• Agenda

    agosto 2014
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Aécio Neves vai anunciar adesão ao movimento #VempraUrna

Aécio Neves vai anunciar na semana que vem sua adesão ao movimento #VempraUrna, uma campanha oficial do TSE.

Eleições 2014

Fonte: O Estado de S.Paulo

Aécio vai lançar campanha contra votos nulos e abstenções

Ideia do candidato do PSDB é forçar segundo turno nas eleições de outubro impedindo reeleição de Dilma Rousseff no primeiro pleito

candidato do PSDB à Presidência da RepúblicaAécio Neves (PSDB), vai anunciar na semana que vem sua adesão ao movimento #VempraUrna, uma campanha oficial do Tribunal Superior Eleitoral. O comando da candidatura do tucano avalia que as altas taxas de intenções de votos nulos e brancos nas pesquisas e as abstenções podem favorecer a reeleição da presidente Dilma Rousseff no primeiro turno.

Em um vídeo que será veiculado nas redes sociais de Aécio, o candidato vai comunicar seu apoio à campanha do TSE. Ao mesmo tempo, o PSDB passará a divulgar gravações produzidas pela equipe de marketing da candidatura tucana que fazem alusão à campanha oficial do tribunal. A peça partidária, porém, inclui sutilmente a ideia de “mudança”, jamais contemplada na publicidade oficial da Justiça Eleitoral.

Em um dos vídeos, o jingle diz: “Vem pra urna pra fazer a diferença, que mudança não acontece com indiferença” e “vem, Brasil, que esse país é cheio de beleza, que a gente não merece ter tristeza”.

O objetivo é tentar convencer o eleitor que está descrente da política. Conforme a mais recente pesquisa Ibope sobre a corrida presidencial, 25% dos eleitores não têm candidato ou pretendem votar nulo ou em branco. Em julho de 2010, também a pouco mais de três meses das eleições, essa taxa era bem menor, de 19%, de acordo com levantamento do mesmo instituto.

Desconhecimento. Tucanos atribuem o fato ao desinteresse por eleição especialmente dos jovens entre 16 e 24 anos e à chamada taxa de desconhecimento dos presidenciáveis de oposição. Se houver uma redução das taxas de abstenção e de votos nulos e brancos, a campanha do PSDB acredita que Aécio e outros oposicionistas serão os beneficiados, reforçando a possibilidade de segundo turno na disputa presidencial.

No cenário de um 2.º turno entre Dilma e o tucano da mais recente pesquisa do Ibope, Aécio aparece com 33% das intenções de voto. A presidente tem 41%. No cenário do 1.º turno, Dilma tem 38% contra 22% do tucano.

No material produzido pela equipe do presidenciável do PSDB não haverá nenhuma referência a candidatos ou a partidos políticos, dando um caráter suprapartidário.

Aécio não vai aparecer nos materiais de divulgação e sua participação ficará restrita ao vídeo em que vai dizer publicamente que apoia a ação.

Estão sendo produzidos videoclipes em ritmo de rock, samba, forró e xote. Além de jingle, cartoon, descanso de tela, template, panfletos e outros materiais gráficos, que serão distribuídos por militantes tucanos, entre blogueiros, nas redes do partido e para quem mais quiser ajudar a divulgar a ideia.

A abstenção é outro fator determinante para que o candidato concentre o esforço de seus marqueteiros nesta ação eleitoral. Em 1998, o índice foi de 21,5%. No pleito de 2002, foi de 17,7%. Em 2006 o número atingiu 16,7%. E em 2010 a taxa de faltosos voltou a crescer, atingindo 18,1%.

Rede social. Os vídeos não deverão ser veiculados no programa eleitoral gratuito de Aécio no rádio e na TV. A aposta é na divulgação por meio da página do Facebook da campanha. A página do candidato na rede social acaba de atingir 1 milhão de seguidores. O número foi comemorado pelo marketing do PSDB, mas internamente admite-se que a plataforma ainda está longe de obter protagonismo na campanha, pois o Brasil possui 142,8 milhões de eleitores, segundo o TSE.

Cláudio: Aécio culpa Anac pela não regularização de aeroporto

Candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, culpou a Anac pelo fato de o aeroporto de Cláudio (MG) não ter sido ainda homologado.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Aécio culpa Anac pela não regularização de aeroporto

Senador diz que não sabia que agência não tinha homologado pista em Cláudio; para Campos, tucano ‘acertou’ ao reconhecer erro

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, culpou a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) nessa quinta-feira (31) pelo fato de o aeroporto de Cláudio (MG) não ter sido ainda homologado.

De acordo com Aécio, há uma “grande demora” da agência nesse processo, o que fez com ele usasse inadvertidamente a pista do aeroporto, construído na terra do seu tio-avô desapropriada pelo governo do Estado em 2008, quando Aécio era governador.

Questionado sobre o aeroporto e o fato de tê-lo usado “três ou quatro vezes”, como admitiu, o senador repetiu que a obra foi “corretíssima e planejada como milhares de outras obras feitas em Minas”.

“O que há, na verdade, é uma grande demora da Anac para fazer essas homologações, e fui de forma inadvertida. Não me preocupei efetivamente em saber se havia ou não homologação da pista. Se isso é um erro, eu assumo esse erro”, disse Aécio.

Ele defendeu a obra: “O tempo mostrará a correção da obra, a transparência com que foi feita, o Ministério Público mostrou isso”.

Folha revelou no dia 20 de julho que o governo de Minas gastou R$ 13,9 milhões para construir o aeroporto no terreno desapropriado do tio-avô de Aécio, Múcio Tolentino, e cujas chaves ficavam guardadas com um parente do senador. No dia seguinte, a Anac disse que a pista não tem autorização para receber pousos e decolagens porque falta documentação.

A agência disse ainda que investigaria eventuais pousos irregulares na pista e que poderia punir os responsáveis.

Rival de Aécio na disputa pelo Planalto, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) disse nesta quinta, em Porto Alegre, que o tucano “acertou” ao reconhecer que usou o aeroporto.

“Acho que o Aécio acertou, mesmo que depois de algum tempo, tardiamente, ao reconhecer um erro. As pessoas devem ter humildade não só na vida pública, mas na vida, de dizer: Errei’, pedir desculpa e pagar pelo seu erro, na forma em que houver de se pagar”, afirmou o ex-governador sobre o caso.

Aécio propõe regras tributárias específicas para Nordeste

Aécio indicou que governará com atenção especial para os pobres. Base de proposta de investimentos no Nordeste será apresentada em agosto.

“Levaremos o exemplo do que fizemos em Minas Gerais, onde, ao final do nosso mandato, tínhamos gasto três vezes mais per capita na região mais pobre de Minas do que nas áreas mais ricas”, afirmou o tucano

Eleições 2014

Aécio Neves promete investir contra a desigualdade no Nordeste

Candidato do PSDB à Presidência prepara proposta de desenvolvimento, com normas tributárias específicas para atrair negócios e reduzir a pobreza na região

O candidato à Presidência da República pelo PSDBsenador Aécio Neves, indicou ontem que, se eleito, vai governar com atenção especial para os pobres. Segundo ele, a base de uma proposta de investimentos no Nordeste será apresentada na semana de 12 de agosto, quando o tucano faz peregrinação pelos estados da região. “Levaremos o exemplo do que fizemos em Minas Gerais, onde, ao final do nosso mandato, tínhamos gasto três vezes mais per capita na região mais pobre de Minas do que nas áreas mais ricas”, afirmou o tucano, emendando que só é possível diminuir as desigualdades “tratando os desiguais de forma desigual”.

Ao inaugurar o comitê central de sua campanha ontem, em Belo Horizonte, o presidenciável disse estar preparando um choque de investimentos no Nordeste, usando para isto “regras tributárias específicas”. O tucano voltou a falar na redução do número de ministérios em um eventual governo tucano, mas continuou se negando a dizer quais pastas pretende extinguir. Usando dados de uma pesquisa internacional, Aécio disse considerar 22 ou 23 um número bom de ministérios. “Quero diminuir os ministérios e os cargos de livre nomeação e fazer com que o governo federal funcione, porque, hoje. o governo não ajuda e começa já a atrapalhar a vida de quem quer empreender no Brasil”, afirmou.

Tratado pelos aliados de Juscelino Kubitschek do século 21, Aécio disse que fará, nos próximos 20 dias, um roteiro que o levará a pelo menos 20 estados e fez um apelo ao cabos eleitorais mineiros para que convençam indecisos e mudem a seu favor votos “equivocados”.

O tucano dividiu o palanque com o candidato tucano ao governo de MinasPimenta da Veiga, o vice na chapa, Dinis Pinheiro (PP), e o ex-governador, que agora concorre ao Senado, Antonio Anastasia, além do governador Alberto Pinto Coelho (PP). Também presente no evento, Maria Estela Kubitschek , filha do ex-presidente Juscelino, leu carta levando a Aécio o apoio de toda a família. Segundo ela, JK conquistou a Presidência da República com a idade do tucano, a quem tratou por futuro presidente.Militância
PSDB reuniu centenas de militantes com bandeiras tucanas na Avenida Augusto de Lima, onde preparou um carro de som e um telão para que as pessoas na rua dissessem o que esperam de um novo Brasil. Na hora do almoço, o jingle de Aécio ficou alertando para a presença do candidato, enquanto a juventude do partido e o tucanafro faziam batucada em uma das esquinas movimentadas do Centro de Belo Horizonte.

PimentaDinis e Anastasia desceram a Rua da Bahia até entrar no comitê, onde Aécio procurou vincular sua campanha à sucessão estadual. “Se nós já fizemos tanta coisa em Minas Gerais, tendo um presidente de oposição, imagina se vencermos eleições presidenciais, com o conhecimento que tenho da realidade de Minas Gerais, os avanços que poderemos trazer para o estado”, afirmou. Antes, os aliados trataram de reforçar a campanha do presidenciável no estado. “Tenho certeza que o grito que ecoa de Minas, que é o grito de Aécio presidente, vai se espalhar pelo Brasil. Com Pimenta governador, vamos rumo à vitória”, afirmou Anastasia.

Pimenta
Ao comentar o resultado das últimas pesquisas em Minas, que colocam o candidato lançado por ele praticamente empatado com o adversário do PT, o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando PimentelAécio disse acreditar que no próximo levantamento Pimenta estará liderando. “Sempre acreditei na vitória doPimenta, ele é consistente, não é um candidato de bravatas, é um candidato que tem história e representa a continuidade de um trabalho extremamente sério”, afirmou. Pimenta da Veiga retribuiu, inflando a campanha do senador. “Aqui está nascendo um movimento político que vai ganhar o Brasil inteiro e resultar na eleição e vitória de Aécio Neves presidente”, afirmou.

Anastasia disse que a avaliação negativa do governo federal e a positiva da gestão estadual devem influenciar o eleitor, ajudando a candidatura de Pimenta. O ex-governador lembrou, que nesta fase da campanha estava atrás nas pesquisas e ressaltou o fato de o desempenho do atual candidato do PSDB ter melhorado antes mesmo de começarem as propagandas de televisão.

Mais cedo, Pimenta da Veiga fez caminhada pelo Barreiro, onde conversou com comerciantes e falou mais uma vez sobre o crescimento da inflação no país. “Há muitos empreendimentos, muitas empresas, desde as muito grandes até pequenas empresas. E todas são prejudicadas pela inflação que, infelizmente, está dando sinais de uma rápida elevação, e isso depende do governo federal. O remédio que estamos apontando para isso é mudar o eixo do país, através da liderança de Aécio Neves”, afirmou.

Prefeitos no alvo

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, afirmou ontem que, em um eventual governo, teria como prioridade aumentar em cerca de dois pontos porcentuais o repasse da União ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para “tirar da falência os serviços públicos brasileiros dos municípios”. A uma plateia formada por prefeitos em evento na capital gaúcha, ele garantiu que há recursos para tornar o pacto federativo brasileiro mais justo e eficiente e criticou a política de desonerações do atual governo, como no caso do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que, segundo ele, não dá mais resultado e, de quebra, acaba gerando diminuição dos repasses às cidades.