• Agenda

    abril 2017
    S T Q Q S S D
    « out    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

Hélio Costa: PSDB pede convocação do ex-ministro

Hélio Costa: PSDB pede convocação do ex-ministro que foi acusado na CPI do Cachoeira de coação pelo ex-diretor do Dnit Luiz Antonio Pagot.

Hélio Costa: CPI do Cachoeira – doação de campanha

 Hélio Costa: PSDB pede convocação do ex ministro

Antonio Pagot, durante depoimentos na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito

Fonte: Nathalia Passarinho – Portal G1

PSDB pede que Hélio Costa seja convocado para falar na CPI

Ex-diretor do Dnit diz que Costa lhe pediu doações para campanha.

Costa nega que tenha procurado Pagot para fazer o pedido.

O PSDB protocolou nesta quarta-feira (29) requerimento para convocar o ex-ministro das Comunicações Hélio Costa a prestar depoimento na CPI do Cachoeira. Nesta terça (28), o ex-diretor do Dnit Luiz Antonio Pagot afirmou à comissão que foi procurado por Costa em busca de doações para sua campanha pelo governo de Minas Gerais.

O ex-ministro, filado ao PMDB, foi derrotado na eleição de 2010 pelo tucano Antonio Anastasia. Em depoimento à CPI, Pagot afirmou que pediu a empresas de construção civil doações à campanha de Dilma Rousseff à Presidência. Segundo ele, no mesmo ano, em 2010, Hélio Costa e a atual ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, pediram auxílio para arrecadação de recursos. Ideli disputava vaga no Senado. Pagot afirmou que se negou a pedir doações para a campanha dos dois.

“Eu posso até dar outro exemplo. Não devia, mas vou. Não foi só a senadora Ideli que me procurou. Teve outra procura que eu fiquei extremamente constrangido e ameaçado. Pede audiência o ex-ministro Hélio Costa. E vem me procurar no sentido de indicar empresas para que fizesse arrecadação. […] eu me manifestei da mesma maneira, dizendo que eu não aceitaria e que procurasse partidos políticos”, disse o ex-diretor do Dnit à CPI.

O ex-ministro Hélio Costa afirmou por telefone nesta terça (28) que não lembra de ter feito pedidos a Pagot e disse não saber as razões pelas quais o ex-diretor do Dnit o acusa.

“Eu não me recordo de ter feito nenhuma solicitação a ele [Pagot]. Estive com ele para tratar de outros assuntos, sempre acompanhado dos meus assessores. Não tenho a menor idéia do que se trata e não sei por que ele está fazendo essas acusações com o meu nome”, declarou.

De acordo com Pagot, Hélio Costa disse que iria tentar retirá-lo da direção do órgão. “Quando ele viu da minha negativa, ele levantou de rompante, me deu de dedo e disse: ‘Vou me eleger governador do estado de Minas Gerais, e a primeira coisa que vou fazer é te tirar do Dnit’. São coisas que se sofre sendo dirigente de uma autarquia”, declarou.

Para o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), autor do requerimento de convocação de Hélio Costa, os fatos narrados pelo ex-diretor do Dnit “são graves e merecem especial atenção” da CPI.

A assessoria de imprensa da ministra Ideli Salvatti afirmou, por meio de nota, que ela “jamais recorreu ao Sr. Luiz Antonio Pagot para solicitar recursos para campanhas ou mesmo indicações de empresas para esse fim”. A nota afirma ainda que a ministra esteve no Dnit “diversas vezes” para tratar do andamento de obras no seu estado, Santa Catarina, quando ainda era senadora e coordenadora do Fórum Parlamentar Catarinense.

Hélio Costa: CPI do Cachoeira – Link da matéria: http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/08/psdb-pede-que-helio-costa-seja-convocado-para-falar-na-cpi.html

Contas da Campanha de Hélio Costa, que teve Patrus Ananias (PT) na chapa, foi desaprovada pelo TRE-MG

TRE-MG desaprova contas de campanha de Hélio Costa para Governo de Minas nas eleições de 2010

Fonte: Tribunal Regional Eleitoral de Minas publicado no Jogo de Poder

Campanha de Hélio Costa, que fez dobradinha com Patrus Ananias (PT) como vice na chapa, deixou uma dívida de R$ 3,8 milhões com fornecedores e prestadores de serviços



Clique aqui e veja o relatório completo: TRE-MG desaprova contas de Hélio Costa

Reprodução do parecer final do TRE-Minas:
“As ocorrências que revelam indício de fraude somam a quantia de R$153.794,31. A estas ocorrências, no entendimento desta Unidade Técnica, não se aplica o conceito e limite de irrelevância, estabelecido no ad. 30, § da Lei n° 9.504197, mas sim caracterização de uso de recursos financeiros pare pagamento de pastas não provenientes da conta especifica de campanha, configurando-se a ilicitude prevista no art, 22, § 3°, do mesmo diploma legal. Por todo o exposto, impõem-se a desaprovação das comas de Helio Calixto da Costa, candidato ao cargo de governador pelo PMDB-MG.”

 

“Nós, prefeitos do PT que não apoiamos Hélio Costa, não traímos o PT disse prefeito de Mutum – expulso pelo PT

A bem da verdade

Fonte: Gentil Simões Caldeira Filho – Prefeito de Mutum (MG), publicado no Estado de Minas

Os jornais noticiam que o PT está punindo com a expulsão os prefeitos do partido que não apoiaram a candidatura Hélio Costa nas últimas eleições. No entanto, no nosso entendimento, nós não apoiamos essa candidatura exatamente para não trair a história e as bandeiras do PT. O PT se forjou como a agremiação política de maior identidade com o nosso povo porque soube incorporar e representar os valores da ética política e da honestidade no trato da coisa pública. Entre o respeito à história do partido e a conveniência eleitoral de alguns membros do partido, ficamos com o respeito e amor ao PT.

A grande derrota eleitoral sofrida pela aliança PMDB-PT revela que a nossa sociedade rejeitou, de forma inquestionável, a aliança formada nessas eleições. A rejeição da população à postura do PT nessas eleições em Minas pode ser medida pelo resultado eleitoral de Belo Horizonte, onde, apesar de apresentarmos os nomes de dois ex-prefeitos, não conseguimos ultrapassar os 20% dos votos.

O PT que respeitamos é um partido com a marca da generosidade e da justiça. Por isso, nos surpreendem, novamente, desapontando tantos de nós: em vez de sairmos das eleições fazendo uma autocrítica que nos permitisse um reencontro com a nossa história, com todos os nossos companheiros e com a população que queremos representar, dão ao partido a voz do rancor e do autoritarismo. Numa expressão da injustiça que está em curso, não se trata, como querem fingir ser, uma questão de fidelidade ao partido.

Se fosse, por coerência, que fossem expulsos os cerca de 30 prefeitos do PT que, insisto, por respeitarem as bandeiras históricas do PT foram levados a apoiar o candidato Antonio Anastasia. Se fosse, que os candidatos da aliança que não apoiaram Hélio Costa, e toda a Minas sabe quem são, também fossem punidos. Se fosse, que a nossa candidata Dilma Rousseff, que publicamente aceitou o voto Dilmasia, fosse desautorizada. E, por fim, que fossem punidos os grandes nomes do partido em Minas que, num claro estímulo à infidelidade, participaram da inauguração do comitê de campanha denominado “Helécio”, que pedia votos para Hélio Costa e Aécio Neves.

A imprensa divulgou a presença de dirigentes do nosso partido na inauguração de um comitê que, na verdade, era um monumento oficial à infidelidade. Várias lideranças do partido estavam no evento estimulando o voto em Aécio quando a aliança PT-PMDB tinha os seus candidatos ao Senado Federal.

Na verdade, o que está em discussão não é a fidelidade partidária, mas a necessidade de alguns demonstrarem o seu poder sobre outros. Parafraseando o grande autor, parece que, para alguns, no PT, todos são iguais, mas alguns são mais iguais que os outros. Trata-se apenas de escolher alguns poucos prefeitos, de preferência de cidades pobres e pequenas do interior do estado, para serem usados como bodes expiatórios, um exemplo para outros filiados que, no futuro, ousem discordar das decisões tomadas pela direção partidária, por mais que elas contrariem a própria essência do PT.

O PT chegou até aqui porque nunca teve dono. Porque sempre soube acolher as diferenças de opinião que naturalmente existem dentro do partido e lidar com elas, reconhecendo, com sabedoria, que o muito que temos em comum sempre deve prevalecer.

Nós, prefeitos do PT que não apoiamos Hélio Costa, não traímos o PT. Traíram o PT aqueles que levaram o partido a renegar a sua história e seus valores apoiando um candidato que representa aquilo contra o que o PT lutou durante toda a sua história. O PT está diante de uma encruzilhada e tem a oportunidade de ser o partido que privilegia o debate interno, a autocrítica, que respeita as diferenças e que respeita a sua própria história. E, ao fim, deixo uma indagação: estou sendo expulso do partido por ter dado a vitória a Dilma no primeiro e no segundo turno em meu município?

Coligação denuncia uso político de Furnas na candidatura Hélio Costa; escritório em BH fez diversos contatos com comitês do PMDB

Coligação Somos Minas Gerais denuncia uso político de Furnas Centrais Elétricas em favor da candidatura de Hélio Costa

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Representação aponta uso de linhas telefônicas de escritório de Furnas em Belo Horizonte para mobilização de partidários do candidato do PMDB

A Coligação “Somos Minas Gerais” entrou com representação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), nesta sexta-feira (01/10), denunciando o uso de bens da empresa estatal Furnas Centrais Elétricas em favor da candidatura de Hélio Calixto Costa e Patrus Ananias. Contas telefônicas obtidas pela coligação mostram que três linhas telefônicas registradas em nome do escritório da estatal em Belo Horizonte foram utilizadas ostensivamente para contatar comitês municipais do PMDB no estado. As ligações investigadas datam de maio, quando o PMDB de Minas fez contatos com os diretórios municipais para divulgação de vídeos gravados por Hélio Costa dirigidos aos militantes do partido.

A representação pede à Justiça Eleitoral investigação das contas telefônicas de Furnas durante os meses da campanha eleitoral sob suspeita de que o escritório permaneceu sendo usado para organização de atos partidários em favor de Hélio Costa e Patrus Ananias. O escritório da estatal em Belo Horizonte era dirigido por Sinval Ladeira, que deixou o cargo para assumir uma das funções de coordenação da campanha de Hélio Costa e Patrus Ananias. Em seu lugar assumiu Ivan Corrêa de Souza.

O uso de bens públicos em favor de candidatos constitui conduta ilícita, proibida pelo artigo 73 da Lei Eleitoral (9.504/1997). As penas estabelecidas são de cassação dos registros dos candidatos e declaração de inelegibilidade por 8 anos, além de multa. A representação cita os candidatos Hélio Costa e Patrus Ananias, a Coligação “Todos juntos por Minas” e Ivan Corrêa Souza.

“São proibidas aos agentes públicos, servidores ou não, as seguintes condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais: … ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis, pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Município”.

A chamada “vídeo-aula” feita por Hélio Costa foi transmitida via satélite, durante duas horas, na noite de 17 de maio, quando o candidato já havia deixado o Ministério das Comunicações. Nela, Costa anuncia sua candidatura a governador, pede votos e faz promessas se eleito. Cerca de 500 diretórios municipais do PMDB teriam participado. Novas exibições do vídeo estavam programadas, mas foram impedidas pelo TRE-MG, que considerou a vídeo-conferência como promoção indevida do candidato e propaganda eleitoral antecipada.

Uso de bens públicos em favor de Costa durante a campanha

Os advogados da coligação Somos Minas Gerais entregaram à Justiça os históricos das três linhas telefônicas do escritório de Furnas. Neles, estão registradas dezenas de ligações para os dirigentes do PMDB nos municípios de Alfenas, Abadia dos Dourados, Aimorés, Araújos, Alto Caparaó, Arantina, Astolfo Dutra, Alvinópolis, Além Paraíba, Augusto de Lima, Bertopólis, Botelhos, Bambuí, Bicas, Bom Jesus do Amparo e Campina Verde.

Na representação, os advogados solicitam ao responsável pelo escritório de Furnas que informe todos os números de telefones que servem ao órgão, com a remessa de todas as contas nos meses de maio, junho, julho, agosto e setembro de 2010, e respectivos históricos das ligações, incluindo os destinatários. Também solicitam ao PMDB que remeta a lista de endereços e telefones de seus dirigentes partidários em todos os municípios mineiros, inclusive de todos os delegados credenciados para a convenção regional realizada em 2010.

Os advogados solicitam também que seja ouvidos em depoimento os candidatos Hélio Calixto Costa e Patrus Ananias, e Ivan Corrêa, além dos dirigentes do diretório estadual e de diretórios municipais do PMDB e da coligação do PMDB.

Uso eleitoral dos Correios
Em 21 de setembro, a Coligação Somos Minas Gerais entrou com representação no TRE-MG denunciando Costa por uso de bens da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos em Minas Gerais. Na representação, a coligação questiona os eventos realizados para inauguração de novas agências no Estado e uma campanha institucional da direção dos Correios em Minas. Pede também a investigação sobre o uso de aeronaves da empresa  Helimarte Táxi Aéreo nas viagens que Costa fez como ministro das Comunicações e, posteriormente, já na condição de pré-candidato e candidato a governador pelo PMDB.

Na representação, os advogados apontam finalidade eleitoral nos atos oficiais de inauguração de agências dos Correios, com pedidos expressos de voto e referência à candidatura de Hélio Costa em discursos, antes do início do período eleitoral, além da presença nas solenidades de correligionários e cabos eleitorais.

Quatro dias antes de deixar o cargo de ministro, Costa participou da inauguração de nova agência dos Correios em Paraisópolis, ao lado do então presidente da empresa, Carlos Henrique Custódio. Na ocasião, o ministro fez um discurso em favor da pré-candidata Dilma Rousseff e, em seguida, Custódio pediu voto para Hélio Costa.

A representação protocolada pela coligação Somos Minas Gerais questionou também a utilização por Hélio Costa e diretores dos Correios em Minas de aeronaves da mesma empresa de táxi aéreo, usadas por ele quando ministro das Comunicações e, em julho, já como candidato a governador.

As aeronaves são os helicópteros Esquilo prefixos PT-HYO e PT-HNE, de propriedade da empresa Helimarte Táxi Aéreo Ltda (CNPJ nº 03.330.048/0001-56), com sede em São Paulo. Em 17 de novembro de 2009, quando ainda ocupava o cargo de ministro das Comunicações, Costa se utilizou do helicóptero da empresa para uma viagem ao município de Manhuaçu, para uma atividade relacionada à eleição da nova direção do diretório do PMDB em Minas. Em 22 de abril deste ano, já como ex-ministro e pré-candidato, ele também utilizou aeronave da Helimarte para participar da inauguração de uma agência dos Correios no município de Quartel Geral. No mesmo vôo seguiu o diretor regional da empresa, Fernando Miranda.

Do mesmo modo, nos dias 9 e 10 de julho de 2010, já no período eleitoral iniciado em 5 de julho, Hélio Costa utilizou novamente as aeronaves da Helimarte para se deslocar até os municípios de Cataguases e Montes Claros, onde aconteceram eventos partidários.

Os advogados da coligação pediram a investigação junto à empresa de táxi aéreo, sobre quem pagou os fretamentos das aeronaves em cada uma das viagens, o valor cobrado, percurso e escalas, com os respectivos locais de embarque e desembarque; e listagem de passageiros; devendo, ainda, serem remetidas as respectivas notas fiscais.

A representação requereu, também, que o diretor regional dos Correios, Fernando Miranda, apresente, em um prazo de 24 horas, informações sobre os gastos da empresa com o fretamento ou aluguel de aeronaves para o deslocamento do ex-ministro das Comunicações e diretores dos Correios para os eventos de inauguração das agências. Foi solicitada a identificação dos nomes das empresas contratadas para os deslocamentos, as respectivas datas e locais de decolagem e pouso, bem como a lista de passageiros de cada vôo À INFRAERO, por meio do escritório no Aeroporto de Confins, informações sobre os planos de vôo e lista de passageiros das aeronaves citadas (helicópteros prefixos PT-HYO e PT- HNE) que realizaram viagens para os municípios de Manhuaçu, Quartel Geral, Cataguases e Montes Claros. A ação solicitou, ainda, à empresa Helimarte Táxi Aéreo Ltda, que preste informações sobre os responsáveis pela contratação das aeronaves.

Tom Cavalcante responde acusação Hélio Costa: “Se fazer humor no Brasil é uma ameaça às candidaturas, tenho um sentimento que existe algo de errado no ar”, disse

Vídeo de Costa é ‘liberdade de expressão’, diz humorista

Fonte: Eduardo Kattah – Estado de S. Paulo

EDUARDO KATTAH – Agência Estado

O humorista Tom Cavalcante alegou hoje que o vídeo que circula na internet e no qual satiriza o candidato peemedebista ao governo de Minas Gerais, Hélio Costa, faz parte da “liberdade de expressão legitimada pelo Supremo”. Cavalcante admitiu que tem “forte ligação e crença” na política praticada pelo ex-governador Aécio Neves (PSDB), de quem é amigo.

A coordenação da candidatura de Costa atribuiu à campanha do tucano Antonio Anastasia a responsabilidade pelo vídeo. A campanha do governador e candidato à reeleição negou qualquer vinculação com a sátira, na qual o humorista aparece caracterizado como o candidato do PMDB e ironiza a estratégia da chapa que tem como vice o ex-ministro Patrus Ananias (PT). No vídeo, o humorista se apresenta como “Discosta” e se refere a Patrus como “Patrás”.

“Se fazer humor no Brasil é uma ameaça às candidaturas, tenho um sentimento que existe algo de errado no ar. Humor não modifica voto verdadeiro. O candidato o terá sempre de quem acredita no seu projeto. Humor faz rir. Devagarinho vamos avançando e saindo do primarismo”, disse.

“Tenho uma forte ligação e crença pela política praticada por Aécio, além de sermos amigos”, também declarou Cavalcante, em manifestação distribuída por sua assessoria. “Faço humor político há muitos anos imitando nossos políticos FHC (Fernando Henrique Cardoso), Lula, (José) Sarney, (Fernando) Collor, Itamar (Franco), Aécio e agora Hélio.”

Ao participar de uma carreata em Contagem, Aécio defendeu o vídeo do humorista, que classificou como uma “manifestação artística, engraçada”. “Quando a coisa é feita respeitosamente e com assinatura, é parte da democracia. O que deve ser condenado veementemente é a utilização de documentos apócrifos, da internet para calúnias e mentiras, sem que se tenha coragem de assumi-las. Fizemos a campanha limpa, a campanha correta”, afirmou.

Link da matéria: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,video-de-costa-e-liberdade-de-expressao-diz-humorista,618499,0.htm

Reta final: Pesquisa do Estado de Minas mostra que Anastasia tem 12 pontos de diferença para Costa

EM Data: vantagem de Anastasia sobe para 12 pontos

Fonte: Isabella Souto e Juliana Cipriani – Estado de Minas

Anastasia amplia vantagem e pode vencer amanhã

Tucano tem 43% da preferência do eleitorado mineiro, 12 pontos percentuais à frente de Hélio Costa, e 55% do total de votos válidos, segundo pesquisa do Instituto EM Data

A dois dias das eleições, o governador Antonio Anastasia (PSDB) ampliou a vantagem em relação ao principal adversário, o senador Hélio Costa (PMDB), e pode ser reeleito amanhã em primeiro turno. Na corrida pelo Palácio da Liberdade, o tucano tem 43% das intenções de voto dos mineiros, 12 pontos percentuais à frente do peemedebista, preferido por 31% dos eleitores. O número de indecisos ou de quem não vai votar em nenhum dos oito candidatos a governador chega a 22% dos entrevistados. Os dados fazem parte da terceira rodada da pesquisa do Instituto EM Data, realizada entre 29 de setembro e ontem com 1,1 mil eleitores de 51 municípios de Minas Gerais.

De acordo com o levantamento, o governador Anastasia passou de 32% em pesquisa feita no fim de agosto para 40% das intenções de voto entre 19 e 21 de setembro, chegando a 43% agora. Já Hélio Costa, preferido por 33% do eleitorado na última rodada do levantamento, registrou oscilação negativa de dois pontos percentuais. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Todos os demais candidatos somaram apenas 3% das intenções de voto. Os únicos que pontuaram foram o deputado federal José Fernando Aparecido Oliveira (PV) e o professor Luiz Carlos (PSOL), apontados por 2% e 1%, respectivamente.

Na análise apenas dos votos válidos – excluídos os brancos e nulos -, Anastasia aparece com 55% das intenções de voto e Hélio Costa com 40%. Os demais candidatos somam 6% – o que garantiria a vitória do tucano já amanhã. Para haver um segundo turno é necessário que a soma dos votos de todos os adversários seja um número superior ao do primeiro colocado. Ainda assim o EM Data fez uma simulação de segundo turno, quando mais uma vez Anastasia assume a dianteira: recebeu 47% das citações contra 34% do candidato do PMDB.

“A pesquisa confirma a tendência de crescimento de Anastasia, que já tem uma frente mais confortável de votos sobre Hélio Costa. Então, há um indicativo de que ele deve ganhar em primeiro turno”, disse o diretor do Instituto EM Data, Adriano Cerqueira. Segundo ele, mesmo com a margem de erro, Anastasia teria no mínimo 52% dos votos válidos, o suficiente para terminar as eleições amanhã. O único risco para um segundo turno em Minas seria um aumento nas abstenções – pessoas que não vão votar.

REGIÕES
O levantamento mostra ainda que o governador Anastasia tem a preferência do eleitorado em cinco das seis mesorregiões de Minas Gerais. O maior percentual de intenções de voto atingido pelo tucano foi na Região Central e no Campo das Vertentes, onde obteve 52% das preferências, seguido do Norte e Jequitinhonha com 51%. Já Hélio Costa assume a liderança na corrida pelo governo estadual apenas no Triângulo Mineiro, onde obteve 42% das citações dos entrevistados, sete pontos percentuais à frente de Anastasia. A pior votação do peemedebista é na Zona da Mata, onde recebeu o voto de 25% dos eleitores que responderam ao questionário.

Levando-se em conta a faixa etária, Anastasia lidera em todas elas, com destaque para os jovens entre 16 e 24 anos: 52% deles pretendem votar pela reeleição do atual governador, enquanto 31% devem digitar o número de Hélio Costa. O maior percentual de preferência pelo peemedebista corresponde à faixa de eleitores entre 35 e 44 anos: 37%. O tucano lidera ainda em todas as faixas de renda, com destaque para 50% daqueles que disseram ganhar entre 5 e 10 salários mínimos. Faixa que destina o menor percentual de votos para Hélio Costa, 28%. Outros 17% desse grupo de renda estão indecisos ou vão votar nulo e 5% preferem os outros candidatos.

O Tempo: Campanha de Hélio Costa avalia que filiados e políticos do PT não tiveram empenho pela vitória

“Sem militância, perderemos”

Fonte: O Tempo

Última esperança da coligação é a “onda vermelha” pedindo votos para o PMDB. Campanha de Hélio Costa avalia que filiados e políticos do PT não se empenharam pela vitória

“Nós estamos nas mãos da militância do PT. Ou a militância nos abraça ou perderemos definitivamente”. As frases ditas por um integrante da coordenação de campanha do candidato do PMDB ao governo de Minas, Hélio Costa, resume bem o clima dentro do comitê peemedebista. O sentimento dos integrantes é que a militância petista não se envolveu como poderia na campanha em Minas.

A última esperança de que possa ocorrer uma reviravolta nos rumos da eleição é a chamada “onda vermelha”, movimento no qual a militância petista se mobiliza e vai às ruas pedir votos para seus candidatos. Nos bastidores, os peemedebistas acreditam que só essa manifestação por parte dos mais de 100 mil filiados ao PT no Estado pode reverter a desvantagem de Hélio frente ao rival Antonio Anastasia (PSDB).

Há reclamações também em torno de um suposto “corpo mole” de deputados federais petistas mais ligados à militância. “Há aqueles que não fizeram rigorosamente nada por nós durante essa campanha”, afirma o integrante da coordenação de campanha de Hélio Costa. O presidente estadual do PT, deputado federal Reginaldo Lopes, não foi encontrado pela reportagem para falar sobre o assunto.

ARESTA. A sinalização de que a militância petista não entrou de cabeça na campanha foi dada pelo candidato a vice de Hélio, Patrus Ananias (PT). Durante a semana, Patrus admitiu que a militância do partido em Minas está “ferida” e “machucada”. O petista culpou as eleições de 2008, quando o ex-prefeito Fernando Pimentel (PT) se aliou ao ex-governador Aécio Neves (PSDB) para eleger Marcio Lacerda (PSB).

Dilma e Lula contrariam a expectativa
A visita que o candidato do PMDB ao governo de Minas, Hélio Costa, esperava da presidenciável petista Dilma Rousseff não vai ocorrer na reta final da campanha. Inicialmente, o peemedebista esperava Dilma ontem. Depois, a previsão era que ela estivesse no Estado hoje. Entretanto, nenhuma das viagens da petista a Minas foi confirmada.

As agendas de ontem de Hélio e seu vice, Patrus Ananias (PT), previam, originalmente, a participação de Dilma. Os dois foram a Nanuque, Governador Valadares, Bocaiuva e Montes Claros. A expectativa da campanha do peemedebista era que Dilma estivesse em Governador Valadares e Montes Claros.

Na reta final da corrida eleitoral, Dilma e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não compareceram a Minas Gerais para fazer campanha, como queria a coordenação da coligação de Hélio Costa.