• Agenda

    agosto 2020
    S T Q Q S S D
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Governo de Minas: Anastasia inaugura Centro de Assistência Social em Caldas

Na abertura das comemorações do bicentenário do município, governador recebe título de cidadão honorário

Omar Freire/Imprensa MG
Antonio Anastasia em visita ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Maria Ophélia Pacheco Paschoal
Antonio Anastasia em visita ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Maria Ophélia Pacheco Paschoal

O governador Antonio Anastasia inaugurou, neste domingo (25), em Caldas, no Sul de Minas, o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Maria Ophélia Pacheco Paschoal. Com investimento de R$ 50 mil, o centro tem capacidade de atendimento de 500 famílias por ano. Recebido pelo prefeito de Caldas, Hugo Camacho, Anastasia participou da abertura das comemorações do bicentenário da cidade, que completará 200 anos em 2013. No próximo dia 27, Caldas completa 199 anos de fundação.

Acompanhado dos secretários de Estado Agostinho Patrus (Turismo), Bilac Pinto (Desenvolvimento Regional e Política Urbana) e Maria Coeli Simões Pires (Casa Civil), Anastasia visitou as instalações do Cras. Depois seguiu para a praça Doutor Paiva de Oliveira, no centro da cidade, onde recebeu o título de cidadão honorário de Caldas. A homenagem foi proposta pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Francisco Chavier Faria Júnior (DEM), e pela secretária da Câmara, vereadora Maria Inêz de Carvalho (PR).

Anastasia assistiu às apresentações culturais da Banda de Música de Caldas, do grupo de Capoeira “Filhos do Bonfim” e da tribo indígena Xucuru Kariri, além de receber uma cesta de doces típicos da região.

“Caldas é uma cidade que está no imaginário de todos os mineiros. Fiquei muito honrado de voltar aqui como governador, receber essa homenagem e relembrar os meus antepassados que vinham aqui aproveitar das belezas dessa região”, disse.

Balneário

O governador aproveitou a oportunidade para anunciar a reforma da Instância Hidromineral de Pocinhos de Rio Verde, distrito de Caldas, cujo projeto encontra-se concluído. O balneário é um dos mais importantes pontos turísticos da região.

“Vamos reformar aqui a Instância Hidromineral de Pocinhos do Rio Verde, que é um patrimônio não só da cidade, mas também de toda Minas Gerais. Vou determinar à Codemig (o início das obras) de tal modo que, no ano que vem, quando aqui estiver para o coroamento dos festejos dos 200 anos, visite as obras”, afirmou o governador do Estado.

Cras

O Cras é uma unidade pública estatal que funciona como porta de entrada dos usuários na rede de proteção social básica. Desenvolve serviços de informação, orientação, apoio e inclusão social às famílias e indivíduos em situação de vulnerabilidade social residentes na sua área de abrangência.

Os serviços ofertados no Cras são de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF0; e o de convivência e fortalecimento de vínculos para crianças de até 6 anos, crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, adolescentes e jovens de 15 a17 anos, e idosos. O prédio onde funcionará o Cras do município de Caldas recebeu o nome de Maria Ophélia Pacheco Paschoal, uma benemérita de Caldas na área da assistência social.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-inaugura-centro-de-assistencia-social-em-caldas/

Governo de Minas: Iepha conclui restauração de quadro misterioso

Obra foi encontrada há alguns anos em um depósito do Palace Hotel, em Poços de Caldas

Divulgação/Iepha
Presidente do Iepha/MG, Fernando Cabral (esq), entrega tela restaurada ao presidente da Codemig, Oswaldo Borges da Costa Filho
Presidente do Iepha/MG, Fernando Cabral (esq), entrega tela restaurada ao presidente da Codemig, Oswaldo Borges da Costa Filho

Na semana em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher, a conclusão do restauro de um quadro que retrata toda a delicadeza feminina foi destaque no Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), órgão vinculado ao Sistema Estadual de Cultura.

A história da pintura de boa qualidade, medindo 91 x 66 cm, é um emaranhado de interrogações. Sem datação, assinatura, autoria atribuída ou relatos a seu respeito, muito pouco se sabe sobre a obra, que foi encontrada há alguns anos em um depósito do Palace Hotel, em Poços de Caldas, e parece ser do princípio do século 20. Nela, estão retratadas nove jovens figuras femininas (aparentemente espanholas), cercadas ao fundo por vultos masculinos.

Restaurado, o quadro foi devolvido esta semana à Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), proprietária do hotel, que se encontra arrendado a terceiros. O órgão ainda não definiu a destinação da tela.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: Alberto Pinto Coelho sanciona leis que homenageiam Itamar Franco

Aeroporto Regional e Centro de Convenções da Zona da Mata passam a partir de agora a levar o nome do ex-presidente da República, falecido ano passado

Wellington Pedro/Imprensa MG
Aeroporto Regional da Zona da Mata passa a levar o nome do ex-presidente Itamar Franco
Aeroporto Regional da Zona da Mata passa a levar o nome do ex-presidente Itamar Franco

O governador em exercício Alberto Pinto Coelho promulgou duas leis que homenageiam o ex-presidente da República e ex-governador do Estado Itamar Franco. As leis foram publicadas na edição desta sexta-feira (9) do Minas Gerais, Diário Oficial dos Poderes do Estado.

A Lei 20.033 dá ao Aeroporto Regional da Zona da Mata, em Goianá, a denominação de Aeroporto Presidente Itamar Franco. O centro de convenções da Zona da Mata, a partir de agora, também ganha o nome do ex-presidente. Pela Lei 20.034, o Expominas de Juiz de Fora passa a se chamar Centro Regional de Convenções e Exposições Presidente Itamar Franco. Ambas as leis foram de autoria do deputado estadual Bruno Siqueira e aprovadas pela Assembleia Legislativa.

“As homenagens fazem justiça ao grande homem público Itamar Franco, que fez tanto pela região da Zona da Mata, pelo nosso Estado e por todo o país. É uma homenagem singela, aquém da sua grandeza, mas que, de alguma forma, registra o legado que ele deixou para todos os mineiros e brasileiros, a quem ele sempre procurou honrar com sua maneira de defender o interesse público”, afirmou Alberto Pinto Coelho.

O aeroporto

O Aeroporto Presidente Itamar Franco foi idealizado pelo ex-presidente, quando governava Minas Gerais e foi oficialmente inaugurado pelo governador Antonio Anastasia em novembro de 2011.

Localizado na divisa entre os municípios de Goianá e Rio Novo, a 30 quilômetros de Juiz de Fora, o aeroporto faz parte das ações do Governo de Minas para a adequação, ampliação e melhoria da malha aeroportuária do Estado. Com a segunda maior pista para pouso implantada no Estado, com 2.530 metros de extensão, o terminal é visto como importante âncora para alavancar ainda mais o desenvolvimento da Zona da Mata.

Foram investidos para implantação e construção do terminal aeroportuário, que já está em operação com vôos regulares, R$ 92,7 milhões. Por meio do Programa Aeroportuário de Minas Gerais (Proaero), foram investidos, nos últimos anos, cerca de R$ 290 milhões na construção e reforma de 23 aeroportos no Estado.

Centro de Convenções

O Centro Regional de Convenções e Exposições Presidente Itamar Franco foi inaugurado em junho de 2006, pelo então governador Aécio Neves. O Estado investiu R$ 47,6 milhões na obra, sendo R$ 40 milhões destinados, a partir de 2003, pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig).

Trata-se de um espaço multiuso erguido em um terreno de mais de 125 mil metros quadrados e dotado de completa infraestrutura para receber feiras, convenções, congressos e exposições. A estrutura permite realizar eventos para até 13 mil pessoas simultaneamente, possibilitando ainda a realização de seis eventos distintos.

A construção do centro buscou posicionar Juiz de Fora e a sua área de influência como um dos mais importantes polos de turismo de negócios de Minas Gerais a fim de garantir mais emprego e renda para os mineiros.

Presidente Itamar Franco

Itamar Franco foi presidente da República em um dos momentos mais turbulentos da política e da economia do Brasil. Foi em sua gestão que foi implantado o Plano Real, que deu estabilidade à economia nacional.

Bacharel em engenharia civil eletrotécnica pela Escola de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em 1955, foi prefeito de Juiz de Fora, na Zona da Mata, entre 1967 e 1974, ano em que se elegeu senador pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Foi reeleito em 1982. Em 1990, foi eleito vice-presidente da República. Com a cassação de Fernando Collor de Mello, assumiu, em dezembro de 1992, a Presidência da República. Em 1998, foi eleito governador de Minas. Em 2011, voltou ao Senado. Faleceu em julho de 2011, depois de diagnosticado com leucemia.

Fonte: Agência Minas

Cemig fecha contrato com a Vallourec & Sumitomo Tubos

Membros do Governo de Minas e da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil

Membros do Governo de Minas e da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) assinou, nesta sexta-feira (28), contrato de fornecimento de energia elétrica para a nova unidade industrial da Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil (VSB), localizada em Amorim, no município de Jeceaba, no região do Campo das Vertentes. Pelo acordo firmado, será fornecido o montante de 50 MW médios até o ano de 2019.

A assinatura desse contrato, um dos grandes acordos já realizados no ambiente de contratação livre no Brasil, é a confirmação da confiança mútua e da parceria entre as empresas, disse o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Sérgio Barroso.

Estiveram presentes o presidente do Conselho de Administração da VSB, Flávio Azevedo, o diretor geral da VSB, Otávio Sanabio, o secretário Sérgio Barroso, o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, o diretor comercial da Cemig, Bernardo Afonso Salomão de Alvarenga, o presidente do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), Adriano Magalhaes, e ainda, o conselheiro da V&M, Aloísio Marcos Vasconcelos Novais, entre outros representantes das empresas.

VSB
Joint venture é formada pelo grupo francês Vallourec e pelo japonês Sumitomo Metals. As duas empresas lançaram, no dia 7 de julho de 2007, a pedra fundamental da usina de tubos de aço sem costura, destinado ao setor petrolífero, mediante investimento conjunto de US$ 1,6 bilhão.

O complexo siderúrgico da VSB está sendo instalado no Distrito Industrial de Jeceaba, implantado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), que integra o Sistema Operacional de Desenvolvimento Econômico, lembrou o secretário Sérgio Barroso.

Utilizando o que há de mais avançado em tecnologia siderúrgica, o empreendimento terá uma aciaria com capacidade de produção de um milhão de toneladas de aço bruto/ano e uma laminação que irá produzir 600 mil toneladas de tubos de aço sem costura/ano. Os tubos terão alto valor agregado e serão exportados, atendendo à demanda do setor petrolífero mundial.

O início da operação está previsto para este ano. Quando em funcionamento, o complexo irá gerar aproximadamente 1,5 mil empregos diretos. O secretário lembrou, ainda, que o complexo da VSB vai contribuir, decisivamente, para alterar e para melhorar o perfil socioeconômico da região do Campo das Vertentes, onde outros importantes projetos nos segmentos de mineração e siderurgia acham-se em execução neste momento.

Governo de Minas vai perfurar primeiro poço de gás natural do estado – de acordo com a Codemig perfuração começa em setembro

Após concluir o mapeamento geológico e os estudos de geoquímica de superfície e de sísmica de reflexão, o próximo passo do consórcio que detém os direitos de exploração no Bloco 132 da Bacia do Rio São Francisco é a perfuração de um poço com potencial para a extração de gás natural, que será iniciada a partir de setembro deste ano. O local escolhido para a perfuração, pioneira em Minas Gerais, localiza-se nas proximidades do rio Indaiá, no município de Morada Nova de Minas, na região Central do Estado. O investimento total estimado para o primeiro poço é de R$ 17 milhões, incluindo os R$ 7 milhões já utilizados para os estudos.

A informação foi dada nessa quinta-feira (30), durante a apresentação “Exploração de Hidrocarbonetos na Bacia do São Francisco” pelo geólogo da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Renato Fonseca, em reunião realizada na federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) com empresários do setor e dirigentes de várias entidades.

Dependendo da capacidade da reserva encontrada, a perspectiva é de que o gás possa ser comercializado dentro de cinco anos. As análises do material coletado nas exsudações (saída do gás pela superfície da água) do Rio Indaiá indicaram que esse é composto em sua maior parte por hidrocarbonetos (65%), o gás metano aparece com a proporção de 99%.

Segundo Renato Fonseca, o mercado potencial do produto é grande, principalmente no setor industrial. A expectativa é de que o empreendimento proporcione crescimento e desenvolvimento à região. Dados da Petrobras indicam que o Brasil consome diariamente 58 milhões de metros cúbicos de gás natural, sendo 60,8% destinados à indústria, 16,9% à produção de energia elétrica e 13,8% à indústria automotiva e o restante para outras fontes de consumo.

Concessões

A Codemig, junto à Orteng, Delp e Comp, arrematou o Bloco 132, com área aproximada de 3.000km² no leilão promovido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O contrato de concessão foi assinado em janeiro de 2006 e o primeiro período exploratório se encerra em janeiro de 2010.

Ao lado da Cemig, a Codemig também participou da Rodada 10 em dezembro de 2008, com ofertas vencedoras para os Blocos 104, 114, 120 e 127. Os contratos de concessão, com início em julho deste ano, têm encerramento no primeiro período exploratório em julho de 2013 para os blocos da Rodada 10.

Os blocos 120 e 127 ficam a norte/nordeste da Represa de Três Marias. O Bloco 114 tem em seu centro geográfico a sede do município de Pirapora, enquanto o Bloco 104 tem em seu centro geográfico a sede do município de Ibiaí.

Ações do Governo Aécio Neves mantém pólos de mineração e metalúrgico na liderança internacional

A competitividade da mineração tornou Minas Gerais menos vulnerável às crises no mercado internacional, apesar da queda acentuada na demanda mundial por commodities minerais. Mesmo com a crise financeira global, o Estado mantém posição de liderança no cenário internacional. O parque industrial mineral e metalúrgico de Minas Gerais se consolidou nos patamares mais elevados de escala de produção atingidos nos últimos anos e a competitividade do segmento mineral, medida pelos indicadores de desempenho operacional, gerencial, tecnológico e socioambiental, comprova esta realidade.

A competitividade do setor mineral brasileiro, de um modo geral, é indicada pelo nível de investimento previsto – e garantido – para o país no período 2009/2013, segundo dados coletados pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), órgão que congrega a iniciativa privada e que prevê aporte de US$ 47 bilhões. Nesse cenário, Minas Gerais responde por investimento de US$ 17 bilhões para o período 2008/2012, também de acordo com levantamento do Instituto.

A maturidade da indústria mineral em Minas atrai o interesse de empreendedores internacionais e nativos para uma nova geração de investimentos em nichos de mercado, sustentabilidade e no adensamento de negócios da cadeia produtiva mineral e metalúrgica. Ao entender a crise como um efeito cíclico de curta duração, o setor busca tirar vantagem das novas dimensões atingidas dinamizando o crescimento, fomentando melhor distribuição social das riquezas geradas e construindo uma cadeia produtiva mais densa. O desafio a ser vencido para uma exploração mais ambiciosa da infraestrutura e do patrimônio mineral e metalúrgico é o domínio tecnológico e mercadológico da nova geração de estratégias e negócios. A resposta a este desafio está sendo construída pelo Governo Aécio Neves, desde 2007, por meio de seu Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação que prioriza a mineração e metalurgia.

A criação do Pólo de Excelência Mineral e Metalúrgico é a estratégia para o crescimento ancorado na mineração e metalurgia com padrões de inteligência de classe mundial. De acordo com o gerente executivo do Pólo de Excelência Mineral e Metalúrgico, Renato Ciminelli, o Programa foi concebido e está sendo implementado tendo como âncora uma ampla rede de cooperação internacional científica e empresarial. A cooperação entre as instituições de pesquisa mineiras e a University of Queensland da Austrália é um exemplo e consagra o modelo a ser seguido mundialmente. “A estruturação e o funcionamento ambicioso do Consórcio Mínero-Metalúrgico de Formação e Qualificação Profissional associado ao Pólo consagra a eficiência desta frente empresarial que fortalece o setor por meio da formação massificada de especialistas, técnicos e pessoal operacional”, afirma. Na fase mais madura do mercado, a especulação dá lugar ao planejamento estratégico de ações para a consolidação do setor. Ciminelli acrescenta, ainda, que “a elaboração de projetos de sustentabilidade em regiões minerarias, metalúrgicas e sua implementação garantirá a perenidade do crescimento”.

A rede de inteligência mineral e metalúrgica com o apoio do Governo Estadual lança Minas como uma marca mundial de inteligência. Na opinião de Ciminelli, o lançamento do Pólo é resultado da organização de um ambiente de aplicação do conhecimento que pode reverter, com criatividade e inovação, os impactos da crise econômica mundial que tem penalizado as commodities minerais e metalúrgicas. “A capacidade empreendedora mineira é potencializada pelas ferramentas do Pólo e as oportunidades para capacitação de profissionais em níveis nunca experimentados, a expansão da cadeia produtiva e a exploração de novos nichos e segmentos”, destaca

Mineração em Minas continua crescendo

As previsões já apontam para 2012 déficits no atendimento da demanda de minério de ferro pelo Brasil. Os números do Consórcio Mínero-Metalúrgico para Formação e Qualificação Profissional em Minas Gerais necessitam de ações de apoio e confirmam que o setor continua em expansão com a contratação de 29 mil profissionais de nível básico, médio e superior, no período 2008-2012. “O crescimento da demanda e o potencial para aumento da cota no mercado nacional e internacional tornam obrigatória a busca de novas jazidas”, diz o gerente executivo.

Estratégia para ampliar os ganhos

O Pólo de Excelência está lançando as bases de um projeto para mobilização em um Arranjo Produtivo Local (APL) com foco internacional nas empresas de engenharia, serviços, equipamentos e laboratórios. “Uma rede de classe mundial de grupos de pesquisa para apoio aos negócios está em fase final de organização e ancora negócios de vanguarda. Iniciativas como a criação do Instituto UFMG de Recursos Minerais, Água e Biodiversidade, do Programa Quadrilátero Ferrífero 2050, pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), darão visibilidade à nossa inteligência em sustentabilidade”, acrescenta. Segundo ele, é uma maneira de garantir a perenidade da mineração e metalurgia, gerando novos negócios ligados ao meio ambiente, à responsabilidade social e à sustentabilidade.

Investimentos em Ciência, Tecnologia e Inovação

Em 2009, os investimentos do Governo de Minas em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação devem ser da ordem de R$ 200 milhões. O Pólo de Excelência Mineral e Metalúrgico, utilizando parte destes recursos, vai acessar todo o Estado, por meio das Plataformas de Desenvolvimento Regional: Região Metropolitana de Belo Horizonte, Alto Paraopeba, Alto Paranaíba, Vale do Aço, Jequitinhonha e Mucuri. Escritórios de C,T & I serão instalados em cada uma destas plataformas. Serão inauguradas estruturas de pesquisas e serviços tecnológicas inexistentes nestas regiões, como o Laboratório de Geoprocessamento e Realidade Virtual da Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), em João Monlevade, e o Laboratório de Tratamento de Minérios de Araxá, vinculado ao Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) de Araxá. O Centro de Inteligência Competitiva Profissional e Industrial para a Mineração, Metalurgia e Materiais será o observatório das tendências mundiais que orientam estas ações de fomento. Também há um plano estratégico de atração de centros de pesquisa para indústrias e empresas de base tecnológica de geologia, mineração, metalurgia e materiais.

O minério está presente em praticamente todos os produtos usados no dia-a-dia como, por exemplo, adubos, computadores, artefatos agrícolas, automóveis, eletrodomésticos e utensílios em geral. A diversidade da indústria mineral de Minas lidera o país com 53,9% da arrecadação proveniente dessa atividade econômica, segundo dados da Contribuição Financeira sobre Exploração Mineral (Cfem). Em seguida estão os estados do Pará (24.6%), Goiás (5,8%) e São Paulo (2,7%).

O Estado responde, sozinho, por 35% do total da produção mineral brasileira. Além disso, é o maior produtor brasileiro de minério de ferro (das 350 milhões de toneladas produzidas no país em 2007, 70% foram retiradas do solo do Estado), de fosfato, ouro, tantalita, zinco e nióbio (onde se destaca como o maior produtor mundial desse minério). Para completar, o setor mineral corresponde a quase 5% (percentual médio anual) do PIB de Minas Gerais e responde por 35% do total das exportações estaduais. Mais de 300 minas estão em operação, hoje, em Minas Gerais, sendo que das 100 maiores do Brasil, 40 estão localizadas em Minas.

Segundo dados da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), quase 50% da produção nacional de ouro têm origem em Minas. O Estado é responsável por aproximadamente 53% da produção brasileira de minerais metálicos e 29% de minérios em geral. A atividade está presente em cerca de 250 municípios, que emprega cerca de 30 mil pessoas (empregos diretos), dos quais 2,5% de nível superior, exceto o pessoal ligado a garimpos, a lavra rudimentar e a terceirização nas lavras, segundo informações do Sindiextra.