• Agenda

    julho 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Governo de Minas vai obter R$ 4 milhões com BNDES

Gestão Anastasia: Cinco contratos nas áreas de segurança pública, infra-estrutura e mobilidade estão sendo coordenados junto à instituição; o primeiro já está assinado

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), está coordenando junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) cinco contratos que totalizam R$ 4 bilhões. O primeiro deles, no valor de R$ 247 milhões, já está assinado. A primeira parte do desembolso de R$ 65 milhões tem liberação prevista para este mês de agosto.

Os contratos financiarão diversas ações nas áreas de segurança pública, infraestrutura e mobilidade. A primeira parte do nempréstimo será destinada ao início das obras da LMG-800, no Vetor Norte, às reformas da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na RMBH, e do Centro Educativo de Unaí, no Noroeste do Estado, e à implantação de torres de radiocomunicação da Polícia Militar em vários municípios.

Segundo a diretora Central de Avaliação de Projetos e Captação de Recursos da Seplag, Gabriella Noronha, a destinação dos financiamentos foi definida a partir da carteira de projetos estratégicos do Estado e contribuirá para o alcance dos objetivos elencados no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI).

Outra parte do desembolso, prevista para novembro, depende apenas da consolidação da documentação. Os valores serão investidos na complementação das obras da escola de formação de professores, no bairro Gameleira, em Belo Horizonte, na ampliação do projeto Olho Vivo, em obras de melhorias em aeroportos regionais e na construção de presídios no interior do Estado.

Gabriella Noronha ressalta que a captação de recursos junto ao BNDES “é de extrema relevância no cenário fiscal atual”. Gabriella observa ainda que as condições favoráveis disponibilizadas pelo banco de fomento constituem uma alternativa positiva e contribuem para ampliar o leque de políticas públicas implementadas pelo Estado.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/recursos-de-r-4-bilhoes-do-bndes-vao-favorecer-projetos-do-governo-de-minas/

Anúncios

Gestão da Educação: operários do Mineirão recebem diploma

Governo Anstasia: Seis profissionais que atuam na reforma e estudam na instituição montada no canteiro do estádio vão se formar no ensino fundamental

Sylvio Coutinho
Cerca de 80 trabalhadores da obra já passaram pela escola montada no canteiro do estádio
Cerca de 80 trabalhadores da obra já passaram pela escola montada no canteiro do estádio
 

Seis operários da escola de alfabetização do Mineirão vão se formar como estudantes do ensino fundamental nesta sexta-feira (10). O carpinteiro Roberto Carlos de Souza, 45 anos, é um deles. “Se não fosse essa obra, não teria chegado até aqui. Havia parado de estudar em 1980”, conta o formando, que vendia picolé em porta de escola. Ele planeja continuar os estudos para conseguir novos trabalhos. “Já perdi muitas oportunidades porque não sabia ler ou escrever corretamente. Agora faço contas de cabeça”, comemora o aluno de Divino, cidade da Zona da Mata mineira.

Cerca de 80 trabalhadores da obra já passaram pela escola montada no canteiro do estádio. As aulas fazem parte da modalidade de Educação para Jovens e Adultos (EJA), da rede pública de ensinos fundamental e médio. Atualmente, os 31 alunos estão distribuídos em três tipos distintos de turmas: de alfabetização, de nível intermediário e, por último, a classe de certificação, da qual fazem parte os formandos.

Para Ricardo Barra, diretor-presidente da Minas Arena, empresa responsável pela obra, a iniciativa é parte indispensável de um empreendimento dessa magnitude. “É gratificante oferecer essa oportunidade e saber que muitos operários passam a acumular novos conhecimentos em busca de qualificação profissional e realização pessoal”, comenta.

A professora Danusa Carvalhaes reforça a grandeza de sua atuação. “Meu trabalho é muito reconhecido por todos eles, que participam ativamente das aulas. É muito gratificante, minha relação com eles é ótima”, diz.

O motorista Melchisedec Harlem de Brito, 40 anos, conhecido como Mequinha, também é outro exemplo de determinação por ter corrigido a distância de 17 anos longe da escola. “Entrei na obra como servente e hoje sou motorista. Parei de estudar na quinta série e fui trabalhar para sobreviver. Uma das melhores coisas foi ter aprendido mais sobre matemática para melhorar na soma de medidas e outros cálculos”, revela.

O secretário interino da Secopa, Fuad Noman, elogia a iniciativa. “Responsabilidade social hoje é uma realidade que gera resultados perenes não só para o próprio beneficiado, como é o caso dos alunos da escola do estádio, mas também para o mercado, que passa a contar com mão de obra mais qualificada”, conclui.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/operarios-da-escola-de-alfabetizacao-do-mineirao-recebem-diploma/

Gestão Eficiente: Anastasia defende royalties do minério em Brasília

Medida que vai à sanção presidencial altera cobrança do tributo para as exportações; para governador, continuidade da emenda interessa a todos os Estados mineradores

O governador Antonio Anastasia defendeu, durante reunião com as bancadas federais de Minas e do Pará, em Brasília, nesta quarta-feira (08) a mobilização dos parlamentares para evitar o veto presidencial à emenda à Medida Provisória 563, que inclui a Compensação Financeira sobre Exploração Mineral (Cfem) nas normas para cobrança de tributos para exportação.

A emenda foi apresenta pelo senador Flexa Ribeiro (PSDB/PA), sob o argumento de que algumas empresas que atuam na área mineral utilizam mecanismos não previstos em lei para pagar menos impostos no Brasil. O governador destacou que a manutenção da emenda interessa não apenas a Minas Gerais e ao Pará, mas a todos aqueles estados onde é feita mineração.

“No fundo, estamos encontrando uma fórmula de resolver o problema pela periferia, porque o problema verdadeiro, nuclear, tem de ser resolvido por meio de uma nova legislação sobre o marco regulatório da mineração no Brasil”, afirmou Anastasia, lembrando ser promessa da presidente Dilma Rousseff o envio ao Congresso de projeto de lei nesse sentido.

Anastasia lembrou o “boom” vivido pela mineração, sem o correspondente benefício para estados e municípios mineradores. Mas, para o governador de Minas, a aprovação da emenda foi um passo adiante, tendo em vista que, nos últimos anos, medida alguma nesse sentido foi aprovada pelo Parlamento brasileiro. “O tema está cada vez mais entranhado no sentimento de nossos parlamentares que refletem, é claro, a opinião pública dos nossos estados”, afirmou.

Participaram também da reunião das bancadas,além de deputados, o governador do Pará, Simão Jatene, e senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Zezé Perrela (PDT-MG) e Flexa Ribeiro (PSDB-PA)

O governador visitou os presidentes da Câmara, Marcos Maia, e do Senado, José Sarney, para agradecê-los pela aprovação da emenda. “A emenda é importante para Minas Gerais, para o Estado do Pará e para outras unidades da federação e faz justiça a esse tributo, porque aplica à Cfem o mesmo tratamento do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Agora, estamos na mesma campanha para sanção da senhora presidenta da República”, afirmou o governador.

Desastres

Pela manhã, o governador Antonio Anastasia participou da solenidade de lançamento, pela presidente Dilma Rousseff, do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais. O plano prevê investimentos de R$ 18,8 bilhões em ações articuladas de prevenção e redução do tempo de resposta a ocorrências, mas não foram detalhados os valores que serão destinados para cada unidade da Federação.

Segundo Anastasia, para as ações voltadas para as chuvas, Zona da Mata, o Vale do Rio Doce, o Sul e a Região Metropolitana de Belo Horizonte são as regiões que demandarão maior volume de recursos e projetos. Com relação à seca, o chamado Grande Norte – Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas – serão as áreas mais contempladas.  O governador espera para os próximos dias a definição sobre a liberação dos recursos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/antonio-anastasia-defende-manutencao-de-emenda-sobre-royalties-do-minerio/

Gestão Eficiente: Anastasia destaca inovação e criatividade em conferência

Ferramentas para sucesso do desenvolvimento regional – governador abriu 1ª Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional, em Belo Horizonte.

Gestão Eficiente: Governo Anastasia

Omar Freire/Imprensa MG
Antonio Anastasia destacou, em seu pronunciamento, a necessidade de melhorar a inclusão regional
Antonio Anastasia destacou, em seu pronunciamento, a necessidade de melhorar a inclusão regional
 

O governador Antonio Anastasia presidiu, nesta quarta-feira (1º), na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, a abertura da 1ª Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional de Minas Gerais. Durante três dias, gestores do Estado, União, municípios, segmentos da sociedade civil, empresários e acadêmicos irão debater propostas de políticas que levem em consideração a heterogeneidade das regiões. O objetivo é fortalecer a ideia de soma de esforços entre diversos agentes para o desenvolvimento do país.

O encontro é coordenado pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru), e tem o apoio do Ministério da Integração Nacional e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Minas é o primeiro Estado no país a realizar a conferência, que é preparatória para a Conferência Macrorregional do Sudeste, a ser feita entre os meses de outubro e novembro, e a Conferência Nacional, que será realizada no mês de dezembro, em Brasília

Ao lado dos ministros Fernando Bezerra, da Integração Nacional, e Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o governador falou sobre a necessidade de melhorar a inclusão regional, diminuindo as desigualdades dentro de Minas e em todo o Brasil, com foco na melhoria da infraestrutura física e social.

“O grande desafio de Minas, que se repete pelo Brasil afora, é a necessidade de diminuirmos as desigualdades regionais. Minas Gerais é o espelho dos demais estados, reflete um Brasil rico e um Brasil ainda em desenvolvimento. Por isso, o grande objetivo que temos é apresentar propostas para melhorar a inclusão regional, ou seja, diminuir essas desigualdades por meio da melhoria da infraestrutura física e social, sempre levando a atratividade de empresas, empreendimentos e empregos para as regiões que são menos desenvolvidas”, destacou Anastasia.

“Minas já deu passos em relação a alguns problemas que devem ser enfrentados com a institucionalização desse pensar regional. Muitos estados da Federação brasileira sequer têm dentro das suas estruturas de governo um pensar para integrar suas regiões em torno de um desenvolvimento mais harmônico e integrado. Minas já respira e vive esse pensamento integrado há bom tempo e tem, portanto, uma visão clara como é que as Minas, que é a parte mais rica do estado, pode ajudar as Gerais, que é a parte mais pobre de um Estado síntese da Federação brasileira. Por isso, começar por Minas é sempre um bom começo”, ressaltou o ministro Fernando Bezerra.

Para o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, o Brasil tem 27 alavancas poderosas que são os estados e seus órgãos de planejamento e desenvolvimento. “As economias estaduais são alavancas para o crescimento do país, para a retomada da competitividade. Movimentar essas alavancas, ao mesmo tempo e na mesma direção, é o que precisamos fazer para garantir um futuro de prosperidade para o Brasil”, disse.

Avanços e novas ideias

Durante a conferência, deverão ser definidos os cinco princípios e as 20 diretrizes que possam contribuir para a formulação da nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Também serão eleitos 20 delegados do setor público e da sociedade civil que vão representar Minas naspróximas conferências.

Serão realizados debates sobre ações regionalizadas que possam contribuir para diminuir as diferenças regionais. Ao final do encontro, serão definidas as propostas que os mineiros levarão às conferências do Sudeste e Nacional.

“Em Minas Gerais, a despeito desse quadro de grandes diversidades internas, somos orgulhosos de afirmar que, ao longo dos últimos anos, temos avançado nas diversas políticas públicas, apresentando sempre os primeiros lugares. Somos o 1º na educação pública pelo Ideb no ensino fundamental, o 4º na saúde pública e 1º no Sudeste, temos o 4º menor índice de homicídios dos 27 estados da Federação. Conseguimos indicadores de desemprego que são extremamente bem saudados. E, portanto, planejar, pensar, inovar, ousar, são verbos que conjugamos diariamente nessa grande labuta que é levar prosperidade a todos os rincões de nosso Estado”, enfatizou o governador.

Para a presidente do Ipea, Vanessa Petrelli, a análise das características de cada estado se faz fundamental nesse processo. “O Brasil é um país territorial, de dimensões enormes, por isso é preciso pensar o território nas suas especificidades. A proposta do Ipea é fazer análise de cada estado dentro do desenvolvimento brasileiro. O que será o Brasil daqui a 20 anos? Será aquilo que integre o conjunto das suas unidades federativas. Esse é o início de uma articulação mais profunda entre esfera estadual, federal, municipal e também o pensamento da pesquisa brasileira”, disse.

Propostas mineiras

A etapa mineira tem como tema “Desenvolvimento e Integração Regional: Tornando Minas Mais Gerais”. O encontro é organizado em quatro eixos de discussão: Governança, participação social e diálogo federativo; Financiamento do desenvolvimento regional; Desigualdades regionais e critério de elegibilidade; e Transversalidade – vetores de desenvolvimento regional sustentável.

“Este é um seminário vanguardista, e Minas dá, mais uma vez, seu exemplo de como planejar e como fazer com que o desenvolvimento regional busque soluções. O foco é tentarmos pensar que sem o planejamento não vamos conseguir as melhores metas de qualidade de vida e de desenvolvimento”, explicou o secretário de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana, Bilac Pinto.

“Vamos, nesta Conferência, imaginar as sugestões e soluções para resolver lá na ponta, no Mucuri, no Jequitinhonha, nas regiões menos desenvolvidas de nosso Estado, aquelas agruras que há tantos séculos assolam a nossa população mais sofrida”, reiterou Antonio Anastasia.

Participam também da Conferência Estadual de Minas representantes do Distrito Federale de seis Estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-destaca-inovacao-e-criatividade-como-ferramentas-para-sucesso-do-desenvolvimento-regional/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/