• Agenda

    agosto 2020
    S T Q Q S S D
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Gestão Anastasia: Governo de Minas incentiva fruticultura na região das Vertentes

Plantio de fruteiras de clima temperado é opção para agricultura familiar e geração de trabalho e renda
Marco Evangelista/Imprensa MG
O pesquisador Paulo Norberto tem boas expectativas com relação ao plantio da figueira na região
O pesquisador Paulo Norberto tem boas expectativas com relação ao plantio da figueira na região

O cultivo de maçã, uva e figo vem ganhando espaço entre os produtores rurais do Campo das Vertentes. Isso graças ao incentivo do Governo de Minas que, desde 2007, desenvolve a fruticultura na região. Por meio da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), foram implantadas 21 unidades demonstrativas, distribuídas nas cidades de São João del-Rei, Barroso, Tiradentes, Prados, Resende Costa, Coronel Xavier Chaves, Lagoa Dourada, Carandaí e Piedade do Rio Grande.

O pesquisador da Epamig, Paulo Márcio Norberto, que realiza o trabalho da fruticultura juntamente com outros dois pesquisadores, conta que as unidades demonstrativas são instaladas em propriedades particulares. “Essas propriedades contempladas estão sempre abertas à comunidade, servindo de modelo para outros produtores interessados em aprender e entrar na atividade, possibilitando o acompanhamento de todo o processo de produção, desde o plantio até a colheita”, explica.

Segundo ele, a fruticultura representa uma boa alternativa para a região. “Como o fluxo de turistas é grande e a região tem um forte apelo turístico, favorece a possibilidade de colocação de produtos no mercado, inclusive com agregação de valor, como doces em calda, geleias e cristalizados”, avalia. O plantio das fruteiras de clima temperado é também uma opção diferente das usuais, principalmente na agricultura familiar. “Hoje, muitos produtores locais já aderiram e estão colhendo os frutos, o que possibilita um incremento significativo em suas rendas e, além de ocupar a mão de obra familiar, acaba gerando novos postos de trabalho em suas comunidades”, afirma o pesquisador da Epamig.

Em Coronel Xavier Chaves, o produtor Antônio Catarino de Almeida possui uma unidade demonstrativa de videira há um ano. Ainda não foi possível comercializar a uva, mas ele acredita que em dois anos a produção já seja satisfatória. “Está sendo uma boa experiência e a expectativa é boa, acho que vai dar certo”, diz. Catarino recebeu da Epamig 200 mudas para iniciar a plantação. “Desde então, o técnico vem aqui, explica como é a manutenção, orienta, apoia muito o nosso trabalho. Com certeza vai ser possível aumentar nossa renda, porque a região não tem muito esse tipo de plantação”, conclui o agricultor. Ele conta com a ajuda do filho para cuidar das videiras e das outras cultivares que possui na propriedade, que inclui mexerica, baroa, mandioca e inhame.

Apoio técnico

Ilceu Carvalho, produtor de Prados, também recebeu apoio técnico para o plantio de uva e figo e, em 2011, fez sua melhor colheita. “Tive uma produção de cerca de 700 kg de uva e vendi 500 kg in natura, que é a forma mais lucrativa. Todo mundo elogiou a qualidade”, conta. Agora, Ilceu quer aumentar a produção. “Quero ver se consigo colher duas vezes ao ano, em vez de apenas uma. Minha meta é uma colheita no meio do ano e uma no final. Por isso vou começar a usar um sistema de irrigação”, relata.

As pesquisas na área de fruticultura são desenvolvidas na Fazenda Experimental Risoleta Neves, em São João del-Rei, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), que já destinou mais de R$ 300 mil para projetos de pesquisa e bolsas de pós-doutorado, iniciação científica e apoio técnico. O trabalho de difusão e transferência de tecnologia também conta com a parceria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Com relação à cultura da videira, o pesquisador Paulo Norberto destaca que as plantas estão começando a expressar todo o seu potencial produtivo. “As variedades que estão sendo testadas aqui na região são de grande importância econômica, são rústicas e toleram mais as variações climáticas que ocorrem na região”, pontua.

A cultura da figueira também tem boa expectativa de produção. “Estamos testando e validando novas tecnologias de manejo para a cultura, que tem mostrado um grande potencial na região. A caminhada de implantação e desenvolvimento da fruticultura já possui um histórico, que foi iniciado em 2007 e precisa ser continuado, pois foram e estão sendo geradas e validadas diversas tecnologias, adaptadas para o pequeno produtor”, completa.

Cultivo de oliveiras

O produtor José Lásaro Mendes Morais se uniu à Epamig para implantar uma unidade demonstrativa de oliveiras há quatro anos. O projeto Rendimento Agronômico das Oliveiras também recebe o apoio da Fapemig. O experimento, localizado em Piedade do Rio Grande, é o único da região e vai ajudar a definir as melhores variedades a serem produzidas.

“Tenho cinco variedades plantadas, vamos ver qual se adapta melhor. Hoje a produção ainda é pequena, não dá para comercializar, mas já é possível perceber que algumas variedades se manifestaram mais precocemente”, comenta. O tempo médio para a oliveira entrar em produção é de seis a oito anos.

José Lásaro também cultiva maçã e, por meio de um trabalho conjunto com a Epamig, estão sendo introduzidos novos materiais genéticos com potencial produtivo para as condições de clima e solo da região. “Além de trabalhos de análise de folhagem das plantas e de conservação dos frutos da maçã”, completa o produtor.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-incentiva-fruticultura-na-regiao-das-vertentes/

Governo de Minas: Expocafé aposta na diversificação da programação em 2012

O evento chega à 15ª edição apostando nas diversas atrações programadas

A Expocafé 2012 será realizada entre os dias 19 e 22 de junho, na Fazenda Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em Três Pontas, no Sul de Minas. Considerado a maior feira nacional do agronegócio café, o evento chega à 15ª edição apostando na diversificação da programação. Além da exposição de máquinas, a Expocafé contará com o 3º Simpósio de Mecanização da Lavoura; Dinâmicas de Campo; Audiência Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG); Encontro de Inovação realizado em parceria com o Sistema Mineiro de Inovação (Simi), da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior; e palestra sobre o projeto Exportaminas do Governo do Estado.

O 3º Simpósio da Mecanização da Lavoura Cafeeira, promovido pela Epamig em parceria com a Universidade Federal de Lavras, acontece no dia 19 de junho. O evento, que é exclusivo para participantes previamente inscritos, vai abordar temas como: Manejo mecanizado; tecnologia de aplicação de defensivos na cafeicultura; certificação; cafeicultura de precisão e mecanização de lavouras.

De 20 a 22 de junho, a Expocafé será aberta ao público, que terá a oportunidade de conhecer e adquirir novidades em máquinas, equipamentos e insumos expostas por cerca de 130 empresas.  Os produtores e operadores também poderão acompanhar em campo o funcionamento de máquinas e implementos agrícola em demonstrações feitas pelas empresas participantes das dinâmicas de máquinas.

Pelo segundo ano consecutivo será realizada durante a Expocafé uma audiência pública da Assembleia Legislativa. No dia 21 de junho, lideranças políticas e cafeicultores vão discutir sobre o Código Florestal e impactos na cafeicultura. ”Este ano queremos intensificar os debates durante a audiência pública, por isso optamos por uma palestra sobre o tema central e abertura das discussões entre os participantes”, informa o coordenador-geral da feira, Mairon Mesquita.

Outro destaque segundo Mairon será a palestra “Central Exportaminas: O mercado externo ao alcance do produtor mineiro”, apresentada pela Coordenadoria de Comércio Exterior da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais. “Com a palestra do Exportaminas e a realização do 2º Encontro de Inovação vamos oferecer mais opções de negócios para o público da Expocafé”, afirma.

Em 2011, a Expocafé recebeu mais de 22 mil visitantes e movimentou R$228 milhões em negócios.

Ampliação da praça de alimentação

Com o intuito de ampliar a oferta de produtos alimentícios aos frequentadores da Expocafé, os organizadores do evento viabilizaram a criação de uma praça de alimentação composta por um restaurante e quatro lanchonetes. “No ano passado tivemos um restaurante, mas vimos que há demanda para mais estabelecimentos”, afirma Mairon Mesquita.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/expocafe-aposta-na-diversificacao-da-programacao-em-2012/

Gestão Antonio Anastasia: FrutificaMinas leva boas práticas a produtores de mudas

Encontro em Teófilo Otoni abre o circuito de 2012

A primeira etapa do Circuito Mineiro de Fruticultura (FrutificaMinas), em 2012, será realizada nesta terça-feira (17), em Teófilo Otoni, município do Vale do Mucuri. Criado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e coordenado pela Empresa de Assistência Técnica de Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), o circuito tem como objetivo realizar encontros para difundir boas práticas de produção entre os fruticultores, melhorar a gestão do negócio e estimular a organização dos produtores principalmente para o aperfeiçoamento da comercialização.

O encontro de Teófilo Otoni visa atender os produtores de mudas frutíferas e ornamentais, informa a assessora técnica da Subsecretaria de Agricultura Familiar, Thyara Rocha Ribeiro. Ela explica que o município é o segundo do ranking de Minas Gerais nesse segmento da fruticultura, depois de Dona Euzébia, na Zona da Mata. “Será uma boa oportunidade para os produtores se atualizarem quanto a aspectos práticos e teóricos da produção de mudas frutíferas”, diz a assessora.

O encontro será dividido em duas partes. Pela manhã, haverá uma palestra do fiscal agropecuário do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Thiago Henrique Pena Moreira, sobre a legislação de defesa vegetal, com ênfase nas normas para a produção e transporte de mudas. A segunda parte, no período da tarde, técnicos da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) irão ministrar um curso teórico e prático sobre a produção de mudas, envolvendo temas como enxertia, semeadura e outros.

Parceria indispensável

Essa etapa do FrutificaMinas tem o apoio e a coordenação local do Polo de Fruticultura da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), que também responde pela mobilização dos produtores para participarem do encontro.

Para o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, “o trabalho em parceria é a melhor alternativa para iniciativas como o Circuito FrutificaMinas. O objetivo é o fortalecimento de um setor do agronegócio que apresenta grande potencial, mas depende da ação de diversos segmentos públicos e privados.” Ele acrescenta que a demanda por frutas é crescente no mercado interno, mas é necessário trabalhar também para a obtenção de espaço no mercado externo, que já manifesta interesse por diversos produtos dos pomares mineiros. “Por isso é necessária uma produção sustentável de frutas de alta qualidade”, finaliza Nascimento.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/frutificaminas-leva-boas-praticas-a-produtores-de-mudas/

Governo de Minas: inscrições para apresentação de trabalhos científicos no Congresso Nacional de Laticínios terminam neste mês

Evento é referência na América Latina na apresentação de pesquisas e estudos para o setor

As inscrições para apresentação de trabalhos científicos durante o 29º Congresso Nacional de Laticínios entraram na reta final. Os interessados em participar têm até o dia 27 deste mês para enviar os estudos. As inscrições podem ser feitas no site oficial do evento (www.cnlepamig.com.br). Podem participar pesquisadores, professores, estudantes e profissionais das indústrias que tenham estudos relacionados ao setor lácteo.

O Congresso Nacional de Laticínios é promovido pelo Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT), que pertence à Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) e será realizado entre os 16 a 19 de julho, no Expominas Juiz de Fora e nas dependências do ILCT. O evento é considerado o maior do Brasil em difusão de tecnologias sobre leite e derivados, além de referência na América Latina como fórum para apresentação de pesquisas e desenvolvimento de lácteos. Durante três dias, os mais renomados especialistas do segmento se reúnem para debater novas tecnologias e compartilhar conhecimentos, por meio de palestras e minicursos. A programação já pode ser conferida no site do Congresso Nacional de Laticínios.

Na edição deste ano, o tema central do congresso, que irá nortear debates e discussões, será “Qualidade e competitividade: desafios para o fortalecimento da cadeia produtiva de lácteos e inserção internacional”. Os trabalhos serão selecionados por uma comissão de avaliação, formada por professores e especialistas do setor lácteo, que irá definir a forma de apresentação – como comunicado técnico ou pôster.

O envio dos trabalhos será feita exclusivamente pela internet, onde há instruções para o envio, normas técnicas para apresentação e preenchimento do formulário. Os contatos com a equipe organizadora podem ser feitos pelo telefone (32)3225-3596 e pelo e-mail comissaocientifica@epamig.br.

Além da parte científica, os participantes também poderão acompanhar o 39º Concurso Nacional de Produtos Lácteos – também realizado no laboratório de análise sensorial do Instituto; a 40ª Exposição de Máquinas, Equipamentos, Embalagens e Insumos para a Indústria Laticinista (Expomaq); e a 39ª Exposição de Produtos Lácteos (Expolac), que acontecem no Expominas Juiz de Fora.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/inscricoes-para-apresentacao-de-trabalhos-cientificos-no-congresso-nacional-de-laticinios-terminam-neste-mes/

Governo de Minas: começam nesta segunda-feira as inscrições para 7º Prêmio Excelência em Gestão Pública

Serão destinados R$ 43,5 mil para dividir entre os vencedores, com recursos do BDMG

José Carlos Paiva/Imprensa MG
Secretária Renata Vilhena assinou, em março último, edital para o 7º Prêmio de Excelência em Gestão Pública
Secretária Renata Vilhena assinou, em março último, edital para o 7º Prêmio de Excelência em Gestão Pública

As inscrições dos trabalhos que concorrerão ao 7º Prêmio Excelência em Gestão Pública começam nesta segunda-feira (16). Podem concorrer servidores públicos do executivo estadual, estagiários ou empregados públicos das empresas participantes (Emater, Epamig e Rádio Inconfidência), com projetos implementados ou não, desenvolvidos individualmente ou em grupo. A entrega dos projetos para inscrição poderá ser feita até 18 horas do dia 17 de maio próximo, exclusivamente via internet, por meio do site da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag).

O 7º Prêmio Excelência vai pagar R$ 43,5 mil ao todo aos vencedores, com recursos do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), distribuídos conforme as regras do edital publicado em 13 de março último.

Além de atenção para não perder o prazo, os interessados em concorrer devem observar as regras do edital, uma vez que o descumprimento delas leva à desclassificação do trabalho.

Um dos itens principais do edital trata do preenchimento dos formulários que garantem a inscrição dos candidatos: ficha de inscrição, termo de responsabilidade e o termo de compromisso.

“Se o projeto apresentado à banca foi realizado por mais de um participante, todos devem assinar o termo de compromisso. Do contrário, o trabalho será eliminado”, alerta a diretora Central de Gestão do Desenvolvimento do Servidor, Maria Angélica Azevedo Gama.

Os candidatos devem ficar atentos também às regras de padronização do projeto. O título, por exemplo, deve ter o máximo de 200 caracteres, o resumo não pode ter mais do que um parágrafo (mínimo de 1.500 e máximo de 2.000 caracteres) e o objetivo central (escopo) deve ter entre 25 mil e 40 mil caracteres, considerando os espaços e as referências bibliográficas.

A validação de padrão ocorrerá por meio de um software criado exclusivamente para o prêmio. O programa analisa os trabalhos e determina quais devem seguir para a banca examinadora e quais são desclassificados porque estão fora da especificação determinada em edital.

Termo de Compromisso

A entrega do Termo de Compromisso exige atenção redobrada. O documento, que integra o Anexo C do edital, deve ser impresso, preenchido, datado, assinado e entregue na Cidade Administrativa Tancredo Neves (Rodovia Prefeito Américo Gianeti, s/n, Prédio Gerais, Setor de Protocolo, das 8 às 18 horas, até 17 de maio) ou enviado pelos Correios. No caso de postagem, deve ser por carta registrada e, para efeito de prazo, será considerada a data carimbada no envelope pela agência postal, que deve ser até 17 de maio de 2012.

Informações sobre o Prêmio:

E-mail: premiogestao@planejamento.mg.gov.br

Telefone: (31) 3915-0393

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/comecam-nesta-segunda-feira-as-inscricoes-para-7o-premio-excelencia-em-gestao-publica/

Governo de Minas: Epamig e Emater–MG estimulam o manejo ecológico de lavouras de pimenta

Empresas implantaram uma unidade demonstrativa em Piranga, onde é feito o manejo ecológico da pimenta

Divulgação/Emater
A produção de pimenta é uma importante atividade no município de Piranga, Zona da Mata
A produção de pimenta é uma importante atividade no município de Piranga, Zona da Mata

A produção de pimenta é uma importante atividade de Piranga, Zona da Mata mineira. Somente no ano passado, o município comercializou cerca de 35 toneladas do produto. Uma das dificuldades dos produtores é o combate a pragas e doenças, que em muitos casos é feito de maneira inadequada. Para mudar essa prática, a Emater–MG e a Epamig implantaram no município uma unidade demonstrativa, onde é feito o chamado manejo ecológico. A técnica, além de eficiente, evita o uso de agrotóxicos, oferece menos riscos ao produtor e consumidor e ajuda na preservação do meio ambiente.

Na prática, o manejo ecológico consiste numa série de procedimentos. Entre eles estão as práticas culturais, como, por exemplo, a rotação de culturas; métodos mecânicos (catação e destruição de frutos de pimenta com sintomas de ataque de broca); controle biológico e, quando necessário, o uso de produtos seletivos e de baixa toxicidade, como extratos de plantas.

Segundo a pesquisadora da Epamig, Madelaine Venzon, o manejo ecológico traz uma série de benefícios. “Para o ambiente, os problemas com a contaminação do solo, das águas e a morte de organismos benéficos são evitados. Para os produtores, a utilização dessas estratégias não ocasionará problemas de intoxicações, e o consumidor terá um produto livre de resíduos”, explica a pesquisadora.

Em alguns casos, o controle de pragas e doenças na lavoura de pimenta é feito de maneira inadequada, com o uso de produtos que não são indicados para a cultura. “Muitos produtos são aplicados próximo da época de colheita, o que acarreta a presença de resíduos nos frutos. O uso inadequado de inseticidas e acaricidas afeta negativamente a fauna benéfica e causa problemas de contaminação do meio ambiente e pode causar intoxicações nos aplicadores”, explica Madelaine Venzon.

A unidade demonstrativa foi implantada em Piranga no ano passado. A lavoura de pimenta-malagueta tem 0,2 hectare, e a colheita teve início no mês de março. De acordo com a pesquisadora da Epamig, já é possível dizer que o manejo ecológico da plantação foi eficiente. “É esperado, e os resultados preliminares já comprovam, que haja menor incidência de pragas e maior incidência de insetos benéficos (predadores e polinizadores) em plantios próximos a áreas com vegetação espontânea”, afirma Venzon.

A unidade fica na propriedade de Luciano Lana Milagres. Ele soube da pesquisa por meio dos extensionistas da Emater–MG. “Atualmente, é muito importante a adoção do manejo ecológico pelos produtores, uma vez que faltam produtos registrados para cultura. Além disso, no manejo ecológico, o impacto ambiental é menor promovendo maior sustentabilidade da atividade”, afirma a extensionista da Emater–MG, Maísa Faustina de Paula Santos Paiva.

Luciano Milagres recebe o acompanhamento da equipe da Emater e dos pesquisadores da Epamig. Há 7 anos ele trabalha com pimenta e produz anualmente cerca de 7 toneladas. O produtor conta que está satisfeito com o desempenho do manejo ecológico. “Não é difícil de fazer e fica mais em conta do que outras formas de combate a pragas”, diz o produtor.

Para a próxima safra, Luciano Milagres pretende ampliar o manejo ecológico. “Eu usarei a técnica em toda a lavoura de pimenta e também em outras culturas da minha propriedade”, afirma.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/epamig-e-ematermg-estimulam-o-manejo-ecologico-de-lavouras-de-pimenta/

Gestão Antonio Anastasia: concurso de qualidade do café em Minas deve avaliar 2 mil amostras

Meta é aumentar em 20% o volume de avaliações do produto em relação ao ano passado

O café lidera as exportações do agronegócio mineiro
O café lidera as exportações do agronegócio mineiro

A meta do 9º Concurso de Qualidade de Cafés de Minas Gerais é aumentar em 20% o volume de avaliações de amostras do produto em relação ao registrado na competição do ano passado. “Vamos trabalhar para a coleta de pelo menos 2 mil amostras nas propriedades das quatro grandes regiões produtoras de café do Estado – Cerrado, Chapadas de Minas, Matas de Minas e Sul de Minas”, informou o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, ao anunciar em Belo Horizonte a realização do evento.

Ele explicou que “a nova marca é possível, porque os cafeicultores estão estimulados a participar da iniciativa, tendo por base as melhorias agregadas à atividade por intermédio das boas práticas de produção introduzidas nas propriedades que aderem ao concurso”.

De acordo com o programa apresentado na reunião, as amostras de café, exclusivamente Arábica e produzido no ano safra 2011, poderão ser entregues nas unidades da Emater-MG até 20 de setembro. As análises serão feitas no período de 23 de setembro a 30 de novembro, e os trabalhos devem terminar no final da primeira semana de dezembro, sendo possível, a partir dessa data, marcar a solenidade de encerramento do concurso e leilão dos cafés premiados.

Segundo o coordenador do 9º Concurso de Qualidade de Cafés de Minas, Marcos Fabri Júnior, da Emater, o governo premia os finalistas da competição com um certificado e o diploma de classificação para o primeiro, segundo e terceiro colocados nas categorias café natural e cereja descascado, despolpado, desmucilado.

Além disso, assim como nas edições anteriores do concurso, todos os participantes receberão, no final da competição, um laudo de seus respectivos cafés com o resultado da análise sensorial, com notas de zero a cem, dentro das normas da Associação Brasileira de Cafés Especiais. “Assim, os cafeicultores poderão melhorar seu produto, ajustando-o às exigências do mercado, com a assistência dos técnicos da Emater”, assinala.

Fabri Júnior diz que Minas Gerais é o único Estado dotado de um programa oficial para dar suporte aos produtores de café por meio de uma iniciativa dessa natureza. “Para isso, o governo estadual conta com a participação de parceiros privados, como as entidades dos produtores, cooperativas, universidades, centros de pesquisa e outros”, ressalta.

Efeitos da competição

O coordenador ainda observa que o concurso tem contribuído para o reconhecimento da qualidade do café de Minas Gerais em todos os eventos nacionais. “Mas o objetivo principal é estimular o cultivo do café, em todas as propriedades do Estado, com o suporte tecnológico e de acordo com as normas de sustentabilidade, a fim de que o produto alcance mais facilmente um alto índice de competitividade nos mercados interno e externo. Isso significa, sobretudo, a garantia de aumento da receita para o produtor mineiro”, acrescenta.

Para o assessor especial do Café da Secretaria da Agricultura, Níwton Castro Morais, o 9º Concurso de Qualidade dos Cafés deve possibilitar especialmente a avaliação das iniciativas para a produção sustentável nas fazendas incluídas no programa Certifica Minas Café do governo estadual. Executado pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Emater, vinculadas à Secretaria da Agricultura, esse programa cresceu 19% no ano passado, alcançando 1.438 propriedades. De acordo com o assessor, a meta para 2012 é um crescimento da ordem de 13% no volume de adesões ao Certifica Minas Café.

Outra área que se beneficia do concurso é a capacitação dos provadores para o trabalho com cafés especiais. Além disso, as cooperativas também poderão ampliar sua participação, reforçando as ações extensionistas para a melhoria do produto.

“Toda a cadeia do café pode evoluir com a realização do Concurso Estadual de Qualidade de Cafés de Minas Gerais”, acrescenta Moraes. A produção de café, no Estado, envolve mais de 104 mil estabelecimentos rurais e influi diretamente na economia de 75% dos municípios. Para 2012 está prevista uma safra recorde do produto no Estado, segundo dados Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A colheita deve somar entre 25,5 e 27,1 milhões de sacas (60 kg), números superiores aos recordes de 2002 e 2010, quando o Estado produziu 25,1 milhões de sacas. Pelas estimativas, a safra mineira de café deverá corresponder a 52% da nacional.

O aumento da produção mineira de café, em relação a 2011, deve ficar entre 15,2% e 22,3%, resultado que pode ser atribuído à melhoria dos tratos culturais nas lavouras e ao estágio positivo na bienalidade da cultura. Em 2011, período negativo na bienalidade, foram colhidas no Estado 22,3 milhões de sacas,  volume equivalente a mais de 50% da produção nacional.

Já o Valor Bruto da Produção (VBP) de café para 2012 em Minas, segundo estimativa do Ministério da Agricultura, alcança R$ 12 bilhões, uma variação positiva de 7,7% diante da cifra registrada no ano passado.

O café lidera as exportações do agronegócio mineiro e ocupa o segundo lugar na pauta, atrás do minério de ferro. Em 2011, o valor obtido com a comercialização do produto no mercado externo foi recorde: US$ 5,8 bilhões, cifra 41,6% superior à registrada em 2010. Já no primeiro bimestre deste ano, as exportações de café por Minas Gerais somaram US$ 770 mil.

União de forças

A Secretaria da Agricultura de Minas realiza o 9º Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais – por meio da Emater-MG – em conjunto com a Universidade Federal de Lavras (Ufla). São também parceiros na iniciativa: Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg), Federação de Agricultura (Faemg), Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetaemg), Centro de Excelência do Café, Polo de Excelência do Café, e Instituto Federal de Ensino e Tecnologia de Machado.

As principais etapas do 9º Concurso de Qualidade de Cafés de Minas Gerais serão apresentadas pela internet. Os interessados devem ficar atentos ao site da Emater (www.emater.mg.gov.br), que indicará o acesso ao link específico nas datas programadas para a realização dos trabalhos. Mais informações sobre o concurso na Emater de Lavras: (35) 3821-0010.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/concurso-de-qualidade-do-cafe-em-minas-deve-avaliar-2-mil-amostras/

Gestão Antonio Anastasia: qualidade dos cafés de Minas Gerais será avaliada em concurso

Objetivo é estimular adoção de práticas para obter produtos mais competitivos

Divulgação/Seapa MG
O encerramento do concurso, com o anúncio dos vencedores, ocorrerá na última quinzena de novembro
O encerramento do concurso, com o anúncio dos vencedores, ocorrerá na última quinzena de novembro

O secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, vai anunciar, nesta quinta-feira (29), às 16h, em Belo Horizonte, a realização do 9º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais. A reunião contará com a participação de representantes das instituições vinculadas à secretaria, entidades que congregam os produtores, universidades e órgãos de pesquisa parceiros na realização do concurso.

A competição é aberta aos produtores das quatro regiões cafeeiras do Estado: Cerrado, Chapadas de Minas, Matas de Minas e Sul de Minas. O objetivo principal é oferecer estímulo aos cafeicultores estaduais, em sua maioria agricultores familiares, para buscarem a melhoria da qualidade, que possibilita o aumento da competitividade do produto no mercado interno e externo, e a consequente elevação da renda nas propriedades.

De acordo com o coordenador do concurso, Marcos Fabri Junior, os interessados em submeter cafés à avaliação deverão entregar, a partir de 6 de setembro, nas unidades da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), suas amostras exclusivamente de café Arábica, produzido no ano safra de 2012. “As etapas de classificação e degustação serão de 10 de setembro a 11 de novembro. Já o encerramento, com o anúncio dos vencedores, ocorrerá na última quinzena de novembro”, informa. Os cafés com as melhores classificações serão leiloados depois da solenidade de encerramento. No ano passado, o lance mais alto obtido no leilão foi de R$ 5 mil por uma saca de 60 quilos.

Bons resultados

De acordo com Fabri Junior, o Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas, na edição de 2011, contou com 1.637 amostras. Cento e seis foram classificadas para o final da competição, sendo 48 na categoria natural e 58 na categoria descascado. O café de categoria natural da propriedade de Antônio Melo Canato (Carmo de Minas) ficou classificado em primeiro lugar no grupo do Sul de Minas e foi considerado também o melhor do Estado.

Todos os produtores que participaram do concurso receberam um laudo de seus respectivos cafés com o resultado da análise sensorial, com notas de zero a 100, dentro das normas da Associação Brasileira de Cafés Especiais. Os cafeicultores que inscreverem seus lotes na competição deste ano também receberão o laudo, informa o coordenador.

Parceiros

O 9º Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais é realizado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) – por meio da Emater-MG – em conjunto com a Universidade Federal de Lavras (Ufla). A iniciativa tem a parceria de diversas instituições, como o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), a Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg), a Federação de Agricultura (Faemg), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetaemg), o Centro de Excelência do Café, Polo de Excelência do Café, e o Instituto Federal de Ensino e Tecnologia de Machado.

Reunião de apresentação do 9º Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais

Data: 29 de março

Horário:16h

Local: Cidade Administrativa – Edifício Gerais – 10º andar – sala 6 – Rodovia Prefeito Américo Gianetti s/n – bairro Serra Verde – Belo Horizonte

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/qualidade-dos-cafes-de-minas-gerais-sera-avaliada-em-concurso/

Governo Anastasia: Epamig apresenta novas cultivares de soja para Minas Gerais

As novas cultivares são mais resistentes à ferrugem asiática e nematoide

Novas cultivares de soja para plantio em Minas Gerais é o tema de dia de campo que será realizado no próximo dia 3 de abril, em Patos de Minas, na região do Alto Paranaíba. Serão apresentas cultivares de soja resistentes à ferrugem asiática e a algumas espécies de nematoides desenvolvidas pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Embrapa Soja e Fundação Triângulo.

Em quatro estações de campo os participantes terão a oportunidade de conhecer mais sobre: novas cultivares de soja para plantio em Minas Gerais, manejo de cultivares resistentes à ferrugem asiática, manejo e controle de nematoides, controle químico de pragas e doenças.

Com o objetivo de minimizar os impactos da ferrugem asiática na lavoura de soja, essa parceria tem desenvolvido cultivares mais resistentes, que garantem melhor produtividade e segurança para o sojicultor brasileiro. A cultivar BRSMG 780 FRR será um dos destaques do evento. De acordo com o pesquisador da Embrapa Soja, Vanolli Fronza, essa é a primeira cultivar transgênica resistente à ferrugem asiática, desenvolvida pela Embrapa, em parceria com Epamig e Fundação Triângulo.

“Inicialmente, ela está sendo indicada para Minas Gerais, mas tem boa adaptação também nos estados de Goiás e Mato Grosso, para onde deverá ser indicada a partir da próxima safra”, explica. Segundo o pesquisador essa cultivar oferece mais segurança para o produtor conduzir sua lavoura sem risco de grandes perdas. “Nessa cultivar resistente à ferrugem também vai aparecera ferrugem, só que de maneira mais lenta e menos intensa, possibilitando um melhor controle e também dando mais tempo para o produtor fazer o controle químico da doença”, ressalta. As pesquisas apontaram que a cultivar BRSMG 780 FRR apresenta produtividade comparável às demais cultivares de ciclo semelhante cultivadas em Minas Gerais.

Durante o evento também serão apresentadas outras cultivares, dentre elas a BRSMG 771F (convencional e também moderadamente resistente à ferrugem) e a cultivar transgênica BRSMG 760SRR. Esta tem hábito de crescimento indeterminado, ou seja, continua crescendo após o início do florescimento, o que favorece o plantio mais cedo e possibilita o cultivo de safrinha após a colheita da soja. Os produtores terão ainda a oportunidade de conhecer as sementes certificadas, comercializadas através dos 16 licenciados pela Fundação Triângulo.

Nematoide na soja

Nematoides são parasitas de plantas (fitonematoides) que vivem no solo ou no interior de estruturas vegetais como folha, caule, sementes e raiz. No Brasil, muitas espécies já foram observadas causando danos a diversas culturas. Pesquisas desenvolvidas pela Epamig já apontaram a identificação e manejo de nematoides nas seguintes culturas: alface, goiaba, café, morango, cenoura, banana, tomate e hortaliças.

A pesquisadora da epamig Triângulo e Alto Paranaíba, Luciany Favoreto, que é nematologista, explica que no caso da soja os nematoides de maior importância na economia são: nematoide do cisto da soja, nematoide das galhas, nematoide das lesões radiculares e nematoide reniforme. De acordo com a pesquisadora para culturas de ciclo anual, como a soja, as medidas de controle devem ser implementadas antes da semeadura. “Ao constatar que a lavoura está infestada, o produtor nada poderá fazer naquela safra. Todos os cuidados devem estar voltados para os próximos anos”, explica. A pesquisadora tem realizado testes em campo e casa de vegetação com gramíneas forrageiras para avaliar se são hospedeiras do nematoide das lesões radiculares, Pratylenchus brachyurus. “Também temos orientado os produtores rurais da região quanto à coleta de amostras para análise em laboratório, a qual deve ser representativa do talhão ou “reboleira” que se deseja analisar e desta forma ter uma melhor estimativa da quantidade de nematoides existentes na área”, ressalta.

Serviço:

Dia de Campo Soja – Novas variedades de soja resistentes à ferrugem asiática

Data: 3 de abril de 2012

Local: Fazenda Experimental de Sertãozinho – Rodovia Patos de Minas/Presidente Olegário – Km 18

Informações: (34) 3821-8699 / fest@epamig.br

Inscrições: gratuitas e podem ser feitas no local

 Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/epamig-apresenta-novas-cultivares-de-soja-para-minas-gerais/

Governo de Minas: Secretário de Agricultura participa do 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha, em Manhuaçu

O encontro pretende reunir cerca de 1,2 mil produtores de café e as principais lideranças do segmento

O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas, Elmiro Nascimento, participa nesta quarta-feira (21), às 9h, da solenidade de abertura do 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha, em Manhuaçu, na Zona da Mata.

O encontro pretende reunir cerca de 1,2 mil produtores de café e as principais lideranças do segmento para debater ações que garantam produtividade e mercado para a cafeicultura na região de montanha, com o objetivo de difundir conhecimento e promover troca de experiência no setor cafeeiro.

Manhuaçu é o maior produtor de café da Zona da Mata e ocupa a quarta colocação no ranking estadual. De acordo com o IBGE, a previsão de safra para o município neste ano é de aproximadamente 450 mil sacas.

O evento, que vai até sexta-feira (23), é realizado pela Associação Comercial, Industrial e Agronegócios de Manhuaçu (Aciam) e conta com o apoio da  Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), por meio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig).

Minas lidera produção

Minas Gerais ocupa a liderança na produção de café no país. Para 2012, a safra prevista deverá ficar entre 25,5 milhões e 27,1 milhões de sacas, o correspondente a 51,9%, da produção nacional. No ano passado, os cafeicultores mineiros exportaram o equivalente a US$ 5,8 bilhões, ou seja, 59,8% de toda a exportação do agronegócio mineiro (US$ 9,7 bilhões).

De janeiro a fevereiro de 2012, o café produzido em Minas Gerais obteve no mercado mundial a receita de US$ 828 milhões, segundo maior valor já registrado.

Os baixos estoques mundiais de café e a aceitação crescente do produto de Minas Gerais no exterior são comprovados pela alta cotação do grão. Entre janeiro e fevereiro deste ano, a tonelada do produto foi comercializada por US$ 4,9 mil, cotação 26,2% superior à registrada em idêntico período de 2011.

Serviço:

Abertura Oficial do 16º Simpósio sobre Cafeicultura de Montanha

Data: 21 de março

Horário: 9h

Local: Parque de Exposições Fernando Maurílio Lopes – Rodovia 262 – km 40 – Ponte da Aldeia – Manhuaçu/MG

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretario-de-agricultura-participa-do-16o-simposio-sobre-cafeicultura-de-montanha-em-manhuacu/