• Agenda

    julho 2020
    S T Q Q S S D
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Gestão Anastasia: governo de Minas investe em solução tecnológica para garantir segurança à população

Programa Agentto, que tem Uberaba como primeira cidade a ser atendida, permitirá que pessoas expostas a situações de risco possam ser socorridas rapidamente

Divulgação/Sectes
Secretário Narcio Rodrigues faz pronunciamento durante lançamento do Programa Agentto
Secretário Narcio Rodrigues faz pronunciamento durante lançamento do Programa Agentto

Você imaginou ter o seu smartphone (celular com funcionalidades avançadas) trabalhando pela sua segurança? Isso já está em fase de implantação no Brasil, especialmente em Uberaba, Triângulo Mineiro. Na região, foi lançado na última sexta-feira (9) do Programa Agentto, por meio de acordo de cooperação técnica do qual participa o Governo de Minas. Nessa primeira fase, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) vai investir R$2,2 milhões.

Desenvolvida por um grupo de 60 especialistas com recursos da Finep/MCT (Financiadora de Projetos), o Agentto visa a uma evolução da tecnologia associada à solidariedade para deixar o cidadão mais seguro no seu dia a dia. O programa, que terá Uberaba como a primeira cidade a ser atendida, é considerado uma solução integrada de segurança, pois vai permitir que as pessoas expostas a situações de risco possam ser atendidas rapidamente, principalmente pela Polícia Militar.

A fase ainda é de programa-piloto, mas os uberabenses que têm smartphone poderão se cadastrar a partir de 10 de abril. O software do programa permitirá que movimentos suspeitos sejam detectados e o socorro seja viabilizado com o auxílio do sistema de localização. A parceria envolve também a Prefeitura de Uberaba e a Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Uberaba (ACIU).

Para o secretário de Planejamento do município, Karim Abud, a insegurança é um problema mundial, por isso a importância das parcerias para buscar soluções tecnológicas. Uberaba, com cerca de 300 mil habitantes, terá até 60 mil cadastrados no sistema que captará movimentos estranhos e permitirá que a PM, rede de amigos e familiares possam tomar as providências necessárias a uma situação de emergência.

Segundo o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, o Agentto chegará a 600 mil mineiros em Uberaba, Uberlândia, Montes Claros, Governador Valadares e Grande BH. “Queremos também levar o programa para as escolas, utilizando os computadores físicos para combatermos a presença nociva e ameaçadora das drogas e do narcotráfico”, assegurou Narcio.

Memorial da Imprensa de Uberaba

Ainda na sexta-feira, o Governo de Minas, por meio do secretário Narcio Rodrigues, assegurou recursos de R$ 2 milhões por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) para a instalação do Memorial da Imprensa de Uberaba. O projeto tem a parceria da prefeitura, que está finalizando as adaptações do local onde será erguido o Complexo Estação Memória com diversos espaços culturais e a sede da Academia de Letras do Triângulo Mineiro.

A cidade é uma das mais tradicionais no que se refere à produção jornalística iniciada ainda no século 19. A verba será aplicada na compra de equipamentos para realizar a microfilmagem dos principais jornais da cidade, desde o extinto Lavoura e Comércio, que chegou a 100 anos, até os diários atuais, como Jornal da Manhã e Jornal de Uberaba. Também terá um acervo com equipamentos e maquinários antigos utilizados no passado pela imprensa uberabense. Todo o trabalho de estruturação será desenvolvido em parceria com empresários de comunicação.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: estão abertas as inscrições para o Prêmio Marcos Luiz dos Mares Guia

As inscrições para o prêmio devem ser feitas pelos Correios até o dia 8 de junho de 2012

Instituições e empresas com sede em Minas Gerais já podem inscrever seus pesquisadores para concorrerem à quarta edição do Prêmio de Pesquisa Básica Marcos Luiz dos Mares Guia, promovido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

Esta é a quarta edição do prêmio que, nos anos pares, é concedido a pesquisadores mineiros e, nos ímpares, a unidades de pesquisa sediadas em Minas Gerais. Em 2012, portanto, o prêmio será destinado a pesquisadores que tenham se destacado em estudos e pesquisas básicas que contribuam e apresentem potencial para subsidiar o desenvolvimento de soluções para problemas da humanidade. Eles devem ser indicados pelas instituições ou empresas nas quais desenvolvem seus trabalhos.

O nome do prêmio é uma homenagem a um dos mais importantes pesquisadores da área de biotecnologia do país. Marcos Luiz dos Mares Guia foi um dos responsáveis pela descoberta da insulina humana recombinante e pela fundação da Biobrás, empresa pioneira na fabricação de insulina no  Brasil.

Pesquisa Básica

Por pesquisa básica, entende-se aquela que visa compreender a natureza e aumentar o conhecimento humano. Naturalmente, não é possível antecipar seus efeitos, no entanto, é possível conduzir pesquisas básicas a partir da identificação de necessidades da sociedade. Originada de problema existente, em que o cientista procura entender fenômenos, mas cujo resultado deriva possíveis soluções tecnológicas, a pesquisa básica é de extremo valor para o processo de inovação.

As inscrições para o prêmio devem ser feitas pelos Correios até o dia 8 de junho de 2012. A ficha de inscrição e o regulamento estão disponíveis no endereço www.fapemig.br/premio.

Mais informações: premiomlmg@tecnologia.mg.gov.br  ou premiomaresguia@fapemig.br

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: Fapemig libera R$ 27 milhões para projetos aprovados em editais

Recursos são destinados a projetos aprovados em editais publicados em 2011

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) libera o total de R$ 27 milhões de recursos para projetos aprovados em editais publicados em 2011. Confira quais são os programas:

Universal

O edital Universal aprovou 750 projetos no ano passado. Eles começam a ser pagos a partir de hoje, somando R$ 23 milhões em recursos. O Edital Universal é um dos mais esperados no meio científico do Estado, por oferecer apoio a projetos desenvolvidos em todas as áreas do conhecimento e reunir o maior volume de recursos. Ele dá ao pesquisador a liberdade de propor o tema e permite melhor estruturação de laboratórios de pesquisa, permitindo, inclusive, o custeio de material bibliográfico.

Programa Mineiro de Capacitação Docente (PMCD)

O programa destinará R$ 2,5 milhões às instituições e docentes beneficiados no ano passado. O PMCD foi concebido em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), visando promover a melhoria das atividades de ensino, pesquisa e extensão nas IES públicas e confessionais de Minas Gerais, por meio do apoio à capacitação e ao aprimoramento da qualificação de seus docentes.

Bolsa de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (BIPDT)

A BIPDT beneficiará 100 pesquisadores, totalizando mais de R$ 1,2 milhão em recursos. A bolsa visa estimular a fixação e a qualificação de pesquisadores no Estado, além de ampliar as pesquisas já realizadas. A bolsa é uma ajuda de custo acrescida ao salário dos servidores que já tenham pesquisas financiadas por agências oficiais. O apoio é concedido por um ano, com possibilidade de prorrogação por mais um. A partir daí, nova solicitação deverá ser submetida.

PPM

As parcelas do PPM referentes ao ano de 2011 foram pagas na quase totalidade ainda no ano passado. Será feita agora a finalização do processo. O Programa Pesquisador Mineiro (PPM) tem como objetivo apoiar, por meio de concorrência, as melhores propostas coordenadas por pesquisadores ou tecnólogos de reconhecida liderança na sua área, visando a prover apoio mensal para o desenvolvimento de seus projetos. Nos quatro anos de vigência do programa, mais de R$ 46 milhões já foram investidos.

Outras informações pelo e-mail ci@fapemig.br

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Fapemig assina acordo com instituição do Canadá

Objetivo é desenvolver projetos de pesquisa em colaboração e intercâmbio de pesquisadores

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) assinou, em janeiro deste ano, um acordo com a International Science and Technology Partnerships Canada (ISTP Canada), uma organização não-governamental que possuiu o objetivo de fortalecer a ciência e a tecnologia do Canadá, as relações de negócios, comércio, economia e as relações políticas com países parceiros. O acordo prevê o lançamento de um edital em breve.

A ISTP Canada firma parcerias com diversos países, por meio da criação de uma rede de oportunidades e financiamento para apoiar a participação canadense em projetos de pesquisa em colaboração e intercâmbio.

O foco de ação do ISTP Canada no Brasil é Collaborative Research – projetos entre empresas canadenses e brasileiras na área de pesquisa e desenvolvimento de produtos, processo ou serviços, ou que resultem em uma significante melhoria em produtos, processos e serviços já existentes. O público-alvo são empresas de pequeno e médio porte. Contudo, essas empresas podem ser parceiras de universidades e/ou centros de pesquisa.

O vice-presidente de Operações da ISTP Canada, Pierre Bilodeau, participou em dezembro passado da reunião do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) em Manaus (AM), com o objetivo de apresentar a organização aos dirigentes das FAPs e aumentar o número de parceiros no país.

No Brasil, já foram lançados dois editais, sendo um com participação da Fapesp em 2009, focando em empresas no Estado de São Paulo; enquanto o outro edital, empresas de qualquer região do país tiveram a oportunidade de participar. Para saber mais sobre a organização, acesse aqui .

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: Universidade Estadual de Montes Claros amplia qualificação do corpo docente

MONTES CLAROS (23/01/12) – A Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) alcançou o índice de 45,15% do seu corpo docente com a titulação de mestre ou doutor. A instituição conta com um total de 1.362 professores, dos quais 452 são mestres e outros 163 já concluíram o doutorado. Os dados foram divulgados pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação da instituição.

“Os números demonstram que a universidade está em franca melhoria, obtendo resultados extremamente positivos na capacitação do seu corpo docente. Devemos enaltecer o esforço e a dedicação de nossos professores, que enxergaram a necessidade de se qualificarem, fazendo com que a nossa instituição viesse alcançar níveis de excelência no ensino, na pesquisa e na extensão”, assegura o reitor da Unimontes, João dos Reis Canela.

“Devemos lembrar que o aumento da qualificação docente está diretamente vinculado ao próprio crescimento institucional da universidade nos últimos 10 anos. Por exemplo, alcançamos 451 projetos de pesquisa – todos em andamento – e os mestres e doutores também contribuíram para isso”, avalia.

Investimentos

O reitor destaca que o índice obtido resulta da prioridade dada pela Universidade Estadual de Montes Claros à capacitação docente. Em 2011, a Unimontes investiu R$ 11.685.765,45 na área de pesquisa e na pós-graduação. Foram aplicados R$ 7.117.086,10 na investigação tecnológica e científica e outros R$ 4.568.679,35 na pós-graduação. Os investimentos foram viabilizados com o apoio de organismos de fomento, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e o Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), além da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do MEC.

Conforme João Canela, a perspectiva da Unimontes é elevar mais ainda a capacitação docente nos próximos anos diante do número de outros profissionais que buscam titulação. Atualmente, a Unimontes conta com 116 professores matriculados em cursos de mestrado e outros 116 cursam doutorado.

O pró-reitor de Pós-Graduação Osmar Pereira Oliva afirma que a qualificação docente teve um crescimento significativo na última década. Ele ressalta que os investimentos no setor refletem não somente no aumento da quantidade de mestres e doutores, mas também na melhoria das aulas ministradas e no surgimento de novos grupos de pesquisa, “envolvendo cada vez mais alunos da graduação e da pós-graduação”.

Ele também salienta que a elevação do número de professores com títulos de mestre e doutor resulta em melhorias para toda a universidade. “A titulação docente desencadeia melhores oportunidades de avanços no conhecimento, na pesquisa e na extensão e envolve toda a comunidade acadêmica, com a atuação mais expressiva de professores e alunos”, afirma.

Osmar Oliva frisa que o processo de titulação envolve a qualificação tanto de professores quanto de alunos da instituição e motiva, ainda, a produção intelectual e científica e as relações nacionais e internacionais. “Pois alunos e professores participam de grupos de pesquisa em outras universidades brasileiras e estrangeiras. Eles também comparecem aos eventos científicos e publicam livros e ensaios/artigos em periódicos especializados, como resultados parciais ou finais de suas investigações”, relata.

O pró-reitor lembra que, além da articulação junto aos órgãos de fomento e a concessão de bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, oferecidas pela Fapemig e pela Capes/MEC, a Unimontes contribui para a qualificação docente por meio dos seus programas pós-graduação Stricto sensu. Desta forma, a Universidade possibilita que os seus professores possam fazer os cursos na própria instituição onde atuam.

Pós-graduação Stricto Sensu

Atualmente, a Unimontes oferece um curso de doutorado (em Ciências da Saúde) e nove mestrados próprios, nas áreas de Biotecnologia, Desenvolvimento Social, Ciências Agrárias (Produção Vegetal no Semiárido), Ciências Biológicas, Ciências da Saúde (um profissional e outro acadêmico), Zootecnia e Letras (Estudos Literários) e História.

A universidade também conta com os mestrados interinstitucionais em Direito e Geografia e o Doutorado Interinstitucional em Letras e Geografia, todos viabilizados a partir de parceria com a Pontifícia Universidade Católica de Minas (PUC Minas). São ofertados, ainda, os doutorados interinstitucionais (Dinter) em Ciências Econômicas – em convênio com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) –; em Ciências Sociais através de parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Ciências da Religião, com a PUC/SP; Odontologia Restauradora, com a Universidade de São Paulo (USP – Ribeirão Preto); e o mestrado interinstitucional em Artes Cênicas, em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Edital para pesquisas no setor elétrico recebe aporte de R$ 40 milhões

BELO HORIZONTE (20/01/12) – As propostas aprovadas no Edital 11/2011, fruto da parceria entre Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para o financiamento de pesquisas no setor elétrico, receberão investimento de R$ 70 milhões. “Em face do grande número de projetos e da excelência da maioria deles, a Cemig e a Fapemig decidiram aumentar os recursos do edital”, afirma o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig, José Policarpo. Anteriormente, seriam destinados R$ 30 milhões para os projetos contemplados pelo edital.

A demanda total foi de 229 projetos, somando R$ 385 milhões em recursos solicitados. O novo montante, R$ 70 milhões, será destinado aos 40 projetos contemplados. Adicionalmente, a Cemig contratará diretamente outros 26 projetos selecionados no edital.

A gestão dos projetos aprovados será discutida entre Cemig, Fapemig e as instituições beneficiadas para verificar a necessidade de ajustes. Assim, cada um dos coordenadores dos projetos aprovados será convocado para uma reunião de negociação, quando ocorrerá análise detalhada e os possíveis acertos. Em razão destas reuniões, a fundação não divulga, nesta oportunidade, os valores relativos a cada uma das propostas aprovadas. A contratação dos projetos estará condicionada ao resultado dessa análise e ao acerto dos ajustes identificados como necessários.

Os prazos constantes no edital serão contados a partir de 23 de fevereiro, em razão das férias coletivas da Fapemig, que terão início no próximo dia 23 de janeiro.

Parceria inovadora

O Edital 11/2011 foi lançado durante a cerimônia de comemoração dos 25 anos da fundação, em maio do ano passado, marcando o início da execução de uma parceria inovadora, assinada em janeiro de 2011. Ao todo, serão destinados R$ 150 milhões em estudos específicos no prazo de cinco anos. Segundo o acordo, a Cemig responderá por R$ 100 milhões e a Fapemig pelo montante de R$ 50 milhões.

O valor será destinado a pesquisas ligadas às áreas de atuação da Cemig (geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica), buscando o desenvolvimento de fontes alternativas renováveis e limpas, como solar, eólica e biomassa. Estão previstos, ainda, estudos sobre a proteção do meio ambiente, o uso racional da energia e a eficiência operacional da empresa. “Esses objetivos estão fundamentados nos pilares da sustentabilidade e do melhor atendimento à população e sociedade em geral, através de redução de custos e aumento da qualidade no fornecimento da energia”, destacou Arlindo Porto Neto, vice-presidente da Cemig.

Governo de Minas: cultivo sustentável no Campo das Vertentes favorece exportação de rosas

SÃO JOÃO DEL-REI (17/01/12) – No mercado de flores é fundamental que os produtores tenham atenção quanto à folhagem e à flor, que não podem apresentar danos pelo ataque de pragas ou doenças. Por isso, o uso de agrotóxicos é comum. No entanto, a produção sustentável das flores começa a contar pontos, principalmente para a exportação. Atenta a essas mudanças, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), de São João del-Rei, no Campo das Vertentes, já desenvolve, por meio do Núcleo Tecnológico Epamig Floricultura (Nutef), desde 2009, experimentos para o cultivo de rosas sem agroquímicos.

“O mercado internacional tem mostrado a existência de um movimento de consumidores à procura por alimentos e flores ausentes de resíduos de agroquímicos. A tendência é de que os consumidores se tornem mais exigentes a cada ano e que induzam o setor produtivo a se adequar para tornar-se mais competitivo”, afirma a engenheira agrônoma e pesquisadora da Epamig Elka Fabiana Aparecida Almeida.

Ela desenvolve projetos de Produção Integrada de Rosas. Em 2009, tiveram início dois experimentos, visando ao manejo sustentável do solo e ao controle alternativo de pragas. O terceiro projeto, implantado em 2011, teve por objetivo o uso sustentável da água e a redução da adubação nitrogenada. Segundo a pesquisadora, os três experimentos encontram-se em desenvolvimento e os primeiros resultados já comprovam que é possível cultivar rosas de uma forma sustentável. Elka explica que as tecnologias estão sendo desenvolvidas para reduzir a aplicação de agrotóxicos e adubos com o manejo integrado e controle biológico de pragas e doenças e pela utilização de adubação verde e adubos orgânicos produzidos pelo próprio produtor.

Para este ano, foi aprovado junto à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) mais um projeto no âmbito da produção sustentável de rosas, que disponibilizará recurso de R$ 26.800. Com o valor, serão realizados experimentos para verificar o comportamento de outras variedades de rosas e de adubos verdes para o controle biológico de pragas; além da implantação de duas unidades de teste de validação dos resultados em propriedades familiares. “Assim que o recurso for liberado, vamos começar as visitas aos produtores para a implantação de área demonstrativa. Com este novo projeto vamos levar a tecnologia para o produtor”, informa a pesquisadora.

Benefícios

Com as tecnologias geradas pelas pesquisas realizadas na Epamig de São João del-Rei, o produtor poderá diminuir a aplicação de adubos e agrotóxicos na produção de rosas utilizando boas práticas agrícolas. “Desta forma, ele poderá reduzir os custos com a produção, preservar o meio ambiente e obter a certificação de sua propriedade, o que favorecerá a comercialização das rosas”, destaca a engenheira agrônoma.

Segundo ela, as cadeias de distribuidores e grandes pontos de vendas, principalmente da Comunidade Européia, tem exigido dos exportadores que seja levado em consideração o nível de resíduos de agrotóxicos, o respeito ao meio ambiente, a rastreabilidade e as condições de trabalho, higiene e saúde dos trabalhadores na agricultura. “Os consumidores de diversos países têm exigido informações a respeito da origem e do processo de produção de hortaliças, frutas e flores, dando preferência a produtos rastreados e/ou certificados”, completa.

Os projetos de sustentabilidade na produção de rosas contam com o apoio, além da Fapemig, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Fonte: Agência Minas

Governador Antonio Anastasia anuncia liberação de R$ 70 milhões para financiamento de pesquisas

 

BELO HORIZONTE (17/01/12) – O governador Antonio Anastasia anunciou, nesta terça-feira (17), a liberação de R$ 70 milhões para financiamento de pesquisa voltada para a educação básica, bolsas de pós-doutorado, cursos de pós-graduação em universidades sediadas em Minas Gerais e compra de equipamentos para pesquisa.

Desse total, R$ 24 milhões são recursos do Governo de Minas, repassados por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), e R$ 46 milhões pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação (MEC). Os editais para a seleção serão lançados em março.

O objetivo da parceria é contribuir para elevar o padrão de excelência dos cursos de pós-graduação em Minas, para que se tornem referência no país. Visa também promover a melhoria das atividades de ensino, pesquisa e extensão nas instituições de ensino superior do Estado e melhorar as atividades de ensino e a formação de professores da rede pública estadual.

Anastasia destacou que o investimento do Governo de Minas em pesquisa e educação tem por meta acelerar o crescimento econômico e o desenvolvimento social do Estado.

“Em Minas Gerais temos buscado transformar essas pesquisas também em utilidades e desenvolvimento para nossa sociedade naqueles nichos onde isso é possível, transformando-as em patentes, em empregos e geração de riqueza, em um esforço continuado. Tenho certeza de que cada real investido em ciência e tecnologia são vários reais que vamos gerar, no futuro, desenvolvimento para o Estado”, disse o governador.

Os novos recursos representam a segunda fase da parceria entre a Fapemig e a Capes. Na primeira fase, foram investidos R$ 10 milhões. De acordo com o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, os bons resultados alcançados estimularam a instituição a renovar e ampliar as ações conjuntas com a Fapemig.

O presidente da Fapemig, Mário Neto Borges, destacou a importância e o pioneirismo da inclusão do apoio à pesquisa para educação básica nas modalidades contempladas nessa etapa.

“Esse tipo de apoio é inédito e muito significativo, porque sabemos que a educação básica é universalizada, mas a qualidade ainda precisa melhorar e essa iniciativa conjunta da Capes e da Fapemig irá ajudar nesse ponto e formar material humano para a graduação e pós-graduação”, explicou ele.

A secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, afirmou que a melhor qualificação de professores terá reflexos importantes no ensino público no Estado.

“Os resultados de programas como esse são imediatos, porque o professor que participa de um projeto fica altamente motivado, se sente valorizado, a sua auto-estima cresce. Além disso, ele vai trabalhar com o apoio das universidades onde se produz conhecimento mais avançado e poderá socializar as boas práticas com que terá contato e conviver com pessoas que têm soluções diferentes para cada questão a ser trabalhada com os alunos”, comemorou a secretária. Clique aqui para acessar quadro sobre destinação dos recursos (arquivo word).

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: novo edital destinará R$ 500 mil para apoiar programas de Educação Tutorial

BELO HORIZONTE (17/01/12) – Financiar projetos temáticos de Programas de Educação Tutorial (PET) que envolvam a articulação entre ensino, pesquisa e extensão e contribuam na resolução de problemas sociais. Este é o principal objetivo do mais novo edital lançado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O Edital Programas de Educação Tutorial (PET), da Fapemig, funcionará como um recurso extra, destinando R$ 500 mil para os grupos mineiros inseridos no programa.

O PET é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC), financiado pela Secretaria de Educação Superior (Sesu), criado para apoiar atividades acadêmicas que integram ensino, pesquisa e extensão. Formado por grupos tutoriais de aprendizagem, o PET propicia aos alunos participantes, sob a orientação de um tutor, a realização de atividades extracurriculares que complementem a formação acadêmica do estudante e atendam às necessidades do próprio curso de graduação. O estudante e o professor tutor recebem apoio financeiro de acordo com a Política Nacional de Iniciação Científica.

O novo edital da Fapemig é uma iniciativa inédita, que vai oferecer um custeio adicional de até R$ 15 mil a cada grupo aprovado com o objetivo de fortalecê-los. “Com o lançamento do edital, a Fapemig busca contribuir para a elevação do nível de qualificação dos estudantes de graduação, com foco na multidisciplinaridade e na formação de lideranças e ainda estabelecer uma relação de diálogo entre pesquisadores e sociedade”, pontua o presidente da Fapemig, Mario Neto Borges.

Para o professor da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tutor do programa há mais de 20 anos, Francisco José Gomes, a iniciativa da Fapemig fortalece a base da formação dos futuros cientistas do país. “Não há desenvolvimento científico e tecnológico sem educação e formação de qualidade”, afirma.

Sobre o edital

São consideradas elegíveis as propostas que atendam a alguns requisitos. A Instituição Proponente, por exemplo, deve estar sediada em Minas Gerais; se comprometer a propiciar condições adequadas de espaço, infraestrutura, pessoal de apoio técnico e administrativo para o desenvolvimento do projeto proposto; possuir experiência em educação tutorial. O coordenador do Grupo PET deve ter vínculo com a Proponente, e com um programa de educação tutorial; ter produção científica ou tecnológica relevante, nos últimos  três  anos, na área específica do projeto, entre outras atribuições. A proposta deve estar claramente caracterizada como Projetos de Educação Tutorial; prever a articulação entre ensino, pesquisa e extensão e ser originária de Grupo PET aprovado e vinculado à Sesu/MEC.

As propostas serão recebidas até 15 de maio. Elas devem ser submetidas eletronicamente, por meio do sistema AgilFAP (HTTP://agilfap.fapemig.br). Outras informações podem ser obtidas com a Central de Informações da Fapemig, pelo e-mail ci@fapemig.br .

Gestão Anastasia: Programa Minas Leite já supera meta de mil propriedades rurais atendidas

BELO HORIZONTE (04/01/12) – O Programa Estadual da Cadeia Produtiva do Leite (Minas Leite), criado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), já atende a 1.036 propriedades de agricultores familiares do Estado. Em 2011,  houve um crescimento de 62% em relação ao volume de fazendas incluídas até o ano anterior, segundo informou o coordenador do programa pela secretaria, Rodrigo Puccini Venturin.

“A expansão atual é devida principalmente à expressiva adesão dos produtores do Sul de Minas, região tradicionalmente voltada para o cultivo de café”, explicou Venturin. Para participar do Minas Leite, os produtores devem fazer sua inscrição em uma das unidades da Emater-MG, vinculada à secretaria, comprovando a condição de agricultores familiares. Esses produtores têm acesso a um conjunto  de boas práticas que possibilitam o aumento de produção e a melhoria da qualidade de leite com sustentabilidade.

Segundo Venturin, os benefícios do programa se destinam aos produtores de todo o Estado, respeitando as particularidades regionais. “Além da Emater, que responde pela execução do Minas Leite, o programa conta com a participação da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), principalmente no desenvolvimento de pesquisas que possibilitam a indicação do gado leiteiro mais apropriado para cada uma das regiões envolvidas”, explicou o coordenador.

“É o caso do Sul de Minas, onde a  inclusão de novas propriedades leiteiras foi decisivo para a superar a meta de mil fazendas atendidas pelo programa em 2011.” Cada propriedade assistida pelo Minas Leite serve de referência para outras dez fazendas vizinhas, criando uma efeito multiplicador de boas práticas. Elas também são utilizadas como locais para realização de cursos e dias de campo.

Alta produção

Segundo o  coordenador técnico da Emater-MG em Alfenas, Marcelo Rodrigues Martins, “até 2010 havia menos de 30 propriedades integradas ao Minas Leite e, atualmente, são cerca de 100 unidades em 29 municípios da região”.  A média de produção atualmente é de 186 litros/dia por fazenda, um aumento da ordem de 20% em relação a 2010. Já a redução de custos na produção alcança 15%, como consequência principalmente da melhor utilização da ração concentrada e da utilização do pasto no período chuvoso, práticas que os extensionistas enfatizam no acompanhamento das atividades.

“Os produtores são escolhidos com rigor, porque suas propriedades passam a ser utilizadas como bancos de escola, ou referência para os demais, e atendem também aos técnicos interessados em avaliar as práticas adotadas para o aumento da produção sustentável de leite”, acrescenta Martins.

Ele ainda observa que os dias de campo do Minas Leite são muito importantes para a difusão das boas práticas de produção. “Os encontros possibilitam a troca de informações entre técnicos e produtores e a apresentação de resultados. O Minas Leite é um programa voltado principalmente para a gestão, sendo o primeiro passo o levantamento dos recursos da fazenda, depois o diagnóstico e a definição das metas”, resume. A orientação básica, na parte da alimentação, é a produção a pasto, com os animais em piequetes rotacionados para possibilitar a recuperação das áreas de pastagem.

Ao mesmo tempo, o programa recomenda princípios de economia, como a utilização dos recursos gerados na propriedade, a produção de silagem e alimentos com alto volume de fibras no próprio local para o gado consumir no período de seca. “Os produtores também recebem orientação para desenvolver o sistema integrado de lavoura, pastagem e floresta (ILPF), que possibilita o bem-estar animal, que leva ao aumento da produtividade e contribui para a diversificação da renda das fazendas.

De acordo com Martins, a Emater está buscando o apoio das cooperativas da região  para o desenvolvimento dos produtores de leite e os contatos são promissores. Ele acrescenta que  os trabalhos do Minas Leite na região Sul têm a parceria da Universidade Federal de Alfenas (Unifenas), principalmente na aplicação de conhecimentos sobre a adequação econômica e ambiental das propriedades. O trabalho tem o suporte da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais  (Fapemig).

Liderança mineira

Minas Gerais é o maior produtor de leite do país, informa o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Estado produz 8,4 bilhões de litros,  representando 27,3% do total produzido no Brasil. Minas possui  7,4 milhões de fêmeas, sendo 5,4 milhões cabeças em lactação, o maior plantel do país.

Fonte: Agência Minas