• Agenda

    agosto 2020
    S T Q Q S S D
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

2014: gestão das obras do Mineirão é referência para Fifa

2014: gestão das obras do Mineirão é destaque. Secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, elogia gestão das obras pelo Governo Anastasia.

2014: Copa do Mundo e a gestão eficiente do Mineirão

Fonte: Agência Minas

 2014: gestão das obras do Mineirão é destaque

2014: gestão das obras do Mineirão é destaque. Secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, elogia gestão das obras pelo GovernoAnastasia.

Secretário-geral da FIFA destaca Mineirão como exemplo a ser seguido por outras sedes

Governador Anastasia acompanhou vistoria da FIFA, representada por Jérôme Valcke, e do Comitê Organizador Local, às obras do Mineirão

O governador Antonio Anastasia, acompanhado do secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, vistoriou, nesta terça-feira (16), as obras do Estádio Governador Magalhães Pinto, Mineirão. Faltam 66 dias para a conclusão das obras do estádio, 241 dias para a Copa das Confederações e 604 dias para a Copa de 2014.

“Estamos cumprindo rigorosamente o nosso cronograma e os encargos que foram determinados pela FIFA para a realização dos dois grandes momentos do futebol internacional. No ano que vem, a Copa das Confederações e, em 2014, a Copa do Mundo. Há um trabalho integrado, muito harmônico, entre o governo federal, o governo estadual e a prefeitura de Belo Horizonte, para desenvolvermos, em todos os aspectos, os compromissos assumidos com a FIFA”, disse o governador, convidando o secretário-geral da FIFA para a inauguração do Mineirão.

Jérôme Valcke foi recebido pelo governador, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, no Aeroporto da Pampulha. O governador, o prefeito e o secretário de Estado Extraordinário para Coordenação de Investimentos, Fuad Noman, fizeram um balanço do estágio das obras na capital mineira, incluindo as obras de mobilidade e de hotelaria.

Durante a vistoria ao Mineirão, o secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, afirmou estar impressionado com o andamento das obras do estádio.

“É muito bom ver que o Mineirão está quase pronto. Parabéns a todos. O Mineirão será entregue dentro do prazo e poucos estádios estão no prazo como ele. É um recado, inclusive, para outras sedes. Este estádio é importante para a FIFA, para o país e para Belo Horizonte. Estou impressionado. O Brasil pode jogar aqui as oitavas (Copa do Mundo) e a semifinal (Copa das Confederações) e milhões de pessoas assistirão aos jogos que serão realizados em Belo Horizonte. Eu já tinha ouvido falar bem dos mineiros, mas, hoje, pude comprovar que é verdade”, ressaltou Valcke.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, também destacou o andamento das obras para a Copa no Estado. “Minas tem dois dos mais tradicionais times de futebol do Brasil e do mundo. Possui esse belo estádio, que agora transformado e adaptado para receber a Copa do Mundo e a Copa das Confederações. É, seguramente, uma das mais belas e uma das mais modernas arenas. Minas está com suas obras implantadas não somente no estádio, mas nas obras de mobilidade urbana”, disse.

Gramado começa a ser semeado

Os visitantes foram recebidos no campo pela mascote Tatu Bola que, pela primeira vez, participou de uma vistoria realizada pela FIFA. O governador e demais autoridades iniciaram o semeamento do gramado. Para cobrir o campo, a espécie escolhida foi a “Bermuda celebration”. Essa espécie é, atualmente, a mais indicada para gramados esportivos de clima tropical e é utilizada nos melhores campos de futebol do mundo. No Mineirão, serão usadas 60 mudas por metro quadrado, totalizando aproximadamente 540 mil mudas em toda área gramada. O gramado poderá ser utilizado num prazo de até 90 dias.

Cerca de 2.900 operários trabalham nas obras, que estão 84% concluídas. Atualmente, 99% dos pré-moldados e da arquibancada inferior, 99% do piso do estacionamento, 96% do piso da esplanada e 100% da fundação da via de integração do Mineirinho já foram concluídos. As treliças da cobertura já foram instaladas e já teve início a colocação da membrana.

Estão em execução as obras de infraestrutura elétrica e hidráulica e de drenagem, além da colocação das esquadrias de alumínio e dos vidros dos camarotes, da instalação dos guarda-corpos na área da esplanada e das estruturas que receberão as catracas.

Os próximos passos são o acabamento na área dos vestiários dos atletas; conclusão de instalação das cadeiras (50% já concluídas); e o início do trabalho de construção das calçadas e da implementação do paisagismo no entorno do estádio.

Capacidade para 64 mil

O estádio terá capacidade para 64 mil torcedores, espaço para cerca de 3.000 jornalistas durante a Copa, com estúdios, sala de conferência e área para entrevistas. O Mineirão é o único estádio no país com área externa com capacidade para 65 mil pessoas. A esplanada será ligada por passarela ao Mineirinho.

A área vip terá aproximadamente 11 mil m² e vai abrigar um restaurante com vista para o campo e 98 camarotes com 1.500 lugares. Terá ainda outros 3.500 assentos e será instalada a poucos metros do campo. O estacionamento terá 2.521 vagas para carros.

Raio X do Novo Mineirão

Assentos: 64 mil lugares

Esplanada: espaço no entorno do Mineirão com 80 mil m2 e capacidade para 65 mil pessoas

Área VIP e camarote: a área de quase 11 mil m2 vai abrigar um restaurante com vista para o campo e 80 camarotes com 1.500 lugares; já a área VIP terá cerca de 3,5 mil assentos a poucos metros do campo e lounges.

Estacionamento: 2.521 vagas para carros, sendo 1.534 vagas cobertas e 987 descobertas

Imprensa: capacidade para cerca de 3 mil jornalistas, com estúdios, sala de conferência e área para entrevistas.

Ligação Mineirão-Mineirinho: 15 m de largura

Comércio: uma área total de 7.064 m2, abrangendo tanto o interior quanto a esplanada externa

Museu dedicado ao futebol: espaço dedicado à preservação da memória do futebol.

Obra verde: o Mineirão pretende obter a certificação LEED, uma espécie de selo verde para a obra. Para isso, adota práticas ambientalmente sustentáveis.

Resíduos: reaproveitamento de 90% dos resíduos da obra

Madeira: reaproveitamento da madeira por artesãos mineiros para produção de arte popular.

Cobertura: placas fotovoltaicas vão captar energia solar e transformá-la em energia elétrica que será lançada na rede. A quantidade de energia é suficiente para atender 1.200 residências de médio porte.

Reaproveitamento da água de chuva: em um reservatório de aproximadamente 6 milhões de litros, quantidade suficiente para descargas dos sanitários, irrigação do gramado e jardins e limpeza das áreas externas por três meses. Com a economia gerada, em três anos haverá compensação financeira para esse investimento.

Copa 2014: Mineirão – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/multimidia/galerias/secretario-geral-da-fifa-destaca-mineirao-como-exemplo-a-ser-seguido-por-outras-sedes/

Governo de Minas: imagens aéreas mostram estágio avançado da obra do Mineirão

BELO HORIZONTE (20/01/12) – Imagens aéreas, produzidas na manhã desta sexta-feira (20), mostram estágio avançado das obras da terceira e última etapa da modernização do estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão.

Os destaques são para os pré-moldados, que já dão forma à esplanada no entorno do estádio, para a construção da arquibancada inferior e para a primeira grua montada dentro do Mineirão, com alcance de 75 metros. O Mineirão terá capacidade para 64 mil torcedores. As obras se encontram 100% dentro do cronograma e serão concluídas em dezembro deste ano. As imagens estão disponíveis em um novo álbum de fotos no http://www.facebook.com/NMineirao.

“Estamos a menos de um ano da conclusão das obras do Mineirão, uma das maravilhas que a Copa do Mundo está nos proporcionando. Essas imagens demonstram que o trabalho está a todo vapor. Em pouco tempo, alcançaremos o pico de operários trabalhando nas obras, chegando a dois mil”, comenta o secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo, Sergio Barroso. No momento, 1,5 mil operários trabalham na modernização do Mineirão, incluindo detentos e mulheres.

O diretor-presidente da Minas Arena, Ricardo Barra, reitera o ritmo acelerado da construção. “Estamos todos empenhados e temos trabalhado intensamente para garantir a celeridade da obra e a entrega da arena no prazo”.

Esplanada

As imagens dão boa noção da dimensão da esplanada no entorno do estádio. Serão 80 mil metros quadrados, com capacidade para 65 mil pessoas, que transformarão o Mineirão em uma arena multiuso, que poderá ser palco de eventos de diversas modalidades esportivas, culturais, de lazer e religiosas. Quando for reinaugurada, a nova arena contará com 7 mil metros quadrados para comércio e estacionamento com 2.521 vagas para carros, sendo 1.534 vagas cobertas e 987 descobertas.

Obra em etapas

A modernização do Mineirão foi planejada em três etapas. Na primeira, de 25 de janeiro a junho de 2010, foram feitos reparos estruturais das vigas de sustentação do estádio. O custo foi de R$ 8,2 milhões, investidos pelo Governo de Minas. Na segunda etapa, de 26 de junho a 20 de dezembro, foi realizada a demolição de parte da arquibancada inferior e da geral, além de rebaixamento do gramado em 3,4 metros, com recursos de R$ 3,5 milhões, também do Governo do Estado.

Já a terceira e última etapa teve início em 22 de dezembro de 2010 e será finalizada em dezembro de 2012. Nessa fase, o Mineirão vem sendo adequado ao mais alto padrão de qualidade estabelecido pela Fifa. Para viabilizar a etapa, orçada em R$ 654 milhões, o Governo de Minas Gerais optou pelo modelo da gestão compartilhada.  A empresa Minas Arena conduz a obra e terá direito a operar o estádio por 25 anos.

Fonte: Agência Minas

Governo Anastasia: Árvores derrubadas para reforma do Mineirão são doadas a ateliês de arte popular, gerando renda

Gol de placa para artesãos de Minas

Fonte: Marta Vieira – Estado de Minas

Árvores derrubadas para reforma do Mineirão são doadas a ateliês de arte popular, gerando renda e redução de custo

Artesãos de peças em madeira, entalhes, marchetaria e móveis de diversas regiões de Minas Gerais darão vida às árvores que estão sendo derrubadas para ceder lugar às novas instalações do Mineirão, em Belo Horizonte. A madeira será doada aos ateliês da arte popular típica do estado, vendida no Brasil e no exterior, como alternativa de aproveitamento nobre dos troncos e galhos de 900 árvores de uma centena de espécies, conforme acordo negociado entre o consórcio responsável pela reforma do Estádio Governador Magalhães Pinto, o Minas-Arena, e o Instituto Centro Cape, braço do Mãos de Minas, maior central de cooperativas mineiras de artesãos. A primeira leva de 400 árvores começou a ser entregue na semana passada.

A matéria-prima deverá gerar renda para os artesãos e reduzir os custos dos ateliês em pelo menos 40%, dependendo da quantidade de madeira aplicada ao trabalho artesanal. Picadas em cortes de 2 metros, as árvores vão chegar às oficinas de BH e do interior em no máximo 60 dias, informou a presidente do Instituto Centro Cape/Mãos de Minas, Tânia Machado. Além do uso nobre de uma madeira que seria queimada, emitindo gás carbônico na natureza, o material será legalizado pelos órgãos ambientais do governo estadual, com certificado de origem. Só com a declaração de procedência legal da madeira é que o artesanato alcança o mercado internacional.

“É algo importantíssimo do ponto de vista do uso de madeira legalizada pelo artesão e da preocupação que nós temos enfatizado nos ateliês com a consciência de preservação do meio ambiente”, afirma Tânia Machado. As árvores derrubadas no entorno do Mineirão serão transformadas em peças gigantescas de madeira esculpidas no município de Prados, na Região Central de Minas, famoso pela habilidade dos artesãos locais em esculpir animais retratados em movimento (leões, cavalos e patos); nas carrancas e nas peças dos mestres santeiros de Pirapora, no Norte do estado; nos móveis rústicos de Tiradentes, São Brás do Suaçuí e Lagoa Dourada, também na porção central de Minas, e de Maria da Fé, no Sul. Atenderão, também, oficinas de artesãos de pequenas peças variadas da Grande BH.

Entre as espécies de árvores derrubadas pela empresa especializada HS Jardinagem, a serviço do consórcio Minas Arena, estão exemplares de mangueira, sibipiruna, flamboyant, sete-copas, jacarandá- mimoso, quaresmeira, magnólia, goiabeira, cedro, oiti, cajá-mirim, ipê-rosa, embiruçú- branco e paineira. O material será armazenado até a distribuição num depósito cedido ao Mãos de Minas pelo Serviço Social da Indústria (Sesiminas) na capital mineira. Os artesãos cadastrados e selecionados terão de arcar com o transporte até as oficinas.

PLANOS O Instituto Centro Cape vai acompanhar o caminho e o uso da madeira até o produto nos ateliês beneficiados pelo projeto. Ansiosa por receber a madeira, a artesã e designer de produto Sophia Felipe Melo, de BH, planeja criar peças adicionais à produção a que se dedica de brinquedos pedagógicos e do teatro de sombras, um conjunto de peças abrigadas numa mala de madeira que quando aberta conta histórias. Dependendo da espécie, ela planeja fabricar bonecos e marionetes, se possível.

“O projeto permite que o artesão use uma madeira que tem história e vínculo com a cidade”, afirma Sophia Melo. A artesã renova a cada três meses o estoque de madeira, que consome até 40% dos gastos na confecção dos brinquedos. No ano passado, ela desembolsou R$ 1 mil com a compra da matéria-prima de fornecedores de BH.

A cooperativa Dedo de Gente, de Curvelo, na Região Central de Minas, que reúne 89 jovens artesãos do Vale do Jequitinhonha e do Norte do estado, já se ofereceu para transformar as árvores do Mineirão em móveis e peças de decoração. O grupo usa, além de madeira, bambu, ferro, cartonagem, cerâmica e tinta à base de terra.a