• Agenda

    janeiro 2020
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Gestão Anastasia: Rede Mais Vida assegura assistência integral a idosos em Minas

Programa proporciona acesso a atendimento médico multidisciplinar para população acima de 60 anos
Débora Ozório/Secom MG
Maria José recebeu atendimento com equipe multidisciplinar
Maria José recebeu atendimento com equipe multidisciplinar

Médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, fonoaudiólogos, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos e assistentes sociais. Esses foram os especialistas que atenderam a dona de casa Maria José Castro Sena, 79 anos, no Centro Mais Vida de Atenção ao Idoso, localizado no Hospital das Clínicas, em Belo Horizonte.  O centro é um dos pontos da Rede Mais Vida de Atenção ao Idoso, criada pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) para garantir qualidade de vida à população de 60 anos ou mais. Os trabalhos são realizados pelas equipes de Atenção Primária à Saúde (APS).

O programa foca na estruturação em rede macrorregional de atenção à saúde da população idosa, por meio de um sistema de interação capaz de proporcionar aumento nos anos de vida dos idosos mineiros e de manter a capacidade funcional e a autonomia deles.

Segundo a coordenadora Estadual de Atenção à Saúde do Idoso, Eliana Bandeira, o objetivo é implantar uma rede de atenção à saúde da população idosa, por meio de um sistema articulado e integrado, que assegure os princípios do SUS de equidade, universalidade e integralidade. “As ações do Programa Mais Vida incluem a descentralização da assistência, por meio da implantação dos Centros Mais Vida, a organização da rede e a capacitação dos profissionais da Atenção Primária à Saúde para a atenção à Saúde do Idoso”, afirma Eliana.

Atendimento humanizado

Dona Maria José Castro Sena se queixava de pressão alta, depressão e problemas ortopédicos. Orientada pela filha Ana Maria Castro Sena, ela procurou o Centro Mais Vida na capital mineira, onde são realizados diversos exames, voltados às partes física, psíquica, social, de humor e dos hábitos alimentares, entre outros.

“Como tenho dificuldades para andar, complica muito ter que me deslocar para ser atendida em outros hospitais. Aqui, recebo todo o atendimento necessário, tudo no mesmo lugar. É ótimo”, destaca Maria José. Ela lembra, ainda, o conforto oferecido pelo centro, com cadeiras confortáveis, lanches em todos os períodos e atendimento exclusivo.

Após ser atendida, Maria José recebeu um plano de cuidados com todos os diagnósticos e as intervenções indicadas: ações preventivas, curativas, paliativas e reabilitadoras. O plano é encaminhado, também, para a Unidade de Saúde de origem do idoso, onde ele é, posteriormente, acompanhado.

“Aqui, o acesso à saúde é fácil. Saímos daqui com os exames marcados, encaminhamentos feitos e os exames de rotina são realizados rapidamente”, elogia Ana Maria, filha de Maria José que acompanha a mãe em todas as visitas aos médicos.

Três cidades já têm Centros Mais Vida

Atualmente, três cidades contam com o Centro Mais Vida (CMV): Belo Horizonte, Montes Claros e Juiz de Fora. Todos eles oferecem assistência especializada por equipe multidisciplinar de saúde encaminhada pelos profissionais da Rede.

Na unidade do CMV do Hospital das Clínicas, cerca de 600 pacientes são atendidos mensalmente, de acordo com dados da Coordenadoria Administrativa. Os exames mais realizados são de osteoporose, eletrocardiograma, vitamina B12, Hemograma, urina rotina e tomografia computadorizada, sendo que todos eles obedecem à carteira de serviços disponibilizada pela SES, de acordo com a necessidade de cada idoso.

Para ter acesso ao serviço, os pacientes devem, antes, passar pelas unidades básicas ou pelas equipes do Programa de Saúde da Família (PSF), como explica coordenador médico do CMV, Edgar Nunes de Moraes, que também é professor adjunto do Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em geriatria. “É importante ressaltar que o idoso precisa ser encaminhado ao Centro Mais Vida através de algum Centro de Saúde e que não são marcadas consultas diretamente. Ele deve ser encaminhado via Central de Marcação de Consultas Municipal”, esclarece.

No dia da consulta, o idoso deverá comparecer com acompanhante, levando todas as receitas médicas, medicamentos em uso, relatórios médicos e todos os exames complementares, inclusive radiografias. “O Centro Mais Vida é uma retaguarda da atenção secundária para a atenção primária. A integração com os municípios é importante para a vinda e a volta do paciente. Estimamos que 20% desses idosos sejam de alta complexidade. O centro amplia e valoriza o atendimento ao idoso na capital, com toda a parte de reabilitação necessária”, explica Edgar Nunes.

Em Belo Horizonte, o Centro Mais Vida faz parte da Rede Mais Vida, financiada com recursos do Tesouro estadual, em parceria

com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte e o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG).

Cerca de 11% da população mineira é idosa

Segundo dados do IBGE, existem atualmente, em Minas Gerais, 2,2 milhões de idosos, o que representa 11,06% da população total do Estado. Essa população gera diversas demandas para o SUS e exige a implantação de novos modelos e métodos.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Atenção ao Idoso da SES, o Centro Mais Vida de Belo Horizonte tem como meta atender 22 mil idosos por ano. Já para os Centros localizados em Juiz de Fora e em Montes Claros, a meta é de 12 mil pacientes/ano.

Na área da saúde, o Estado está dividido em 13 macrorregiões sanitárias e cada Centro Mais Vida funcionará como referência de atenção secundária para a rede macrorregional. Por enquanto são três redes, mas a meta é que até 2014 todas as macrorregiões de Minas possuam uma rede integrada de atenção à saúde do idoso, a Rede Mais Vida, atendendo a 100% da população idosa.

Eliana Bandeira, coordenadora Estadual de Atenção ao idoso, destaca que os Centros Mais Vida não são focados nas doenças, mas em ajudar os idosos a reconquistarem sua independência para as tarefas do cotidiano. “Ao garantir a independência funcional dos idosos, proporcionamos uma melhor qualidade de vida para eles”, ela explica.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rede-mais-vida-assegura-assistencia-integral-a-idosos-em-minas/