• Agenda

    julho 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Gestão Anastasia: governo discute políticas e diretrizes para desenvolvimento tecnológico

Conselho estadual contribui na formulação e implantação de projetos científicos, tecnológicos e de inovação

Divulgação/Sectes
Projetos científicos, tecnológicos e de inovação foram discutidos na 59ª reunião ordinária do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia (Conecit)
Projetos científicos, tecnológicos e de inovação foram discutidos na 59ª reunião ordinária do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia (Conecit)

Os principais desafios da ciência, tecnologia, inovação e do ensino superior, foram colocados em pauta na 59ª reunião ordinária do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia (Conecit), realizada nesta segunda-feira (16), na Cidade Administrativa Tancredo Neves. Na ocasião foi reafirmada a importância de se gerar pesquisa e inovação para o desenvolvimento econômico do Estado. Houve posse dos novos conselheiros e apresentação dos principais programas e projetos em andamento na Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes).

O presidente do conselho, o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, destacou a convivência absolutamente produtiva do Governo de Minas com o Legislativo, e que a participação e a integração são essenciais para o sucesso das ações. “Queremos propor a este conselho uma reestruturação e estimular os nossos objetivos, e assim inserir Minas Gerais efetivamente na sociedade da ciência e do conhecimento. E que até o ano de 2014, as nossas ações estejam materializadas”, comentou Rodrigues.

Na oportunidade, Narcio Rodrigues pontuou os principais programas e ações do Governo de Minas focadas no desenvolvimento científico e tecnológico, e de ensino superior, partindo da estratégia governamental e da Rede de Ciência, Tecnologia e Inovação.

O secretário apontou pontos como a Rede de Inovação Tecnológica e Cidadania Digital, que tem como prioridade consolidar as plataformas estabelecidas, por meio dos Arranjos Produtivos Locais (APLs), dos Polos de Excelência, dos Polos de Inovação e dos Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresa, reestruturando também a Rede de Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) de Minas Gerais. A expansão do ensino superior, que tem como meta ampliar a oferta do ensino, redefinindo o papel das universidades estaduais, pactuando uma ação conjunta com todas as instituições de ensino superior e buscando, pela educação a distância, a interiorização e a democratização do acesso.

Outros dois pontos estratégicos do Governo de Minas foram apresentados, como a implementação da Cidade da Ciência e do Conhecimento em Belo Horizonte, que irá juntar no mesmo espaço, instituições ligadas à pesquisa, à produção e à difusão do conhecimento, assim como a Cidade das Águas (Unesco-Hidroex) e outras prioridades em andamento, como o Observatório De Águas  Minas – Inhotim, Instituto Bioerg, Complexo Aeronáutico de Minas Gerais e o centro de referência C-Minas.

Durante a apresentação foram feitas intervenções extremamente positiva dos conselheiros empossados, assim como sugestões para levar adiante as políticas propostas ou em andamento. “Acredito que este seja um momento história para Minas, porque de forma democrática este Conselho reúne pessoas e segmentos importantíssimos que vão permitir que o Estado possa dar um passo enorme, sobretudo em relação aos avanços tecnológicos e do ensino superior” comenta o representante da Assembleia Legislativa, deputado Bosco.

Os membros empossados do Conecit — que representam o governo mineiro, cientistas e sociedade civil organizada — são: Fábio Veras de Souza da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede); Paulo Afonso Romano da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa); Soraya Naffah Ferreira da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF); Adriano Sperandio Sá da Secretaria de Estado de Saúde (SES); deputado Bosco Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG); Mário Neto Borges Fundação de Amparo à Pesquisa do estado de Minas Gerais (Fapemig); Paulo Márcio Faria (reitor da Unifal e presidente do Fórum das IPES), João dos Reis Canela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes); Renato Lima dos Santos (representante dos cientistas e tecnólogos); Áureo Eduardo Magalhães Ribeiro e Lourdes Aparecida de Jesus Vasconcelos (representantes dos trabalhadores). Da Sectes foram empossados Narcio Rodrigues como presidente do Conecit e Osmar Aleixo Rodrigues Filho, secretário executivo.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-discute-politicas-e-diretrizes-para-desenvolvimento-tecnologico/

Anúncios

Arranjos Produtivos Locais: Política de desenvolvimento do Governo Aécio Neves transformou Minas em referência nacional

O Grupo de Trabalho Permanente para os Arranjos Produtivos Locais, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), e o Núcleo Gestor de Apoio aos APLs de Minas Gerais, coordenado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), promoveram nesta quarta-feira (24) os seminários “Políticas para Arranjos Produtivos Locais” e “Superando dificuldades de acesso ao crédito”, que serão realizados na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg).

Durante os eventos serão apresentados e debatidos os resultados do estudo técnico “Análise do mapeamento e das políticas para APLs no Estado de Minas Gerais”. Também serão temas de discussões os gargalos identificados no acesso ao crédito para APLs e a proposição de alternativas que visem resolver esses entraves.

O trabalho, contratado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e realizado pela Rede de Pesquisa em Sistemas e Arranjos Produtivos e Inovativos Locais (RedeSist), tem por objetivo consolidar conhecimentos sobre a identificação e apoio a arranjos produtivos locais (APLs) em 22 estados brasileiros, avaliando as políticas existentes, com a finalidade de fornecer subsídios para a formulação e o aperfeiçoamento das políticas para APLs.

Os seminários terão as participações de representantes do Mdic, do BNDES, da Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (ABDE) e das entidades que compõem o NGAPLs-MG.

APL em Minas Gerais

Com 36 arranjos produtivos locais em suas diversas regiões, Minas Gerais é referência nacional em APL. A Sede, através da Superintendência de Industrialização (Suind), é a instância responsável pela formulação, coordenação e execução da política estadual de apoio a APLs. Entretanto, atua em parceria com diversas secretarias. No caso dos APLs de base tecnológica (biotecnologia, biocombustíveis, microeletrônicos e software), que fazem parte de Projeto Estruturador coordenado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), a Sede presta seu apoio em várias atividades.

Dos 36 APLs no Estado, o estudo constatou uma diversidade em relação ao estágio de desenvolvimento. Há aqueles como os de software, em Viçosa, e o de bebidas artesanais em Araçuaí, com poucos registros de empregos formais e de vendas, enquanto estão bastante estruturados e com forte presença regional os APLs de calçados, em Nova Serrana; de confecções, de São João Nepomuceno; móveis, de Carmo do Cajuru e de Ubá. Com participação setorial dentro do Estado podem ser citados o de confecções e malhas, de Jacutinga; eletroeletrônicos, de Santa Rita do Sapucaí, e gemas e joias, de Nova Lima.

Merecem destaques ainda os APLs de calçados e bolsas da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), de fogos de artifício de Santo Antônio do Monte e região; de fundição em Divinópolis, Itaúna e Cláudio; e os de software e de biotecnologia na RMBH.

Os Arranjos Produtivos Locais são definidos como um conjunto de empresas que participam de um mesmo ramo de negócios, em região geográfica definida, operando em regime de cooperação, aprendizado interativo e gerando competitividade empresarial e capacitação social.

A política para APLs do Governo Aécio-Anastasia estrutura-se nos últimos anos, especialmente a partir de 2006, com lei estadual que instituiu a Política de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais, e com a instalação, em 2008, do Núcleo Gestor de Arranjos Produtivos Locais de Minas Gerais. Estas ações coincidiram e se juntaram com vistas à reestruturação do aparato de apoio ao setor produtivo em geral e, em particular, ao apoio de APLs, indicando uma maior preocupação com a modernização produtiva e desenvolvimento tecnológico e com o fortalecimento e diversificação da estrutura produtiva estadual.

 

Governo Anastasia discute ampliação de parceria entre Minas e o Uruguai dando suporte aos APL de Eletroeletrônicos

A Diretora de Política Econômica do Ministério da Indústria, Energia e Mineração do governo uruguaio, Mónica Barriola, foi recebida pelo secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alberto Duque Portugal, nesta quinta-feira (20), em Belo Horizonte. Eles discutiram a ampliação das parcerias entre Minas Gerais e o Uruguai, país onde já existe um escritório internacional dando suporte aos Arranjos Produtivos Locais (APLs) mineiros.

O secretário Portugal falou da disposição dos empresários mineiros, vinculados aos Arranjos Produtivos Locais, de apresentar projetos ao Fundo de recursos não reembolsáveis do Mercosul (Focem). Os projetos têm de ser voltados para produtos ou serviços visando à exportação, e cada um poderá receber até 80 mil dólares. Minas poderá apresentar mais de cinco projetos, segundo o vice-presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel), Carlos Henrique Ferreira.

Em nome do governo uruguaio, Mónica Barriola convidou o secretário Portugal a participar do Fórum do Mercosul, dia 11 de agosto, em Montevidéu,  com a presença de todos os presidentes dos países que integram o bloco. Um dos temas do fórum é ciência, tecnologia e inovação, que segundo Barriola, Minas Gerais vai muito bem. Ela visitou empresas do APL de Eletroeletrônicos em Santa Rita do Sapucaí, e empresas de biotecnologia na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Esses dois segmentos econômicos, além de software e biocombustíveis, recebem o apoio do governo de Minas para internacionalização dos seus produtos a partir de uma plataforma de exportação no país vizinho.

O gerente do escritório internacional do Governo Antonio Anastasia no Uruguai, Fernando Cattivelli, disse que o fórum do Mercosul será uma excelente ocasião para que o Sistema Mineiro de Inovação (Simi), que reúne as principais ações e projetos de ciência e tecnologia liderados pelo governo de Minas e já mostrado nos Estados Unidos, possa ser visto por lá.

Para o coordenador do APL de Eletroeletrônicos, Osmar Aleixo, o escritório internacional já apresenta bons resultados, inclusive com a decisão da empresa Linear, de Santa Rita do Sapucaí, de instalar uma fábrica em Montevidéu com a finalidade de exportar produtos para boa parte da América Latina. De acordo com Carlos Henrique, a empresa lidera a produção de transmissores de TV digital no Brasil, vai investir 2,5 milhões de dólares e gerar 40 empregos diretos no Uruguai. Há dois anos, a Linear instalou uma fábrica nos Estados Unidos.

Ao final da reunião, o secretário Alberto Portugal aproveitou para convidar o Uruguai para a 6ª Inovatec – Feira de Inovação Tecnológica, que tem o apoio do Governo de Minas para acelerar o processo de inovação no Estado. A Inovatec será aberta dia 5 de outubro e se estende até 8 de outubro, no Expominas, que se torna o ponto de encontro de empresas, centros de pesquisa e projetos governamentais de inovação. Neste ano, o país âncora é Estados Unidos.