• Agenda

    janeiro 2020
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Gestão Eficiente: escola de Saúde Pública de Minas Gerais e Conselho Municipal de Saúde firmam parceria

Retomando antiga parceria, ESP-MG irá qualificar conselheiros municipais de saúde de Belo Horizonte

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) promoveu, nessa quinta-feira (19), um encontro para discutir o “Curso de Qualificação para Conselheiros Municipais e Distritais de Saúde e Membros das Comissões Locais de Saúde”,  que será  implementado pela ESP-MG em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte (SMSA-BH) e o Conselho Municipal de Saúde (CSM).

O objetivo do curso é dar continuação ao processo de Educação Permanente do Controle Social do Sistema Único de Saúde (SUS/BH), qualificar conselheiros e membros dos conselhos locais, distritais e hospitalares e os integrantes das comissões locais de saúde. O curso será realizado de forma descentralizada, em locais a serem definidos pelo CMS, preferencialmente nos diversos distritos sanitários do município.

Segundo o secretário de Saúde de Belo Horizonte, Marcelo Teixeira, a iniciativa é ousada. “A atuação do Conselho Municipal de Saúde está avançando muito nos últimos anos, com a criação de novos conselhos hospitalares, e com a parceria com a ESP-MG, referência na educação permanente”, afirmou o secretário.

A meta é realizar 80 turmas com cerca de 2 mil vagas distribuídas entre os três segmentos que compõem o Controle Social do SUS-BH, englobando representantes dos nove distritos sanitários e das suas unidades básicas de saúde e conselhos locais. A ESP também irá selecionar docentes e monitores que atuarão na ação educacional.

Constituído de dois módulos mensais, totalizando 30 horas presenciais, o curso abordará assuntos como a história das políticas públicas de saúde, a reforma sanitária, atribuições do CMS, planejamento e organização do SUS, recursos financeiros e planejamento orçamentário em saúde.

Para a analista de Educação e Pesquisa em Saúde, Lavinne Oliveira, a qualificação facilitará o fortalecimento do controle social da saúde, permitindo aos conselheiros uma maior atuação como agentes propositores de mudanças das políticas públicas de saúde no município, e não somente agentes fiscalizadores dessas políticas. “A intenção é dar subsídios para que os cidadãos, caso tenham interesse, possam fazer parte do Conselho Municipal, contribuindo assim para fortalecimento do Controle Social em Belo Horizonte”, acrescenta.

Para o presidente da Comissão de Educação Permanente do Conselho Municipal de Saúde, Enildo Calixto Louback, o conceito de educação permanente da ESP-MG como um diferencial para a qualificação de novos conselheiros. “A ESP-MG, dentro de sua política de educação permanente, permitirá capacitar, desde gestores até usuários, com qualidade, fomentando o debate, a prática e a militância no Controle Social da saúde”, pontua.

Parceria renovada

No final da década de 80, Belo Horizonte iniciou os trabalhos de construção do Controle Social do SUS, formalizando na Lei Orgânica Municipal a organização do Conselho Municipal de Saúde, sendo um dos pioneiros no país. Em 1993, iniciou-se uma parceria entre o CMS e a ESP-MG para a capacitação de conselheiros municipais de saúde. Foram qualificados cerca de 120 conselheiros até 1994.

Desde então, o município de Belo Horizonte vem realizando vários projetos para dar continuidade à qualidade dos membros inseridos nos conselhos (municipal, distritais, hospitalares e comissões locais). Dessa forma, a educação para o controle social do SUS-BH é um processo permanente e capaz de possibilitar a formação de uma rede de participação popular com atuação na definição da política de saúde e nas discussões sobre o desenvolvimento do modelo assistencial.

“A retomada dessa parceria é fundamental para diminuir o distanciamento entre a Escola de Saúde Pública e a PBH, ampliando o controle social da saúde, um dos pilares do SUS”, afirmou o diretor-geral da ESP-MG, Damião Mendonça.

Os Conselhos Municipais de Saúde têm como responsabilidade, juntamente com os gestores da saúde, contribuir para a formação de conselheiros comprometidos com a saúde baseada nos direitos de cidadania de toda a população e na defesa do acesso aos serviços de saúde de qualidade.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/escola-de-saude-publica-de-minas-gerais-e-conselho-municipal-de-saude-firmam-parceria/

Governo Anastasia: encontro na Escola de Saúde discute atenção à saúde materna

Redes de saúde integrada são apresentadas como uma das formas da humanização da saúde

Marcos Pereira
Profissionais discutem melhoras para o programa Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas
Profissionais discutem melhoras para o programa Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas

O Grupo interinstitucional de políticas de humanização (GIPH) da secretaria de estado de saúde de Minas Gerais (SES-MG) promoveu uma reunião, na escola de saúde pública de Minas Gerais (ESP-MG), terça-feira (17), com o objetivo de discutir a articulação entre a Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas e a Política Nacional de Humanização. Trata-se de um fórum de discussão sobre as políticas de humanização no estado, com a presença de profissionais das secretarias municipais e das superintendências e gerências regionais de saúde.

O encontro contou com palestra do pediatra e assessor de normalização da atenção à saúde da SES-MG, Marco Antônio Bragança de Matos, que apresentou as redes de atenção integrada, como estratégia de humanização da saúde. “A humanização só será uma realidade quando a saúde gerar valor ao usuário e tiver como foco a sua satisfação. O cumprimento de metas e portarias deve levar em conta esses aspectos”, afirma.

Segundo o assessor, o aumento dos casos de doenças crônicas e seus fatores de risco, como tabagismo, sobrepeso, sedentarismo, uso excessivo de álcool e outras drogas e alimentação inadequada, traz novos desafios para os profissionais de saúde. “É preciso criar formas de enfrentamento mais incisivas, sempre levando em consideração as necessidades do paciente”, pontua.

Nesse contexto, a Rede Viva Vida/Programa Mães de Minas apresenta um papel fundamental. “A atenção à saúde materna deve ser pensada de forma integrada, sendo organizada a partir das necessidades das pacientes e auxiliando na fixação e continuidade da assistência”, acredita Marco Antônio.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/encontro-na-escola-de-saude-discute-atencao-a-saude-materna/

Governo de Minas: Escola de Saúde Pública qualifica dentistas para curso técnico em saúde bucal

Profissionais selecionados supervisionarão os alunos nas atividades práticas do curso

Sara Braga
Dentistas foram qualificados para conduzir curso técnico em saúde bucal
Dentistas foram qualificados para conduzir curso técnico em saúde bucal

A Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG) qualificou, na quarta-feira (28), na Regional de Saúde de Uberaba, profissionais para conduzir o curso técnico em saúde bucal na macrorregião Triângulo do Sul. Os dentistas selecionados vão supervisionar os alunos nas atividades práticas do curso, que vão acontecer nos municípios. As aulas teóricas serão realizadas durante uma semana por mês na sede da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Esporte (Sedese), em Uberaba.

Quarenta auxiliares em saúde bucal de Araxá, Delta, Comendador Gomes, Conceição das Alagoas, Fronteira, Pedrinópolis, Perdizes, Planura, São Francisco de Sales, Uberaba e Veríssimo participarão do curso, podendo adquirir o título de técnicos. O curso é oferecido pelo Ministério da Saúde, por meio da ESP, com início previsto para 16 de abril. A carga horária é de 1.300 horas, distribuídas em 17 meses.

De acordo com a supervisora pedagógica da Escola de Saúde, Jomara Aparecida de Miranda, “este curso já acontece há anos e seu impacto é a melhoria do trabalho dos profissionais atuantes e, consequentemente, da assistência aos usuários dos serviços”. A coordenadora local do curso, Sheila Beatriz Rezende, afirma que a expectativa é grande. “Após o término do curso, os municípios com equipes de saúde bucal de modalidade 1, ou seja, composta por um assistente em saúde bucal e um cirurgião dentista, poderão pleitear equipes de modalidade 2, ou seja, compostas por um assistente, um técnico em saúde bucal e um cirurgião dentista”.

A coordenadora de saúde bucal de Araxá, Aparecida da Silva de Castro, acompanhará a dispersão dos alunos no município e também será professora do curso. Ela acredita que “haverá melhorias nos processos de trabalho, principalmente porque os alunos poderão testar, na prática, os conhecimentos adquiridos. Além disso, pretendo trabalhar a sensibilização desses profissionais para o tratamento aos usuários, o que acho extremamente importante”, conclui.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/escola-de-saude-publica-qualifica-dentistas-para-curso-tecnico-em-saude-bucal/

Gestão em Minas: Escola de Saúde inicia parceria com Arquivo Público Mineiro

Objetivo é melhorar a conservação de seus documentos e registros da escola

Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) recebeu a visita dos diretores do Arquivo Público Mineiro (APM) para selar a parceria com o objetivo de melhorar a conservação de seus documentos e registros. A primeira fase da parceria se inicia com a formação de uma Comissão de Gestão de Documentos. Para que todos entendam sobre a manutenção e temporalidade dos documentos, essa comissão deverá se constituir por membros das unidades administrativas da escola.

A coordenadora do Arquivo e Protocolo da ESP-MG, Mônica de Siqueira Ferraz, afirma que a escola já começou a caminhar para alcançar melhorias, beneficiando também o trabalho e o acesso aos documentos no futuro. “Os arquivos da ESP-MG guardam a memória da instituição, portanto, saber conservar de maneira correta é uma melhoria para todos, afinal, são 65 anos de história”, afirma.

Arquivo Público Mineiro

O acervo do Arquivo Público Mineiro é constituído por documentos produzidos e acumulados por órgãos da Administração Pública de Minas Gerais e por arquivos privados, abrangendo desde o século XVIII até o século XX. Além de manuscritos e impressos, reúne mapas, plantas, fotografias, gravuras, filmes, livros, folhetos e periódicos.

A Biblioteca do Arquivo Público Mineiro, com cerca de 12.000 títulos, destina-se ao atendimento da pesquisa institucional para organização de acervos e suporte à pesquisa de seus usuários.

Fazem parte do acervo publicações técnicas de arquivos e bibliotecas, anais e anuários de órgãos públicos estaduais e federais, mensagens e relatórios do governo mineiro, legislação estadual e federal, biografias, genealogias, bibliografia e um número relevante de livros, periódicos e folhetos sobre a história de Minas Gerais, do Brasil e do Império Português.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/escola-de-saude-inicia-parceria-com-arquivo-publico-mineiro/

Governo de Minas: municípios mineiros participam da Semana de Mobilização Saúde na Escola

Dos 330 municípios participantes do Saúde na Escola, 230 aderiram ao programa só em Minas Gerais

Entre os dias 5 e 9 de março, acontece em todo o país a Semana de Mobilização Saúde na Escola, com o tema Prevenção e Obesidade. A iniciativa é uma parceria dos ministérios da Saúde e Educação e tem o objetivo de informar aos municípios as diretrizes dos ministérios. Em Minas Gerais, 30 municípios-pólo participaram, na última semana, de uma videoconferência, organizada pela Escola de Saúde Pública (ESP-MG).

A pesquisadora da ESP Maria Nogueira, integrante do grupo gestor estadual do Programa Saúde na Escola, organizou o encontro entre os municípios. De acordo com Maria, dos 330 municípios participantes do Saúde na Escola, 230 aderiram ao programa só em Minas Gerais. Em cada município, pelo menos uma escola estadual deverá participar das ações. “As atividades desenvolvidas nesse período serão a avaliação antropométrica, visitas guiadas dos familiares às unidades básicas de saúde e, ainda, ações relacionadas ao componente de promoção à saúde do programa: cultura de paz, alimentação saudável, atividade física, saúde sexual e reprodutiva”, falou.

A semana vai possibilitar pesquisas para diagnosticar a obesidade nos escolares de 5 a 19 anos, além de incentivar as boas práticas de saúde e fortalecer as políticas públicas destinadas aos jovens. A abertura da semana, em Belo Horizonte, começa no Colégio Oswaldo Cruz, localizado na região Oeste da capital, com a participação de integrantes do grupo de gestores estadual, composto pelas secretarias de Estado de Educação (SEE), e de Saúde (SES) e ESP-MG.

Fonte: Agência Minas