• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

  • Anúncios

Governo Anastasia: tecnologia e humanização são destaques na PPP Penitenciária

Primeira unidade prisional de gestão público-privada é mineira e será inaugurada em quatro meses

Divulgação/Seds MG
Quarenta detentos trabalham atualmente nas obras do complexo penitenciário
Quarenta detentos trabalham atualmente nas obras do complexo penitenciário

Atendimento médico com intervalo máximo de 45 dias, tecnologias de ponta para monitoramento de presos e metas para impedimento de fugas e outros eventos graves, com desconto do repasse feito pelo Estado ao parceiro privado. Esses são apenas alguns dos indicadores a serem cumpridos pela concessionária GPA na gestão do primeiro complexo penitenciário construído por parceria público-privada (PPP) do Brasil. O complexo será instalado em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e a previsão é que comece a ser ocupado na segunda quinzena de agosto.

Serão 3.040 vagas, divididas em cinco unidades com capacidade para 608 presos. A primeira inauguração será de apenas uma, mas outras duas unidades também entrarão em funcionamento até o final do ano.

Na PPP prisional, todo o serviço prestado à população presa, como assistência médica, odontológica, jurídica, segurança interna, alimentação e uniformes, fica à cargo do parceiro privado. O Estado, por sua vez, é responsável pela fiscalização desses serviços, além da segurança de muralha e externa ao complexo. “Em cada unidade há um gerente de operações do parceiro privado e um diretor público de segurança, responsável pelas questões disciplinares, o que é uma função indelegável”, explica o coordenador da unidade setorial de PPP da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), Marcelo Costa.

Todo investimento para construção e operação do Complexo Penitenciário é feito pelo parceiro privado. A contraprestação dada pelo Estado depende dos resultados obtidos em 380 indicadores, que podem receber uma nota entre zero (pior desempenho) e um (resultado máximo). Dessa forma, avalia-se, por exemplo, a inserção de presos em postos de trabalho, a oferta de cursos profissionalizantes, a quantidade e qualidade do atendimento de saúde, entre outros. “A não realização de obrigações são indicadores e, juntas, formam o valor que o Estado deverá descontar do pagamento mensal”, afirma Marcelo Costa.

Novas tecnologias

Associar recursos tecnológicos com a ressocialização é considerado pelo coordenador de PPP da Seds como a essência do contrato. Na nova unidade haverá, por exemplo, sistemas de sensoriamento de presença, controle de acesso de um ambiente para o outro, comando de voz e Circuito Fechado de Televisão (CFTV) em todo o complexo. “Com oferta de trabalho, estudo, saúde e controle da segurança, a possibilidade de obter sucesso é muito maior”, avalia.

Detentos trabalham nas obras

A cada dia pode-se perceber o avanço das obras do Complexo Penitenciário, que ficará próximo a outra unidade administrada pela Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), a Penitenciária José Maria Alkimin (PJMA). A base já foi toda feita e, agora, está na fase de montagem das edificações. Na primeira unidade que será inaugurada, o pavilhão já está quase todo fechado.

Há, hoje, cerca de 800 pessoas trabalhando nas obras, entre eles 40 detentos. É o mesmo número de profissionais que serão empregados diretamente, quando o complexo estiver pronto.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/tecnologia-e-humanizacao-sao-destaques-na-ppp-penitenciaria/

Anúncios

Governo de Minas: universidade Estadual de Montes Claros prepara o I Congresso de Ciências Humanas

O evento que está previsto para o mês de agosto irá proporcionar novos desafios para os alunos

Ascom/Unimontes
Professores discutem conteúdo do I Congresso de Ciências Humanas
Professores discutem conteúdo do I Congresso de Ciências Humanas

Avaliar o curso de graduação e pós-graduação e discutir novas perspectivas para as atividades de ensino, pesquisa e extensão são os principais objetivos do I Congresso de Ciências Humanas da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

O conteúdo programático do evento será elaborado pelo Conselho de ciências humanas (CCH). A primeira reunião para discutir esse tema foi na terça-feira (10). A ideia é realizar palestras, mesas redondas, conferências com professores, dirigentes da instituição e especialistas convidados, apresentar  trabalhos científico e publicação de resumos.

“Como proposta coletiva, o Congresso permitirá à comunidade acadêmica debater medidas concretas para a revitalização das licenciaturas em Ciências Humanas, além de apresentar resultados – e ao mesmo tempo demandas – dos projetos de pesquisa, de estágios e da formação inicial, para o acadêmico, e da formação continuada do docente”, observa Antônio Wagner Veloso Rocha, diretor do CCH.

O evento que tem o apoio da Fundação de amparo à pesquisa do estado de Minas Gerais (Fapemig), da Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior (Capes) e do Ministério da Educação será realizado entre os dias 8 e 10 de agosto no campus-sede.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/universidade-estadual-de-montes-claros-prepara-o-i-congresso-de-ciencias-humanas/

Gestão da Educação: alunos da rede estadual representam Minas em feira internacional

Estudantes da Escola Estadual Manuel Antônio de Sousa, em Azurita, irão aos EUA em maio

Divulgação/SEE
Estudantes irão representar Minas Gerais em competição internacional nos Estados Unidos
Estudantes irão representar Minas Gerais em competição internacional nos Estados Unidos

Estudantes da rede estadual de ensino de Minas Gerais participarão, em maio, de um dos principais encontros internacionais de ciências do mundo. Tudo começou há pouco mais de cinco meses, quando Júlia Maria Resende Ferreira, Jaqueline Campos Costa e Cristopher Mateus Carvalho foram convidados pela professora de biologia, Fernanda Aires Guedes, a participarem de uma pesquisa que envolvia uma velha conhecida dos moradores da pequena Azurita, no distrito de Mateus Leme: o Pariri. O objetivo do trabalho era comprovar o potencial medicinal da planta. O que começou como uma pesquisa para ser apresentada na feira de ciências da escola, hoje tomou proporções inimagináveis.

Os estudantes do primeiro ano do ensino médio, da Escola Estadual Manuel Antônio de Sousa participarão no mês de maio, nos Estados Unidos, da International Science and Engineering Fair (Intel ISEF), a maior feira para estudantes que ainda não chegaram ao nível universitário.

“Em 2011, orientei um trabalho dos alunos do 3º ano do ensino médio da Educação de Jovens e Adultos (EJA), no qual eles analisaram a parte hematológica do Pariri, ou seja, a eficácia curativa. Esses estudantes se formaram e então resolvi dar continuidade ao trabalho com os três melhores alunos da escola. Fiz o convite e eles aceitaram”, conta a Fernanda Aires Guedes.

Na continuidade do trabalho, os estudantes analisaram o potencial anti-inflamatório e antimicrobiano da planta. A primeira parte foi a pesquisa de campo. Os alunos entrevistaram moradores da cidade que faziam uso do Pariri e perguntaram, por exemplo, como elas consomem a planta e a quantidade ingerida.

A segunda parte foi a análise das propriedades químicas da planta. O grupo analisou quais os princípios ativos que o Pariri tem e que faz com que ele haja em determinadas doenças. Essa etapa da pesquisa foi realizada em um laboratório de Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e contou com a coorientação do doutorando em Química, Fernando César Silva. “A maior parte da pesquisa foi realizada no laboratório da escola, mas para essa etapa precisamos de equipamentos mais sofisticados dos quais a escola não dispunha”, ressalta a professora de Biologia.

Após a análise e já de volta ao laboratório da escola, os estudantes estudaram o potencial de inibição do crescimento de bactérias utilizando estratos da planta. “Nós trouxemos os estratos do Pariri para escola e testamos em quatro bactérias (Salmonella, Lactobacillus, Ecoli e Shigella). Nessa fase, verificávamos quais estratos eram capazes de inibir a proliferação de bactérias”, afirma Júlia.

A última etapa do trabalho foi a produção de três produtos fitoterápicos. “Fizemos pomada, sabonete e hidratante. São produtos que são utilizados na cicatrização e lavagem de feridas”, conta Jaqueline. O controle de qualidade dos produtos também ficou por conta dos ‘jovens pesquisadores’. “Em todos os produtos fizemos testes para observar o PH, temperatura, concentração e textura ideais”, conclui a estudante.

Depois de todo trabalho, os estudantes já se sentem verdadeiros pesquisadores. “Aprendemos muitas coisas que não sabíamos como o nome de vários equipamentos do laboratório. Além disso, nós conseguimos provar que o Pariri consegue inibir o crescimento de bactérias e isso é muito importante”, ressalta Júlia.

Durante os cinco meses de pesquisa todo o trabalho realizado foi registrado no ‘livro de bordo’ e os números são surpreendentes. Para o estudo foi utilizado mais de 1Kg da folha, o que daria para encher mais ou menos quatro sacolas grandes. Essa quantidade deu para fazer 12 sabonetes, quatro vidros de hidratantes e quatro pomadas.

Vaga na Intel Isef

A oportunidade de participar da competição internacional foi conquistada após a participação do grupo na Feira Brasileira de Ciência e Tecnologia (Febrace), feira promovida pela Universidade de São Paulo (USP). Durante o evento, além de conquistar a vaga na Intel Isef, com a pesquisa ‘comprovação do potencial medicinal da planta pariri (Arrabidae Chica) e suas aplicações químicas em produtos fitoterápicos’, os estudantes receberam outras três premiações: primeiro lugar como melhor stand, segundo lugar na categoria ciências biológicas e professora destaque da feira.

A professora destaque, Fernanda Aires Guedes, ressalta a importância de incentivar os jovens a realizar pesquisas. “Eu sempre gostei de incentivar os alunos a trabalharem com pesquisas. Não são apenas eles que aprendem comigo, eu também aprendo muito com eles e faço tudo com muito amor”.

A participação na feira trará para os estudantes a chance de conquistar diferentes prêmios, entre eles uma bolsa na universidade de Havard, nos Estados Unidos. Mais de 60 trabalhos serão apresentados na Intel Isef e para competir em pé de igualdade com os outros projetos, os estudantes estão contando com uma maratona de preparação. “Estamos fazendo aulas de inglês, por causa da apresentação. A participação na feira é algo novo e diferente. Vai ser muito bom para o meu currículo, já que pretendo seguir carreira na área”, confessa Cristopher Mateus Carvalho.

Pariri

O Pariri é velho conhecido dos moradores de Mateus Leme. Segundo os estudantes, a planta começou a ficar famosa em 1995, quando um dentista da cidade estava fazendo um tratamento contra o câncer e ao começar a tomar o chá feito com a planta começou a perceber um aumento das hemácias. Ao ser curado, ele prometeu que iria divulgar os benefícios do Pariri. Então sempre que um morador pede ele distribui folhas já secas da planta e quando a pessoa começa a fazer uso frequente ele distribui as mudas do Pariri.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alunos-da-rede-estadual-representam-minas-em-feira-internacional/

Gestão Antonio Anastasia: concurso de qualidade do café em Minas deve avaliar 2 mil amostras

Meta é aumentar em 20% o volume de avaliações do produto em relação ao ano passado

O café lidera as exportações do agronegócio mineiro
O café lidera as exportações do agronegócio mineiro

A meta do 9º Concurso de Qualidade de Cafés de Minas Gerais é aumentar em 20% o volume de avaliações de amostras do produto em relação ao registrado na competição do ano passado. “Vamos trabalhar para a coleta de pelo menos 2 mil amostras nas propriedades das quatro grandes regiões produtoras de café do Estado – Cerrado, Chapadas de Minas, Matas de Minas e Sul de Minas”, informou o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, ao anunciar em Belo Horizonte a realização do evento.

Ele explicou que “a nova marca é possível, porque os cafeicultores estão estimulados a participar da iniciativa, tendo por base as melhorias agregadas à atividade por intermédio das boas práticas de produção introduzidas nas propriedades que aderem ao concurso”.

De acordo com o programa apresentado na reunião, as amostras de café, exclusivamente Arábica e produzido no ano safra 2011, poderão ser entregues nas unidades da Emater-MG até 20 de setembro. As análises serão feitas no período de 23 de setembro a 30 de novembro, e os trabalhos devem terminar no final da primeira semana de dezembro, sendo possível, a partir dessa data, marcar a solenidade de encerramento do concurso e leilão dos cafés premiados.

Segundo o coordenador do 9º Concurso de Qualidade de Cafés de Minas, Marcos Fabri Júnior, da Emater, o governo premia os finalistas da competição com um certificado e o diploma de classificação para o primeiro, segundo e terceiro colocados nas categorias café natural e cereja descascado, despolpado, desmucilado.

Além disso, assim como nas edições anteriores do concurso, todos os participantes receberão, no final da competição, um laudo de seus respectivos cafés com o resultado da análise sensorial, com notas de zero a cem, dentro das normas da Associação Brasileira de Cafés Especiais. “Assim, os cafeicultores poderão melhorar seu produto, ajustando-o às exigências do mercado, com a assistência dos técnicos da Emater”, assinala.

Fabri Júnior diz que Minas Gerais é o único Estado dotado de um programa oficial para dar suporte aos produtores de café por meio de uma iniciativa dessa natureza. “Para isso, o governo estadual conta com a participação de parceiros privados, como as entidades dos produtores, cooperativas, universidades, centros de pesquisa e outros”, ressalta.

Efeitos da competição

O coordenador ainda observa que o concurso tem contribuído para o reconhecimento da qualidade do café de Minas Gerais em todos os eventos nacionais. “Mas o objetivo principal é estimular o cultivo do café, em todas as propriedades do Estado, com o suporte tecnológico e de acordo com as normas de sustentabilidade, a fim de que o produto alcance mais facilmente um alto índice de competitividade nos mercados interno e externo. Isso significa, sobretudo, a garantia de aumento da receita para o produtor mineiro”, acrescenta.

Para o assessor especial do Café da Secretaria da Agricultura, Níwton Castro Morais, o 9º Concurso de Qualidade dos Cafés deve possibilitar especialmente a avaliação das iniciativas para a produção sustentável nas fazendas incluídas no programa Certifica Minas Café do governo estadual. Executado pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Emater, vinculadas à Secretaria da Agricultura, esse programa cresceu 19% no ano passado, alcançando 1.438 propriedades. De acordo com o assessor, a meta para 2012 é um crescimento da ordem de 13% no volume de adesões ao Certifica Minas Café.

Outra área que se beneficia do concurso é a capacitação dos provadores para o trabalho com cafés especiais. Além disso, as cooperativas também poderão ampliar sua participação, reforçando as ações extensionistas para a melhoria do produto.

“Toda a cadeia do café pode evoluir com a realização do Concurso Estadual de Qualidade de Cafés de Minas Gerais”, acrescenta Moraes. A produção de café, no Estado, envolve mais de 104 mil estabelecimentos rurais e influi diretamente na economia de 75% dos municípios. Para 2012 está prevista uma safra recorde do produto no Estado, segundo dados Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A colheita deve somar entre 25,5 e 27,1 milhões de sacas (60 kg), números superiores aos recordes de 2002 e 2010, quando o Estado produziu 25,1 milhões de sacas. Pelas estimativas, a safra mineira de café deverá corresponder a 52% da nacional.

O aumento da produção mineira de café, em relação a 2011, deve ficar entre 15,2% e 22,3%, resultado que pode ser atribuído à melhoria dos tratos culturais nas lavouras e ao estágio positivo na bienalidade da cultura. Em 2011, período negativo na bienalidade, foram colhidas no Estado 22,3 milhões de sacas,  volume equivalente a mais de 50% da produção nacional.

Já o Valor Bruto da Produção (VBP) de café para 2012 em Minas, segundo estimativa do Ministério da Agricultura, alcança R$ 12 bilhões, uma variação positiva de 7,7% diante da cifra registrada no ano passado.

O café lidera as exportações do agronegócio mineiro e ocupa o segundo lugar na pauta, atrás do minério de ferro. Em 2011, o valor obtido com a comercialização do produto no mercado externo foi recorde: US$ 5,8 bilhões, cifra 41,6% superior à registrada em 2010. Já no primeiro bimestre deste ano, as exportações de café por Minas Gerais somaram US$ 770 mil.

União de forças

A Secretaria da Agricultura de Minas realiza o 9º Concurso Estadual de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais – por meio da Emater-MG – em conjunto com a Universidade Federal de Lavras (Ufla). São também parceiros na iniciativa: Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Organização das Cooperativas de Minas Gerais (Ocemg), Federação de Agricultura (Faemg), Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetaemg), Centro de Excelência do Café, Polo de Excelência do Café, e Instituto Federal de Ensino e Tecnologia de Machado.

As principais etapas do 9º Concurso de Qualidade de Cafés de Minas Gerais serão apresentadas pela internet. Os interessados devem ficar atentos ao site da Emater (www.emater.mg.gov.br), que indicará o acesso ao link específico nas datas programadas para a realização dos trabalhos. Mais informações sobre o concurso na Emater de Lavras: (35) 3821-0010.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/concurso-de-qualidade-do-cafe-em-minas-deve-avaliar-2-mil-amostras/

Gestão Anastasia: Secretaria de Emprego dá dicas para quem busca uma vaga no mercado de trabalho

Guia reúne informações úteis para quem busca uma nova colocação

Divulgação/Sete
Governo de Minas oferecer diversas oportunidades de qualificação profissional
Governo de Minas oferecer diversas oportunidades de qualificação profissional

O que fazer para conseguir um bom emprego? Vestir-se bem? Falar bem? Ter bons contatos? Enviar currículos para todas as empresas possíveis? Para você que está em busca de uma nova oportunidade no mercado, mas não sabe por onde começar, a Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete) reuniu, em um pequeno guia, algumas informações que podem ajudá-lo a conquistar a tão sonhada vaga.

Qualificação

A concorrência está bem acirrada, o número de candidatos por vaga é alto e as empresas estão procurando, cada vez mais, profissionais qualificados. O primeiro passo para aumentar suas chances de conseguir um bom emprego é buscar a qualificação profissional.

A Sete oferece cursos gratuitos de qualificação profissional nas mais diversas áreas, para trabalhadores com formação básica, fundamental, e também para aqueles que já concluíram o ensino médio. Há oportunidades nas áreas da construção civil, setor alimentício, vestuário e prestação de serviços, entre várias outras. Para se inscrever, basta procurar uma das 133 unidades de atendimento ao trabalhador do Sistema Nacional de Emprego (Sine) em todo o Estado e verificar os cursos disponíveis.

Currículo

Agora que já tem o foco em uma área de atuação, é imprescindível produzir um bom currículo, que é onde constam todos os dados profissionais. Para o diretor de Articulação Empresarial da Sete, Vanderlei Souza, a primeira dica é: um bom currículo contém informações objetivas e sucintas. Nada de resolver contar a vida completa no principal instrumento de apresentação da sua experiência e potencial. Ele apresenta um modelo básico.

“No cabeçalho deve constar apenas o seu nome completo, nacionalidade, idade, estado civil, endereço, telefone e e-mail. Cada item em uma linha. Logo em seguida, vem o perfil profissional. Nessa área, o trabalhador deve escrever um pequeno texto (cerca de cinco linhas) constando a formação, área em que tem experiência e principais atividades já desenvolvidas, além de dizer qual a ocupação ou área almejada. Passamos então para os tópicos: O primeiro é ‘Formação’, onde deve constar o grau de instrução, onde estudou, cursos que tenha feito e participações em palestras e seminários. Finalmente, o ‘Histórico profissional’, em que constam as empresas em que trabalhou, o período, o cargo e as atividades exercidas”, explica.

Pronto. Com o currículo finalizado, é hora de dar uma boa revisada se não há palavras erradas ou digitadas incorretamente. Se ainda ficar com dúvidas, peça para que outra pessoa leia também. É importante destacar que o bom currículo não é necessariamente um currículo cheio, mas um documento com boa apresentação e objetivos definidos, a fim de estimular a curiosidade do empregador sobre as potencialidades do candidato a ponto de convocá-lo para uma entrevista.

Cadastro

Não basta ter um currículo em mãos. É preciso ser visto pelo futuro empregador. Para isso, é fundamental cadastrar-se nos bancos de emprego. Muitos deles estão disponíveis na internet, outros em empresas de recursos humanos.

O Sine-MG presta o serviço gratuito de intermediação de mão-de-obra, por meio do sistema Mais Emprego, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O trabalhador cadastra seus dados, que são cruzados com os requisitos estabelecidos pelas empresas que disponibilizaram as vagas no sistema. Se o perfil do candidato for compatível com alguma delas, ele é imediatamente encaminhado para entrevista com o empregador. Em todo o Estado, há 133 unidades de atendimento ao trabalhador do Sine coordenadas pela Sete e algumas outras unidades de responsabilidade das prefeituras. O cadastro também pode ser feito na internet, acessando o endereço http://maisemprego.mte.gov.br.

Além de cadastrar-se, é importante ficar sempre atento às formas de contato dos recrutadores. Cadastrar números de telefones em que realmente poderá ser encontrado e endereços de emails que são acessados diariamente são primordiais para não perder uma possível convocação.

Não descartar possibilidades

Conseguir um emprego exatamente como o sonhado nem sempre é fácil ou rápido. Por isso, Vanderlei Souza destaca que o melhor a fazer é aproveitar as oportunidades disponíveis. Se a vaga ofertada não é aquela pretendida, mas o salário é compatível com o anterior e as atividades são possíveis de serem executadas por você, é preciso refletir se é melhor ficar desempregado ou estar no mercado de trabalho.

“Se for convocado para uma entrevista, é importante demonstrar interesse e confirmar data e horário. Tentar não custa nada e o trabalhador poderá se surpreender com a atratividade da vaga e o ambiente da empresa. Além disso, uma vez no mercado de trabalho, naturalmente as portas se abrem e é muito mais fácil galgar degraus e conseguir melhores posições”, garante.

Apresentação na entrevista

Mesmo um profissional qualificado, com certa experiência e um ótimo currículo, pode acabar não conseguindo a vaga pretendida, por algumas pequenas falhas cometidas no momento da entrevista.  A diretora de Orientação para o Trabalho e Articulação de Oportunidades para o Trabalhador da Sete, Soraia Azevedo, lembra que a primeira coisa com que ele deve preocupar-se é com a aparência, pois esse é o seu cartão de visitas.

“Cabelos penteados, roupas limpas e discretas e boa postura fazem uma grande diferença”, pontua. Ela explica que as mulheres devem optar por cores claras, pouca maquiagem e acessórios. “Nada de decotes ou roupas justas e curtas. Além de não passarem credibilidade, a intenção é que o entrevistador tenha seu foco voltado para a sobriedade e competência da entrevistada. O mesmo vale para os homens, que devem ir barbeados e jamais utilizar camiseta regata (ou outra do tipo cavada), bermuda ou boné, pois passam a impressão de desleixo e não de sobriedade e compromisso”, pondera a diretora, que é responsável pelo curso gratuito de Competências Básicas do Trabalho, ministrado pela Sete em todo o Estado.

Soraia também atenta para a pontualidade e segurança nas atitudes. “O candidato deve chegar ao local da entrevista com pelo menos 30 minutos de antecedência, para ter tempo de ir ao banheiro, beber água e controlar a ansiedade, além de poder observar com calma o ambiente e as pessoas da empresa. Além disso, durante a entrevista, precisa ficar atento para não utilizar gírias, evitar o excesso de gestos e manter a postura na cadeira. O ideal é que responda apenas o necessário, em tom de voz e ritmo moderados, mas deixe claro o seu interesse em ocupar a vaga”, conclui.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-emprego-da-dicas-para-quem-busca-uma-vaga-no-mercado-de-trabalho/

Governo de Minas: Renata Vilhena receberá prêmio nacional de gestão pública nesta sexta-feira

Premiação valoriza ações de modernização do poder público no Brasil

secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, recebe nesta sexta-feira (23) o prêmio Guerreiro Ramos de Gestão Pública, concedido pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A premiação é voltada a valorização de estudos e ações que contribuam para a modernização do poder público no Brasil.

Gestores públicos de todo o país concorreram ao prêmio e, neste ano, excepcionalmente, o comitê de julgamento decidiu agraciar dois destaques na gestão pública nacional: a secretária Renata Vilhena e o assessor especial da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos do Estado do Espírito Santo, Manoel Carlos Rocha. A cerimônia de certificação terá início às 19h, no auditório da Cidade Acadêmica do Pitágoras, Rua Madalena Sofia, 25, no bairro Vila Paris, em Belo Horizonte.

O presidente do comitê de julgamento e vice-presidente do CFA, Marcos Lael, destacou a alta qualidade dos trabalhos realizados. “É uma satisfação enorme presidir uma comissão que resgata o legado de Guerreiro Ramos. É impressionante a qualidade do material que recebemos. São estudos aprofundados, consistentes e de conteúdos respeitáveis”, destacou.

Premiação

Criado em 2010 pelo Conselho Federal de Administração, o prêmio faz homenagem a Alberto Guerreiro Ramos, professor que teve grande relevância política e acadêmica no Brasil e no mundo. Os trabalhos foram inscritos por meio de cada conselho regional do Estado de origem e os candidatos podem escolher a categoria em que disputarão o prêmio.

Formada em 1985, em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Renata Vilhena especializou-se em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP), em 1991. No Governo de Minas, Renata Vilhena participou da concepção e da implementação do “Choque de Gestão” no Estado, compreendido por medidas de reorganização e modernização administrativa, visando à redução de despesas, o aumento dos recursos para investimentos e a melhoria dos processos de gestão. Além disso, atuou na instituição de medidas voltadas ao aumento de produtividade do setor público, especialmente através da definição de critérios meritocráticos para avaliação e recompensa aos servidores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/renata-vilhena-recebera-premio-nacional-de-gestao-publica-nesta-sexta-feira/

Governo Anastasia: inscrições para o programa Jogos de Minas vão até 30 de março

Até o momento, 100 municípios mineiros já garantiram participação no evento

Os municípios do interior do Estado e entidades de Belo Horizonte interessados em participar do Minas Olímpica Jogos de Minas 2012 já podem realizar suas inscrições. Para as cidades do interior, o prazo se encerra em 30 de março. O procedimento deve ser feito pelo Sistema Integrado de Gestão Esportiva (Sige) pelo site www.jogosdeminas.esportes.mg.gov.br . Até o momento, 100 municípios já garantiram participação no evento.

Também estão abertas as inscrições de atletas de modalidades coletivas para a competição. Para as microrregionais A, que acontecem de 26 de abril e 1º de maio, a inscrição de atletas termina em 13 de abril. Para as microrregionais B, que serão realizadas de 5 a 10 de junho, os atletas podem ser inscritos até 31 de maio. As inscrições de equipes e atletas estão condicionadas à regularização perante as federações esportivas do Estado.

O Minas Olímpica Jogos de Minas é uma ação de política pública do Governo de Minas, desenvolvida pela Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej), em parceria com asSecretaria de Estado de Educação (SEE), as federações esportivas mineiras e as prefeituras municipais.

Videoconferência

A Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude (Seej) realizará a primeira videoconferência do Programa Minas Olímpica Jogos de Minas em 27 de março nos Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) de todo o Estado. O evento tem por objetivo oferecer aos representantes de municípios e entidades, atletas, técnicos e público,  informações sobre o formato dos Jogos de Minas, que substituirá o Minas Olímpico Jogos do Interior de Minas (Jimi), realizado até o ano passado. Serão abordados temas, como regulamento geral e regulamentos específicos das modalidades coletivas, inscrição de municípios e atletas e cronograma de ações. Acesse http://www.inclusaodigital.mg.gov.br e localize o CVT mais próximo.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/inscricoes-para-o-programa-jogos-de-minas-vao-ate-30-de-marco/