• Agenda

    janeiro 2020
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Minas Gerais tem recorde no Comércio Exterior, em setembro atividade respondeu por 15% das exportações nacionais em setembro

Minas Gerais registrou, em setembro deste ano, um valor recorde no seu comércio exterior, contabilizando uma corrente de comércio, soma das importações e exportações, da ordem de US$ 4,63 bilhões. Esse patamar foi alcançado graças ao crescimento significativo das importações, que atingiram o terceiro maior valor histórico, desde outubro de 2008, chegando a US$1,10 bilhão. O saldo comercial mineiro foi superior em US$ 1,59 bilhão ao saldo nacional, alcançando o valor de US$ 14,37 bilhões.

Os números foram divulgados nesta segunda-feira (4), pela Central Exportaminas, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), que atua em parceria com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Com esse resultado, Minas cresceu sua participação nas exportações brasileiras e já responde por 15% do total exportado. As exportações alcançaram US$ 3,26 bilhões, o que corresponde a um crescimento de 74,7% em relação ao mesmo período de 2009.

A comparação por trimestre mostra que, neste terceiro trimestre de 2010, as exportações de Minas Gerais cresceram 31,8% em relação ao segundo trimestre do ano, totalizando US$ 9,42 bilhões. Já as importações apresentaram, no mesmo período, crescimento de 22,44% em relação ao trimestre anterior, registrando um total de US$ 2,97 bilhões.

Previsão

A expectativa é que os números do comércio exterior de Minas Gerais continuem crescendo até o final do ano. Se as importações mineiras mantiverem o mesmo ritmo de crescimento nos próximos meses, o fluxo de comércio acumulado de 2010 deverá ultrapassar os US$ 30 bilhões.

No acumulado do ano – janeiro a setembro – as importações mineiras somaram US$ 7,38 bilhões, o que significa uma expansão de 39,5% do valor importado no mesmo período do ano passado. A participação das importações mineiras sobre as nacionais chegou a 5,6%. Já as exportações do Estado atingiram US$ 21,75 bilhões, representando um crescimento de 54,2% em relação ao igual período do ano anterior.

quadro

Anastasia refaz compromisso de agregar valor para fortalecer as exportações

Antonio Anastasia reafirma compromisso de atrair empresas para agregar valor aos produtos exportados por Minas Gerais

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Durante encontro com prefeitos das cidades polo, governador destacou o crescimento de 78,4% nas exportações mineiras em julho, acima da média nacional

As exportações das indústrias mineiras tiveram um crescimento superior ao nacional tanto no acumulado do ano, quanto em julho deste ano em relação ao mesmo mês de 2009. O desempenho do comércio exterior em Minas Gerais foi fundamental para o saldo positivo da balança comercial do país no mês passado. Durante encontro com prefeitos das cidades polo, nesta quinta-feira (26/08), o governador Antonio Anastasia destacou  avaliação da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), responsável pela elaboração das Estatísticas de Comércio Exterior divulgadas ontem. O estudo mostra que, sem a participação do Estado de Minas Gerais, o país teria déficit de US$ 460 milhões.

O governador Antonio Anastasia reiterou que, reeleito, dará prioridade na política econômica do Estado para que Minas aumente a participação de produtos de valor agregado na sua pauta de exportação. Segundo os dados da pesquisa Fiemg/Comex, os produtos básicos, ou seja, com baixo valor agregado, lideraram as vendas externas por Minas Gerais. O café é um exemplo. Minas Gerais é o maior produtor do país, mas quase não exporta o produto industrializado, que é o de maior valor no mercado.

“O Brasil só conseguiu superávit na balança de exportações em razão das exportações de Minas Gerais. Mas nós temos de diversificar isso, diversificar os nossos produtos, agregando valor. E para isso, esse programa de incentivos estratégicos vai priorizar empresas que venham com esse perfil, manufaturas, indústria de base, para permitir que tenhamos uma riqueza maior”, afirmou Antonio Anastasia.

A proposta que fará parte do Plano de Governo de Antonio Anastasia prevê a identificação da vocação de cada município e da região a que está inserido e atrair empresas que possam agregar valor ao produto primário.

Resultados expressivos
Os dados da pesquisa Fiemg Comex divulgados ontem apontaram que, em julho, o resultado de Minas foi o segundo maior da série histórica, com crescimento de 78,4%, para um total de R$ 2,822 bilhões. Este valor só é menor que o registrado em setembro de 2008, época em que se agravou a crise financeira internacional. Em todo o país a elevação foi de 25%. As exportações mineiras no acumulado de 2010 representaram 14,1% da pauta brasileira.

Não é apenas neste ponto que os resultados do estado superam os do país. No mês passado, o saldo da balança comercial de Minas Gerais (resultado das exportações menos as importações) foi positivo em R$ 1,9 bilhão, enquanto o Brasil fechou em R$ 1,3 bilhão. E. No acumulado do ano até julho, as exportações do estado totalizaram US$ 15,1 bilhões contra US$ 10,5 bilhões em 2009. As perspectivas traçadas pela própria Federação das Indústrias são de que se for mantido este cenário, as vendas externas das indústrias de Minas poderão atingir recordes neste ano, com uma movimentação superior a US$ 25 bilhões.

Desde janeiro e também em julho, Minas Gerais permanece com saldo superior ao brasileiro. As importações também cresceram bastante atingindo a US$ 5,32 bilhões, com expansão no acumulado de 39,6%, estimuladas principalmente pela agroindústria e indústria de transformação.

Emprego
Antonio Anastasia considerou que a agregação de valor aos produtos mineiros será fundamental para que Minas Gerais continue apresentando resultados positivos na geração de emprego. O governador também comentou destacou os resultados sobre a geração de empregos na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com as informações divulgadas ontem, a taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) em julho ficou em 8,3%, a menor taxa desde 1996, ano em que teve início a série histórica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED).

O levantamento mostrou que a capital e os municípios do seu entorno detém o menor contingente de desempregados entre as sete regiões metropolitanas pesquisadas. E os trabalhadores da RMBH estão entre os mais bem remunerados. Em junho, o rendimento médio real dos ocupados foi de R$ 1.342, maior que a média nacional (R$1.265).

“O índice de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte voltou ao menor nível desde que iniciou seu levantamento em 1996. É o melhor do Brasil, o nosso. E o salário médio da Região Metropolitana de Belo Horizonte superou o de São Paulo e hoje só perde para o Distrito Federal. Mas, ainda que os números atuais sejam excelentes, Minas Gerais só vai conseguir evoluir economicamente de modo pleno quando nós diversificarmos a nossa economia”, disse Antonio Anastasia.