• Agenda

    agosto 2019
    S T Q Q S S D
    « out    
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

  • Anúncios

Deputados do PT pedem investigação contra Aécio por lista fraudada de Furnas

Gravações feitas pela Polícia Federal chegaram a flagrar o deputado petista Rogério Correia negociando com o falsário Nilton Monteiro a confecção da Lista Fraudada de Furnas.

Denúncia do MP de Minas já tinha identificado como age o estelionatário que falsificou a Lista de Furnas envolvendo políticos tucanos e mostrou uma série de golpes contra empresários e espólios milionários

Alegação dos parlamentares petistas é de que depoimentos do doleiro Alberto Youssef na Lava Jato reforçam indícios de participação de Aécio no desvio de recursos na estatal

Fonte: Jogo do Poder O Estado de Minas

Lista fraudada de Furnas: PT cria factóide e pede investigação contra Aécio

Deputados do PT criam ‘factóide’ contra Aécio Neves em investigação da lista fraudada de Furnas produzida por um estelionatário já conhecido da Justiça. Foto: Antonio Cruz/ABr

Lista de Furnas: MP comprova falsidade de documentos

Lista fraudada de Furnas: estelionatário Nilton Monteiro tinha apoio de Marco Aurélio Flores Carone, editor do jornal eletrônico “Novo Jornal”.

Com a chegada do ano eleitoral no final de 2014, políticos de diversas colorações partidárias se transformam no alvo preferencial daquele que o Ministério Público de Minas Gerais define como o “Midas da falsificação”. Trata-se de Nilton Antônio Monteiro, um antigo conhecido das delegacias de estelionato que costuma trafegar com enorme desenvoltura no eixo Minas-Rio-Brasília e que nos últimos 13 anos teria, segundo o promotor André Luiz Garcia de Pinho, movimentado cerca de R$ 1,3 bilhão com seus golpes e achaques.

Leia mais http://www.jogodopoder.com/blog/politica/lista-de-furnas-mp-comprova-falsidade-de-documentos/

PT em desespero – Lista de Furnas pode respingar em Lula, partido tenta desqualificar laudo de perito americano

Desesperado, PT mente sobre perícia na Lista de Furnas

Maior especialista do mundo em fraude de documentos, Larry F. Stewart nunca mentiu sobre perícias. Não se pode dizer o mesmo do PT, que…

Leia mais: http://www.jogodopoder.com/blog/politica/pt-em-desespero-lista-de-furnas-pode-respingar-em-lula-partido-tenta-desqualificar-laudo-de-perito-americano/

Mais detalhes

Deputados pedem a Janot investigação contra Aécio por “lista de Furnas

Fonte: Estado de Minas

Os deputados federais Adelmo Leão e Pedro João, do PT de Minas Gerais, e o deputado estadual Rogério Correia (PT-MG), encaminharam uma representação à Procuradoria-Geral da República pedindo que seja aberta investigação para apurar a eventual participação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) na chamada “lista de Furnas”.

A alegação dos petistas é de que depoimentos do doleiro Alberto Youssef no âmbito da Operação Lava Jato reforçam indícios de uma suposta participação de Aécio no desvio de recursos em contratos de Furnas. As descobertas tornadas públicas com a Lava Jato, escrevem os deputados, indicam a necessidade de a PGR “aprofundar as investigações” sobre o caso.

“Veja-se, Senhor Procurador-Geral da República, que muito embora Vossa Excelência já tenha feito algum juízo de valor em relação à possibilidade de abertura de inquérito sobre determinadas pessoas mencionadas nas colaborações premiadas no âmbito da Operação Lava Jato, notadamente em relação ao atual Senador Aécio Neves, é imprescindível que novas investigações sejam entabuladas e aprofundadas acerca dos vultosos desvios de recursos públicos em ambas as empresas (Cemig e Furnas) no período de 1994 a 2002″, escrevem os parlamentares.

Ao encaminhar os pedidos de investigação de parlamentares ao Supremo Tribunal Federal (STF), no início do mês, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o arquivamento da citação a Aécio Neves. Janot não viu elementos suficientes para abertura de inquérito contra o senador e presidente nacional do PSDB.

Além de alegar que os fatos eram diversos dos investigados na Lava Jato – que apura esquema de corrupção na Petrobras -, Janot apontou na ocasião que as afirmativas de Youssef são “muito vagas” e fundamentadas no que ouviu por intermédio de terceiros.

Informações complementares sobre a montagem da fraude da Lista de Furnas

Anúncios

Eleições 2012: Aécio impôs dura derrota a Dilma e Lula

Aécio presidente: Eleições 2012

Com apoio de Aécio, Lacerda é reeleito

Candidato do PSB recebeu 52,7% dos votos; Patrus, bancado por Dilma, ficou com 40,8%

 Eleições 2012: Aécio impôs dura derrota a Dilma e Lula

Com apoio de Aécio, Lacerda é reeleito

Com a reeleição em primeiro turno de seu aliado, o prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) com 52,69% dos votos válidos (676.215 votos), o senador e provável candidato do PSDB à Presidência em 2014, Aécio Neves (PSDB-MG), impôs neste domingo, 7, uma dura derrota à presidente Dilma Rousseff e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os dois se engajaram na campanha do petista Patrus Ananias, que recebeu 40,8% (523.645 votos) da votação, e viram o PT ser desalojado da prefeitura da capital mineira pela primeira vez em 20 anos. Apesar do clima de euforia – o governador Antonio Anastasia chegou a proclamar “Aécio presidente em 2014” -, o senador procurou ser mais contido.

Segundo o tucano, 2014 “não está em pauta”. “Está em pauta uma grande vitória da verdade e do trabalho do prefeito Marcio Lacerda“, desconversou Aécio, em tumultuada entrevista, na qual criticou a argumentação usada pelo PT na campanha. “Não existe nada mais atrasado, nada mais arcaico, do que o discurso do alinhamento, de que é preciso que haja governodo mesmo partido do governador, do prefeito. Isso era o discurso da ditadura. Isso acabou. O Brasil evoluiu muito.” Um dos argumentos de Patrus era o de que o alinhamento permitiria que mais verbas do governo federal beneficiassem Belo Horizonte.

Aécio foi o principal fiador de Lacerda no racha entre PSB e PT ocorrido em junho passado e articulou pessoalmente e por meio de aliados a composição da coligação em torno do prefeito, formada por 19 partidos – 16 deles integrantes da base do governo da presidente Dilma.

A derrota em primeiro turno foi um baque para o PT. A própria Dilma entrou na eleição, assim como Lula, negociando a formação da coligação e da chapa de Patrus, que reproduziu a aliança nacional, com o peemedebista Aloísio Vasconcellos de vice. Os dois principais líderes petistas, contudo, não conseguiram reverter a vantagem de Lacerda.

A vitória de Lacerda (e Aécio) teve algum caráter dramático. Depois de liderar por ampla margem a campanha eleitoral na capital mineira, o socialista viu sua vantagem sobre Patrus se estreitar na última semana, a ponto de a possibilidade de vitória no primeiro turno parecer ameaçada. A pesquisa de boca de urna do Ibope, que o apontou com 52% dos votos válidos, divulgada após o encerramento da votação, não foi suficiente para tranquilizá-lo, já que a vantagem estava dentro da margem de erro e poderia não existir. Após algumas horas de espera festiva e tensa, porém, veio a confirmação da vitória, por volta das 20h.

“Viva a vitória! Viva Belo Horizonte! Viva a verdade!”, bradou Lacerda, em rápido comício para seus apoiadores, improvisado em um carro de som em frente ao comitê central da campanha, no bairro Gutierrez. “Minas jamais se curva, ao contrário, Minas se engrandece pelo embate”, discursou Aécio após a proclamação da vitória. Com a reeleição, o nome de Lacerda passa a ser o mais cotado para a disputa pelo governo mineiro em 2014 com apoio do senador tucano, já que o PSDB-MG não conta com nenhuma opção considerada “natural”.

 Eleições 2012: Aécio impôs dura derrota a Dilma e Lula

Eleições 2012

‘Estrangeiro’
A campanha de Belo Horizonte foi marcada pela nacionalização da disputa, aposta de Aécio, que atacou a presidente Dilma Rousseff, a quem se referiu afirmando que o eleitorado da capital sabe “muito melhor do que qualquer estrangeiro que vem aqui às vésperas da eleição dizer ‘vote nesta ou naquela direção’”. Dois dias depois, Dilma, que nasceu em Belo Horizonte, mas fez carreira no Rio Grande do Sul, participou de comício na capital mineira e fez vários ataques ao tucano, chegando a dizer que saiu da cidade “para lutar contra a ditadura, não para passear, para ir à praia”, em referência à residência que Aécio mantém no Rio.

‘Vitória política
Após a confirmação do resultado, Patrus, recebido com palmas na sede do comitê de campanha, contou que ligou para Lacerda. “Eu disse que reconhecia o resultado e que estamos à disposição. Não vamos fazer oposição a Belo Horizonte. Mas vamos cobrar dia a dia as promessas que ele fez”, afirmou. O petista avaliou que o PT sai “fortalecido” do pleito.

“Na vida pública, as vitórias políticas nem sempre se encontram com as vitórias eleitorais. Tivemos uma grande vitória política. Unimos o PT. A partir de agora, haverá oposição em Belo Horizonte e Minas Gerais”, declarou.

O ex-ministro se emocionou ao abraçar o filho Pedro Patrus, eleito vereador na capital, e revelou ainda que recebeu um telefonema de Dilma parabenizando pela campanha. “Ela reafirmou o que disse aqui: está estabelecida uma linha divisória em Minas Gerais”, disse Patrus.

Ética pública – Artigo do senador Aécio Neves para a Folha de S. Paulo

Fonte: Folha de S. Paulo

Senador Aécio Neves: Artigo

Há poucos dias, lamentei, neste espaço, a aposentadoria compulsória do ministro Cezar Peluso, do STF, em momento crucial da Corte, atendendo à legislação que fixa a idade-limite de 70 anos no setor público brasileiro.

A ela soma-se agora outra baixa relevante para o país: o jurista, e também ex-ministro do STF, Sepúlveda Pertence renunciou à presidência da Comissão de Ética Pública da Presidência da República. E não por limite de idade.

Elegante como sempre, Pertence atribuiu sua saída à “radical mudança na composição da comissão”, consumada com o afastamento de dois membros indicados por ele, substituídos por nomes agora avalizados pelo Planalto.

Pertence não disse, mas é fato, que os afastados emitiram pareceres desfavoráveis ao governo e, certamente por este motivo, não foram reconduzidos às suas posições.

A falta de uma explicação clara por parte da Presidência da República para este importante desfalque em um grupo de tão alto nível, autoriza a sociedade brasileira a buscá-la em atos e fatos que emanam do Palácio do Planalto.

Não há novidade no jeito petista de ver e tratar a questão da ética pública. Lembro que, em 2008, o então presidente dessa mesma comissão, Marcílio Marques Moreira, entregou o cargo três meses antes do fim do seu mandato. Ao renunciar, lamentou: “Não temos nenhuma força. Temos apenas a nossa consciência e a nossa autoridade moral”. E mais não disse –e nem precisava.

Este episódio reforça a compreensão de que alguns pretensos avanços propagados pelo governo Dilma Rousseff não se concretizaram. A faxina ética é uma delas.

Não se conhece providência efetiva para as graves denúncias que derrubaram um número recorde de ministros. Os problemas continuam –obras e projetos inacabados, orçamentos multiplicados a esmo, benevolências de toda ordem para alguns grandes grupos econômicos, o veto, contraditório, feito à isenção dos impostos que incidem sobre a cesta básica, e agora a confirmação do pífio crescimento da economia representado pelo PIBinho de 1,5%.

As práticas políticas também são as mesmas. A deselegante troca da ministra da Cultura em razão da disputa eleitoral em São Paulo e a publicação de uma nota oficial da Presidência da República em resposta a críticas feitas ao PT por um adversário, o ex-presidente FHC, não deixam mais qualquer dúvida quanto à irremediável mistura entre o público e o partidário. É a prevalência das causas de um partido –o PT– sobre os interesses de Estado.

Como dizem os antigos, não há como tapar o sol com a peneira. A emblemática desistência de Sepúlveda é mais um alerta. Mais uma vez perde o Brasil e perdem os brasileiros.

Aécio: senador diz que o transplante é a única alternativa para cerca de 20 mil pacientes por ano, no país, portadores de doenças graves.

Aécio Neves: artigo sobre Doação de Órgãos

 Aécio: senador fala Sistema Nacional de Transplantes

Aécio: senador fala Sistema Nacional de Transplantes

Fonte: Folha de S.Paulo

Esperança

Aécio Neves

Já se vão mais de quatro décadas desde que o peito do lavrador João Boiadeiro recebeu o primeiro coração transplantado no Brasil, pelas mãos do cirurgião Euryclides de Jesus Zerbini, no Hospital das Clínicas, na cidade de São Paulo.

O paciente viveu 28 dias com o novo órgão e inaugurou um caminho de esperança na vida de famílias em todo o país. É uma história marcante para ser lembrada na data de hoje, em que iniciamos a semana em que se comemora o Dia Mundial da Doação de Órgãos.

Há muito tempo que o Brasil é destaque internacional e possui um dos maiores programas públicos de transplantes de órgãos e tecidos do mundo. Foi decisiva para esse avanço a participação do Sistema Único de Saúde (SUS), que hoje financia a maior parte das cirurgias realizadas no país.

O grande salto estrutural, como tantos outros, em campos diversos, se deu durante o governo do PSDB, com a edição da Lei dos Transplantes e sua regulamentação, em 1997.

Na ocasião, firmaram-se os princípios e as diretrizes, como o consentimento e a gratuidade da doação, estabelecendo-se direitos e garantias para receptores, doadores e suas famílias.

Em seguida, o Ministério da Saúde, em particular na gestão de José Serra, dedicou-se com afinco à organização do Sistema Nacional de Transplantes, à implantação de listas únicas de receptores e à criação de centrais estaduais de transplantes.

Em 1997, os transplantes não superavam 4 mil por ano. Em 2011, foram mais de 23 mil cirurgias. Apesar dessa manifestação de solidariedade, o número ainda é insuficiente.

O desafio continua sendo o baixo número de doadores. Em 2011, pela primeira vez, o Brasil chegou ao índice de 11,4 doadores por milhão de habitantes. A meta é alcançar 15 por milhão em 2015.

Dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos mostram que quase a metade de 1.915 famílias consultadas por equipes médicas em 2011 não autorizou doação.

A maior parte das negativas se baseia no fato de a família não saber se a pessoa concordava com a doação. Na dúvida, prevalece a recusa.

Diante desse cenário, precisam ser multiplicadas ações para que mais brasileiros aceitem e declarem sua opção como doadores. Esse tipo de iniciativa cabe tanto à administração pública -federal, estadual, municipal- quanto à sociedade civil.

Uma solução criativa recente foi a parceria entre o Ministério da Saúde e o Facebook, permitindo ao usuário da rede social fazer sua opção publicamente. Embora de alcance jurídico limitado, há um efeito simbólico evidente.

O transplante é a única alternativa para cerca de 20 mil pacientes por ano, no país, portadores de doenças graves. Eu sou doador. E você?

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras neste espaço.

Aécio: royalties do minério

Aécio: royalties do minério

Fonte: Assessoria de Imprensa do senador Aécio Neves

Aécio Neves cobra veto da presidente Dilma à mudança no cálculo do royalty do minério

“A decisão da presidente da República é absolutamente contrária aos interesses de Minas Gerais”, diz Aécio

 Aécio critica Dilma sobre royalties do minério

Aécio critica Dilma sobre royalties do minério. “É uma decisão, mais uma delas, equivocada”, lamentou o senador.

senador Aécio Neves cobrou hoje da presidente da RepúblicaDilma Rousseff, o veto à emenda que permitia aumentar o valor dos royalties de minério pagos a Minas Gerais e aos estados mineradores. O veto foi publicado no Diário Oficial desta terça-feira (18/09). A emenda aprovada pelo Congresso mudava a base de cálculo da compensação financeira (CFEM) paga aos estados e municípios que sofrem mineração. Em entrevista, o senador destacou que o veto prejudica Minas.

“A decisão da presidente da República absolutamente contrária aos interesses de Minas Gerais. Talvez pela pouca familiaridade com a realidade de Minas. Talvez não sabendo o que está acontecendo com as nossas regiões mineradoras, muitas delas exauridas já. A presidente vindo a Minas Gerais, se aqui estiver, terá a oportunidade de esclarecer as razões que a levaram a mais este gesto de absoluta injustiça para com o nosso Estado. Ela será muito bem vinda e terá uma oportunidade de se explicar. É uma decisão, mais uma delas, equivocada, e que não atende aos interesses de Minas Gerais”, afirmou o senador Aécio Neves.

A emenda de autoria do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) alterava a regra atual usada no cálculo da CFEM e foi aprovada junto à MP 563/2012. Ela estabelecia como base para cálculo do royalty o preço médio diário, nas bolsas de mercadorias, do minério exportado, e não mais o lucro declarado pelas empresas de mineração.

“Imposto tem de ser calculado sobre o preço real das mercadorias, inclusive, das commodities. Mas em relação à CFEM, que é um imposto estadual, que atende Minas, Pará, Goiás e outros estados mineradores, com esta decisão, é possível que a CFEM seja calculada sobre o preço subfaturado dos produtos. Eu lamento, como mineiro, e tenho certeza de que todos os mineiros de verdade lamentam esta decisão”, disse o senador.

Aécio: senador confirma jogo da seleção no Mineirão que será o 1º estádio brasileiro a ser entregue atendendo as exigências da Fifa.

Aécio: Mineirão

Fonte: Assessoria de Comnicação do senador Aécio Neves

Aécio Neves confirma jogo amistoso da seleção no Mineirão

“Queremos que seja um grande clássico, com uma grande seleção europeia ou com a Argentina”, diz senador

 Aécio: senador confirma jogo da seleção no Mineirão

Aécio: senador confirma jogo da seleção no Mineirão

senador Aécio Neves confirmou, nesta segunda-feira (17/09), que o  Mineirão abrigará entre março e abril do ano que vem um dos jogos amistosos preparatórios da seleção brasileira para a Copa do Mundo. A confirmação do jogo ocorreu durante visita do governador Antonio Anastasia e do presidente da CBFJosé Maria Marín, às obras de reforma do estádio. Aécio Neves disse que o amistoso deverá ser com uma seleção européia ou com a Argentina. O pedido foi feito à CBF pelo senador no ano passado.

“O Mineirão será o primeiro estádio brasileiro a ser entregue atendendo, na plenitude, as exigências da Fifa. Queremos que seja um grande clássico, com uma grande seleção europeia ou com a Argentina. Estamos tendo cautela na definição da data, mas posso antecipar que será entre março e abril. Obviamente, a partir do calendário das seleções que estão disputando as eliminatórias para a Copa do Mundo, mas vamos ter aqui um momento de grande festa e de reconhecimento ao trabalho que Minas Gerais fez”, afirmou Aécio.

O novo Mineirão deverá ser entregue em 21 de dezembro, com capacidade para receber 64 mil torcedores. O estádio está com 78% das obras concluídas. Aécio Neves anunciou também  que solicitou à CBF que avalie a possibilidade de Belo Horizonte receber a seleção brasileira no período de preparação para a Copa das Confederações.

“Vamos trazer uma etapa importante da preparação da seleção brasileira para Minas Gerais na véspera da Copa das Confederações, o que pode ser um sinal até para que a gente tenha um espaço também com a seleção na Copa do Mundo. Mas tudo começa com a Copa das Confederações”, afirmou.
Reconhecimento a Minas

Em seu discurso durante a visita ao Mineirão, o presidente da CBF destacou que Minas está bem preparada para realizar os jogos da Copa do Mundo.

Minas Gerais mais do que nunca está preparada para receber e realizar uma grande Copa do Mundo. Vamos estudar com muito carinho e dar prioridade para que a seleção brasileira possa se exibir em Minas Gerais como demonstração de reconhecimento a todo este trabalho maravilhoso. Vamos atender mais uma vez o pedido do senador Aécio. O que Minas merece, Minas terá da CBF”, disse.

Marín ressaltou também o compromisso e a ousadia do governador Antonio Anastasia e do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, para garantir os investimentos no esporte.

“Quando o poder público dá a devida e justa atenção ao esporte, de forma particular ao futebol, devemos não só reconhecer esta realização, mas, acima de tudo, agradecer aos homens que tiveram a ousadia e a coragem de escolher o esporte como o grande instrumento de aproximação com o povo. Estou admirando esta obra maravilhosa do Mineirão e vendo que ela não seria uma realidade se não tivéssemos atrás do prefeito e do governador uma figura idealista e que acredita naquilo que constrói que é o senador Aécio Neves”, disse Marín.

Participaram da visita, o prefeito Marcio Lacerda, os secretários de Estado, Fuad Noman (Copa do Mundo), Bráulio Braz (Esporte e Juventude), o presidente da Federação Mineira de Futebol, Paulo Schettino; e os presidentes dos clubes mineiros Alexandre Kalil (Atlético), Gilvan Tavares (Cruzeiro) e Afonso Celso (América).
Mais visibilidade e empregos

senador e ex-governador de Minas destacou os esforços realizados pelo governo nas obras de reforma do estádio do Independência, que tem abrigado os jogos do Campeonato Brasileiro.

“Nenhum estado brasileiro investiu tanto no futebol, quanto o estado de Minas Gerais. Fico muito orgulhoso não apenas de ver o Mineirão já quase pronto, o Independência que é hoje um estádio extraordinário, mas o Brasil reconhecendo este nosso esforço. Vamos ter aqui a seleção brasileira jogando, vamos ter aqui a seleção brasileira se preparando. Isso significa turismo, significa imprensa nacional e internacional em Belo Horizonte. Empregos na rede hoteleira, empregos na área de serviços, para os taxistas, enfim, um grande momento”, afirmou Aécio Neves.

 

Choque de Gestão: Aécio Neves – Resultados sociais mostram acertos na escolha pela continuidade das políticas públicas do Governo de Minas.

Fonte: Jogo do Poder

Choque de Gestão: apenas “uma palavra mágica”?

Resultados sociais mostram acertos do Choque de Gestão de Aécio Neves e da escolha pela continuidade das políticas públicas do Governo de Minas

 Choque de Gestão: Aécio e as políticas sociais

Choque de GestãoAécio Neves – Resultados sociais mostram acertos na escolha pela continuidade daspolíticas públicas do Governo de Minas.

Choque de Gestão é marca indelével na biografia do senador Aécio Neves e as tentativas de se criticar o modelo que transformou a administração pública brasileira não encontram respaldo nos números e indicadores sociais. Os resultados alcançados por Minas Gerais na educação são prova de que respeito ao cidadão, administração pública responsável e otimização dos gastos públicos não são simplesmente “palavra mágica”.

Minas Gerais não foi o estado campeão nacional no primeiro ciclo do ensino fundamental à toa. Tudo é resultado de um conjunto de políticas públicas implantado em 2003, logo no início do Choque de Gestão de Aécio Neves e que teve continuidade no Governo Antonio Anastasia, que agora, executa a terceira geração do plano, denominado Gestão para a Cidadania.

Minas Gerais foi o primeiro estado brasileiro a garantir o ensino fundamental de nove anos, colocando as crianças de 6 anos de idade nas escolas públicas. Também foi pioneiro ao distribuir livros didáticos gratuitos para seus alunos, ação paga com recursos do Tesouro estadual

Nos quatro primeiros anos do Choque de Gestão, o Governo de Minas também reformou cerca de 3.000 escolas públicas, beneficiando aproximadamente 2 milhões de alunos e milhares de professores e profissionais da educação.

Enquanto Minas Gerais atingiu a nota 5,9 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) 2011, o governo federal, por meio do ministro Aloizio Mercadante, já anunciava que precisaria de um plano emergencial para melhorar o desempenho nacional, que ficou apenas na média de 5,0, número considerado insuficiente pelo próprio Ministério da Educação (MEC).

Não existe “palavra mágica” ou discurso político vazio que mude a realidade da educação como fez Minas Gerais. O que existe é determinação, planejamento e compromisso real em diminuir as desigualdades sociais. Ações e métodos que compõem a base do Choque de Gestão, termo que não saiu de nenhuma cartola e tampouco se restringiu aos palanques eleitorais ou às propagandas eleitorais gratuitas da TV.