• Agenda

    janeiro 2020
    S T Q Q S S D
    « out    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Anastasia e Aécio homenagem a Milton Nascimento

Fonte: Agência Minas e Assessoria do senador Aécio Neves

Anastasia destaca importância de Milton Nascimento para a cultura de Minas Gerais

Governador participou da entrega do título de Doutor Honoris Causa concedido pela Uemg ao cantor e compositor, que completa 50 anos de carreira

 Anastasia e Aécio participam de homenagem a Milton Nascimento

Anastasia e Aécio participam de homenagem a Milton Nascimento que recebeu título de Doutor Honoris Causa por 50 anos de carreira.

O governador Antonio Anastasia participou, nesta segunda-feira (10), no Palácio Tiradentes, na Cidade Administrativa, de sessão solene para entrega do título de Doutor Honoris Causa, da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), ao cantor e compositor Milton Nascimento. O artista está comemorando, em 2012, 70 anos de vida e 50 anos de carreira artística, com 38 discos gravados.

Anastasia destacou a contribuição de Milton Nascimento para a cultura de Minas Gerais e reconhecimento mundial que o artista desfruta.

“É uma grande honra e um orgulho para nós, mineiros, termos como conterrâneo o grande Milton Nascimento, uma das maiores vozes do mundo, reconhecido no Brasil e internacionalmente. A Universidade do Estado de Minas Gerais concede este título a ele pelo reconhecimento do trabalho que desenvolve, um trabalho socialpolítico, mas, fundamentalmente, que leva às pessoas a emoção e faz as pessoas pensarem nos sentimentos mais nobres do ser humano, como a amizade”, afirmou o governador.

A homenagem foi concedida pelo Conselho Universitário da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), em 12 de junho passado. Segundo a instituição, a proposta foi aprovada baseada no brilhantismo da trajetória profissional de Milton Nascimento; pela expressividade de sua produção, reconhecida mundialmente no campo da música; e por sua grande contribuição à cultura e à arte de Minas Gerais.

O compositor agradeceu a homenagem e disse ser uma grande emoção receber o reconhecimento pelo trabalho realizado nos 50 anos de carreira artística.

“Essa é uma das melhores homenagens que a gente pode receber, reconhecendo o que a gente tem feito, não só eu, mas meus colegas e companheiros. É uma homenagem que deixa a gente muito emocionado”, afirmou Milton Nascimento.

Este é o segundo título de Doutor Honoris Causa concedido pelo conselho da Uemg. O primeiro foi dado ao professor Aluísio Pimenta. O antropólogo Darcy Ribeiro recebeu da Universidade do Estado de Minas Gerais o título de Professor Honoris Causa.

Também participaram da entrega do título de Doutor Honoris Causa a Milton Nascimento o senador Aécio Neves; o reitor da Uemg, Dijon de Moraes; os artistas Fernando Brant, Tavinho Moura, Telo Borges e Paulinho Pedra Azul.

Fala senador Aécio Neves

“Milton talvez seja a mais vibrante referência de Minas Gerais, além das nossas montanhas, das nossas fronteiras, porque ele cantou Minas em verso e prosa para o mundo inteiro, mas também ele soube, de alguma forma, sintetizar e expressar o sentimento libertário de Minas, a luta pela democratização do país. Ele soube, na sua música, falar das nossas origens, das nossas raízes, mas também dos nossos sonhos e das nossas esperanças. Acho que nenhum brasileiro ouve algumas músicas de Milton Nascimento sem se emocionar e sem se lembrar de determinado momento, seja da história do país, ou seja, da sua própria história pessoal. Portanto Milton é, sim, um patrimônio dos mineiros e a homenagem que ele recebe é uma homenagem das mais justas que a UEMG poderia fazer.

Aécio Neves destaca aprovação da admissibilidade da PEC que muda rito das Medidas Provisórias

Aécio Neves: PEC das medidas provisórias

 Aécio: aprovado fim do abuso das Medidas Provisórias

Aécio Neves: senador foi relator da PEC que acaba com o uso abusivo das medidas provisórias. É o fim do contrabando legislativo.

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves

Aécio Neves destaca aprovação da admissibilidade da PEC que muda rito das Medidas Provisórias 

“Ao estabelecer limites para as MPs, estamos fortalecendo o Parlamento, porque haverá mais espaço para o legislador, eleito para isso, legislar em interesse da sociedade”, diz Aécio

senador Aécio Neves (PSDB-MG) comemorou hoje a aprovação da admissibilidade na Câmara dos Deputados da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 70/11, que altera o rito de tramitação das medidas provisórias (MPS). Aprovada no Senado em agosto do ano passado e paralisada há um ano na Câmara, a proposta altera os prazos para avaliação das MPs pelo Congresso Nacional e traz restrições ao uso abusivo de MPs pelo governo federal. A PEC foi aprovada nesta manhã pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

“Vejo com alegria que, mesmo com enorme atraso, praticamente um ano desde a aprovação no Senado, a Comissão de Justiça da Câmara aprova a admissibilidade de um projeto que é a favor do Parlamento brasileiro. Porque reequilibra as ações do Poder Executivo com as do Poder Legislativo. No momento em que redefinimos o trâmite das medidas provisórias e estabelecemos limites para que elas possam tramitar, estamos, de alguma forma, recuperando a capacidade de legislar do Congresso Nacional”, afirmou o senador Aécio Neves, em entrevista.

As principais mudanças na PEC serão na divisão do tempo que a Câmara e o Senado terão para analisar as MPs, o exame sobre a urgência e relevância das matérias e o fim da prática do chamado contrabando legislativo. Se aprovada em plenário, as MPs editadas pelo governo deverão cumprir as exigências constitucionais e não poderão mais tratar de assuntos estranhos ao seu objeto.

No texto da PEC, o prazo de 120 dias para votação de uma MP, estabelecido pela Constituição, será dividido em 80 dias na Câmara e 30 dias no Senado. Caberá à Câmara outros 10 dias para a análise de possíveis emendas apresentadas no Senado. Atualmente, as MPs vigoram por 60 dias, prorrogáveis por mais 60 dias. Nas duas casas, o prazo para votação é de 45 dias. Se não tiver sido votada, depois deste período, a MP tranca a pauta da Casa em que estiver tramitando, prejudicando o andamento dos outros projetos

Resgate do Parlamento

A PEC de autoria do senador José Sarney e relatada por Aécio Neves traz também outra mudança importante em relação à admissibilidade da MP. Atualmente, a admissibilidade é analisada por uma comissão mista, formada por deputados e senadores. Pela PEC, a admissibilidade será analisada pelas comissões de ConstituiçãoJustiça (CCJs) das duas Casas, nos primeiros dez dias de tramitação da MP. O exame definirá se a matéria da MP é urgente e relevante para o país. Caso contrário, a matéria deverá seguir a tramitação normal de projeto de lei.

“Esta proposta, de autoria inicial do presidente Sarney, e que eu tive a honra de relatar, trará ao Congresso um novo oxigênio, que ele não vem tendo. Infelizmente, o Congresso é hoje caudatário das decisões do Executivo. Só se vota hoje medidas provisórias, apensadas a matérias sem com as quais ela tenha qualquer relação inicial. Portanto, no momento em que estabelecemos limites para as medidas provisórias, estamos fortalecendo o Parlamento, porque haverá mais espaço para o legislador, eleito para isso, legislar em interesse da sociedade”, disse Aécio Neves.

 

Aécio contesta peso de Lula

Fonte: Bertha Maakaroun – Estado de Minas

Aécio contesta peso de Lula

Senador considera que se candidatura petista crescer um pouco será pelo capital político do partido em BH e não devido ao apoio do ex-presidente

 Aécio minimiza peso de Lula em Belo Horizonte

Aécio minimiza peso de Lula em BH. “Na hora de decidir o voto, o mineiro tem tradição secular de construir o seu destino”, comentou.

Marcio Lacerda fez corpo a corpo na Região do Barreiro na companhia do governador Antonio Anastasia e do senador Aécio Neves

senador Aécio Neves (PSDB) procurou minimizar ontem o peso político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o eleitorado de BH. Depois de considerar “natural” que a candidatura do PT “cresça um pouco mais”, Aécio atribuiu essa possibilidade não à presença do cacique petista na campanha de Patrus Ananias, mas a “um patamar de votos” que a legenda teria na cidade. ”Lula é especial, meu amigo inclusive. Mas acredito que, na hora de decidir o voto, o mineiro tem tradição secular de construir o seu destino, de buscar as suas opções. Isso as pesquisas estão refletindo”, argumentou.

Mesmo sem citar nominalmente ministros que estiveram na capital, como o da Saúde, Alexandre Padilha, e a da Secretaria Especial de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, Aécio afirmou: “Por mais que ministros de estado e outras lideranças venham a BH, e serão sempre por nós muito bem recebidos, a decisão caberá ao eleitor mineiro. Como ocorreu em relação ao governador Anastasia, onde essas mesmas lideranças nacionais aqui vieram pedir voto ao nosso adversário e o Anastasia venceu a eleição no primeiro turno”, observou Aécio Neves.

governador Antonio Anastasia (PSDB) rebateu também a crítica de Lula durante comício  na Praça da Estação,  de que o estado estaria quebrado. “Vou me limitar a informar que há menos de um mês a agência internacional Standard & Poors, a mais respeitada do mundo, analisou as finanças de Minas e subiu a nossa avaliação”, disse, repetindo o que Aécio havia dito anteontem.

As declarações do presidente nacional do PT, Rui Falcão, de que o partido percebe sinais de um eventual rompimento com o PSB para as eleições presidenciais de 2014, foram negadas pelo prefeito Marcio Lacerda (PSB). “Não acho que seja verdade. Ele está procurando acirrar a militância do PT aqui, em Recife, em Fortaleza e em outros lugares contra o PSB. Mas isso é de certa forma terrorismo político, que acho que não cola, pois, até onde sei, o PSB tem compromisso com a presidente Dilma, o que ficou claro no encontro que os governadores do Nordeste tiveram com ela recentemente”, ponderou.

Samba Aécio e Anastasia participaram ontem, ao lado de Marcio Lacerda, de ato de campanha no Barreiro, onde visitaram as obras do Hospital Metropolitano. O prefeito justificou o atraso nas obras pela falência de uma das empresas vencedoras da concorrência e respondeu às críticas dos adversários pela demora na conclusão. “O importante é que vai ser entregue. Houve um pequeno atraso motivado por uma empresa que faliu, mas a obra está a todo vapor, com 150 operários. Já a partir de dezembro a segunda empresa que fará a finalização entra em paralelo com a que está trabalhando agora”, informou.

Depois da visita ao hospital, Lacerda, Anastasia e Aécio fizeram corpo a corpo na Avenida Sinfrônio Brochado, onde cerca de 200 militantes o aguardavam. Lacerda chegou a sambar, ao lado vice, Délio Malheiros (PV), com eleitores.

JINGLE Lacerda comentou a decisão liminar da Justiça Eleitoral que suspendeu o jingle de sua campanha por repetir melodia já usada pela Prefeitura de Belo Horizonte. “É uma liminar que o juiz concedeu, contrariando decisões de outros dois juízes, também em nível de liminar. Vamos apelar, já mudamos o jingle, mas deixa o ‘Marcio trabalhar’ continuará”, afirmou.

DEBATE
Foi tenso o debate entre os candidatos a prefeito de BH, ontem à noite, no Centro Universitário UNA. O prefeito Marcio Lacerda (PSB), que disputa a reeleição, foi o principal alvo dos adversários e reclamou dos ataques. O maior crítico não foi o candidato do PT, Patrus Ananias, que polariza a disputa com o socialista, mas Tadeu Martins (PPL). As torcidas dos candidatos ficaram exaltadas e foram contidas pelos coordenadores do debate, que ameaçaram retirar do auditório quem continuasse interrompendo e atacando a fala do adversário.

Senador Aécio Neves diz que Covas é inspiração permanente

senador Aécio Neves reafirmou sua admiração por Mário Covas, que, em vida, foi governador e senador por São Paulo.

senador Aécio Neves confidenciou que, como governador de Minas, preserva fotos de Covas e de seu avô Tancredo Neves em sua mesa.

“Nos anos que governei Minas Gerais, tive à minha mesa uma antiga foto com o governador Mário Covas. Colocava-o, com aquele sorriso largo e generoso, em um espaço guardado carinhosamente para familiares queridos, frequentando minha intimidade ao lado do meu avô Tancredo, como inspiração permanente, não apenas a um modesto governador, mas ao homem público e às suas convicções”, disse.

Em 1989, o hoje senador Aécio Neves uniu-se aos políticos que fundaram o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), entre eles, Mário Covas, Fernando Henrique Cardoso e Franco Montoro.

Marca da gestão eficiente de Aécio Neves: PSDB dá largada ao Rodoanel Mineiro

Novo anel rodoviário da Região Metropolitana de Belo Horizonte será mais uma obra com a marca da gestão eficiente do Governo de Minas

Mais uma vez, a gestão eficiente de Aécio Neves no Governo de Minas e hoje mantida por Antonio Anastasia, faz com que o Estado tome a iniciativa em investimentos vitais para a população mineira. Enquanto as obras do Anel Rodoviário de Belo Horizonte só se iniciarão no próximo ano, na melhor das hipóteses, Anastasia já colocou sua equipe para trabalhar e dar vida ao projeto da construção do Rodoanel Mineiro.

Já há alguns anos, com o crescimento das cidades do entorno da capital, o Anel Rodoviário, que deveria funcionar como uma via expressa, foi engolido pelo perímetro urbano destes municípios, com unidades residenciais ocupando suas margens e proximidades, trazendo perigos e mortes.

Para este, a solução encontrada pela presidente Dilma Rousseff foi apostar exatamente na gestão eficiente do PSDB frente ao governo mineiro. Ela decidiu tirar a responsabilidade pela modernização da rodovia do PT e passar para o Governo de Minas, exatamente como os próprios governadores Aécio e Anastasia já havia sugerido.

Já a criação de um novo anel rodoviário na Região Metropolitana sempre foi consenso entre os poderes municipais, estadual e federal. Chegou-se a um acordo para uma obra conjunta entre os entes públicos e a iniciativa privada.

Numa prova de competência gerencial e de planejamento, o Governo do Estado já colocou na rua uma consulta pública para a construção do trecho que lhe cabe no acordo referente ao Rodoanel Mineiro: o trecho Norte, que interligará os municípios de Sabará, Santa Luzia, Vespasiano, São José da Lapa, Pedro Leopoldo, Ribeirão das Neves, Contagem e Betim.

Anastasia quer que o processo de concessão do trecho esteja pronto ainda no primeiro semestre de 2013.  São decisões como essa que mostram que a presidente Dilma acertou ao retirar do PT e confiar ao PSDB as obras que a população de Belo Horizonte e Minas também reclamam do governo federal.

Aécio debateu criação do TRF da 6ª região é reivindicação histórica de Minas Gerais, que hoje é atendido pelo TRF da 1ª Região, em Brasília.

Aécio: senador

Fonte: Site senador Aécio Neves

Aécio Neves defende criação do TRF de Minas em embate com líder do governo no Congresso

Proposta foi aprovada em primeiro turno e volta à pauta em setembro

 Aécio: senador trava embate com PT pelo TRF Minas

Aécio: senador durante sessão no plenário do Senado onde defendeu aprovação da PEC 65/2011, que cria o Tribunal Regional Federal (TRF) da 6ª Região, para atender Minas Gerais. Foto: George Gianni / PSDB

senador Aécio Neves travou, na noite dessa quarta-feira (29/08) mais um embate com o líder do governo no Congresso Nacional, senador José Pimentel (PT-PI), em defesa da aprovação da PEC 65/2011, que cria o Tribunal Regional Federal (TRF) da 6ª Região, para atender Minas Gerais. Após acalorado debate entre os dois parlamentares, a proposta foi aprovada em primeiro turno pelo plenário do Senado Federal por 58 votos contra seis.

“Conseguimos, felizmente, hoje, no plenário do Senado Federal, depois de um embate duro com o líder do governo no Congresso, o senador do PT, José  Pimentel, aprovar  em primeiro turno a criação do Tribunal Regional Federal  de Minas Gerais. Tivemos aqui um embate desde o início deste ano em torno dessa proposta e esperamos  que o segundo turno definitivo noSenado, seja votado até o dia 12  do mês de setembro”, disse o Aécio Neves.

A criação do TRF da 6ª região é uma reivindicação histórica de Minas Gerais. Hoje, o estado é atendido pelo TRF da 1ª Região, com sede em Brasília, que abrange também outros 13 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins). Os tribunais regionais julgam recursos apresentados àJustiça após julgamento em primeira instância nos estados. O acúmulo de processos no TRF da 1ª Região tem gerado atrasos de anos na análise dos recursos apresentados. Quando governador de Minas GeraisAécio Neves já havia cedido o prédio do antigo Tribunal de Alçadas para a instalação do TRF da 6ª Região em Belo Horizonte,

“Na verdade, hoje, o tribunal que atende Minas Gerais, que é o da 1ª Região, atende outros 13 estados. Isso significa que aquele cidadão, sobretudo o mais desprotegido, que tem um recurso para ser analisado, está demorando não anos, mas décadas para que o recurso seja julgado, já que o acúmulo é enorme nesse tribunal regional do qual faz parte Minas Gerais. Desses 13 estados, Minas responde por quase 50% das demandas. Portanto, nada mais natural que se crie o tribunal de Minas Gerais porque vai  garantir um alívio processual, uma agilidade  maior aos processos referentes aos mineiros e também, de alguma forma, atende esses outros 13 estados, porque terão, obviamente, também a pauta aliviada”, defendeu o senador no embate com o líder do governo no Congresso.

Justiça mais ágil

governo federal vinha se posicionando contra a proposta, alegando que ela geraria gastos extras para o governo. O líder do governo também questionou a constitucionalidade da criação de um tribunal regional através de uma PEC. O senador Aécio rebateu as questões apresentadas pelo petista, lembrando que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), instância que analisa a legalidade das propostas, julgou a PEC constitucional e que caberá ao Superior Tribunal de Justiça definir valores orçamentários para sua implantação.

“Esse é um projeto que atende uma demanda não apenas da Justiça Federal, mas dos cidadãos mineiros que, ao apresentarem seus recursos, esperam que eles sejam decididos, a favor ou contra. O que estamos fazendo é garantir agilidade, serviços judiciais céleres, rápidos, ágeis aos mineiros. É uma proposta do senador Clésio, que eu tive o privilégio de relatar e, apesar da objeção do líder do governo do Congresso, que defendeu a não aprovação da proposta, venceu o bom senso e venceu Minas Gerais”, afirmou o senador Aécio Neves.

Aécio Neves: Senado aprovação em 1º turno, no Senado, da PEC que cria o TRF da 6ª Região, para atender exclusivamente Minas Gerais.

Aécio Neves: Líder da Oposição

Fonte: Jogo do Poder

 Aécio Neves: Senado aprova TRF de Minas

Aécio Neves: Senado aprovação em 1º turno, no Senado, da PEC que cria o TRF da 6ª Região, para atender exclusivamente Minas Gerais.

Entrevista senador Aécio Neves

“Conseguimos, felizmente, hoje, no plenário do Senado Federal, depois de um embate duro com o líder do governo no Congresso, o senador do PT , José  Pimentel,  aprovar  em primeiro turno a criação do Tribunal Regional Federal  de Minas Gerais.

Na verdade, hoje, o tribunal que atende Minas Gerais, que é o da 1ª Região, atende outros 13 estados. Isso significa que aquele cidadão, sobretudo o mais desprotegido, que tem um recurso para ser analisado, está demorando não anos, mas décadas para que o recurso seja julgado, já que o acúmulo é enorme nesse tribunal regional do qual faz parte Minas Gerais.

Desses 13 estados, Minas responde por quase 50% das demandas. Portanto, nada mais natural que se crie o tribunal de Minas Gerais porque vai garantir um alívio processual, uma agilidade  maior aos processos referentes aos mineiros e também, de algum forma, atende esses outros 13 estados, porque terão, obviamente, também a pauta aliviada.

Tivemos aqui um embate desde o início desse  ano em torno dessa proposta e esperamos  que o segundo turno definitivo no Senado, seja votado até o dia 12  do mês de setembro.

Portanto, um projeto que atende uma demanda não apenas da Justiça Federal, mas dos cidadãos mineiros que, ao apresentarem seus recursos, esperam que eles sejam decididos, a favor ou contra.

O que nós estamos fazendo é garantir agilidade, serviços judiciais céleres, rápidos, ágeis aos mineiros.

É uma proposta do senador Clésio, que eu tive o privilégio de relatar e, repito, apesar da objeção do líder do governo do Congresso, que defendeu a não aprovação da proposta, venceu o bom senso e venceu Minas Gerais.”