• Agenda

    setembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Gestão da Educação: alunos da rede estadual representam Minas em feira internacional

Estudantes da Escola Estadual Manuel Antônio de Sousa, em Azurita, irão aos EUA em maio

Divulgação/SEE
Estudantes irão representar Minas Gerais em competição internacional nos Estados Unidos
Estudantes irão representar Minas Gerais em competição internacional nos Estados Unidos

Estudantes da rede estadual de ensino de Minas Gerais participarão, em maio, de um dos principais encontros internacionais de ciências do mundo. Tudo começou há pouco mais de cinco meses, quando Júlia Maria Resende Ferreira, Jaqueline Campos Costa e Cristopher Mateus Carvalho foram convidados pela professora de biologia, Fernanda Aires Guedes, a participarem de uma pesquisa que envolvia uma velha conhecida dos moradores da pequena Azurita, no distrito de Mateus Leme: o Pariri. O objetivo do trabalho era comprovar o potencial medicinal da planta. O que começou como uma pesquisa para ser apresentada na feira de ciências da escola, hoje tomou proporções inimagináveis.

Os estudantes do primeiro ano do ensino médio, da Escola Estadual Manuel Antônio de Sousa participarão no mês de maio, nos Estados Unidos, da International Science and Engineering Fair (Intel ISEF), a maior feira para estudantes que ainda não chegaram ao nível universitário.

“Em 2011, orientei um trabalho dos alunos do 3º ano do ensino médio da Educação de Jovens e Adultos (EJA), no qual eles analisaram a parte hematológica do Pariri, ou seja, a eficácia curativa. Esses estudantes se formaram e então resolvi dar continuidade ao trabalho com os três melhores alunos da escola. Fiz o convite e eles aceitaram”, conta a Fernanda Aires Guedes.

Na continuidade do trabalho, os estudantes analisaram o potencial anti-inflamatório e antimicrobiano da planta. A primeira parte foi a pesquisa de campo. Os alunos entrevistaram moradores da cidade que faziam uso do Pariri e perguntaram, por exemplo, como elas consomem a planta e a quantidade ingerida.

A segunda parte foi a análise das propriedades químicas da planta. O grupo analisou quais os princípios ativos que o Pariri tem e que faz com que ele haja em determinadas doenças. Essa etapa da pesquisa foi realizada em um laboratório de Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e contou com a coorientação do doutorando em Química, Fernando César Silva. “A maior parte da pesquisa foi realizada no laboratório da escola, mas para essa etapa precisamos de equipamentos mais sofisticados dos quais a escola não dispunha”, ressalta a professora de Biologia.

Após a análise e já de volta ao laboratório da escola, os estudantes estudaram o potencial de inibição do crescimento de bactérias utilizando estratos da planta. “Nós trouxemos os estratos do Pariri para escola e testamos em quatro bactérias (Salmonella, Lactobacillus, Ecoli e Shigella). Nessa fase, verificávamos quais estratos eram capazes de inibir a proliferação de bactérias”, afirma Júlia.

A última etapa do trabalho foi a produção de três produtos fitoterápicos. “Fizemos pomada, sabonete e hidratante. São produtos que são utilizados na cicatrização e lavagem de feridas”, conta Jaqueline. O controle de qualidade dos produtos também ficou por conta dos ‘jovens pesquisadores’. “Em todos os produtos fizemos testes para observar o PH, temperatura, concentração e textura ideais”, conclui a estudante.

Depois de todo trabalho, os estudantes já se sentem verdadeiros pesquisadores. “Aprendemos muitas coisas que não sabíamos como o nome de vários equipamentos do laboratório. Além disso, nós conseguimos provar que o Pariri consegue inibir o crescimento de bactérias e isso é muito importante”, ressalta Júlia.

Durante os cinco meses de pesquisa todo o trabalho realizado foi registrado no ‘livro de bordo’ e os números são surpreendentes. Para o estudo foi utilizado mais de 1Kg da folha, o que daria para encher mais ou menos quatro sacolas grandes. Essa quantidade deu para fazer 12 sabonetes, quatro vidros de hidratantes e quatro pomadas.

Vaga na Intel Isef

A oportunidade de participar da competição internacional foi conquistada após a participação do grupo na Feira Brasileira de Ciência e Tecnologia (Febrace), feira promovida pela Universidade de São Paulo (USP). Durante o evento, além de conquistar a vaga na Intel Isef, com a pesquisa ‘comprovação do potencial medicinal da planta pariri (Arrabidae Chica) e suas aplicações químicas em produtos fitoterápicos’, os estudantes receberam outras três premiações: primeiro lugar como melhor stand, segundo lugar na categoria ciências biológicas e professora destaque da feira.

A professora destaque, Fernanda Aires Guedes, ressalta a importância de incentivar os jovens a realizar pesquisas. “Eu sempre gostei de incentivar os alunos a trabalharem com pesquisas. Não são apenas eles que aprendem comigo, eu também aprendo muito com eles e faço tudo com muito amor”.

A participação na feira trará para os estudantes a chance de conquistar diferentes prêmios, entre eles uma bolsa na universidade de Havard, nos Estados Unidos. Mais de 60 trabalhos serão apresentados na Intel Isef e para competir em pé de igualdade com os outros projetos, os estudantes estão contando com uma maratona de preparação. “Estamos fazendo aulas de inglês, por causa da apresentação. A participação na feira é algo novo e diferente. Vai ser muito bom para o meu currículo, já que pretendo seguir carreira na área”, confessa Cristopher Mateus Carvalho.

Pariri

O Pariri é velho conhecido dos moradores de Mateus Leme. Segundo os estudantes, a planta começou a ficar famosa em 1995, quando um dentista da cidade estava fazendo um tratamento contra o câncer e ao começar a tomar o chá feito com a planta começou a perceber um aumento das hemácias. Ao ser curado, ele prometeu que iria divulgar os benefícios do Pariri. Então sempre que um morador pede ele distribui folhas já secas da planta e quando a pessoa começa a fazer uso frequente ele distribui as mudas do Pariri.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alunos-da-rede-estadual-representam-minas-em-feira-internacional/

Anúncios