• Agenda

    setembro 2020
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Projeto insere Design para melhoria da Estrada Real

O território conhecido hoje como Estrada Real é um dos maiores potenciais turísticos do Brasil, pois, além de conter uma história colonial arraigada em seu trajeto, o percurso tem atraído cada vez mais investimentos em diversos segmentos econômicos. Em busca de melhorar significativamente o trecho mineiro, oCentro Minas Design (CMD) e a Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) desenvolvem o projeto “Design e Integração Competitiva do Território”, com o objetivo de construir uma nova estratégia competitiva para a oferta de produtos e serviços das empresas da região.

O trabalho, que teve início em julho do ano passado e termina em julho de 2011, concentra-se na ligação “território – desenvolvimento sustentável – design” no âmbito do território de Minas Gerais, e fornecerá contribuição inovadora às diversas ações que já afetam hoje o interesse da Estrada Real. Para este empreendimento, foram selecionadas seis cidades e um distrito, que fazem parte do trajeto (Coronel Xavier Chaves, Entre Rios de Minas, Lagoa Dourada, Prados e seu distrito Bichinho, Resende Costa e São Brás do Suaçuí).

O projeto conta com uma equipe executora de 16 designers gráficos e de produtos, sendo nove estudantes e seis profissionais, os quais vão atuar com orientação sustentável para apoiar o marketing territorial em determinados locais de interesses especificados, bem como trabalhar sistemas locais através de materiais e tradições, fortalecer a marca Estrada Real, utilizando o design aplicado ao território.

A ação é também um resultado de uma extensa parceria entre o Brasil e a Itália e baseia-se em acordos internacionais assinados entre o Estado de Minas Gerais e a região de Piemonte (Itália), prevendo sobre linhas gerais de desenvolvimento entre os países, especificamente formação profissional e cooperação cultural, além da dupla titularidade do diploma para alunos do design entre as duas universidades.

Toda atividade passou por uma minuciosa pesquisa e procurou selecionar, inicialmente, estas cidades para depois replicar em outros pontos do caminho. A ação foi dividida em diversas fases para o mapeamento das possibilidades de desenvolvimento que o design pode trazer ao território. Dentre elas, tratou-se de buscar uma leitura de cada localidade, desenvolvendo uma documentação descritiva da realidade da região, documentando experiências e envolvendo cidadãos locais. Para isso, os profissionais e estudantes visitaram as cidades selecionadas como meio de capturar e compreender os valores e cenários que constroem a Estrada Real, além de entrevistarem comerciantes, autoridades entre outros que vivem no local. Logo após a pesquisa, foi montado um documento com as proposições de melhorias que será apresentado para os integrantes do Politécnico de Torino (Polito) para afinar com o trabalho realizado pelos italianos. Por fim, depois de acertado entre todos os participantes e os cidadãos das cidades, haverá um trabalho para reformular o trajeto.

De acordo com o reitor da Uemg e um dos coordenadores do projeto, Dijon de Moraes, o conceito de design aplicado ao território surge como um novo desafio para expandir o mercado, e, neste sentido, com a globalização, apareceu um segmento muito importante que é a valorização territorial, da identidade local dos produtos. “Atualmente, o que exige muito do mercado global é um produto com forte identidade na sua origem. Diante disso, começou a aparecer, dentro de novos mercados, produtos que tinham forte relevância local. Então vimos que em Minas Gerais temos um território, a Estrada Real, onde pode ser um potencial de consumo e turismo. Desenvolver produtos para a região valoriza a produção local, a gastronomia, a cultura imaterial e a produção artística. Tínhamos que explorar isso em Minas Gerais”, disse.

Todo o projeto teve como metodologia o Metaprojeto que, conforme afirmou Dijon, tem uma maneira diferente de aplicar e trabalhar o projeto. “O Metaprojeto aborda de forma mais abrangente um conceito, evita ‘pré-defini-lo’, possibilitando várias respostas”, garantiu.

Os resultados pretendidos são desenvolvimentos de protótipos, modelos, protótipos virtuais, sinalização interna e externa, serviços e marcas para empresas de cada cidade voltada para a melhora da competitividade.

A escolha da Estrada Real como espaço de estudo faz-se oportuna, além do mais, tendo em vista que no ano de 2012 Minas Gerais vai sediar a Bienal Nacional de Design, e, no ano de 2014, a Copa do Mundo, que vai acontecer no Brasil, despertando, em um todo, para esse percurso, o qual carrega uma grande herança cultural, e a região deve estar preparada para responder a esses anseios, o que deve ser feito nesse projeto, desenvolvido anteriormente aos eventos mencionados.

O projeto contou com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

 

Design e Serviços é tema do 2º Ciclo de Capacitação para Designers

Com o objetivo de inovar, informar e apresentar novos conceitos para os profissionais e empresários de design, o Centro Minas Design (CMD) traz, pela primeira vez para Belo Horizonte, o único curso certificado de Design e Serviços. Ele será promovido nesta quarta-feira (17), às 9h, dentro do 2º Ciclo de Capacitação para Designers, no CMD.

O penúltimo workshop vai ser ministrado por um profissional da empresa livework, que é uma agência de inovação. Essa nova vertente do design busca, através de insights, ideias, protótipos e realização, projetar serviços que funcionem de forma integrada por toda a jornada do consumidor.

De acordo com a diretora do CMD, Enil Brescia, o Design e Serviços já é uma prática comum utilizada por grandes empresas fora do país. “Trazer para Minas Gerais esta nova abordagem irá ajudar as empresas mineiras e os profissionais de design a alinhar as suas práticas e produtos com a expertise de fora, para a melhoria de competitividade no mercado”, afirmou.

O design e serviços tem por fim a redução de custos, o aumento no retorno do investimento e novas oportunidades. O curso já está com as inscrições esgotadas.

O próximo encontro do Ciclo será no dia 1º de dezembro, com o tema Equipes Criativas. O Centro Minas Design fica na Avenida José Cândido da Silveira, 2000, Horto, Belo Horizonte.

 

Costurando Sonhos da Escola de Design da UEMG vai capacitar artesãs costureiras

Formar profissionais na área da moda, bem como atualizar e propiciar o conhecimento de todos os aspectos que abrangem o empreendimento, por meio do design, abrange o projeto Costurando Sonhos da Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), em parceria com o Centro Minas Design (CMD) e ONG AFFAS, que vai capacitar 12 artesãs costureiras, durante oito meses, no bairro General Carneiro, em Sabará.

As atividades a serem realizadas incluem abordagens da moda como linguagem, conceitos, comunicação, definição de linhas e estilos, criação e design de roupas, acessórios e, por fim, um desfile com a coleção desenvolvida. O projeto vai oferecer uma troca de saberes, já que vai contar com acadêmicos e estudantes de design, que vão trabalhar com o uma visão do popular junto com as artesãs.

Para a designer do CMD, Mônica Bicalho, o mais importante desta ação é oportunizar a profissionalização dessas costureiras no setor de moda. “O conhecimento da atuação do design, a melhoria do processo de confecção, devido a uma metodologia bem aplicada vai prepará-las para o mercado, gerando produtos inovadores que vão gerar melhor renda e qualidade de vida”, disse.

Para a coordenadora do projeto da UEMG, Heloísa Santos, o interessante para essas artesãs é que elas construam uma cooperativa, que já se iniciou, e consigam manter no mercado. “O design é uma das ferramentas de todo o processo, que vai possibilitar abrir os horizontes com questões de forma, cor, estrutura, entre outros. A metodologia vai ajudá-las a ter uma noção de como melhorar seu produto”, afirmou.

O projeto será dividido em diversas etapas como diagnóstico do grupo, oficinas e palestras abordando temas referentes ao universo da moda, processos criativos, valorização cultural, monitoria e orientação no desenvolvimento de coleção, acompanhamento da confecção de peças para apresentação em desfile de lançamento. A coleção a ser desenvolvida consiste de roupas infantis, do vestuário feminino e peças de cama e mesa. No projeto anterior produziu-se 34 looks que foram mostrados em um grande desfile.

A Escola de Design da UEMG, por meio do Núcleo de Design e Responsabilidade Social, tem buscado desenvolver ações, programas e projetos capazes de modificar a realidade social de comunidades carentes.

Governo Aécio faz parceria com Centro Minas Design e Sebrae para melhorar a qualidade dos produtos de base tecnológica

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), em parceria com o Centro Minas Design (CMD) e o Sebrae-MG, realizou, no final do ano passado, o Projeto Piloto de Integração de Empresas Incubadas da área de Design e de Empresas Incubadas de Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí. O trabalho que reuniu cinco Incubadoras de Empresas de Design (IED), da Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), beneficiou oito empresas do Sul de Minas, no qual foram desenvolvidos 10 produtos.

A ação para modernizar as incubadoras de eletroeletrônico, que fazem parte da INATEL e PROINTEC, visou melhorar a qualidade dos produtos de base tecnológica, utilizando o design como vetor de inovação. Outro ponto importante do projeto foi dar notoriedade às atuações do CMD, em especial a Rede de Eletroeletrônico.

Inicialmente, os proprietários dos empreendimentos de base tecnológica elaboraram um briefing, informando as demandas de design, o que possibilitou aos designers vislumbrarem as áreas e produtos a ser desenvolvidos. Logo após, as empresas de design mostraram propostas comerciais de produtos, conforme as necessidades dos empresários. Depois de aceitas, os produtos foram produzidos.

De acordo com o designer Milton Azevedo, um dos sócios da empresa incubada de design GrãoStudio, que já tem experiência no setor, as empresas de eletroeletrônico atendidas já tinham uma maturidade com relação ao design, apesar de nunca ter tido um profissional para trabalhar com eles. Houve uma apresentação do papel do design, facilitando ao cliente onde ele poderia cobrar dos designers. “Trabalhamos bastante a parte inicial, facilitando na geração do produto, que foi aceito na primeira apresentação”, disse. E concluiu, “É muito boa a união das incubadas e a ação deve ser divulgada, pois fortalece o mercado de Santa Rita do Sapucaí e o trabalho do design”.

Para o diretor industrial da empresa de base tecnológica Tecrold, Romeu Rodrigues, a iniciativa de reunir as incubadas foi essencial. O trabalho do design possibilitou colocar os projetos que estavam parados por falta da ferramenta em comercialização. “Os designers conseguiram colocar a cara do produto igual da nossa empresa, transformando nosso produto em algo de qualidade como das grandes corporações. É um projeto que deve continuar”, garantiu.

Com a mesma satisfação, o diretor geral da empresa de eletroeletrônico Biotron, Paulo Mendes, disse que a iniciativa é plausível, pois se pensa muito na parte de produção do produto, esquecendo da parte da funcionalidade e da estética em si. Com o trabalho do design houve um ganho na parte de processo de desenvolvimento. “O produto proposto foi condizente com a nossa empresa e já estamos comercializando. Na primeira apresentação que fizemos numa feira vendemos todas as unidades. Se depender de mim, a empresa participará do próximo projeto”, afirmou.

Todos os produtos já foram entregues em novembro de 2009, sendo que alguns produtos já estão no mercado. O fechamento do projeto ocorre nesta semana.

Governo Aécio Neves estimula a inovação por meio do design

Minas Gerais começa a se configurar como um dos fortes estados onde a inovação é pensada por meio do design. Isso pode ser notado nas ações do Centro Minas Design (CMD) que, em conjunto com Governo Aécio Neves, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), vai apresentar uma nova atração na 4ª edição da Embala Minas 2010, a Minas Pack Design, entre os dias 6 e 9 de abril, no Expominas, em Belo Horizonte.

O novo espaço, no maior evento de embalagens do Estado e um dos maiores do país, na Feira Internacional de Embalagens e Processos, busca valorizar o design como a ferramenta tecnológica. A Embala Minas vai funcionar como um centro de inteligência em embalagens, no qual profissionais da área vão desenvolver soluções para os inúmeros segmentos do setor, sejam eles alimentícios, cosméticos e médico hospitalar.

Além disso, a Minas Pack Design vai reunir designers, clientes e o meio acadêmico para discutir saídas e estratégias para os embargos do design de embalagem, tendo em vista o aumento do consumo, principalmente da demanda por invólucros ecologicamente corretos e a melhoria das embalagens das pequenas empresas, que utilizam como recurso formas genéricas, sem atrativos e de pouco valor agregado. Os visitantes ainda poderão participar de palestras e oficinas da área com discussões afins.

A participação do CMD é uma forma de dar conhecimento ao público em geral do projeto Laboratórios Integrados de Design em Tecnologia de Embalagem, que vão integrar e atender as necessidades do Estado, no que se refere à introdução da inovação no setor produtivo e à capacitação de massa crítica para o segmento, que é de grande importância econômica para Minas Gerais.

Os laboratórios serão instalados no Parque Tecnológico BH-TEC, o qual visa aproximar a pesquisa científica da indústria mineira e a criação de um ambiente tecnologicamente ajustado para a procura de resoluções inventivas, para agregação de tecnologia de ponta em testes e certificação de conformidade.

Segundo a diretora do CMD, Enil Brescia, quando o quesito é embalagem, o design deve estar sempre presente. Uma embalagem com um design bem planejado consegue apresentar as qualidades do produto de forma mais ágil e atrativa ao consumidor. “O intuito do Centro em participar deste evento é apresentar a proposta inovadora do Governo Aécio Neves que são os laboratórios, onde serão desenvolvidas pesquisas de materiais e processos, além de novas tecnologias. Será um local para atrair novos empreendimentos ao Estado, com profissionais capacitados, com a elaboração de embalagens que atendam as demandas tecnológicas e ecológicas do mercado globalizado”, declarou.

A Embala Minas conta com 400 expositores de diferentes estados brasileiros, que vão apresentar as novidades do setor, explorando o potencial para as áreas de embalagens e processos. Outras seções que estarão presentes no evento são da indústria plástica, química, farmacêutica, bebidas, entre outros. O evento vai estar aberto para visitação de 6 a 9 de abril, das 16h às 22h. O Expominas fica na avenida Amazonas, 4000, bairro Gameleira, na capital.

Programa Metais de Minas: Governo Aécio Neves e Sebrae estimulam competividade com a inserção do design como agregador de valor aos produtos de ferro

Aumentar o potencial para novos negócios e gerar maiores receitas para o setor produtivo e o Estado, com o uso do design. Foi com esse enfoque que o Programa Metais de Minas, promovido pelo Centro Minas Design (CMD) e o Sebrae-MG, concluiu nessa quarta-feira (16), na cidade de Cláudio, na região Centro-Oeste de Minas, a primeira fase de um trabalho para 15 micro e pequenas empresas, com a entrega de certificados.

O programa propõe aumentar a competitividade do produto mineiro com a inserção do design como agregador de valor aos produtos de ferro. Embora, a cidade de Cláudio integre um dos maiores polos do ramo na região,  muitos empreendedores não tinham conhecimento da ferramenta design e desenvolviam produtos na base de cópia e de matéria-prima de baixa qualidade na sua produção e venda.

Diante disso, o CMD e o Sebrae-MG iniciaram uma ampla ação para que as empresas pudessem entrar no mercado de forma mais ativa e substanciosa. O programa teve início em maio, com pesquisas de mercado e minicursos sobre a Gestão do Desenvolvimento de Produtos (GDP), além da execução de projetos de produtos que abrissem novas possibilidades de negócios e mais adequados à realidade produtiva de cada empresa.

Anteriormente, nenhuma das empresas possuía um processo formal de desenvolvimento de produtos. Após a capacitação e consultoria, 80% das empresas afirmaram ter incorporado as orientações nesse sentido.

O atendimento às 15 empresas envolveu 29 profissionais de design, com 15 linhas de projetos e 69 produtos desenvolvidos. Além disso, os empresários receberam consultoria na área de design gráfico que vai revitalizar as marcas e montar um catálogo para cada empresa. E mais: um atendimento de design de ambiente vai elaborar um projeto de adequação de show-room e ambientes de recepção das empresas.

Segundo a coordenadora do projeto do CMD, Nádia Pontelo, o design é uma das ferramentas efetivas para a melhoria no que se refere à gestão, análise e processo de desenvolvimento. “O trabalho com o design se mostrou eficaz para as empresas, já que a grande capacidade de inovação e criatividade, bem como de melhorar o processo produtivo dentro das condições de cada empresário, possibilitou, também, a mudança de pensamento e preparo com relação ao mercado”, afirmou.

De acordo com o empresário participante João Carlos da Silva, seu empreendimento, com sérios problemas de inserção no mercado, estava sendo fechado. Entretanto, com a abertura do programa e a chance de adquirir novos conhecimentos, ele resolveu não desistir. “Antes, eu não via o futuro da minha empresa. Agora, depois dos cursos, dos produtos desenvolvidos, estamos mais animados. O trabalho me ajudou a pensar produtos que o mercado aceite”, disse.

Já para o estagiário de design de produto, Lucas Neves, que trabalhou com ferro e fundição pela primeira vez, cada setor é uma realidade e um novo conhecimento de mercado. “O design trabalha com valor agregado maior aos produtos. O que foi desenvolvido modificou a visão que os empresários tinham antes. Foi uma ação válida, mas que deve ter continuidade”, garantiu.

Os produtos de design que estão em fase de prototipagem são panelas, aparelhos para fondue, petisqueira, bandejas, sofás, mesas, cadeiras, entre outros. Os produtos, caso o empresário tenha interesse, poderão ser protegidos por patentes, por meio do CMD, que estabelece facilitar o processo de propriedade intelectual.

Segundo previsão, a segunda fase deve ser concluída no final de dezembro.

Unilar mostra Projeto In Design coordenado pelo Governo Aécio Neves

Design como ferramenta que pode levar a novos caminhos e estar presente de uma ponta a outra no processo de desenvolvimento de produtos inovadores. Esse conceito pode ser visto no estande do “Projeto In Design – processo de criação e tecnologia”, com o propósito de mostrar os estágios de desenvolvimento de um produto e criar a consciência do design, na 26ª edição da feira Unilar, que começou nessa terça-feira (16), no Expominas.

O “Projeto In Design – processo de criação e tecnologia” é patrocinado pelo Governo Aécio Neves por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), por meio do Centro Minas Design (CMD). Segundo a subsecretária da Sede, Marilena Chaves, demonstrar aos participantes da Unilar como nasce e como se chega à forma de um produto é fator essencial para se entender o que é design. “Valorizar a atividade de design e o profissional é a nossa diretriz para fazer de Minas Gerais um Estado competitivo e importante para negócio”, declarou Marilena.

O estande, projetado pelo Instituto Nuoo, vai demonstrar em seis dias, durante quatro horas diárias, ao vivo, todo o processo criativo de produtos, como mobiliários e utensílios em geral. Estudantes de design, colocados em seqüência, apresentam aos visitantes como o design acontece, por meio de geração de imagens, modelagens computacionais e, por fim, o protótipo do produto, feito à mão.

A cada dia, um novo objeto será desenvolvido para, assim, possibilitar aos visitantes diferentes visões de criação. No primeiro dia do evento (16), o tema proposto foi quarto e o objeto era cama. Para enriquecer mais ainda o trabalho e mostrar que todas as áreas do design se complementam, uma designer de interiores criou o ambiente (quarto), onde foi inserida a cama. Além disso, alguns designers gráficos produziram materiais impressos ou eletrônicos para divulgação do produto.

Para um dos coordenadores do Instituto Nuoo, Camilo Belchior, o design está tomando uma proporção muito grande e o público da Unilar, que é bem diversificado, pode tomar conhecimento do processo criativo. “Design é uma ferramenta poderosa de estratégia para uma empresa e devemos desmistificá-lo”, garantiu.

De acordo com o secretário da Sectes, Alberto Portugal, a Unilar vem sempre com uma proposta de fazer Minas um centro de negócios e o design é o fator de grande potencial diferenciador de competitividade. “Um investimento importante do Governo foi a criação do Centro Minas Design, que atua em diversas áreas e tem o objetivo de tornar Minas um pólo de design”. Ele acrescenta que “o estande proporciona um ambiente propício de compreensão de como o design diferencia um produto, atendendo a necessidade do cliente e do mercado”.

A feira Unilar 2009 estará aberta até este domingo (21) e conta com mais de 200 expositores. O Expominas fica na avenida Amazonas, nº 6030, bairro Gameleira, Belo Horizonte.