• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Gestão Eficiente: Anastasia destaca inovação e criatividade em conferência

Ferramentas para sucesso do desenvolvimento regional – governador abriu 1ª Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional, em Belo Horizonte.

Gestão Eficiente: Governo Anastasia

Omar Freire/Imprensa MG
Antonio Anastasia destacou, em seu pronunciamento, a necessidade de melhorar a inclusão regional
Antonio Anastasia destacou, em seu pronunciamento, a necessidade de melhorar a inclusão regional
 

O governador Antonio Anastasia presidiu, nesta quarta-feira (1º), na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, a abertura da 1ª Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional de Minas Gerais. Durante três dias, gestores do Estado, União, municípios, segmentos da sociedade civil, empresários e acadêmicos irão debater propostas de políticas que levem em consideração a heterogeneidade das regiões. O objetivo é fortalecer a ideia de soma de esforços entre diversos agentes para o desenvolvimento do país.

O encontro é coordenado pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru), e tem o apoio do Ministério da Integração Nacional e do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Minas é o primeiro Estado no país a realizar a conferência, que é preparatória para a Conferência Macrorregional do Sudeste, a ser feita entre os meses de outubro e novembro, e a Conferência Nacional, que será realizada no mês de dezembro, em Brasília

Ao lado dos ministros Fernando Bezerra, da Integração Nacional, e Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o governador falou sobre a necessidade de melhorar a inclusão regional, diminuindo as desigualdades dentro de Minas e em todo o Brasil, com foco na melhoria da infraestrutura física e social.

“O grande desafio de Minas, que se repete pelo Brasil afora, é a necessidade de diminuirmos as desigualdades regionais. Minas Gerais é o espelho dos demais estados, reflete um Brasil rico e um Brasil ainda em desenvolvimento. Por isso, o grande objetivo que temos é apresentar propostas para melhorar a inclusão regional, ou seja, diminuir essas desigualdades por meio da melhoria da infraestrutura física e social, sempre levando a atratividade de empresas, empreendimentos e empregos para as regiões que são menos desenvolvidas”, destacou Anastasia.

“Minas já deu passos em relação a alguns problemas que devem ser enfrentados com a institucionalização desse pensar regional. Muitos estados da Federação brasileira sequer têm dentro das suas estruturas de governo um pensar para integrar suas regiões em torno de um desenvolvimento mais harmônico e integrado. Minas já respira e vive esse pensamento integrado há bom tempo e tem, portanto, uma visão clara como é que as Minas, que é a parte mais rica do estado, pode ajudar as Gerais, que é a parte mais pobre de um Estado síntese da Federação brasileira. Por isso, começar por Minas é sempre um bom começo”, ressaltou o ministro Fernando Bezerra.

Para o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, o Brasil tem 27 alavancas poderosas que são os estados e seus órgãos de planejamento e desenvolvimento. “As economias estaduais são alavancas para o crescimento do país, para a retomada da competitividade. Movimentar essas alavancas, ao mesmo tempo e na mesma direção, é o que precisamos fazer para garantir um futuro de prosperidade para o Brasil”, disse.

Avanços e novas ideias

Durante a conferência, deverão ser definidos os cinco princípios e as 20 diretrizes que possam contribuir para a formulação da nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). Também serão eleitos 20 delegados do setor público e da sociedade civil que vão representar Minas naspróximas conferências.

Serão realizados debates sobre ações regionalizadas que possam contribuir para diminuir as diferenças regionais. Ao final do encontro, serão definidas as propostas que os mineiros levarão às conferências do Sudeste e Nacional.

“Em Minas Gerais, a despeito desse quadro de grandes diversidades internas, somos orgulhosos de afirmar que, ao longo dos últimos anos, temos avançado nas diversas políticas públicas, apresentando sempre os primeiros lugares. Somos o 1º na educação pública pelo Ideb no ensino fundamental, o 4º na saúde pública e 1º no Sudeste, temos o 4º menor índice de homicídios dos 27 estados da Federação. Conseguimos indicadores de desemprego que são extremamente bem saudados. E, portanto, planejar, pensar, inovar, ousar, são verbos que conjugamos diariamente nessa grande labuta que é levar prosperidade a todos os rincões de nosso Estado”, enfatizou o governador.

Para a presidente do Ipea, Vanessa Petrelli, a análise das características de cada estado se faz fundamental nesse processo. “O Brasil é um país territorial, de dimensões enormes, por isso é preciso pensar o território nas suas especificidades. A proposta do Ipea é fazer análise de cada estado dentro do desenvolvimento brasileiro. O que será o Brasil daqui a 20 anos? Será aquilo que integre o conjunto das suas unidades federativas. Esse é o início de uma articulação mais profunda entre esfera estadual, federal, municipal e também o pensamento da pesquisa brasileira”, disse.

Propostas mineiras

A etapa mineira tem como tema “Desenvolvimento e Integração Regional: Tornando Minas Mais Gerais”. O encontro é organizado em quatro eixos de discussão: Governança, participação social e diálogo federativo; Financiamento do desenvolvimento regional; Desigualdades regionais e critério de elegibilidade; e Transversalidade – vetores de desenvolvimento regional sustentável.

“Este é um seminário vanguardista, e Minas dá, mais uma vez, seu exemplo de como planejar e como fazer com que o desenvolvimento regional busque soluções. O foco é tentarmos pensar que sem o planejamento não vamos conseguir as melhores metas de qualidade de vida e de desenvolvimento”, explicou o secretário de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana, Bilac Pinto.

“Vamos, nesta Conferência, imaginar as sugestões e soluções para resolver lá na ponta, no Mucuri, no Jequitinhonha, nas regiões menos desenvolvidas de nosso Estado, aquelas agruras que há tantos séculos assolam a nossa população mais sofrida”, reiterou Antonio Anastasia.

Participam também da Conferência Estadual de Minas representantes do Distrito Federale de seis Estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-destaca-inovacao-e-criatividade-como-ferramentas-para-sucesso-do-desenvolvimento-regional/

Anúncios

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/

Governo Anastasia: rastreamento de medicamentos garante mais segurança a pacientes

Gestão da Saúde: Projeto foi implantado com recursos do Governo de Minas

Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
Os medicamentos do Hospital César Leite na Zona da Mata passam agora por um processo de rastreamento
 

Um rastreamento rigoroso dos medicamentos do Hospital César Leite (HCL), em Manhuaçu, na Zona da Mata, está trazendo mais segurança e qualidade no tratamento para os pacientes e economia para a instituição. Isso por que a gerência farmacêutica tem o controle, em tempo real, de tudo que foi ministrado a cada paciente; lote, quantidade dispensada e data de validade.

O projeto de rastreabilidade foi implantado com recursos do Prêmio Célio de Castro, concedido pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). São beneficiadas as instituições de destaque no Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS (Pro-Hosp), do Governo de Minas. O HCL ficou em segundo lugar no Estado e recebeu a quantia de R$ 300 mil que, necessariamente, deveriam ser revertidos em benefícios aos pacientes.

“A farmacovigilância possibilita o controle exato do lote de cada medicamento encaminhado ao paciente. Se houver uma notificação da Anvisa, alertando para algum lote de medicamento com desvio de qualidade, nós sabemos em tempo real quais os pacientes que fizeram uso. Outra vantagem é no caso de paciente apresentar alguma reação adversa não esperada; assim é possível saber quais os pacientes que também tomaram e identificar se o problema é com o paciente ou com o medicamento”, explica Chardson Roberto da Paixão, farmacêutico responsável do Hospital.

Ele também ressalta os benefícios na gestão da farmácia do HCL. “Diminuímos o desperdício, pois sabemos tudo o que vai vencer nos próximos meses e já posicionamos para serem utilizados no período de validade”, conta. O rastreamento é feito a partir da leitura do código de barra do medicamento e identificadores para cada usuário. Assim, fica armazenado no sistema exatamente o que foi ministrado para o paciente, datas, quantidade e lote dos medicamentos.

O trabalho na gerência farmacêutica foi beneficiado, ainda, diretamente pelo Pro-Hosp. A direção do HCL destinou parte dos recursos do Estado para a reestruturação das unidades farmacêuticas dentro do hospital e viabilizou a construção da farmácia da UTI. O almoxarifado, que funcionava em um espaço de 88 m², hoje ocupa 272 m². Atualmente, 25 funcionários trabalham no setor.

Gestão hospitalar

O Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS repassa, desde 2007, recursos para o Hospital César Leite, em Manhuaçu. Os investimentos, até o momento, somam R$ 6,5 milhões e, além da melhoria no atendimento, o programa promoveu a profissionalização da gestão hospitalar.

A administradora do HCL, Ana Lígia de Assis Garcia, destaca a modernização não só tecnológica, como também gerencial, propiciada pelo Pro-Hosp. “Você recebe o recurso, mas tem que aplicar também em profissionalização, como a participação em curso de formação de gerentes hospitalares”, relata.

Para ela, o foco na qualidade da gestão, foi um ganho principalmente para os hospitais do interior. O diretor técnico do HCL, Gláucio Quarto Martins, confirma. “O Pro-Hosp trouxe não só o recurso, como a mudança gerencial, mais motivação. O relacionamento da administração, com funcionários e corpo clínico é melhor hoje”, diz. Os investimentos para a melhoria da gestão incluíram aquisição de computadores, impressoras, material para educação continuada e treinamento de pessoal.

Obras e equipamentos

No Hospital César Leite, além do rastreamento de medicamentos e da profissionalização, os recursos do Programa de Fortalecimento e Melhoria da Qualidade dos Hospitais do SUS foram aplicados em obras, como a ampliação do Centro de Tratamento Intensivo, da Central de Material Esterilizado, enfermaria, centro cirúrgico e portaria; reforma do apoio ao diagnóstico, farmácia e vestiário; e pintura do hospital.

Também foram adquiridos materiais e equipamentos para o centro cirúrgico, como aparelho de anestesia, monitores cardíacos, cardioversores, sistema de ventilação mecânica, carro de emergência, compressor, bisturis, filtro de absorção, mesas cirúrgicas, carros para anestesia completos para cirurgia de alta complexidade e kits para intubação; UTI, como kit de fisioterapia, ventiladores, berços aquecidos e fototerapia; CME; pediatria; e lavanderia.

“Um dos principais ganhos foi a condição de receber o paciente e ter equipamento para dar segurança para o monitoramento, para as cirurgias. O paciente de UTI é monitorado em todos os leitos. Não falta nenhum respirador para nenhum leito”, ressalta o angiologista Gláucio Quarto Martins.

O hospital referência para a microrregião e, atualmente, atende a 22 municípios. Em junho deste ano foram realizados 3327 atendimentos ambulatoriais; 1062 internações; uma média de 300 partos no mês; e mais de 800 cirurgias. Para o provedor do HCL, Sebastião Onofre de Carvalho, o Pro-Hosp é fundamental para atender à demanda na instituição. “Temos uma população flutuante grande, duas BRs passam próximas à cidade. Sem equipamentos de primeiro mundo, a assistência ao paciente não teria a mesma excelência”, afirma.

O paciente José Hilário Ferraz, 72 anos, é capixaba, se acidentou na estrada e recebeu atendimento no HCL. “Fizeram chapa, cirurgia no joelho, pontos no braço. Estou sendo muito bem cuidado”, conta, pouco antes de receber alta.

De Ipanema, no Leste do Estado, o paciente Nilson Gomes de Oliveira, também não tem do que reclamar. “Tive uma queda da escada e quebrei o braço. Passei por cirurgia, colocaram um pino na minha mão. Foi muito bem sucedida, porque eu poderia até ter perdido movimento. É minha primeira vez nesse hospital e estou tendo atendimento de primeira”, declara.

Pro-Hosp na Zona da Mata

Em toda a Zona da Mata, desde o início do programa, o Governo de Minas já investiu, por meio do Pro-Hosp, R$ 72,7 milhões. Foram beneficiadas, além de Manhuaçu, as cidades de Além Paraíba, Carangola, Cataguases, Juiz de Fora, Leopoldina, Lima Duarte, Manhumirim, Muriaé, Ponte Nova, Rio Casca, Santos Dumont, São João Nepomuceno, Ubá e Viçosa.

Fontehttp://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rastreamento-de-medicamentos-propicia-seguranca-a-pacientes-de-hospital-do-interior/