• Agenda

    setembro 2020
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Aecio e Campos abrem caminho para 2014 e querem derrotar PT em Uberaba

Aecio e Campos em Uberaba abrem caminho para 2014. Senador apoia candidato do PSB no Triângulo. Relação entre PT e PSB estão estremecidas.

Aecio: presidente 2014

 Aecio e Campos em Uberaba abrem caminho para 2014

Aecio e Campos em Uberaba abrem caminho para Presidência da República em 2014. Foto Revista Época

Fonte: Correio Braziliense

Aecio e Eduardo juntos

Belo Horizonte – Dois possíveis concorrentes à Presidência da República em 2014, o senador Aecio Neves(PSDB-MG) e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), participam juntos, hoje, pela primeira vez, da campanha de um candidato apoiado por ambos nas eleições municipais 2012. O pedido conjunto de votos será em Uberaba, no Triângulo Mineiro, para o deputado estadual Antônio Lerin (PSB), que disputa o segundo turno na cidade contra o deputado federal Paulo Piau (PMDB).

A viagem a Uberaba tem ingredientes para trazer alguma fervura à sucessão da presidente Dilma Rousseff em 2014. O PSB é um dos principais partidos aliados do Palácio do Planalto, mas Eduardo Campos e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estremeceram as relações entre PT e PSB ao não fecharem acordo para candidatura comum no Recife. O governador apoiou Geraldo Julio (PSB), que venceu a eleição, enquanto o partido de Lula indicou o senador Humberto Costa (PT), que ficou em terceiro lugar na disputa.

Eduardo e Aecio tiveram a chance de aparecer juntos também em Belo Horizonte, onde o senador, em aliança idêntica, apoiou o candidato do PSB, o prefeito Marcio Lacerda, que se reelegeu. O governador de Pernambuco, no entanto, não esteve na capital.

O presidente estadual do PSDB, deputado federal Marcus Pestana, acredita que o encontro dos dois presidenciáveis em Uberaba fortalece ambos nas articulações para a disputa pelo governo federal em 2014. “É o quadro político nacional fugindo dessa lógica totalitária, de hegemonia única de um partido só”, afirmou, referindo-se ao PT. “É um sinal de que o PSB, como já disse o próprio Eduardo Campos, não será uma sublegenda do Partido dos Trabalhadores em 2014“, avaliou. Segundo Pestana, Aecio partirá de São Paulo e Eduardo do Recife para a campanha em Uberaba, que está prevista para começar às 16h30, com uma caminhada no chamado Calçadão, na região central da cidade mineira.

O vice-presidente estadual do PT em Minas Gerais, o deputado federal Miguel Correa Júnior, não vê significado algum no encontro além da união comum entre partidos para disputas locais. “O governador de Pernambuco já disse que é aliado do PT”, minimizou.

O articulador da visita de Eduardo e Aecio a Uberaba hoje foi Marcos Montes (PSD), deputado federal. “A ideia era os dois virem, então fizemos uma montagem para que viessem juntos”, contou o parlamentar. Além da caminhada, o governador de Pernambuco e o senador mineiro terão ainda um encontro fechado com militantes.

Nestes dias que antecedem o segundo turno, Aecio deve participar apenas na propaganda eleitoral em rádio e televisão das outras campanhas em Minas Gerais. O parlamentar não irá a Montes Claros, onde o partido apoia o PRB; a Juiz de Fora, cidade em que os tucanos anunciaram apoio a Bruno Siqueira (PMDB); nem a Contagem, onde a legenda do parlamentar aderiu à campanha de Carlin Moura (PCdoB). Nos três municípios, o confronto é contra o PT.

Empate técnico em Fortaleza
A disputa pela prefeitura de Fortaleza está tecnicamente empatada, segundo pesquisa Datafolha divulgada ontem. Apesar da ligeira vantagem do candidato do PT, Elmano de Freitas, que tem 42% das intenções de voto, contra 37% de Roberto Cláudio (PSB), a margem de erro, de três pontos percentuais, contempla o empate. Os votos brancos e os nulos somam 11% e 9% não sabem ou não responderam ao levantamento. A disputa também é apertada considerando os votos válidos. Se a eleição fosse hoje, Elmano teria 53% e Roberto Cláudio, 47%. A pesquisa do Datafolha foi realizada entre os dias 16 e 17 deste mês e ouviu 1.281 pessoas na capital cearense. A amostragem foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do estado sob o número CE-00180/2012.

Aecio: presidente 2014 – Link da matéria: http://impresso.correioweb.com.br/app/noticia/cadernos/politica/2012/10/19/interna_politica,58358/aecio-e-eduardo-juntos.shtml

Aécio e Anastasia definem apoios do PSDB para o 2º turno em Minas

PSDB: eleições 2012 – Tucanos vão apoiar Carlin Moura (PCdoB) em Contagem, Bruno Siqueira (PMDB), em Juiz de Fora eLerin (PSB), em Uberaba.

PSDB: eleições 2012

Fonte: Estado de Minas

PSDB sobe em três palanques

Tucanos confirmam apoio no segundo turno a Bruno Siqueira (PMDB) em Juiz de Fora, Carlin Moura (PCdoB) em Contagem e Lerin (PSB) em Uberaba

 PSDB define apoios para o 2º turno em Minas

Eleição 2012: Tucanos vão apoiar Carlin Moura (PCdoB) em Contagem, Bruno Siqueira (PMDB), em Juiz de Fora eLerin (PSB), em Uberaba.

O PSDB anunciou apoio às candidaturas de Carlin Moura (PCdoB), à Prefeitura de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte; a Bruno Siqueira (PMDB), em Juiz de Fora, na Zona da Mata, e a Lerin (PSB), emUberaba, no Triângulo Mineiro, na briga pelo segundo turno em 28 de outubro. Os partidos que terão a adesão dos tucanos pertencem à base de Dilma Rousseff no governo federal. Os candidatos do PSDB nas duas primeiras cidades ficaram em terceiro lugar na disputa de primeiro turno. Já em Uberaba, o partido se dividiu e acabou em quinto lugar, no apoio a Fahin Sawan (PTB). Os posicionamentos foram definidos ontem em reuniões dos três candidatos com o governador Antonio Augusto Anastasia (PSDB), o senador Aécio Neves (PSDB) e o presidente do partido em Minas Gerais, deputado federal Marcus Pestana.

Além de Contagem, Juiz de For a e Uberaba, haverá segundo turno também em Montes Claros, onde o PSDB ficou em terceiro lugar, com o apoio a Jairo Ataíde (DEM).

Em Juiz de Fora, com a derrota do prefeito Custódio Mattos (PSDB), que tentava a reeleição, o caminho natural era o apoio a Bruno Siqueira (PMDB), já que a outra opção seria a união com Margarida Salomão, do arquirival PT. O que dificultava a negociação era o fato de PSDB ter considerado duros demais os ataques dos peemedebistas a Custódio no primeiro turno. O que também poderia levar o partido a não declarar apoio – formal, pelo menos – ao PMDB, são os altos índices de rejeição de Custódio na cidade. Em suas articulações, Siqueira se movimentava no sentido de ter Anastasia e Aécio ao seu lado, mas não Custódio. Depois da reunião de ontem, no Palácio das Mangabeiras, Pestana disse que o partido já prepara a participação em atos de campanha do peemedebista. “O primeiro já deve acontecer na sexta-feira”, informou o parlamentar.

Sem polarização A definição em Contagem pode ter sido ainda mais drástica. O partido teve que optar entre o PT e o mais tradicional aliado do partido da estrela, o PCdoB. Os comunistas, no entanto, antes mesmo da confirmação do segundo turno, já adotavam discurso para atrair os tucanos. “Nosso projeto é de todos os que querem o bem de Contagem”, afirmou Carlin Moura na confirmação do segundo turno, no dia 7. O rival do PCdoB na cidade é Durval Ângelo (PT). Pelo lado dos tucanos, o concorrente foi Ademir Lucas. “Estamos produzindo uma carta com pontos que vamos adotar junto com a coligação no segundo turno”, afirmou Pestana ao final da reunião com Carlin. A presidente estadual do PCdoB, Jô Moraes, afirmou que não se pode nacionalizar a eleição em Contagem, colocando em lados opostos o PT e o PSDB, os dois partidos que deverão disputar o governo federal em 2014. “Na união pela cidade aceitamos todos os votos que vierem”, defendeu a dirigente partidária.

Em Uberaba, apesar do apoio definido ontem pelos caciques a Lerin (PSB), o PSDB enfrenta um problema interno. Os diretórios estadual e municipal se estranharam na discussão sobre o lançamento de candidatura própria ou o apoio a nome de outro partido. O comando da legenda na cidade decidiu lançar Fahin Sawan (PSDB), enquanto o diretório estadual optou pelo apoio ao deputado estadual Lerin (PSB), que disputará o segundo turno com Paulo Piau (PMDB). Com a falta de apoio do próprio partido, Sawan ficou em quinto lugar na disputa e agora precisará ser adulado para fazer campanha para o rival. “Nossa expectativa é que o diretório municipal se alinhe ao estadual”, diz o vice-presidente do PSDB em Minas, deputado federal Domingos Sávio.

PSDB: eleições 2012 – Link da matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2012/10/16/interna_politica,323662/psdb-sobe-em-tres-palanques-mineiros.shtml

Aécio critica Dilma, Lula diz que presidente é gaúcha

Aécio: “É lamentável ver que, até hoje, a presidente Dilma precise convencer os mineiros de que ela é mineira de fato.

Aécio: Dilma e Lula

Fonte: UOL Eleições

Aécio cita Lula para dizer que Dilma é gaúcha

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) divulgou nota que rebate as críticas da presidente Dilma Rousseff (PT) feitas durante comício do candidato do PT à Prefeitura de Belo Horizonte,Patrus Ananias, nesta quarta-feira (3). Dilma disse que nasceu em Minas Gerais e não pode ser chamada de “estrangeira”. O tucano, em declarações anteriores, reclamou a interferência da petista nas eleições na capital mineira.

 Aécio critica Dilma, Lula diz que presidente é gaúcha

O candidato do PT à Prefeitura de Belo Horizonte, Patrus Ananias (à dir.), recebe o apoio da presidente Dilma Rousseff (à esq.) no comício realizado na praça da Febem, no Barreiro, zona sul da capital mineira, na noite desta quarta-feira. No local, a presidente disparou ataques contra o senador Aécio Neves (PSDB).

“É lamentável ver que, até hoje, a presidente Dilma precisa gastar a maior parte do seu tempo tentando convencer os mineiros de que ela é mineira de fato. Ser mineiro vai muito além da certidão de nascimento. É preciso ter uma alma generosa e compromisso verdadeiro com o Estado”, afirmou Aécio na nota.

Segundo o tucano, “é injustificável que depois de 10 anos de governo do PT, questões essenciais para Minas, como os royalties de minério, o Anel Rodoviário, a BR-381 e o metrô ainda não tenham tido solução”.

“Infelizmente, nesse caso, sou forçado a concordar com o ex-presidente Lula. Como ele já disse: ‘a gente tem uma gaúcha governando esse país…”, disse Aécio.

PSDB cobra presidente

Ao mesmo tempo em que Dilma fazia seu discurso, o PSDB mineiro divulgou carta aberta a ela com cobranças de medidas que atendam a interesses de Minas Gerais. O documento é assinado pelos presidentes regional, deputado federal Marcus Pestana, e municipal do PSDB, o deputado estadual João Leite.

A carta cita dá acesso para um vídeo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando pede votos para um prefeito no Rio Grande do Sul, se refere a Dilma como gaúcha.

Os tucanos dizem na carta que a presidente é “muito bem-vinda” em Minas, mas que, apesar da visita por motivos eleitorais a Belo Horizonte, ela poderia dar “explicações”.

“Seria uma oportunidade importante para que seja esclarecido aos mineiros porque o governo federal vem, sistematicamente, de forma insistente e repetitiva, deixando de lado os interesses de Minas Gerais“, apontou o texto.

A carta lista 13 tópicos com cobranças, como a instalação de uma fábrica da Fiat em Pernambuco, no final da gestão Lula, por causa de incentivos fiscais exclusivos, o veto ao aumento dos royalties da mineração e aos incentivos para o semiárido mineiro, metrô, duplicação de estradas e reforma do aeroporto de Confins.

“Constatações como essas, dão, lamentavelmente, veracidade à fala do presidente Lula, que a saúda, na internet, como presidente gaúcha! Esperamos que a senhora volte sempre a Minas, não apenas para fazer campanha eleitoral, mas também como presidente da República para atender aos verdadeiros anseios e demandas dos mineiros”, apontou a nota.

Link da matéria: http://eleicoes.uol.com.br/2012/noticias/2012/10/03/aecio-cita-lula-para-dizer-que-dilma-e-gaucha.htmink

Senador Aécio convoca tucanos e aliados em favor de Lacerda e critica intervenção nacional em BH

“Não vamos cair na armadilha de trazer 2014 para 2012. O que está em jogo é o futuro das pessoas de BH. Todas as vezes que tentaram interferir na vida dos mineiros, esses foram claramente rechaçados”, diz Aécio Neves

 Aécio: Queremos municipalizar a disputa

Aécio:”Queremos municipalizar a disputa”. Para senador “não interessa a população de BH qualquer tentativa externa de trazer 2014 para 2012.”

senador Aécio Neves reuniu, nesta quinta-feira (05/07), as lideranças dos 18 partidos que apoiarão a reeleição do prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda e de seu vice na chapa, o deputado Délio Malheiros (PV). No encontro, o senador destacou a importância da ampla aliança formada em torno da reeleição de Lacerda e criticou a tentativa de federalização da campanha eleitoral da capital mineira. Aécio defendeu que o debate eleitoral ocorra entre os mineiros e em favor da população.

“Queremos municipalizar a disputa de forma muito clara porque não interessa a população de Belo Horizonte qualquer tentativa externa de trazer 2014 para 2012, principalmente pelas mãos de pessoas estranhas a BH, para nossa cidade. Desde a proclamação da República, os mineiros escolheram, eles mesmos, os seus caminhos. E todas as vezes que tentaram interferir na vida dos mineiros, esses foram claramente e, peremptoriamente, rechaçados”, afirmou Aécio.

Ao lado do presidente do PSDB de Minas Geraisdeputado federal Marcus Pestana, e do presidente do PSDB de Belo Horizontedeputado estadual João LeiteAécio Neves disse que os tucanos mantiveram uma postura coerente em contraponto à do PT, que rompeu a aliança com o PSB dias depois de anunciar o vice na chapa de Lacerda.

“O que pensávamos há quatro anos, pensamos hoje. Que Márcio é a melhor alternativa para Belo Horizonte. O PT, pelo menos até sábado passado, às 11 horas, parecia pensar da mesma forma.Agora, vai ter algo que vai ser muito curioso. Poucos dias atrás, a presidente da República (Dilma Rousseff) veio a BH e encheu o prefeito de elogios. Um dos maiores prefeitos do Brasil, competentíssimo! Será que ele deixou de ser competente de sábado para cá? Aqueles que levantaram sua mão na convenção de sábado, será que a partir de hoje acham que sua administração deva ser interrompida?, questionou Aécio.

Exigências

O senador acrescentou que o PSDB não exigiu cargos ou cobrou concessões por parte do PSB em troca do apoio firmado na aliança que reúne, agora, 18 partidos: PSB, PV, PSDB, PSD, PDT, DEM, PPS, PTB, PP, PR, PRB, PTdoB, PRT, PSL, PTN, PSDC, PTN, PMN.

“Não nos importamos que o PT tivesse a maioria dos cargos estratégicos sob seu comando na Prefeitura de BH.  Obviamente, nos surpreendemos com as notícias mais recentes de que são mais de 900 cargos comissionados, mas nem isso fez nos afastarmos do Marcio. Aceitamos que o PSB buscasse seu caminho. Em momento nenhum nós impusemos absolutamente nada. O que ocorreu aqui foi a manutenção da coerência do prefeito Marcio Lacerda, que não se submeteu à pressão do PT, de querer eleger uma bancada de vereadores às custas dos votos do PSB”, afirmou Aécio.

Aécio Neves disse que as eleições municipais vão mobilizar a capital. Ele reiterou a importância dos partidos coligados e saudou a construção da chapa com o deputado Délio Malheiros.

“São 18 partidos que se unem em torno de Marcio. Uma construção mineira, feita dentro das nossas montanhas. A construção no outro campo político foi toda ela, a começar pelo nome do próprio candidato, que foi ungido em São Paulo, e com todos os seus aliados, sem exceção, foi fruto de interferências externas, que colocam no segundo plano os interesses da cidade e da sua população. Tem a marca da intervenção, da violência, da subordinação dos interesses locais aos interesses nacionais que não são os de Belo Horizonte”, afirmou Aécio.

Aécio Neves convoca pré-candidatos a prefeito a redobrar os trabalhos em 2012

Aécio Neves: PSDB Brasil

 Aécio Neves quer PSDB forte em todo Brasil

Aécio Neves: senador quer PSDB forte em todo Brasil

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) convocou, hoje (25/05), a militância e os pré-candidatos do PSDB a redobrar os trabalhos pelo fortalecimento do partido nas eleições municipais deste ano. Na abertura do encontro estadual da legenda que reuniu, em Belo Horizonte, cerca de 1.500 lideranças tucanas, Aécio Neves destacou que o PSDB é o maior partido em número de prefeituras em Minas Gerais e o segundo noBrasil, e buscará ampliar as alianças nas disputas municipais.

“Quero pedir a cada um de vocês, que já estavam de mangas arregaçadas, que desdobrem seus esforços. Hoje, estamos dando largada para as eleições municipais onde teremos alianças amplas em todo Estado. Precisamos sair dessas eleições fortalecidos não apenas em Minas, mas em todo Brasil. O PSDB é hoje o segundo maior partido em número de municípios no Brasil . Em um quadro partidário tão plural, como o do Brasil, é uma posição de muita força. Vamos somar aliados e administrar no Brasil, a partir de 2012, pelo menos 70% dos municípios brasileiros”, afirmou o senador.

Aécio Neves foi recebido pelos pré-candidatos e pela militância do PSDB num auditório lotado e com as presenças do governador de Minas,Antonio Anastasia, pelo presidente do PSDB em Minasdeputado federal Marcus Pestana, pelo presidente do PSDB de BH, deputado estadual João Leite, pelos integrantes das bancadas estadual e federal do partido, além de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores de todo o Estado.

Em seu discurso, ele reafirmou a importância dos marcos econômicos do PSDB para a economia do país a partir do Plano Real e lamentou a ausência de uma nova agenda para o Brasil.

“A agenda de hoje é ainda a agenda de ontem,  infelizmente. Vivemos ainda hoje a agenda macroeconômica  do PSDB, a agenda do início dos programas de transferência de renda, a agenda da federação”, disse Aécio.
O senador voltou a criticar o abandono dos municípios pelo governo federal, que tem diminuído osinvestimentos nas áreas da saúde e da segurança.

“Dez anos atrás, 46% de tudo que se gastava em saúde no Brasil era de responsabilidade do governofederal. Hoje, são apenas 30%. São os prefeitos municipais e governadores  que assumem a parcela maior de responsabilidade da mais dramática questão que aflige os brasileiros mais pobres: a saúde. Na segurança,  83% de todos os recursos investidos da segurança no Brasil vêm dos cofres municipais e estaduais. Onde está a generosidade do governo federal para com a realidade? É um desprezo absoluto para com a realidade dos municípios brasileiros”, afirmou.

Aécio Neves encerrou seu pronunciamento destacando que a boa gestão pública é hoje uma reivindicação da sociedade brasileira.

“Há  no país, nas viagens que tenho realizado pelo país, um sentimento crescente, que se consolida a cada dia, de vermos no governo federal os instrumentos da boa prática da gestão pública”, disse ele.

Aécio Neves – Link do site do senador: http://www.aecioneves.net.br/

Objetivo tucano é ganhar em 200 cidades de Minas

Fonte: Larissa Arantes – O Tempo

Objetivo tucano é ganhar em 200 cidades de Minas

Presidente do PSDB não descarta fazer alianças com o PSD em dois municípios

Enquanto o discurso do PSDB em Belo Horizonte é o de apoiar uma aliança que vem dando certo para a cidade, sem reivindicar representação efetiva na chapa para as eleições municipais de 2012, em outras importantes cidades mineiras o partido fala em candidatura própria e fortalecimento da sigla. E a meta é ousada: conquistar 200 prefeituras no próximo ano. Atualmente, esse número é de 158.

O PSDB está presente em 829 dos 853 municípios de Minas, com diretórios municipais, 425 ao todo, ou comissões provisórias, que somadas chegam a 404. De acordo com o presidente estadual da legenda, deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG), o Estado tem relevância não só pela questão econômica. “Minas Gerais é o Estado de maior sucesso para o partido”, explica. O que justificaria a estratégia de fortalecimento.

Apesar de ainda não haver ações completamente definidas, Pestana fala em melhorar a comunicação entre os representantes de cada município e a aposta no poder de disseminação de informação das redes sociais, como Twitter e Facebook. O foco das iniciativas é o conjunto de 50 cidades com mais de 50 mil habitantes, em especial aquelas que tiverem posicionamento estratégico no cenário político.

Na região metropolitana de Belo Horizonte, serão três candidaturas próprias: em Contagem será o ex-prefeito da cidade Ademir Lucas; em Betim, Carlaile Pedrosa e em Ribeirão das Neves, a recém-filiada Gláucia Brandão. Outras localidades importantes que também concorrerão à prefeitura com candidato tucano serão Uberlândia, com o deputado estadual Luiz Humberto Carneiro, e Juiz de Fora, com a possível reeleição de Custódio de Mattos. O PSDB também aposta na aliança com o recém-criado PSD. Em Ipatinga e Uberaba.

Acerto em BH é estratégico para campanha presidencial

São Paulo. O presidente do PSDB em Minas, deputado federal Marcus Pestana, negou que haja contradição entre o discurso do senador Aécio Neves, principal liderança tucana no Estado, e a postura do diretório mineiro da legenda. Aécio afirmou que está pronto para disputar a sucessão presidencial em 2014 contra o PT, seja o candidato petista a presidente Dilma Rousseff ou o ex-presidente Lula.

A capital mineira sequer aparece na lista de cidades consideradas prioritárias e estratégicas para o PSDB mineiro nas eleições de 2012. Apesar do discurso oficial, a postura do PSDB na costura da aliança leva em conta mesmo é o projeto da candidatura presidencial de Aécio em 2014. Nos bastidores, a informação é de que partiu de Aécio a orientação de não criar atrito com o PSB de seu amigo e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, presidente nacional socialista.

Ontem, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que a definição do candidato tucano só em 2013.

Campanha
Aécio defende aliança ampla

São Paulo. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) defendeu na noite de ontem que o PSDB mantenha as portas abertas para uma eventual aliança com o PSD, partido recém-criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. O tucano ponderou, contudo, que no atual momento é necessário aguardar a postura que tomará a legenda recém-criada em relação ao governo federal.

O senador acrescentou que a formação de um leque maior de alianças deve não apenas focar a disputa presidencial em 2014, mas também ter como meta a retomada do espaço da oposição ao governo federal no Congresso Nacional. O senador participou de reunião do Conselho Político do PSDB, promovida no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo.

Em relação a declaração de Aécio de que é candidato em 2014, para o vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman, Aécio ”fez o que devia fazer”, concedendo uma “entrevista politicamente correta”. Quanto às prévias, no entanto, ele confessa que “sempre” teve restrição a elas e adverte que considera “muito difícil” fazer uma eleição prévia com legitimidade. Para ele, no atual momento, não tem nada mais democrático do que uma convenção para escolher candidatos, com representantes dos Estados e das instâncias partidárias.

Solução adotada por Dilma para viabilizar metrô em Belo Horizonte foi sugerida por Aécio Neves em 2009

Fonte: Marcelo da Fonseca – Estado de Minas

Dilma retoma proposta de Aécio Neves para o metrô

Modelo anunciado pela presidente Dilma Rousseff  para investimento no metrô de BH havia sido sugerido por Aécio Neves ao ex-presidente Lula. Senador comemora a adoção de plano 

 (Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)
A solução encontrada para o metrô de Belo Horizonte já havia sido apresentada ao governo federal em 2009, durante um encontro entre o então governador Aécio Neves (PSDB) e o prefeito Marcio Lacerda (PSB) com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A proposta levada a Brasília previa uma parceria público privada (PPP) na construção de dois trechos e ampliação do metrô da capital, dividindo entre as três esferas do governo e a iniciativa privada os gastos com a obra. A expectativa era de que o entendimento possibilitasse a liberação de verbas ainda naquele ano, com o objetivo de garantir a conclusão das obras até o início da Copa do Mundo de 2014, com valores similares aos anunciados ontem pela presidente Dilma Rousseff – um total de R$ 3,16 bilhões, que serão investidos pelo governo federal, estado, prefeituras de cidades às quais o metrô será interligado e empresas.A notícia da adoção do modelo e liberação dos recursos para as obras no metrô da capital mineira foi recebida com satisfação pelo senador Aécio Neves, que destacou a mudança de posição do governo federal como passo importante para tirar a obra do papel. “É um anúncio muito bem-vindo, apesar de chegar com atraso. Essa foi exatamente a modelagem que eu, como governador, o então prefeito Fernando Pimental e o então secretário de desenvolvimento Marcio Lacerda defendíamos. Na época, o governo rejeitou, porque não aceitava a presença da iniciativa privada na parceria. Felizmente o PT evoluiu e tem a compreensão de que sem o setor privado é impossível fazer este tipo de investimento”, comentou o senador. 

Para o deputado federal Marcus Pestana (PSDB), a resposta de Dilma para uma das maiores questões de mobilidade urbana da capital mineira representa um avanço importante nas relações entre as esferas de governo, que encontraram obstáculos em disputas partidárias durante os últimos anos. “Havia uma resistência ideológica e preconceito em relação a esse modelo. A proposta defendida por Aécio e Lacerda esbarrava em um atraso ideológico do governo federal e do PT, que resistiam às parcerias público-privadas. Felizmente, o atraso ideológico cedeu lugar a uma visão moderna e lúcida exigida pela população”, afirmou o tucano. Para ele, o apoio da presidente Dilma Rousseff à “unidade entre prefeitura e governo estadual” trará “ganhos significativos para a população”.

Obra de ficção
A expectativa de ampliação do metrô de BH vem se arrastando desde a entrada em funcionamento da linha 1, com recorrentes promessas de candidatos durante as campanhas eleitorais. A partir da década de 1980, quando o projeto começou a sair do papel, os belo-horizontinos passaram a assistir a uma lenta inauguração de estações da única linha que atravessava a cidade. Em 1991, depois de o então presidente Fernando Collor se comprometer a concluir as obras do metrô até 1993, o então prefeito da capital mineira Eduardo Azeredo (PSDB) declarou à imprensa: “Só espero que tudo ocorra nos prazos previstos”. Ficou esperando. As obras passaram pelo governo do mineiro Itamar Franco (PPS) e entraram na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

Durante a gestão de FHC, apenas a linha 1 foi concretizada, mas a cidade já era outra e as necessidades também. Com atraso, iniciava-se uma segunda fase da novela do metrô da capital: a implantação das linhas 2 (Barreiro–Santa Tereza) e 3 (Lagoinha–Savassi). Lula fora eleito e, já em 2003, seu primeiro ano de governo, prometeu algo que nunca cumpriria: “O metrô de BH será prioridade do governo federal”, disse em agosto, durante visita a Poços de Caldas, no Sul de Minas.

A favor do trabalhador: Aécio Neves e Sérgio Guerra assinam em BH primeiras filiações do PSDB Sindical

Presidente Sérgio Guerra e o senador Aécio Neves assinaram as primeiras filiações do PSDB Sindical

Fonte: PSDB-MG

O PSDB de Minas Gerais lançou, neste sábado (20/08), em Belo Horizonte, o Secretariado Estadual de Relações Trabalhistas e Sindicais – o PSDB Sindical. Com a assinatura inicial de cerca de 150 sindicalistas, o partido está aberto a novas filiações de todas as centrais sindicais do Estado, que terão papel fundamental na renovação do partido, na ampliação do diálogo com a sociedade e na discussão de projetos para o país.

O lançamento do PSDB Sindical contou com a presença de mais de 400 pessoas, entre elas importantes lideranças do partido como o senador Aécio Neves, o governador Antonio Anastasia, o presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra, o líder do PSDB na Câmara, deputado federal Duarte Nogueira, o presidente do PSDB de Minas, deputado federal Marcus Pestana, além de parlamentares e lideranças sindicais.

Durante o lançamento do PSDB Sindical, o senador Aécio Neves destacou a importância da criação do novo núcleo partidário e afirmou que o braço sindical é uma demonstração clara da preocupação do partido com o social e com os trabalhadores.

“É um momento extremamente importante, de repercussão além das fronteiras de Minas. Estamos recebendo sindicalistas da maior expressão, que vêm formalmente somar conosco no PSDB, dando a demonstração que o PSDB tem um projeto para o país. Obviamente, um projeto que passa pela questão social, pelos interesses do trabalhador”, afirmou Aécio Neves.

A filiação dos trabalhadores, segundo o senador, demonstra ainda que os movimentos sindicais buscam novos interlocutores e que a aproximação do PSDB com as centrais sindicais é um retorno às origens do partido.

“É uma demonstração de que, por maior que tenha sido o esforço do governo federal, ele não conseguiu aparelhar todo o movimento sindical. Parcela dele sim. Mas, aqui estamos vendo, com muita clareza, que o movimento sindical busca outros parceiros, outros intérpretes para os seus sentimentos, suas angústias e seus projetos. O PSDB, ao receber da forma que recebe um grupo tão expressivo de sindicalistas, na verdade, retoma suas origens. E é o que o PSDB tem buscado fazer”, observou Aécio.

Participação dos trabalhadores

Aécio Neves e o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, assinaram as primeiras filiações do PSDB Sindical.Os sindicalistas entregaram aos dirigentes do partido o manifesto “Carta dos Trabalhadores Mineiros”, em defesa da criação do novo secretariado do partido em Minas, terceiro estado a instituir o núcleo sindical. No primeiro semestre deste ano, foram criados núcleos em São Paulo e Tocantins.

Sérgio Guerra afirmou que o PSDB quer ampliar para todo o país a participação dos trabalhadores nas decisões do partido. Segundo Guerra, que cumpre mais um mandato como presidente da Executiva Nacional para o biênio 2011/2013, o objetivo é renovar e modernizar o partido. Para ele, o PSDB precisa falar pelo povo brasileiro que não consegue ter voz.

“O nosso objetivo é que os trabalhadores participem das decisões do partido, que deve representar também suas aspirações e objetivos. Que o partido seja amplo, como amplo é o Brasil. Os trabalhadores não querem ser tutelados. O movimento sindical brasileiro se esvaziou quando algumas das grandes centrais se transformaram em correias de transmissão do poder central. Estamos juntos, com toda a coragem e determinação, sem oportunismo nenhum. Esse partido tem que se encher de gente nova, de sindicalistas, de gente que tem independência e que fale pelo povo, que muitas vezes não consegue falar”, afirmou o deputado.

Leia mais: Blog do PSDB de Minas Gerais

http://psdbminas.wordpress.com/2011/08/20/psdb-de-minas-gerais-lanca-nucleo-sindical/#more-2637