• Agenda

    junho 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Santa Casa será ampliada no governo de Pimenta da Veiga

Pimenta voltou a alertar a população sobre a omissão e o descaso do governo federal que não deu a devida atenção ao setor em Minas.

Coligação Todos por Minas

Fonte: Pimenta 45 

Pimenta da Veiga garante ampliação de parceria do Governo do Estado com a Santa Casa

Candidato diz que vai fortalecer regionalização da saúde em Minas e volta a demonstrar perplexidade com escândalos de corrupção envolvendo o PT

Ao reiterar seus compromissos em relação à rede estadual de saúde, o candidato a governador pela Coligação Todos por MinasPimenta da Veiga, voltou a alertar a população sobre a omissão e o descaso do governo federal que, nos últimos anos, não deu a devida atenção ao setor em Minas Gerais, “não construindo nenhum hospital” no Estado. Segundo ele, o Governo do Estado tem feito enormes esforços ao assumir toda a responsabilidade pelos investimentos no sistema de saúde em Minas. Durante encontro com dirigentes da Santa Casa de Belo Horizonte, nesta segunda-feira (08/09), Pimenta voltou a destacar a regionalização da assistência à saúde como sua grande proposta para o setor.

“O esforço do Governo do Estado é muito grande porque o governo federal, nos últimos anos, não fez um hospital sequer em Minas. Portanto, a responsabilidade ficou toda com o Estado, que tem cumprido esse papel. O sistema de saúde que está implantado em Minas é uma rede regionalizada, já existem hospitais prontos, existem vários em construção e alguns em fase de projeto. Vamos concluir todos eles, equipá-los e colocá-los em funcionamento nas melhores condições. É um sistema muito bom, que vamos levar avante, para cada vez mais melhorar a saúde do cidadão”, garantiu Pimenta.

Durante a reunião, o candidato recebeu uma carta de reivindicações dos médicos da instituição e ressaltou que vai reforçar as parcerias com a Santa Casa. “A saúde de Minasdeve muito à Santa Casa pelo atendimento que faz, com mais de mil leitos ofertados. Teremos no meu governo, sendo eleito, uma parceria constante com a Santa Casa, com convênios que vamos fazer e dando seguimento aos que já foram firmados. Este ano a instituição receberá quantia expressiva do Estado, estabelecendo novos pontos de parceria, como, por exemplo, financiamentos pelo BDMG para investimentos e custeio”, disse.

O provedor interino da Santa Casa, Porfírio Andrade, também destacou a importância da parceria com o Estado. “Fizemos um acordo com o Governo do Estado, que irá repassar recursos para manter a maternidade da Santa Casa em funcionamento. Ela existe há quase 100 anos e queremos continuar prestando um bom serviço aos mineiros. Os bancos de fomento, que têm taxas de juros de longo prazo e mais baixas, nos permitem fazer investimentos com um custo menor. Apresentamos um documento de demandas aos candidatos porque queremos ter uma parceria maior com o Estado”, disse Porfírio.

Governo de Minas vai disponibilizar, este ano, até R$ 4 milhões para que a Santa Casa de Belo Horizonte faça as obras de adequação na Maternidade Hilda Brandão. O Estado também disponibilizará mais R$ 5 milhões como incentivo financeiro destinado ao custeio da instituição. Somente em 2014, o Governo de Minas já repassou à Santa Casa da Capital R$ 3,7 milhões, por meio do Pro-Hosp. Entre 2003 e 2013 foram, no total, R$ 48,7 milhões repassados pelo programa. Além disso, mais R$ 788 mil foram destinados à instituição, desde 2003, por meio de outros convênios com o Estado.

Foco nas propostas

Em relação à campanha eleitoral, Pimenta reafirmou seu compromisso com a apresentação de propostas e o debate de ideias. “Vamos continuar apresentando as nossas propostas e vamos, também, fazer uma ação política. Do mesmo modo que o candidato adversário, do PT – que curiosamente não exibe seu partido, não exibe suas companhias –, está contestando nossas ações administrativas sem nenhuma base, vamos agir politicamente mostrando quais são as suas companhias, quais são as omissões do governo federal em relação a Minas. Vamos ajudar o mineiro a refletir sobre os fatos”, ressaltou.

Após o encontro, Pimenta voltou a expressar sua perplexidade com relação ao escândalo da Petrobras. “Não me lembro de ter visto um caso de corrupção mais escandaloso. Envolve, segundo a imprensa está dizendo, um número próximo a R$ 10 bilhões para financiar apoio ao PT no Congresso Nacional. Esses fatos precisam ser investigados. Essa investigação tem que ir a fundo. Aqui não fala o candidato, fala o cidadão”, frisou. Recente denúncia revelada pela revista Veja apontou integrantes do governo da presidente Dilma Rousseff e outros aliados do PT – partido do candidato ao Governo do Estado e ex-ministro, Fernando Pimentel – como beneficiários do esquema de corrupção.

Anúncios

Governo de Minas apresenta medidas aos atingidos da Lei 100

Lei 100

Fonte: O Tempo

Governo de Minas divulga cronograma para ocupação de vagas

Previdência dos afetados pela Lei 100 é alterada

Desde abril, pedidos de benefícios são feitos pelo INSS 

Em reunião entre a secretaria de Estado da Educação (SEE), a Secretaria dePlanejamento e Gestão (Seplag) e entidades sindicais e associações de representação da educação básica de Minas Gerais, o governo do Estado anunciou, nesta quarta, medidas relativas à situação dos servidores atingidos pela decisão do Supremo Tribunal Federal(STF) a respeito da Lei 100 (2007), julgada inconstitucional em março deste ano. 

De acordo com anúncio do governo, desde o dia 1º de Abril, pedidos de afastamento do trabalho, auxílio-doença, aposentadoria e pensões destinadas aos servidores atingidos pela decisão do STF passam a ser geridos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Os servidores que não preenchem os pré-requisitos para aposentadoria ou que não foram aprovados em concurso estão segurados pelo INSS, e não mais pelo regime próprio deprevidência do Estado.

O governo do Estado afirma ainda que repassou ao INSS R$ 40 milhões ao mês desde que oSTF anunciou sua decisão. Contudo, reportagem de O TEMPO publicada neste mês revela que muitos servidores atingidos pela Lei 100 reclamam que não têm conseguido marcar a perícia médica no INSS para, por exemplo, pedir licença maternidade.

A situação é reconhecida pelo governo, que entrou, na semana passada, com uma ação contra o INSS para garantir o atendimento dos trabalhadores.

O governo alegou, ainda, que vai abrir concursos públicos neste ano para preencher as vagas que serão abertas na Secretaria de Educação, na Universidade do Estado de Minas Gerais(UEMG) e na universidade de Montes Claros, além das Fundações Helena Antipoff e Clóvis Salgado.

Governo Anastasia vai gerar 905 empregos com expansão de indústrias

Governo Anastasia vai gerar 905 empregos. Investimento em siderurgia, informática e eletrônicos vai criar vagas na região metropolitana de BH.

Governo Anastasia: Investimentos em Minas

Fonte: Agência Minas

Protocolos de intenção prevêem aportes de R$ 211 milhões na indústria mineira

Setores de siderurgia, informática e eletrônicos na Região Metropolitana de Belo Horizonte devem receber novos investimentos

 Governo Anastasia vai gerar 905 empregos

Governo Anastasia vai gerar 905 empregos

Três novos protocolos de intenções para investimentos de R$ 211,52 milhões acabam de ser assinados pelo Governo Anastasia para expansão de unidades industriais nas áreas de siderurgia, informática e eletrônicos. Os três empreendimentos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, serão responsáveis pela geração de 905 novos empregos diretos e indiretos.

Durante a assinatura do protocolo com a Metalsider Ltda., a secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Dorothea Werneck, comemorou os novos investimentos e salientou que o Governo Anastasia está desenvolvendo um contato mais direto com o empresário. “Nossa prioridade é ter o empresário como parceiro e, através dele, atrair novos investimentos para o Estado. Quando um investidor é bem recebido e fica satisfeito, transforma-se em nosso principal contato com outros empresários na busca de novos empreendimentos”, acrescentou.

Já o presidente do Instituto de Desenvolvimento Integrado (INDI), José Frederico Álvares, lembrou que o Instituto está implantando a gestão de qualidade e quer ouvir o investidor e saber o seu grau de satisfação. “O trabalho mais importante do INDI começa após a assinatura dos protocolos. Trata-se de um apoio mais personalizado, com assistência em todas as etapas de implantação do projeto”, destacou.

Siderurgia

O diretor-presidente da Metalsider Ltda., Bruno Melo Lima, comemorou a assinatura do protocolo, lembrando que em 30 anos de história, é a primeira vez que a empresa busca a parceria do Governo. “Estamos participando de um processo em que o Estado está ajudando as empresas a crescerem e consequentemente a fortalecer a economia”, acrescentou.

A Metalsider Ltda. é uma empresa siderúrgica não-integrada, produtora de ferro-gusa, com sede e usina em Betim. Para construir uma fundição de peças automotivas e viabilizar o uso da matéria prima ferro-gusa no estado líquido proveniente dos altos-fornos, serão investidos R$ 148,3 milhões e gerados 128 empregos diretos e 87 indiretos.

Essa fundição inovará na composição da carga metálica, reduzindo custos, e, consequentemente, aumentando a competitividade. A fundição está dimensionada para a produção de 70 mil toneladas de peças ao ano, em uma primeira etapa que deverá entrar em operação em 2015 e de mais 70 mil toneladas de peças ao ano em uma segunda etapa. O mercado principal será, direta ou indiretamente, a indústria automobilística. A Metalsider atende indústrias de autopeças, fundições diversas e aciarias, além de consumidores do mercado externo, em especial, Estados Unidos e países asiáticos.

Durante a assinatura do protocolo, Bruno Melo Lima explicou que a companhia possui um parque industrial composto de sete altos-fornos com capacidade de produção de aproximadamente 420 mil toneladas de ferro-gusa por ano. A empresa conta ainda com recursos próprios de 40 mil hectares de florestas plantadas para atender ao seu suprimento de carvão vegetal. É também autosuficiente em energia elétrica. Gera 8.8 megawatts de energia em uma termoelétrica que utiliza os gases dos altos-fornos. O excedente de energia é ofertado ao mercado.

Computadores

A secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais também assinou protocolo de intenção para expansão da Megaware Industrial Ltda., destinada à montagem e comercialização de produtos eletroeletrônicos (Note/Net book, Desktop, servidor médio, gabinete com fonte, placas mãe, módulo e CI), com investimento de R$ 62,05 milhões. A empresa, fabricante de computadores, diferencia-se pelo pioneirismo na produção vertical Surface-Mount Technology (SMT) no Brasil e pretende investir em estrutura, pesquisa, desenvolvimento e capacitação pessoal.

A fábrica, localizada em Belo Horizonte, atua com um sofisticado sistema de produção e montagem de semicondutores por meio do SMT. Esse sistema consiste em máquinas robotizadas de última geração que inserem os componentes eletrônicos na fabricação de cada placa, são as responsáveis pela inspeção, solda, acabamento e promovem rigorosos testes de qualidade. O processo resulta em agilidade na produção, qualidade na montagem e significativa redução de custos, o que proporciona computadores com preços acessíveis e altamente resistentes.

Além de estar entre os maiores fabricantes brasileiros de computadores, a Megaware trabalha em parceria com líderes mundiais, como Intel e Microsoft, e possui uma rede de serviços técnicos em todo o país. Serão gerados 580 empregos diretos e indiretos ao final do projeto.

Eletrônicos

Já a JFA Eletrônicos Indústria e Comércio Ltda., também em Belo Horizonte, irá investir R$ 1,17 milhão e expansão da unidade industrial localizada em Belo Horizonte, destinada à fabricação e comercialização de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e vídeo. O projeto de expansão deverá ser concluído até 2015, quando a produção passará de 42 mil peças mensais para 70 mil peças por mês e serão gerados 75 novos empregos diretos e 35 indiretos.

A JFA Eletrônicos iniciou suas atividades no ano de 2004, com desenvolvimento de produtos eletrônicos. Em 2009, adquiriu sua primeira insersora automática de SMD (Semi Metalic Disc), com capacidade de inserção de 2.800 componentes/hora. Com a melhoria dos processos e com o crescimento contínuo das vendas, foi necessário ampliar a produção e adquirir máquinas de maior capacidade, atingindo hoje a capacidade de 42.000 componentes/hora.

Governo Anastasia: Investimentos em Minas – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/multimidia/galerias/protocolos-de-intencao-preveem-aportes-de-r-211-milhoes-na-industria-mineira/

Governo Anastasia garante apoio a vítimas da seca

Minas: governo Anastasia apoia vitimas da seca em Minas. Foram destinados R$ 11 mi em compras de cestas básicas e outras ações.

Governo de Minas: seca norte de Minas

Fonte: Marcos de Moura e Souza – Valor Econômico

Pecuária e frutas padecem com a seca no norte de MG

 Minas: governo Anastasia garante apoio à seca

Governo de Minas garante apoio às vitimas da seca. Foram destinados R$ 11 mi em compras de cestas básicas, caminhões-pipas e outras ações.

Mais de 100 municípios na região norte do Estado de Minas Gerais estão em estado de emergência por causa da seca. O governo do Estado e o Exército fazem o abastecimento emergencial de água com caminhões-pipa. Na zona rural, uma imagem que está se tornando mais frequente é a de bois e vacas mortos de sede e fome – e suas carcaças abandonadas no que um dia foi pasto.

O estrago da estiagem na economia local se estende pela produção de frutas e de leite e no deslocamento de gado para outras regiões. Muitos pequenos produtores que não têm um pasto alternativo estão vendendo seu gado, apesar dos preços baixos. Diversos municípios estão sem chuva desde o início do ano e decretaram emergência em fevereiro e março. As chuvas devem começar somente em outubro. Hoje são 122 em emergência por causa da seca, concentrados no norte do Estadoe parte deles no nordeste e noroeste. A perspectiva do governo era que neste ano o número ficasse em 114.

“Essa é uma das piores dos últimos 30 anos e que está atingindo Minas, Bahia e outros Estados do Nordeste“” diz Reinaldo Nunes, coordenador técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão do Estado de Minas Gerais (Emater) em Montes Claros, maior cidade do norte de Minas. O rebanho de gado nessa área é de aproximadamente 2,5 milhões de cabeças e o problema maior é a alimentação, diz Nunes.

Sem pasto e sem água, um dos resultados imediatos na economia da região foi a queda abrupta na produção de leite. “A produção normal é de 600 mil litros por dia e por causa da seca houve uma redução de 40% a 50%. O prejuízo por mês é de R$ 5,4 milhões”, calcula Nunes. A maioria dos pequenos sitiantes e produtores com mais terras na região têm no leite uma renda adicional e diária.

A safra de grãos teve uma redução ainda maior. Segundo a Emater, o chamado veranico (período de 20 e poucos dias de estiagem em meio ao período chuvoso) durou do início de janeiro a até março em vários municípios. Foi num período crítico de plantio de arroz, feijão, milho, sorgo e outros grãos pelos produtores rurais mineiros. “A expectativa era de colher só nessa região norte 500 mil toneladas de grãos, mas perdemos 70% disso, um prejuízo de R$ 180 milhões”, diz o técnico da Emater.

Governo de Minas: seca do norte de Minas – Link da matéria: http://www.valor.com.br/empresas/2801944/pecuaria-e-frutas-padecem-com-seca-no-norte-de-mg

Quem investe e vive da produção de frutas também está em dificuldades. Gurutuba e Lagoa Grande, dois grandes projetos irrigados no norte do Estado, cujas áreas somam 6,5 mil hectares e onde predomina a fruticultura, são os que mais sentem. “Os produtores estão sendo afetados porque dependem de uma barragem que está com o nível bastante comprometido”, afirma Pierre Santos Vilela, coordenador da assessoria técnica da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg). A entidade informa representar quase 400 mil pequenos, médios e grandes produtores rurais.

Segundo Faemg e Emater, produtores, especialmente os menores, estão vendo parte de seu plantel de gado morrer. Há uma corrida para vender os animais mesmo abaixo do peso e mesmo com preços depreciados pela grande oferta. Sem ter como manter o gado, produtores acabam se descapitalizando porque o que recebem agora pelos animais não permitirá que eles reponham seu rebanho daqui a alguns meses, diz Reinaldo Nunes, técnico da Emater.

O governo do Estado prevê alocar um total de R$ 11 milhões em compras de cestas básicas, caminhões-pipas e outras ações. Além disso, o governo federal, por meio do Ministério da Integração Nacional, enviou mais R$ 10 milhões, que estão sendo usados para reforço das compras de alimentos, galões de água mineral e também para a distribuição de cisternas, disse o tenente coronel Fabiano Villas Bôas, secretário executivo da coordenadoria estadual da Defesa Civil. Em alguns municípios, como Catuti, não há mais água para consumo humano. E, paradoxalmente, em locais abastecidos por caminhões-pipa o desafio das famílias é armazenar essa água. O governo do Estado ainda conta com R$ 4 milhões este ano para a abertura de poços artesianos em locais públicos.

Villas Bôas diz que o que diferencia esta seca das anteriores é a duração. Enquanto geralmente os municípios do norte de Minas começam a decretar situação de emergência em abril e maio, neste ano isso aconteceu em fevereiro e março. Muitos dos decretos já foram prorrogados.

Minas: Governo seca do norte de Minas – Link da matéria: http://www.valor.com.br/empresas/2801944/pecuaria-e-frutas-padecem-com-seca-no-norte-de-mg

Política de Segurança de Minas é apresentada em fórum internacional sobre segurança cidadã

secretário de Estado de Defesa Social, Lafayette Andrada, relatou a experiência de Minas na prevenção da violência a um grupo de 200 autoridades e especialistas nacionais e internacionais da área de Segurança Pública, presentes na 4ª edição do Fórum Sobre Segurança Cidadã, realizado no Rio de Janeiro, nos dias 8 e 9 de agosto. “A Integração das Polícias associada aos programas de prevenção à criminalidade foram componentes decisivos para a redução da violência em Minas Gerais”, destacou.

O evento foi promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Governo do Estado do Rio de Janeiro, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e Ministério da Justiça (MJ). O objetivo era fomentar o debate sobre o acesso à Justiça e a melhoria da segurança pública no Brasil e conhecer as práticas exitosas de prevenção à violência, desenvolvidas dentro e fora do país, como na Colômbia e nos Estados Unidos.

Estratégia

Ao apresentar as estratégias utilizadas em Minas Gerais no combate à violência, como a metodologia de Gestão Integrada em Segurança Pública (Igesp), que dá suporte ao trabalho das polícias, o secretário destacou que a determinação do Governo do Estado para enfrentar os problemas que levam insegurança à população foi um dos fatores que garantiram o sucesso da iniciativa.

Segundo Lafayette Andrada, não havia nenhum tipo de articulação entre as polícias, dez anos atrás. “O que o Estado fez foi promover a integração entre os órgãos de segurança e a gestão compartilhada das informações. Por meio da troca de experiências e dos serviços de inteligência, os planos de combate à violência têm sido realizados de maneira exitosa, culminando na redução da criminalidade violenta entre os mineiros”, disse.

Capacitação

Ao encerrar sua participação, Lafayette Andrada disse que os investimentos em curso na área de direitos humanos, na polícia comunitária, no uso de tecnologia menos letal e na mediação de conflitos para os gestores de segurança pública têm sido fundamentais para a política de integração.  Além disso, ele destacou que a utilização de pesquisas com indicadores que medem a qualidade dos serviços prestados pelas polícias e o grau de confiança da população nessas instituições serão constantes.

Fórum

O combate ao tráfico de drogas e armas, as políticas penitenciárias, o planejamento das informações foram alguns dos temas debatidos nesta 4ª edição do Fórum sobre Segurança Cidadã. A subsecretária de Promoção da Qualidade e Integração do Sistema de Defesa Social, Geórgia Ribeiro Rocha, e o assessor-chefe de Gestão Estratégica e Inovação, Luis Otávio Milagres de Assis, da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), também participaram do evento.

Aécio Neves comemora incentivos dados por Anastasia para empresas se instalarem na Área mineira da Sudene

Aécio Neves comemora novos incentivos para empresas e empregos na Área mineira da Sudene

Fonte: Assessoria de imprensa do senador Aécio Neves

Senador Aécio Neves comemora novos incentivos para empresas e empregos na Área mineira da Sudene

“O que vemos hoje é o Governo do Estado tratando o Norte e os Vales do Jequitinhonha e do Mucuri com a dignidade e o respeito que merecem, e o governo federal virando as costas para essa região”, diz Aécio.

O senador Aécio Neves elogiou, nessa sexta-feira (15), o projeto de lei do governador Antonio Anastasia que cria linhas de crédito e incentivos tributários para empresas que se instalarem no Norte de Minas e nos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri. Aécio Neves disse que, ao contrário do governo federal, a iniciativa demonstra que o governo de Minas vem priorizando, há nove anos, a área mais pobre do Estado, investindo ali três vezes mais por habitante do que no restante do estado.

“O governador Anastasia dá sequência àquilo que acreditamos vital para o governo do Estado. Priorizar a nossa região da Sudene. O Norte de Minas, o Vale do Jequitinhonha e o Vale do Mucuri devem ter instrumentos para alcançar o nível de desenvolvimento das outras regiões do Estado”, disse.

O senador destacou que o projeto anunciado por Anastasia mostra a diferença entre a ação do governo de Minas e a do governo federal, que vetou a emenda proposta por ele pela inclusão dos municípios mineiros da área da Sudene no conjunto de benefícios fiscais concedidos a Pernambuco pela Medida Provisória 512.

“O que vemos hoje é o Governo do Estado tratando o Norte e os Vales do Jequitinhonha e do Mucuri com a dignidade e o respeito que merecem, e o governo federal virando as costas para essa região. Criamos mecanismos para que alguns fornecedores pudessem vir para Montes Claros, para o Norte de Minas e para os nossos Vales. Infelizmente, o governo do PT vetou esses benefícios. O governador Anastasia faz o inverso. Prioriza com esse projeto essa região, cria quase que uma nova Sudene, estadual, permitindo que continue a haver investimentos como os da Alpargatas”, declarou Aécio.

Investimentos anunciados na região já geram mais 32 mil empregos

A empresa Alpargatas anunciou, este mês, que irá instalar uma fábrica de sandálias Havaianas em Montes Claros, no Norte de Minas. Também foram anunciados este ano a implantação de uma unidade de exploração de minério de ferro da Vale, em Porteirinha, enquanto o município de Chapada Gaúcha receberá a implantação de uma indústria de beneficiamento de borracha da Imbó Beneficiamento. Esses projetos representam R$ 785 milhões em investimentos gerando mais de 32 mil empregos diretos e indiretos.

“Em 2011, já foram quase 32 mil empregos entre diretos e indiretos gerados nessa região. O que estamos sinalizando é que é fundamental que, assim como o Governo do Estado vem fazendo, o governo federal compreenda que essa região não pode sair do mapa. Felizmente, o governador Anastasia tem demonstrado a sensibilidade que nós, ao longo dos últimos 8 anos, também havíamos demonstrado, ao fazer com que para cada R$ 1 investido no restante do Estado, fossem investidos R$ 3 nessa região. No ProAcesso, nos investimentos na saúde, na educação de melhor qualidade”, lembrou o senador.

Sudene Mineira

O projeto que o governador Anastasia encaminhará à Assembleia Legislativa incentiva o crescimento das regiões Norte de Minas, Vale do Jequitinhonha e Vale do Mucuri por meio da criação de linhas de crédito com recursos do Fundo de Equalização do Estado de Minas e do Fundo de Incentivo ao Desenvolvimento (Findes). Além disso, serão estabelecidas condições tributárias diferenciadas, beneficiando empresas que se instalarem nas regiões. Os 165 municípios dessa região integram a Área Mineira da Sudene.