• Agenda

    agosto 2020
    S T Q Q S S D
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Gestão Anastasia: governador participa de lançamento do Banco de Empregos

Ferramenta disponibilizada na internet pelo Sistema Fecomércio tem o objetivo de facilitar processos de seleção para empresas e pessoas que buscam trabalho

Osvaldo Afonso/Imprensa MG
Para Antonio Anastasia, iniciativa da Fecomércio coincide com esforço do Governo de Minas na geração de empregos
Para Antonio Anastasia, iniciativa da Fecomércio coincide com esforço do Governo de Minas na geração de empregos

O governador Antonio Anastasia participou, nesta sexta-feira (13), do lançamento do Banco de Empregos do Sistema Fecomércio Minas, Sesc, Senac e Sindicatos Filiados. Trata-se de uma plataforma on line de cadastramento de currículos de profissionais que procuram vagas nas empresas dos segmentos comerciais de bens, serviços e turismo em todo o Estado.

O Banco de Empregos foi criado pelo Senac e já começou a funcionar pelo endereço  www.bancodeempregos.org.br. O serviço vai ajudar as empresas a encontrar os profissionais de que precisam, de forma mais dinâmica e segura. Também contribuirá para a geração de empregos no comércio das cidades mineiras.

“Essa iniciativa da Federação do Comércio, de lançar esse Banco de Empregos, é muito positiva porque está permitindo o acesso a informação, inclusive, nos municípios pequenos, onde não tem jornais locais e as pessoas, às vezes, nem ficam sabendo das oportunidades de emprego. Hoje, o mundo virtual é muito grande, é uma ferramenta de muito auxílio”, destacou Anastasia, lembrando que a geração de empregos é a prioridade absoluta do governo dele.

O funcionamento do Banco de Empregos é semelhante a um banco de currículos, via internet, e gratuito, tanto para os profissionais que buscam uma oportunidade, quanto para os empresários. Os candidatos cadastram seus currículos e optam por uma ou mais ocupações de seu interesse. As informações dos candidatos são disponibilizadas para consulta das empresas, que poderão pré-selecionar candidatos e convidá-los a participar de seus processos seletivos. As empresas ativas do segmento do comércio de bens, serviços e turismo poderão visualizar os currículos, de acordo com a área de interesse.

“Fico muito feliz em perceber que esse instrumento vem coincidir com esse grande esforço que estamos fazendo em Minas Gerais, governo, empresários, sociedade civil, para gerar empregos de qualidade. São esses empregos que vão possibilitar a inclusão social plena, a paz social, as possibilidades cada vez maiores de desenvolvimento. A Fecomércio tem sido uma parceira fundamental, excepcional, do povo de Minas Gerais”, afirmou o governador.

O presidente do Sistema Fecomércio Minas, Lázaro Luiz Gonzaga, acredita que a nova ferramenta vai facilitar processos não só para quem está em busca de trabalho, mas também para as empresas, que poderão ter economia de tempo e dinheiro em seus processos de seleção. “Aproveitando a tecnologia, estamos estendendo o banco para todo o Estado, o que antes era oferecido apenas para os alunos do Senac”, disse.

Emprego em Minas

Minas possui 750 mil microempresas e empresas de pequeno porte, que correspondem a 99% do total de organizações existentes no Estado. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, nos dois primeiros meses deste ano, foram criados, no Estado, 40.488 novos postos de trabalho (o que corresponde a um crescimento de 1% em relação ao mesmo período do ano passado).

Em 2011, o Estado gerou proporcionalmente mais empregos que a média do país, segundo o Caged. O saldo entre número de admissões e demissões foi de 206.402 postos, com crescimento de 5,42%.

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte permanece em 5,1%, mesmo resultado de janeiro. É o menor índice da série histórica desde 1996. Também é o menor índice entre as sete regiões metropolitanas pesquisadas – Belo Horizonte, Distrito Federal, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Salvador e São Paulo, segundo pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada pela Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete), Fundação João Pinheiro (FJP), Dieese e Fundação Seade.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-participa-de-lancamento-do-banco-de-empregos/

Gestão Anastasia: governo de Minas cria núcleo para preservação da memória de Paulo Neves de Carvalho

A Fundação João Pinheiro estabelecerá as diretrizes e critérios para organização da memória e disponibilização de acervos do núcleo

O governador Antonio Anastasia editou decreto que cria o Núcleo de Referência da Memória do Professor Paulo Neves de Carvalho. Ligado à Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (FJP), que também tem o nome do jurista, o núcleo vai desenvolver atividades de resgate, discussão, produção, preservação e divulgação, nas dimensões humana, científica, acadêmica, profissional, institucional e social do jurista, considerado um dos maiores especialistas do Direito Administrativo no Brasil.

“Mais do que a homenagem a um dos maiores especialistas do país em Direito Administrativo, o Núcleo será um espaço para a reflexão sobre um importante ramo do Direito. O professor Paulo Neves de Carvalho, pelas diversas atividades que desenvolveu ao longo de sua vida, deixou um legado muito grande para todos os profissionais que militam nessa área e para a sociedade em geral”, afirmou o governador Anastasia.

De acordo com o Decreto nº 45.937, de 23 de março de 2012, o Núcleo deverá  elaborar projetos interdisciplinares e eventos, propor parcerias ou ações compartilhadas para integração de fontes de estudos, pesquisa e recursos públicos e privados, institucionais ou de pessoas físicas.

Para a secretária de Estado de Casa Civil e Relações Institucionais, Maria Coeli Simões Pires, “o Núcleo de Referência da Memória de Paulo Neves de Carvalho resgata a trajetória de reconstrução de um Direito e de uma Gestão Pública comprometidos com a realidade e com a diversidade das formas sociais cotidianas. A iniciativa é, também, um tributo ao mestre que se tornou referência simbólica da doutrina administrativa brasileira, com seu paradigma para a reflexão da Ciência Jurídica, da Administração Pública e da Sociologia de Educação”.

A FJP estabelecerá as diretrizes e critérios para organização da memória e disponibilização de acervos do núcleo, por meio de ato a ser publicado em  resolução conjunta das secretarias de estado de Casa Civil e de Relações Institucionais (Seccri),  de Planejamento e Gestão (Seplag),  de Cultura (SEC), e de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior (Sectes).

Segundo a presidente da FJP, Marilena Chaves, é uma honra para a fundação estar à frente do núcleo. “Nossa equipe está compromissada e motivada a realizar este trabalho que irá marcar o registro da atuação daquele que é uma das referências do direito administrativo do Brasil e que dá nome à nossa Escola de Governo”, afirmou.

Medalha e comemoração

A criação do núcleo faz parte das comemorações dos 20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho da FJP, iniciadas em fevereiro de 2012. Dentre as diversas atividades está a criação da Medalha Professor Paulo Neves de Carvalho, destinada a homenagear cidadãos mineiros que tenham desempenhado papel de relevância, atuado de maneira notável ou realizado trabalhos e pesquisas que contribuam com a gestão e a administração pública.

A Escola de Governo tem o objetivo de contribuir para a melhoria e modernização da gestão pública por meio da formação e capacitação de quadros técnicos, desenvolvimento de pesquisas e assessoria a órgãos e entidades governamentais na formulação, implementação, monitoramento e avaliação de políticas públicas.

O jurista

Natural de São João del-Rei, Paulo Neves de Carvalho foi sócio-fundador e primeiro presidente do Conselho Superior do Instituto Mineiro de Direito Administrativo e Inspetor Federal de Ensino. Foi professor da Universidade Federal de Minas Gerais por mais de 50 anos, tendo lecionado na Faculdade de Ciências Econômicas e na Escola de Engenharia, onde ensinou Direito Administrativo. Estudou e lecionou na Universidade da Califórnia do Sul, em Los Angeles (EUA), que lhe concedeu, primeiro, o título de Master of Science in Public Administration, e, em seguida, o grau de Doutor, ou PHD, em 1954. Notabilizou-se na Administração Pública atuando na Prefeitura de Belo Horizonte.

No Governo de Minas, foi um dos idealizadores da Copasa, consultor-chefe da Assessoria Técnico-Consultiva do Governador do Estado, supervisor e diretor dos trabalhos da Reforma Administrativa durante o governo de Magalhães Pinto e criador e primeiro titular da Secretaria de Estado de Administração.

Prestou serviços à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MG), à Associação Médica de Minas Gerais, ao Tribunal de Contas, a Junta Comercial. Foi consultor da Comissão Constituinte da Assembleia Legislativa em 1989 e o autor intelectual e redator final de muitos dos preceitos inovadores da vigente Carta de Minas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-cria-nucleo-para-preservacao-da-memoria-de-paulo-neves-de-carvalho/

Governo de Minas: Renata Vilhena receberá prêmio nacional de gestão pública nesta sexta-feira

Premiação valoriza ações de modernização do poder público no Brasil

secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, recebe nesta sexta-feira (23) o prêmio Guerreiro Ramos de Gestão Pública, concedido pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A premiação é voltada a valorização de estudos e ações que contribuam para a modernização do poder público no Brasil.

Gestores públicos de todo o país concorreram ao prêmio e, neste ano, excepcionalmente, o comitê de julgamento decidiu agraciar dois destaques na gestão pública nacional: a secretária Renata Vilhena e o assessor especial da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos do Estado do Espírito Santo, Manoel Carlos Rocha. A cerimônia de certificação terá início às 19h, no auditório da Cidade Acadêmica do Pitágoras, Rua Madalena Sofia, 25, no bairro Vila Paris, em Belo Horizonte.

O presidente do comitê de julgamento e vice-presidente do CFA, Marcos Lael, destacou a alta qualidade dos trabalhos realizados. “É uma satisfação enorme presidir uma comissão que resgata o legado de Guerreiro Ramos. É impressionante a qualidade do material que recebemos. São estudos aprofundados, consistentes e de conteúdos respeitáveis”, destacou.

Premiação

Criado em 2010 pelo Conselho Federal de Administração, o prêmio faz homenagem a Alberto Guerreiro Ramos, professor que teve grande relevância política e acadêmica no Brasil e no mundo. Os trabalhos foram inscritos por meio de cada conselho regional do Estado de origem e os candidatos podem escolher a categoria em que disputarão o prêmio.

Formada em 1985, em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Renata Vilhena especializou-se em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP), em 1991. No Governo de Minas, Renata Vilhena participou da concepção e da implementação do “Choque de Gestão” no Estado, compreendido por medidas de reorganização e modernização administrativa, visando à redução de despesas, o aumento dos recursos para investimentos e a melhoria dos processos de gestão. Além disso, atuou na instituição de medidas voltadas ao aumento de produtividade do setor público, especialmente através da definição de critérios meritocráticos para avaliação e recompensa aos servidores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/renata-vilhena-recebera-premio-nacional-de-gestao-publica-nesta-sexta-feira/

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro lança primeiros volumes da série “Boletim PAD”

Publicações abordam indicadores de despesas domiciliares em Minas Gerais, segundo dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios 2009

O Centro de Estatística e Informações (CEI) da Fundação João Pinheiro (FJP) lançou nesta terça-feira (20) os dois primeiros volumes da Série “Boletim PAD”, uma linha de publicações focada nos resultados da Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PAD-MG).

Os volumes I e II da série abordam indicadores de despesas domiciliares, segundo dados da primeira edição da pesquisa, realizada em 2009. A análise das informações contidas em ambas as publicações permite não só o conhecimento dos padrões de consumo da população mineira, como também a avaliação do nível de alcance e ramificação de políticas públicas e serviços implementados pelo Estado.

A Pesquisa por Amostra de Domicílios é desenvolvida pela fundação em parceria com o Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas e com apoio do Banco Mundial e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Realizado a cada dois anos, o estudo tem como objetivo conhecer em profundidade as características socioeconômicas, demográficas e culturais da população mineira.

“Este estudo é de fundamental importância para Minas Gerais, pois disponibiliza para a sociedade, instituições, governo e imprensa uma base de dados de alta qualidade, que pode subsidiar diversas outras pesquisas e estudos”, observou a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

Padrões de consumo

As publicações “Boletim PAD 2009 – Indicadores de Despesas Domiciliares”, partes I e II, descrevem os padrões de despesas relativos à habitação, educação, saúde e gastos coletivos do domicílio, como vestuário, artigos de higiene pessoal e limpeza da casa, recreação, cultura, alimentação, bebidas dentro e fora do domicílio, transporte, comunicação e imposto de renda.

“A PAD é uma pesquisa inédita, tanto em Minas Gerais quanto em outros estados do Brasil. A vantagem sobre outras pesquisas, como a do IBGE e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), ambas realizadas pelo governo federal, é que a PAD possibilita a inclusão de novas informações e trabalha com dados regionais, sendo a única que analisa as sub-regiões”, explicou o diretor do Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro, Frederico Poley.

“Além de mostrar os padrões regionais, esta pesquisa aponta como uma sociedade se organiza, quais são suas preferências e particularidades, pois seu nível de desagregação de dados é mais amplo”, completou a pesquisadora do Centro de Estatística e Informações, Karina Rabelo.

Principais resultados

Educação – Os domicílios mineiros têm um gasto médio mensal per capita com educação de R$ 67,28. Desse total, R$ 41,28 são destinados a mensalidade escolar, o que corresponde a 61,36% dos investimentos totais em educação. Na sequência, estão o custeio de transporte (R$ 8,11), merenda (R$ 4,94) e material escolar (R$ 4,46).

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (R$ 85,13), a Zona da Mata (R$ 78,36), e o Triângulo Mineiro (R$ 70,35) são as regiões que apresentam maiores despesas com educação. As regiões Norte (R$ 33,14), Central (R$ 45,81) e Centro-Oeste (R$ 50,30) são as que registram os menores gastos com educação.

De acordo com a pesquisa, à medida que ocorrem acréscimos em anos de estudo na escolaridade dos chefes de família, há crescimento gradativo nas despesas com educação em Minas Gerais.

Saúde  – Em média, os domicílios mineiros gastam mais em saúde do que em educação. Do total de R$ 96,74 em despesas com saúde, mais da metade corresponde ao pagamento de plano ou seguro saúde (R$ 53,10), representando 54,89% das despesas neste segmento.

No Estado, domicílios chefiados por mulheres apresentam gastos com saúde superiores àqueles chefiados por homens: R$ 107,21 contra R$ 90,27, respectivamente.

Habitação e Gastos Diversos no Domicílio – Como ocorre com todas as despesas analisadas, em geral, gastos com habitação têm relação com a renda média mensal do domicílio: quanto maior o nível de renda, mais elevadas as despesas. No entanto, foram observados domicílios chefiados por mulheres que possuem menores níveis de renda e, mesmo assim, têm mais despesas com habitação (R$ 199,36) do que aqueles chefiados por homens (R$ 168,99).

A RMBH é a região que possui maior despesa per capita com habitação e gastos diversos no domicílio (R$ 244,51), representando um gasto 36,15% maior quando comparado com o total de Minas Gerais. A região Norte, por sua vez, apresenta resultado de despesa inferior a 41,67%, em relação ao total do Estado.

Alimentação – O total de gastos em alimentos e bebidas foi de R$ 57,87, menor que o valor gasto em educação (R$ 67,28) e saúde (R$ 96,74). Laticínios e panificados representam a maior parte dessas despesas (22,23%), seguidos por grãos, cereais, farinha, leguminosas e oleaginosas (15%). O consumo de carnes, aves, peixes e ovos também é parte significativa da despesa, representando 13,39% do total.

PAD 2011

Atualmente em sua segunda edição, os primeiros resultados da PAD 2011 serão apresentados em abril de 2012. A pesquisa obteve informações de cerca de 18 mil domicílios distribuídos por todo o Estado, em 1.200 setores censitários de áreas urbanas e rurais, incluindo a capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A PAD-MG fornece os elementos necessários para o desenho das características da população, suas ações e posições no sistema de estratificação social e no mercado, e seus resultados são utilizados para originar novos estudos sobre temas específicos e subsidiar a elaboração, acompanhamento e avaliação de políticas públicas em Minas Gerais.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-lanca-primeiros-volumes-da-serie-boletim-pad/

Gestão Anastasia: estudo vai identificar perfil de trabalhadores de lixões em Minas Gerais

Iniciativa inédita no país, Fundação João Pinheiro irá mapear municípios mineiros onde existem depósitos de lixo precários

BELO HORIZONTE (25/01/12) – Analisar as condições de vida e características de pessoas que atuam como catadores em áreas de lixões de Minas Gerais, com foco na situação de vulnerabilidade de crianças e adolescentes. Este é o objetivo de um contrato assinado pela Fundação João Pinheiro (FJP) e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) em dezembro de 2011.

Iniciativa inédita no país, o estudo irá mapear os municípios mineiros em que existem depósitos de lixo precários e identificar os locais em que há atuação desses trabalhadores. Por meio de pesquisa in loco, serão identificados aspectos como saúde, trabalho, rendimentos e condições de vida das pessoas que trabalham nessas áreas de risco.
“Muitos lixões possuem famílias trabalhando em circunstâncias altamente vulneráveis e insalubres. Nosso propósito é caracterizar essas pessoas, especialmente as crianças”, explica o diretor do Centro de Estatística e Informações da fundação, Frederico Poley.
Segundo o diretor, não há registros de quantas pessoas trabalham nessas áreas, o que impossibilita a efetiva criação e implementação de programas sociais exclusivamente voltados para esta parcela da população. “A metodologia em que estamos trabalhando vem justamente mensurar dados até então não explorados. Tudo isso é novidade”, afirma.
Com conclusão prevista para 2013, o estudo está em sua fase inicial. A partir do mês de junho, equipes de recenseadores irão a campo para realizar a coleta dos dados. Na fase seguinte, essas informações serão sistematizadas em um banco de dados e analisadas.
Na etapa final, os dados serão organizados em documento único que irá detalhar a descrição das variáveis, a localização específica dos catadores e todas as informações sócio-demográficas levantadas pelo estudo. O relatório conclusivo servirá de base para o direcionamento de esforços por parte do Governo de Minas e subsidiará a elaboração de políticas públicas voltadas para esta parcela da população.
Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: escola de governo da FJP abre novo processo de credenciamento de professores

BELO HORIZONTE (24/01/12) – A Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), abriu novo processo de credenciamento de professores para os cursos de especialização. O edital EG /ESP/Nº001/2012, que dispõe sobre o processo de seleção de docentes para as disciplinas “Políticas Públicas e Segurança Pública”, “Direitos Humanos e Cidadania” e “‘Doutrina de Polícia Ostensiva”, já está disponível no site da escola.

Para se credenciar, o candidato deve entregar o Formulário de Inscrição de Docente Colaborador Externo, o curriculum vitae (modelos disponíveis no anexo II do edital) e cópia da titulação mais elevada na Secretaria de Registro e Controle Acadêmico da Escola de Governo, na sede da entidade – Alameda dos Oitis, 140, sala 103-B, bairro São Luís, Belo Horizonte – entre os dias 30 de janeiro e 1 de fevereiro, das 9h às 16h.

São considerados professores colaboradores externos, ocupantes de cargos comissionados na Fundação João Pinheiro não pertencentes ao quadro de servidores estaduais e que desenvolvam atividades docentes na Escola de Governo; servidores estaduais lotados ou à disposição de outros órgãos e entidades da Administração Pública Estadual, desenvolvendo atividades docentes na Escola de Governo; e docentes sem vínculo empregatício com o Estado de Minas Gerais.

A pré-seleção, com data, horário, local e conteúdo da “aula avaliativa”, será divulgada a partir de 6 de fevereiro no site da Escola de Governo. O resultado final está previsto para 16 de fevereiro.

Escola de Governo

A Escola de Governo tem como objetivo, contribuir para a melhoria e modernização da gestão pública por meio da formação e capacitação de quadros técnicos, do desenvolvimento de pesquisas e da assessoria a órgãos e entidades governamentais na formulação, implementação, monitoramento e avaliação de políticas públicas.

Instituição de ensino superior credenciada junto ao Ministério da Educação e ao Conselho Estadual de Educação, a EG oferece o Curso de Administração Pública (CSAP), Mestrado em Administração Pública, diversos cursos de especialização e cursos de capacitação e treinamento.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: governo de Minas lança Programa de Fomento à Cadeia Produtiva do Esporte

BELO HORIZONTE (22/12/11) – A Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-MG) e a Fundação João Pinheiro (FJP) assinaram, nesta quinta-feira (22), termo de cooperação para o lançamento do Programa de Fomento à Cadeia Produtiva do Esporte em Minas Gerais.

Iniciativa pioneira no Brasil, o programa atuará no diagnóstico da cadeia produtiva do esporte, na qualificação profissional e no incentivo de acesso ao mercado às entidades e empresas do segmento. O evento contou com a participação de 40 representantes de clubes, federações e empresas da área esportiva que atuam nas modalidades prioritárias do esporte de rendimento em Minas Gerais.

“O Governo de Minas tem o desafio de estar sempre na vanguarda das políticas públicas e essa parceria é a prova disso. O Produto Interno Bruto (PIB) esportivo é muito significativo e, principalmente neste momento, em que o Brasil se prepara para as duas principais competições esportivas mundiais, não pode ser ignorado”, destacou o secretário-adjunto de Esportes e da Juventude, Rogério Romero.

Com essa iniciativa, o Governo do Estado pretende despertar a atenção das entidades e empresas para as diversas oportunidades de negócio no setor esportivo e prepará-las para o promissor ambiente competitivo que se aproxima, com a realização da Copa das Confederações de 2013, da Copa do Mundo de 2014, dos Jogos Olímpicos de 2016 e de diversas outras competições esportivas previstas para o período.

Ao construir essa cadeia, Minas busca estabelecer um trabalho bem elaborado de marketing, que permita a geração de negócios para as entidades e empresas envolvidas, e resultados expressivos para os atletas mineiros nos cenários esportivos nacional e internacional.

O programa se insere nas estratégias desenvolvidas pela Seej no programa estruturador Minas Olímpica, que estimula ações no âmbito do esporte de rendimento no Estado, e terá início com um diagnóstico completo da cadeia produtiva do setor. A FJP será a responsável pelo diagnóstico e mapeamento da cadeia, propondo o arranjo institucional e as políticas públicas e estratégias empresariais necessárias para o desenvolvimento do setor.

Nesta primeira etapa, as federações, clubes e empresas serão sensibilizados em seminários regionais, que apresentarão a importância do Programa de Fomento à Cadeia Produtiva do Esporte em Minas Gerais. As instituições e empresas passarão por diagnóstico organizacional completo, visando à construção de um plano de ação para o desenvolvimento gerencial. Posteriormente, a Seej e o Sebrae realizarão projeto de capacitação para as empresas e entidades do setor, buscando o fortalecimento da capacidade gerencial e o posterior incentivo ao acesso ao mercado.

Assinaram o termo de cooperação, o secretário-adjunto de Esportes e da Juventude, Rogério Romero; o diretor superintendente Afonso Maria Rocha; e do diretor técnico Luiz Márcio Haddad Pereira Santos.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Antonio Anastasia recebe prefeitos de municípios atendidos pelo Programa Novo Somma

BELO HORIZONTE (01/12/11) – O governador Antonio Anastasia recebeu, nesta quinta-feira (1º), no Palácio Tiradentes, prefeitos de 31 municípios mineiros que serão atendidos com linha de crédito especial do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), por meio do Programa Novo Somma. Os contratos representam financiamentos globais de R$ 61,34 milhões e vão beneficiar uma população total estimada em 990 mil pessoas.

“Esse programa permite aos municípios realizar junto ao BDMG empréstimos expressivos que permitem, na área de infraestrutura, na área de equipamentos, um reforço muito grande dos municípios mineiros que necessitam muito desse apoio. Mais de mil equipamentos já foram adquiridos só neste ano de 2011. Pelos números apresentados, em 2012, a sequência desse programa continuará beneficiando de maneira muito efetiva os municípios mineiros independente de cor partidária, com um aspecto republicano e federativo fundamental dentro da nossa estrutura política”, afirmou o governador.

Os recursos serão destinados a obras de infraestrutura em vias públicas que incluam pavimentação ou drenagem e para compra de máquinas e equipamentos. O Novo Somma é uma linha de financiamento criada com recursos próprios do BDMG para apoiar a modernização dos municípios e a melhoria da qualidade de vida da população mineira, conforme orientação do Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI).

O programa oferece três linhas especiais: Novo Somma Maq, que financia especificamente compra de máquinas e equipamentos; Novo Somma Urbaniza, cujos recursos são direcionados para projetos de mobilidade urbana, saneamento e drenagem; e o Novo Somma Eco, que financia projetos de disposição adequada de resíduos sólidos. Os três subprogramas do Novo Somma foram criados após uma avaliação das demandas dos municípios, possibilitando maior eficiência e interiorização das ações no Estado.

“A questão dos municípios em nosso Estado é relevantíssima. Temos, e não canso de reiterar, que dos 853 municípios mineiros, mais de 700 tem menos de 10 mil habitantes. Durante muitas décadas, esse municípios ficaram à margem da ação coordenada do poder público. Nos últimos anos, felizmente, conseguimos levar benefícios não só nos municípios maiores, mas também para os municípios menores. E o Novo Somma se enquadra bem nesse quadro”, ressaltou Anastasia.

O presidente do BDMG, Matheus Cotta Carvalho, lembrou que na entrada do 12º mês de governo de Anastasia, essa foi a terceira cerimônia de assinatura de contrato entre o banco e prefeituras. “Desde o início do ano, chegamos a 143 contratos assinados com prefeituras mineiras, somando um total de R$ 206 milhões e atingindo uma população de mais de R$ 5 milhões de pessoas”, disse.

Participaram do evento prefeitos dos municípios de Alvarenga, Arinos, Betim, Brumadinho, Cambuí, Capinópolis, Carlos Chagas, Carneirinho, Carvalhópolis, Conceição das Alagoas, Cuparaque, Curvelo, Delfim Moreira, Iraí de Minas, Itajubá, Itambacuri, Itaú de Minas, Jaboticatubas, Janaúba, Jesuânia, Malacacheta, Padre Carvalho, Perdigão, Perdões, Salinas, Santana do Paraíso, São Brás do Suacui, São João do Manteninha, São Thomé das Letras, Tumiritinga e Vermelho Novo.  O prefeito de Carlos Chagas, Milton José Tavares de Quadros, assinou, durante o ato, o contrato representando os demais chefes de Executivo municipais.

“Esse benefício, somado a todos os outros que mudaram a face das nossas regiões, principalmente do Norte e do Jequitinhonha, prepara Minas para o enfrentamento de qualquer crise”, afirmou o prefeito de Salinas, José Antonio Prates, que falou em nome dos demais prefeitos.

Estado referência

Minas é um dos poucos estados do país que garante aos municípios recursos de um banco de desenvolvimento com juros diferenciados e abaixo dos praticados pelo mercado: 4% (ou 7% no Novo Somma Maq) ao ano mais correção pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP). O prazo para pagamento pode variar de 66 meses (cinco anos e meio) a 180 meses (15 anos).

“Hoje, felizmente, em todos os indicadores, Minas Gerais apresenta uma posição extremamente positiva e isso é motivo de orgulho e nos torna cada vez mais objeto de atenção e de cópia por outros estados da Federação e pelos organismos internacionais que nos visitam amiúde. Esse quadro, extremamente positivo, vai se repetir e vai permitir a atratividade de empresas e, fundamentalmente, da diminuição das desigualdades regionais, ainda uma realidade que temos de enfrentar em nosso Estado”, lembrou o governador.

O processo de contratação da operação de crédito passa pelas seguintes etapas: análise da capacidade de endividamento pelo BDMG; aprovação de lei municipal que autoriza o financiamento; encaminhamento pelo município da documentação exigida pela Secretaria do Tesouro Nacional, além de providências quanto ao processo licitatório para a execução do objeto contratado por parte do município. A entrega das máquinas e a execução das obras têm também o acompanhamento do BDMG.

Minas é mais emprego

Durante a cerimônia, o governador comemorou dados divulgados nessa quarta-feira (30) que mostram que, em outubro, a Região Metropolitana de Belo Horizonte apresentou a menor taxa de desemprego dos últimos 15 anos. A taxa caiu de 6,4% para 6% e é a menor entre as sete regiões metropolitanas avaliadas (Belo Horizonte, Distrito Federal, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Salvador e São Paulo).

Os dados são parte da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte (PED-RMBH) e foram divulgados pela Fundação João Pinheiro (FJP), Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete), Dieese e Fundação Seade.

“Há de fato uma crise econômica mundial hoje, que agudiza na Europa e traz desdobramentos mundo afora. Festejamos aqui dados divulgados ontem na área do emprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde temos hoje praticamente pleno emprego. Seis por cento de desemprego. O menor índice da série histórica. O menor índice de todas as regiões metropolitanas do Brasil está aqui em Minas Gerais. Uma situação extremamente positiva”, afirmou o governador.

Fonte: Agência Minas

Governador Antonio Anastasia destaca crescimento da economia mineira

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, destacou, nesta quarta-feira (16), o crescimento de 12,2% da economia mineira no primeiro trimestre deste ano, superando a média nacional que foi de 9%. Os dados sobre a atividade econômica no Estado nos primeiros três meses de 2010 foram divulgados, nessa terça-feira (15), pela Fundação João Pinheiro (FJP). Durante assinatura de protocolo de intenções com duas empresas que farão investimentos no Norte de Minas, o governador afirmou que a economia mineira está caminhando para um desenvolvimento sustentável.

“É uma notícia muito boa. Já esperávamos um crescimento expressivo de Minas Gerais e, agora, torcemos para que isso continue. Sabemos que o primeiro trimestre foi muito excepcional, até em razão da crise do ano passado, mas de fato há uma sinalização de que a economia mineira está respondendo muito bem e temos condições de ter um desenvolvimento sustentável”, afirmou o governador.

O governador ressaltou ainda o esforço que o Governo de Minas vem realizando, ao longo dos últimos anos, para gerar emprego, renda e qualidade de vida aos cidadãos, por meio de ações bem planejadas. Segundo ele, o Estado tem se destacado na atração de investimentos e deve fechar o primeiro semestre com investimentos privados no valor de R$ 50 bilhões, em setores variados, contribuindo para a diversificação da economia mineira. De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), entre 2003 e 2010, o Estado já recebeu investimentos que somam R$ 210 bilhões.

“Há um esforço exaustivo para termos, em Minas, mais empregos. Temos conseguido, de fato, atrair mais investimentos. O extraordinário crescimento do nosso PIB, superior ao da China no período, demonstra, de fato, a boa estrutura da economia mineira, bem superior à brasileira. Continuamos muito otimistas, achando que teremos um ano extremamente positivo”, afirmou o governador.

Crescimento da indústria

Segundo dados da Fundação João Pinheiro, no primeiro trimestre deste ano, o setor industrial de Minas apresentou crescimento de 22,9% em relação ao mesmo período do ano passado. Comparando com o mesmo período de 2009, a indústria brasileira teve crescimento apenas de 14,6%.

Entre as quatro atividades que compõem o setor industrial, a indústria extrativa apresentou crescimento de 57%. O setor de transformação foi o que teve maior peso para o indicador industrial, tendo como principal destaque o setor de máquinas e equipamentos, com expansão de 106,7% na taxa trimestral, apontando positivamente para investimentos industriais no Estado.

Agricultura

O setor de serviços em Minas também apresentou crescimento de 7,5%, enquanto a agropecuária recuou 3,3%. O resultado negativo da agropecuária foi reflexo da produção vegetal, que apresentou queda de 7,6%. Já a atividade pecuária teve alta de 4,6%. A produção estadual de grãos da safra de 2009/2010 atingiu 10,1 milhões de toneladas, representando diminuição de 2,8% sobre a safra anterior. Houve aumento de 19,7% na safra de café.

A produção animal em Minas foi impulsionada pela produção da avicultura, que cresceu 9,2%, a bovinocultura (7,7%) e na produção de suínos (4,8%). Inversamente, ocorreu queda na produção de ovos (-1,6%) e na produção de leite (-1,4%) no primeiro trimestre de 2010.

PIB mineiro tem crescimento superior ao do Brasil no primeiro trimestre de 2010

No primeiro trimestre de 2010 o Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais foi 12,2% maior que o desempenho observado nos três primeiros meses de 2009, em termos reais. No Brasil, na mesma base de comparação, o produto apresentou acréscimo de 9,0%. Em relação ao primeiro trimestre de 2008 o Brasil teve, no período, crescimento acumulado de 6,6% e Minas Gerais de 6,5%.

As informações são parte da pesquisa do Produto Interno Bruto (PIB) realizada pelo Centro de Estatística e Informações (CEI) da Fundação João Pinheiro (FJP) e já podem ser consultadas no site do órgão.

Considerando a diferença entre o valor de produção e o consumo intermediário na atividade industrial, o volume do produto revela que o nível da atividade retornou ao mesmo patamar do primeiro trimestre de 2008. As taxas de crescimento acumulado no período foram de 2,7% para a indústria brasileira e de 1,4% para a indústria mineira. As taxas de crescimento acumuladas nos últimos quatro trimestres foram de 2,4% para a economia brasileira e 1,2% para a economia mineira.

“A economia mineira provavelmente continuará crescendo no mesmo ritmo nos próximos meses, já que os resultados vistos agora ainda são reflexos da retomada dos níveis pré-crise”, afirma o pesquisador do CEI, Reinaldo Carvalho de Morais.

A economia de Minas Gerais se destaca ainda pelo crescimento de 4,1% na produção de cana de açúcar, resultado que manteve o estado como segundo maior produtor nacional, à frente do estado do Paraná.

Setores

A crise internacional afetou de forma desigual a diversos setores econômicos e nem mesmo a recuperação na segunda metade do ano passado foi suficiente para gerar taxas anualizadas positivas. Em Minas Gerais, a agropecuária apresentou retração no primeiro trimestre de 2010, resultando em 3,3% inferior ao mesmo período no ano passado. Houve expansão de 7,5% nos serviços e de 22,9% na indústria.

Até meados de 2009, a evolução do índice do valor adicionado pelo setor de serviços, medida pela taxa anual, revela que houve desaceleração de -4,2% no crescimento. No setor industrial a desaceleração foi de -2,1% e na agropecuária de -5,0%.

Segundo a pesquisa, a agropecuária mineira apresentou decréscimo de 3,3% no primeiro trimestre de 2010. Tal resultado foi reflexo do fraco desempenho da produção vegetal, que apresentou recuo de 7,6% no período. Já a atividade pecuária teve alta de 4,6%.

A produção estadual de grãos da safra de 2009/2010 atingiu 10,1 milhões de toneladas, representando decréscimo de 2,8% sobre a safra anterior. Estima-se que houve aumento de 19,7% na safra de café deste ano e por se tratar de um produto relevante da agricultura mineira, o produto tem elevado percentual no valor agregado do setor. “Contudo, como a colheita ocorre no segundo e terceiro trimestres do ano, os efeitos do aumento na produção não são captados no primeiro trimestre”, explica Morais.

A alta nos preços do carvão vegetal em Minas, que subiu em média 28,2% no primeiro trimestre de 2010 em relação ao mesmo período de 2009, aumentou a atividade da silvicultura e a exploração vegetal de Minas Gerais, com aumento de produção de 48,3%. “O bom resultado pode ser atribuído à retomada da demanda das indústrias siderúrgica e metalúrgica no estado que, em 2009, reduziram drasticamente o consumo do produto”, observa Reinaldo Carvalho de Morais.

O desempenho da produção animal mineira em 2010 foi impulsionado pelos acréscimos observados na produção da avicultura (9,2%), bovinocultura (7,7%) e na produção de suínos (4,8%). Inversamente, ocorreu uma queda na produção de ovos (-1,6%) e na produção de leite (-1,4%) no primeiro trimestre de 2010.

Indústria

O crescimento do setor industrial de Minas Gerais foi de 22,9% no primeiro trimestre de 2010. Comparando com o mesmo período de 2009, a indústria brasileira teve crescimento de 14,6%.

Entre as quatro atividades que compõem o setor industrial, a indústria extrativa apresentou crescimento de 57%. O setor de transformação foi o que teve maior peso para o indicador industrial, tendo como principal destaque o setor de máquinas e equipamentos, com expansão de 106,7% na taxa trimestral, apontando positivamente para investimentos industriais no estado.

Europa

De acordo com Reinaldo Carvalho de Morais, a atual crise europeia tem pouco impacto sobre a economia de Minas Gerais por que, nos últimos anos, o destino dos produtos mineiros tem se expandido para outras praças, como China, o que de certa forma ameniza a dependência em relação à Europa. “Outro ponto muito relevante é a força do consumo interno no Brasil. A evolução da massa de rendimentos tem aumentado volume de vendas internas, o que confere menor importância às exportações para a atividade econômica”, conclui.