• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Governo de Minas: Paraatletas de doze países se encontram em BH para campeonato de tênis

A competiçãon é promovida pela ONG Tênis para Todos, uma das entidades parceiras da Seej

Filipe Diniz/Seej
Adair José Salvador Siqueira, 24 anos, joga tênis na ONG há oito meses
Adair José Salvador Siqueira, 24 anos, joga tênis na ONG há oito meses

Cinquenta e dois paraatletas do Brasil, Argentina, Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Espanha, França, Inglaterra, Japão, Suécia e Uruguai participam, até domingo (1º), da sétima edição do TH Minas Weelchair Tennis Open. A competição, realizada na Avenida Otacílio Negrão de Lima, 7030, em Belo Horizonte, é promovida pela ONG Tênis para Todos, uma das entidades parceiras da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej) na execução do programa Minas Olímpica Oficina de Esportes.

Um dos beneficiados pelo programa Oficina de Esporte que competem no torneio é Adair José Salvador Siqueira, 24 anos, que há sete perdeu as duas pernas num acidente e encontrou no esporte uma oportunidade de superação. Por cinco anos ele praticou basquete e há oito meses joga tênis na ONG Tênis para Todos. “Tenho uma vida bem independente, moro sozinho, cozinho, lavo e vou para os treinos de segunda-feira a sábado, das 9h às 16h. Pego por dia quatro ônibus mais o metrô para treinar e o esporte é a minha vida, meu refúgio”, disse o paraatleta.

Rafael Medeiros, de 21 anos, é o outro exemplo de força de vontade. A mãe, Marina Medeiros Gomes, conta que aos dois anos de idade Rafael perdeu a mobilidade das pernas. “Meu filho dormiu andando e acordou paralítico. Era como se estivesse num buraco, lá no fundo, fiquei desesperada”, relata a mãe, que descobriu que um cisto na coluna havia imobilizado o garoto. Daí pra frente Rafael passou por mais de vinte cirurgias, sendo a última em 2010, quando mais uma vez teve que ser operado. “Meu filho ficou entre a vida e a morte e só um milagre poderia salvá-lo e isso aconteceu”.

Há cinco anos Rafael conheceu o tênis em cadeira de rodas e não parou mais. Hoje ele é o segundo no ranking nacional e 44º no internacional. “Quando conheci o tênis foi amor a primeira vista e não consigo me imaginar sem praticá-lo. Estou batalhando pra conquistar uma vaga para as Paraolimpíadas de Londres e chegar pelo menos a uma final”, declara o jovem que conta com apoio integral da mãe. “Apoio e procuro estar aonde ele está. Meu filho é a minha via é o meu herói”.

O diretor técnico e de planejamento e gestão da ONG, Gerson Carlos de Souza, explica que este campeonato em cadeira de roda é o mais importante do segmento sulamericano. “O TH Minas Weelchair Tennis Open é o único torneio da América do Sul que pontua no Internacional Tennis Federation (ITF) na categoria de juniores e isso contribui para elevar o ranking dos jogadores”, destacou o diretor.

A competição acontece nas modalidades feminino, masculino e juniores- voltado a atletas entre 12 e 18 anos, e é divida nas chaves principal e secundária, com jogos no simples e no duplo. Em relação ao tênis convencional, a prova praticada por cadeirantes têm como principal diferencial a validade do quique duplo nas jogadas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/paraatletas-de-doze-paises-se-encontram-em-bh-para-campeonato-de-tenis/

Anúncios

Gestão em Minas: Anastasia recebe visita de embaixadores da Austrália e Dinamarca

Assuntos como cultura, negócios, intercâmbio universitário e questões minerais foram abordados nos encontros

Omar Freire/Imprensa MG
Antonio Anastasia durante encontro com o embaixador da Austrália, Brett Hackett

O governador Antonio Anastasia recebeu, nesta quarta-feira (21), no Palácio Tiradentes, a visita dos embaixadores da Austrália, Brett Anthony Hackett e da Dinamarca, Svend Roed Nielsen.

Ao governador, Hackett mostrou a intenção do governo da Austrália em ampliar o intercâmbio entre universidades australianas e mineiras. Os dois ainda conversaram sobre a questão mineral, setor forte na economia de ambos os territórios.

Cultura foi o principal tema do encontro entre o governador e o embaixador da Dinamarca. Nielsen conversou com Anastasia sobre a intenção do seu país de trazer ao Estado uma delegação de empresários para conhecer as oportunidades de negócios em Minas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-recebe-visita-de-embaixadores-da-australia-e-dinamarca/

Gestão Anastasia: governo de Minas promove fórum com universidades mineiras e australianas

O evento visa à internacionalização das instituições mineiras, incrementando as parcerias para o desenvolvimento da ciência e da inovação

Divulgação/Sectes MG
Secretário Narcio Rodrigues durante pronunciamento no encerramento do fórum
Secretário Narcio Rodrigues durante pronunciamento no encerramento do fórum

O ensino superior público de Minas Gerais tem se destacado cada vez mais pela sua excelência. Contudo, apesar de parcerias isoladas com diversas universidades do mundo, há a necessidade de inserção efetiva, ou seja, tornar as instituições mineiras internacionais. Com esse foco, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), realizou, nesta terça-feira (20), na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, em Belo Horizonte, o 1º Fórum para Internacionalização do Ensino Superior de Minas Gerais, Missão Group of Eight Austrália.

O evento, realizado em parceria com o Fórum das Instituições Públicas de Ensino Superior (Ipes), que reúne 14 universidades públicas de Minas Gerais, atraiu reitores, pró-reitores, professores e pesquisadores mineiros e australianos. Para o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais, Mário Neto Borges, o conhecimento não tem fronteiras, razão pela qual a interação das instituições mineiras com as australianas é fundamental para o crescimento dos dois lados. Ele aproveitou para dizer que o Governo de Minas, por meio da Fapemig e Sectes, já tem parceria concreta com a Universidade de Queensland na área de mineração.

O diretor-executivo do Group of Eight, Austrália, Michael Gallagher, ressaltou a importância da cooperação nas diversas áreas de interesse das universidades. “São acordos reais do que pretendemos fazer”, afirmou Gallagher. O Group of Eight (Go8) é um consórcio das principais e melhores universidades australianas. Juntas, elas representam 80% das pesquisas em universidades do país, recebendo financiamentos governamentais e da indústria para pesquisa. Integram o grupo: University of Queensland, The University of Melbourne, The University of Sydney, University of Western Australia, Monash University, Australian National University, The University of Adelaide e The University of New South Wales.

As áreas de excelência das oito universidades são abrangentes. Entre as que convergem com Minas Gerais, destacam-se: exploração mineral, tecnologia da informação, biotecnologia (vacinas e estudos com células-tronco), meio ambiente, água e energias limpas. O embaixador da Austrália no Brasil, Brett Hackett, disse que as instituições de Minas estão entre as melhores da América Latina e do mundo, e que há grande interesse do seu país na interação e na cooperação entre as universidades.

O presidente do Fórum das Ipes e reitor da Universidade Federal de Alfenas (Unifal), Paulo Márcio Faria e Silva, fez uma exposição do perfil de todas as 14 instituições públicas mineiras, sendo 11 universidades federais, duas estaduais e o Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet-MG). Elas possuem 150 mil alunos matriculados, com cerca de 500 cursos de graduação. São ofertadas 36 mil vagas anualmente nos cursos presenciais dessas instituições.

O secretário-adjunto de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Evaldo Vilela, manifestou o desejo de intensificar as parcerias entre Minas e Austrália no campo acadêmico. Reforçou, ainda, a ideia do consórcio de universidades como algo facilitador, mesmo que cada uma mantenha suas especificidades. “Nossas universidades são unidas, mas podemos focar mais”, afirmou Vilela, com a experiência de reitor da Universidade Federal de Viçosa (UFV), período em que firmou diversas parcerias internacionais.

Ao encerrar o evento, o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, falou da importância da cooperação internacional para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia. Ele destacou, entre outros, o projeto Cidade das Águas, em Frutal, no Triângulo Mineiro, que já conta com a adesão de oito universidades mineiras para integrar o Condomínio Temático de Empresas e Instituições.

Narcio Rodrigues também explicou a proposta feita ao Ministério da Educação e ao CNPq sobre o programa Ciência sem Fronteiras para as águas, que pode facilitar a internacionalização com as universidades, contribuindo para a melhoria da gestão dos recursos hídricos. Quanto ao seminário, ele concluiu como um marco para as universidades avançarem, tanto as federais quanto as estaduais.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-promove-forum-com-universidades-mineiras-e-australianas/