• Agenda

    julho 2014
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Eleições 2014: Aécio diz que PT adotou ‘medidas amargas’ à economia

Candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG), responsabilizou o governo do PT pelas “medidas amargas” na economia.

Eleições 2014

Fonte: Valor Econômico

Aécio diz que PT adotou ‘medidas amargas’ à economia

O candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG)responsabilizou o governo do PT pela adoção das chamadas “medidas amargas” na economia: “Não existem medidas impopulares. Existem medidas necessárias, que qualquer governo responsável terá que tomar. Repito: as medidas impopulares foram tomadas por este governo“, atacou, durante sabatina promovida pelo jornal “Folha de S.Paulo”, portal UOL, SBT e Jovem Pan ontem, em São Paulo.

Questionado sobre eventuais práticas consideradas impopulares que poderia aplicar à economia para fazer o ajuste fiscal, Aécio evitou elencar quais seriam as suas ações: “Os mais prejudicados pela atual política econômica são aqueles que o governo julga proteger”, afirmou. “Sabe qual vai ser o reajuste real do salário mínimo neste ano, e ninguém muda isso? De um por cento”, criticou.

Aécio acusou o governo brasileiro de “financiar Cuba” por meio do programa Mais Médicos e disse que pretende rever o acordo firmado pelo Brasil com o país caribenho: “Não vamos aceitar regras impostas por Cuba. Não vamos cometer o equívoco de circunscrever a saúde pública ao Mais Médicos“, afirmou. E declarou considerar “um absurdo” que os profissionais cubanos recebam cerca de 20% do que a administração brasileira repassa ao governo de Cuba: “Temos de rever esse acordo. Médicos estrangeiros são bem-vindos e devem receber a mesma remuneração que os outros”, avaliou.

Para Aécio, uma eventual vitória tucana geraria efeito inverso àquele inicialmente provocado quando da eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002: “Acredito que com a nossa vitória haverá uma melhora. Com a eleição do Lula houve incerteza. Uma vitória do PSDB gerará um efeito inverso”, previu. “Estamos convencidos disso, inclusive com analistas de fora do Brasil’, assegurou.

Sobre a declaração do presidenciável Eduardo Campos (PSB) que comparou a denúncia de compra de votos para a aprovação da emenda da reeleição no governo de Fernando Henrique Cardoso ao escândalo do mensalãoAécio disse que a denúncia “foi investigada e arquivada por falta de provas”. “A minha opinião é que não houve compra de votos [para aprovar a reeleição presidencial]. Acho que o PT concorda conosco. Governa há 12 anos e por que não tentou reabrir isso? Esqueceu?”, espetou Aécio.

Instado a confrontar a declaração de Campos, que disse que Aécio representa a “mudança conservadora”, tratou de por panos quentes: “Ele pode até querer brigar comigo, mas não vou brigar com ele”. Depois o tucano rebateu o presidenciável do PSB, dizendo que ele apoia dois dos principais governadores do PSDB – Geraldo Alckmin, cujo vice na chapa é o presidente estadual do PSB em São Paulo, Márcio França, e Beto Richa, no Paraná.

Em seguida o candidato do PSDB lançou mão de um exemplo para justificar sua opinião, de que hoje conceitos de direita e esquerda são “abstratos”: “Um governo [do ex-presidente Lula] que propiciou os maiores lucros da história ao sistema financeiro. E outro [do ex-presidente FHC] que colocou 97% das crianças na escola. Qual seria o de esquerda? Nesse caso seria o do Fernando Henrique”, ironizou.

O tucano disse que poderá rever o atual modelo de gestão da Petrobras e a política de preços dos combustíveis. No entanto, não disse se vai promover alterações: “Eu quero discutir o modelo. Que benefícios trouxe ao país e o que pode ser mudado.”

Sobre a Copa do MundoAécio disse que a presidente Dilma Roussef (PT) “tentou surfar no êxito da seleção“, e disse ser contrário à intervenção do governo no futebol. No entanto, defendeu a criação “de uma lei de responsabilidade fiscal para o esporte”.

Aécio reiterou que manterá o Bolsa Família, na hipótese de ser eleito: “O que eu quero é tirá-lo da agenda eleitoral, porque quem é punido é o destinatário desse programa. Os [programas] que estão dando certo, não terei problema em dar continuidade.

Sabatina folha: ciclo do PT chegou ao fim, afirma Aécio

Aécio afirma que o ciclo do PT chegou ao fim e foi reprovado em todos os aspectos econômicos, sociais e no setor de infraestrutura.

Fonte: Jogo do Poder

Ciclo do PT chegou ao fim, afirma Aécio

O candidato à Presidência da República pela coligação Muda Brasil, senador Aécio Neves, disse que o ciclo do PT no governo chegou ao fim. Segundo ele, o partido não merece governar o país por mais quatro anos por ter sido reprovado em todos os aspectos econômicos, nos indicadores sociais e no setor de infraestrutura. Ao deixar o auditório do Teatro Folha, em São Paulo, onde participou de sabatina promovida pelo Jornal Folha de S.Paulo, portal Uol, SBT e rádio Jovem Pan, o candidato do PSDB à sucessão da presidente Dilma Rousseff se apresentou como a melhor alternativa para dar início a um novo ciclo no Brasil, com ética, clareza na condução da economia e eficiência na busca de parcerias com o setor privado. Para Aécio, a população brasileira precisa voltar a ter esperança em relação ao futuro.

“Mais quatro anos do PT e nós veríamos o quadro atual de inflação alta, crescimento baixo, ausência de credibilidade do país ainda mais agravado. Portanto, o PSDB tem a responsabilidade, tem a obrigação de apresentar ao país um projeto alternativo a esse que está aí”, afirmou Aécio. Por essa razão, o candidato disse que vai basear sua campanha em três vertentes: “Eu vou mostrar quem sou, aquilo que fiz em Minas Gerais e nos outros cargos pelos que passei e aquilo que pretendo fazer pelo Brasil. Esse é o tripé da nossa construção política”.

 Ao destacar o fato de que o PSDB tem nomes qualificados para ajudá-lo no processo de mudança do BrasilAécio fez questão de enaltecer o ex-governador de São Paulo José Serra, que é candidato do partido ao Senado em São Paulo. “Estou muito feliz por estar aqui ao lado de todos os nossos companheiros, do senador José Serra, o que é a demonstração de que nós temos o melhor time, os nomes mais qualificados e mais experimentados para mudar de verdade o Brasil”. O candidato a presidente pelo PSDB elogiou a sabatina. Ele afirmou ter gostado da clareza das perguntas formuladas pelos jornalistas, mas lamentou ter tido pouco tempo para detalhar as suas propostas de governo.