• Agenda

    fevereiro 2020
    S T Q Q S S D
    « out    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    242526272829  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Inovação, empreendedorismo e desenvolvimento, artigo Marcus Pestana

O Brasil vem perdendo o bonde da história não só em relação aos países desenvolvidos, mas também a países emergentes como China e Coreia do Sul.

O Brasil hoje não é atrativo para jovens cientistas brasileiros que romperam as fronteiras

Fonte: O Tempo

Artigo Marcus Pestana: empreendedorismo e desenvolvimento

Marcus Pestana: “Não só o nosso gap tecnológico ficou evidenciado, mas também que as relações Brasil/EUA andam meio fora dos trilhos.” Divulgação

Inovação, empreendedorismo e desenvolvimento

Artigo do presidente do PSDB-MG, deputado federal Marcus Pestana

O motor do processo de desenvolvimento no século XXI é o conhecimento, a capacidade de inovação e o empreendedorismo. O elemento dinâmico no mundo contemporâneo se transferiu para a capacidade de um país inovar através do desenvolvimento científico e tecnológico. O Brasil vem perdendo o bonde da história não só em relação aos países desenvolvidos, mas também a países emergentes como China e Coreia do Sul.

Foi no sentido de compreender melhor o tamanho do desafio brasileiro que participamos da Missão Oficial do Congresso Nacional, a convite do Instituto das Américas e do Wilson Center Brazil Institute, em San Diego e Washington, nos Estados Unidos, de 29 de março a 3 de abril. Foram dois senadores e sete deputados de seis diferentes partidos políticos.

Conhecer a experiência do país mais dinâmico e inovador de todo o mundo foi extremamente positivo para entendermos nossas potencialidades e os gargalos que impedem um melhor desempenho do Brasil no setor.

Na Califórnia, podemos perceber ao vivo e a cores como San Diego e sua região, vocacionadas para o turismo e uma das principais bases militares dos EUA, conseguiram induzir, a partir da Universidade da Califórnia, um grande e dinâmico polo de desenvolvimento tecnológico. O diálogo com o reitor e com diversos executivos foi essencial para refinarmos nossa percepção do quanto estamos atrasados na criação do ecossistema adequado para a integração entre governo, iniciativa privada e academia, na transformação do conhecimento inovador em mola propulsora do desenvolvimento. E como a biodiversidade, uma das potencialidades visíveis do Brasil, pode ser uma fonte inesgotável de soluções.

O contato com pós-doutorandos e cientistas brasileiros que desenvolvem seus estudos e pesquisas lá foi esclarecedor para visualizarmos com clareza nossos erros e acertos. Ficou claro que o Brasil hoje não é atrativo para jovens cientistas brasileiros que romperam as fronteiras. E o quanto ainda é preciso caminhar na valorização dos pesquisadores. E como se faz necessário ampliar geometricamente o número de brasileiros se qualificando no exterior.

As visitas ao Instituto J. Craig Venter, ao Centro de Pesquisa e Incubação de Startups da Janssen (Johnson & Johnson) em San Diego e à fábrica de biológicos da Astrazeneca, em Maryland, ensinaram como precisamos quebrar muros e preconceitos, melhorar o arranjo institucional e financeiro e modernizar os marcos legais e regulatórios do setor. Em todos os pontos encontramos brasileiros cheios de sonhos e potencial.

Culminamos a missão com uma reunião no Departamento de Estado. Não só o nosso gap tecnológico ficou evidenciado, mas também que as relações Brasil/EUA andam meio fora dos trilhos.

Todos os indicadores do setor nos são desfavoráveis. Trabalhar uma agenda profunda de mudanças, mais do que um desejo, é uma imperiosa necessidade.

Pimenta vai atrair empresas da chamada Nova Economia

Pimenta quer trabalhar para atrair empresas da chamada Nova Economia, cujos produtos geram emprego e têm maior valor agregado.

Eleições 2014

Fonte: PSDB-MG

Pimenta da Veiga quer novo salto econômico e mais empregos

Candidato a governador pela Coligação Todos por Minas quer atrair empresas da chamada Nova Economia para agregar valor à produção do Estado

Diversificar a economia e investir na geração de emprego de qualidade são as principais estratégias do candidato a governador Pimenta da Veiga para garantir que os bons resultados da economia mineira alcance patamares ainda maiores. Ao participar, nesta quarta-feira (20/08), em Belo Horizonte, da inauguração do comitê de campanha do candidato a deputado estadual Gilvan Pinho Tavares (PV), Pimenta ressaltou que nos últimos dez anos o PIB per capita em Minas cresceu quase 200% e que no mesmo período o Estado recebeu perto de R$ 200 bilhões de investimentos privados. Segundo ele, é preciso continuar atraindo investimentos para assegurar o desenvolvimento econômico e social.

”Queremos que todos os investimentos que possam vir para Minas cheguem efetivamente aqui para construir uma economia mais forte e mais diversificada”, afirmou. Para Pimenta da Veiga, existe a necessidade de agregar valor ao que é produzido em Minas Gerais. “O que nós queremos é aproveitar a nossa produção, sejam os grãos, seja o minério para que ele seja melhor aproveitado aqui dentro e em mais etapas, fazendo um aproveitamento dessas matérias primas aqui. Vamos atuar em todos os setores”, disse ele.

Tecnologia de ponta

Além dos setores já tradicionais da economia mineira, Pimenta da Veiga quer trabalhar para atrair empresas da chamada Nova Economia, cujos produtos têm maior valor agregado e geram emprego de qualidade. São empresas dos setores de Tecnologia da Informação e Comunicação, do setor aeroespacial, farmacêutico e eletrônico. “Minas Gerais tem um grande ambiente para a Nova Tecnologia. Queremos criar todas as condições para que esses investimentos ocorram”, afirmou.

Nos últimos anos, várias empresas dessa área se instalaram em Minas Gerais, entre elas a Six Semicondutores, que deve iniciar a produção de semicondutores em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no ano que vem. Já operam no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, os centros de manutenção de aeronaves da Gol e da Azul/Trip.

Também escolheram Minas Gerais para expandir seus negócios grandes empresas da área farmacêutica, como a fábrica de capsulas para medicamentos ACG Worldwide, em Pouso Alegre; o Centre Suisse d’Electronique et de Microtechnique (CSEM Brasil), em Belo Horizonte, que realiza investimentos em pesquisa básica e aplicada nos campos das nano e microtecnologias, engenharia de sistemas, tecnologias de informação e telecomunicação e ainda a fábrida da Biomm em Nova Lima, que atua na área de biotecnologia e vai fabricar insulina.

Região Norte: Aécio se compromete a integrar Acre na rota do desenvolvimento

Candidato à Presidência da República, Aécio prometeu a integração da integração da região Norte ao processo de desenvolvimento nacional.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Em Rio Branco, Aécio Neves se compromete a integrar o Acre e a região Norte ao processo de desenvolvimento nacional

Integração da região Norte ao processo de desenvolvimento nacional. Esse foi o principal compromisso feito pelo candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio Neves, durante sua visita a Rio Branco, capital do Acre, nesse sábado (9/08). Ao lado de sua filha Gabriela Neves e do candidato ao governo do Estado pelo PSDB, Márcio BittarAécio afirmou que é hora do governo federal voltar suas atenções às demandas da região.

“Essa aliança com Márcio Bittar me parece a mais adequada para que possamos, e essa é a minha primeira proposta, integrar o Acre e essa região ao processo de desenvolvimento nacional. Não podemos mais continuar a ter um governo que governa de costas para toda essa região”, disse.

O calor do povo acriano acolheu Aécio Neves durante sua passagem pela região de Cinco Bocas, no bairro João Eduardo. Lá, o candidato à Presidência comprometeu-se a atender a um dos principais anseios da plateia formada por centenas de homens, mulheres e crianças: a construção de uma ponte sobre o rio Madeira, ligando o Acre ao estado de Rondônia.

Atualmente, a única via terrestre entre os dois estados é a BR-364, que é constantemente inundada pelas cheias do rio. A obra, prometida pela presidente Dilma Rousseff, ainda não foi iniciada.

“Sou reconhecido por cumprir cada um dos compromissos que assumo. Por isso, não assumo aqueles que vão além das minhas possibilidades. Mas o primeiro que quero deixar aqui, olhando nos olhos de cada um de vocês, é que serei eu quem vai botar de pé a ponte sobre o rio Madeira, porque este governo não teve a capacidade de fazê-lo. E logo no início do ano que vem, vamos tratar disso no Palácio do Planalto”, afirmou sob fortes aplausos.

 Portas abertas

Aécio Neves acrescentou que em seu governo as portas do Palácio do Planalto não estarão apenas abertas, mas “escancaradas” para que a população busque o lhe é de direito. Ele salientou a importância de criar mecanismos para que a região Norte desenvolva o seu “enorme potencial”.

“É fundamental que possamos definitivamente estabelecer um clima de convivência
harmoniosa e adequada entre essa extraordinária riqueza que é o nosso bioma, que é a floresta amazônica, com o desenvolvimento econômico e social da sua gente. É preciso que criemos condições para gerarmos renda para quem vive no Acre, porque a renda vem do trabalho, e cabe ao governo federal criar, a partir de uma nova infraestrutura, as condições para que essa região possa se desenvolver. O potencial é enorme. Vamos atuar de mãos juntas, vamos ser parceiros”, ressaltou.

Homenagem

Durante o evento, Aécio recebeu o título de Cidadão Acriano. Emocionado, dedicou a homenagem a seu avô Tancredo Neves, que, há 52 anos, assinou como primeiro ministro do governo João Goulart o decreto que transformou o Acre de território para estado da Federação. “Foi ele quem colocou a sua assinatura e permitiu que o Acre buscasse pelas suas próprias forças, e pelo trabalho da sua gente, um lugar ao sol, buscando um desenvolvimento econômico e social maior”, lembrou.

Para o candidato da Coligação Muda Brasil, é assim que se faz política. Com ideias e “pessoas com coragem e competência para que possamos transformar as ideias em realidade”.

Vento de mudança

Aécio Neves completou dizendo que o vento de mudança e transformação que passa a soprar do extremo oeste do Brasil vai mudar “a forma de se fazer política”.

“Hoje o que sentimos é um governo que jogou fora as principais conquistas que nos trouxeram até aqui. O Brasil parou de crescer, parou de gerar empregos, e a inflação está aí a atormentar novamente a vida da dona de casa, do cidadão comum. Vamos assumir o governo federal porque sabemos fazer, e os que lá estão mostraram que fracassaram naeconomia, na gestão do Estado e na melhoria dos nossos indicadores sociais”, disse Aécio Neves.

Taxa de desemprego cai e se iguala à de janeiro

Em maio, a taxa de desemprego total na região metropolitana de Belo Horizonte passou de 9,9% para 9,6%. A taxa é a mesma de janeiro de 2010, quando foi registrado o menor percentual em 11 meses.

Entre abril e maio, o desemprego passou de 8% para 7,9%. O número de ocupados na região metropolitana diminuiu em relação ao mês anterior, sendo estimado em 2.248 mil trabalhadores. Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), divulgada ontem pela Fundação João Pinheiro.

Na comparação com abril, o comércio gerou 5.000 postos de trabalho, enquanto a indústria apresentou retração de 11 mil ocupações.

Projeção. O diretor de política econômica do Banco Central, Carlos Hamilton, afirmou ontem, na divulgação do relatório de inflação do segundo trimestre, que a taxa de desemprego média de 2010 no país deve ficar em torno de 7%.

Fonte:  O Tempo
Link para assinantes: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1710&IdCanal=5&IdSubCanal=&IdNoticia=144940&IdTipoNoticia=1

Governo de Minas e Ericsson vão aplicar R$ 16 milhões em pesquisa e desenvolvimento

INOVAÇÃO

A Ericsson irá desenvolver atividades de pesquisa e desenvolvimento de produtos no setor de TI e Telecom em Minas Gerais com apoio do governo estadual. Ao todo, o investimento será de R$ 16 milhões, sendo R$ 8 milhões da Ericsson e R$ 8 milhões da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais e da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais. O acordo foi fechado ontem.

Fonte:  Brasil Econômico
Link para assinantes: http://www.brasileconomico.com.br/assinaturas/epapers.html