• Agenda

    outubro 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Governo de Minas: Alberto Pinto Coelho e Aldo Rebelo vistoriam obras para a Copa do Mundo em BH

Vice-governador e ministro do Esporte visitam estádio do Mineirão nesta quarta-feira

vice-governador Alberto Pinto Coelho e o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, visitam, na manhã desta quarta-feira (18), o estádio do Mineirão, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, para acompanhamento das obras para a realização da Copa das Confederações, em 2013, e da Copa do Mundo da Fifa, em 2014. O secretário de Estado Extraordinário da Copa, Sergio Barroso, o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, além de deputados estaduais e federais, também acompanham a vistoria.

Em breve mais informações.

Siga, em tempo real, o noticiário do Governo de Minas pelo Twitter.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alberto-pinto-coelho-e-aldo-rebelo-vistoriam-obras-para-a-copa-do-mundo-em-bh/

Anúncios

Gestão da Educação: em Escola Estadual de Poço Fundo, música faz parte da rotina dos alunos

Banda marcial, com mais de 70 estudantes, é atração do município

SEE / Divulgação
Estudantes incluem movimentos corporais à sua apresentação musical
Estudantes incluem movimentos corporais à sua apresentação musical

Uma parceria entre a Escola Estadual José Bonifácio, localizada em Poço Fundo, no Sul de Minas, e o Conservatório Estadual de Música Maestro Marciliano Braga inseriu a música na rotina dos alunos. A iniciativa tem apoio da Secretaria de Estado de Educação (SEE).

A escola tem uma banda marcial, que é um grupo de músicos instrumentais composta por pouco mais de 70 alunos, que incorporam movimentos corporais à sua apresentação musical. “Nós somos a única banda marcial da cidade. Fazemos apresentações em eventos da escola e do município”, ressalta a diretora da escola, Rita de Cássia Silva da Costa.

Além de uniformes coloridos, a banda marcial tem como diferencial a comissão de frente. Nas apresentações os estudantes mostram suas aptidões na ginástica rítmica, em coreografia que utilizam o bambolê, fita e bastão.

Para os alunos que desejam participar da banda, as portas estão sempre abertas. Além dos estudantes, também participam do grupo ex-alunos da escola, pais e professores. “Quanto mais a família estiver envolvida nas atividades da escola melhor será a educação”, afirma a diretora.

Integrante da banda desde que o grupo foi criado, em 2005, Leonardo Ramos de Paiva conta o que a experiência tem trazido inúmeros benefícios para sua vida. “Aprendi muita coisa sobe música e estou conhecendo diversos lugares. Além de aprender coisas novas todas as semanas”, afirma.  A escola também oferece aulas de flauta e violão para os alunos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/em-escola-estadual-de-poco-fundo-musica-faz-parte-da-rotina-dos-alunos/

 

Governo de Minas: Secretaria de Cultura realiza eleição presencial para o Conselho Estadual de Política Cultural

Integrantes do setor elegeram seus representantes no Consec

Osvaldo Afonso / Imprensa MG
Votação ocorreu nesta segunda-feira na Cidade Administrativa
Votação ocorreu nesta segunda-feira na Cidade Administrativa

A Secretaria de Estado de Cultura (SEC) realizou nesta terça-feira (17), na Cidade Administrativa, a eleição presencial para a escolha dos representantes da sociedade civil que vão compor o Conselho Estadual de Política Cultural (CONSEC). Participaram os eleitores indicados pelas entidades civis que fizeram cadastramento prévio junto à SEC e que apresentaram documentação de acordo com as exigências do Edital de Convocação. O resultado será divulgado no dia 23 de abril, com a totalização dos votos enviados por entidades do interior.

A eleição ocorreu nos 8º e 9º andares do prédio Gerais com absoluta tranqüilidade. Com o apoio do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), a votação foi realizada por meio de 11 urnas eletrônicas, uma para cada seguimento que terá representação do conselho.

Muita gente optou por comparecer logo no início do horário de votação. Foi o caso de Rosalba Lopes, representante do Instituto Inhotim. Ela destacou a importância da criação do Conselho e da participação da sociedade na eleição dos integrantes. “A importância principal desse Conselho está vinculada à presença da sociedade civil nas decisões da cultura. Essa abertura indica uma tentativa de democratizar esse campo no Estado”, considerou.

O presidente do Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas de Minas Gerais (Simparc-MG), Rômulo Duque, considera essa eleição uma vitória histórica da classe artística. “São quase trinta anos de uma reivindicação do setor cultural que se realiza hoje. O Conselho Estadual de Política Cultural é um instrumento que nos permite participar lado a lado com o Governo de Minas na elaboração de uma política pública de Cultura”, comemorou.

Bete Arenq, da Associação Será Quê Cultural, destacou o fato de o Conselho ser composto por representantes de entidades que estão atuando no cenário cultural. “Por haver em sua composição pessoas do meio artístico, tem uma possibilidade maior de que as políticas culturais estejam de acordo com as demandas da classe. É importante ter pessoas conversando e interagindo com o governo sobre as demandas da área cultural”, destacou.

Interior

A votação de ontem foi presencial, no entanto, representantes das entidades do interior que não tiveram condições de se deslocar para a Cidade Administrativa puderam votar por carta.

Paulo Henrique Valadares Neves, representante da Associação Fundamental Cidade Feliz, preferiu se deslocar de Sabará para escolher o representante do setor de produção cultural. Ele destacou a ação da SEC no incentivo à participação das entidades do interior no Conselho. “O que acho bastante interessante é a questão da interiorização. Minas Gerais é um estado muito grande e cada região tem uma particularidade cultural que difere da outra. A existência de um Conselho como possibilidade para a sociedade participar de forma mais ativa das decisões que o governo precisa tomar poderá beneficiar e valorizar muitas regiões”, analisa.

Após a apuração dos votos, a Comissão Eleitoral do Consec vai elaborar as listas tríplices de cada segmento, compostas pelos três primeiros colocados em cada votação. Em seguida, a Secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, encaminha essas listas ao governador do Estado, Antonio Anastasia, que designará e nomeará os membros da sociedade civil que irão compor o Conselho Estadual de Política Cultural.

O Consec

O Conselho Estadual de Política Cultural representa o empenho do Governo de Minas para modernizar a administração pública estadual. Entre as diversas atribuições do Consec estão auxiliar a Secretaria de Estado de Cultura na elaboração do Plano Estadual de Cultura, bem como manifestar-se a respeito de programas e projetos de incentivo a artistas e demais representantes do setor cultural, da gestão de acervos culturais, de campanhas de divulgação, conscientização e defesa do patrimônio cultural, entre outras funções.

Também compete ao Consec manter instâncias de discussão com as associações representativas de artistas e produtores culturais, contribuir para integração entre os órgãos públicos e entidades da iniciativa privada do setor cultural, bem como elaborar seu regimento interno e respectivas alterações. O conselho é composto por 11 representantes do Poder Público e 11 representantes da sociedade civil organizada, e será presidido pela SEC-MG.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-cultura-realiza-eleicao-presencial-para-o-conselho-estadual-de-politica-cultural/

Governo Anastasia: implantação de frigorífico deve impulsionar piscicultura em Alfenas e região

Além de agregar valor ao produto, o frigorífico vai ajudar na inserção dos piscicultores no mercado institucional

Divulgação/Emater
A Apmar tem 60 associados e uma produção anual de 1.500 toneladas de tilápia
A Apmar tem 60 associados e uma produção anual de 1.500 toneladas de tilápia

Os municípios banhados pelo lago da Usina Hidrelétrica de Furnas, no Sul de Minas Gerais, têm cerca de 500 piscicultores e uma produção anual de 5 mil toneladas de tilápia,  de acordo com a Emater -MG. A atividade teve início na região há quase 20 anos e, hoje, é importante fonte de renda para as famílias. Atualmente, a Associação dos Piscicultores do Município de Alfenas e Região (Apmar), a Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago), a Prefeitura de Alfenas e a Emater–MG buscam a implantação de um frigorífico em Alfenas. A expectativa é de que a unidade de processamento seja concluída até 2013. Além de agregar valor ao produto, o frigorífico vai ajudar na inserção dos piscicultores no mercado institucional.

A Apmar tem 60 associados e uma produção anual de 1.500 toneladas de tilápia. Os peixes são comercializados em Alfenas e cidades vizinhas, região Central de Minas Gerais e no estado de São Paulo. Uma das dificuldades enfrentadas pelos piscicultores é a falta de um local para fazer o processamento dos peixes. De acordo com o coordenador de Piscicultura da Emater–MG em Alfenas, Francisco de Paula Vitor Alves, a solução é a construção de um frigorífico. “Com a implantação de uma unidade de processamento, os piscicultores conseguirão agregar valor ao produto, regularizar a comercialização durante o ano, oferecer novos produtos, como fishburguer, filé empanado, linguiça, almôndegas e polpa de peixe, e entrar em novos mercados”, diz o coordenador. Com o frigorífico da Apmar, serão beneficiados 150 piscicultores de nove municípios.

O projeto do frigorífico foi elaborado pela Emater–MG. A área de construção é de 261,4 m², e os recursos são provenientes da Prefeitura de Alfenas, Apmar, Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e Emenda Parlamentar. “O frigorífico deve ser implantado tão logo haja a liberação de recursos para aquisição de equipamentos, que serão oriundos de Emenda Parlamentar. Com a superação de problemas de comercialização e industrialização do pescado, a atividade deverá crescer muito e se tornar um dos principais produtos regionais junto com o café, milho e leite”,  diz o Francisco Alves.

Com a instalação do frigorífico, os piscicultores também esperam comercializar seus produtos no mercado institucional. A ideia é fornecer peixes a escolas e instituições assistenciais, por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). As ações desenvolvidos pelo governo federal são uma forma de garantir mercado para os pequenos produtores. Para participar do PAA e PNAE, os piscicultores irão contar com a ajuda da Emater–MG. As atribuições da Emater-MG nos programas são bem amplas e abrangem desde a assistência técnica, mobilização de agricultores, emissão da Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), orientação e elaboração de projetos até capacitação dos agricultores em boas práticas de produção.

Há 5 anos Luiz Carlos Rodrigues Caribé trabalha com piscicultura. A produção mensal dele chega a 9 toneladas de tilápia. Para o piscicultor, a construção do frigorífico irá impulsionar a atividade na região.  “Vamos aumentar a qualidade do nosso produto e agregar valor”, diz Caribé. Uma das expectativas do produtor é fornecer peixe ao mercado institucional por meio do PAA e PNAE.  “Com o frigorífico poderemos participar desse mercado, que é uma segurança para nós”, afirma.

Piscicultura no lago de Furnas

A criação de peixes em tanques redes no Lago de Furnas teve início em 1993, com a criação da Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago). Um projeto de piscicultura foi elaborado e recebeu recursos do governo federal e das prefeituras filiadas à Alago. Com isso, foram implantadas unidades demonstrativas de tanques redes e centrais de produção de alevinos em Alfenas e Campo Belo e a piscicultura se expandiu na região. Desde o início a Emater-MG trabalhou em parceria com a Alago. Por meio da empresa, os piscicultores receberam as informações necessárias para o desenvolvimento da atividade. Os extensionistas continuam prestando toda a assistência aos piscicultores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/implantacao-de-frigorifico-deve-impulsionar-piscicultura-em-alfenas-e-regiao/

Gestão em Minas: Emater-MG capacita técnicos em agricultura urbana agroecológica

Objetivo é estimular a implantação de hortas e lavouras em benefício de comunidades carentes

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) vai ampliar a assistência às comunidades urbanas interessadas em implantar hortas e lavouras com as técnicas da agroecologia. Afinal, aquele lote vago na rua, os terrenos abaixo das linhas de transmissão de energia ou uma área sem uso na escola do bairro podem se transformar em fonte de alimentação saudável e até renda para comunidades carentes.

Para estimular a chamada agricultura urbana, a Emater-MG está capacitando técnicos em vários municípios. O primeiro treinamento formou 30 profissionais de Belo Horizonte, Sete Lagoas, Divinópolis, São João del-Rei, Ponte Nova e Diamantina.

Durante as aulas, os técnicos se preparam para orientar os agricultores familiares em todas as etapas de formação de hortas e lavouras em perímetros urbanos, sempre com foco na produção agroecológica, ou seja, sem a utilização de adubos químicos e agrotóxicos.

O coordenador de Meio Ambiente e Agriculturas de Base Ecológica da Emater, Marco Aurélio Moreira, explica que as técnicas de produção sem uso de agrotóxicos, além de serem uma demanda das comunidades atendidas, também é uma exigência da legislação, que trata da produção agrícola nas cidades. “O uso de agrotóxicos é proibido dentro dos perímetros urbanos”, afirma.

Entre os temas desenvolvidos nos treinamentos dos técnicos, além das técnicas naturais de combate a pragas e doenças, estão os cuidados com a água da irrigação, a legislação específica sobre o uso do solo em áreas urbanas e sobre agricultura familiar, experiência prática em campo e segurança alimentar e nutricional.

De acordo com o coordenador Marco Aurélio Moreira, a Emater-MG já trabalha com várias ações no sentido de proporcionar atendimento à produção agroecológica, tanto em áreas urbanas quanto rurais. “Atuamos também em programas de transição agroecológica voltada para a área de educação ecológica, no sentido de reduzir o uso racional de agrotóxicos”, informa.

No total, a Emater-MG deverá capacitar 70 técnicos em agricultura urbana de base ecológica, no primeiro semestre de 2012. Já estão programados outros cursos, a serem realizados em maio, para técnicos que atuam no Norte de Minas e na região do Vale do Jequitinhonha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/emater-mg-capacita-tecnicos-em-agricultura-urbana-agroecologica/

Para o senador Aécio Neves governo do PT se exime de investir em Saúde – Dilma veta emendas da oposição

Gestão da Saúde, gestão sem eficiência, caos na Saúde

Fonte: Artigo de Aécio Neves – Folha de S.Paulo

Oportunidade perdida

Volto aqui ao tema da emenda 29, cuja regulamentação acaba de ser sancionada pela presidente Dilma Rousseff com um desfecho frustrante para uma iniciativa que levou mais de uma década tramitando no Congresso Nacional.

Um dos artigos vetados na sanção previa mais recursos para a saúde sempre que houvesse ganhos para a União, a partir da revisão positiva do PIB nominal. Antes, a base governista já havia impedido que o governo contribuísse com pelo menos 10% da sua receita, o que teria significado mais R$ 31 bilhões para o setor no ano que passou.

Já os Estados e os municípios tiveram fixados seus pisos mínimos de investimento de 12% e 15% de suas receitas, respectivamente. A situação é ainda mais grave diante da regressiva participação financeira federal nas despesas da área há vários anos, e, como consequência, o aumento da parcela de Estados e municípios.

A União se eximiu, assim, da sua responsabilidade, deixando para governadores, prefeitos e para as famílias brasileiras o ônus pelo equacionamento dos problemas do setor.

Levantamento do Ibope, feito para a CNI (Confederação Nacional da Indústria), mostrou que 95% da população reivindica mais recursos para a saúde e 82% avaliam que esses recursos podem ser obtidos sim, não criando impostos, mas pondo um fim aos desvios da corrupção.

O governo federal descartou uma oportunidade histórica de criar as bases para que pudéssemos enfrentar, de forma definitiva, o desafio da saúde. Esse é um exemplo concreto de oportunidade perdida, de agenda mais uma vez adiada. Em vez de demonstrar comprometimento com a questão, recuou o máximo que pôde.

Cabe agora à oposição tentar derrubar no Congresso os vetos feitos pela presidente à regulamentação da emenda 29, mesmo diante do rolo compressor da base governista. Esse episódio tira a máscara daqueles que sempre fazem muito alarde sobre si mesmos como detentores do monopólio de defesa dos mais pobres. Na verdade, o governo federal virou as costas para a saúde.

Pesquisa do IBGE, divulgada na última semana, mostra que as despesas das famílias brasileiras com bens e serviços de saúde, em 2009, foram de R$ 157,1 bilhões (ou 4,8% do PIB), bem superior aos R$ 123,6 bilhões (3,8% do PIB) da administração pública.

Ocorre que a rede pública é o único ou o principal fornecedor de serviços de saúde para 68% dos brasileiros e é considerada “péssima” ou “ruim” por 61%, conforme o levantamento da CNI. Nada menos que 85% dos entrevistados não viram avanços no sistema público de saúde do país nos últimos três anos. Ao que tudo indica, se depender do governo federal, continuarão, lamentavelmente, sem ver.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.