• Agenda

    outubro 2012
    S T Q Q S S D
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    293031  
  • Categorias

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Minas em Pauta no Twitter

    Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

Eleições 2012 em Belo Horizonte: PT não apresentou nada novo

Ainda sobre as eleições – artigo de Murilo Rocha

Por Redatores da Turma do Chapéu

Pela primeira vez em 20 anos, o PT estará fora da prefeitura de Belo Horizonte. A saída dos petistas que romperam com o prefeito Marcio Lacerda se deu principalmente por causa da bem avaliada gestão do atual prefeito, mas também de erros estratégicos de um partido que resolveu trair uma administração aprovada.

Eleições 2012 em Belo Horizonte

Ainda sobre as eleições

Murilo Rocha

O TEMPO, 11/10/2012

As análises sobre a derrota e, consequentemente, a saída do PT da Prefeitura de Belo Horizonte depois de 20 anos na administração municipal ainda vão ecoar dentro e fora do partido por muito tempo. As primeiras conclusões surgiram antes mesmo do resultado das urnas: a aliança de 2008 com o PSDB foi um erro, e a ruptura, às vésperas do início do processo eleitoral, talvez tenha sido uma decisão pior ainda. Os discursos pós-derrota destacando a recuperação da identidade da sigla na capital mineira, a retomada da militância e a volta do “velho PT” soam mais como um analgésico com prazo de validade para suportar a enorme ressaca eleitoral.

A eleição em Belo Horizonte, incluindo-se aí a da Câmara de Vereadores, merece uma reflexão para além da política de alianças. A Belo Horizonte de 1992, quando Patrus foi eleito prefeito da capital, dando início à era PT na cidade, não existe mais. A classe média intelectualizada e os trabalhadores politizados, capazes de mobilizar seus pares e decidir uma eleição, foram reduzidos, sendo parte empurrada para cima, e outra parte, para baixo da pirâmide social. Esse nicho tradicionalmente eleitor do PT foi pulverizado porque ascendeu economicamente, se desligando de um ideal partidário, ou porque foi achatado, com perda do poder de consumo.

Em julho deste ano, quando Patrus foi lançado candidato às pressas como o único nome capaz de derrotar o atual prefeito, Marcio Lacerda (PSB) – apoiado por Aécio Neves (PSDB) -, o partido contava justamente com esse antigo eleitor de 20 anos atrás. E decepcionou-se. O PT mudou; Belo Horizonte mudou; o eleitorado mudou; mas a campanha de Patrus não se deu conta disso e foi em vão em busca de um passado morto e enterrado.

De repente, o PT em Belo Horizonte parece ter tomado um susto com a mercantilização da relação entre candidato e eleitor, com o pragmatismo das alianças, com a falta de uma posição definida dos candidatos em campos políticos. Ironicamente, o partido não soube como agir diante de um cenário do qual ele mesmo aceitou participar e incentivar a partir de 2002, quando o Lulismo suplantou qualquer resistência dentro do PT à ideia de se perpetuar no poder a qualquer custo. Patrus criticou o pragmatismo eleitoral do rival, o qual foi praticado pelo seu próprio partido com grande competência em nível nacional.

Marcio Lacerda venceu em oito das nove regionais. Só perdeu na regional Nordeste. O prefeito teve votação expressiva nas classes mais ricas, mas também nas mais pobres. Somam-se a isso cerca de 15% de votos nulos e brancos e 18% de abstenções. Ou seja, entre quem esteve disposto a votar em um candidato, a maioria preferiu ficar acomodada, porque gosta da atual gestão ou porque não vê uma alternativa melhor. E é justamente esse o ponto de partida de reflexão para o PT na capital. O partido não se apresenta mais como algo diferente.