• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Pimenta afirma que adversário do PT é o ‘ministro do atraso’

Pimenta da Veiga: “O que desenvolve o país é a economia. Não adianta prometer diversos programas sociais, se a economia não vai bem”.

Eleições 2014

Fonte: Hoje em Dia

Pimenta eleva o tom e classifica adversário de ‘ministro do atraso’

Ana Luiza Faria

O candidato ao governo de Minas pela coligação “Todos por Minas”, Pimenta da Veiga(PSDB), questionou nessa terça-feira (02) a capacidade de seu adversário Fernando Pimentel(PT), da coligação “Minas pra Você”, de garantir o desenvolvimento econômico e social do Estado. “O meu adversário anda dizendo que vai desenvolver o Estado, mas eu fico pensando como ele fará isso. Ele ocupou o cargo de ministro do Desenvolvimento, e o Brasil está em recessão. Como que vai desenvolver? Alguém que, como ministro do Desenvolvimento, foi na verdade o Ministro do atraso”, alfinetou.

Para Pimenta, o que desenvolve o país é a economia. De acordo com o candidato, não adianta prometer diversos programas sociais, pois se a economia não vai bem não dá para fazer nada. “Não adianta ter a melhor das intenções na parte social se não tem dinheiro. Não tem como fazer. Portanto, o resultado da economia deve ser bem distribuído”, argumentou.

O candidato do PSDB criticou a posição adotada pelo governo do PT em relação àsParcerias Público-Privadas (PPPs) nos primeiros dez anos de gestão petista. “O aprendizado do PT custou muito caro ao Brasil. Levaram uma década acusando a nós, do PSDB, que tínhamos privatizado estradas, que isso foi criminoso. Agora, a partir do ano passado, começaram a privatizar”, afirmou.

Segundo Pimenta, nesse período o “mundo inteiro” queria investir no Brasil, mas era “proibido”. Agora, de acordo com o ele, esses possíveis investidores perderam a expectativa no país.

Em encontro nessa terça com representantes da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), Pimenta da Veiga afirmou que independentemente de como for definida a sucessão presidencial, caso eleito não aceitará o “abandono, a omissão e o desinteresse” que o governo do PT teve com Minas Gerais. “Minas terá uma ação política muito profunda e bem articulada”, disse.

O tucano prometeu que todas as obras e projetos estaduais iniciados no Estado serão concluídos, e que todos os serviços serão mantidos. “Não vamos paralisar nada. Fico horrorizado ao viajar pelo Brasil e constatar obras de rodovias, ferrovias e portos inacabadas. Isso é desperdício de dinheiro público. Isso é inadmissível”.

Agropecuária

De acordo com Pimenta da Veiga é preciso “reverenciar” o produtor agropecuário, que representa um setor fundamental na economia do Estado. “Os empregos gerados pelo setor são fundamentais e sustentam milhões de mineiros, e os produtos compõem de forma significativa a nossa pauta de exportações, por isso, o governo estadual deve dar à agropecuária toda a sua atenção”, pontuou.

Órgãos reguladores têm que entender a produção rural’

Pimenta da Veiga enfatizou em seu discurso a questão da agilidade das concessões de licenças ambientais. Ele afirmou que as empresas que regulam o meio ambiente “precisam compreender a importância da produção rural”.

“É preciso estabelecer regras que sejam, em primeiro lugar, simples, para serem eficientes, e rápidas. Então, não pode? Negue. Pode, autorize logo”, explicou.

Segundo Pimenta da Veiga, os produtores rurais devem estar intimamente ligados à questão do meio ambiente. De acordo com o tucano, ninguém depende mais do meio ambiente do que o produtor rural, cujo trabalho depende da terra, do clima e da água.

Em relação à indenização dos produtores rurais que tiveram áreas cedidas para unidades de conservação e ainda não foram indenizados, Pimenta garantiu que agilizará todos os processos. “Os parques deviam ser criados, era importante para a preservação de bens naturais. Agora, não é o proprietário que tem de ser vítima disso. Ao contrário, tem de receber. Nós vamos agilizar os processos”, afirmou.

Tucano destaca investimento em ferrovias

Em pronunciamento na Faemg, Pimenta da Veiga anunciou que ampliará as ferrovias e melhorará as rodovias do Estado. “O governo federal atrasou a definição do processo ferroviário brasileiro. Se é com participação de capitais privados, vamos fazer logo. Minas precisa de mais ferrovias. Precisamos construí-las”, afirmou.

Para resolver o problema da malha rodoviária, o candidato do PSDB propõe uma parceira com a União. “Temos 30 mil quilômetros de rodovias que precisam estar em boas condições, e por isso nós queremos estudar parcerias com o governo federal para cuidar das rodovias federais”, afirmou.

De acordo com o tucano, essas iniciativas irão melhorar a logística para o comércio dos produtos agrícolas. “A questão da logística é essencial, porque não há como o produtor rural atender aos seus mercados se o Estado não tiver malhas rodoviária e ferroviária cada vez melhores, porque os volumes da produção do campo são muito grandes”.

Educação

Pimenta destacou a importância em investimentos na educação para o desenvolvimento tecnológico do setor agropecuário. “A minha principal tarefa é desenvolver a educação no seu sentido amplo: ciência, tecnologia e cultura”, afirmou. Segundo o candidato do PSDB, sua intenção é ver Minas como o Estado da inovação. “Para mim, inovação é isso, é desenvolvimento da tecnologia. E isso só é possível com educação de qualidade”, disse.

Pimenta declarou apoio ao sistema produtivo rural do Estado destacando a redução da burocracia, e parceira nas questões de crédito e questões tributárias e fiscais.

Anúncios

Governo Anastasia garante apoio a vítimas da seca

Minas: governo Anastasia apoia vitimas da seca em Minas. Foram destinados R$ 11 mi em compras de cestas básicas e outras ações.

Governo de Minas: seca norte de Minas

Fonte: Marcos de Moura e Souza – Valor Econômico

Pecuária e frutas padecem com a seca no norte de MG

 Minas: governo Anastasia garante apoio à seca

Governo de Minas garante apoio às vitimas da seca. Foram destinados R$ 11 mi em compras de cestas básicas, caminhões-pipas e outras ações.

Mais de 100 municípios na região norte do Estado de Minas Gerais estão em estado de emergência por causa da seca. O governo do Estado e o Exército fazem o abastecimento emergencial de água com caminhões-pipa. Na zona rural, uma imagem que está se tornando mais frequente é a de bois e vacas mortos de sede e fome – e suas carcaças abandonadas no que um dia foi pasto.

O estrago da estiagem na economia local se estende pela produção de frutas e de leite e no deslocamento de gado para outras regiões. Muitos pequenos produtores que não têm um pasto alternativo estão vendendo seu gado, apesar dos preços baixos. Diversos municípios estão sem chuva desde o início do ano e decretaram emergência em fevereiro e março. As chuvas devem começar somente em outubro. Hoje são 122 em emergência por causa da seca, concentrados no norte do Estadoe parte deles no nordeste e noroeste. A perspectiva do governo era que neste ano o número ficasse em 114.

“Essa é uma das piores dos últimos 30 anos e que está atingindo Minas, Bahia e outros Estados do Nordeste“” diz Reinaldo Nunes, coordenador técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão do Estado de Minas Gerais (Emater) em Montes Claros, maior cidade do norte de Minas. O rebanho de gado nessa área é de aproximadamente 2,5 milhões de cabeças e o problema maior é a alimentação, diz Nunes.

Sem pasto e sem água, um dos resultados imediatos na economia da região foi a queda abrupta na produção de leite. “A produção normal é de 600 mil litros por dia e por causa da seca houve uma redução de 40% a 50%. O prejuízo por mês é de R$ 5,4 milhões”, calcula Nunes. A maioria dos pequenos sitiantes e produtores com mais terras na região têm no leite uma renda adicional e diária.

A safra de grãos teve uma redução ainda maior. Segundo a Emater, o chamado veranico (período de 20 e poucos dias de estiagem em meio ao período chuvoso) durou do início de janeiro a até março em vários municípios. Foi num período crítico de plantio de arroz, feijão, milho, sorgo e outros grãos pelos produtores rurais mineiros. “A expectativa era de colher só nessa região norte 500 mil toneladas de grãos, mas perdemos 70% disso, um prejuízo de R$ 180 milhões”, diz o técnico da Emater.

Governo de Minas: seca do norte de Minas – Link da matéria: http://www.valor.com.br/empresas/2801944/pecuaria-e-frutas-padecem-com-seca-no-norte-de-mg

Quem investe e vive da produção de frutas também está em dificuldades. Gurutuba e Lagoa Grande, dois grandes projetos irrigados no norte do Estado, cujas áreas somam 6,5 mil hectares e onde predomina a fruticultura, são os que mais sentem. “Os produtores estão sendo afetados porque dependem de uma barragem que está com o nível bastante comprometido”, afirma Pierre Santos Vilela, coordenador da assessoria técnica da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg). A entidade informa representar quase 400 mil pequenos, médios e grandes produtores rurais.

Segundo Faemg e Emater, produtores, especialmente os menores, estão vendo parte de seu plantel de gado morrer. Há uma corrida para vender os animais mesmo abaixo do peso e mesmo com preços depreciados pela grande oferta. Sem ter como manter o gado, produtores acabam se descapitalizando porque o que recebem agora pelos animais não permitirá que eles reponham seu rebanho daqui a alguns meses, diz Reinaldo Nunes, técnico da Emater.

O governo do Estado prevê alocar um total de R$ 11 milhões em compras de cestas básicas, caminhões-pipas e outras ações. Além disso, o governo federal, por meio do Ministério da Integração Nacional, enviou mais R$ 10 milhões, que estão sendo usados para reforço das compras de alimentos, galões de água mineral e também para a distribuição de cisternas, disse o tenente coronel Fabiano Villas Bôas, secretário executivo da coordenadoria estadual da Defesa Civil. Em alguns municípios, como Catuti, não há mais água para consumo humano. E, paradoxalmente, em locais abastecidos por caminhões-pipa o desafio das famílias é armazenar essa água. O governo do Estado ainda conta com R$ 4 milhões este ano para a abertura de poços artesianos em locais públicos.

Villas Bôas diz que o que diferencia esta seca das anteriores é a duração. Enquanto geralmente os municípios do norte de Minas começam a decretar situação de emergência em abril e maio, neste ano isso aconteceu em fevereiro e março. Muitos dos decretos já foram prorrogados.

Minas: Governo seca do norte de Minas – Link da matéria: http://www.valor.com.br/empresas/2801944/pecuaria-e-frutas-padecem-com-seca-no-norte-de-mg

Governo de Minas: Alberto Pinto Coelho participa do lançamento da SuperAgro 2012

Vice-governador ressalta importância do agronegócio mineiro para o país

Carlos Alberto/Imprensa MG
Alberto Pinto Coelho afirmou, durante pronunciamento, que o Governo de Minas estuda alternativas para não transferir o Parque da Gameleira para outro local
Alberto Pinto Coelho afirmou, durante pronunciamento, que o Governo de Minas estuda alternativas para não transferir o Parque da Gameleira para outro local

O vice-governador Alberto Pinto Coelho participou, nesta quinta-feira (19), do lançamento da Superagro 2012, maior e mais diversificada mostra do agronegócio mineiro, que na edição deste ano será realizada entre os dias 3 e 10 de junho, no Parque de Exposições da Gameleira/Expominas. Durante o lançamento do evento, na sede da Federação de Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg), o vice-governador ressaltou a importância do Estado para o agronegócio do Brasil.

“Minas Gerais tem a felicidade de ter um sistema operacional de primeira linha no Estado. Temos as universidades e, mais do que isso, fundamentalmente, temos aqueles que se dedicam à atividade e que fazem de Minas Gerais uma referência no setor do agronegócio, que a cada dia ganha maior expressão e maior representatividade na economia de nosso Estado e país”, destacou o vice-governador.

Os promotores da feira estão otimistas para a edição 2012 e esperam bons negócios, após o recorde alcançado pelo Produto Interno Bruto (PIB) agrícola mineiro em 2011, de R$ 118 bilhões, de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da USP. A Superagro é realizada pelo Governo de Minas Gerais – por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) – em parceria com a Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e Sebrae Minas.

O presidente da Faemg, Roberto Simões, agradeceu o apoio do vice-governador Alberto Pinto Coelho na realização da mostra. “A Superagro tem um significado maior do que exposições comuns. Além da exposição agropecuária, temos uma série de eventos e novidades. A Superagro vai além dos objetivos normais de uma promoção dessa natureza. Além dos negócios, a feira tem o aspecto educativo e social”, afirmou Roberto Simões.

Parque da Gameleira

Durante o lançamento da Superagro 2012, Alberto Pinto Coelho afirmou que o Governo de Minas estuda alternativas para não transferir o Parque da Gameleira para outro local, mantendo as principais exposições agropecuárias.

“Essa é uma discussão que se arrasta há anos. O Estado está buscando soluções, já que as atividades no parque aumentam a cada ano”, disse o vice-governador. Alberto Pinto Coelho afirmou que as associações do Parque da Gameleira estão sendo ouvidas para agregar o parque ao Expominas, de forma que o local se transforme em um centro de convenções completo.

“Essa dicotomia de separar o Expominas do Parque da Gameleira caiu por terra e estamos estudando uma solução para integrar os dois espaços”, afirmou o vice-governador. Ele explicou que já foi aberta a consulta pública para coletar sugestões a essas mudanças. A ideia é construir no parque por meio de uma parceria público-privada, um complexo multiuso, mantendo o espaço para as exposições agropecuárias.

Alberto Pinto Coelho disse, ainda, que quatro parceiros já manifestaram interesse em participar da parceria público-privada para a reforma do parque de exposições. “Estamos na consulta pública e quatro parceiros já se manifestaram. Seguiremos no prazo para colher as sugestões para aprimorar a proposta de reforma inicialmente colocada. Em nenhum momento o setor do agronegócio, assim como o setor de eventos e o trade turístico, deixará de estar presente com voz e vez para contribuir na solução que queremos encontrar”, afirmou Alberto Pinto Coelho.

Também participaram da cerimônia o secretário de Estado de Transportes e Obras públicas, Carlos Melles; o ex-secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Gilman Viana; o presidente do Conselho Regional de Veterinária, Nivaldo de Freitas; além de deputados estaduais e autoridades.

Superagro

A Superagro abriga dois importantes eventos de abrangência nacional, representados pela Exposição Estadual Agropecuária e pela Feira e Festival Internacional da Cachaça (Expocachaça), incorporada à feira em 2005.

A exposição conta com a presença de animais, entre bovinos, equídeos, caprinos, ovinos e bubalinos, de propriedade de criadores de Minas Gerais e de vários outros estados brasileiros. A Expocachaça oferece um amplo leque de marcas da bebida para a venda no atacado e no varejo, procedentes de Minas e outros estados, e também equipamentos e máquinas utilizadas em toda a cadeia produtiva da cachaça.

A Feira reúne empresas fornecedoras de produtos, equipamentos, insumos em geral e novas tecnologias de suporte a diferentes atividades do agronegócio, especialmente nas áreas de saúde, genética e nutrição animal, equipamentos para manejo do gado, como troncos e balanças, máquinas agrícolas e veículos utilitários, entre muitos outros.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alberto-pinto-coelho-participa-do-lancamento-da-superagro-2012/

Gestão Antonio Anastasia: qualidade dos cafés de Minas Gerais será avaliada em concurso

Objetivo é estimular adoção de práticas para obter produtos mais competitivos

Divulgação/Seapa MG
O encerramento do concurso, com o anúncio dos vencedores, ocorrerá na última quinzena de novembro
O encerramento do concurso, com o anúncio dos vencedores, ocorrerá na última quinzena de novembro

O secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, vai anunciar, nesta quinta-feira (29), às 16h, em Belo Horizonte, a realização do 9º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais. A reunião contará com a participação de representantes das instituições vinculadas à secretaria, entidades que congregam os produtores, universidades e órgãos de pesquisa parceiros na realização do concurso.

A competição é aberta aos produtores das quatro regiões cafeeiras do Estado: Cerrado, Chapadas de Minas, Matas de Minas e Sul de Minas. O objetivo principal é oferecer estímulo aos cafeicultores estaduais, em sua maioria agricultores familiares, para buscarem a melhoria da qualidade, que possibilita o aumento da competitividade do produto no mercado interno e externo, e a consequente elevação da renda nas propriedades.

De acordo com o coordenador do concurso, Marcos Fabri Junior, os interessados em submeter cafés à avaliação deverão entregar, a partir de 6 de setembro, nas unidades da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), suas amostras exclusivamente de café Arábica, produzido no ano safra de 2012. “As etapas de classificação e degustação serão de 10 de setembro a 11 de novembro. Já o encerramento, com o anúncio dos vencedores, ocorrerá na última quinzena de novembro”, informa. Os cafés com as melhores classificações serão leiloados depois da solenidade de encerramento. No ano passado, o lance mais alto obtido no leilão foi de R$ 5 mil por uma saca de 60 quilos.

Bons resultados

De acordo com Fabri Junior, o Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas, na edição de 2011, contou com 1.637 amostras. Cento e seis foram classificadas para o final da competição, sendo 48 na categoria natural e 58 na categoria descascado. O café de categoria natural da propriedade de Antônio Melo Canato (Carmo de Minas) ficou classificado em primeiro lugar no grupo do Sul de Minas e foi considerado também o melhor do Estado.

Todos os produtores que participaram do concurso receberam um laudo de seus respectivos cafés com o resultado da análise sensorial, com notas de zero a 100, dentro das normas da Associação Brasileira de Cafés Especiais. Os cafeicultores que inscreverem seus lotes na competição deste ano também receberão o laudo, informa o coordenador.

Parceiros

O 9º Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais é realizado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) – por meio da Emater-MG – em conjunto com a Universidade Federal de Lavras (Ufla). A iniciativa tem a parceria de diversas instituições, como o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), a Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg), a Federação de Agricultura (Faemg), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetaemg), o Centro de Excelência do Café, Polo de Excelência do Café, e o Instituto Federal de Ensino e Tecnologia de Machado.

Reunião de apresentação do 9º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais

Data: 29 de março

Horário:16h

Local: Cidade Administrativa – Edifício Gerais – 10º andar – sala 6 – Rodovia Prefeito Américo Gianetti s/n – bairro Serra Verde – Belo Horizonte

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/qualidade-dos-cafes-de-minas-gerais-sera-avaliada-em-concurso/