• Agenda

    dezembro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    3031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Gestão da Educação: em Minas, primeiro contato com mercado de trabalho ocorre já no ensino médio

Em 2011, Minas Gerais foi o segundo Estado que mais contratou menores e jovens aprendizes no país

Divulgação/Sete
Durante a audiência na Assembleia, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate
Durante a audiência na Assembleia, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate

O secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, e o coordenador do Observatório do Trabalho da Sete, Igor Coura, participaram de uma audiência pública, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, que teve como objetivo a discussão da inclusão do estágio na grade curricular do ensino médio da rede pública de educação e a inserção dos estudantes no mercado de trabalho. O autor do requerimento desta discussão, realizada pela Comissão do Trabalho, da Providência e da Ação Social da Assembleia, foi o deputado estadual Doutor Viana. A sessão foi presidida pela deputada Rosângela Reis.

Durante a audiência, o secretário Carlos Pimenta ressaltou a relevância do debate. “Essa é uma temática de suma importância para ser discutida, pois trata dos nossos jovens, do mercado de trabalho e do desenvolvimento do Estado. A taxa de desemprego entre os jovens não é satisfatória, bem como o rendimento e o tempo médio que eles ficam em uma empresa. Todos esses dados são inferiores quando comparados aos números gerais. Temos que mudar esse cenário, e, para isso, o Governo de Minas desenvolve várias ações voltadas para esse público”, destacou. “A inserção do estágio na grade curricular do ensino médio é um desafio necessário, pois o mercado de trabalho é dinâmico e exigente. Esse primeiro contato com o mercado, por meio do estágio, pode abrir muitas portas”, completou o secretário.

Igor Coura apresentou os dados sobre desemprego e ocupação dos jovens, com idade entre 16 e 29 anos, no mercado de trabalho e destacou as principais ações do Governo de Minas voltadas para as pessoas desta faixa etária, como o ProJovem Trabalhador, da Sete; o Programa de Educação Profissional (PEP) e o Reinventando o Ensino Médio, da Secretaria de Estado de Educação (SEE); o Poupança Jovem, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese); o PlugMinas, da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), em parceria com a Secretaria de Estado de Esportes e Juventude (Seej); e o Aliança pela Vida, que têm ações coordenadas pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) e envolve diversos outros órgãos do Estado.

Destaque nacional

Minas Gerais foi o segundo Estado que mais contratou menores e jovens aprendizes no ano de 2011. Foram 32 mil admitidos. Configura-se como menor ou jovem aprendiz cidadãos com idade entre 14 e 24 anos que estejam matriculados, seja no ensino fundamental, médio ou algum outro curso de aprendizagem. Já em relação aos jovens que ingressaram no mercado de trabalho em seu primeiro emprego, o Estado admitiu cerca de 270 mil. O setor que mais contratou esse público foi o comércio, com 76.106 contratações, seguido pelo de serviços (70.510); indústria da transformação (66.673); construção civil (37.162).

De acordo com dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios (PAD), da Fundação João Pinheiro, a taxa de desocupação entre os jovens, com idade entre 16 e 29 anos, no ano de 2009 (ano que foi realizada a última pesquisa com esse foco), foi de 12,8%, muito acima do índice de desemprego total apresentado no período que foi de 8%.

Já em relação ao rendimento desses jovens, pesquisa mais recente, divulgada pelo Ministério do Trabalho, por meio Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), em 2011, aponta que o valor médio pago por hora é de R$3,80, enquanto a média geral é de R$4,90.  A mesma pesquisa aponta que o tempo médio que os jovens ficam em determinada empresa é de 8,9 meses. Já o dado do mercado em geral é de 15 meses.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/em-minas-primeiro-contato-com-mercado-de-trabalho-ocorre-ja-no-ensino-medio/

Minas Gerais tem o segundo melhor índice de criação de empregos do país em 2011

Secretário Carlos Pimenta destaca criação de empregos de qualidade em Minas
Secretário Carlos Pimenta destaca criação de empregos de qualidade em Minas

BELO HORIZONTE (24/01/12) – O governador Antonio Anastasia comemorou os resultados da geração de emprego em Minas, no ano passado. Segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira (24), pelo Ministério do Trabalho e Emprego, o Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged) registrou, em 2011, a criação de 206.402 empregos com carteira assinada em todo o Estado. Segundo o Ministério do Trabalho, entre os 27 estados da Federação, Minas Gerais só perdeu para São Paulo na geração de postos de trabalho. Em todo o Brasil, foram criados 1,94 milhão de empregos formais em 2011.

O setor de Serviços, com 103.923 postos, foi o que mais gerou empregos no ano passado em Minas, seguido por Comércio (47.170), Indústria de Transformação (26.015) e Construção Civil (13.965 postos). Na Região Metropolitana de Belo Horizonte de Belo Horizonte foram 88.217 empregos formais no ano de 2011.

O resultado de 2011 em Minas foi o segundo maior desde 2003. É a segunda vez, no mesmo período, que o saldo de empregos ultrapassa a marca de 200 mil vagas criadas em um só ano. Em 2010, foram criados, no Estado, 297 mil empregos, enquanto, no Brasil, o número chegou a 2,35 milhões.

Segundo o governador Antonio Anastasia, o desempenho reflete os esforços que estão sendo feitos pelo Governo de Minas, no sentido de criar um clima favorável aos investimentos no Estado, ao mesmo tempo em que procura atrair empreendimentos que produzam com maior valor agregado.

“No âmbito do governo, temos procurado focar a atuação naquelas atividades finalísticas e que possam permitir a geração de empregos no setor privado. Essa é a nossa obsessão e continuará sendo a número um, porque a geração de empregos de qualidade significa que a riqueza vai ser ampliada, vai circular, permitindo o aumento da atividade econômica e, a médio prazo, mais tributos e melhor infraestrutura para o Estado como um todo. Mesmo com a ampliação da crise internacional e seus reflexos em nossa economia globalizada, conseguimos manter o ritmo de geração de postos trabalho formais. A expectativa é que, neste ano, Minas consiga manter os níveis de investimento privado, que contribuirão para a continuidade do processo de desenvolvimento socioeconômico, por meio do trabalho e da qualificação profissional”, afirmou o governador.

Para o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, os dados apresentados apontam que Minas está no caminho certo. “Trabalhamos muito durante o ano de 2011 na ampliação da rede de atendimento ao trabalhador, formada pelas 128 unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine), para oferecer ao cidadão mineiro as melhores oportunidades de trabalho. A Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego tem se empenhado para cumprir a missão dada pelo governador Antonio Anastasia, que quer oferecer, cada vez mais, empregos de qualidade para toda a população”, explicou o secretário.

 

Fonte: Agência Minas

Gerar empregos de qualidade em MG é compromisso de Anastasia

Atrair novas empresas e gerar empregos de qualidade é compromisso de Antonio Anastasia

Fonte: Coligação Somos Minas Gerais

Em Belo Horizonte, governador recebe apoio público de associação de garçons e de grupo de mulheres mineiras

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, reafirmou o compromisso com a geração de novas oportunidades de trabalho em Minas através do estímulo à atração de novas empresas para Belo Horizonte e interior do Estado. Em dois encontros com importantes setores da sociedade mineira, em Belo Horizonte, Antonio Anastasia afirmou que Minas já conta com infraestrutura e mão de obra adequadas para receber empresas de todos os segmentos produtivos. Antonio Anastasia participou na noite de quarta-feira (11/08), das comemorações do Dia do Garçom, que reuniu 2 mil integrantes da Associação dos Garçons e Profissionais Similares de Minas Gerais. Na manhã de hoje, o governador se encontrou com 460 mulheres de diversos segmentos da sociedade mineira, entre donas de casa, profissionais liberais e empresárias, que declararam apoio à sua reeleição.

“Minas precisa ter mais empregos, apesar de já termos criado muitos nos últimos anos. O emprego dá dignidade ao homem, permite ao pai e à mãe de família, criar seus filhos, melhorar a educação e melhorar a saúde. Vamos atrair empresas importantes em todas as regiões do Estado, para diminuir as desigualdades regionais, através de incentivos, de crédito e de tributos, para termos aqui maior valor agregado, com mais empresas que serão âncoras de uma grande cadeia que teremos no Estado. Hoje já temos infraestrutura necessária, que são estradas, telefonia, saneamento. Agora, é criar mais incentivos para atrair mais empresas e gerar empregos de melhor qualidade”, afirmou o governador.

Qualificação da mão de obra
Antonio Anastasia afirmou que o desafio agora é ampliar os programas de educação profissional e garantir mais qualificação à mão de obra no Estado, beneficiando todos os setores da economia.
“Já temos um grande programa de educação profissional, que envolve 100 mil alunos na nossa rede pública. Vamos aumentá-lo para 400 mil ao longo dos próximos quatro anos. Temos em Minas uma educação pública de boa qualidade, primeira do Brasil. Vamos investir para que esse capital humano mineiro tenha cada vez mais aptidão para trabalhar nessas empresas que estamos atraindo”, afirmou.

Minas Gerais gerou nos últimos oito anos cerca de 450 mil empregos diretos, em razão dos investimentos realizados por empresas do setor privado instaladas em todas as regiões do Estado. Até 2010, a previsão de investimento é de R$ 240 bilhões. No primeiro semestre deste ano, Minas foi o estado que mais gerou empregos no país, com 232 mil novas vagas, segundo o Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Minas promissora
As propostas de Antonio Anastasia para atrair novas empresas, gerar mais empregos e qualificar melhor os trabalhadores foram saudadas pelos garçons mineiros durante festividade que celebrou ontem o Dia do Garçom. O presidente da Associação dos Garçons e Profissionais Similares de Minas Gerais, Carlos Fernando da Silva, declarou, em nome da entidade que representa cerca de 4 mil profissionais, o apoio à reeleição de Antonio Anastasia.
“Apoiamos o Antonio Anastasia em razão do grande trabalho feito pelo ex-governador Aécio Neves e, até porque, Anastasia foi o grande responsável por tudo que vem acontecendo de bom no Estado. Ele, na realidade, comandou o Choque de Gestão que revolucionou Minas e despertou o Estado de um sono profundo. Percebemos os avanços nas estradas, no turismo, nos empregos, fazendo com que os empresários acreditassem que Minas é uma região promissora”, disse o presidente da entidade.

Mulheres nas ruas
A candidatura de Antonio Anastasia ganhou também o apoio de 460 mulheres de Belo Horizonte e cidades do interior. O encontro com as lideranças femininas foi organizado pela empresária Lizete Ribeiro. Ela garantiu que a reunião foi apenas a largada para uma maratona de eventos programados pelo grupo de mulheres que pretendem mobilizar a sociedade mineira a apoiar a candidatura do governador Antonio Anastasia.   “Vamos fazer passeatas, caminhadas, bater de porta em porta em prol desta campanha do bem. As mulheres já são maioria no eleitorado, e certamente, de mãos dadas, com o apoio de nossas famílias, vamos eleger Anastasia, este homem íntegro e competente”, disse. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, as mulheres representam 52% do total de eleitores do país.

Confiança da sociedade
Durante o encontro, donas de casa, profissionais liberais e empresárias saudaram o governador e destacaram a confiança de diversos segmentos da sociedade em suas propostas de governo. A dona de casa Irene Murta afirmou que Antonio Anastasia e Aécio Neves devem manter a parceria de sucesso que permitiu Minas crescer nos últimos anos. “Conheço Anastasia como professor e o trabalho dele ao lado de Aécio Neves. Não temos como deixar de apoiá-los, pois Minas cresceu muito nesses anos”, disse.

A empresária Marisa Laporte afirmou que a administração Aécio Neves/Antonio Anastasia gerou mais confiança junto ao empresariado. “Em Minas hoje há a oportunidade de crescimento para o empresariado. Vamos inclusive abrir uma nova loja, justamente por causa dos incentivos e dos avanços proporcionados pela gestão Aécio/Anastasia. Tenho muita confiança no nosso governador”, disse.
A administradora de empresas Júlia Sales afirmou que acredita no futuro de Minas com Antonio Anastasia à frente do Governo do Estado. “Voto nele pela competência, honestidade, dignidade, capacidade de liderança. Ele continuará a luta por uma Minas melhor”, completou a administradora de empresas Júlia Sales.

A advogada Denise Guerra também declarou seu apoio à reeleição do governador. “O Anastasia foi meu professor de Direito Administrativo na Faculdade Milton Campos há 25 anos. É sério, de uma improbidade inquestionável. Tê-lo como governador é um orgulho para nós mineiros. Estaremos na campanha 24 horas”, declarou.

Minas Gerais tem desempenho recorde na geração de empregos no mês de maio

 Minas Gerais registrou, em maio, o segundo melhor saldo entre todos os meses da série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), iniciada em 1992, conforme os dados divulgados em Brasília, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Minas Gerais criou 60.873 postos de trabalho no último mês, o melhor resultado para o período, em termos absolutos. A região Sudeste abriu 189.501 postos de trabalho com carteira assinada em maio, puxando a geração de empregos no país, uma elevação de 1,02% no estoque de empregos celetistas.

Nos cinco primeiros meses de 2010, foram geradas 193.702 novas vagas no Estado, sendo o melhor desempenho de toda a série histórica do Caged e o segundo melhor da região Sudeste, superado apenas por São Paulo, que criou 475.478 postos. Já nos últimos 12 meses, verificou-se acréscimo de 7,24% no nível de emprego ou +249.460 postos de trabalho. Em termos absolutos, este resultado foi também o segundo melhor da Região Sudeste, sendo superado somente por São Paulo (+641.048 postos).

O crescimento na geração de empregos registrado em maio em Minas Gerais deve-se, principalmente, a Agropecuária, com 30.152 novos postos, o que significa uma variação de 10,65% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior. Em seguida, foram responsáveis pelo resultado, a Indústria de Transformação, com 9.688, a Construção Civil, com 5.694 e o Comércio, com 4.556 novas vagas.

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) registrou acréscimo de 11.783 empregos formais (+0,84%). Também foi o melhor desempenho de toda a série histórica do Caged para o período. No conjunto das nove áreas metropolitanas consideradas, foram criados 100.071 novos postos, recorde decorrente da geração inédita em oito delas. No interior destas regiões foram registrados 147.806 postos.

alt

 

alt