• Agenda

    outubro 2013
    S T Q Q S S D
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Aécio Neves planeja seu possível governo

O senador Aécio Neves, presidente nacional dos tucanos, já faz propostas para seu possível governo e afirmou, nesta segunda-feira, 30, que num eventual governo do PSDB, trocaria metade dos ministérios atuais por secretaria da desburocratização. Segundo ele, os quase 40 ministérios de hoje voltariam aos 21 ou 22 do governo do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e as pastas restantes virariam essa secretaria extraordinária, com prazo de um ano para fazer as reformas.

Segundo ele, no primeiro ano do governo seriam tomadas medidas para a simplificação do sistema tributário emergencial, mas não uma reforma tributária. Aécio voltou a fazer várias críticas ao governo do PT, focadas em áreas que o governo de Dilma Rousseff tem priorizado, como educação, inovação e infraestrutura. Ele admitiu que até 2008 medidas foram tomadas para o crescimento, mas, “a partir de 2008 nada foi feito, o governo abandonou as reformas”, disse o senador, durante o Fórum Exame, em São Paulo.

“A proposta de educação é muito pouco ousada, de os estudantes alcançarem média 6 em 2021. Ou damos salto na educação, ou vamos ficar a ver navios, como nossos portos tem visto”, afirmou Aécio. O senador propôs ainda a criação de uma agência para inovação no modelo norte-americano, “com investimentos a fundo perdido e uma desburocratização do setor”.

Em críticas dirigidas ao governo de Dilma Rousseff, o senador tucano Aecio Neves, atual presidente da sigla tucana, disse que o Brasil não provê as condições para que as empresas tenham confiança e invistam no país. As evidências são várias, segundo o presidente do PSDB. “É fora de propósito assistirmos à presidente indo a Nova York se reunir com investidores para dizer que Brasil respeita contratos. Isso é a Carta aos Brasileiros, de 10 anos atrás”, afirmou o provável presidenciável tucano durante o Exame Fórum.