípios que registrarem um número superior a 400 jovens inscritos.

De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Agostinho Patrús Filho, o ProJovem Urbano se encaixa perfeitamente a outros programas sociais do Estado de Minas Gerais, como o Poupança Jovem, que já atende hoje 30 mil jovens e chegará a 2010 com 50 mil jovens. O Programa Poupança Jovem é destinado a estudantes matriculados no ensino médio da rede pública estadual, residentes em municípios ou regiões que ainda apresentam elevadas taxas de evasão escolar, combinadas com violência e baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

“Nosso Estado já colhe bons resultados na área da qualificação. Segundo dados do Ministério do Trabalho, Minas Gerais foi o estado que mais empregou no Brasil. Minas, que já vinha crescendo acima da média nacional e tinha os menores índices de desemprego entre os estados brasileiros, começa a retomar também o crescimento nacional com o maior número de empregos criados em um só estado. Além disso, a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) é a que tem a menor taxa de desemprego entre as seis maiores Regiões Metropolitanas do Brasil. Isso demonstra o trabalho e determinação do nosso Estado para que possamos qualificar as nossas pessoas. Minas e o Governo Aécio Neves têm tratado o tema educação não como despesa, mas como investimento que tem retorno garantido”, completou o secretário Patrus.

Municípios beneficiados

Durante a cerimônia foi assinado o pacto de implantação do ProJovem Urbano entre o Governo de Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e os municípios mineiros beneficiados, representados pelo prefeito municipal de Leopoldina, Bené Guedes.

Em discurso, o prefeito de João Monlevade, Gustavo Henrique Prandini, falou em nome de todos os prefeitos presentes. “Posso afirmar que os mais de R$ 85 milhões, que serão aplicados no ProJovem Urbano, constituem o investimento com maior retorno em progresso social do Governo de Minas”, disse.

Em Minas serão beneficiados os municípios de Alfenas, Almenara, Araguari, Araxá, Barbacena, Boa Esperança, Bocaiúva, Bom Despacho, Camanducaia, Campestre, Campo Belo, Caratinga, Carmo do Paranaíba, Cataguases, Cláudio, Conceição do Rio Verde, Congonhal, Conselheiro Lafaiete, Curvelo, Diamantina, Esmeraldas, Frutal, Gouveia, Guaxupé, Ibirité, Igarapé, Ipaba, Ipuiúna, Itabira, Itajubá, Itaobim, Itaúna, Ituiutaba, Janaúba, João Monlevade, João Pinheiro, Lagoa da Prata, Lagoa Santa, Lavras, Machado, Manhuaçu, Mariana, Monte Carmelo, Muriaé, Nanuque, Nova Lima, Nova Serrana, Oliveira, Ouro Preto, Pará de Minas, Paracatu, Passos, Patos de Minas, Patrocínio, Pedro Leopoldo, Pirapora, Poços de Caldas, Pompeu, Ponte Nova, Pouso Alegre, Sabará, Salinas, São Sebastião Paraíso, São João Del Rei, Timóteo, Ubaí, Varginha, Vespasiano, Viçosa e Leopoldina.

Participaram também da solenidade no auditório do BDMG, o secretário de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana, Dilzon Melo, o deputado federal João Bittar, os deputados estaduais José Maia, Ademir Lucas, Domingos Sávio e Rosângela Reis, e o presidente do Conselho Nacional de Assistência Social (Congemas), Marcelo Garcia.