• Agenda

    setembro 2020
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Pimenta vai atrair empresas da chamada Nova Economia

Pimenta quer trabalhar para atrair empresas da chamada Nova Economia, cujos produtos geram emprego e têm maior valor agregado.

Eleições 2014

Fonte: PSDB-MG

Pimenta da Veiga quer novo salto econômico e mais empregos

Candidato a governador pela Coligação Todos por Minas quer atrair empresas da chamada Nova Economia para agregar valor à produção do Estado

Diversificar a economia e investir na geração de emprego de qualidade são as principais estratégias do candidato a governador Pimenta da Veiga para garantir que os bons resultados da economia mineira alcance patamares ainda maiores. Ao participar, nesta quarta-feira (20/08), em Belo Horizonte, da inauguração do comitê de campanha do candidato a deputado estadual Gilvan Pinho Tavares (PV), Pimenta ressaltou que nos últimos dez anos o PIB per capita em Minas cresceu quase 200% e que no mesmo período o Estado recebeu perto de R$ 200 bilhões de investimentos privados. Segundo ele, é preciso continuar atraindo investimentos para assegurar o desenvolvimento econômico e social.

”Queremos que todos os investimentos que possam vir para Minas cheguem efetivamente aqui para construir uma economia mais forte e mais diversificada”, afirmou. Para Pimenta da Veiga, existe a necessidade de agregar valor ao que é produzido em Minas Gerais. “O que nós queremos é aproveitar a nossa produção, sejam os grãos, seja o minério para que ele seja melhor aproveitado aqui dentro e em mais etapas, fazendo um aproveitamento dessas matérias primas aqui. Vamos atuar em todos os setores”, disse ele.

Tecnologia de ponta

Além dos setores já tradicionais da economia mineira, Pimenta da Veiga quer trabalhar para atrair empresas da chamada Nova Economia, cujos produtos têm maior valor agregado e geram emprego de qualidade. São empresas dos setores de Tecnologia da Informação e Comunicação, do setor aeroespacial, farmacêutico e eletrônico. “Minas Gerais tem um grande ambiente para a Nova Tecnologia. Queremos criar todas as condições para que esses investimentos ocorram”, afirmou.

Nos últimos anos, várias empresas dessa área se instalaram em Minas Gerais, entre elas a Six Semicondutores, que deve iniciar a produção de semicondutores em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no ano que vem. Já operam no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, os centros de manutenção de aeronaves da Gol e da Azul/Trip.

Também escolheram Minas Gerais para expandir seus negócios grandes empresas da área farmacêutica, como a fábrica de capsulas para medicamentos ACG Worldwide, em Pouso Alegre; o Centre Suisse d’Electronique et de Microtechnique (CSEM Brasil), em Belo Horizonte, que realiza investimentos em pesquisa básica e aplicada nos campos das nano e microtecnologias, engenharia de sistemas, tecnologias de informação e telecomunicação e ainda a fábrida da Biomm em Nova Lima, que atua na área de biotecnologia e vai fabricar insulina.

Conheça as diretrizes do Programa de Pimenta da Veiga

Pimenta está percorrendo Minas, para ouvir as pessoas, sugestões e abriu um canal de participação para interagir com os mineiros.

Eleições 2014

Fonte: Site do candidato Pimenta da Veiga

Pimenta da Veiga está percorrendo cada canto de Minas para ouvir as pessoas e suas sugestões. E está abrindo um canal de participação via internet para que cada mineiro possa interagir com as suas propostas: o Ouvir Você.

Durante todo o mês de agosto, essas contribuições serão recebidas e avaliadas. E, em setembro, será lançado, oficialmente, o Plano de Governo.

A equipe de elaboração do Plano será coordenada pelo ex-ministro de Estado do Trabalho, ex-ministro do Planejamento e Orçamento no governo FHC e professor da Fundação Dom CabralPaulo Paiva, junto ao advogado e gestor público Thiago Bregunci e contará com uma rede de colaboradores e especialistas de áreas consideradas prioritárias, entre eles, professores, médicos, engenheiros e economistas.

Conheça abaixo os compromissos da nova gestão e as diretrizes do Plano de Governo.

COMPROMISSOS DA NOVA GESTÃO

O primeiro e principal compromisso do governo de Pimenta da Veiga em Minas Gerais será com os cidadãos. As ações do governo terão como objetivo principal promover o bem-estar das pessoas, que devem ser respeitadas e contempladas com políticas públicas que tornem nosso Estado uma terra de oportunidades.

O desenvolvimento almejado nos próximos anos possui três dimensões: crescimento econômico, inclusão social e sustentabilidadeMinas Gerais possui a terceira maior economia do país e precisa seguir progredindo, sempre com a preocupação de reduzir desigualdades para que mais pessoas participem dos avanços alcançados. Que o desenvolvimento gere oportunidades para todos os mineiros. A preocupação com o meio ambiente também é central, já que os recursos naturais abundantes precisam ser utilizados de maneira sustentável para que as futuras gerações também possam desfrutar dos mesmos.

Os verdadeiros propulsores para esse desenvolvimento são a Educação e a Infraestrutura. Depois dos importantes avanços educacionais nas administrações do PSDB em Minas Gerais, nos últimos anos, a educação será um dos pilares do próximo governo. Somente com um ensino de qualidade, poderemos dar às nossas crianças dignidade e chances para desenvolverem seus talentos.

Outro propulsor será a melhoria da infraestrutura. O Governo Estadual focará suas ações no aperfeiçoamento do sistema de logística, com apoio à mobilidade urbana. Tanto nas cidades quanto nas estradas, os cidadãos devem se deslocar em vias de qualidade. Com melhor infraestrutura, a economia mineira ficará mais competitiva e mais empregos serão criados.

O modelo de boa governança fortalecerá as políticas sociais, buscando integrar as ações com foco, por exemplo, na qualidade do atendimento à saúde e eficiência na segurança pública, duas áreas fundamentais para os cidadãos.

Os desafios são muitos e os avanços necessários. Pimenta da Veiga promete não poupar esforços para oferecer aos mineiros uma gestão transparente, responsável e ética, princípios que sempre o acompanharam em sua extensa vida pública.

DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO

Minas Gerais precisa avançar ainda mais. O principal desafio do desenvolvimento do Estado é a redução das suas desigualdades: diminuir o hiato entre o tamanho da economia (3ª no Brasil) e a distribuição dos frutos de sua riqueza (9ª no índice de IDH no Brasil), promover o desenvolvimento com inclusão, estimular o bem-estar da população e garanti-lo às gerações futuras.

A busca do desenvolvimento inclusivo e sustentável é a diretriz que norteará o programa do governo Pimenta da Veiga. Crescimento econômico com inclusão social e equilíbrio ambiental.

O programa de governo de Pimenta da Veiga, nos próximos quatro anos, será ancorado em um plano estratégico de longo prazo, o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado, e nos compromissos com o desenvolvimento inclusivo e sustentável, visando aumentar a eficiência da economia e a redução das desigualdades. Estará alicerçado nos compromissos com a democracia e na consolidação da cidadania, ampliando os canais de diálogo com a sociedade e fortalecendo as instituições constituídas.

As políticas, os programas e projetos dos quatro anos de governo estarão alinhados com essa visão de longo prazo: um Estado próspero e justo; um Estado onde as oportunidades estejam disponíveis igualmente para todos seus cidadãos; um Estado onde crescimento econômico, inclusão social e preservação ambiental andem juntos. Estes serão construídos com processos de participação eficiente e efetiva, especialmente com uso de novas tecnologias de informação e comunicação.

As riquezas de Minas Gerais estão em seus infindáveis recursos naturais, em uma estrutura produtiva robusta e no enorme potencial de seus recursos humanos. Alavancar essas riquezas, tarefa fundamental do Estado, eleva o bem-estar de todas as pessoas.

O governo Pimenta da Veiga se compromete e irá executar políticas públicas visando dotar a população mineira de crescente capital humano, condição necessária para a redução da pobreza e das desigualdades e para o aumento da produtividade e da competitividade, isto é, do crescimento econômico.

A educação será o principal pilar da política de desenvolvimento inclusivo e sustentável do governo. Marca de sucesso na administração do PSDB nos últimos 12 anos, a orientação será melhorar ainda mais a qualidade do ensino, refletida nos indicadores de proficiência dos alunos, ampliar a inclusão das crianças na pré-escola, em parceria com os municípios, e desenvolver um abrangente programa de educação profissional em parceria com outros agentes. Atenção muito especial será dada à qualidade das escolas públicas localizadas em áreas de grande vulnerabilidade social e à expansão das escolas em tempo integral.

Alinhados com a educação, serão estimulados o progresso tecnológico e a inovação.

Inovação e eficiência serão as marcas das políticas públicas na educação.

Infraestrutura será o outro pilar da política de desenvolvimento inclusivo e sustentável.

Governo Estadual focará suas ações referentes a infraestrutura na melhoria do sistema de logística e no apoio à melhoria da mobilidade urbana. No sistema rodoviário estadual, as gestões do PSDB fizeram avanços extraordinários com a execução do Programa ProAcesso, que garantiu a ligação, por rodovia pavimentada, de todos os municípios mineiros. O desafio agora será pavimentar os trechos que conectam os eixos relevantes da malha rodoviária do Estado.

Será dada prioridade à construção de anéis rodoviários nas principais cidades do Estado, visando retirar das vias urbanas o tráfego intermunicipal, aumentando vigorosamente a segurança no tráfego e reduzindo o tempo de deslocamento urbano e rodoviário no Estado. Será consolidado o projeto que transforma o aeroporto internacional Tancredo Neves, em Confins, em um polo de desenvolvimento regional no Estado. Para além dos pilares citados anteriormente, terão destaque outras prioridades.

Na área da saúde, o Governo Estadual terá papel preponderante na coordenação das ações do SUS e sua política de saúde dará importância às ações de prevenção e de expansão das redes materno-infantil, de hipertensão e diabetes, de atenção ao idoso e de urgência e emergência.

Qualidade no atendimento ao usuário do SUS será a marca das políticas públicas na saúde.

Com o objetivo de dar tranquilidade à população e de desenvolver um ambiente próspero aos cidadãos mineiros, estará entre as prioridades a segurança pública. Com maior investimento em inteligência e integração das atividades policiais e expansão das políticas de prevenção, o governo irá reduzir os índices de criminalidade e ampliar a sensação de segurança nas cidades mineiras.

O desenvolvimento inclusivo e sustentável buscará o equilíbrio entre suas dimensões econômica, social e ambiental. Ênfase será dada à incorporação de novas tecnologias e de inovação, tanto para aprofundar a verticalização da indústria e do agronegócio, agregando valor aos seus produtos, quanto para aumentar a produtividade das atividades dos setores de serviços.

O empreendedorismo será estimulado, bem como serão apoiadas as micro e pequenas empresas, principal fonte de emprego e acesso à renda no Estado, tendo como referência a nova economia.

Na área de meio ambiente, será dada atenção especial a programas de eficiência energética e uso da água, ampliação do saneamento das bacias hidrográficas estaduais e de conservação dos parques estaduais.

Na área da cultura, serão desenvolvidas políticas de preservação do patrimônio cultural deMinas Gerais, ações de fomento à economia criativa, especialmente ligada à gastronomia e à música, além de incentivos às iniciativas culturais no interior do Estado.

As políticas de enfrentamento das vulnerabilidades sociais e garantia das liberdades individuais estarão sempre buscando um alinhamento com programas e ações nos âmbitos Federal e Municipal. Tornar eficaz o papel do Governo Estadual na rede de proteção social será a estratégia para assegurar a dignidade dos cidadãos mineiros.

Em síntese, apoiado no seu compromisso fundamental com as pessoas, Pimenta da Veigapretende aproximar o governo dos cidadãos e contribuir para a prosperidade e a equidade em Minas Gerais, transformando-a em uma terra de oportunidades permanentes para todos os mineiros.

Gestão em Minas: Aeroporto Internacional Tancredo Neves mais próximo de um novo terminal

Comissão de Licitação anuncia nome de consórcio que irá elaborar os projetos básico e executivo do Terminal 2

Lúcia Sebe/Imprensa MG
Prazo de conclusão para o projeto executivo do novo terminal do Aeroporto de Confins é de 19 meses
Prazo de conclusão para o projeto executivo do novo terminal do Aeroporto de Confins é de 19 meses

A Comissão Especial de Licitação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) anunciou, na tarde desta sexta-feira (2), o Consórcio Concremat/Themag como vencedor da licitação internacional para elaboração do projeto básico/executivo do Terminal 2 de Passageiros do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (AITN), em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

 

A execução do projeto no valor de R$ 10.467.575,14 será acompanhada pelo Governo de Minas e pela Infraero. O consórcio vencedor deverá elaborar: os projetos de engenharia, tanto nas etapas de serviços quanto na fase de estudos preliminares; os planejamentos básicos e executivos; os serviços complementares para a construção do segundo terminal de passageiros; o sistema viário de acessos ao AITN; e as demais obras que se fizerem necessárias durante a execução do empreendimento.

O consórcio Concremat/Themag deverá iniciar o projeto nos próximos dias. O prazo de conclusão para o projeto executivo é de 19 meses, enquanto o projeto básico deverá estar pronto ainda este ano, o que já possibilitará a licitação das obras a cargo da Infraero. Os trabalhos deverão ser iniciados assim que for concluída a contratação do consórcio Concremat/Themag.

Concepção e Design

A concepção e design desse novo terminal foram desenvolvidos pela consultoria Changi International Airports Consultants, de Cingapura, e integra o masterplan elaborado em 2009 para os próximos 30 anos, já aprovado pela Infraero. Reconhecida como uma das mais experientes no desenvolvimento de complexos aeroportuários, a Changi foi responsável por projetos e gestão de aeroportos no Oriente Médio, na Itália, Rússia, China e vários outros países.

A licitação internacional é resultado de um acordo de cooperação técnica entre o Governo de Minas e a Infraero e não elimina a iniciativa de construção do terminal remoto, que irá suportar o expressivo aumento de demanda prevista para os próximos quatro anos.

Atualmente, o AITN é o segundo maior aeroporto do país, entre os dez maiores em crescimento. O terminal 1, com capacidade instalada para 5 milhões de passageiros/ano e projeto de expansão em curso, movimentou, em 2011, 9,5 milhões de passageiros. “Todo o esforço do governo estadual neste campo está voltado para transformar o AITN não no maior, mas no melhor aeroporto internacional do Brasil. Não temos porto, mas precisamos consolidar no Estado, por via aérea, o melhor portão de entrada para o exterior, com altíssima conectividade com as malhas aéreas nacional e regional. O futuro vai dizer do acerto dessa determinação e acreditamos que a população do Estado tem esta percepção”, afirma o subsecretário de Investimentos Estratégicos da Sede, Luiz Antônio Athayde Vasconcelos.

Segundo ele, o Governo de Minas Gerais vem investindo em estudos e projetos de altíssima complexidade há mais de oito anos. “Todos sabemos que, se tivéssemos iniciado esses trabalhos ainda em 2009, não seria necessário terminal remoto e estaríamos muito à frente com os terminais 1 e 2 já integrados, mas não podemos perder um minuto sequer. As projeções indicam que deveremos atingir, daqui a oito anos, em 2020, um total de 20 milhões/ano e este já será o 4º maior do Brasil. Por ocasião da copa do mundo, o tráfego já terá atingido 13,2 milhões de passageiros/ano”, reitera.

O principal objetivo do Governo de Minas Gerais, segundo ele, é a criação maciça de empregos de qualidade e, para atingir essa meta, o AITN é considerado uma ferramenta fundamental para fomentar a diversificação da economia mineira. Além disso, o aeroporto marcará o cenário brasileiro como o primeiro a operar dentro do conceito funcional de aeroporto cidade, o que permitirá a implementação da primeira Aerotrópolis da América do Sul.

Este planejamento foi iniciado em 2005, com a transferência de voos do Aeroporto da Pampulha e já resultou na atração de diversos investimentos como a GOL, Embraer, o Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial (CTCA), a Cidade Administrativa, entre outros projetos que se delineiam no Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte e entorno, e que vêm provocando uma nova dinâmica econômica em mais de uma dezena de municípios.

“O AITN será a grande alavanca para se gerar 400 mil novos empregos em território mineiro nas próximas duas décadas em setores presentes na nova economia, cuja dinâmica econômica se irradiará para mais 20 cidades-polo no interior do Estado. Não se pode perder o pulso no que, de fato, tem esse extraordinário efeito transformador”, conclui Athayde.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: fluxo de passageiros em Minas cresce mais que Rio e São Paulo

 

Somente os desembarques no Aeroporto Internacional Tancredo Neves cresceram 39,5%, se comparados os anos de 2010 e 2011.

Veja aqui a íntegra da matéria no site Mercado e Eventos.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Minas Gerais foi o Estado da região Sudeste que mais cresceu no fluxo total de passageiros

BELO HORIZONTE (23/01/12) – Minas Gerais foi o Estado da região Sudeste que mais cresceu no fluxo total de passageiros no último ano em relação a 2010 (27,1%), ultrapassando a média de fluxo de crescimento do país (15,5%) para o mesmo período, segundo a Infraero.  Em segundo lugar, está o Rio de Janeiro com 16,2%, seguido de São Paulo, com 13,8%. Somente os desembarques no Aeroporto Internacional Tancredo Neves (AITN) cresceram 39,5%, se comparados os anos de 2010 e 2011.

O secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, comemora o resultado e atribui o sucesso dos números às políticas públicas implementadas no setor turístico. “A posição que Minas Gerais ocupa hoje reafirma a assertividade do Governo de Minas no trabalho de planejamento e captação de novos voos para o Estado, por meio do Programa Decola Minas”.

Ainda segundo dados da Infraero, em relação aos desembarques internacionais em aeroportos de Minas Gerais, o Estado cresceu quase três vezes mais que a média nacional (13,7%), atingindo 38%. Nos desembarques nacionais, o aumento chegou a 26,7%, superior ao crescimento do país (15,7%).

Decola Minas

O Programa Decola Minas, criado em 2008 pelo Governo do Estado, tem o objetivo de aumentar a oferta de voos partindo de Minas Gerais com destino aos principais centros emissores de turistas nacionais e internacionais. Desde 2008, foram implantados voos partindo de Belo Horizonte para Lisboa (TAP Portugal), Panamá (Copa Airlines), Miami (American Airlines e TAM Linhas Aéreas) e Montevidéu (Pluna Linhas Aéreas).

Fonte: Agência Minas

Operação combate transporte clandestino no entorno do Aeroporto Internacional Tancredo Neves

Motoristas e usuários de transporte clandestino foram surpreendidos, nessa terça-feira (21), por uma operação conjunta que reuniu fiscais do Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG), e agentes das polícias Civil e Militar Rodoviária, no entorno do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

A operação para coibir o transporte irregular de passageiros durou o dia todo e resultou na apreensão de 20 veículos, levados para depósitos públicos, e na geração de quase uma centena de autos de infração.

Entre os flagrados estavam 15 veículos de passeios que fazem transporte de passageiros sem autorização, os chamados “piolhos”. A ação foi conduzida por cerca de 50 profissionais divididos em três equipes e posicionados em locais estratégicos no entorno do aeroporto.

O diretor de Fiscalização do DER/MG, João Afonso Baeta Costa Machado, alerta que a população precisa estar consciente dos perigos que envolvem a utilização do transporte pirata.  “Muitas vezes, o barato pode sair mais caro. As estatísticas comprovam: os acidentes envolvendo os veículos clandestinos – vans, carros e ônibus – matam cinco vezes mais que os do sistema regular”.

João Baeta esclarece que o transporte regular é submetido a constantes inspeções e vistorias, levando em conta todos os quesitos indispensáveis para se garantir a qualidade e o transporte seguro para os passageiros. “Não podemos compactuar com aqueles que insistem em colocar diariamente em risco a vida de milhares de pessoas, por isso iremos intensificar as ações nesse sentido”, acrescenta.

De acordo com o tenente da Polícia Militar, Geraldo Donizete, comandante da operação, o risco de pegar um transporte clandestino pode custar a vida. “Estamos nesta operação conjunta com o DER e a Polícia Civil no sentido de combater o problema sério do transporte irregular de passageiros. Desta forma estamos resguardando a segurança do usuário”, completa.

A abordagem dos chamados “piolhos”, geralmente, acontece próximo ao desembarque dos passageiros. Ali, eles tentam aliciar o cliente com a atratividade de preços mais baixos, e muitos passageiros alimentam esse sistema clandestino, com a justificativa do preço, mas sem nenhuma garantia.

Para coibir esse tipo de ação, a Infraero está fornecendo às equipes de fiscalização dados extraídos das câmeras de vigilância eletrônica existentes no aeroporto com o objetivo de facilitar a identificação dos aliciadores.

Os veículos abordados nas blitze estão sujeitos a autuações previstas no Código de Trânsito Brasileiro e na Lei 19.455, que podem resultar multas no valor em torno de R$ 1.090,00, e se houver reincidência, o valor dobra

Falta competência: Infraero não faz estudo de impacto ambiental e juiz acata pedido de suspensão da licitação das reformas de Cofins

Reforma de Confins é suspensa outra vez

Fonte: Daniel Camargos e Geórgea Choucair  – Estado de Minas

AVIAÇÃO
Justiça acolhe pedido do Ministério Público e barra obras de expansão do aeroporto até que Infraero faça estudos ambientais. TCU já havia paralisado licitação por sobrepreço

Mais uma barreira para as obras do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, já saturado e que, segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), não terá as reformas necessárias a tempo da Copa do Mundo de 2014. O juiz da 19ª Vara do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, Guilherme Mendonça Doehler, acatou pedido de liminar do Ministério Público Federal (MPF) e suspendeu duas licitações. A principal é a que prevê a reforma e ampliação do terminal 1 de passageiros. A outra diz respeito à contratação de um projeto para ampliação da pista de pouso e decolagem. A procuradora Zani Cajueiro, autora da ação, acusa a falta de estudo dos impactos ambientais das obras, pois o aeroporto está localizado na Área de Proteção Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa.

De acordo com a sentença, as duas obras não acontecerão em Confins até que sejam realizados os estudos de impacto ambiental que assegurem a viabilidade técnica do empreendimento, com a obtenção da regularização ambiental para a execução da reforma. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informou que não foi notificada e que só se pronunciará após tomar conhecimento do teor da decisão do juiz. Já a Advocacia-Geral da União (AGU) foi notificada, mas só se manifestará após analisar a sentença.

O juiz Guilherme Mendonça Doehler considerou que “não é possível, quando dado início ao processo de contratação e realização das obras, providenciar a realização de estudos de impacto ambiental”. Ainda segundo o juiz “a empresa pública (Infraero) inverteu deliberadamente a ordem lógica dos acontecimentos”. Na sentença, o magistrado afirma que nada justifica o “atropelo de normas direcionadas ao resguardo do meio ambiente, editadas em conformidade com o texto constitucional”. O juiz considerou que a urgência da obra não é desculpa para as falhas: “Nem Olimpíadas, nem Copa do Mundo, nem qualquer outro evento vultoso, ainda que sua realização se traduza em proveitos econômicos, desenvolvimento, aporte de riquezas no país”. Para o magistrado, “esses eventos passarão; o meio ambiente ecologicamente equilibrado necessariamente deve permanecer”.

O MPF sustenta que os impactos ambientais devem ser avaliados antes do desenvolvimento do projeto básico de engenharia, já que eles representam custos para as obras a serem licitadas, lembrando que o próprio Tribunal de Contas da União (TCU) reconhece como indício de irregularidade grave, que pode resultar inclusive na suspensão do repasse dos recursos federais, a contratação de obras mediante projeto básico elaborado sem a existência de licença ambiental prévia. A APA Carste de Lagoa Santa tem enorme quantidade de pinturas rupestres, grutas e sítios arqueológicos, além de espécies de invertebrados endêmicos – que só existem ali – ameaçados de extinção.

HISTÓRICO DE PROBLEMAS O TCU também já havia suspendido a licitação da ampliação do terminal 1, quando detectou sobrepreço de R$ 45,98 milhões. Inicialmente a abertura dos envelopes ocorreria em 21 de fevereiro, mas com a necessidade de corrigir as falhas foi remarcada a data para 26 de abril, na terça-feira após a semana santa. Com a suspensão, o prazo para a conclusão da reforma e expansão do aeroporto até a Copa do Mundo de 2014 fica mais apertado.

De acordo com estudo do Ipea, divulgado na quinta-feira, Confins e mais oito dos 13 aeroportos em funcionamento nas 12 cidades que vão sediar os jogos de futebol deverão ser concluídas apenas em 2017. O aeroporto de Confins é o segundo em situação mais crítica. A previsão é que o movimento no aeroporto chegue a 10,6 milhões de passageiros em 2014, sendo que a capacidade prevista para o terminal é de 8,5 milhões de pessoas, uma relação de 125,1% entre o movimento e a capacidade.

ENTENDA O CASO
>> A publicação do edital de modernização e ampliação do terminal 1 do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, previsto para sair em 29 de dezembro, foi adiada. Infraero não definiu nova data

>> Em 6 de janeiro a Infraero publicou o edital de reforma do aeroporto, com obras orçadas em R$ 295 milhões

>> A abertura dos envelopes com empresas interessadas no edital é marcada para o 21 de fevereiro

>> Em 9 de fevereiro o Tribunal de Contas da União (TCU) suspende a licitação das obras por avaliar que o edital apresentava sobrepreço de R$ 45,98 milhões, entre outras irregularidades

>> A Infraero se compromete a fazer adaptações no edital, conforme exigências do TCU. A abertura dos envelopes com empresas interessadas é adiada

>> Em 16 de fevereiro O TCU acata as correções da Infraero e libera a empresa para republicar o edital

>> Em 21 de março a Infraero publica no Diário Oficial da União o novo edital para as obras do terminal 1, orçado em R$ 237,8 milhões. A abertura dos envelopes fica marcada para 26 de abril

>> Em 22 de março o Ministério Público Federal recorre à Justiça Federal e pede a suspensão da licitação da reforma do aeroporto. Segundo o Ministério, não foi feito estudo de licenciamento ambiental para a obra.

>> Em 14 de abril, o Ipea divulga estudo mostrando que as obras de Confins só serão concluídas após aCopa do Mundo e que, mesmo com elas, o aeroporto serão o segundo mais saturado do país.

>> O Juiz do Tribunal Regional Federal acata o pedido de liminar para suspensão das licitações das obras, que prevêem a ampliação da área de movimentação das aeronaves e areforma e modernização do terminal 1 de passageiros.

Governo Anastasia realiza seminário sobre mobilidade urbana

A mobilidade urbana na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) começou a ser discutida, nesta terça-feira (8), em Seminário Internacional promovido peloGoverno de Minas, com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O objetivo do evento, que termina nesta quarta-feira (9), é promover um espaço de discussão sobre soluções de mobilidade urbana visando ao desenvolvimento socioeconômico da região, por meio da troca de experiências de gestores públicos e especialistas nacionais e internacionais.

No encontro, que será dividido em seis painéis de discussões, serão apresentadas experiências e boas práticas brasileiras e estrangeiras de mobilidade, focando em três eixos de articulação, essenciais para a melhoria da mobilidade urbana das metrópoles: arranjo institucional e financiamento; circulação e planejamento urbano e soluções em transporte de massa.

O público alvo do seminário são os técnicos da área de mobilidade, pesquisadores, acadêmicos, gestores públicos, empreendedores e executivos da área e representantes da sociedade civil ligados ao assunto.

“Promovendo um seminário desta importância, fica clara a preocupação do Governo de Minas com os usuários do transporte urbano, que é um gargalo que aflige não só o Brasil, mas todo o mundo. No caso específico da RMBH, ela exige a mais alta dedicação de inteligências, em função da complexidade e das características do transporte de massa local que precisa, portanto, de soluções inovadoras e viáveis”, avaliou o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles.

O secretário de Estado Extraordinário de Gestão Metropolitana, Alexandre Silveira, informou que o seminário é a concretização da intenção do Governo de Minas Gerais para o avanço da mobilidade urbana da Região Metropolitana de Belo Horizonte, da trafegabilidade com sustentabilidade e da preocupação com o cidadão.

Transporte na RMBH

Atualmente o transporte na RMBH, composta por 34 municípios, é gerido por 13 agências municipais, duas estaduais e uma da esfera federal. O transporte intermunicipal é de responsabilidade da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), que faz o planejamento operacional da rede de ônibus, e do Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG), responsável pela fiscalização. A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), através de uma superintendência regional gere o trem metropolitano de Belo Horizonte. O transporte municipal em 13 cidades é gerido pelos próprios municípios, e nos demais o DER/MG também opera o sistema municipal.

O Governo de Minas e a Prefeitura de Belo Horizonte vêm fazendo gestões junto ao governo federal para que algumas necessidades da capital, relacionadas ao transporte de massa e à circulação, entrem na pauta de importantes discussões.

Investimentos

Desde 2003, o Governo de Minas investiu cerca de R$ 3,8 bilhões em transportes e obras públicas, nos 34 municípios da RMBH. Foram realizadas, além das obras de duplicação de vias, construção de viadutos e passarelas, também a construção de escolas, creches, hospitais e outros.

Linha Verde

Foram investidos, por meio do Governo de Minas, cerca de R$ 483 milhões nas obras da Linha Verde, que incluiu a implantação do Boulevard Arrudas, na área central de Belo Horizonte, intervenções ao longo da avenida Cristiano Machado e duplicação do trecho da MG-010, entre a avenida Pedro I e o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins. Foram construídos 20 viadutos, 22 passarelas e duas trincheiras e travessias para pedestres. Foi realizada pintura anti-pichação e recuperação funcional da pista. Outras quatro passarelas serão construídas na Cristiano Machado.

Para a prolongação do Boulevard Arrudas, o Governo de Minas fez a recuperação do fundo do canal do ribeirão Arrudas, no trecho da avenida dos Andradas entre a alameda Ezequiel Dias e a rua Levi Coelho, próximo ao Centro de  Especialidades Médicas. Essa intervenção antecede o prolongamento do Boulevard Arrudas, que já tem projeto realizado (estimativa de investimentos de R$ 50 milhões). O projeto prevê a cobertura do ribeirão Arrudas, num trajeto de aproximadamente um quilômetro, entre a alameda Ezequiel Dias e a rua Levi Coelho e no sentido contrário, entre a rua Rio de Janeiro e a Carijós, cujo trajeto tem 1,2 quilômetro.

Antônio Carlos

O Governo de Minas realizou investimentos de cerca de R$ 190 milhões na obra de duplicação da avenida Antônio Carlos, realizada em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte que investiu cerca de R$ 62 milhões. A intervenção fez com que a via tivesse sua capacidade de tráfego dobrada, incluindo pistas exclusivas para ônibus e a construção de sete viadutos e seis passarelas acopladas. Foram implantadas duas pistas com quatro faixas de tráfego e duas pistas exclusivas para ônibus. No momento está em obras o viaduto que fará a ligação da avenida com o hipercentro da cidade, que integrou posteriormente o escopo do projeto.

ProMG

Com relação à melhoria das rodovias estaduais na RMBH, o Governo de Minas, por meio do Programa de Recuperação e Manutenção Rodoviária do Estado de Minas Gerais (ProMG), destinou R$ 51,5 milhões para recuperação, manutenção e conservação, por um período de quatro anos, de 347,1 km de vias da Coordenadoria Regional de Belo Horizonte, que contempla os municípios da RMBH, por meio de contrato entre o DER/MG e empreiteira vencedora da licitação.

PAC Arrudas

Em parceria com o governo federal e as prefeituras de Belo Horizonte e Contagem, o Governo de Minas está investindo cerca de R$ 32,2 milhões na requalificação urbana e ambiental do ribeirão Arrudas. Atualmente o investimento total soma R$ 208 milhões, sendo 75% de repasse da União, 12,5% do Governo do Estado, 6,25% da Prefeitura de Contagem e 6,25% Prefeitura de Belo Horizonte.

Entre as intervenções estão a construção de 672 apartamentos de dois e três quartos para reassentamento de famílias que ocupam área de risco; remoção de outras 124 famílias para habitações já existentes, dentro dos critérios do Programa Reassentamento Monitorado (Remo) da Prefeitura de Contagem; canalização de dois trechos do ribeirão Arrudas, bem como a extensão da avenida Tereza Cristina em 2,7 quilômetros, com impacto positivo no trânsito e no transporte na região; melhoria nas condições de saneamento e para a saúde da população. Serão beneficiadas diretamente cerca de 300 mil pessoas e outras 600 mil que moram no Vetor Oeste da RMBH serão beneficiadas indiretamente.

Proacesso

Taquaraçu de Minas era o único dos 34 municípios da RMBH que, em 2003, não contava com rodovia asfaltada até o seu perímetro urbano. Com investimentos de cerca de R$ 3,21 milhões, foram asfaltados os 9,3 quilômetros da rodovia que ligava a sede do município à BR-381, de um total de 13,1 km.

MG-020

As obras de duplicação na MG-020, entre Belo Horizonte e Santa Luzia, com 6 km de extensão, tiveram investimento de cerca de R$ 34 milhões. Também foi realizada a desapropriação necessária, ponte sobre o córrego Isidoro, obras de contenção e construção de passarela.

Reestruturação do Sistema de Transporte Metropolitano

Um novo modelo do Sistema de Transporte Metropolitano entrou em operação em 2008, quando a Setop transformou o atendimento das linhas da RMBH em sete redes integradas de transportes, RITs. A frota foi numerada com quatro algarismos, não existindo mais as letras anteriormente utilizadas no final de cada série. O critério utilizado, para definir a sequencia numérica, foi criado de acordo com o número do consórcio vencedor da licitação em que a linha irá atender. Dentre os diversos benefícios para os usuários destaca-se a renovação da frota, nova pintura externa que facilita a identificação, bilhetagem eletrônica (Cartão ÒTIMO), integração ônibus-ônibus e ônibus-metrô e o próximo passo será a construção de terminais metropolitanos que farão a integração dos ônibus.

 

Antonio Anastasia criará Zona de Desenvolvimento Regional no Vetor Norte de BH

Antonio Anastasia criará uma Zona de Desenvolvimento Regional no Vetor Norte de Belo Horizonte

Fonte: Coligação “Somos Minas Gerais”

Na Região Metropolitana, Cidade Administrativa e Aeroporto Internacional Tancredo Neves funcionarão como âncoras do desenvolvimento

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, destacou, nesta segunda-feira (13/09), que o Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte será incluído na proposta do Plano de Governo para os próximos quatro anos, que preveem a criação de zonas de desenvolvimento regional. O objetivo é incentivar a instalação de empresas que atuem nos segmentos das vocações econômicas específicas da região. Para estas empresas serão criados programas de incentivos fiscais e oferta de linhas de crédito do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), para gerar empregos de qualidade.

A região já conta com duas âncoras para este desenvolvimento, a Cidade Administrativa do Governo do Estado e o Aeroporto Internacional de Confins. Nesta área, o grande objetivo é consolidar também o desenvolvimento do polo aeronáutico.

“Sabemos o que foi já feito nessa Região Metropolitana, em termos de investimentos, da valorização com forte geração de empregos. Vamos atrair para cá mais empresas e vamos criar aqui uma zona de desenvolvimento regional, para termos empregos de qualidade com incentivos tributários e de crédito”, afirmou Antonio Anastasia.

Ao lado dos candidatos ao Senado Federal, Aécio Neves e Itamar Franco, e do candidato a vice, deputado Alberto Pinto Coelho, Antonio Anastasia percorreu nesta segunda-feira quatro municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH): Santa Luzia, Lagoa Santa, Vespasiano e Pedro Leopoldo. Entre 2003 e 2010, a RMBH recebeu um total de R$ 38 bilhões em investimentos públicos e privados, que geraram mais de 88 mil empregos em 669 projetos.

Antonio Anastasia destacou também que a transferência da sede administrativa do Governo do Estado para o Vetor Norte integrou a região ao processo de desenvolvimento da RMBH. A Cidade Administrativa foi inaugurada em março. Até o final de 2010, 16 mil servidores estarão trabalhando no complexo de prédios localizado no bairro Serra Verde.

“O Governo de Minas mudou a sede administrativa do governo para perto de Vespasiano. Quando trouxemos a Cidade Administrativa para cá o propósito foi trazer o desenvolvimento para eixo Norte da Região Metropolitana. Hoje, Vespasiano, Santa Luzia, Confins, Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Matozinhos, todas elas, estão agregadas em um grande desenvolvimento”, afirmou o governador, em Vespasiano.

Polo Aeronáutico
Em Lagoa Santa, o governador Antonio Anastasia também anunciou que quer transformar a cidade no centro de um grande Polo Aeronáutico, em parceria com o Ministério da Defesa. O objetivo é estimular a qualificação de mão-de-obra para atuar na área da aviação. O estímulo à instalação de empresas no entorno do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, também será fundamental para transformá-lo no primeiro aeroporto indústria do País.

O objetivo é atrair a instalação de empresas, com a oferta de um tratamento tributário diferenciado, com suspensão de impostos federais e estaduais, tanto para a importação de componentes como para a exportação de produtos acabados de alto valor agregado. A diferenciação tornará as empresas mineiras mais competitivas no mercado internacional. O aeroporto indústria foi credenciado pela Receita Federal em 2005.

“Lagoa Santa é uma cidade fundamental no nosso projeto de desenvolvimento do Vetor Norte da Região Metropolitana. Estamos empenhados em ter um polo aeronáutico em combinação com o Ministério da Defesa. Essa questão do aeroporto indústria vai favorecer toda a Região Metropolitana, no Vetor Norte, e Lagoa Santa em especial. Temos parcerias importantes com a prefeitura, de infraestrutura, mas também de atração de empregos. As faculdades que estão vindo para cá permitirão que Lagoa Santa se transforme em uma das cidades com maiores IDH de nosso Estado”, disse Antonio Anastasia.
O polo aeronáutico trabalhará em conjunto, também, com a Força Aérea Brasileira, que está implantando as novas instalações do Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR) em Lagoa Santa, que atualmente opera na Pampulha. O novo CIAAR será instalado em área 500 mil metros quadrados, de propriedade da Força Aérea Brasileira (FAB), junto ao Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa.

O polo contará também com a participação efetiva de entidades de ensino técnico e superior, entre eles a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que a partir de 2009 vai oferecer o curso de engenharia aeroespacial; a Fumec, que tem o curso de graduação em ciências aeronáutica; e a Universidade de Uberaba (Uniube), também com o curso de graduação em ciências aeronáutica.  Da mesma forma, as escolas técnicas profissionalizantes ligadas ao Sistema Fiemg, terão papel relevante no esforço de treinamento de novos tecnólogos.

“A proposta é termos aqui cursos de qualificação para permitirmos que, cada vez mais, dentro do programa Minas Logística, o Aeroporto Internacional Tancredo Neves seja uma referência internacional em termos de estrutura. E aí vamos ter aqui a possibilidade de ter oficinas de manutenção, como também sede de companhias”, disse o governador.

Nos últimos oito anos, o Governo do Estado procurou investir na consolidação do Aeroporto Internacional Tancredo Neves que, a partir de 2005, passou a concentrar mais de 130 vôos nacionais, que até então eram operados no Aeroporto da Pampulha. Após a transferência, este passou a ser o aeroporto que mais cresce no País em termos de movimentação de passageiros.

O Governo do Estado já elaborou o Plano Estratégico que prevê uma série de investimentos destinados a sustentar o aumento do fluxo de passageiros previsto com a proximidade da Copa do Mundo de 2014. Grandes empresas de aviação já anunciaram investimentos para a ampliação da estrutura no Aeroporto Internacional de Confins, como a Gol Linhas Aéreas, que inaugurou em março deste ano a duplicação do Centro de Manutenção no Terminal de Cargas do Aeroporto, que passou a ter capacidade para o atendimento a 120 aeronaves por ano.

População entusiasmada
Antonio Anastasia foi recebido com muito entusiasmo pela população e por lideranças políticas de Santa Luzia, Lagoa Santa, Vespasiano e Pedro Leopoldo. Em Santa Luzia, 150 pessoas receberam os candidatos no campo do Grêmio no bairro Cristina. De lá, seguiram em carreta para o bairro São Benedito, onde fizeram caminhada com eleitores na avenida Brasília. No bairro São João Batista, cerca de 400 pessoas fizeram caminhada ao lado dos candidatos na rua do Comércio.

O vice-prefeito de Santa Luzia, Aguinaldo Campos da Costa (PSDB), destacou que o Governo Aécio/Anastasia deu atenção especial a Região Metropolitana de Belo Horizonte.

“É importante a reeleição do governador Antonio Anastasia, devido ao tratamento que ele tem dado ao Estado e à Região Metropolitana. Nossa cidade contou com vários benefícios com o Pro-Hosp, cujo investimento no Hospital São João de Deus foi mais de R$ 3 milhões”, afirmou.

Em Santa Luzia, Antonio Anastasia tem o apoio de 10 dos 13 vereadores da cidade. O vereador Sérgio Diniz Ticaca (PTN) afirmou que a reeleição do governador é importante para dar continuidade ao governo iniciado por Aécio Neves.

“É muito importante para a cidade de Santa Luzia que aja a continuidade do governo Aécio neves, que fez ótimo trabalho em Minas. Isso tem que continuar com o professor Antonio Anastasia. Várias obras beneficiaram nossa cidade, como o alargamento da Avenida das Indústrias”.

O taxista Romário Teodoro disse que fez uma opção consciente pelo voto em Anastasia. “Para continuar tudo que ele já fez de bom, junto com o Aécio. As obras, as ruas asfaltadas, a linha verde. Estou na praça há 20 anos, e eles foram os melhores.”

O eletricista Luiz Cláudio Alebral deu depoimento: “O Anastasia tem as palavras seguras. É um homem sério. Fez um bom trabalho com o Aécio. Tem que continuar no governo”.

Em Lagoa Santa, Anastasia, Aécio e Itamar, ao lado do candidato a vice-governador Alberto Pinto Coelho e do ex-ministro e ex-embaixador de Cuba, Tilden Santiago, segundo suplente de Aécio Neves na chapa ao Senado Federal, fizeram caminhada pelas ruas do Centro da cidade e foram recebidos com chuva de papel.

O prefeito de Lagoa Santa, Rogério Avelar (PPS), afirmou que Anastasia é o candidato mais preparado para governar Minas Gerais. Ele destacou os investimentos realizados no aeroporto Tancredo Neves, a Linha Verde, a Cidade Administrativa e o polo de microeletrônica.

“Anastasia é o nome mais preparado para conduzir os rumos de Minas. Aécio e Anastasia significam uma mudança do rumo da administração pública, referência hoje em todo o país e até internacional. Temos que continuar com o que está dando certo. O eleitor, não só de Lagoa Santa, mas de toda a região norte de Belo Horizonte, está sensibilizado com a dinâmica do que representou Aécio e Anastasia e, com certeza, vai responder nas urnas, por todas as benfeitorias e melhorias da região”, disse.

Em Vespasiano, Anastasia, Aécio e Itamar foram recebidos com festa. Eles desceram de helicóptero no campo do Vespasiano Esporte Clube e de lá seguiram em carreata até o Centro da cidade. Os candidatos passaram pela avenida  Prefeito Sebastião  Fernandes e desembarcaram logo em seguida na Praça JK. Itamar e Anastasia deram início a uma caminhada na praça, um centro comercial da cidade. Pararam para muitas fotos, cumprimentaram vários eleitores e comerciantes  e saborearam picolé de limão pelo caminho.

“Vou votar em Anastasia pela competência . Ele tem a experiência de ter trabalhado com o melhor governador, que é o Aécio. Ele foi o braço direito.  Não vou deixar de votar na experiência para votar numa interrogação”, afirmou o proprietário da lanchonete Roger Lanches, Marcos Rogério.

Em Pedro Leopoldo, o governador Antonio Anastasia, ao lado de Itamar Franco, fez caminhada pela rua Comendador Antonio Alves e tomaram café na Padaria Jaques. Os candidatos estavam acompanhados do prefeito, Marcelo Gonçalves (PDT). Ele afirmou que Minas precisa de Anastasia para dar continuidade ao projeto iniciado com Aécio Neves.

“Anastasia é o melhor para Minas Gerais. Ele tem de continuar porque Minas não pode parar. Anastasia fez importantes obras em todas as áreas principalmente na saúde que ajudou muito o nosso município”, afirmou Marcelo Gonçalves.