• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

PIB: Economia mineira cresce no 1º trimestre. Nos últimos 12 meses até março, a performance do PIB mineiro foi 1,9% maior, tanto quanto a do Brasil.

PIB: Minas

Fonte: Marta Vieira – Estado de Minas

PIB de Minas avança 2,1% e mostra leve recuperação

Economia do estado cresce mais que a do país no primeiro trimestre, em relação a igual período de 2011. Agropecuária e indústria fecham no vermelho, mas os serviços salvam

Ancorada no aquecimento do comércio, dos serviços de transportes e da construção civil, a economiamineira cresceu 2,1% no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado, conforme relatório publicado ontem pela Fundação João Pinheiro. Embora o resultado tenha superado a expansão bastante modesta de 0,8% do Brasil na mesma base de comparação, a soma da produção de bens e serviços do estado, medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), mostrou, de fato, uma tímida recuperação. No quarto trimestre de 2011, o crescimento havia sido de 1,8%, sucedendo parcos 0,3% apurados no trimestre anterior, ambos comparados a idênticos meses de 2010. Por trás dos números, fica a dúvida sobre o caminho dessa reação, ainda sem impactos das medidas recentes lançadas pelo governo federal para reanimar a atividade produtiva no país.

Segmentos pesados na formação do PIB estadual, a agropecuária e a indústria fecharam o primeiro trimestre no vermelho. A queda do agronegócio, de 1%, só não foi maior graças às boas estimativas da produção de leite, soja, milho e feijão de primeira safra para este ano. Diferentemente do Brasil, que amargou recuo de 7,3% na atividade, as lavouras de Minas sofreram menos com o período chuvoso, avalia Thiago Rafael Corrêa de Almeida, especialista do departamento de contas regionais da Fundação João Pinheiro. No setor industrial, os movimentos foram contrários, no entanto, muito próximos. Em Minas, houve retração de 0,2%, enquanto a média nacional registrou ligeiro aumento de 0,1%, na prática uma situação de estabilidade. As empresas prestadoras de serviços contribuíram com expansão de 2,8% no estado durante o primeiro trimestre.

Nos últimos 12 meses até março. a performance do PIB mineiro foi 1,9% maior, tanto quanto a do Brasil. “Ainda é cedo para avaliarmos se essa tímida melhora do PIB vai se manter”, afirma Thiago Almeida, especialista em políticas públicas da Fundação João Pinheiro. A rigor, surgem dois lados da mesma moeda para a economia nos próximos trimestres. Com o bom desempenho esperado para a cultura do café, responsável por um terço do valor da produção agrícola mineira, a tendência é de uma performance mais positiva da agropecuária, assim como o benefício da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados(IPI) incidente nos automóveis deverá influenciar numa recuperação da indústria automotiva.

No sentido contrário, o aumento do endividamento das famílias brasileiras poderá frear as vendas do comércio e os rumos da crise internacional e do dólar não estão claros para reanimar outros braços daindústria que dependem do comércio internacional. “A presidente tomou medidas para reanimar aeconomia, mas elas só terão efeito no fim do ano. Até lá, temos de sobreviver”, afirma o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Júnior. Para o industrial, são necessárias ferramentas complementares à expansão do crédito a taxas mais baixas e à desoneração da folha de pessoal de 15 setores da indústria.

A pressão da crise internacional e das importações sobre a demanda de produtos importantes da economia de Minas, como o aço, se refletiu numa queda de 10% da metalurgia básica, que engloba as siderúrgicas e os produtores de ferro-gusa, matéria-prima das usinas, puxando uma série de resultados negativos, como os das indústria automotiva (-4,7%), extrativa mineral (-4,4%) e o refino de petróleo e álcool (-2,7%). Respondendo por cerca de 10% do desempenho da indústria mineira, as mineradoras foram obrigadas a reduzir a produção, em decorrência das enchentes do começo do ano, e exportaram menos por força do crescimento menor da China, principal parceira do comércio do estado com o exterior.

Luz vermelha Com taxas de crescimento acima da média brasileira, a indústria da construção civil de Minas avançou 3,9%, em comparação ao período de janeiro a março de 2011, e preserva estimativas de expansão de 4,5% a 5% neste ano, segundo o economista Daniel Furletti, coordenador sindical do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon-MG). No Brasil, o setor cresceu 1,5% ante os primeiros três meses do ano passado. A nova onda de construção de shopping centers no estado contribuiu para o bom desempenho.

Um risco que as empresas passaram a considerar, no entanto, e que pode abalar as previsões é a redução do volume de investimentos na economia brasileira, que caiu de 19% para 18% do PIB. “Esse movimento acende uma luz vermelha. Precisamos mudar esse patamar para no mínimo 25% do PIB, afinal na China osinvestimentos representam 44%”, afirma Daniel Furletti. Não há como prever o tempo em que as medidas de estímulo à economia serão assimiladas e só no fim do ano é que o quadro de crise internacional estará definido, e não solucionado, alerta Juliano Lima Pinheiro, diretor da corretora de valores Corval e professor de pós-graduação em finanças da escola de administração e negócios Ibmec. Ele trabalha com projeção de no máximo 3% de crescimento da economia brasileira em 2012.

Ritmo de fábricas recua 1,4% no ano

A produção industrial brasileira teve queda em oito das 14 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nos quatro primeiros meses deste ano. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física divulgada ontem pela instituição. Em seis estados, houve recuo acima da média nacional, que ficou em -2,8%. A maior queda ocorreu no Rio de Janeiro (-7,5%), seguida de São Paulo (-5,1%), Santa Catarina (-5,1%), Amazonas (-4,5%), Ceará (-3,7%) e Espírito Santo (-2,9%). Em Minas, a taxa ficou em -1,4% e no Pará em -0,1%.

Nos quatro primeiros meses de 2012, a queda na produção em i e no Pará foi particularmente influenciada pela menor fabricação de bens de consumo duráveis (automóveis, motos, aparelhos de ar-condicionado, televisores, celulares e relógios) e de bens de capital (especialmente caminhões, caminhão-trator para reboques e semirreboques e veículos para transporte de mercadorias), além da menor produção nos setores extrativos (minérios de ferro), têxtil, vestuário, farmacêutica e metalurgia básica.

“O governo editou medidas visando estimular alguns setores, principalmente o automotivo, que tem linha de produção muito longa. Mas ainda é cedo para sentir os efeitos. O resultado da produção industrial é um olhar pelo retrovisor”, avalia Sérgio Cavalieri, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). A indústria de fundição em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, já se ressente da queda na produção. Segundo o IBGE, a retração da produção na metalurgia básica do estado foi de -9,5% entre abril e março de -9,9% no acumulado do ano. “A gente sente dificuldades porque 60% do nosso setor é voltado para o atendimento da indústria automobilística”, explica Afonso Gonzaga, presidente regional da Fiemg no Centro-Oeste do estado.

Apesar disso, o segmento ainda não demitiu. O esforço caminha no sentido de ajustar o passo, dando férias e realocando funcionários porque a maior parte da mão-de-obra da indústria de fundição é especializada. “Se demitirmos agora e tivermos que contratar em três meses, enfrentaremos problemas. Por isso optamos por arcar com os custos e esperar a retomada do mercado.”

Anúncios

Gestão da Educação: em Minas, primeiro contato com mercado de trabalho ocorre já no ensino médio

Em 2011, Minas Gerais foi o segundo Estado que mais contratou menores e jovens aprendizes no país

Divulgação/Sete
Durante a audiência na Assembleia, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate
Durante a audiência na Assembleia, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, e o coordenador do Observatório do Trabalho da Sete, Igor Coura, participaram de uma audiência pública, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, que teve como objetivo a discussão da inclusão do estágio na grade curricular do ensino médio da rede pública de educação e a inserção dos estudantes no mercado de trabalho. O autor do requerimento desta discussão, realizada pela Comissão do Trabalho, da Providência e da Ação Social da Assembleia, foi o deputado estadual Doutor Viana. A sessão foi presidida pela deputada Rosângela Reis.

Durante a audiência, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate. “Essa é uma temática de suma importância para ser discutida, pois trata dos nossos jovens, do mercado de trabalho e do desenvolvimento do Estado. A taxa de desemprego entre os jovens não é satisfatória, bem como o rendimento e o tempo médio que eles ficam em uma empresa. Todos esses dados são inferiores quando comparados aos números gerais. Temos que mudar esse cenário, e, para isso, o Governo de Minas desenvolve várias ações voltadas para esse público”, destacou. “A inserção do estágio na grade curricular do ensino médio é um desafio necessário, pois o mercado de trabalho é dinâmico e exigente. Esse primeiro contato com o mercado, por meio do estágio, pode abrir muitas portas”, completou o secretário.

Igor Coura apresentou os dados sobre desemprego e ocupação dos jovens, com idade entre 16 e 29 anos, no mercado de trabalho e destacou as principais ações do Governo de Minas voltadas para as pessoas desta faixa etária, como o ProJovem Trabalhador, da Sete; o Programa de Educação Profissional (PEP) e o Reinventando o Ensino Médio, da Secretaria de Estado de Educação (SEE); o Poupança Jovem, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese); o PlugMinas, da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), em parceria com a Secretaria de Estado de Esportes e Juventude (Seej); e o Aliança pela Vida, que têm ações coordenadas pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) e envolve diversos outros órgãos do Estado.

Destaque nacional

Minas Gerais foi o segundo Estado que mais contratou menores e jovens aprendizes no ano de 2011. Foram 32 mil admitidos. Configura-se como menor ou jovem aprendiz cidadãos com idade entre 14 e 24 anos que estejam matriculados, seja no ensino fundamental, médio ou algum outro curso de aprendizagem. Já em relação aos jovens que ingressaram no mercado de trabalho em seu primeiro emprego, o Estado admitiu cerca de 270 mil. O setor que mais contratou esse público foi o comércio, com 76.106 contratações, seguido pelo de serviços (70.510); indústria da transformação (66.673); construção civil (37.162).

De acordo com dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios (PAD), da Fundação João Pinheiro, a taxa de desocupação entre os jovens, com idade entre 16 e 29 anos, no ano de 2009 (ano que foi realizada a última pesquisa com esse foco), foi de 12,8%, muito acima do índice de desemprego total apresentado no período que foi de 8%.

Já em relação ao rendimento desses jovens, pesquisa mais recente, divulgada pelo Ministério do Trabalho, por meio Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), em 2011, aponta que o valor médio pago por hora é de R$3,80, enquanto a média geral é de R$4,90.  A mesma pesquisa aponta que o tempo médio que os jovens ficam em determinada empresa é de 8,9 meses. Já o dado do mercado em geral é de 15 meses.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/em-minas-primeiro-contato-com-mercado-de-trabalho-ocorre-ja-no-ensino-medio/

Governo de Minas: Renata Vilhena receberá prêmio nacional de gestão pública nesta sexta-feira

Premiação valoriza ações de modernização do poder público no Brasil

secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, recebe nesta sexta-feira (23) o prêmio Guerreiro Ramos de Gestão Pública, concedido pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A premiação é voltada a valorização de estudos e ações que contribuam para a modernização do poder público no Brasil.

Gestores públicos de todo o país concorreram ao prêmio e, neste ano, excepcionalmente, o comitê de julgamento decidiu agraciar dois destaques na gestão pública nacional: a secretária Renata Vilhena e o assessor especial da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos do Estado do Espírito Santo, Manoel Carlos Rocha. A cerimônia de certificação terá início às 19h, no auditório da Cidade Acadêmica do Pitágoras, Rua Madalena Sofia, 25, no bairro Vila Paris, em Belo Horizonte.

O presidente do comitê de julgamento e vice-presidente do CFA, Marcos Lael, destacou a alta qualidade dos trabalhos realizados. “É uma satisfação enorme presidir uma comissão que resgata o legado de Guerreiro Ramos. É impressionante a qualidade do material que recebemos. São estudos aprofundados, consistentes e de conteúdos respeitáveis”, destacou.

Premiação

Criado em 2010 pelo Conselho Federal de Administração, o prêmio faz homenagem a Alberto Guerreiro Ramos, professor que teve grande relevância política e acadêmica no Brasil e no mundo. Os trabalhos foram inscritos por meio de cada conselho regional do Estado de origem e os candidatos podem escolher a categoria em que disputarão o prêmio.

Formada em 1985, em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Renata Vilhena especializou-se em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP), em 1991. No Governo de Minas, Renata Vilhena participou da concepção e da implementação do “Choque de Gestão” no Estado, compreendido por medidas de reorganização e modernização administrativa, visando à redução de despesas, o aumento dos recursos para investimentos e a melhoria dos processos de gestão. Além disso, atuou na instituição de medidas voltadas ao aumento de produtividade do setor público, especialmente através da definição de critérios meritocráticos para avaliação e recompensa aos servidores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/renata-vilhena-recebera-premio-nacional-de-gestao-publica-nesta-sexta-feira/

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro lança primeiros volumes da série “Boletim PAD”

Publicações abordam indicadores de despesas domiciliares em Minas Gerais, segundo dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios 2009

O Centro de Estatística e Informações (CEI) da Fundação João Pinheiro (FJP) lançou nesta terça-feira (20) os dois primeiros volumes da Série “Boletim PAD”, uma linha de publicações focada nos resultados da Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PAD-MG).

Os volumes I e II da série abordam indicadores de despesas domiciliares, segundo dados da primeira edição da pesquisa, realizada em 2009. A análise das informações contidas em ambas as publicações permite não só o conhecimento dos padrões de consumo da população mineira, como também a avaliação do nível de alcance e ramificação de políticas públicas e serviços implementados pelo Estado.

A Pesquisa por Amostra de Domicílios é desenvolvida pela fundação em parceria com o Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas e com apoio do Banco Mundial e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Realizado a cada dois anos, o estudo tem como objetivo conhecer em profundidade as características socioeconômicas, demográficas e culturais da população mineira.

“Este estudo é de fundamental importância para Minas Gerais, pois disponibiliza para a sociedade, instituições, governo e imprensa uma base de dados de alta qualidade, que pode subsidiar diversas outras pesquisas e estudos”, observou a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

Padrões de consumo

As publicações “Boletim PAD 2009 – Indicadores de Despesas Domiciliares”, partes I e II, descrevem os padrões de despesas relativos à habitação, educação, saúde e gastos coletivos do domicílio, como vestuário, artigos de higiene pessoal e limpeza da casa, recreação, cultura, alimentação, bebidas dentro e fora do domicílio, transporte, comunicação e imposto de renda.

“A PAD é uma pesquisa inédita, tanto em Minas Gerais quanto em outros estados do Brasil. A vantagem sobre outras pesquisas, como a do IBGE e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), ambas realizadas pelo governo federal, é que a PAD possibilita a inclusão de novas informações e trabalha com dados regionais, sendo a única que analisa as sub-regiões”, explicou o diretor do Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro, Frederico Poley.

“Além de mostrar os padrões regionais, esta pesquisa aponta como uma sociedade se organiza, quais são suas preferências e particularidades, pois seu nível de desagregação de dados é mais amplo”, completou a pesquisadora do Centro de Estatística e Informações, Karina Rabelo.

Principais resultados

Educação – Os domicílios mineiros têm um gasto médio mensal per capita com educação de R$ 67,28. Desse total, R$ 41,28 são destinados a mensalidade escolar, o que corresponde a 61,36% dos investimentos totais em educação. Na sequência, estão o custeio de transporte (R$ 8,11), merenda (R$ 4,94) e material escolar (R$ 4,46).

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (R$ 85,13), a Zona da Mata (R$ 78,36), e o Triângulo Mineiro (R$ 70,35) são as regiões que apresentam maiores despesas com educação. As regiões Norte (R$ 33,14), Central (R$ 45,81) e Centro-Oeste (R$ 50,30) são as que registram os menores gastos com educação.

De acordo com a pesquisa, à medida que ocorrem acréscimos em anos de estudo na escolaridade dos chefes de família, há crescimento gradativo nas despesas com educação em Minas Gerais.

Saúde  – Em média, os domicílios mineiros gastam mais em saúde do que em educação. Do total de R$ 96,74 em despesas com saúde, mais da metade corresponde ao pagamento de plano ou seguro saúde (R$ 53,10), representando 54,89% das despesas neste segmento.

No Estado, domicílios chefiados por mulheres apresentam gastos com saúde superiores àqueles chefiados por homens: R$ 107,21 contra R$ 90,27, respectivamente.

Habitação e Gastos Diversos no Domicílio – Como ocorre com todas as despesas analisadas, em geral, gastos com habitação têm relação com a renda média mensal do domicílio: quanto maior o nível de renda, mais elevadas as despesas. No entanto, foram observados domicílios chefiados por mulheres que possuem menores níveis de renda e, mesmo assim, têm mais despesas com habitação (R$ 199,36) do que aqueles chefiados por homens (R$ 168,99).

A RMBH é a região que possui maior despesa per capita com habitação e gastos diversos no domicílio (R$ 244,51), representando um gasto 36,15% maior quando comparado com o total de Minas Gerais. A região Norte, por sua vez, apresenta resultado de despesa inferior a 41,67%, em relação ao total do Estado.

Alimentação – O total de gastos em alimentos e bebidas foi de R$ 57,87, menor que o valor gasto em educação (R$ 67,28) e saúde (R$ 96,74). Laticínios e panificados representam a maior parte dessas despesas (22,23%), seguidos por grãos, cereais, farinha, leguminosas e oleaginosas (15%). O consumo de carnes, aves, peixes e ovos também é parte significativa da despesa, representando 13,39% do total.

PAD 2011

Atualmente em sua segunda edição, os primeiros resultados da PAD 2011 serão apresentados em abril de 2012. A pesquisa obteve informações de cerca de 18 mil domicílios distribuídos por todo o Estado, em 1.200 setores censitários de áreas urbanas e rurais, incluindo a capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A PAD-MG fornece os elementos necessários para o desenho das características da população, suas ações e posições no sistema de estratificação social e no mercado, e seus resultados são utilizados para originar novos estudos sobre temas específicos e subsidiar a elaboração, acompanhamento e avaliação de políticas públicas em Minas Gerais.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-lanca-primeiros-volumes-da-serie-boletim-pad/

Gestão da Educação: prazo de inscrições para especialização em Administração Pública da FJP é prorrogado

Cursos são oferecidos pela Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho

Foi prorrogado para 10 de abril o prazo de inscrições para o Programa de Especialização em Administração Pública (X PROAP), oferecido pela Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro. Este ano serão oferecidos cursos nas áreas de Gestão Pública, Gestão de Pessoas no Serviço Público, Gestão de Logística no Setor Público, Gestão Urbana e de Cidades, e Direito Administrativo. O Edital nº 008/101, que dispõe sobre o processo seletivo pode ser acessado no site www.eg.fjp.mg.gov.br.

O valor da taxa de inscrição é R$ 25,00 e o pagamento deve ser realizado por meio de Documento de Arrecadação Estadual – DAE. A solicitação de emissão deve ser encaminhada para o endereço dcf.tesouraria@fjp.mg.gov.br, informando nome, endereço completo e CPF.

Após pagamento da taxa, os candidatos devem entregar a documentação exigida pelo Edital na Secretaria de Registro e Controle Acadêmico da Escola de Governo (Alameda das Acácias, n° 70, São Luís – Pampulha), ou na Secretaria da Especialização do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro (Avenida Brasil, 674, Santa Efigênia), de segunda a sexta-feira, entre 9h e 16h.

A prova de seleção será realizada no dia 14 de maio, no Campus Brasil da Fundação e o resultado preliminar divulgado no dia 25 de maio no site da Escola de Governo. O resultado final será publicado em 28 de maio. O candidato integrante do quadro da Administração Pública Estadual pode requerer bolsa de estudos junto ao órgão ou instituição de origem (Resolução Seplag nº 27, de 28 de junho de 2007).

Os cursos de especialização da Fundação João Pinheiro são destinados a profissionais de diferentes esferas de governo e demais interessados na área pública, que buscam subsídios teóricos e práticos para aprofundar o conhecimento sobre políticas públicas e gestão. O programa tem como objetivos qualificar quadros técnicos nas diversas áreas da gestão pública, refletir sobre as diferentes dimensões deste tipo de gestão, desenvolver e aperfeiçoar capacidades de interlocução e concepção de políticas, programas e projetos.

Melhor de Minas

A Escola de Governo da Fundação João Pinheiro foi considerada a melhor faculdade de Minas Gerais no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado pelo Ministério da Educação em novembro de 2011, alcançando o primeiro lugar no Estado. Entre as 27 instituições de ensino superior do país que alcançaram a nota máxima da avaliação, a Escola de Governo também ocupa posição de destaque com a nona colocação. Ao todo foram avaliadas 2.177 instituições de ensino, sendo 229 públicas e 1.947 privadas, entre universidades, centros universitários e faculdades.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: estudo vai identificar perfil de trabalhadores de lixões em Minas Gerais

Iniciativa inédita no país, Fundação João Pinheiro irá mapear municípios mineiros onde existem depósitos de lixo precários

BELO HORIZONTE (25/01/12) – Analisar as condições de vida e características de pessoas que atuam como catadores em áreas de lixões de Minas Gerais, com foco na situação de vulnerabilidade de crianças e adolescentes. Este é o objetivo de um contrato assinado pela Fundação João Pinheiro (FJP) e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) em dezembro de 2011.

Iniciativa inédita no país, o estudo irá mapear os municípios mineiros em que existem depósitos de lixo precários e identificar os locais em que há atuação desses trabalhadores. Por meio de pesquisa in loco, serão identificados aspectos como saúde, trabalho, rendimentos e condições de vida das pessoas que trabalham nessas áreas de risco.
“Muitos lixões possuem famílias trabalhando em circunstâncias altamente vulneráveis e insalubres. Nosso propósito é caracterizar essas pessoas, especialmente as crianças”, explica o diretor do Centro de Estatística e Informações da fundação, Frederico Poley.
Segundo o diretor, não há registros de quantas pessoas trabalham nessas áreas, o que impossibilita a efetiva criação e implementação de programas sociais exclusivamente voltados para esta parcela da população. “A metodologia em que estamos trabalhando vem justamente mensurar dados até então não explorados. Tudo isso é novidade”, afirma.
Com conclusão prevista para 2013, o estudo está em sua fase inicial. A partir do mês de junho, equipes de recenseadores irão a campo para realizar a coleta dos dados. Na fase seguinte, essas informações serão sistematizadas em um banco de dados e analisadas.
Na etapa final, os dados serão organizados em documento único que irá detalhar a descrição das variáveis, a localização específica dos catadores e todas as informações sócio-demográficas levantadas pelo estudo. O relatório conclusivo servirá de base para o direcionamento de esforços por parte do Governo de Minas e subsidiará a elaboração de políticas públicas voltadas para esta parcela da população.
Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: escola de governo da FJP abre novo processo de credenciamento de professores

BELO HORIZONTE (24/01/12) – A Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), abriu novo processo de credenciamento de professores para os cursos de especialização. O edital EG /ESP/Nº001/2012, que dispõe sobre o processo de seleção de docentes para as disciplinas “Políticas Públicas e Segurança Pública”, “Direitos Humanos e Cidadania” e “‘Doutrina de Polícia Ostensiva”, já está disponível no site da escola.

Para se credenciar, o candidato deve entregar o Formulário de Inscrição de Docente Colaborador Externo, o curriculum vitae (modelos disponíveis no anexo II do edital) e cópia da titulação mais elevada na Secretaria de Registro e Controle Acadêmico da Escola de Governo, na sede da entidade – Alameda dos Oitis, 140, sala 103-B, bairro São Luís, Belo Horizonte – entre os dias 30 de janeiro e 1 de fevereiro, das 9h às 16h.

São considerados professores colaboradores externos, ocupantes de cargos comissionados na Fundação João Pinheiro não pertencentes ao quadro de servidores estaduais e que desenvolvam atividades docentes na Escola de Governo; servidores estaduais lotados ou à disposição de outros órgãos e entidades da Administração Pública Estadual, desenvolvendo atividades docentes na Escola de Governo; e docentes sem vínculo empregatício com o Estado de Minas Gerais.

A pré-seleção, com data, horário, local e conteúdo da “aula avaliativa”, será divulgada a partir de 6 de fevereiro no site da Escola de Governo. O resultado final está previsto para 16 de fevereiro.

Escola de Governo

A Escola de Governo tem como objetivo, contribuir para a melhoria e modernização da gestão pública por meio da formação e capacitação de quadros técnicos, do desenvolvimento de pesquisas e da assessoria a órgãos e entidades governamentais na formulação, implementação, monitoramento e avaliação de políticas públicas.

Instituição de ensino superior credenciada junto ao Ministério da Educação e ao Conselho Estadual de Educação, a EG oferece o Curso de Administração Pública (CSAP), Mestrado em Administração Pública, diversos cursos de especialização e cursos de capacitação e treinamento.

Fonte: Agência Minas