• Agenda

    janeiro 2020
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Em entrevista ao Hoje em Dia, Pimenta revela as principais metas de seu Plano de Governo

Em entrevista, Pimenta destaca a modernização da infraestrutura e a dinamização da economia de Minas, como algumas das metas de governo.

Coligação Todos por Minas

Pimenta da Veiga quer dinamizar a economia de Minas

Fonte: Hoje em Dia

Em entrevista ao Hoje em Dia, o candidato da coligação “Todos por Minas”, Pimenta da Veiga (PSDB), revela as principais metas de sua proposta de governo, caso seja eleito. No plano social, ele garante que as prioridades serão a saúde, educação e segurança. Além da infraestrutura, a dinamização econômica de Minas também está no radar do tucano.

Em seu plano de governo, qual ponto o senhor considera o mais importante e por quê?

As principais bases do nosso plano de governo são a área social, com prioridade para saúde, educação e segurança pública; a modernização da infraestrutura urbana; e a dinamização da economia de Minas.

Além desses pontos, quais são as áreas prioritárias e como pretende desenvolvê-las?

Na educação, vamos levar o ensino integral a todas as escolas do Estado; aumentar as vagas e diversificar os cursos profissionalizantes; valorizar os professores por meio de promoção automática dos que concluírem mestrado ou doutorado e ainda oferecer condições para que optem pelo trabalho integral em uma só escola.

Na segurança, vamos aumentar o policiamento ostensivo e ampliar o efetivo das polícias Militar e Civil. Queremos avançar com os programas de prevenção à criminalidade e às drogas, como o Fica Vivo, pois o tráfico é a principal causa da violência.

Na saúde, vamos ampliar, reformar e construir 17 hospitais regionais, com objetivo de fortalecer o processo de regionalização da saúde. A intenção é fazer com que as pessoas tenham atendimento médico o mais próximo possível de suas casas. Para isso, vamos também implementar incentivos aos médicos que se fixarem nas pequenas cidades.

Na infraestrutura, vamos atacar o problema da mobilidade urbana. Primeiro, é preciso um transporte público de qualidade. O mais eficiente é o sistema sobre trilhos. Na Região Metropolitana, por exemplo, a solução é o metrô. Temos o compromisso de construir o Rodoanel Norte e também 22 contornos rodoviários ao redor de cidades de médio e grande porte, eliminando o tráfego pesado de caminhões e tornando o trânsito mais seguro na Região Metropolitana. E também vamos construir o Rodoanel Sul, ligando Betim à BR-040.

Como pretende trabalhar pelo desenvolvimento econômico e social das regiões de Minas?

Para fazer com que Minas dê um novo salto na economia, vamos aproveitar as potencialidades regionais e diversificar os empreendimentos. Além disso, vamos investir na infraestrutura e na logística, assim como reduzir a carga tributária, dentro da competência do governo estadual. Com isso, aumentamos as oportunidades, gerando mais empregos e atraindo mais recursos para a melhoria da qualidade de vida dos mineiros. Vamos manter todos os programas sociais, como o Travessia.

Entre 2002 e 2012, Minas reduziu a desigualdade social em 10,9%, um resultado melhor que a média do Brasil e do Sudeste. Mais de 3 milhões de mineiros foram beneficiados pelo Travessia em 309 municípios. O programa promove a inclusão social e produtiva da população em situação de pobreza e vulnerabilidade social, por meio de uma série de ações articuladas entre várias secretarias de Estado e órgãos da administração. Temos que ressaltar que o mineiro tem enorme capacidade empreendedora, sempre soube aproveitar as oportunidades de trabalho nas diferentes áreas e precisa ser cada vez mais incentivado a produzir.

Quais são os principais desafios que o novo governador enfrentará?

São vários porque administrar um estado com as dimensões de Minas, com suas diversidades e potencialidades, exige dedicação e trabalho. Reduzir, por exemplo, as diferenças sociais entre as nossas regiões vai exigir muito esforço e determinação porque o modelo econômico adotado pelo governo federal nos últimos anos aponta para momentos difíceis. Mas, da nossa parte, não faltará o empenho para que as regiões mais pobres, como o Norte, o Jequitinhonha e o Mucuri recebam mais investimentos que as regiões mais ricas. Queremos diminuir a distância social entre as regiões de Minas, sem deixar, no entanto, de criar alternativas para que as mais desenvolvidas não fiquem paradas no tempo.

A crise internacional persiste e compromete o crescimento econômico do Brasil. O que fazer para que Minas se expanda e sustente seus projetos de governo?

Não é só a crise internacional que preocupa, mas a política econômica do governo federal do PT que trouxe de volta a inflação com profunda recessão. O retorno da inflação significa prejuízo para todos, é vizinha da corrupção, impede o crescimento, o desenvolvimento de cidades e pessoas. Apesar disso, nos últimos anos, Minas cresceu mais do que a média nacional. A indústria mineira aumentou a sua parcela na economia do Estado, segundo o IBGE. Em 2002, o setor respondia por 27,5% da economia mineira e passou para 32,8% em 2011. Esse índice representa mais do que o crescimento da média nacional. Em 2002, a indústria no Brasil tinha participação de 27,1% e cresceu 0,4 ponto percentual em 2011, quando chegou a 27,5% na economia nacional.

O senhor se considera preparado para enfrentar um eventual cenário negativo, com perdas de arrecadação?

Me sinto extremamente preparado. Além da atração de investimentos, como já citei, vamos intensificar a parceria com a iniciativa privada. Minas é o estado com maior número deParcerias Público Privadas (PPP). Nos últimos seis anos, o Governo de Minas conseguiu atrair R$ 2,3 bilhões para projetos de PPP, e outros R$ 5 bilhões em projetos em licitação. Minas se tornou referência nacional e internacional quando se trata desse modelo, com reconhecimento pela revista britânica World Finance e pelo Banco Mundial.

Se eleito, que Estado o senhor deseja entregar?

Uma Minas onde todos tenham orgulho de dizer onde vivem. Meu maior compromisso é com os cidadãos. As ações do governo terão como objetivo principal promover o bem-estar das pessoas que devem ser contempladas com políticas públicas que tornem nosso Estado uma terra de oportunidades para todos.

Se eleito, qual será o perfil do seu secretariado?

Competência e espírito público. É o que buscaremos entre os homens e mulheres de bem para compor o nosso governo. Queremos fazer um governo moderno, com eficiência em gestão. Como somos apoiados por uma ampla coligação – que inclui 14 partidos, além de lideranças de outras legendas que ao longo da campanha, foram se juntando a nós – não precisaremos nos render a conchavos ou alianças espúrias para garantir governabilidade. O eleitor pode esperar de nós o compromisso com a ética e o interesse público em todas as nossas ações, o que começará já na montagem da equipe de governo.

Por que os mineiros devem votar no senhor?

A nossa candidatura é a mais preparada para governar Minas. Tenho percorrido diversas cidades para escutar as pessoas sobre seus principais sonhos e demandas. Ninguém pode governar bem um país, um estado, um município se não for ouvindo os destinatários das nossas ações. O que me credencia é a minha história pessoal e política, de quase 40 anos dedicados ao interesse público, que me ensinou que o foco de um governo deve ser a melhoria da vida das pessoas.

Aeroporto de Goianá será entregue a PPP

Parceria público-privada prevê uma empresa para gerir a unidade com o foco principal voltado para o transporte de cargas.

Parceria público-privada

Fonte: Estado de Minas

Privatização para alavancar Goianá

Pedro Rocha Franco

Aeroporto Regional Itamar Franco, em Goianá (Zona da Mata), será concedido à iniciativa privada nos próximos 30 anos, segundo edital publicado ontem pela Secretaria Estadual de Transportes e Obras Públicas. A parceria público-privada prevê que uma empresa seja contratada para administrar e operar a unidade com o foco principal voltado para o transporte de cargas, permitindo assim que o aeroporto finalmente decole. As propostas podem ser enviadas até 21 de outubro.

Até o terceiro ano de contrato, a empresa terá que elaborar os estudos de engenharia de 13 ações obrigatórias. A lista inclui a ampliação da pista de pousos em 500 metros, recapeamento da pista e do pátio de aeronaves, implantação de um terminal de cargas com 8 mil metros quadrados e revitalização da rodovia MG-353, que dá acesso ao aeroporto, além da aquisição de equipamentos usados no transporte de cargas, como câmaras frigoríficas, balança rodoviária e trator agrícola. Caso até lá haja demanda para as obras, a empresa será acionada para executá-las. “Hoje o aeroporto tem uma estrutura adequada. Está apto a receber voos de carga”, afirma o subsecretário de Regulação de Transportes do governo estadual, Diego Vettori.

O edital prevê escolha da empresa por meio da oferta do menor preço em relação à contribuição do estado. O teto em 30 anos é de R$ 146,8 milhões. A concorrente precisará também comprovar experiência da operação do terminal de cargas e de passageiros.

política tarifária está diretamente vinculada à arrecadação. O edital estabelece 11 faixas de divisão dos valores captados. A primeira, que considera arrecadação anual de até R$ 500 mil, define que o valor será repassado integralmente aos cofres públicos. Caso a soma supere R$ 13,5 milhões por ano, a empresa fica com 90% e repassa o restante ao governo estadual.

A proposta é permitir que o aeroporto da Zona da Mata seja um eixo de um polo logístico da região, devido à proximidade com o Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Inaugurado em 2011, depois de obras do governo estadual orçadas em R$ 92,7 milhões, o aeroporto nunca obteve o sucesso esperado, inclusive tendo ficado um período sem voos regulares. Atualmente, o aeroporto é administrado pela empresa Multiterminais Alfandegados Ltda. A Azul opera com voos diários, para Campinas (SP) e Belo Horizonte. “A expectativa é assinar com um parceiro com experiência em operação de logística, que é a vocação do aeroporto”, diz o subsecretário.

Conheça as diretrizes do Programa de Pimenta da Veiga

Pimenta está percorrendo Minas, para ouvir as pessoas, sugestões e abriu um canal de participação para interagir com os mineiros.

Eleições 2014

Fonte: Site do candidato Pimenta da Veiga

Pimenta da Veiga está percorrendo cada canto de Minas para ouvir as pessoas e suas sugestões. E está abrindo um canal de participação via internet para que cada mineiro possa interagir com as suas propostas: o Ouvir Você.

Durante todo o mês de agosto, essas contribuições serão recebidas e avaliadas. E, em setembro, será lançado, oficialmente, o Plano de Governo.

A equipe de elaboração do Plano será coordenada pelo ex-ministro de Estado do Trabalho, ex-ministro do Planejamento e Orçamento no governo FHC e professor da Fundação Dom CabralPaulo Paiva, junto ao advogado e gestor público Thiago Bregunci e contará com uma rede de colaboradores e especialistas de áreas consideradas prioritárias, entre eles, professores, médicos, engenheiros e economistas.

Conheça abaixo os compromissos da nova gestão e as diretrizes do Plano de Governo.

COMPROMISSOS DA NOVA GESTÃO

O primeiro e principal compromisso do governo de Pimenta da Veiga em Minas Gerais será com os cidadãos. As ações do governo terão como objetivo principal promover o bem-estar das pessoas, que devem ser respeitadas e contempladas com políticas públicas que tornem nosso Estado uma terra de oportunidades.

O desenvolvimento almejado nos próximos anos possui três dimensões: crescimento econômico, inclusão social e sustentabilidadeMinas Gerais possui a terceira maior economia do país e precisa seguir progredindo, sempre com a preocupação de reduzir desigualdades para que mais pessoas participem dos avanços alcançados. Que o desenvolvimento gere oportunidades para todos os mineiros. A preocupação com o meio ambiente também é central, já que os recursos naturais abundantes precisam ser utilizados de maneira sustentável para que as futuras gerações também possam desfrutar dos mesmos.

Os verdadeiros propulsores para esse desenvolvimento são a Educação e a Infraestrutura. Depois dos importantes avanços educacionais nas administrações do PSDB em Minas Gerais, nos últimos anos, a educação será um dos pilares do próximo governo. Somente com um ensino de qualidade, poderemos dar às nossas crianças dignidade e chances para desenvolverem seus talentos.

Outro propulsor será a melhoria da infraestrutura. O Governo Estadual focará suas ações no aperfeiçoamento do sistema de logística, com apoio à mobilidade urbana. Tanto nas cidades quanto nas estradas, os cidadãos devem se deslocar em vias de qualidade. Com melhor infraestrutura, a economia mineira ficará mais competitiva e mais empregos serão criados.

O modelo de boa governança fortalecerá as políticas sociais, buscando integrar as ações com foco, por exemplo, na qualidade do atendimento à saúde e eficiência na segurança pública, duas áreas fundamentais para os cidadãos.

Os desafios são muitos e os avanços necessários. Pimenta da Veiga promete não poupar esforços para oferecer aos mineiros uma gestão transparente, responsável e ética, princípios que sempre o acompanharam em sua extensa vida pública.

DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO

Minas Gerais precisa avançar ainda mais. O principal desafio do desenvolvimento do Estado é a redução das suas desigualdades: diminuir o hiato entre o tamanho da economia (3ª no Brasil) e a distribuição dos frutos de sua riqueza (9ª no índice de IDH no Brasil), promover o desenvolvimento com inclusão, estimular o bem-estar da população e garanti-lo às gerações futuras.

A busca do desenvolvimento inclusivo e sustentável é a diretriz que norteará o programa do governo Pimenta da Veiga. Crescimento econômico com inclusão social e equilíbrio ambiental.

O programa de governo de Pimenta da Veiga, nos próximos quatro anos, será ancorado em um plano estratégico de longo prazo, o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado, e nos compromissos com o desenvolvimento inclusivo e sustentável, visando aumentar a eficiência da economia e a redução das desigualdades. Estará alicerçado nos compromissos com a democracia e na consolidação da cidadania, ampliando os canais de diálogo com a sociedade e fortalecendo as instituições constituídas.

As políticas, os programas e projetos dos quatro anos de governo estarão alinhados com essa visão de longo prazo: um Estado próspero e justo; um Estado onde as oportunidades estejam disponíveis igualmente para todos seus cidadãos; um Estado onde crescimento econômico, inclusão social e preservação ambiental andem juntos. Estes serão construídos com processos de participação eficiente e efetiva, especialmente com uso de novas tecnologias de informação e comunicação.

As riquezas de Minas Gerais estão em seus infindáveis recursos naturais, em uma estrutura produtiva robusta e no enorme potencial de seus recursos humanos. Alavancar essas riquezas, tarefa fundamental do Estado, eleva o bem-estar de todas as pessoas.

O governo Pimenta da Veiga se compromete e irá executar políticas públicas visando dotar a população mineira de crescente capital humano, condição necessária para a redução da pobreza e das desigualdades e para o aumento da produtividade e da competitividade, isto é, do crescimento econômico.

A educação será o principal pilar da política de desenvolvimento inclusivo e sustentável do governo. Marca de sucesso na administração do PSDB nos últimos 12 anos, a orientação será melhorar ainda mais a qualidade do ensino, refletida nos indicadores de proficiência dos alunos, ampliar a inclusão das crianças na pré-escola, em parceria com os municípios, e desenvolver um abrangente programa de educação profissional em parceria com outros agentes. Atenção muito especial será dada à qualidade das escolas públicas localizadas em áreas de grande vulnerabilidade social e à expansão das escolas em tempo integral.

Alinhados com a educação, serão estimulados o progresso tecnológico e a inovação.

Inovação e eficiência serão as marcas das políticas públicas na educação.

Infraestrutura será o outro pilar da política de desenvolvimento inclusivo e sustentável.

Governo Estadual focará suas ações referentes a infraestrutura na melhoria do sistema de logística e no apoio à melhoria da mobilidade urbana. No sistema rodoviário estadual, as gestões do PSDB fizeram avanços extraordinários com a execução do Programa ProAcesso, que garantiu a ligação, por rodovia pavimentada, de todos os municípios mineiros. O desafio agora será pavimentar os trechos que conectam os eixos relevantes da malha rodoviária do Estado.

Será dada prioridade à construção de anéis rodoviários nas principais cidades do Estado, visando retirar das vias urbanas o tráfego intermunicipal, aumentando vigorosamente a segurança no tráfego e reduzindo o tempo de deslocamento urbano e rodoviário no Estado. Será consolidado o projeto que transforma o aeroporto internacional Tancredo Neves, em Confins, em um polo de desenvolvimento regional no Estado. Para além dos pilares citados anteriormente, terão destaque outras prioridades.

Na área da saúde, o Governo Estadual terá papel preponderante na coordenação das ações do SUS e sua política de saúde dará importância às ações de prevenção e de expansão das redes materno-infantil, de hipertensão e diabetes, de atenção ao idoso e de urgência e emergência.

Qualidade no atendimento ao usuário do SUS será a marca das políticas públicas na saúde.

Com o objetivo de dar tranquilidade à população e de desenvolver um ambiente próspero aos cidadãos mineiros, estará entre as prioridades a segurança pública. Com maior investimento em inteligência e integração das atividades policiais e expansão das políticas de prevenção, o governo irá reduzir os índices de criminalidade e ampliar a sensação de segurança nas cidades mineiras.

O desenvolvimento inclusivo e sustentável buscará o equilíbrio entre suas dimensões econômica, social e ambiental. Ênfase será dada à incorporação de novas tecnologias e de inovação, tanto para aprofundar a verticalização da indústria e do agronegócio, agregando valor aos seus produtos, quanto para aumentar a produtividade das atividades dos setores de serviços.

O empreendedorismo será estimulado, bem como serão apoiadas as micro e pequenas empresas, principal fonte de emprego e acesso à renda no Estado, tendo como referência a nova economia.

Na área de meio ambiente, será dada atenção especial a programas de eficiência energética e uso da água, ampliação do saneamento das bacias hidrográficas estaduais e de conservação dos parques estaduais.

Na área da cultura, serão desenvolvidas políticas de preservação do patrimônio cultural deMinas Gerais, ações de fomento à economia criativa, especialmente ligada à gastronomia e à música, além de incentivos às iniciativas culturais no interior do Estado.

As políticas de enfrentamento das vulnerabilidades sociais e garantia das liberdades individuais estarão sempre buscando um alinhamento com programas e ações nos âmbitos Federal e Municipal. Tornar eficaz o papel do Governo Estadual na rede de proteção social será a estratégia para assegurar a dignidade dos cidadãos mineiros.

Em síntese, apoiado no seu compromisso fundamental com as pessoas, Pimenta da Veigapretende aproximar o governo dos cidadãos e contribuir para a prosperidade e a equidade em Minas Gerais, transformando-a em uma terra de oportunidades permanentes para todos os mineiros.