• Agenda

    outubro 2013
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Aecio Neves fala que governo federal mais atrapalha do que apoia o setor privado

Em críticas dirigidas ao governo de Dilma Rousseff, o senador tucano Aécio Neves disse hoje que o Brasil não provê as condições para que as empresas tenham confiança e invistam no país. As evidências são várias, segundo o presidente do PSDB.

“É fora de propósito assistirmos à presidente indo a Nova York se reunir com investidores para dizer que Brasil respeita contratos. Isso é a Carta aos Brasileiros, de 10 anos atrás”, afirmou o provável presidenciável tucano durante o EXAME Fórum.

A Carta ao Povo Brasileiro foi o documento lançado pela campanha de Lula, em 2002, para acalmar o mercado financeiro diante de uma possível vitória petista.

Aécio afirmou ainda que a política de isenções do governo federal para determinados setores também contribuiu para o “descompromisso entre aquilo que se propõe e aquilo que se realiza”.

“Eu acho que governo vem tratando a politica macroeconômica com instrumentos de microeconomia. Quem está fora certamente está irritado com o governo. Mas quem recebeu (isenções) também, porque eles não podem fazer planejamento de longo prazo. Não há segurança”, disse o senador.

Aécio criticou ainda outras bandeiras ligadas à administração petista, como a de “campeões nacionais”, a política de beneficiar empresas escolhidas para competir mundialmente e que tiveram crédito e investimento fartos do BNDES no governo Lula.

Ainda nesses últimos dias Aécio Neves, presidente nacional dos tucanos, resolveu falar mais grosso e foi ao ataque, batendo duro nos governos petistas de Lula e Dilma.

Depois que Eduardo Campos entrou de vez na parada, com Marina Silva e José Serra ainda esperando no acostamento da corrida pesidencial de 2014, Aécio não tinha outra saída: resolveu se apresentar como o verdadeiro e único candidato de oposição “a tudo o que está aí”, como se dizia nas manifestações de junho, detonando o que os governos do PT fizeram nos últimos 11 anos.

A ofensiva começou no sábado num encontro do PSDB em Curitiba: “Vamos dizer ao Brasil que o ciclo do PT merece ser encerrado. Vamos contrapor a meritocracia ao aparelhamento do Estado que o PT faz (…). O papo é reto: está chegando a hora de enfrentarmos o PT. Devemos nos preparar para o embate e debater em todos os cenários”, falou o senador Aecio Neves, presidente do partido dos tucanos.