• Agenda

    agosto 2014
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Conheça as diretrizes do Programa de Pimenta da Veiga

Pimenta está percorrendo Minas, para ouvir as pessoas, sugestões e abriu um canal de participação para interagir com os mineiros.

Eleições 2014

Fonte: Site do candidato Pimenta da Veiga

Pimenta da Veiga está percorrendo cada canto de Minas para ouvir as pessoas e suas sugestões. E está abrindo um canal de participação via internet para que cada mineiro possa interagir com as suas propostas: o Ouvir Você.

Durante todo o mês de agosto, essas contribuições serão recebidas e avaliadas. E, em setembro, será lançado, oficialmente, o Plano de Governo.

A equipe de elaboração do Plano será coordenada pelo ex-ministro de Estado do Trabalho, ex-ministro do Planejamento e Orçamento no governo FHC e professor da Fundação Dom CabralPaulo Paiva, junto ao advogado e gestor público Thiago Bregunci e contará com uma rede de colaboradores e especialistas de áreas consideradas prioritárias, entre eles, professores, médicos, engenheiros e economistas.

Conheça abaixo os compromissos da nova gestão e as diretrizes do Plano de Governo.

COMPROMISSOS DA NOVA GESTÃO

O primeiro e principal compromisso do governo de Pimenta da Veiga em Minas Gerais será com os cidadãos. As ações do governo terão como objetivo principal promover o bem-estar das pessoas, que devem ser respeitadas e contempladas com políticas públicas que tornem nosso Estado uma terra de oportunidades.

O desenvolvimento almejado nos próximos anos possui três dimensões: crescimento econômico, inclusão social e sustentabilidadeMinas Gerais possui a terceira maior economia do país e precisa seguir progredindo, sempre com a preocupação de reduzir desigualdades para que mais pessoas participem dos avanços alcançados. Que o desenvolvimento gere oportunidades para todos os mineiros. A preocupação com o meio ambiente também é central, já que os recursos naturais abundantes precisam ser utilizados de maneira sustentável para que as futuras gerações também possam desfrutar dos mesmos.

Os verdadeiros propulsores para esse desenvolvimento são a Educação e a Infraestrutura. Depois dos importantes avanços educacionais nas administrações do PSDB em Minas Gerais, nos últimos anos, a educação será um dos pilares do próximo governo. Somente com um ensino de qualidade, poderemos dar às nossas crianças dignidade e chances para desenvolverem seus talentos.

Outro propulsor será a melhoria da infraestrutura. O Governo Estadual focará suas ações no aperfeiçoamento do sistema de logística, com apoio à mobilidade urbana. Tanto nas cidades quanto nas estradas, os cidadãos devem se deslocar em vias de qualidade. Com melhor infraestrutura, a economia mineira ficará mais competitiva e mais empregos serão criados.

O modelo de boa governança fortalecerá as políticas sociais, buscando integrar as ações com foco, por exemplo, na qualidade do atendimento à saúde e eficiência na segurança pública, duas áreas fundamentais para os cidadãos.

Os desafios são muitos e os avanços necessários. Pimenta da Veiga promete não poupar esforços para oferecer aos mineiros uma gestão transparente, responsável e ética, princípios que sempre o acompanharam em sua extensa vida pública.

DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO

Minas Gerais precisa avançar ainda mais. O principal desafio do desenvolvimento do Estado é a redução das suas desigualdades: diminuir o hiato entre o tamanho da economia (3ª no Brasil) e a distribuição dos frutos de sua riqueza (9ª no índice de IDH no Brasil), promover o desenvolvimento com inclusão, estimular o bem-estar da população e garanti-lo às gerações futuras.

A busca do desenvolvimento inclusivo e sustentável é a diretriz que norteará o programa do governo Pimenta da Veiga. Crescimento econômico com inclusão social e equilíbrio ambiental.

O programa de governo de Pimenta da Veiga, nos próximos quatro anos, será ancorado em um plano estratégico de longo prazo, o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado, e nos compromissos com o desenvolvimento inclusivo e sustentável, visando aumentar a eficiência da economia e a redução das desigualdades. Estará alicerçado nos compromissos com a democracia e na consolidação da cidadania, ampliando os canais de diálogo com a sociedade e fortalecendo as instituições constituídas.

As políticas, os programas e projetos dos quatro anos de governo estarão alinhados com essa visão de longo prazo: um Estado próspero e justo; um Estado onde as oportunidades estejam disponíveis igualmente para todos seus cidadãos; um Estado onde crescimento econômico, inclusão social e preservação ambiental andem juntos. Estes serão construídos com processos de participação eficiente e efetiva, especialmente com uso de novas tecnologias de informação e comunicação.

As riquezas de Minas Gerais estão em seus infindáveis recursos naturais, em uma estrutura produtiva robusta e no enorme potencial de seus recursos humanos. Alavancar essas riquezas, tarefa fundamental do Estado, eleva o bem-estar de todas as pessoas.

O governo Pimenta da Veiga se compromete e irá executar políticas públicas visando dotar a população mineira de crescente capital humano, condição necessária para a redução da pobreza e das desigualdades e para o aumento da produtividade e da competitividade, isto é, do crescimento econômico.

A educação será o principal pilar da política de desenvolvimento inclusivo e sustentável do governo. Marca de sucesso na administração do PSDB nos últimos 12 anos, a orientação será melhorar ainda mais a qualidade do ensino, refletida nos indicadores de proficiência dos alunos, ampliar a inclusão das crianças na pré-escola, em parceria com os municípios, e desenvolver um abrangente programa de educação profissional em parceria com outros agentes. Atenção muito especial será dada à qualidade das escolas públicas localizadas em áreas de grande vulnerabilidade social e à expansão das escolas em tempo integral.

Alinhados com a educação, serão estimulados o progresso tecnológico e a inovação.

Inovação e eficiência serão as marcas das políticas públicas na educação.

Infraestrutura será o outro pilar da política de desenvolvimento inclusivo e sustentável.

Governo Estadual focará suas ações referentes a infraestrutura na melhoria do sistema de logística e no apoio à melhoria da mobilidade urbana. No sistema rodoviário estadual, as gestões do PSDB fizeram avanços extraordinários com a execução do Programa ProAcesso, que garantiu a ligação, por rodovia pavimentada, de todos os municípios mineiros. O desafio agora será pavimentar os trechos que conectam os eixos relevantes da malha rodoviária do Estado.

Será dada prioridade à construção de anéis rodoviários nas principais cidades do Estado, visando retirar das vias urbanas o tráfego intermunicipal, aumentando vigorosamente a segurança no tráfego e reduzindo o tempo de deslocamento urbano e rodoviário no Estado. Será consolidado o projeto que transforma o aeroporto internacional Tancredo Neves, em Confins, em um polo de desenvolvimento regional no Estado. Para além dos pilares citados anteriormente, terão destaque outras prioridades.

Na área da saúde, o Governo Estadual terá papel preponderante na coordenação das ações do SUS e sua política de saúde dará importância às ações de prevenção e de expansão das redes materno-infantil, de hipertensão e diabetes, de atenção ao idoso e de urgência e emergência.

Qualidade no atendimento ao usuário do SUS será a marca das políticas públicas na saúde.

Com o objetivo de dar tranquilidade à população e de desenvolver um ambiente próspero aos cidadãos mineiros, estará entre as prioridades a segurança pública. Com maior investimento em inteligência e integração das atividades policiais e expansão das políticas de prevenção, o governo irá reduzir os índices de criminalidade e ampliar a sensação de segurança nas cidades mineiras.

O desenvolvimento inclusivo e sustentável buscará o equilíbrio entre suas dimensões econômica, social e ambiental. Ênfase será dada à incorporação de novas tecnologias e de inovação, tanto para aprofundar a verticalização da indústria e do agronegócio, agregando valor aos seus produtos, quanto para aumentar a produtividade das atividades dos setores de serviços.

O empreendedorismo será estimulado, bem como serão apoiadas as micro e pequenas empresas, principal fonte de emprego e acesso à renda no Estado, tendo como referência a nova economia.

Na área de meio ambiente, será dada atenção especial a programas de eficiência energética e uso da água, ampliação do saneamento das bacias hidrográficas estaduais e de conservação dos parques estaduais.

Na área da cultura, serão desenvolvidas políticas de preservação do patrimônio cultural deMinas Gerais, ações de fomento à economia criativa, especialmente ligada à gastronomia e à música, além de incentivos às iniciativas culturais no interior do Estado.

As políticas de enfrentamento das vulnerabilidades sociais e garantia das liberdades individuais estarão sempre buscando um alinhamento com programas e ações nos âmbitos Federal e Municipal. Tornar eficaz o papel do Governo Estadual na rede de proteção social será a estratégia para assegurar a dignidade dos cidadãos mineiros.

Em síntese, apoiado no seu compromisso fundamental com as pessoas, Pimenta da Veigapretende aproximar o governo dos cidadãos e contribuir para a prosperidade e a equidade em Minas Gerais, transformando-a em uma terra de oportunidades permanentes para todos os mineiros.

Aço: Indústria fechará o ano de 2014 no vermelho

Diante dos resultados negativos no acumulado do ano até julho, o Instituto Aço Brasil acabou revendo suas projeções para o ano.

Brasil sem rumo

Fonte: O Tempo

Indústria brasileira do aço pode fechar 2014 no vermelho

Baixo crescimento do PIB e concorrência externa afetam o setor

JULIANA GONTIJO

A indústria do aço deve fechar 2014 com resultados negativos para produção (-2,5%), vendas internas (-4,9%) e consumo aparente de aço – soma das vendas internas mais a importação por distribuidores e consumidores (-4,1%). Os motivos são o fraco crescimento daeconomia brasileira, além do impacto da concorrência internacional. “O crescimento doProduto Interno Bruto no ano passado ficou aquém das expectativas. E, neste ano, deve ser menor que 1%. E o cenário internacional também não ajudou muito”, observou o presidente do conselho diretor do Instituto Aço Brasil (IABr), Benjamin Mario Baptista, nesta segunda, emSão Paulo, um dia ante do início do Congresso Brasileiro do Aço.

Diante dos resultados negativos no acumulado do ano até julho, o IABr acabou revendo suas projeções para o ano. As vendas internas, por exemplo, registraram queda de 6% na comparação com os primeiros sete meses de 2013. As exportações caíram 1,6%, enquanto que as importações registraram alta de 15,9%. O consumo aparente apresentou queda de 3,1%. Com a retração do mercado, a produção teve queda de 1% nesse período.

A estimativa de produção de aço bruto para 2014, que era de crescimento de 5,2%, agora é negativa (-2,5%), num total de 33,3 milhões de toneladas. Para as vendas nacionais, a perspectiva de alta de 4,1%, passou para retração de 4,9%. Apenas as exportações tiveram perspectiva de melhora, com incremento que saltou de 2,3% para 3,9%, resultado influenciado pela retomada do alto forno n° 3 da ArcelorMittal Tubarão em julho para a produção de placas voltadas para a exportação.

O consumo aparente também foi revisto para baixo. A última previsão era de incremento de 3%. A nova estimativa passou para recuo 4,1%. “O modelo de incentivo ao consumo chegou ao limite, o que pode ser constatado pelo endividamento das famílias e redução da demanda”, diz.

presidente executivo do Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, observou que a indústria da transformação está perdendo participação no Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB), que já chegou a 35,9% e no ano passado ficou em 13%. “O setor vem perdendo competitividade”, frisou.

Baptista aposta em melhoria do cenário nacional no fim de 2014. “Depois da Copa, o país voltou a trabalhar. A tendência é que os próximos meses sejam melhores que junho e julho. Em agosto e setembro é época das ordens de Natal”, diz.

Para 2015, a previsão do presidente de Baptista é de que será um ano complicado independente do governo. “Temos vários problemas acumulados, entre eles as tarifas que foram represadas, como é o caso da energia elétrica, além da pressão inflacionária”, observou.

Em Minas

Parcela. Minas Gerais foi responsável por 32,7% da produção de aço no país, nos sete primeiros meses de 2014. A produção brasileira de aço bruto em julho foi de 2,9 milhões de ton. A repórter viajou a convite do Instituto Aço Brasil.

Para Pimenta, “governar não é ato individual, é ato coletivo”

Coligação Todos por Minas apresentou segmentos contemplados no Plano de Governo e anunciou construção de 100 mil casas populares.

Eleições 2014

Fonte: Site do candidato Pimenta da Veiga

Diversidade social é marca na campanha de Pimenta da Veiga

Coligação Todos por Minas apresenta segmentos contemplados no Plano de Governo; candidato anuncia, ainda, construção de 100 mil casas populares

Mais de 50 entidades mineiras de 18 segmentos sociais passaram a integrar a campanha do candidato a governador Pimenta da Veiga, participando ativamente de eventos e contribuindo com a formulação do Plano de Governo da Coligação Todos por Minas. O evento de apresentação dos colaboradores, na manhã desta segunda-feira (11/8), em Belo Horizonte, lotou o auditório do comitê central da campanha. O especialista em administração Marcelo Lana, com larga experiência em entidades estaduais e nacionais, é o coordenador de Segmentos Sociais da coligação.

“Para conversar diretamente com todos, a campanha se segmentou buscando identificar demandas de cada setor. Como a campanha cresce a cada dia e o número de entidades diversas é cada vez maior, foi criada a coordenação de segmentos”, explicou Lana. “Nesta grande estrutura estão associações, sindicatos, fundações e toda a pluralidade do segmento social: mulheres, jovens, idosos, negros, LGBT, sindicalistas, cooperativas, esportistas, catadores de papel, artesãos, enfim, todos estão representados aqui”, completou.

Ao lado do candidato a governador Pimenta da Veiga e do candidato a senador Antonio Anastasia, o coordenador Marcelo Lana disse que essa parceria é fundamental para a elaboração do Plano de Governo, que será apresentado à população mineira em setembro. “Assim, a campanha estabelece um diálogo com cada público, com olhar sensível e respeitando suas especificidades. Conosco, a sociedade caminha junto, opinando, colaborando e construindo uma campanha plural, democrática e inclusiva”, afirmou Lana.

O diálogo aberto com a sociedade sempre foi uma das marcas de Pimenta em todos os cargos públicos em que ocupou. Segundo ele, essa característica da campanha representa um passo fundamental de interação com todos os mineiros. “Governar não é ato individual, é ato coletivo. Por onde passei, sempre valorizei de todos os modos a participação popular. Tudo deve ser feito ouvindo os segmentos sociais e é isso que estamos fazendo. É assim que queremos governar, sempre ouvindo toda a sociedade”, destacou Pimenta.

Habitação popular

Antes do início do encontro com representantes dos segmentos sociais, Pimenta da Veigadestacou as ações realizadas pelo Governo de Minas nos últimos anos na área habitacional. Ele anunciou, ainda, a construção de 100 mil casas populares. “O Governo do Estado nos últimos anos construiu 35 mil habitações para população de baixa renda em todas as regiões. Nós temos um plano ambicioso a esse respeito. No nosso período de governo vamos construir 100 mil casas Minas Gerais”, afirmou.

“Vamos atender a toda demanda de baixa renda, atender a população que mora em áreas de risco e, ainda, atender cidadãos ligados a alguns setores específicos, como, os profissionais das áreas de segurança e educação, entre outras. É um programa, audacioso, é um grande esforço que o governo fará. A questão da casa própria será tratada de modo prioritário no nosso governo”, explicou, ao destacar a necessidade de buscar novos avanços neste setor.

Implantado em 2005 como principal programa habitacional do Governo de Minas, o Lares Geraes Habitação Popular, executado pela Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab Minas), reduziu o déficit de moradias em cerca de 19% nos municípios com até 20 mil habitantes, que são 80% do total de cidades mineiras. Foram aplicados, de 2005 a junho de 2014, mais de R$ 1 bilhão para construção de casas para famílias de baixa renda.